#VnVBrasil | Goiânia: um passeio pelo circuito art-déco

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Teatro Goiânia

Teatro Goiânia

Assim como Belo Horizonte e Brasília, Goiânia é uma cidade projetada; nasceu nos anos 30. O autor do projeto inicial, Attilio Corrêa Lima, foi simultaneamente o Lúcio Costa e o Oscar Niemeyer do lugar, porque não se limitou ao urbanismo: desenhou também os prédios mais emblemáticos da cidade. Desta maneira, pôde juntar dois conceitos em voga na época: no urbanismo, a cidade-jardim; na arquitetura, o art-déco (diga: ardecô).

Depois de um ano sem receber salário, Corrêa Lima desligou-se do projeto, tendo desenhado apenas os setores Central e Norte. Foi substituído pelos engenheiros Jerônimo e Abelardo Coimbra Bueno, que projetaram os demais setores (bairros) da cidade. Ironicamente, foi para essas novas bandas que a cidade se desenvolveu, meio que dando as costas para o Setor Central histórico e para os prédios de Corrêa Lima. A maior parte do acervo de arquitetura art-déco da cidade acabou desfigurada ou escondida sob letreiros e tapumes de lojas populares.


View Circuito Art Déco Goiânia in a larger map

Quem vem a Goiânia a trabalho talvez nem passe perto da zona art-déco -- já que provavelmente vai ficar hospedado em algum dos bons hotéis do Setor Oeste e se divertir nos setores Marista e Bueno, zonas supernobres da cidade. Existem, porém, alguns prédios que valem a pena ser vistos, num passeio que não toma mais do que uma manhã -- e serve para revelar um pequeno tesouro que passaria despercebido pelo visitante.

Museu Pedro Ludovico

Museu Pedro LudovicoMuseu Pedro LudovicoMuseu Pedro Ludovico

Vindo do Setor Oeste, onde acredito que esteja o seu hotel, sua primeira parada deve ser no Museu Pedro Ludovico, que é onde o governador que construiu Goiânia foi morar (bem depois de deixar o governo). Fica na rua Dona Gercina Borges Teixeira, a meia quadra do Parque dos Buritis. Vale pelo exterior. Dentro da casa os aposentos foram mantidos como eram -- o que é historicamente correto. Mas que ficaria mais bacana se virasse um museu de mobiliário déco, ficaria... De todo modo, a visita é gratuita.

Ande duas quadras e você chega à...

Praça Cívica

Praça Cívica, Goiânia

Praça Cívica

É o coração déco de Goiânia, e onde os prédios estão mais bem conservados. Mas mesmo aqui o art-déco está escondido: primeiro, pelo Palácio Pedro Ludovico, um prédio provavelmente dos anos 60 (não consegui descobrir a data de construção) postado exatamente atrás do Palácio das Esmeraldas (que deveria ter seu "espaço aéreo" intocado). Em segundo lugar, por três bandeiras fora de proporção que acabam virando o ponto focal (mas que, de certa maneira, ornam com o nome "Praça Cívica"). E finalmente, pelo Monumento às Três Raças, que é de 1968 e é muito mais conhecido do que qualquer jóia déco da cidade (~pausa para bocejo~).

Palácio Pedro LudovicoMonumento às 3 Raças

Palácio Pedro Ludovico | Monumento às 3 Raças

Mas chega de mimimi. Adentre a praça e venha ver de perto que lindeza são esses predinhos.

Palácio das Esmeraldas

Palácio das EsmeraldasPalácio das EsmeraldasPalácio das Esmeraldas

Palácio das Esmeraldas

O Palácio das Esmeraldas, construído para ser a sede do governo estadual, ocupa o centro geográfico da praça.

Praça CívicaPraça CívicaPraça Cívica

A partir dele, irradiam-se, simetricamente, os outros prédios, quase todos ocupados pela administração pública goiana  (tribunal eleitoral, tribunal de contas, essas coisas).

Museu Zoroastro Artiaga

Museu Zoroastro ArtiagaMuseu Zoroastro ArtiagaMuseu Zoroastro Artiaga

Museu Zoroastro Artiaga

O mais bonito é o que está aberto ao público: o Museu Goiano Zoroastro Artiaga. Ainda não visitei por dentro (volto lá neste domingo para isso), mas por fora é um encanto.

