"Quanto vou gastar em alimentação?"

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Restos mortais de um spaghetti al sugo em Roma

Taí uma pergunta facílima de responder. A resposta, objetiva e à prova de erros, é: "Não sei". Dependendo do destino, a resposta pode ser ainda mais completa: "Não tenho a mínima idéia!".

O fato: há tantos fatores que influem nos gastos de alimentação, tantas variáveis a considerar, que é impossível quantificar com a exatidão esperada por quem pergunta.

O que você vai gastar vai depender de quando, onde e quanto você come (e bebe). Depende do seu itinerário do dia, do seu tempo disponível para as refeições, dos seus hábitos alimentares, dos seus gostos, da sua paciência de pesquisar e escolher, da sua disposição de procurar lugares específicos.

Num mesmo destino você pode gastar tanto US$ 20 quanto US$ 200. Digamos que com US$ 50 por dia por pessoa dá para fazer uma refeição econômica e uma refeição de verdade na maioria dos lugares. Com US$ 75 por dia por pessoa, já dá para pensar em duas refeições sentadas, com bebida alcoólica. Quem tem as manhas de procurar, porém, pode comer com vinho por menos do que isso (mas quem entende de vinho vai provavelmente gastar muito mais).




Tome as amostras de preços coletadas diligentemente por viajantes, jornalistas e guieiros como um parâmetro de comparação -- com os custos em outros destinos e os de onde você mora. Nenhuma dessas listas, no entanto, prepara você para o que você vai encontrar especificamente no seu caminho, nem prevê o quanto você vai querer consumir. (Você viajou meio mundo para chegar aqui e vai regular essa entradinha que parece sensacional?)

Mas não se preocupe: no final sempre dá certo! Não se tem notícia de gente que tenha morrido de fome durante viagens de férias. Ou que tenha precisado voltar antes por falta de verba para a gororoba.

Tenha em mente duas coisas básicas:

1) Sempre é mais caro do que a gente estava pensando

Por mais que você tenha viajado na vida, dificilmente vai ser acostumar com a circunstância de ter que fazer (e pagar) todas as refeições fora de casa. Na vida real isso não acontece (e na eventualidade de isso acontecer, você acaba indo nos mesmos lugares e sabendo exatamente quanto vai pagar). Desta maneira, mesmo num lugar em que os restaurantes sejam mais baratos do que os do lugar em que você mora (e se você morar em São Paulo, os restaurantes de QUALQUER LUGAR serão mais baratos), a soma das vezes que você vai comer fora vai tornar qualquer lugar mais caro do que você está acostumado.

2) A gente sempre se adapta

Acredite: no segundo dia (no máximo, no terceiro) a gente já sabe o que é pro nosso bico. A partir daí cada um traça a estratégia que o seu bolso permitir (ou seu apetite deixar). Há quem faça compensações (para cada extravagância, duas refeições econômicas). Há quem parta para o downgrade puro e simples (de restaurante gourmet para restaurante comum, de restaurante comum para sujinho ou pizzaria, de sujinho ou pizzaria para lanchonete, de lanchonete para comida de rua e supermercado). E há quem desencane e deixe para pensar nisso quanto a conta do cartão de crédito chegar.

Mais importante do que saber exatamente quanto você vai gastar com alimentação é ter na manga os truques para rentabilizar o seu orçamento.

- Almoço é sempre mais em conta do que jantar. No almoço muitos restaurantes fazem menus especiais. E isso não vale só para restaurantes comuns; o almoço é a melhor ocasião para visitar restaurantes estrelados estourando menos o orçamento. Na Espanha o "menú del día" é especialmente atrativo; na Argentina é quando você ainda encontra as superpechinchas. Na França, além das "formules", são oferecidos agora os "plats du jour" -- refeições de um prato só, até há pouco inimagináveis em terras gaulesas.

- Vinho da casa -- e água também. Na Europa todo restaurante tem o seu vinho da casa, servido em copo ou em jarro (em restaurantes melhores, até em garrafa). A qualidade do vinho costuma acompanhar a qualidade do restaurante, mas sempre é um bom negócio (equivalente a refrigerante). Por incrível que pareça, um dos itens que mais encarecem uma refeição no exterior é a água. Nos Estados Unidos e na França, porém, você pode pedir água da torneira (é limpa), sem que o garçom torça (muito) o nariz; peça "tap water" nos States e "une carafe d'eau" (inn carráf dô) na França. Infelizmente na Itália isso não é costumeiro; se você pedir água, o  mais provável é que já tragam um litrão.

