Bate-volta: de Nova York à Filadélfia

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Filadélfia

Eu sempre digo que Nova York é inesgotável: você pode ficar semanas na cidade que ainda terá o que descobrir. Querendo mudar um pouquinho de ares, porém, a Filadélfia se apresenta como uma senhora opção. Fica a meros 90 minutos de trem convencional (contra 2h50min no trem mais rápido de Nova York a Washington) e é suficientemente compacta para ser explorada num dia só. Um ótimo esquema é pegar o trem das 8h (que chega às 9h30) e voltar no das 18h50 (de volta a Nova York às 20h15). O último trem sai às 22h44 (simule viagens e compre as passagens no site da Amtrak; pode-se conseguir passagens a partir de US$ 48 por trecho).

Chegando à Filadélfia

Nosso passeio foi ainda mais bem-sucedido, porque contamos com o auxílio luxuosíssimo do Oscar, do MauOscar, como guia smile Ele estava voltando de carro para a cidade onde mora, ali perto, e nos levou de carro. Como demos sorte de não pegar nenhum engarrafamento na saída de Nova York (era um sábado de manhã cedo), chegamos em 1h45min.

Reading Terminal Market, Filadélfia

Faça como a gente e comece seu dia no fabuloso Reading Terminal Market, o mercado central da Filadélfia. (Chegando de trem, pegue o metrô -- Septa -- na estação ferroviária 30th St. e desça na estação City Hall.) O mercado funciona neste local desde 1892 (antes disso, já operava na rua) e algumas coisas não mudaram desde a inauguração: o balcão do sorvete Basset's continua ali, e os amish continuam vindo de Lancaster para vender seus (deliciosos) produtos quatro dias por semana.

Reading Terminal Market, Filadélfia

Reading Terminal Market, Filadélfia

Reading Terminal Market, Filadélfia

Venha com fome: há muitas especialidades locais para experimentar. O Oscar nos fez provar o soft pretzel -- um pretzel molinho sensacional.

Reading Terminal Market, Filadélfia

Pulled pork, Reading Terminal Market, Filadélfia

Comemos também um sanduíche de porco desfiado (pulled pork) no stand do DiNic's (mas confesso que acho o do bar Estadão, em São Paulo, melhor). Os doces amish parecem incríveis, mas acabamos tomando um sorvete de abóbora (pumpkin) no Basset's (muito bom).

Reading Terminal Market, Filadélfia

Há stands que vendem o Philly cheesesteak, mas deixamos para provar no fim do dia, no lugar onde foi inventado, em South Philly.

Os dias para ir ao mercado são de quarta a sábado, que é quando os amish estão a postos nos seus stands. No domingo metade das bancas não funciona. Leia mais sobre o Reading Terminal Market no MauOscar.

Reading Terminal Market, Filadélfia

Do mercado fomos caminhando até o Independence Mall, um lugar sagrado para os americanos. Ali fica o Independence Hall, o prédio onde foram escritas tanto a Declaração de Independência quanto a Constituição americanas. Também podem ser visitados o sino quebrado que anunciou a independência (e que é um fetiche americano) e o Constitution Center, um museu devotado à história da constituição americana. Com apenas um dia para passear pela cidade, me limitei a fotografar a estátua de George Washington em frente ao prédio mais histórico. Mas acredito que advogados devem curtir o Constitution Center.

Chinatown, Filadélfia

Town Hall, Filadélfia

Ainda a pé, voltamos para o marco zero da cidade (onde está a City Hall, prefeitura). Muito perto dela fica o Love Park, a praça onde está uma réplica da famosa escultura de Robert Indiana. Dali se descortina a Benjamin Franklin Parkway, o Champs-Elysées da Filadélfia, que leva até a zona dos museus. Num dia bonito, quem gosta de caminhar pode ir a pé. (Não há metrô, mas o ônibus 38 -- pegue na rua 5, entre Market e Arch.)

Filadélfia

Um pouco antes da avenida acabar, à direita, você encontra o Museu Rodin, que expõe a maior coleção de originais do marido de Camille Claudel fora da França. Trata-se de uma coleção particular que foi deixada para o Estado. Mesmo sem entrar você já pode contemplar a réplica da Porta do Inferno, o mural inspirado no Inferno de Dante que é a obra-prima de Rodin.

