Cuidado com a síndrome do 'overplanning'

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Estação St. Pancras, Londres

Quem cunhou o termo foi o Ruy Mendes, um trip que comenta pouco mas comenta bem. Eu estava tentando convencer alguém a planejar com menos rigor uma temporada... na praia (!), quando ele tascou, preciso: "temos aqui vários clássicos de overplanning, doença que acomete muitos comentaristas deste blog". Bingo!

Veja bem: não é culpa sua. De uma certa forma, somos levados a planejar atividades demais por uma questão até cultural. As excursões nos ensinam a viajar assim, oferecendo a logística para uma overdose de atividades. As operadoras de pacotes nos ensinam a viajar assim, nos colocando em hotéis mal-localizados e então compensando com uma overdose de passeios. E, finalmente, a internet nos leva a viajar assim, com a overdose de informação que nos oferece.

Por isso é necessário a gente parar um pouquinho e organizar os pensamentos. Eu proponho que na sua viagem -- para qualquer lugar -- você programe aqui e ali um tempo livre para descobrir coisas, um tempo livre para mudar de idéia, um tempo livre para entender o que está vendo.

Se você tiver um tempo livre agora, leia isto que publiquei ontem na minha página Turista Profissional, que sai toda terça-feira no suplemento Viagem & Aventura do Estadão.

******

É difícil evitar: quanto mais você planeja uma viagem, mais coisas surgem para fazer; mais lugares parecem imperdíveis. Na era dos blogs, dos fóruns de viajantes, do conteúdo de turismo distribuído de graça por guias e jornais na internet, quem busca informação pode acabar soterrado por uma avalanche de dicas.

Tentar encaixar todas essas descobertas no seu roteiro é fatal para qualquer viagem. Pouco do que parece factível no papel costuma resistir aos contratempos da vida real. Saiba como não acabar numa dessas categorias de turistas overplanejadores:

O turista 30 horas. Saímos de férias para descansar do trabalho - mas quando nos damos conta, estamos com uma agenda ainda mais apertada do que no escritório. Acordar várias vezes de madrugada para tomar o primeiro voo, pegar praia a 200 quilômetros de distância, cabular refeições, prever uma sequência de visitas a lugares com filas intermináveis - parece que precisamos pagar as férias com sofrimento.

Como evitar: hierarquize os passeios. Eleja um evento importante por dia; faça os outros só se der tempo e você não estiver cansado. Durma bem e pense nas paradas para almoço e jantar como programas. Evite fazer bate-voltas a lugares que fiquem a mais de uma hora e meia de distância.

O turista nunca-chega.
Muita gente encara um lugar apenas como um trampolim de onde pular a outro. Você sabe que sofre disso quando chega a Maceió e só consegue pensar em Maragogi. Roma? É uma cidade de onde se vai a Capri. O maior exemplo de nunca-cheguismo que presenciei foi durante um cruzeiro ao Prata. O navio aportou em Punta del Este durante um lindo dia de verão. Teríamos o dia inteiro para explorar o local. Mas boa parte dos passageiros optou por pegar o passeio de um dia inteiro a... Montevidéu.

Como evitar: antes de pesquisar sobre lugares próximos, abasteça-se de informações sobre o lugar onde você vai desembarcar primeiro. Parece óbvio, mas será útil em muito casos.

O turista já-que
. Variação mais popular do nunca-chega: ao descobrir que está perto de algum outro lugar interessante, arranja um jeito de passar por lá. "Já que estou do lado..." Quando percebe, o roteiro virou um pinga-pinga infernal, e metade do tempo é perdida entre check-out, deslocamento e check-in.

Como evitar: monte bases. Passe vários dias num mesmo lugar, e faça bate-voltas a lugares próximos apenas depois que der o lugar por esgotado. Transforme o já-que: "Já que estou aqui, vou descobrir coisas que eu não sabia que existiam aqui mesmo".

O turista enciclopédico. Este reverencia todos os verbetes que encontrem registro na sua memória. Viajar é "ticar" todos os lugares sobre os quais já tiver lido. Qualquer nome conhecido vira uma fixação que precisa ser conhecida tête-à-tête, mesmo que saia completamente do caminho. Toda cidade antiga vira tão importante quanto Veneza. Qualquer praia parece tão bonita quanto o Sancho ou o Espelho.

Como evitar: não se impressione tanto com os lugares dos quais você já ouviu falar. Na maioria das vezes, os lugares mais interessantes serão aqueles que não faziam parte do seu repertório. Diminua o ritmo da sua viagem, e esses locais vão aparecer bem no seu caminho.

Estude. Priorize. Relaxe. Pesquisar e planejar são essenciais ao sucesso de uma viagem -- mas é preciso saber processar os resultados para não sofrer uma overdose de informação. Apure suas escolhas: separe o realmente imperdível do meramente complementar. E deixe tempo livre na agenda: com o dever de casa feito você vai identificar com clareza a hora de mudar os planos.


219 comentários

deaC
deaCPermalinkResponder

Ja me enquadrei nesse overplanning quando mochileira. Era tudo cronometrado, pouca grana, na epoca achava otimo. Depois, com um pouco mais de dinheiro passei a viajar de excursão, um horror. Existem aquelas pessoas deslumbradas, que acham que os guias são verdadeiras babás, outras totalmente ignorantes. Lembro de uma senhora, visitamos Firenze, ficamos dois dias, no caminho pra Roma ela perguntou quando iriamos conhecer Florença. Agora nao tenho mais aquela ansiedade, às vezes nem sei pra onde vou, mas com certeza sei de onde venho.

Isabel O., Portugal

Há uns anos resolvi tentar rentabilizar o meu curso de turismo (que está na gaveta) e ofereci os meus serviços para guiar um grupo para Itália. Para além de outros problemas, para aqui não chamados, recordo o horror de nunca ter tempo livre, pois as pessoas não se queriam descolar de mim. Eu dizia -"agora têm tempo livre até ao jantar", ou coisa do género, e metade do grupo ficava parado ao meu lado. Não faziam a menor ideia para onde ir, o que havia para fazer, como se deslocar... Entre o tempo passado com os clientes e o apoio ao motorista acho que fiz umas 17 horas de trabalho por dia. Deu dois euros à hora de ganho. Devia ter ficado por cá a fazer limpezas. A partir desse ano eu, que até tive a minha dose de "empacotamento" (era bem mais baratinho ir daqui de autocarro até Paris, por exemplo... isto antes das Low cost), fiquei curada.

douglas
douglasPermalinkResponder

obrigado zé

Deixe-se levar. » Buenos Aires, queridos.

[...] Tentar encaixar todas essas descobertas no seu roteiro é fatal para qualquer viagem. Pouco do que parece factível no papel costuma resistir aos contratempos da vida real. Saiba como não acabar numa dessas categorias de turistas overplanejadores (não deixe de ler o post inteiro aqui) [...]

Vivi
ViviPermalinkResponder

Oie Riq e navegantes smile

Preciso de uma amuda de vcs...Ano que vem faço 5 anos de casada e estava pensando em passar 5 dias(vou aproveitar um feriadão de Abril) em algum lugar legal. Pensei em Playa del Carmen, St. Marteen ou Punta Cana, mas como não conheço nadica de nada desses lugares gostaria de saber de vcs se vale a pena investir 5 dias e um nesses luagares ou não? Ou será melhor investir em algo pelo BR mesmo?

Muitos bjos e obeigada desde já smile

Vivi

Ricardo Freire

Com cinco dias eu ficaria pelo Brasil; com uma semana consideraria o Caribe (menos do que isso acho pesado por conta do vôo longo).

Veja a diferença entre as ilhas neste post aqui:
https://www.viajenaviagem.com/2010/04/pequeno-guia-para-descobrir-a-sua-ilha-no-caribe/

Se quiser continuar este assunto, continue nesse post que indiquei, por favor.

George
GeorgePermalinkResponder

Não,Carmem,nem na hora da conta,pq foram só 2 cafés com leite...e o garçom em momento algum ficou perguntando se eu queria mais alguma coisa...e olhe que tinha gente em pé esperando;talvez o fato de eu falar um pouco de frances tenha ajudado...

Nao posso deixar de parabenizar o comandante,o Oscar,a Sylvia,o Rodrigo Barneche,a Nati,o Marco Cavalheiro("felicidade é tomar um café da manhã de 04 horas na rua vendo o pessoal correndo feito louco. Não saber as horas. Almoçar quando estiver com fome. Descobrir coisas por acaso") a Isabel de Portugal (se quiser dicas sobre a Sardenha é só perguntar),a Andrea,o Arnaldo do Fatos e fotos(~sempre leio seu blog),mais uma vez a paciencia do comandante em pedir para que as pessoas façam as perguntas nos posts respectivos e não ficarem repetindo em vários posts,a Dani com os seus programas para dias de sol e dias de chuva,a Flavia Soares(É bom lembrar que a caixa de comentários também é um instrumento de pesquisa super útil e precisa ser mais valorizado.Vamos zelar pela sanidade do blogueiro que acaba respondendo infinitas vezes as mesmas perguntas),o Rogerio,o Leo Luz (posso continuar respondendo que fiquei descansando de papo pro ar, tomando café até às 11h, ido pra praia, voltando pra piscina)...Abraços

george0007@uol.com.br

Isabel O., Portugal

Olá George - as dicas são bem-vindas. Ainda não descobri nada sobre a Sardenha por aqui.
Pensei em mandar e-mail mas, por outro lado, poderia haver mais gente interessada e é interessante partilhar.
Não sei bem onde daria para me responder poque não há uma pasta "Sardenha" em Itália.
Sugiro que responda aqui e depois o Ricardo transferiria, se assim o entendesse. Será que isso é viável?
Obrigada aos dois.

Ricardo Freire

Isabel, a mesma amiga que vai pra Pantelleria estava querendo ir pra Sardenha. Eu indiquei o New York Times, que tem uma coleção de matérias ótimas e bastante diversificadas, que saem da Costa Smeralda (que eu acredito que deva ser chatíssima).

http://travel.nytimes.com/travel/guides/europe/italy/sardinia/overview.html?scp=1&sq=sardinia&st=tcse

A primeira matéria é sobre trekking, a sua cara smile

Isabel O., Portugal

Obrigada.
Sempre atento... o menino é um querido.

Lembra-se da tal lei que abordámos em e.mail? Foi ontem promolgada pelo presidente da República (cheio de pena de o ter que fazer... blá, blá, blá, que o país está em crise, o desemprego é que é um assunto importante e por aí)

Ricardo Freire

Achei a justificativa ó(p)tima! Tipo "não tenho simpatia pela causa, mas não vamos perder tempo com essa bobagem". Exemplar"!!!!!

Natália M Gastão

Nossa!!!! Me encontrei em todos esses turistas, sou uma verdadeira gafe! Mas adorei a abordagem... Ajuda a organizar as idéias!!! Arrasou Riq!

Andre Lot
Andre LotPermalinkResponder

A primeira viagem que eu fiz sozinho sofreu desse problema de overplanning. Eu era adolescente e estava viajando de ônibus (sim, de ônibus interestadual, veículo no qual me prometi nunca mais entrar depois que me tornei motorista habilitado), e tinha roteiros milimetricamente planejados.

Mas, muito felizmente, eu logo aprendi duas coisas que vêm bem a calhar:

1. Evite o overplanning (exatamente como descrito aqui).

2. Informação é poder.

Acho sempre muito interessante ter informações a mão sobre o lugar, destino, região que vai visitar. Quando mais informação, mais opções você tem. Uma tática que eu sempre uso, e vem dando certo, é ter uma lista à mão pré-pesquisada de muito mais coisas para fazer do que seria possível. Eu já sei que não vou fazer todos os bate-voltar, ou visitar todos os monumentos, ou passar em todas as cidades medievais selecionadas, ou visitar todas as praias da rota.

Com isso, sem as pretensões de outras épocas de "cobrir" destinos como se fosse um pesquisador cartográfico de campo, minha vida quando viajante ficou muito mais divertida. Eu sempre sei que mesmo que levasse uma vida como a do Riq jamais conseguiria conhecer tudo o que quisesse, então viajo já sempre com inúmeras opções de programas, lugares, destinos (informação é poder), mas se aparecer algo inesperado na hora, posso considerar e deixar planos de lado sem me sentir culpado.

Tiago
TiagoPermalinkResponder

O turista já que é quase uma pandemia!! O que faz as pessoas realmente acreditam que podem conhecer um continente inteiro como se fosse um bairro? Aff..

Rosa
RosaPermalinkResponder

O Arnaldo respondeu, ao menos, em parte a sua pergunta: "Também não critico quem quer fazer a “Europa em 15 dias”, se esta for realmente sua única opção, seu desejo real, decisão tomada conscientemente. Não minha oponião é errado definir os gostos, o mundo e as pessoas linearmente. Se tal pessoa foi feliz optando conscientemente por fazer um continenteb em 15 dias, dou meus parabéns a ela!"
Assino em baixo.

Vivi
ViviPermalinkResponder

Riq, obrigada pela respostasmile

Se não conseguir ficar 1 semana e resolver ficar no BR, o Nordeste é uma boa opção?

Um abraço

Ricardo Freire

Depende da época, Vivi.e, não. Segundo semestre, sim. Primeiro semestre (abril-junho), não.

Luciana
LucianaPermalinkResponder

Muito legal este post, faz a gente parar para pensar. Eu amo a parte que vem antes da viagem, ler, planejar, se informar, adoro!! Planejar e montar o roteiro é um enorme prazer para mim. Já viajei sem nem reservar hotel, e foi ótimo, e ultimamente só viajo com hotel reservado, rs. Mas os melhores dias são os não planejados, são os caminhos errados, um passeio sem tempo marcado no Central Park, picninc em Paris, sei lá... Já fiz mil coisas em um dia e hoje adoro deixar algo " para a próxima".

Andrea Jaguaribe

Ih, gente, acho que a acometida de overplanning da praia sou eu (rsrsrs)! Me identifico com a descrição do Dionísio: tento planejar ao máximo (é da minha natureza, fazer o que, né?), mas chega na hora faço aquilo que tenho vontade, como aconteceu em Aruba e Curaçao: postei um roteiro planejadíssimo, digno de agência de turismo (que provocou o comentário do Ruy logo depois), mas chegou na hora fiz aquilo que tive vontade! O lugar onde estamos é que leva a gente.

A idéia do roteiro, na verdade, é saber quais são as opções viáveis e não ficar perdido sem saber o que fazer. Se não deu prá fazer um passeio, conhecer um lugar, paciência, fica prá próxima. Curaçao, com certeza, será visitada uma outra vez. O que não gosto é de conhecer os lugares correndo, sem apreciar, mas para apreciar como se deve, é preciso saber o que os lugares tem de melhor a oferecer e é aí que o planejamento entra, mas só aí. Tentar seguir rigorosamente um roteiro é que não dá. Já chega o estresse do dia a dia.

Ah, as praias foram maravilhosa e calmamente curtidas, apesar do roteiro militarmente organizado (rsrsrs).

Relaxe, pessoal!

Ruy
RuyPermalinkResponder

Que bom que sua viagem foi legal e você aproveitou bastante, aguardo novos roteiros para eu pescar suas dicas.

Abs.,

Ruy

Alexandre
AlexandrePermalinkResponder

Dicas perfeitas! Estive em Santiago do Chile em dezembro passado,me hospedei no novo hotel W, novinho e tudo ótimo. Lá estando eu queria ir a Valparaiso e Vina del Mar ( já que estava do lado!), mas o tempo era escasso, então desisti e tirei o dia inteiro pra aproveitar mais a cidade e o hotel, acabei curtindo uma tarde ótima na piscina da cobertura, a vista dos Andes nevados ao fundo, foi ótimo! E me deu muito mais vontade de voltar, com calma, e conhecer Valparaiso e Vina não apenas num bate-volta, com tempo de conhecer esses lugares melhor e com mais calma. Tivesse eu feito o bate-volta, não teria conhecido Valpo e Vina a fundo, nem Santiago... e talvezachhasse sem graça os lugares e nunca voltasse... mas como fiz gostei demais de Santiago e pretendo voltar pra conhecer outras partes do Chile.