- Sobremesa? Precisa valer a pena. Não peça sobremesas comuns em restaurantes -- mate sua vontade de doces em confeitarias (sempre dá para deixar uma à sua espera no quarto). Deixe para pedir apenas sobremesas realmente elaboradas, que só um restaurante pode oferecer.

- Restaurantes "étnicos" sempre são bom negócio. Descubra os bairros dos imigrantes, e aventure-se pelas suas cozinhas. É o melhor jeito de fazer refeições "de verdade" pagando preço de lanchonete.

- Restaurantes perto de atrações turísticas são mais caros. Cafés perto de atrações turísticas são caríssimos. Pense nisso antes de sentar em frente à Opéra ou na Piazza Navona. Quem tem tempo para fazer refeições fora das áreas mais turísticas sempre come melhor e mais barato.

- Cafés: modo de usar. Na Europa (e na Argentina também) os cafés não devem ser vistos como lugares onde você faz uma paradinha para um café ou um refrigerante. Tudo num café tem um sobrepreço considerável -- porque o que o estabelecimento serve não tem importância. O negócio do café é alugar espaço: você fica dono de uma mesa numa calçada de Paris por quanto tempo quiser, pelo preço de um café caro. E isso é muito barato. Agora: para sentar, tomar um café e sair correndo o preço é exorbitante. Se quiser só tomar um café, dirija-se sempre a lugares onde pode beber de pé (na França e na Itália basta entrar no café e ficar no balcão que os preços já caem). Para simplesmente matar a sede, sempre há lojas de conveniência e minimercados espalhados por todo lugar.

- Descubra as comidinhas de rua típicas do lugar. Sempre são melhores do que os fast-foods e proporcionam ótimas recordações de viagem.

- Entre pelo menos uma vez num supermercado. Nem que você não esteja economizando, uma visita à área de comida do supermercado é instrutiva e divertida. Experimente coisas novas, faça piqueniques, abasteça o frigobar do seu hotel.

- Faça ao menos uma extravagância gastronômica. Mas uma extravagância consciente, pesquisada. Eleja um restaurante onde você vai gastar o dobro do seu orçamento. Deixe para a penúltima noite. Sempre vale a pena mrgreen

Leia também:

Viaje Melhor: página com uma seleção de posts para suas viagens ficarem mais bacanas

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email
Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire
Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem


147 comentários

Atenção: perguntas que já estejam respondidas no texto e comentários ofensivos ou em maiúsculas serão deletados.

Cancelar
Gabriele
GabrielePermalinkResponder

Bóia, adorei este post, achei super instrutivo! Tem problema se eu reproduzir no meu blog, citando a fonte é claro? Parabéns pelo blog, muito bom! Estou indo para Montevidéu no final do mês e as dicas de cambio são ótimas!

Gabriele
GabrielePermalinkResponder

Bóia, aproveito para perguntar, escolhemos para nossa extravagancia em Montevideo o Montecristo Restaurante Museu. Vocês recomendam?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gabriele! Não conhecemos.

Camila
CamilaPermalinkResponder

Gostaria de saber quanto custa alimentacao e lazer na africa?
Estou viajando janeiro/13, mas nao tenho nocao de quanto custa um refrigerante, sanduiche etc
Se puderem me informar os valores em hand (moeda), favor enviar.
obrigado

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Camila! Leve cartões de crédito ou VTM recarregável. A gente sempre gasta mais do que imagina.

Em qualqier lugar do mundo, os preços não têm a ver com o alimento, mas com o lugar onde é consumido.

Como turista, é mais provável que você consuma nos lugares menos baratos.

Leandro Amaral

Gostaria de saber se existe em Buenos Aires restaurantes do tipo self-service e o preço medio das refeições?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leandro! Procure por "tenedor libre" no Guia Óleo:

http://www.guiaoleo.com.ar/restaurantes/Tenedor-libre-1/

manoel passos
manoel passosPermalinkResponder

Olá, onde encontro um "guia da alimentação barata em Nova York"?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Manoel! A revista New York Magazine tem uma seção chamada Cheap Eats:

http://newyork.grubstreet.com/2012/07/the_underground_gourmets_2012.html

Ronaldo Castro

Boa tarde!
Vou ficar em um hotel em Buenos Aires, av. Corrientes, é um bom local? Existem casas de câmbio oficiais e restaurantes próximos?
Qual o valor aproximado, em pesos, para ir de táxi do aeroporto até à Av. Corrientes?

Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ronaldo! É uma região movimentada, sobretudo por causa dos teatros.

Mas de maneira geral não recomendamos ficar no Centro, não, mas na Recoleta.

Leia tudo sobre Buenos Aires a partir deste post:
http://www.viajenaviagem.com/2012/01/primeira-viagem-um-fim-de-semana-em-buenos-aires/

Cláudia
CláudiaPermalinkResponder

Quando fui a Paris, descobri um restaurante chinês, que apesar de ser "Plats a emporter", tinha algumas mesas e algumas pessoas comiam lá mesmo. Fica na 22, Saint-Sabin, bem próximo ao Ibis Bastille. O almoço ficava super em conta, conciliando uma boa refeição com economia.

Marilza
MarilzaPermalinkResponder

Olá Bóia o que diria de uma extravagancia gastromica em Miami?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marilza! Vá ao restaurante de algum super hotel, como o Mondrian ou o Mandarin Oriental.

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Olá Bóia, poderia me indicar um restaurante em Londres, de preferência próximo a Gloucester Road, onde seja possível comer um bom nhoque ao sugo?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eduardo! Não temos um guia de restaurantes em Londres. Nosso guia é de estratégia de viagem.

Leia:
http://www.viajenaviagem.com/2012/09/7-dicas-escolher-restaurantes/

Cecília
CecíliaPermalinkResponder

Bóia, tudo bem?
Estou indo a NY pela primeira vez (para fora do país pela primeira vez, na verdade) contando os trocados.
Meu grande impasse na alocação de grana é o trade-off turismo gastronômico e turismo histórico/de compras.
Por enquanto, tenho achado mais proveitoso passar uma semana no fast food e, como sugeriu, fazer uma única refeição num restaurante bacana e poder visitar mais pontos turísticos, comprar mais coisas, enfim...
Sei que lugares e comidas se complementam, e que "um turismo" realmente não se difere "do outro", mas o que você acha desse trade-off?
Não tenho alguém com quem trocar ideia sobre isso, e agradeço se puder me aconselhar.

Mon
MonPermalinkResponder

Cecília, eu só não recomendo que você vá a Fast Foods como Burger King, Mc Donalds e etc.
NY é uma cidade muito urbana e, então, esses restaurantes geralmente não são muito bem frequentados. Costumam ser cheios de mendigos (afinal existe o dollar menu), às vezes um pessoal meio estranho. Não acho legal.
Você continua conseguindo opções interessantes de refeições rápidas, do mesmo jeito. Tem Shake Shack, Grey's Papaya e infinitas delis que podem te oferecer uma refeição barata e não menos nova-iorquina.
Procure também redes como Pret a Manger, Au Bon Pain, Pax, o mercadinho Whole Foods. São opções de comida rápida, barata e não é um lixo nutricional, hehe.

wink

Cecília
CecíliaPermalinkResponder

Oi, Monica!
Obrigada pelas sugestões e por se dispor a me responder, o que acabou me levando ao seu blog. Muito legal!
Um abraço.

Mon
MonPermalinkResponder

grin

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cecília! Vai pela Mon grin

Paulo Sergio
Paulo SergioPermalinkResponder

Boa Noite Bóia, td bem? estou indo com a esposa (pela 1ªvez) a Miami em dezembro/2013 e devemos ficar 09 dias; estamos preocupados com a despesa com refeições, pois queremos aproveitar ao máximo nosso dinheirinho, rsrs; ficaremos em um Hotel apenas com café da manhã, o que recomenda para almoço e jantar? parabéns pelo site e desde já, OBRIGADO!!! aguardamos sua resposta, abçs

silmara
silmaraPermalinkResponder

Quatro senhorinhas passeando por Lisboa,ficaremos na Marques de Pombal preciso de indicaçção para comer bem e barato!!!!Obri
gada

Thulius Fernandes

Oi Bóia,

Estou indo com minha esposa para Roma (7 dias) e Milão (7 dias) em Setembro/13, gostaria de algumas dicas sobre alimentação legal nesses lugares. Acabamos escolhendo hotéis já com café da manhã (Eurostars Internacional Palace em Roma) e ( NH Presidente em Milão), mas nas outras refeições queremos conhecer culinária local e agradável.
Você me indicaria algum guia de alimentação nesses dois lugares?

Parabéns pelo site e pelas dicas no rádio pela manhã.

Grande abraço

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Thulius!

Siga as dicas do Ricardo Freire:
http://www.viajenaviagem.com/2012/09/7-dicas-escolher-restaurantes/

Em Roma, zanze à noite pelo Campo de' Fiori e pelo Trastevere.

Em Milão, não perca o bairro de Navigli à noite.
http://www.viajenaviagem.com/2011/11/noite-em-milao-navigli/

Paula
PaulaPermalinkResponder

Thulius, vou te repassar as dicas que recebi em Roma de um guia turístico que opera no Vaticano:

1) use o valor da pizza margherita como balizador do preço do restaurante. Se a pizza margherita for mais cara num determinado local do que em outro, todo o resto do menu será também. Em janeiro/2012, quando estivemos lá, o guia achava aceitável pagar entre EUR4 e EUR7 por uma pizza margherita (lembrando que a pizza é individual). Ou seja, restaurantes cobrando menos do que EUR4 seriam suspeitos por muito baratos e aqueles cobrando mais do que EUR7 são caros. Não por acaso, todos os restaurantes no entorno do Campo dei Fiori e da Piazza Navona, por exemplo, tinham pizza margherita com preços entre EUR8 e EUR10... é a típica situação em que você paga pelo visual, não só pela comida;

2) não existe a obrigação de pagar um percentual pré-estabelecido de "serviço". Você pode simplesmente arredondar o valor da conta para cima, de EUR47 para EUR50, por exemplo. Mas isto, obviamente, não impede alguns restaurantes, quando sacam que você é estrangeiro, de incluir um valor pré-determinado de serviço na conta. Na primeira noite que jantamos em Roma, antes de recebermos a "dica" do guia, pagamos 20% de serviço em um restaurante, porque não sabíamos qual era a praxe do lugar e não quisemos discutir.

Outra coisa: o que o Ricardo coloca no corpo da matéria acima, sobre comer no balcão, é bem verdadeiro. Roma é uma cidade que tem lugares de sobra para você sentar e comer na rua, literalmente. Se você comer um panini e tomar uma água/refrigerante em um café, vai acabar pagando uns EUR10-12; se comprar o panini e a água no balcão e comer ali mesmo ou, então, na rua, em algum parque, etc., vai gastar entre EUR5 e EUR7. Não é uma grande diferença em termos absolutos, mas é sempre bom levar isso em consideração.

Para refeições rápidas, procure portinhas que vendem "pizza a taglio" (pizza em pedaços). Algumas são muito boas.

Para se aventurar pelo Trastevere, sugiro que você peça algumas referências no hotel. Tentamos fazer uma incursão pela região numa das noites e não achamos nada tão formidável assim. Mas, como todo mundo fala muito bem dessa região, provavelmente foi falta de planejamento nosso mesmo...

Thulius Fernandes

Oi Paula,

Muito obrigado pelas dicas!!

Talitta Yasmin De Amorim Silva.

Ola, tenho um amigo que tem um apartamento em Viña del mar, sou de Belém do Pará, tenho 19 anos e sou estudante de biologia e gostaria de saber se vocês podem responder as seguintes perguntas por gentileza:
1) quanto eu gastaria em média com passagem? É melhor vôo direto ou com escalas? Existe vôo direto de Belém para Santiago?
2) Que roupas devo levar? Já que moro em um dos estados mais quentes do Brasil, não tenho roupas de frio e como estudante teria de gastar pouco (mês de agosto)
3) Quanto devo levar para gastos? Pode-se levar lanches em bolsa, tipo biscoitos, miojo? Enfim modos de econômia rsrs...
4) Quantas horas de viajem? Existe uma linha aérea mais em conta? Voos de ida e volta saem mais barato, ou é melhor comprar primeiro a ida e lá ver a volta?
Desculpem se são perguntas bestas, é que nunca viajei pra fora do meu estado muito alem de Tocantins grin
Beijooos e amei o site grin

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Talita! A viagem mais curta é via São Paulo. São 3h30 de Belém a São Paulo, depois 4h de São Paulo a Santiago. De Santiago a Viña dá 1h30 de ônibus.