Museu Rodin, Filadélfia

Museu Rodin, Filadélfia

Museu Rodin, FiladélfiaMuseu Rodin, FiladélfiaMuseu Rodin, Filadélfia

Para visitar, o ingresso sugerido é de US$ 5. Abre de terça a domingo das 10h às 17h; está fechado aos domingos e feriados. (E sim, eu lembrei que ainda não fiz o post do Museu Rodin de Salvador, que visitei no começo do ano passado...) Leia mais sobre o Museu Rodin da Filadélfia no MauOscar.

Museu de Arte da Filadélfia

Na cabeceira da avenida, formando um eixo com a prefeitura lá ao longe, fica o Museu de Arte da Filadélfia. O prédio principal guarda o maior acervo de arte dos  Estados Unidos (tem Van Gogh, Duchamp, Picasso, Cézanne). O visitante mais apressado (ou menos erudito), porém, já se satisfaz com as escadarias -- cenário mais marcante do filme Rocky, um Lutador. O filme é um ícone tão poderoso da Filadélfia que Rocky Balboa ganhou uma estátua do ladinho direito da escada; no alto dos degraus há o registro em bronze das pegadas do lutador. Leia mais sobre Rocky na Filadélfia no MauOscar.

Estátua de Rocky Balboa, Filadélfia

Filadélfia: Town Hall vista do Museu de Arte

Contornando o museu pela esquerda você chega à beira do rio Schuylkill. Por ali, uma estação de tratamento de água se transformou num museu sobre o assunto. A vista para as boathouses, galpões onde se guardam barcos, é muito bonita.

Rio Delaware, Filadélfia

A essas alturas você deve estar com fome, então o melhor é pegar um táxi para South Philly (ou voltar para o centro e tomar o ônibus 47 na esquina da rua 8 com Market; desça na Wharton) até o Pat's King of Steaks, onde em 1933 foi inventado o sanduíche-símbolo da cidade, o Philly cheesesteak.

Pat's King of Steaks, Filadélfia

Pat's King of Steaks, Filadélfia

Pat's King of Steaks, FiladélfiaPat's King of Steaks, Filadélfia

O sanduba consiste de lâminas de carne picadas na chapa e servidas com (ou sem) cebola e queijo (fundido ou provolone), num pão que eles chamam de italiano mas está mais para o nosso pão francês. O lugar abre 24 horas por dia, sempre com fila; um cartaz ensina a pedir (com ou sem cebola, e qual o tipo de queijo). É uma delícia, vale a lambuzeira. Em frente há um concorrente, o Geno's, que se não bastasse ser imitador ainda é xenófobo, belicista e ultradireitista; evite. Leia mais sobre o Philly cheesesteak no MauOscar.

Italian Market, Filadélfia

Fizemos a digestão caminhando pelo Italian Market, o mercado de rua da rua 9 que é o centro gastronômico italiano da cidade. Para chegar lá, porém, é preciso atravessar duas quadras de lojas dedicadas à base da pirâmide dos imigrantes mexicanos, que são inúmeros em Philly. Quando chegar à parte italiana, entre em lojas como Di Bruno e Claudio, que têm os mais incríveis produtos feitos ou inventados na Bota. Leia mais sobre o Italian Market no MauOscar.

Italian Market, Filadélfia

Italian Market, Filadélfia

Graças à mordomia do Oscar, conseguimos completar o circuito a tempo de pegar o trem das 16h19 para Nova York (eu não queria faltar à programação noturna da ConVnVenção NY 2011). Mas se você programar a volta para um pouco mais tarde -- e inventer a visita a South Philly, começando no Mercado Italiano (desça do ônibus 47 na esquina da rua 8 com avenida Washington) e terminando no Pat's King of Steaks -- você também consegue. Insisto: traga seu apetite; a parte das comidinhas torna o passeio inesquecível.

Nick, Riq e Oscar na Filadélfia

Obrigadaço, Oscar!

Leia também:

Todas da Filadélfia no MauOscar

Guia de Nova York no Viaje na Viagem

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem
Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

169 comentários

Atenção: perguntas que já estejam respondidas no texto e comentários ofensivos ou em maiúsculas serão deletados.