Henrique
HenriquePermalinkResponder

Como o Riq mesmo já falou mil vezes, o fato de planejar uma viagem antes faz ela render muito mais quando ela acontece. Em uma segunda ida ao mesmo destino podemos afrouxar os cintos. Eu volto a Buenos Aires mes que vem pela segunda vez em 6 meses. Na primeira tive tudo rigorasamente planejado(passeios, restaurantes,etc). Desta vez nada planejei, vou fazer o que der na telha, mas ficaria incomodado se tivesse feito isso na primeira viagem...

ricardo macedo

Faço minha primeira viagem à EUROPA no próximo mês, com um roteiro alucinado..poucos dias, em vários lugares...não tenho obsessão por conhecer o que há de imperdível nas cidades por onde irei passar, e sim desejo andar, andar, andar, e me surpreender com o que irei presenciar..tenho 37 anos, andarilho convicto..que os deuses dos vulcões me permitam viajar para locais, um dia, impensáveis para mim...

Andrea Jaguaribe

Oi, Ruy!

Obrigada! A viagem foi realmente muito boa, só me arrependo de não ter programado pelo menos mais um diazinho em Curaçao. Se for para se dividir entre as duas ilhas, o melhor é deixar pelo menos 4 noites para cada uma.

Agora estamos pensando em um final de semana prolongado em Buenos Aires e em outubro uma viagem mais longa a Portugal e Espanha. Provavelmente só as capitais e, quem sabe, alguma cidade próxima (se o tempo e a grana disponíveis permitirem). Em Portugal, passaremos por Braga com certeza, pois é a cidade de origem de nossos ascendentes e queremos conhecer as nossas origens (rsrsrs)! Alguém sabe se essa época do ano é boa para ir para lá?

Também temos o projeto antigo de Grécia com Turquia, que sempre vai ficando para depois, mas jamais esquecido!

De qualquer forma, para onde quer que formos, depois de longa e extensa pesquisa voltarei a postar meu roteiro padrão militarizado e depois eu conto como foi.

Um abraço!

George
GeorgePermalinkResponder

Ola Isabel,tudo bem?

Eu estive na Sardenha no mes de agosto,na alta temporada.Após estudar bem a ilha e não ter o tempo que gostaria de ficar lá(3 meses-no verão,claro) tive que optar por uma região.
Vc vai ficar quanto tempo lá?Do que gosta de fazer?O meu roteiro abaixo era só de descanso,comer bem,ir a praia.Se os seus interesses forem outros talvez não te sirva.Mas vamos lá.
Optei pela Costa Esmeralda,que fica ao norte da ilha.
Desci no aeroporto de Olbia,onde peguei o carro alugado e fui para Costa Esmeralda.Não tive problemas com o caminho,embora o "possante" Fiat Punto não estivesse equipado com GPS.
O hotel em que me hospedei se chama Balocco ( http://www.hotelbalocco.it ) e fica em Liscia di Vacca.É um 4 estrelas que na alta temporada tinha uma diária de EUR 200.00 com pequeno almoço incluido.
Veja os comentários dele no link abaixo,se te interessar.
( http://www.tripadvisor.com/Hotel_Review-g194856-d498287-Reviews-Balocco_Hotel-Porto_Cervo_Costa_Smeralda_Sardinia.html )
A recepção foi muito atenciosa,apesar de o hotel estar lotado e haver várias pessoas chegando.Ah,o hotel não tem elevador,então se vc tiver problemas em subir escadas...
Bom,Porto Cervo é o lugar chique da Sardenha,algo como Puerto Banus na Espanha.
Vc só vê pessoas bonitas,bronzeadas,algumas com uma taça de champanhe nas mãos.Como a proposta era o "dolce far niente" estava no lugar certo.
O meu programa era cada dia uma praia diferente e cada noite jantar em um restaurante diferente.Esses restaurantes depois da meia noite viravam clubes,onde vc pode dançar...com a vantagem que,já tendo jantado lá,não precisa pagar entrada nem esperar na fila.
Os mais legais eram Sopra Vento,Sotto Vento,Billionaire's.Se te interessar posso te dar mais dicas sobre cada um deles.
Quanto às praias as que mais gostei foram Romazzino e Pitrizza.Tb posso te dar mais dicas sobre as praias se vc quiser.
Quando eu souber mais sobre o que vc procura terei prazer em responder.
Abraços

George

Saulus
SaulusPermalinkResponder

Sinceramente, são cada vez mais raros os exemplos de gente que utiliza o vasto ambiente da web com moderação, bom-senso, e, acima de tudo, conteúdo.

Esse post esclarecedor, diria até corajoso, é mais uma perfeita tradução do bom uso do meio virtual.

É incrível ver tanta gente boa, inteligente, enveredar na prática duvidosa do excesso de atividades/lugares em pleno período de passeio, se matando numa verdadeira corrida imaginária do "quem conhece mais lugares" sem, ao menos, aproveitar o que cada um deles já tem a oferecer de melhor.

Talvez esteja aí a grande diferença entre curtir experiências ou apenas completar circuitos...

PARABÉNS pelo post, pelo blog, e pelos seguidores conquistados!

michele maciel

Amei este post!!!
Concordo que planejar bem e conhecer bem o lugar antes de ir não é overplanning, mas pelo contrário, é ganhar tempo porque uma vez no lugar escolhido você tem conhecimento e discernimento necessário para decidir- aí, sim, na hora, sem stress nem agenda- onde quer ir na hora que der vontade. E até evitar os "lugares imperdíveis" e dicas de má fé ou passeios e "agendas engessadas" dos pacotes e operadoras que, no fim do dia, morto de cansaço, mostram-se totalmente dispensáveis... você teria aproveitado mais batendo perna nas ruas perto do hotel, ou na praia, ou o que realmente quisesse fazer naquele dia se não tivesse programado cada segundo...de uma forma bem mais simples e bem mais gostosa....
Não gosto de viajar em grupos e pacotes fechados, exatamente por isso...

Clara
ClaraPermalinkResponder

Chego neste post "tudo a ver" com apenas 1 mês de atraso, mas acho que está bastante em linha com oassunto.

Apenas acrescentaria que em viagem, meu marido e eu fazemos questão de não madrugar todo santo dia. Estamos de férias, estamos viajando, mas também estamos relaxando. Então procuramos levantar tipo 9 horas da manhã, tomar um bom café da manhã e sair para o dia, mas sem ficarmos escravizados a uma agenda. Escolhemos prioridades de cada lugar e outras coisas interessantes, mas o que não der, não deu, valeu.

E numa viajem recente a Portugal, um dos lugares que mais nos encantou passear foi por uma dica dada pelo funcionário do hotel na Serra das Estrela. Fizemos um passeio super lindo no Parque Natural da Serra da Estrela, passando por Linhares, que adoramos como vilarejo com seu castelo e chegamos em Coimbra à noite. Só a reserva do hotel estava feita, o resto foi um improviso maravilhoso, sensação de liberdade.

De qualquer forma gosto de saber(sem muita obsessão) sobre o que há de bom para ver em cada lugar. Também gosto muito de pesquisar sobre os hoteis em que vamos ficar, em que área fica, nesse ponto sou mais chatinha, so to speak...

Fê Costta - viaggio mondo

Eu sou super overplanning e me identifiquei com o "Turista 30 horas"! hahah É, preciso mesmo diminuir o ritmo, talvez quando tiver filhos... rs

Érica França

Estou planejando uma viagem e tentando me lembrar exatamento disso: é férias! Beijo, Riq.

Aline Arantes
Aline ArantesPermalinkResponder

Oi, Riq. Excelente! Eu antes era neurótica com isso. Precisava conhecer TUDO (como se fosse possível). Aí comecei a viajar com o meu marido (na época namorado). E de repente ele perguntava: "e agora? a gente pode tomar uma cerveja?" rs. Ele me ensinou a relaxar nas minhas férias. Lembro que estávamos em Paris, a primeira vez dele, quando chegamos ao Louvre. O calor era de rachar e uma placa avisava que o ar-condicionado nao estava funcionando. A fila estava enorme. Eu disse que a decisao era dele, porque eu já conhecia. E ele disse sem nem pestanejar: "nao vou entrar aí de jeito nenhum". E sem a menor culpa deixou o museu mais famoso do mundo para a próxima, sem ter idéia de quando seria a próxima. Passamos uma tarde muito mais gostosa do que seria num museu quente e lotado. ; )

fafá
fafáPermalinkResponder

Não posso deixar de opinar: antes de viajar, um mínimo de planejamento e bastante informação; durante a viagem, sensibilidade para convergir às as situações emergentes.
Vocês são ótimos!

Claudio Motta
Claudio MottaPermalinkResponder

Muito bom esse post!!! Talvez seja o erro mais comum que um viajante possa cometer. Acabamos voltando mais cansados e com a impressão de que as férias ainda nem começaram...
Abraço.

Claudia
ClaudiaPermalinkResponder

Riq, como eu sofro de overplannig me dê algumas dicas de como aguentar o võo da Qatar para Barcelona. Sudoku, dramim, filmes, etc.
Help me...rs...

Ricardo Freire

Eu levo revistas.

Aline
AlinePermalinkResponder

Muito legal esse post!!! Estou indo pra Europa sozinha pela primeira vez na ultima semana de julho e tenho lido tanta coisa, pegado tanta informaçao que td parece imperdivel, e estou uma pilha achando que nao vai dar tempo, tentando encaixar td numa agenda de 35 dias de viagem kkkkk

Esse post veio pra me ajudar a relaxar um poko com o meu planejamento, e sem me sentir culpada ehehehehe...

Valeu e parabens pelo excelente trabalho!!

Kely
KelyPermalinkResponder

Post muito bom, tb to em vias de planejamento, semana passada coloquei tudo no papel, faltou dia heheheh
é bom priorizar o imperdivel e relaxar,
afinal é férias neh...

Post mto bom, me fez parar e refletir.. não adianta lotar a agenda, se nao deu pra ver tudo... vou de novo outra vez grin

Fê Costta - viaggio mondo

Parece que todo mundo aqui é ou já foi um pouco overplanning, entretanto vejo isso é um sintoma para quem é blogueiro ou fã de sites de viagem. Os demais seres humanos, aliás, a grande maioria, nem pesquisa sobre a próxima viagem. Vai no tradicional pacote que está no folheto da agência de viagens. É preciso encontrar o equilíbrio entre planejar & curtir (claro, sem estressar caso o planejado não se concretize!)...

Elaine Rego
Elaine RegoPermalinkResponder

MARATURISTA QUE SOMOS: eu e maridão somos, madrugadores, guerreiros e do tipo que já sai de casa com a sensação de que conhece como andar na cidade mesmo sem nunca ter ido, por causa do planejamento.

Mas, sou totalmente como o Rodrigo Barneche: se não deu pra fazer, é a desculpa perfeita pra voltar.

Sempre temos pouco tempo, muito planejamento mas a base de tudo é ter planos B e C ( tipo, se chover, fazemos isso, se não, vamos fazer outra coisa...e assim aproveitamos o máximo do mínimo de tempo que temos.)

Isso é um problema: viajar com amigos não rola pois horário de jantar não é prioridade, mas almoços são planejados, caçados por indicações ou simplesmente achados no meio do caminho e frescura não tem vez: ser for um boteco limpinho, e parecer bom, tamo dentro...e geralmente nos surpreendemos e ficamos todo-proza pela " descoberta".

Andréia
AndréiaPermalinkResponder

Ricardo,
Descobri seu blog hoje, enquanto procurava informações para viagem do final do ano para Europa. Parabéns!Achei o máximo!Não imaginava encontrar tantas dicas assim...
Acho que terei que rever meu roteiro! Voltarei com certeza pra pegar novas dicas.

Camila Rocha
Camila RochaPermalinkResponder

Show de post ! Mas, contradiz o post furar fila legalmente... smile
Na minha primeira viagem a Europa, segui fielmente o post fura fila (odeio fila), e me dei mal em alguns casos:
- Marquei dia na Torre Eiffel, e tava chovendo...
- Marquei dia na Accademia de Florença no mesmo dia que íamos chegar na cidade de trem (com 5 horas de intervalo). Mas a chegada atrasou e acabamos tendo que ir correndo da estação pro museu, com mala e tudo, aguentar o mau humor dos funcionários do museu dizendo que não guardavam bagagem, um stress...
E tudo isso em maio, que não tem tanta fila assim.

Na próxima viagem, vou seguir este post! smile

Marcelle
MarcellePermalinkResponder

Outro problema de planejar demais, que percebi na minha primeira viagem à Europa: quando você pesquisa demais (eu olhava até fotos para ver se o lugar era bonito mesmo, se valia à pena), na hora em que chega ao destino tem a sensação de que já conhecia, que não tem tanta graça como imaginava ou que achava que ficaria mais deslumbrada...
Este post foi bom pq eu estava no site justamente planejando a segunda viagem à Europa. Percebi que ia sobrar tempo para conhecer mais uma capital (o roteiro "obrigatório" tem Amsterdã, interior da Itália - com exceção de Roma, que já conheço - e interior da Inglaterra) e estava procurando uma outra cidade imperdível que eu ainda não soubesse que é imperdível... Ou seja, já estava prestes a enfiar uma cidade que seria melhor aproveitada em 5 dias num roteiro onde havia 2 ou 3 para ela...

Vou tentar me controlar e parar de enfiar cidades no roteiro!!!
abs,
Marcelle

Monica Loureiro Jorge

Acho que sou uma turista meio ZEN.
Enquanto viajo,adoro ficar "viajando"nas pessoas que conheço.
Conhecer histórias de vida é a minha praia.
E também lugares.
Mas tem que ter gente também.E gente bacana.

Andreia Stein
Andreia SteinPermalinkResponder

Eu acabo de experimentar o overplaning em uma viagem à Buenos Aires e Chile. Li tudo, pesquisei tudo e já não sabia mais como conseguir moedas para pagar o onibus ate Zoo Lujan em BUE, quando meu esposo, que nao tinha contribuido em nada com o planejamento da viagem, me falou sobre uma van que levava e buscava no zoo por 20 pesos. Eu nao tinha ouvido falar da tal van!
Outra otima surpresa foi quando voltavamos do Cerro San Cristobal e entramos num beco, que levava ao Patio Bella Vista, com otimos restaurantes e onde comemos o melhor Ceviche da viagem! Vale planejar, vale surpreender-se, o importante é viajar!

ANTONIO GERALDO CARVALHO

Ricardo,
Bom dia.
Até hoje seu livro "Viagem na Viagem é de consulta indispensável no planejamento de minhas férias.
No momento estou preperando a mala para visitar Eslovênia, Croácia (Zagreb, Lagos de Plitvice, Makarska, Dubrovinik, Split, Trogir, Zadar, Opatija, Pula), Bósnia-Herzegovina e Montenegro. De quebra, aproveitarei a passagem da Singapore, para uma paradinha em Barcelona e conhecer o Principado de Andorra.
Pretendo conhecer Rovinj, no litoral da Croácia. Mas os horários de trem/ônibus que consegui consultar são incompatíveis para um bate-volta partindo de Zagreb. Você saberia de alguma dica.
Desde já os meus agradecimentos.
Geraldo.

Ricardo Freire

Não dá para o bate-volta porque são 250 km de distância, as estradas são tortuosas.

simone
simonePermalinkResponder

Como assim? 1 mês "só" na Espanha? Todas as pessoas me diziam isso...Foi a melhor viajem,eu marido e duas filhas adolescentes.Fomos de norte a sul,de carro,trem (bala!),andando e conhecendo cada pedacinho,com tempo de dia todo para praias,parques,shows de rua,cochilos na grama das praças,ótimos restaurantes e hoteis muitas estrelas!Viajar é isso:tempo pra absorver o lugar!Adorei seu texto! Abraços de mais uma fã!

Carol França
Carol FrançaPermalinkResponder

Nossa, esse post "apareceu" pra mim na hora certa!
Estou organizando meu roteiro entre Miami, Orlando e NY em novembro/11 e já estava com crise de ansiedade!
Ainda faltam 4 meses e aqui tentando bolar o roteiro com base em todos os posts, blogs e dicas versus google maps e por aí vai...
Agora relaxei, UFA!
Obrigada!!!

Eliane
ElianePermalinkResponder

Bom dia Ricardo,
Estou querendo conhecer Grecia e Istambu, vc me daria algumas dicas?? o que posso explorar 03 dias em Istambu

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eliane! Aqui quem responde é A Bóia.

Comece lendo o que já existe nas duas categorias:
https://www.viajenaviagem.com/category/grecia
https://www.viajenaviagem.com/category/turquia

Joana
JoanaPermalinkResponder

Mesmo porque, pro meu gosto, é sempre maravilhoso voltar num lugar que apreciamos. Às vezes me pego deixando de fazer coisas, com prazer, para ter uma desculpa pra voltar um dia!!!

Não tem nada melhor que se sentir em casa fora de casa. E essa sensação eu costumo ter quando volto outras vezes no mesmo lugar.

Lógico que nosso tempo não é infinito, mas se controlamos a ansiedade ante tantos livros divinos que nunca conseguiremos ler em toda uma vida, porque simplesmente não dá tempo, ou porque gostamos de reler os preferidos, por que não podemos sentir o mesmo em relação a nossas viagens?

Bruna
BrunaPermalinkResponder

muito bom esse post, realmente!
antes de vir morar na escócia eu sempre queria ir em td que o lugar oferecesse.. Vai q eu nunca mais tivesse a oportunidade de ir lá.. Porém com o tempo a gnt acaba fazendo exatamente o q esta escrito aqui...é importante definir as atraçoes imperdiveis e o resto vai fazendo conforme dá e se o tempo nao ajuda.. Sempre é bom ter uma segunda opção.
As vezes, com o tanto de info q encontramos na internet as ferias pode virar um pesadelo ainda mais se vc inventar de querer visitar tudo ou colocar umas mil cidadezinhas no roteiro so pq estao mto perto.

Marcio Antonio

Eu já fui overplanner, agora acho que não mais. Perdi essa neura de querer ver tudo que a cidade tem nos poucos dias disponíveis. Quando fui a Nova York e tinha 4 dias livres, escolhi 4 prioridades, uma para cada dia: o Metropolitan, o Cloisters, o USS Intrepid e a Ellis Island. O que desse pra ver além disso era lucro, e no fim ainda deu tempo de fazer uma passeada legal pelo Central Park, pegar um musical na Broadway e outros pequenos prazeres. Agora passei 3 dias em Londres depois de um curso em Cambridge e, mesmo escolhendo prioridades, precisei exercer o desapego: no domingo, depois da Tower of London e da Tower Bridge, tive que desistir do HMS Belfast para poder caminhar com calma à beira do Tâmisa até chegar ao Globe para ver uma peça. E olhem que adoro história militar... até daria tempo, mas ficaria corrido e estressante. E, como já tinha ido aos Cabinet War Rooms na véspera, e veria o Imperial War Museum no dia seguinte, resolvi deixar passar.

Lisa
LisaPermalinkResponder

Ai, eu sou overplanner....! O "já que" faz parte da minha viagem em todos os momentos! O maior problema é que leio tanto sobre todos os lugares que no final cidades que eu nem queria ir, acabam sendo "imperdiveis". Vou imprimir o seu texto e ler durante a viagem!

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Oi, Ricardo
Acabei de assumir no Facebook que me identifico com o tipo "já-que"... então veja se vc me tira da roubada: vou viajar sozinha por uns 15 dias incluindo o meu aniversário (que cai no feriado de 12.10)e queria ir encontrar umas amigas em NY. elas compraram passagem barata mas agora está muito salgado. vi um voo pra LA com direito a stopover em NY, posso passar ums dias com elas (já conheço bem a cidade) e depois voar pra LA - que não conheço, mas não faço lá muita questão. Consegui um pacote baratíssimo de LA pra Vegas (3 dias) e ainda fico com 5 a 7 dias praqueles lados. vale a pena ir para SFO? o que vc sugere? beijos!!!

Joana
JoanaPermalinkResponder

Nossa, sao francisco é o mais legal de tudo. E por aqueles lados tem o vale do napa, que o ricardo freire recentemente postou sobre a ida dele.

Leandrim
LeandrimPermalinkResponder

Li os comments quase todos e concordo que excesso de planejamento chega a ser irritante. Eu não sou overplanned, apesar de sempre olhar muito e ler muitas coisas antes de ir. Só não gosto muito de imagens, evito sites com elas, pois elas representam o ponto de vista de um outro viajante, que pode ser diferente do meu. Só vejo fotos de outros na volta. Quero me deslumbar com tudo, sem chegar com aquela sensação de "familiridade" com locais onde nunca estive, de tanto ver fotos.
A melhor estratégia que eu vejo é a do informe-se sobre o que existe, faça o que der. Eu levo anotações de tudo, mas não gosto de roteiros pelo google maps. Obviamente que em certos lugares isso é imperativo (Paris, se não se programar, corre muito e não vê nada) mas em geral o famoso "se perder" revela muitas coisas agradáveis, que não se veria num roteiro feito de cabeça baixa e com pressa, marcando tudo o que foi feito.
Mas isso somente se adquire com certa prática, que cabe a cada um descobrir.
E sempre há uma enorme questão: dinheiro. Muitas vezes conseguimos a façanha de juntar uns trocos e conhecer um lugar muito desejado. O instinto te faz querer ver tudo o que existe, pois você sempre pensa que pode não ter outra oportunidade de voltar. E isso acontece. Não com pessoas que colocam as viagens em primeiro lugar (meu caso e o de muitos aqui), mas para a maior parte das pessoas, viajar não é prioridade. Para estas existe o "Europa em 15 dias". E eles serão felizes assim.
Sucesso a todos.

Margareth
MargarethPermalinkResponder

Planejamento de viagem ja é o começo da diversão. Fuçar e peneirar até ficar justinho, na conta da vontade e do dinheiro. Mas importantíssimo lembrar: o plano é trilha, não trilho. Senão deixa de ser diversão pra virar obrigação.

Luquésio
LuquésioPermalinkResponder

...o plano é trilha e não trilho... FANTÁSTICO!
Sou um planejador obcecado, mas tenho aprendido a lição.
...deixa de ser diversão pra virar obrigação... PERFEITO!
Obrigado!

Eric
EricPermalinkResponder

Olá Riq e pessoal, achei maravilhoso esse post, assim como o restante do site. Acho que dentro do perfil overplanner você pode planejar todo dia um tempo para fazer poucas coisas e se surpreender com o que aparecer, planejar um ritmo slow motion e ainda assim, continua sendo um overplanner. A questão é quando você planeja muitos "to-do" em seguida, sem margem, sem priorização, e acaba virando uma overdose de compromissos e informações. Abraços a todos!

Francisco
FranciscoPermalinkResponder

Devo ser o completo oposto. Fiz minha primeira viagem pra fora, sozinho, e vim para Istambul (um sonho de mais de 15 anos)... creio que a inexperiência completa em viagens, a dificuldade com a língua, uma boa dose de medo e o cansaço extremo que eu estava antes de viajar, acabaram que eu tive um "underplanning". Tiveram alguns lugares "imperdíveis" que não visitei (tipo o palácio Dolmabahce e a Ex-Igreja em Chora), não consegui visitar tantos restaurantes maravilhosos assim (o frio e a chuva atrapalharam bastante... mas, sabia que seria assim). Se eu tivesse feito tudo que supostamente eu deveria fazer em Istambul, teria que acordar cedo demais, chegaria tarde demais no hotel, não aproveitaria os locais com toda a calma que tive e voltaria ainda mais cansado do que eu vim.
Portanto, não me arrependo do underplanning. Priorizei o que é mais importante, deixei coisas secundárias para uma segunda vez. Istambul é maravilhosa. E certamente voltarei pra lá um dia

ana
anaPermalinkResponder

OLÁ ESTIVE EM MONTEVIDEO POR UMA SEMANA, NO REVEION DE 2011/12, FOI SURPREENDENTE ,A CIDADE É MUITO MELHOR DO QUE ESPERAVA. IRIAMOS TAMBEM PARA BUENOS AIRES, JÁ CONHEÇO, MAS O PESSOAL QUE ESTAVAM COMIGO NÃO. OPTAMOS DE ULTIMA HORA A IRMOS PARA PUNTA DEL LESTE, DE EXCURSÃO, PASSEIO EM UM ONIBUS CONFORTAVEL COM GUIA, FOI UMA ÓTIMA ESCOLHA, GOSTAMOS DO PASSEIO.
CONHECEMOS BEM A CIDADE DE MONTEVIDEO, POIS FICAMOS POR LÁ EM TORNO DE 6 DIAS, VIAGEM SUPER TRANQUILA E SEM STRESS.A UNICA COISA QUE NÓS PESQUISAMOS ANTES DE SAIR DE CASA FOI QUANTO GASTARIAMOS NA VIAGEM E DEU TUDO CERTO, PLANEJAR A PARTE FINANCEIRA VALE A PENA, O RESTO DEIXE PRA DECIDIR QUANDO CHEGAR NO LOCAL. ESTOU PLANEJANDO EM IR PARA SAN FRANCISCO CALIFORNIA EM ABRIL COM MEU FILHO, ACHO QUE IRÁ DAR TUDO CERTO, SE ALGUEM TIVER ALGUMA DICA É BEM VINDA..

Clara
ClaraPermalinkResponder

Oi Riq, Bóia e amigos,
estou planejando uma viagem a Portugal agora entre abril e maio. Meu filho está estudando no Porto, então pretendemos fazer uma base lá. Até aí td bem, o problema é que quero planejar detalhadamente os bate-voltas para fazer a partir do POrto e não consigo me decidir com medo de overplanning...alguém pode me ajudar, tipo dizendo o que é mesmo imperdível...também estamos pensando em 4 dias em Barcelona e 6 em Paris para fechar com chave de ouro, mas meu marido já está achando muito...será??

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Clara, é difícil dizer o que é imperdível ou não. O que vc pode fazer é reunir informações previamente e tê-las à mão.

O legal de montar bases é que vc pode se ajustar ao clima. Com sol, vale a pena uma viagem de carro de um dia pelo vale do Rio d'Ouro.

Se fizer seu estilo, dá pra considerar Braga também em outro dia.

Quanto a Barcelona e Paris: não está corrido, não. Só não se proponha a esgotar todos os pontos turísticos famosos das cidades.

Ricardo Freire

Concordo com o André, Clara. A beleza de montar bases é essa: você só faz o que for factível, sem se esbaforir. Nada é indispensável, o bacana é criar sempre dias redondinhos e gostosos; nunca vai dar pra ver tudo, mesmo. Do que eu vi nesta viagem, a região do Douro entre Pinhão e Peso da Régua merece toda a fama que tem. Braga e Guimarães também são uma graça e, se você não for rata de história da arte, podem ser visitadas no mesmo dia. Bragança é mais longe, mas é uma joinha (na volta pode ser que dê tempo de passar no palácio de Mateus).

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar