Belo Horizonte

Uai not?

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Belo Horizonte está onde nunca esteve. No suplemento de viagens do New York Times, por exemplo: nos últimos anos Beagá foi a estrela da edição em dois momentos. Uma vez de carona com o Instituto Inhotim, um dos centros culturais mais badalados do mundo, na vizinha Brumadinho; outra vez por conta dos seus botecos. Cidadã do mundo, sem perder a mineirice.

A verdade é que Belo Horizonte já nasceu moderna. Foi a primeira cidade brasileira planejada, na virada do século 19 para o 20. Cresceu quieta – tornou-se metrópole mantendo a imagem de clube da esquina.

As montanhas que circundam a cidade guardam tesouros naturais e artísticos. Reservas ambientais, estâncias serranas e a mais bela coleção de cidades históricas do país estão a dois passos da capital.

Quando ir

Assim como em todo o Sudeste, Belo Horizonte é quente e úmida na primavera e no verão, e tem clima seco e noites frescas no outono e no inverno.

Em maio e abril a cidade se agita com o Comida di Buteco, em que o público vota nas melhores novidades de quarenta botequins.

Em maio também tem o Festival Internacional de Teatro, que inclui apresentações de rua.

O inverno é ideal para curtir os fins de semana no vilarejo serrano de São Sebastião das Águas Claras (ou Macacos, para os íntimos), 35 km ao sul. Agosto é mês de festival gastronômico em Tiradentes. Os melhores carnavais são os de Ouro Preto e Diamantina.

Como chegar

O longínquo aeroporto de Confins é servido por vôos diretos de São Paulo (Congonhas e Cumbica), Rio de Janeiro (Santos Dumont e Galeão), Vitória, Brasília, Goiânia, Campinas, Curitiba, Porto Alegre, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém, Porto Seguro, Ilhéus, Maceió, Uberlândia, Montes Claros, Miami, Lisboa, Montevidéu e Cidade do Panamá.

O aeroportinho da Pampulha recebe alguns vôos diretos regionais, Uberlândia, Montes Claros e Ipatinga, e também de Campinas.

Brumadinho, onde fica Inhotim, está 60 km a oeste.

Sabará é a cidade histórica mais próxima: fica 25 km a leste. Ouro Preto está 110 km ao sul — mas, a exemplo de Tiradentes (200 km ao sul) e Diamantina (300 km ao norte), merece ao menos um pernoite.

Onde ficar

A hotelaria belo-horizontina é francamente voltada para o viajante a negócios. Os hotéis mais antigos e tradicionais ficam no Centro. Hospedar-se por lá é pouco interessante porque o lugar morre à noite.

A maior parte dos novos hotéis se distribui entre a Savassi e Lourdes, dois bairros centrais onde se encontram restaurantes, bares, lojas de rua e shopping centers.

Lourdes é o bairro do momento: entre os bons hotéis do bairro estão o Mercure Belo Horizonte Lourdes, o Promenade Platinum, o flat San Diego Suites e o Clarion Lourdes.

A Savassi tem uma coleção de bons flats da rede Promenade, como o Ianelli, o Volpi, o Pancetti, o Champagnat e o novíssimo hotel Toscanini, com decoração supercontemporânea. O bairro tem outros hotéis relativamente novos, como o Holiday Inn Belo Horizonte Savassi e o "nofollow">Ibis Belo Horizonte Savassi.

Os arredores da Praça da Liberdade também fazem uma localização interessante: você está próximo às várias atrações da praça e também da Savassi e de Lourdes, e os hotéis costumam ter bons preços. Por ali, considere o Ibis Afonso Pena, o Ibis Budget Afonso Pena e o Royal Savassi Express.

Existe também um incipiente pólo hoteleiro na saída da cidade para Nova Lima, próximo ao BH Shopping; por ali estão um Caesar Business e um Mercure Apartments. É interessante para escapadas a Brumadinho (Inhotim) e Ouro Preto.

Em fins de semana e feriados as tarifas baixam.

Antes de planejar uma esticada a alguma cidade histórica, verifique se não há nenhum festival na época da viagem.

O que fazer

O circuito básico inclui visitas à Praça da Liberdade, ao Museu de Artes e Ofícios, ao Mercado Central e, evidentemente, ao complexo da Pampulha, primeira manifestação do gênio de Oscar Niemeyer.

O circuito mais divertido, porém, é o dos botecos. Abra os trabalhos no Mercado Central e depois faça da lista do Comida di Buteco o seu guia oficial. (Dê uma chance ao jiló!)

A noite mais arrumadinha da cidade está em Lourdes. Tome como marco zero a rua Curitiba, à altura da praça Marília de Dirceu.

Uma incursão ao Inhotim é indispensável. Mas na própria Praça da Liberdade não perca outro museu de última geração: o das Minas e do Metal, patrocinado por Eike Batista (nos tempos em que estava podendo).

Belo Horizonte no Viaje na Viagem

Nenhum comentário, deixe o primeiro!

Atenção: perguntas que já estejam respondidas no texto e comentários ofensivos ou em maiúsculas serão deletados.

Cancelar