Cancelar
adir araujo
adir araujoPermalinkResponder

Bóia,
Algúem já viajou pela empresa de ônibus megabus de New York para Philadelphia ou Whashington? O preço das passagens de trem estão surrealmente caras e queria saber se é uma opção viável e se eles cumprem horários e se saem da rodoviária ou de ruas adjacentes.
Grato

Bruna
BrunaPermalinkResponder

Já usei a MegaBus britânica e foi uma experiência razoável - um dos trechos teve atraso e o embarque foi bem caótico, mas nada comparado a outras confusas empresas europeias. Os preços eram excelentes e cheguei a ficar com um certo medo de passar perrengues por conta da diferença brutal de valores de trens e outras companhias. No final considerei a experiência positiva e repetiria se necessário.

Resolvi arriscar esse bate-volta com eles e tive uma boa surpresa ao checar o site: comprei os tickets para agosto por US$ 3,50 ida e volta já com a taxa de emissão e em horários de meu agrado. Claro, a viagem dura o dobro do tempo do trem, mas para mim isso não é exatamente um problema. Não pude deixar de aproveitar a pechincha.

Sandra Mendes
Sandra MendesPermalinkResponder

Gostaria de saber se mês de maio ainda encontro arvores floridas (tipo flor de pessegueiro).
Agradeço pelo retorno.
Obrigada
Sandra Mendes Fotografias

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sandra! Maio é primavera em Nova York. Você pode esperar muitas flores pela cidade. Veja este site para saber mais: http://www.nycgovparks.org/greening/bloom-guide

Perla
PerlaPermalinkResponder

Olá Bóia. Pretendo sair de NY até a Philadelphia e desta cidade já seguir direto para Washington. Há algum lugar onde eu possa guardar a bagagem, de preferência na estação de trem?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Perla! Existe um guarda-volumes na estação da Filadélfia. smile

Perla
PerlaPermalinkResponder

Valeu Bóia!

Maria Alves
Maria AlvesPermalinkResponder

Olá Boia, em Novembro pretendo fazer Boston/NY/Wasshington, (reservei três dias para Boston e três para Washington. Quero fazer esse percurso de trem mas estou na duvida com relação à bagagem permitida no trem pois quando sair de NY para Washington com certeza terei feito várias compras e estarei com pelo menos 02 malas grandes alem da pequena permitida a bordo. Pode me dar alguma dica?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria! O limite de bagagem nos trens é de 2 malas de 23 quilos, com medidas de 71cm x 55cm x 35cm por passageiro. Apesar das malas não serem pesadas ou medidas, é bom não ultrapassar muito o limite, para evitar problemas na hora do embarque.

Ana Claudia
Ana ClaudiaPermalinkResponder

Oi, bóia!
Vc sabe se na estação de trem da Filadélfia existem lockers? Vou de Washington pra Nova York e gostaria de fazer uma paradinha lá.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana Claudia! Há um guarda-volumes apenas para quem tem passagens de continuação de viagem com a Amtrak.

Ana Claudia
Ana ClaudiaPermalinkResponder

Ok, obrigada

Leonardo Ferreira Riera

Passamos pela Filadelfia em nosso caminho entre Washington e NY. Ao contrário dos relatos em diversos blogs, infelizmente, não gostamos muito da cidade por dois motivos: não havia lugar para estacionar o carro e nos sentimos inseguros devido a grande quantidade de moradores de rua. Iríamos ficar dois dias e decidimos passar apenas uma tarde.
Quem sabe um dia voltamos para apagar essa má impressão.
Os relatos da viagem estão em meu blog:
http://comidaparaviagem.wordpress.com

Renan
RenanPermalinkResponder

Estava vendo no site da Megabus as passagens de NY para Philadelphia e fica em torno de USD 10 a ida + volta. É tão barato assim mesmo????

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Renan! É isso mesmo! Dá pra achar até por menos.

Thiago Novaes
Thiago NovaesPermalinkResponder

Ola Ricardo!!
Pela sua experiência na cidade, quantos dias julga necessário para conhecer os principais pontos turísticos? É uma cidade perigosa? Compensa alugar carro ou utilizar o transporte público?
Obrigado!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Thiago! Aqui quem responde é A Bóia. Como explicamos no post acima, 1 dia é suficiente para passear pela Filadélfia. O problema do carro é não encontrar lugar para estacionar. O melhor é ir de trem e utilizar o transporte público quando necessário.

Em relação à segurança, sempre aconselhamos a tomar todas as precauções que tomaria em qualquer cidade grande. wink