Talvez esteja na hora de uma pausa para um lanchinho típico:

Pamonha da Vovó

Pamonha da VovóPamonha da Vovó

Pamonha da Vovó

Não, não tem nada a ver com art-déco. Mas nos fundos da praça, bem na esquina da avenida 83, está uma das pamonharias mais tradicionais de Goiânia -- perfeita para você ser apresentado à mais goiana das iguarias, a pamonha de sal. Sim, em Goiás come-se pamonha salgada, recheada com queijo, às vezes com lingüiça, às vezes com queijo, lingüiça e pimenta (é a chamada "pamonha à moda").

Pamonha da VovóPamonha da VovóPamonha da Vovó

Pamonha da Vovó

Na Vovó as pamonhas fresquinhas são mantidas em bolsas térmicas; você escolhe pelo sabor, pega a sua, leva à mesa e pede a bebida ao atendente, que então anota seus gastos numa ficha. Depois é só pagar no caixa.

Peguei uma pamonha à moda da Vovó, com queijo, lingüiça e guariroba, um palmito amargo. Exxxxceelente.

Vamos continuar?

Avenida Goiás

Coreto da Praça Cívica

CoretoTorre do Relógio

Coreto | Torre do Relógio

Seria a Champs-Elysées desta Goiânia déco, caso as fachadas não estivessem tão escondidas. Os dois maiores destaques estão no início da avenida, junto à praça: o Coreto, que está na bordinha da praça (pena a pichações), e a Torre do Relógio.

Grande HotelGrande Hotel

Grande Hotel

O canteiro central de toda a avenida está muito bem cuidado (e serve também para um corredor de ônibus). Caso você queira continuar o passeio ao longo da avenida, preste atenção especial na esquina da Rua 3, à direita de quem desce. Ali está o Grande Hotel, que não teve sua fachada desfigurada mas precisa de uma restauração.

Goiânia Palace HotelGoiânia Palace HotelGoiânia Palace Hotel

Goiânia Palace Hotel

Continuando a pé, ao chegar à Avenida Anhangüera vire à esquerda: em uma quadra você chega ao Goiânia Palace Hotel, cuja fachada lateral (na Rua 8) não tem letreiros intrusos. É um hotel de verdade: continua funcionando e se apresenta, legitimamente, como o hotel déco de Goiânia.

Estação FerroviáriaEstação Ferroviária

Estação Ferroviária

No outro extremo da avenida Goiás -- vá de ônibus (compre um bilhete SitPass numa banca de jornal antes de embarcar) -- está o belíssimo prédio da Estação Ferroviária.

Teatro Goiânia

Teatro GoiâniaTeatro Goiânia

Teatro Goiânia

Poderia estar em South Beach... mas está no cruzamento das avenidas Anhangüera e Tocantins com Rua 23.

Lago das Rosas

Trampolim do Lago das RosasMureta do Lago das Rosas

Trampolim e Mureta do Lago das Rosas

Tem um trampolim bonitíssimo, e uma mureta interessante ao longo da avenida Anhangüera.

Caso você tenha ido ao Teatro Goiânia e queira continuar a pé, venha por dentro, pela Rua 3, que continua na Avenida B. Dá de 15 a 20 minutos de caminhada.

Leia mais:

31 comentários

Marcie
MarciePermalinkResponder

Muito bonito, Goiânia.

Fran Hardy
Fran HardyPermalinkResponder

Ricardo, fiquei com vergonha alheia, com aqueles "mictórios ambulantes azuis" que adornam a foto da Praça Cívica. Literalmente, o povo faz xixi e sabe-se lá o que mais, bem na cara do Palácio do Governo!
A propósito - você se apaixonou mesmo pelas pamonhas goianas, não foi? rsrsrsrs

Eunice
EunicePermalinkResponder

Achei muito bacana, Riq. Deu vontade de conhecer. O centro-oeste , a exceção de Brasília, é minha grande lacuna no Brasil.

sm
smPermalinkResponder

ola!Eunice, vale apena der uma estivadinha até Caldas Novas.
ate o Hot park.

Viagem para Mulheres

Que máximo! Eu nunca coloquei Goiânia no topo da minha lista. Mas em 2013 quero viajar mais pelo Brasil e esse post foi uma super dica!

RosaBsb
RosaBsbPermalinkResponder

Riq, realmente as pichações são um vexame em todo nosso Brasil, por onde ando, tenho observado que virou uma praga. Aqui em Brasília não está diferente, uma pena para o nosso patrimônio que já é tão mal cuidado. Junta a pouca ou nenhuma fiscalização com a certeza da impunidade, o vandalismo faz a festa.