Leia sobre Santiago e região a partir deste post:
http://www.viajenaviagem.com/2012/02/roteiro-santiago/

Mara
MaraPermalinkResponder

Ola, estou indo para NY em setembro/13 e gostaria de saber se me aconselha adquirir o NewYork Pass e o passeio Foot and Food (45.00 + valor das comidinhas) - vale a pena? Estou anotando varias dicas do seu blog. Muito obrigada! Mara

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mara! O NY City Pass é mais negócio que o NY Pass. Você vai ver que a rua já é suficientemente divertida, não é preciso se programar tanto.

Não ouvimos falar desse passeio. Vamos compartilhar sua pergunta no Perguntódromo; havendo resposta, aparecerá aqui.

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Não conheço esse tour mas para valer a pena comprar algum passe, só fazendo as contas mesmo... Eu adoro planilhas e faço uma quando tem algum passe na cidade que estou indo. Ai ponho os preços todos e comparo. O NY Pass é caro e talvez só valha a pena se vcs forem em MUITAS atrações fechadas. Mas ai correm o risco de perderem as atrações ao ar livre (Central Park, High Line, passeio pelo Brooklyn e etc). O NY City Pass vale por alguns dias a mais e só cobre as atrações principais mesmo, mas acho que talvez só valha a pena se for a 1a vez na cidade, se não dificilmente vai compensar.

Recentemente fiz um post sobre isso, eu fiz a tabela que falei acima e no meu caso, não compensava comprar passe nenhum (mas tb já tínhamos visitado o Empire State antes, por exemplo). Aqui está o post: http://taindopraonde.blogspot.com.br/2013/07/vale-pena-comprar-um-dos-passes-para.html.

A Patrícia do Turomaquia publicou outro post recentemente tb mostrando várias vantagens do NY City Pass: http://turomaquia.com/vale-a-pena-comprar-o-new-york-city-pass/

Wanessa
WanessaPermalinkResponder

A Fernanda indicou o post do Turomaquia sobre o City Pass, mas a Patrícia também fez um tour gastronômico. Não foi esse Foot and Food, mas pode ajudar: http://turomaquia.com/tour-gastronomico-em-new-york-do-essex-street-market-a-little-italy/

Anderson Pimenta

Bom dia amigos mochileiros. Preciso de algumas dicas, pois estarei indo a Europa com minha noiva no final de abril de 2014 e voltarei no inicio de junho. A previsão do nosso roteiro é a seguinte:
França, Reino Unido, Bélgica, Holanda, Alemanha, Rep. Tcheca, Áustria, Suiça, Itália e Grécia.
Preciso saber quanto fica o custo diário com alimentação/refeição.

Grato.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Anderson! Leia o post acima wink

Anderson Pimenta

O da Wanessa?

Paula
PaulaPermalinkResponder

Bóia,
por favor responda: Você sabe de alguma bar country em Nova York. É aqueles que promovem danças entre os clientes. Vou lá em dezembro e quero dançar country.
Quem ler e souber, aceito feliz as sugestões.
Paula

Philipp
PhilippPermalinkResponder

Nunca fui em nenhum, mas da uma olhada nesta lista aqui:
http://newyork.cbslocal.com/guide/gone-country-nycs-best-southern-style-bars/

Mas lembre-se que vc esta indo para NY, nao para o Texas, Arizona, etc, assim nao devera encontrar nada realmente com o que imagino que voce esta pensando.

Paula
PaulaPermalinkResponder

Obrigada pela dica. Vai ser uma pena se não encontrar o que quero. Será que o jeito vai ser ir para o interior do Texas? Vou entrar no site agora.

Mon
MonPermalinkResponder

Acho que esse tipo de bar você encontra facilmente em qualquer outro canto do país, rs. Os EUA em geral amam country, mas acaba não sendo tão popular na California nem nos estados ao nordeste.

Gabriel Carvalho

Boa tarde !
Estou indo passar 3 dias em BUENOS AIRES, e gostaria de saber quanto vou gastar em media por lá. Estou em com minha esposa apenas conhecer a cidade e fazer alguns passeios, nada de compras.
Obrigado

Lu
LuPermalinkResponder

Ola!
Em primeiro lugar, obrigada pelas dicas!
Sempre valiosas!
Gostaria de indicações de onde comer em Paris, Londres, Zurique e Itália( Verona - Veneza - Florença e Roma)
Desde já , obrigada pela atenção

Wendel Nunes
Wendel NunesPermalinkResponder

Olá,

Estarei em Riviera Maya (4 nts) e Cancún (3 nts. Ambos em hotel all inclusive. Nunca fomos para o exterior e nossa idéia é fazer tipo viagens pelo Nordeste. Acordar, tomar um bom café (incluso)pedir porções na praia ou no local onde estivermos passaendo e a noite jantar no Hotel antes de sair pra balada ou compras. É viável? Nesse esquema eu imagino que entre refeição (porções)+ bebidas e passeios a gente gaste em torno de 150 dólares / dia cada um, esta coerente? GRATO!!!

Rafael
RafaelPermalinkResponder

Genial! Adorei as dicas e principalmente o primeiro paragrafo, que é excelente!! hehe

Nany
NanyPermalinkResponder

Olá boia!
estou indo a BA em abril e gostaria de sabe como fazer o translado confiavel do aeroparque até o hostel MILHOUSE, e aonde fazer o cambio no aeroparque, é preferivel gastar em pesos ou real?
e com esse aumento de IOF ta valendo usar Cartoes?
Outra coisa.. sobre o free shop de EZE como fazer os pagamentos e qual limite de compra?

obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, nany!

Leia:
http://www.viajenaviagem.com/2010/04/chegando-em-buenos-aires-pelo-aeroparque-dinheiro-e-taxi/

http://www.viajenaviagem.com/2014/02/buenos-aires-cambio-paralelo-como-fazer/

Troque dólares no paralelo e compre no free shop em pesos. Não há limite de compras na Argentina. No Brasil você poderá pagar imposto sobre tudo o que exceder a 500 dólares.

Mariana
MarianaPermalinkResponder

Oi Bóia!

Em Lisboa onde você sugere comer bem e barato? wink

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mariana! Dicas aqui: http://www.viajenaviagem.com/2011/08/onde-comer-em-lisboa-a-lista-do-phillip/

Você encontra mais sugestões no Matraqueando, da Silvia Oliveira: http://www.matraqueando.com.br/lisboa-onde-comer-bem-e-muito-barato

Como estimar gastos de uma viagem? | Viagens e Lazer | Sim Lazer | Venha Viajar Conosco

[...] O Riq avalia que 50 a 75 dólares por pessoa por dia são suficientes para se alimentar dignamente em quase qualquer lugar; as dicas do Comandante para controlar os gastos em alimentação estão aqui. [...]

Jaqueline
JaquelinePermalinkResponder

Oi Bóia!

Vc tem dicas sobre Madrid? Qto se gasta para comer por la? Ficaremos 6 dias por la e depois vamos para Paris. pensamos tirar um dia para ir a um restaurante bem especial la para comemorar nosso aniversario de casamento knde vc recomenda?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Jaqueline! Sobre quanto se gasta para comer, por favor, leia o texto. Os textos são para ser lidos. Por favor não pergunte o que está respondido no texto (ou o que dizemos no texto que não sabemos responder) e por favor, para perguntar sobre destinos específicos, procure posts desses destinos.

Nossa página de Madri:
http://www.viajenaviagem.com/europa/madri-ricardo-freire

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Estou indo em julho com a família para Santiago tem uma dica de um bom restaurante para uma comemoração especial ? Ficaremos no bairro Providência
Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cristina! É difícil indicar um restaurante sem saber o gosto culinário do grupo. Para dicas de restaurantes em Santiago, veja: http://www.viajenaviagem.com/2010/09/santiago-onde-comer/

Para mais dicas, veja o comentário da nossa leitora, Fernanda: http://www.viajenaviagem.com/2010/09/santiago-onde-comer/#comment-320383

quanto vou gastar na Espanha? | Espanha Total

[...] numa viagem, ao mesmo tempo que fornece várias dicas muito boas. Leia também o texto quanto vou gastar em alimentação do Ricardo Freire, com dicas que são válidas para a Espanha também.Da soma dos cinco items acima [...]