Suas verdinhas: a alta do dólar e as viagens para o exterior

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Fonte: Oanda[Dólar x Real: 1 ano de gangorra. Fonte: Oanda]

Todos perguntam: a alta do dólar veio para valer? O dólar vai continuar subindo? Vai baixar?

O fato é que os economistas só perdem para os comentaristas de futebol, os meteorologistas e as mães dinás no quesito confiabilidade de previsões. E não vai ser a um mero blogueiro de viagem que vai se meter a futurólogo, concorda?

O que eu posso fazer é um panorama do jogo jogado: como as coisas (e a nossa cabeça) funcionam nesses momentos de instabilidade cambial.

O que sabemos desta vez é que o governo está tentando desvalorizar o real já há algum tempo, e a crise grega está apenas dando um empurrão mais forte. O real é uma das moedas mais valorizadas do mundo, e nessas crises acaba desvalorizando mais do que as outras (até mesmo que o combalido peso argentino...). O governo só deixará de ter interesse na valorização do dólar se isso causar pressão inflacionária. (Mas como já vimos repetidas vezes, nem sempre a vontade cambial do governo é seguida pelo mercado.)

Ou seja: a única certeza que temos é que, nesse exato momento, o governo não está muito preocupado em salvar sua viagem ao exterior. Se o dólar vai continuar subindo ou vai voltar ao patamar anterior, só os economistas, os meteorologistas, os comentaristas de futebol e as mães dinás poderão dizer.

Fonte: Oanda

[5 anos de câmbio. Fonte: Oanda]

--> O dólar de 2 reais é muito caro?

Comparado ao dólar de R$ 1,55 de julho de 2011, está caro. Mas se o seu parâmetro for o dólar de R$ 2,43 de dezembro de 2008, ainda está atraente.

A subida atual começou no final de fevereiro de 2012, quando o dólar estava em R$ 1,71. O soluço cambial anterior tinha se dado entre agosto e outubro de 2011, quando o dólar passou de R$ 1,60 para R$ 1,81. Desde então estava num sobe-e-desce mais ou menos suave.

O que aconteceu na subida de 2011 foi um susto inicial, que durou mais ou menos um mês, seguido de acomodação geral. Todo mundo continuou viajando com o dólar de R$ 1,75-R$ 1,80 como se ele ainda estivesse a R$ 1,55.

Será que nos conformaremos tão fácil assim com o dólar de R$ 2? (Meu palpite: sim.)

--> Passagens aéreas

O preço das passagens acaba sendo o menos afetado pelas mudanças cambiais. Dólar barato aumenta a procura, que por sua vez eleva as tarifas -- então a situação de dólar barato com passagens caríssimas (ao menos nos vôos diretos) é bem conhecida da gente. Com o dólar subindo em reais, o recuo da procura pode causar uma baixa da tarifa em dólar, o que acaba equilibrando a conta.

(A maior ameaça neste quesito é o preço do petróleo, que ao subir empurra as tarifas para o alto).

--> Pacotes

Nessa fase de assimilação de dólar novo é interessante dar uma olhada nas ofertas das operadoras. Muitas têm bloqueios a preços antigos e, ao sentirem retração de procura, vendem seus pacotes com dólar "congelado". (Mas sempre é bom comparar com o que você consegue por conta própria, porque esse momento também é próprio para maquiagem de preço.)

--> Hotéis

Continua valendo a máxima de reservar com 3 meses de antecedência -- que é quando os hotéis costumam liberar as tarifas descontadas nos sites de reservas. Quem tem sangue frio de esperar até a última hora também pode conseguir ótimas ofertas (mas se o destino estiver aquecido naquelas datas, vai acabar pagando caríssimo).


--> Como fazer uma viagem mais econômica

Viajando slow. Quanto menos deslocamentos, menos cara fica uma viagem. Quando mais você fica num lugar só, mais condições tem de curtir o lugar sem as sobretaxas que o turista apressado precisa pagar (táxi, passeios organizados, restaurantes em áreas turísticas...).

--> Como juntar dinheiro para viajar

Os economistas dividem os investidores em "conservadores" e "agressivos". O jeito conservador de juntar dinheiro para viagem é ir comprando moeda forte aos poucos. Se você precisar de liquidez, compre dólar ou euro cash. Se tem certeza de que vai usar o dinheiro só para viagem, é mais seguro e prático fazer um cartão tipo Travel Money e carregar com um pouco de moeda forte todo mês.

O segredo de juntar dinheiro aos poucos é esquecer a cotação que pagou: 1 dólar comprado vale 1 dólar, e só. Você está investindo numa viagem, não num resultado porcentual.  Se conseguir realizar a viagem na época esperada, o investimento terá sido bem-sucedido.

Leia também:

Como enxugar seu roteiro

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


118 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

Karol
KarolPermalink

Além de tomar prejuízos de última hora com essa variação cambial dos últimos dias, ainda tenho que aturar o dólar cobrado por meu cartão de crédito, ITAUCARD, que é abusivo: dólar comercial fechando hoje a 1,98 e dólar do meu cartão a 2,13! Definitivamente não vale mais a pena usá-lo para gastos internacionais!

Rafael
RafaelPermalink

Quando comecei minha viagem de volta ao mundo, no ano passado, o dólar estava em torno de R$ 1,60. Assim que comprei a passagem a moeda disparou - chegou perto de R$ 2. Ou seja, me dei bem na compra da passagem, mas me dei mal na compra dos dólares para gastar na viagem. Por isso acho que a melhor saída é mesmo ir comprando dinheiro aos poucos, de forma a pegar a melhor cotação possível na média.

Ana Cristina da Rocha Monteiro

E aproveitando essa alta do dólar e a questão do cartão de crédito... e aquela situação em que a gente compra uma oferta do booking.com? O pagamento não é no hotel, é no momento da reserva, e até a fatura vencer, haja reza pro dólar não disparar mais ainda, hehe... eu até fiz contato com o hotel pedindo para que eles não lançassem o valor no cartão, porque eu pagaria em espécie, mas não adiantou. sad Alguém sabe de sites de reserva de hotel em que a gente possa só reservar e pagar só quando chegar pro check-in?

Carlos Mattos
Carlos MattosPermalink

Tente compra numa agencia de turismo ou viagem, ai voce pode pagar aos pouco no cartão de credito sem se preocupar, e olha que tem varias promições.
Mas cote a sua viagem em varias agencias de turismo pois eu estive cotando um pacote para EUA para um amigo onde os valores baixaram em quase 30% do valor inicial, sem fazer muita força, só pesquisando na internet mandando para a agencia os valores que tinha e ficar olhando elas brigarem para terem o meu amigo como cliente.
Cote pois as agencia ganha na comissão mas se voce fechar direto com ela ela ganha na variação do dolar e outrs gorduras.....

petter
petterPermalink

Um dia deixei um comentário no perguntódromo sobre a situação do euro, torcendo para que tivesse um economista entre os leitores, mas na verdade o que eu precisava era de um vidente... euheuehhuehuehue... Realmente essa questão da variação cambial é muito séria e pode mudar completamente o custo da viagem... mas lendo o parágrafo final desse texto lembrei de uma frase de uma amiga minha: "quem converte não se diverte" :0

Juliana Rodrigues
Juliana RodriguesPermalink

E se você estiver em plena viagem? Acompanhar bastante, controlar os gastos e rezar... rs

Fábio G.
Fábio G.Permalink

Muito se tem dito da inflação na Argentina, que os preços por lá já se equipararão aos do Rio e SP.
Alguém sabe se os preços no Chile e no Uruguai estão seguindo a tendência argentina?

Luiz Felipe
Luiz FelipePermalink

Eu ia fazer um Intercâmbio de estudos por 1 mês nos EUA agora no final do ano, mas com essa alta do dólar eu adiei os planos por um tempo... sad Se pelo menos as agências de intercâmbio tivessem congelado o dólar em um determinado patamar as coisas ficariam melhor...

Sidney
SidneyPermalink

As dicas que dou para viabilizar a viagem em época de dólar alto, com base nas minhas experiências anteriores:

- vá para destinos baratos, como a Flórida, e fique só nesse destino, preferencialmente fora da alta temporada
- reduza o nível de carro que você costuma alugar, mas nunca dispense o seguro da própria locadora
- procure um hotel barato e com reputação no mínimo razoável
- se você não fica à vontade não vá para albergues ou similares
- use milhas, se tiver, ou pegue o voo mais barato que conseguir, mesmo que isso signifique mais conexões que o normal
- procure passeios gratuitos e interessantes
- não economize na comida, mas não coma em lugares luxuosos
- reduza o número de viagens por ano
- aproveite para conhecer destinos nacionais
- da próxima vez que o dólar baixar bem, APROVEITE

SidcleyPereira Gomes
SidcleyPereira GomesPermalink

Estava com planos de fazer um intercambio de 4 meses na Austrália em abril de 2013, mas essa alta do dólar tb deu um impulso no dólar australiano que é mais caro que o americano. Tenho comparado os orçamentos que solicitei às agencias no início de 2012 com agora e houve um aumento absurdo nos pacotes.
Será que até o início de 2013 quando pretendo fechar o pacote, as coisas continuarão como estão ou há tendências de baixa do dólar até lá.

Como Fica as Viagens ao Exterior com a Alta do Dólar?? - Viajandonlineblog

[...] os Hotéis é fazer um reserva pelo menos 3 meses antes da viagem. Segundo o Guru Ricardo Freire do Viaje na Viagem, se você tiver sangue frio, e se esperar até a última hora também pode conseguir ótimas [...]

Guilherme
GuilhermePermalink

Pensando nas férias de julho ( com 7 meses de antecedencia), levando esposa e duas crianças pequenas (com criança pequena melhor é resort mesmo, 14 dias):

- Iberostar - não divulgaram tarifas para o Brasil;
- Grand Palladium Imbassai- +-10000 (2 adultos + 1 crianca) e 15000 (2 adultos e 2 crianças) - realmente não entendi como uma criança pode comer 360 reais por dia.
- Club Med Trancoso - 5000 dólares no site americano (pois no site brasileiro eles não tem as tarifas).

Obviamente o desrespeito ao consumidor brasileiro é imenso...eles ficam postergando as tarifas para ficar "sentindo o mercado" e explorar o viajante de última hora, que não reservou seu voo com antecedência para o exterior. Quando publicarem as tarifas de julho, lá para março, um voo para 4 pessoas indo para Punta Cana vai passar de 10 mil reais para 20 mil reais. Aí nossos hotéis ficam atrativos !

Uma vez reservei um hotel em Punta Cana de uma cadeia mexicana chamada "Dreams" que vendia no mercado americano/brasileiro um quarto por cerca de 400 usd. Já para os des-afortunados Europeus, a mesma tarifa era de 240 usd. Vejam voces mesmos no site http://www.hotels4u.com/HotelInfo.aspx?GatewayCode=PUJ&AirportCode=0&CheckInDate=08%2f07%2f2013&Duration=10&Rooms=0&ResortID=0&Occu=2%2c0%2c0%2c0%2c0%2c0%2c0&CityID=&CityLocationID=&GDSID=0&BuildingID=8493&SearchType=1&ShowAvailability=1&Source=SEARCH&ChainCode=H4U&RTOCID=327178&PromotionCode=&SearchRef= "rates for european union passport holders".

É claro que fiquei decepcionado com o club med fazendo a mesma coisa - diferenciando mercados. Porque já tem tarifas de americanos e não tem tarifas de brasileiros ? É por estas e outras que as férias de julho devem ser no exterior, como acontece quase todo ano.

Felipe Almeida
Felipe AlmeidaPermalink

Eu me ferrei. Agora que eu vou conseguir tirar o visto para tentar viajar para os EUA em Janeiro!!!! Vou morrer numa grana eu acho, ou então não vou para lugar algum..... sou burro mesmo....

LUIZ
LUIZPermalink

uma leve dica pra vcs q viajam e querem economizar,nao vao por agencias ele roubam vcs.vai no hotwire e pega hotel por barato e vai pelo thumbs up q vale a pena.eu moro nos usd e ja vi muitos d vcs comentarem valores absurdos d valores d viajens q vcs pagam,como o guilherme comentou.com esse preco eu viajo a europa inteira sem mentira nenhuma