Marcos
MarcosPermalinkResponder

Puxa vida, nem eu que morei 25 anos em Goiania não conchecia tanta coisa assim da cidade. Vou imprimir e conhecer assim que voltar lá! smile

Camila Navarro

Tô adorando o #VnVBrasil! Morei muitos anos em Goiás (2 em Goiânia) e tô matando a saudade com suas fotos e textos. Engraçado que eu nunca consegui ver nenhuma graça no centro da cidade. Fico sempre pro lado do Bueno, como você mesmo disse, e só passo no centro para ir a rodoviária. Mas foi bom perceber que, com um olhar mais atento, é possível ver beleza onde menos se espera. Uma hora vou seguir seus passos. wink

Marcelo Lemos
Marcelo LemosPermalinkResponder

Você mostrou uma Goiânia, que o meu olhar viciado de quem nasceu e viveu nela até os 28 anos, ainda não tinha permitido enxergar.
Goiania é linda! Mas o provincianismo do seu povo impedem que sua história seja preservada como deveria ser.
E sua analogia com a Champs-Elysées não é coincidência. Atílio Correa Lima estudou em Paris, na Escola Francesa de Urbanismo, e a Goiânia que ele projetou, tem forte essa influência, principalmente no traçado, com as três avenidas principais (Araguaia, Goiás e Tocantins) que convergem no ponto principal da cidade, a Praça Cívica. smile

Camila Torres - Colecionando Ímãs

Riq, fiquei muito feliz em ver minha terra aqui no VnV!
Esta região, apesar da importância histórica, não é nem de longe a mais bonita da cidade. Como você disse, dá pra visitar em uma manhã.
Estou aguardando o post com as nossas belas praças cheias de flores smile
Já que você vai estar lá no fim de semana, não deixe de ir no programa favorito da mulherada: Feira da Lua, na Praça Tamandaré. Minhas amigas de Brasilia vão pra lá só por causa da feira! É gigante, e tem de tudo: roupa, sapato, bijuteria, lingerie, artigos pra bebê, artesanato, e umas comidas ótimas, tudo baratinho. É tanta coisa que fui semana passada e andei só a metade.
No domingo tem outras duas: a Feira do Sol, na Praça do Sol a partir das 4 da tarde, que é um resumo da Feira da Lua; e a Feira do Cerrado, perto do Estádio Serra Dourada, que é de artesanato da região, e também vale a pena. No domingo de manhã tem a Feira Hippie perto da Rodoviária, mas não gosto muito porque é mais desorganizada.
Sobre comida, faltou comer mais uma coisa típica: x-tudo nos pit dogs espalhados na cidade! Na Praça do Sol tem uns ótimos.

[]s!

Camila Torres - Colecionando Ímãs

Mas esse post é um ótimo puxão de orelha na Prefeitura, que não tem uma lei contra a poluição visual, problema sério em Gyn!

mirelle
mirellePermalinkResponder

Ricardo, por favor va a Uberlândia, Minas Gerais. Eh a minha cidade natal e eu nunca soube dos detalhes da cidade, das historias, nunca consegui ver os prédios e monumentos com olhos de turista. tenho certeza que qualquer goiano que lê esse texto fica orgulhoso de ver a sua cidade sendo desvendada dessa maneira. gostaria muito que alguém de fora olhasse com o mesmo carinho para a minha cidade e a retratasse de maneira tao interessante. então, por favor, se rolar uma viagem por Minas, passe por Uberlândia!

Benicio
BenicioPermalinkResponder

Sou goiano. Tenho 32 anos e moro aqui desde que nasci. Tenha muito orgulho desta cidade e fiquei feliz em ver seu post.
Em Goiânia só falta a praia!!! Brincadeiras a parte acredito que como a maioria das capitais do país tem seus problemas mas é uma cidade muito agradável de se viver e com um povo muito trabalhador, guerreiro e que também enriquecem as multifaces deste país. Reitero as palavras acima da Camila Torres as feiras em goiânia merecem um post a parte são muito visitadas por goianos e turistas e bem atrativas. A feira hippie proximo a rodoviaria é um caso a parte em termos de tamanho e sem dúvida a feira da lua é a mais agradável e interessante, mas na cidade hoje muitos bairros tem excelentes feiras livres. Caso seja possível não deixe de ir a algum restaurante com "comida por kilo". Já viajei a muitos lugares no brasil e poucos no exterior e é difícil encontrar comida tão boa com excelente custo beneficio, são muitas variedades e preço acessível. Algumas sugestões são:
Preço $$$$ Restaurante Grego - Próximo a praça da nova suiça e T-63.
Preço $$
Restaurante do Júnior - Próximo a pça boaventura na Vila Nova região mais próxima do centro e no caminho do aeroporto.
Restaurante Goiano - Setor União - Próximo a Av T9 e carrefour sudoeste
Os dois últimos exprimem bem este tipo de restaurante comum e muito bons em goiânia sendo que o Restaurante do Júnior é campeão em variedade e custo beneficio

Restaurante/Bar muito bons - Picanha na tábua - Próximo a pça da nova suiça
Restaurante 1008 Setor Pedro
São a lacarte padrão simples/medio mas com excelente comida e atendimento.

Seja bem vindo!!!

Natália
NatáliaPermalinkResponder

Muito Legal! Tem tanto lugar bacana nesse lado b do Brasil. =)

Valeria
ValeriaPermalinkResponder

Sou goiana, mas atualmente moro em Curitiba. Fiquei muito feliz em ver Goiânia em destaque aqui no VnV. Além da saudade da cidade e do povo, fiquei com muita vontade de comer pamonha de sal com queijo e a moda. São deliciosas. Faltou você comer arroz com pequi, rs

Sandríssima
SandríssimaPermalinkResponder

Goiania é uma gracinha. De vez em quando apareço por lá a trabalho, ficando no Setor Marista. Gosto das ruas arborizadas, dos jardins, da calma, da comida (me convenceram a comer galinha com pequi, que nunca conseguiram aqui na Ba, em Caetité e adjacencias) e como eles gostam de baianos... risos.

Bruna
BrunaPermalinkResponder

Eu disse que a pamonha a moda é ainda melhor que a de sal...rs
Ai que orgulho de ver minha cidade nesse site que eu amo tanto... Venham nos visitar, quem sabe até morar, Goiânia é tida como a cidade brasileira com melhor qualidade de vida!

Ernesto, o pato

Muito bacana, eu tinha ido para Goiania, e visto algo do que voce mostra, mas esta muito mais completo.

Paulo Torres
Paulo TorresPermalinkResponder

A Estação Ferroviária de Goiânia é mesmo linda... mas a visão dela é poluída por um enorme galpão branco que foi construído atrás (uma Leroy Merlin, acho) e pelas barracas da feira hippie.

E em minha próxima visita à GYN vou provar essa Pamonha da Vovó. Sou cliente da Pamonharia Frutos da Terra - e recomendo - no Setor Coimbra, mas farei a experiência.

Gustavo Mini
Gustavo MiniPermalinkResponder

Ricardo, também vale lembrar que Goiânia é uma cidade que teve um papel fundamental na cultura nos últimos 15 anos. Conhecida como o berço do sertanejo, Goiânia se estabeleceu como uma das capitais do rock independente brasileiro, com dois festivais de importância nacional, selos de música, bandas e um fluxo de artistas brasileiros e internacionais de fazer inveja a outras cidades maiores. Ela já foi chamda de Goiânia Rock City. Não é algo que vá apelar ao turista médio, mas é sem dúvida um traço marcante. Em tempo: não sou goiano, sou de Porto Alegre mas já toquei umas seis ou sete vezes nos últimos dez anos lá em festivais que chegam a reunir três mil pessoas sem uma única banda pop. Uma das vezes tocamos na mesma noite que uma relevante banda de rock japonês, o Guitar Wolf.

Dêm uma olhada em:

www.monstrodiscos.com.br
http://goianiarocknews.blogspot.com.br/2011/05/entrevista-fabricio-nobre-construtora.html
http://www.goianiarockcity.com/

http://musica.terra.com.br/noticias/0,,OI604583-EI1267,00-anos+do+Goiania+Noise+sao+revistos+em+livro.html

Gustavo Mini
Gustavo MiniPermalinkResponder

Onde se vê "dêm", leia-se "dêem"...

Clarisse Nunes

Querido, Ric. Moro há 3 anos em Goiânia, no setor Bueno. Sinceramente acho que você se esmerou muito achando tantos elogios para a cidade. Goiânia tem um povo amável e acolhedor com um tranquilo sotaque caipira, mas o que mais me surpreendeu e me surpreende até hj é ver o quanto é suja e mal cuidada e nisso entram tb os parques. Lamentavelmente tanto a administração quanto as pessoas não parecem ter a menor preocupação com a conservação do espaço urbano, vejo pessoas jogando lixo pela janela do carro e nas calçadas com muita naturalidade. Também a cena cultural da cidade é praticamente inexistente, raríssimas peças de teatro, uma única e modestíssima feira de artesanato e museus mais acanhados ainda. O único programa das pessoas aqui são os barzinhos, espetáculos de dança, mostras culturais, exposições de arte, saraus, são raros. As pessoas dizem que Goiânia é uma fazenda asfaltada e acho que isso define com maestria a cidade, realmente não é uma cidade turística e não há beleza natural, o Jardim Japonês de Curitiba dá um banho em qquer parque daqui. A comida é simples, de fazenda, carne, pequi e feijão tropeiro, ótima para quem não se importa com colesterol nem dietas. Talvez por eu ser de Florianópolis, uma ilha de beleza exuberante e efervecente cena cultural, limpa e muito mais bem cuidada fique difícil aceitar que uma cidade com tanto potencial seja tão mal cuidada.

Amannda
AmanndaPermalinkResponder

Eu adoro a minha cidade, não troco ela por nenhuma!! Trabalho na Av. Goiás e toda vez que eu ando por ela me lembro da Av. Champs-Elysées, achei engraçado vc ter falado no post!
As ruas são arborizadas e limpas, temos vários parques, bares, restaurantes, boates, feiras e muita gente bonita!
E como disse o Benicio, aqui só falta uma praia pra fica perfeito!

Carlos Alexandre

Meu caro,
Achei impactante seu artigo e fotos. Digo isto porque trabalhei por vários anos na Avenida Goiás e sempre pensei como seria uma via realmente linda se a maioria das fachadas não fosse escondida por horrorosos cartazes publicitários e placas de lojas. A Av. Goiás tem uma riqueza arquitetônica esquecida atrás de equivocadas estratégias de vendas. Saio de bicicleta à noite, passo pela região e fico apenas lamentando. Sonho com o dia em que o poder público vai acordar e ver que a cidade tem potencial turístico por conta da arquitetura art-deco. Liberdade às fachadas.

ASM
ASMPermalinkResponder

Nossa muito legal mesmo este post sobre minha capital querida! Faltou você visitar o parque vaca brava, o parque flamboyant, parque areião, outras praças e até a fazenda santa branca que é um pouco pra lá da capital. wink

Como se locomover em Goiânia

[...] um trecho do centro à pé, mas eu recomendo apenas isso. Se quiser uma sugestão de roteiro, o Ricardo Freire do Viaje na Viagem fez um tour muito bacana pelo circuito art-decó. [...]

Kenia Ferreira

Onde se hospedar em Goiania para uma semana de lazer

Gostaria de dicas de qual o melhor bairro e hoteis para passar uma semana a passeio em Goiania.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Kenia! O Setor Oeste está bem localizado para as atrações centrais e a noite no Setor Marista.

Hotéis bem localizados são o Vivence, o Blue Tree Towers, o Plaza Inn Executive e mesmo o Ibis.

Ana Maria
Ana MariaPermalinkResponder

Infelizmente o coreto e o museu não estão mais tão bonitos.

Miranda
MirandaPermalinkResponder

Goiania tem uma gastronomia regional maravilhosa, uma arquitetura moderníssima, arrojada e muito bonita. A cidade vista de longe, com o sol do final da tarde batendo nela, vale mil fotos. Ela tem lá também sua pequena história de vida (que poucos goianienses conhecem!), mas ir até lá exclusivamente para conhece-la? Me perdoem, goianienses, também nasci aí, mas é um desperdício de tempo e dinheiro!
Eu viajaria para o Estado de Goiás de carro, combinaria entao Goiania com uma visita à Brasília, ao Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, ao Parque das Emas, a Goias Velho, a Pirinópolis, a Caldas Novas. Algumas dicas aqui:
http://www.tripadvisor.com.br/Attractions-g303323-Activities-State_of_Goias.html

Aliás, Goiás vale uma visita por sua natureza belíssima e suas cidades antigas (Goiania é jovem, só tem 81 aninhos) mas, como disse o Marcelo Lemos, o provincianismo das cabecas dos governantes e governados, nao preservam o passado e nao cuidam do futuro.

Paulo Torres
Paulo TorresPermalinkResponder

Olha só, um repórter do NY Times passou por Goiânia e teve impresões semelhantes às do Riq sobre o descaso de Goiânia com sua história arquitetônica: https://mobile.nytimes.com/2017/01/09/world/americas/the-fading-art-deco-dreams-of-brazils-heartland.html
(Só que as fotos do Riq valorizam as edificações, as fotos do NYT valorizam a degradação.)

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar