Curso no exterior + viagens paralelas: conte sua experiência

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Tower Bridge, Londres

Fazer um curso no exterior é uma maneira muito inteligente de fazer uma viagem em conta. Dá pra descolar acomodação barata (às vezes em casa de família) e você facilmente se enturma.

Muita gente se programa para fazer viagens curtas nos fins de semana. Na Europa, há quem use cada fim de semana para ir a um canto diferente do continente, usando a combinação low cost + albergue.

Nunca fiz um curso no exterior (gostaria muito!), mas em teoria acho que o esquema mais interessante é aproveitar os fins de semana para visitar o entorno de onde se está, gastando menos tempo com deslocamento e aproveitando para ver lugares que você não "conhecia" antes de viajar mrgreen

Daí emendaria dez ou quinze dias de viagem econômica, aproveitando os conhecimentos e a desenvoltura adquiridos nas semanas de curso.

Caso não dispusesse desse tempo ou dessa grana, faria então o esquema dos fins de semana, claro (como dizer a alguém que está em Londres para não passar um fim de semana em Paris?). Mas nesses lugares muito bacanas em que se tem muito pouco tempo, faria a visita mais descompromissada possível: sem filas, sem lerês. Muita caminhada e curtição.

Ops -- mas não foi para dar a minha opinião que eu abri este post, e sim para atender a um pedido do Goethe, que está indo estudar na Alemanha e sentiu falta desse assunto aqui no Viaje na Viagem.

Se você viajou para fazer curso, conte pra gente como organizou seu tempo livre e como conseguiu conciliar o curso com a sua vontade de viajar. Deu para fazer as duas coisas, ou alguma delas saiu prejudicada? Se você pudesse fazer de novo, o que você repensaria?

Som na caixa!


95 comentários

Deise de Oliveira

Quando eu fiz meu mestrado na França, viajava muito de final de semana e em feriados prolongados. Confesso que muitas vezes matava uma aulinha aqui, outra acolá só pra viajar. Mesmo assim, acho que cosegui conciliar os dois e nem viajei tanto quanto gostaria de ter viajado, afinal, o objetivo principal deveria e foi o mestrado.

Beijo!

Elaine Rego
Elaine RegoPermalinkResponder

Riq, só vale Europa, ou America do Sul também conta?

Ricardo Freire

Claro que conta!

Danilo Camargo

Fui fazer um curso em Toronto em 2004, de 30 dias. Fiquei hospedado em casa de família, e o mais bacana foram as viagens de fim de semana que a escola de Inglês (LSC) organizava. Partindo de Toronto às quintas a noite, fomos de Onibus conhecer Quebec, Ottawa, Montreal, Chicago(EUA) e Nova York. Tudo com guia, hotel e um preço bem mais camarada do que se fosse por conta. Valeu muito mais que o curso de inglês !! Depois do curso, estiquei até NY por mais 7 dias, já que a distância ajuda muito.

Recomendo sim as viagens de fim de semana quando a distância permite. Afinal, ja que a cidade "base" é possivel conhecer durante a semana após o curso, é muito viável conhecer os arredores, nem que por um curto espaço de tempo. Ainda mais com arredores como esses !

Abraços !

Mirella
MirellaPermalinkResponder

A empresa que os estudantes usam bastante no Canadá é essa: http://www.isx.ca/ smile

Thomas Visani
Thomas VisaniPermalinkResponder

Fiz um Master em Barcelona entre 2009 e 2010. Tinha aulas noturnas de segunda a quinta, com algumas atividades extras opcionais em algumas sextas. Por causa disso, conseguia viajar na quinta à noite ou sexta e voltar na segunda, aproveitando as tarifas ainda mais econômicas das companhias low-cost.
Há diversos sites que auxiliam na busca por preços de passagens. Olhando com certa antecedência (tente olhar com pelo menos 2 semanas de espaço), as chances de um bom preço aumentam. Na Espanha usava muito o www.rumbo.es
Para olhar os preços de hospedagem, recomendo seriamente o booking.com , que lista locais em todas as faixas de preço, conforto, localização, etc. Achar um lugar com bom preço, boa localização e que não seja uma bomba é bem fácil. Sugiro antes de fazer uma reserva ler os comentários dos antigos clientes. Sempre são dicas valiosas.
Por causa dessas vantagens, consegui passar fins de semana em Paris, Londres, Dublin, Belfast, Berlim, Madri, Sevilha, Roma... E no fim do curso fiz uma viagem de 2 meses e meio pelo leste europeu, Turquia e Marrocos, sempre nesse esquema descrito acima (o rumbo.es vê passagens de avião e trem). Quem quiser ler alguns outros detalhes, no meu blog tem histórias, fotos e algumas dicas.

Um abraço!

Luísa Ferreira

Quando fiz intercâmbio na Universidad de Sevilla, fiz mais ou menos isso que você disse: aproveitava os finais de semana para viajar por perto, pela Andaluzia. Não achava que valia a pena ir passar dois ou três dias em cidades como Paris ou Londres, por isso deixei pra fazer isso no recesso de final do ano e depois do fim do curso. Outra dica é se programar para aproveitar os maravilhosos feriados prolongados, que eu usei para ir para a Itália e para conhecer com calma Barcelona, por exemplo. Faltar algumas aulas é quase inevitável, mas com planejamento dá pra aproveitar sem se prejudicar no curso - que, ao meu ver, deve ser encarado como prioridade, a não ser que desde o início você pretenda usá-lo só como desculpa para passear pela Europa. O ideal mesmo é demorar um pouco pra voltar ao Brasil depois do fim das aulas e organizar um bom mochilão pra ser feito com calma smile Mas pra isso é preciso organizar o orçamento, senão você fica que nem eu, voltando pra casa com uma mão na frente e outra atrás, hehe.

Bia
BiaPermalinkResponder

Em 2008, tinha um mês de férias, nenhuma companhia e muita vontade de viajar. optei por desenferrujar meu inglês fazendo um curso de 4 semanas no exterior. escolhi nova york, mas achei que 4 semanas seria muito e, então, decide fazer 2 semanas em ny e mais 2 em toronto. estudava de manhã e a tarde passeava.
Realmente é uma ótima maneira de conhecer uma cidade. acho inclusive que pelo fato de ter um contato mais próximo com os moradores da cidade, você acaba conhecendo-a de uma forma diferente do que se conhece apenas turistando.

PattyBraga
PattyBragaPermalinkResponder

Curso de Ingles em Londres, um mês.

Exatamente como você descreveu, Riq. Acomodação em casa de família, aulas durante a semana e viagens nos finais de semana.

Mas viajei apenas pela Inglaterra e Escócia no período das aulas, pois saí de mochila pela Europa só depois do curso.
Irlanda fiquei devendo...

O bom é que geralmente sempre tem gente no teu curso que também está a fim de viajar, então é ótimo para fazer amizades e ter parceria!

marlo
marloPermalinkResponder

é, sem matar algumas aulas não dá... quando estudei em Portugal, em 2005, era muito difícil o deslocamento "low cost" e as melhores tarifas sempre eram no meio da semana.. Mas dava para recuperar as aulas perdidas depois.. abraços. Marlo.

Guta Vambora
Guta VamboraPermalinkResponder

Minha experiência é como a da Patty ai em cima! Alguns meses de curso de inglês, indo todo fim de semana viajar na Inglaterra. Para mim, no fim, as viagens acabaram ajudando ainda mais nos estudos, principalmente quando se trata de aprender uma nova língua.
Geralmente também, a escola/instituição promove as viagens, deixando tudo ainda mais barato.
Vale MUITOOOOO a pena, mas cansa muito tb! Se pudesse, faria de novo! Quem sabe talvez eu faça! wink

Pat Fernando
Pat FernandoPermalinkResponder

Em 1999 passei um ano estudando na Inglaterra, mas como trabalhava junto para pagar meus estudos, não tinha finais de semana livres. Aproveitava alguma mudança de escala ou agendava com meu chefe alguma saida mais longa. Em quase todas as saidas fica em albergues, alguns bons, outros nem tanto. Como tava na base de mochilão, comia em parques lanches que comprava no super. Conheci muitas cidadees pequenas da Inglaterra e Escócia. Fiquei 2 semanas em Paris e conheci também Amsterdam. O que eu não fiz e mudaria se pudesse hoje é ter agendado um tour pela Europa antes de voltar para o Brasil, mas naquela´época preferi voltar com dinheiro para cá (aaaaaa se arrependimento matasse!). Mas também, naquela época a internet era caaaaaaaara e não dava pra ficar planejando muita coisa como nos dias de hoje.

Enfim, acho que sim é uma ótima oportunidade para passear e é super possível planejar viajens curtas sem atrapalhar a agenda de estudos.

Lucas Paio
Lucas PaioPermalinkResponder

Fiz um curso de mandarim na BLCU (Beijing Language and Culture University), em Beijing, China. Eles têm cursos de 1 mês, 3 meses, 6 meses e 1 ano. (Fiz dois de 6 meses.) Viajei pouco, mas dá sim pra fazer várias viagens de 4 ou 5 dias por aí, às vezes enforcando um ou dois dias de aula, mas que vale a pena. O bom é que tem uns feriados chineses enormes, como a "semana nacional" em outubro, 9 dias direto sem aula. Quem tiver disposição e uma graninha pode ir a Coréia, Vietnã, Camboja... E a faculdade também organiza viagens (embora elas sejam normalmente mais caras do que ir por conta própria.)

Elder
ElderPermalinkResponder

Fiz parte da faculdade em Portugal. Aproveitava os fins-de-semana e feriados para viajar de trem ou de carro até lugares próximos (até umas 2h de viagem) que não valeriam uma viagem única apenas para visitá-los.

A boa dica: no aeroporto da cidade havia uma grande oferta de vôos low-cost, então sempre checava o site da Ryanair para ver as promoções e decidir o país seguinte. Assim, montava uma pequena viagem de, digamos, 4 dias emendando com o sábado e domingo.

O máximo de tempo que fiquei fora de casa nesse esquema foi 10 dias. Como dá para perceber, o jeito era faltar na faculdade. Viagem grande mesmo, só ao fim do curso.

Juliana
JulianaPermalinkResponder

É muuuito fácil viajar pra quem vem estudar na Europa. Eu moro na Irlanda e vivo viajando de Ryanair. Nao e o aviao mais confortavel do mundo, mas o meu voo mais caro (ida e volta) foi 50 euros smile

Outra coisa boa é que nao e tao cansativo, os paises ao lado estao a poucas horas de distancia.

Faca um esforco para conciliar as viagens com as aulas, senao vc vai voltar pra casa com a sensacao de dever nao cumprido...

Oscar
OscarPermalinkResponder

Muito legal este Post

Então a primeira vez que viajei para o exterior de verdade, digo para fora da América do Sul foi neste esquema.. E o melhor de tudo foi que recebi uma bolsa do DAAD (http://rio.daad.de/shared/graduacao.htm) para o curso de 2 meses e meio na Alemanha.
O esquema pagava a passagem aérea e acomodação em casa de família. E ainda dava cerca de 650 Euros por mês para despesas de alimentação e transporte. Na época as cidades disponíveis eram Freiburg e Essen.. Mas naquele ano a cidade de Leipzig no Leste da Alemanha entrou também no rolo e eu acabei indo parar lá. Lembro que embarquei no último vôo do ano saindo do galeão e da janelinha era possivel ver algumas bolinhas que na verdade era a queima de fogos de copacabana.
Bem foi uma experiência incrível, em todos os sentidos. Desde pequeno fiz alemão na escola e aquilo era um sonho que se realizava. O legal que neste curso além de aperfeiçoar o idioma alemão ele também era voltado à mostrar a cultura do país então nestes dois meses de curso todas às quartas-feiras tinhamos visitas do tipo bate-volta à alguma cidade diferente. E melhor com tudo pago.. Nos finais de semanas nos reuniamos em grupos de 5 pessoas e compravamos o Schönes Wochenende Ticket um ticket da DB que voce viaja em até 5 pessoas para qualquer lugar na Alemanha e na época custava 27 Euros. Geralmente faziamos bate e volta para economizar na hospedagem. Mas ainda sim algumas vezes ficavamos em albergues.
Foram dois excelentes meses, apesar do frio de Janeiro e Fevereiro, tive a chance de conhecer boa parte da região Leste da Alemanha, incluindo Praga na República Tcheca.

Um mês depois da confirmação desta bolsa de estudos. Consegui outra Bolsa desta vez para fazer 1 ano da graduação na Universidade de Freiburg num outro programa tipo uma graduação Sanduíche numa parceria de bolsas do DAAD/CAPES.
Acabei voltando para a Alemanha em Abril de 2005 onde fiquei até março do ano seguinte. Obviamente nesta época não era possivel viajar todos os finais de semana. Até porque fazer as matérias da graduação do meu curso na Alemanha e tendo o compromisso de não reprovar fazia com que alguns finais de semana ficasse enfiado nos livros.. Mesmo assim tive a chance de conhecer bem a região sul da Alemanha, parte do Leste da França, Suiça e Austria. Mesmo com recur$o$ na época escassos consegui conhecer algumas capitais e outras cidades Européias.
Deixando de falar tanto... Eu recomendo imensamente abraçar isso como um sonho. Tenho que dizer que este período no exterior me transformou completamente como pessoa. Como estudante as coisas não são fácei$$.. A gente não viaja com luxo.. Mas enfim não é por isso que não nos divertimos...
Foi nesta época que aprendi que viajar é a melhor coisa do mundo!!! Na primeira viagem cheguei a fazer um diário de viagem contando toda esta experiência. Na segunda acabei desistindo logo no primeiro mês.. Hoje me arrependo um pouco disso.. Mas acho o maior barato de tempos em tempos abrir aquele diário de viagem e ler um dia daquela primeira viagem Internacional... Quem derá ter iniciado o Blog naquela época grin

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

Oscar, vc foi intercambista IAESTE? Pq eu tb tive bolsa DAAD pelo IAESTE, qdo passei uma temporada em Potsdam. E fazia a mesma coisa q vc: tinha as reuniões semanais com a galera IAESTE dos outros países para aprender sobre a Alemanha, e aproveitava o Wohenende ticket pra rodar a Alemanha inteira, hihihi!! Nesse período fui à Documenta de Kassel, fui à Oktoberfest de Munich, fui a Dresden 2 vezes, Leipzig, participei da Love Parade em Berlim (qdo ainda era um evento relativamente pequeno)... cada fim de semana era uma viagem diferente, mesmo com o orçamento apertadíssimo de estudante, vivia à base de döner kebap, mas não perdia a festa! Eu AMEI, e até hj sou apaixonada pela Alemanha, um carinho todo especial.

#coincidênciasdavida

Oscar
OscarPermalinkResponder

Na verdade a primeira bolsa era diretamente do DAAD mesmo!! Para um Deutschlandkundlicher Winterkurs (Curso de Idioma e Cultura Alemã). A segunda bolsa foi pelo programa Unibral de intercâmbio acadêmico, na qual a CAPES pagava a parte brasileira e o DAAD dava a contrapartida pagando a bolsa para o Alemão que cursou floresta no meu lugar em Ctba.
O Schönes Wochenende Ticket é sem dúvida a melhor forma de se conhecer a Alemanha principalmente para quem é estudante.. Lembro que passar 4-6 horas na cidade e viajar quase 10.. Mas não me arrependo de nada... Acho que até hoje faria tudo de novo...
O que seria da vida do estudante na Alemanha sem o Dönner Kebab... E as comprinhas no Aldi e Lidl...rsrsrs Nas últimas duas passadas por lá tanto na mudança para Cingapura quanto na mudança para os EUA eu tive que comer Dönner e comprar os yogurts, frios e queijos no Aldi/Lidl... Eu também sou apaixonado pela Alemanha.... Acho que pelo fato de minha ascendência e por ter sido o primeiro idioma extrangeiro e país que morei a Alemanha será sempre meu segundo país...

Btw... foi você que morou praticamente dentro do castelo Sans Souci em Potsdam né?!

#coincidênciasdavida

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

Sim, Oscar, fui eu mesma, hihihihi! Preciso achar a foto q tenho da janela do meu quarto, de onde via a cúpula do Neues Palais, pra botar no blog. Foi um período delicioso da minha vida.

E sabe q até hj não voltei a Alemanha? Mas cada dia q passa fico com mais saudade ainda... acho q na próxima ida a Europa, ela não me escapa. Nem q seja só pra andar por Berlim de novo, já me satisfaz. Ai, ai... smile

Juliana X.
Juliana X.PermalinkResponder

Em 2006 estudei durante 3 meses em Toronto, Canadá. Aproveitei para viajar muitooo pelas cidades da redondeza. Passei apenas 2 finais de semana em Toronto e todos os outros foram para conhecer Quebec, Montreal, Ottawa, Niagara Falls, estações de ski e até dar uma esticadinha a NY. Acabava tendo que faltar uma aula ou outra quando a viagem era pra algum lugar mais longe. Mas valeu mto a pena. No final do curso meus irmãos foram me encontrar no Canadá e passei mais duas semanas viajando pelo País, mostrando para eles todos os lugares lindos que eu ja havia visitado. Foi perfeito! Recomendo a todo mundo fazer pelo menos uma vez na vida uma viagem desse tipo. É uma experiencia maravilhosa!

Dri Miller
Dri MillerPermalinkResponder

Eu fiz exatamente isso também!
Meu primeiro curso no exterior foi um intercâmbio nos EUA. O problema na época êh que como era menor de idade (tinha menosde 21anos) não podia viajar, ir nas festas nem nada do tipo. Então achei que por causa do limite de idade aproveitei muito pouco os meses que morei na Florida.
Mas uns anos depois, quando me mudei pra Europa, fui pra Italia e queria justamente isso: tanto que o primeiro curso que fiz era de "língua e cultura italiana" e portanto a própria escola organizava vários passeios e viajens pros alunos, inclusive durante a semana, pois sempre tinha algum gema das aulas que combinavam com um passeio em algum museu ou cidade dos arredores. Alem disso, aproveitei TODOS os fins de semana pra conhecer o resto da Itália, e nas semanas de intervalo entre os módulos aproveitei pra ir de barco pra Grecia.
Da Itália fui direto fazer mestrado na Espanha, e segui o mesmo modelo: em um ano que passei em Madrid conheci praticamente o pais todos, fui a todas as "fiestas" populares (como a La Tomatina, Las Fallas, Pamplona, verão em Ibiza, etc) e aproveitei bastante o tempo que passei por lá.
E agora que mora na Inglaterra continuo fazendo a mesma coisa!
Agora êh mais difícil pois tenho que conciliar as viagens com trabalho, que me da menos exibilidade dique matar aula aqui e acolá, mas mesmo assim visito um pais ou uma cidade Inglesa diferente a cada mês!

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Muita gente acha que curso no exterior só vale se for de no mínimo 6 meses.

Fiz como alguns que já narraram aqui a experiência - peguei as férias e me matriculei num curso de Espanhol que combinava 1 semana em Buenos Aires + 1 semana em Mendoza, na escola de idiomas Coined.

Em ambos fiquei em casa de família (em Buenos Aires, a família era dona de uma sorveteria, gente... mega bonus!). Em Buenos Aires, de manhã eu estudava, de tarde e noite, passeios e saídas com os novos amigos do curso.

Em Mendoza, o esquema foi diferente, combinado com um 'pacote aventura'. Aí eu estudava 1 dia e passeava no outro. Fiz rafting, rappel, trecking e tirolesa na região. Muito bom pra alternar com as programações enófilas! Mas em Mendoza tinha poucos alunos (apenas eu e mais dois!) e negociamos com o professor - adiantamos as aulas e um dia saímos pra conhecer as bodegas.

Nessa viagem, em 2006, fiz meu primeiro blog: http://www.getjealous.com/adriane.

Deu pra fazer as duas coisas? Não. Se eu ficasse só em BsAs, talvez fosse melhor para o espanhol. Uma semana em cada lugar só dá pra você ter uma noção básica da lição, sem muita dedicação. Mas fiz grandes amizades. Por só ter a tarde livre, ficou muita coisa sem conhecer em BsAs ainda. Em Mendoza, cidade menor, adoraria ter ficado mais tempo. Ou seja, aproveitei muito, mas deixou gostinho de quero mais.

O que eu mudaria na próxima vez: pegaria 2 semanas em cada cidade, em vez de uma. Você só está livre pra passear mesmo depois do almoço...

Se o objetivo maior é fazer amigos, sugiro as opções que os cursos dão, de residência estudantil. Já se for conhecer mais a cultura local, ficar em casas de família é bem legal.

E Goethe, a Alemanha é incrível. Boa viagem!

Oscar
OscarPermalinkResponder

Fecha o navegador e abre outro novamente.. Comigo tem acontecido isso também ultimamente aqui no VNV.. Mas geralmente o Post aparece..

Carla C
Carla CPermalinkResponder

Acho que a única dica diferente do que todo mundo já passou é justamente não depender muito de indicações de onde ir.

A Alemanha tem uma paisagem muito parecida com a Rep. Tcheca, onde fiz meu intercâmbio. Isso significa que 99% das cidades, por menor que sejam, devem ter uma castelo, ou uma igreja, ou um conjunto de casinhas típicas, ruínas, enfim, alguma coisa que te faça viajar no tempo e na História.

Se você gostar desse tipo de viagem, Goethe, não se preocupe muito em achar algum relato ou dica. Construa seu proprio guia! Assim você economiza tempo nos deslocamentos visitando cidades ao redor de onde vc vai ficar.

Outra coisa é uma dica que a Luiza ( http://arquivodeviagens.wordpress.com ) sempre dá: procurar no site da UNESCO por Patrimônios HIstóricos.

E só para reforçar... cabular uma aulinha pelo menos é inevitável mrgreen

Priscila [Inquietos]

O Vini fez um master em Barcelona e tinha aulas de segunda à sexta à noite. Ou seja, sobrava pouco espaço para viagens, até mesmo pq o curso era super puxado e ele tinha vários projetos para entregar. Acho que é bem diferente de um curso de línguas, que é mais leve, mais descompromissado.

De todo o período, acho que ele só faltou aula 1 vez para viajar. E outra vez foi a turma dele que organizou uma viagem para a feira de design de Milão, mas aí foi a turma toda que faltou aula em acordo com a IED.

Bate-volta ele fez um ou dois, todos em cidades próximas de BCN.

Mas mesmo assim nós aproveitamos para viajar nos feriados: natal, carnaval, semana santa (lá é na semana santa que tem folga toda semana, ao contrário do Brasil que folga no carnaval). E no final do curso, fizemos uma viagem de uns 15 dias por Portugal.

Como eu estava no Brasil, geralmente ia direto para o destino escolhido (para não perder tempo com conexões) e ele, que estava em BCN, ia com cias low cost, como Easy Jet e Vueling.

Mesmo com o pouco tempo, eu acho que aproveitamos bastante! Fomos para a Suíça, França, Inglaterra, Holanda, Bélgica e Portugal.

goethe
goethePermalinkResponder

riq, vc eh 10!

Abriu rapidinho a enquete que pedi, e o pessoal compareceu legal com comentários, dicas e relatos muuuito legais! Isso sim, é viajar na viagem uhuuuuu...! Obrigado a todos!

Realmente, eu faço o tipo cdf e se vou fazer um curso, então é pra levar a sério! Mas o finde... rsrsrs, o finde é merecido, o finde é meu!!!

A preocupação é com o perrengue que frio e neve do inverno alemão podem trazer, pois a maioria dos comentários sobre a Alemanha incide em outra estação.

Perguntinhas:
Quais sites seriam melhores pra achar hotel/hostel na Alemanha?
Onde seria o melhor lugar pra comprar um iPhone 4 desbloqueado?

Abção.

Ricardo Freire

Botei a pergunta do iPhone no Perguntódromo, vamos ver se alguém responde.

Eu procuraria hostels no http://www.hostelworld.com .

No frio, procure não pegar trens noturnos (chegando cedinho com breu e tudo fechado) e prefira cidades grandes a pequenas. Em dezembro, porém, vá atrás das feiras natalinas das cidades pequenas.

Oscar
OscarPermalinkResponder

Goethe..

O melhor site dos melhores albergues da Juventude da Alemanha é o do DJH - Deutsche Jugendherberge que por sinal foi a primeira associação de albergues do mundo.. Fiquei em pelo menos uns 15 diferentes albergues deles e não tenho do que reclamar...A grande maioria oferece um excelente Frühstuck incluso no preço.. Muitas vezes acabava nem almoçando.. => http://www.jugendherberge.de/de/

Minha primeira ida à Alemanha foi justamente nos meses de Janeiro e Fevereiro bem na época de frio.. De fato isso chega a atrapalhar um pouco mas não impede de forma alguma de você viajar... Como o Riq bem mencionou evite chegar no seu destino antes das 08:00 e depois das 20:00 principalmente nesta época do ano a cidade pequenas e médias parecem mortas.. Os únicos lugares abertos que voce irá encontrar será na estação de trem..

Outra dica.. Viajei algumas vezes de carona.. Nunca tive problemas.. Na Alemanha a coisa é super organizada que existe até um site onde as pessoas que estão indo viajar geralmente sozinhas colocam o itinerario que irão fazer e abrem o espaço para você viajar com ela.. Você ajuda com o combustivel.. em 2005 era uma média de 5 a 7 EUR a cada 100 Km.. É uma experiencia bem interessante e acabei fazendo até algumas amizades assim.. Geralmente as pessoas combinam de se encontrar em frente a Bahnhof => http://www.mitfahrgelegenheit.de/

Bem em 2005 não existia iPhone.. Eu acabei comprando um celular pré-pago na Saturn mesmo..=> www.saturn.de/ Não sei quem na Alemanha seja a operadora do iPhone..

Abraço

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Eu fiz um curso de italiano em uma escola internacional de uma pequena cidade, Castelraimondo, no interior da região Marche (locais próximos mais conhecidos: Perugia, Assisi e Ancona).

Foram 4 semanas de curso, com algumas viagens programadas pelo próprio programa e outras por conta, e mais 15 dias de viagem de carro pela Calabria, Abruzzo, e para a Áustria.

Em outra ocasião, fiz curso de inglês em Laramie, Wyoming, Estados Unidos. Uma ótima cidade, guardo boas lembranças de lá! Lá, viajava de carro aos fins de semana, embora o tempo fosse ruim para tanto (inverno com nevascas típicas das montanhas rochosas).

Se tenho um pitaco a acrescentar ao que já disseram aqui, sugiro que se vc vai fazer um curso, evite transformar sua estada em uma maratona de vôos low-costs + maratona de aulas. Se o curso for na Europa, é praticamente certo que haverá lugares pitorescos, vilas históricas e outras atrações interessantes na região onde estiver, com pouca ou nenhuma muvuca. Eu tive colegas que passavam a semana fazendo planos para viajar na sexta e voltar domingo, e dá-lhe correria, vôo que atrasa, conexões apertadas... Na América do Norte e Austrália isso é um pouco mais difícil devido a locomoção e distâncias bem, bem maiores.

Por fim, deixo uma dica semi-relacionada ao post: a melhor forma de vc ESTRAGAR seu aprendizado de idiomas, ou sua experiência internacional, é descolar uma turma de brasileiros para ficar saindo, passeando e viajando juntos, o tempo todo.

Dri Miller
Dri MillerPermalinkResponder

Andre!
Essa foi a mesma escola que estudei na Itali!
AMEI Castelraimondo e adoro a maneira como eles planejam as aulas pra já ir incluindo as viagens e a parte da cultura Italiana.
Meu relato sobre o curso e as viagens que fizemos ficaram todos registrados no meu blog e é uma delicia relembrar dessas semanas que passei em Marche!

Silvia Oliveira - Matraqueando

Quando fiz o Mestrado na Espanha (Ilhas Canarias) a grana era tão curta que eu nem sequer conheci a própria ilha onde passei vários meses, a Gran Canaria. Quando estava indo embora fui para Tenerife, apenas. Já o Doutorado em Sevilha, alguns anos depois e com uma poupança mais organizada, eu conheci toda a região da Andaluzia. O detalhe é que eu tinha aulas das 9h às 21h, com duas horas de almoço. Nos fins de semana... eu queria dormir! Aliás, meu blog nasceu durante esse período sabático. E uma viagem que fiz nessa época foi para o Marrocos. Comprei um pacotinho que saía de ônibus de Sevilha, chegava a Tarifa na Costa del Sol e de lá pegávamos um ferry a Tanger. E só! Como nunca obtive bolsa de estudo - embora tenha tentado muito! - sempre fui por conta nos meus dois cursos e morria de medo de ir à falência geral! Entenderam agora porque eu sou especialista em Europa a 50 euros por dia! Questão de sobrevivência! mrgreen

Silvia Oliveira - Matraqueando

Ah, claro... quando terminei os créditos do doutorado, antes de voltar ao Brasil, finalizei o período com uma viagem de 15 dias por Espanha, França e Itália - voltando há lugares onde eu havia estado pela primeira vez há 10 anos! Voei a Madri onde encontrei meu pai, minha mãe, minha tia, meu esposo...errr, excursão conta? hohoho!

Dionísio
DionísioPermalinkResponder

Estudei na Philadelphia, full time, mas deu para aproveitar muito.

A cidade em si, grande, movimentada e com muitas opções culturais, já permitia ótimso finais de semana.

Mas Philadelphia está numa localização estratégica e conveniente. Aos finais de semana, eu fazia bate-voltas ou mesmo pernoitava em Nova York, Washington, Atlantic City e Baltimore, por exemplo.

Achei muito divertido estudar, por ser muito fácil de fazer amigos e conhecer outras culturas e ainda turistar. Mas, é claro, a localização é essencial.

Renata Runge
Renata RungePermalinkResponder

Fiz curso de italiano em Firenze de 6 semanas ( 1998) e de espanhol em Salamanca de 5 semanas ( 1999)
Aproveitei o maximo que pude para fazer viagens pela Italia e pela Espanha nestes periodos. Planejavamos por conta propria viagens mais longas nos finais de semana ( Veneza, Napoli/Capri, Barcelona por exemplo) e umas curtinhas para fazer a tarde, depois da aula ( Lucca, Sienna, Pisa etc, mas so de estar morando em Firenze, literalmente a 1 quarteirao da Galleria Uffizzi e Ponte Vecchio, ja tava valendo). Em ambas fiquei em casa de familia ( na Italia nao deu muito certo e tive que mudar , mas na Espanha ja fui com recomendacao de um amigo e foi nota 1000). Eu tinha 18 / 19 anos, entao foi um aprendizado monstro pra mim, sair do pais sozinha e me virar . Fora que despertou e espirito viajandao adormecido ate entao dentro de mim. Fiz rapido muitos amigos nas escolas e como todo mundo esta na mesma situacao da para curtir bastante.
Eu nao mudaria nada...pois ate as roubadas ( tipo quase ser presa no trem na italia por causa do passe irregular )serviram para aprender.

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

Eu já fiz um curso de um mês na Alliance Française em Paris e recomendo muito. Aproveitei pra passear por perto, e fazer algumas viagens realizadas pela agência de viagens da própria Alliance, que na época tinha preços muito bons.
Eu fiquei em casa de família, e o meu francês melhorou demais, além de presenciar, na prática, o dia-a-dia típico francês. Concordo com o André L.: é inevitável encontrar brasileiros, e duas colegas que tive lá, e que estavam em casas para estudantes e albergues, confirmaram que aprenderam muito... português. Em comparação, achei a minha experiência em casa de família muito mais interessante. A solução para não ficar só falando português foi fazer amizade com pessoas de outras nacionalidades - aí, mesmo com um bando de brasileiros, a gente ficava com vergonha de falar só português na frente de quem não entendia, e acaba praticando o francês (ou pelo menos um inglês, vá lá).
Eu recomendo olhar na programação do curso se as aulas são só num único período (muito mais legal pra turistar, tendo todas as tardes livres). Deixei de fazer em outra escola o meu curso justamente porque sismavam de fazer atividades em todos os horários do mundo.
Ah, e não deixo de enfatizar: pra quem quiser aprender de verdade uma outra língua, aproveite e faça o bê-a-bá aqui no Brasil, pagando em real. Não adianta nada ir aprender o básico lá fora, que você não consegue aproveitar o diferencial do curso, que é estar mergulhado na língua e na cultura, se não falar pelo menos o basicão. É jogar tempo e dinheiro fora. Agooooora, sabendo o básico, um mês de curso lá fora vale por mais de um semestre de curso de línguas - e traz experiências inesquescíveis.

Patricia Batista Figueiredo

Sabe que era exatamente disso que eu precisava, Riq? Tô indo pra Paris agora em Janeiro e passarei um mês lá estudando Francês, com finais de semana livres pra viajar. Único lerê que eu já deixei agendado foi a visita à Londres porque né, comprando a passagem do Eurostar pela internet e usando a tarifa Youth (que, fica a dica, vale pra quem tem de 12 a 26 anos) fica beem mais barato. Os outros finais de semana ainda estou pra decidir. Dicas são bem vindas (:

Mirella
MirellaPermalinkResponder

Eu e o Kiko fizemos 4 meses de um curso de extensão na Universidade de Berkeley (California) em 2005 chamado IDP ( http://extension.berkeley.edu/diploma/ ) e foi sensacional. Como morávamos em Ottawa fomos e voltamos de carro para aproveitar as estradonas americanas e conhecer vários lugares.
Eu pensei que ia dar para aproveitar TODOS os finais de semana para aproveitar a região, mas tinha tanta coisa para ler, estudar e trabalhos para entregar, que a gente na verdade só tinha 1 dia de férias por semana e 1 final de semana por mês eheheh... mas valeu muito a pena, pois a região de São Francisco é demais!!! Sem contar que você faz muitos amigos e saiamos muito para nos divertir... fazer excursões quando sobrava tempo... puxa, foi uma experiência e tanto! Os amigos daquela época continuam na nossa network até hoje e vira e mexe a gente encontra alguém em algum lugar do mundo smile

Vale fazer propaganda? (risos)... atualmente estou trabalhando como agente de intercâmbio independente, levo o pessoal do Brasil para estudar no Canadá, aproveitando minha experiência de 10 anos de congelador e está sendo uma experiência super bacana... Esse é o website que está em constante desenvolvimento smile : http://www.mikix.com/intercambio/index.html

Polliana
PollianaPermalinkResponder

Estudei em Londres por pouco mais de um ano e fiz exatamente isso... viagens de fim de semana para destinos próximos. Na metade do período peguei 15 dias de férias e fiz um mochilão. No final do período, outro período para viagens, dessa vez com mais calma. Partindo de Londres há milhares de opções de destinos rápidos e baratos. De ônibus, de trem ou de avião. Entre os lugares que visitei só com um fim de semana estão Amsterdam, Edimburgo, Zurique, Frankfurt, Devon, Oxford, Cambridge e Bath. Na maioria fiquei hospedada em albergues e viajando em companhias low cost. Outro detalhe: eu trabalhava. Sim, dava para conciliar tudo. Inclusive o orçamento.

Patrícia
PatríciaPermalinkResponder

Estudei em Broadstairs, Inglaterra (Kent) por um mês. Além de Londres (saída de trem na sexta à tarde e volta no domingo), fui para Bruges (de ferry, saída de Ramsgate, de madrugada, e volta no fim da tarde), Bath (trem, fim de semana), Edimburgo (trem, quinta a domingo) e, lógico, uma tarde e início de noite em Cantebury (obrigatório) e Margate (para fotografar pela escola). No fim do curso peguei um avião e fui visitar um amigo na Áustria - fiquei dois dias em Viena e depois um fim de semana em Linz, onde ele morava.
Acho que viajei mais do que estudei, na verdade. O filho dos donos da casa em que fiquei hospedada me cumprimentava de manhã com um "hello, traveler". Mas compôs a experiência e sinto muita vontade de voltar a Edimburgo.

José Luiz - Viver a Viagem

Eu fiz intercâmbio na graduação de 1 semestre em Valência na Espanha.

Fiz como o Riq sugeriu e considero a melhor opção: aproveitava os fins de semana para conhecer lugares relativamente próximos já que ônibus e trens regionais costumam ter o mesmo preço independente do dia da viagem e além disso, a viagem era mais curta/menos cansativa...

Aproveitei 2 feriados prolongados de 4 a 5 dias e conheci Barcelona (incluindo MontSerrat) e Madrid (incluindo Toledo e Segovia) que são cidades que necessitam mais que um fim de semana ao meu ver dentro da Espanha.

Para viagens maiores, aproveitei o recesso de 2 semanas de fim de ano e fiz uma viagem para Amsterdã, Bélgica (Bruxelas, Gent e Bruges) e Paris (com 1 dia para o Vale do Loire). Além disso, antes de voltar fiz uma viagem de uns 20 dias pela Itália (Milão, Como, Veneza, Florença, Pisa, Roma, Napoli, Pompéia) e ainda dei uma passadinha em Santiago de Compostela e Porto... =)

A única exceção a regra que fiz foi uma viagem a Londres num fim de semana que matei a aula da sexta (saí na quinta a noite e voltei na segunda de manhã)

Quanto a dicas para quem vai, eu diria que o mais importante é definir quais os principais objetivos na viagem. Eu fui com uma bolsa de estudos, mas desde o começo os meus objetivos principais eram adquirir fluência no espanhol e vivenciar ao máximo essa experiência cultural através de viagens, passeios, amizades, etc. Acho que para um intercâmbio, estudo não é o fator principal mas sim adquirir bagagem cultural, expandir a mente ao conhecer outros lugares e ter uma visão melhor do mundo e do próprio Brasil.

Dica para quem quer aprender um idioma: Não more com outros brasileiros. De preferência, more com pessoas nativas na língua que se deseja aprender. Eu morei com argentinos e bolivianos e foi muuito enriquecedor... de uma tacada só aprendia a língua espanhola com seus diversos sotaques e conhecia a cultura hispânica tanto in loco na Espanha como através de conversas com amigos latinos.

Dica para quem quer viajar e pode montar a grade de estudos: faça o menor número possível de aulas para aproveitar mais o intercâmbio ao invés de ficar preso numa sala de aula... e se possível, concentre as aulas nas terças, quarta e quintas para poder emendar os fds e assim conseguir aproveitar mais as viagens

Gabriela
GabrielaPermalinkResponder

Com certeza curso no exterior + viagens paralelas é tudo de bom! Recomendo sempre, ainda mais para quem viaja sozinho(a)! Já fui duas vezes e com certeza tenho vontade de ir muito mais (temos muitos idiomas para aprender)!
As principais dicas são: aulas em um só período (a primeira vez com 16 anos, fui pra Ramsgate (cidade pequena), litoral da Inglaterra, aula em período integral, as lojas fechavam na hora em que acabava a minha aula - dá pra imaginar o que deu pra conhecer na cidade... - só conseguia ver as lojas abertas quando era o dia de não ter aula a tarde...), os passeios da escola sempre valem a pena quando você é novo(a)... eu fui pra Cambridge,Oxford, Londres, Canterbury, Margate, Broadstairs (essas duas últimas do lado de Ramsgate) e de ferry boat com ônibus cheguei em Paris!
Já na outra viagem, agora pra "praticar" o francês, já mais velha (dá pra encarar cidade grande tranquilamente) fui pra Paris e aproveitando os trens, fiz Bruxelas-Bruges-Amsterdam (faltando umas duas aulas: sai na quinta a tarde, falta sexta e segunda), fui pra Barcelona com voo barato (uma semana antes do curso começar), Londres de eurostar com passagens baratíssimas (menos umas duas ou três aulas), e depois, no final do curso Roma, Veneza e Milão.
Ficar em casa de família é essencial para a prática do idioma, mas depende do seu estilo (vc pode cair em uma casa com uma família não muito legal...).
Fugir dos brasileiros também é bom pra vc treinar mais o idioma escolhido, mas isso é beeeem difícil (os brasileiros estão em todo lugar e são os mais simpáticos!) então o melhor é seguir a dica de alguém aí em cima: fazer amigos de várias nacionalidades, andar em grupo que todo mundo vai fazer o possível pra falar na língua que vocês estão estudando (ou talvez, todos vão falar inglês...)
E para todas as viagens pela Europa: hostelworld tem milhões de albergues e skyscanner tem muitos voos ótimos!

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Fiz duas vezes isso, ambas em Salamanca, na Espanha. Mais barato que ficar em casa de familia, é ficar em shared flat, apartamento compartilhado com outros estudantes. Normalmente, os apartamentos têm 3 ou 4 quartos, com 1 ou 2 banheiros, e os custos são realmente muito baratos - em Salamanca, na Isla, menos de 400 euros por um mes em quarto individual (a melhor pedida pra resguardar a privacidade de quem vai sozinho) e menos de 250 para quem optar por quarto duplo. Reservei tudo sozinha, direto com a escola, que sai muito mais barato que reservar por intermedio de uma operadora de intercambios. Pesquisando bastante antes de se decidir, é fácil encontrar uma escola reconhecida pelo Instituto Cervantes ou pelo British Council, por exemplo, pra não cair em roubada. E eu fazia isso mesmo - nos finais de semana, passeava pelos arredores da cidade, em viagens bate-e-volta. No fim do curso, dai encarava viagens mais longas, do tipo Barcelona e Sevilha, como fiz no final da primeira vez, ou até mais distantes, tipo Paris e Londres, aproveitando ofertas de trens ou low costs. E vale dizer: não é coisa só pra jovenzinho, não - cada vez mais o público dos 30 e 40 e até dos 50 anda lotando as escolas de linguas em cursos do gênero. Baita experiência.

Rita
RitaPermalinkResponder

Em 2004, passei 4 semanas estudando espanhol em Barcelona e outras 3 passeando por outras cidades européias, me deslocando majoritariamente por trem e, em dois trechos mais longos, por avião. Nunca havia saído do Brasil e contratei o curso e a hospedagem em BCN por meio de uma empresa de intercâmbio, que também vendeu as passagens, via Amsterdam.
Fiquei em casa de família, que era composta somente por uma senhora, viúva, muito simpática e falante. No valor que eu paguei estavam incluídos café da manhã, jantar e roupa limpa e passada. Foi ótimo porque eu conversava muito com ela, o que facilitou, e muito, o aprendizado. Mas conheci duas garotas no curso que mudaram de família, porque não tiveram muita sorte com a primeira.
Eu estudava de manhã e rodava BCN à tarde e nos finais de semana. A escola organizava passeios guiados, alguns gratuitos na própria cidade. Nos dias em que eu estava cansada de tanta caminhada, aproveitei a praia. Era verão (julho) e o calor era forte!
Sobre o curso em si, ratifico o que já foi falado: 1) o ideal é sair do Brasil já com conhecimento básico da língua a ser estudada, aproveita-se muito melhor o $$ gasto; 2) Não recomendo estudar em período integral; é muito cansativo mentalmente e se perde uma excelente oportunidade de conhecer melhor uma nova cidade, região, cultura...; 3) É melhor para o aprendizado fazer amizade com outros estrangeiros, não apenas para evitar as conversas em português, mas também porque, em geral, os brasileiros não me pareceram ter comprometimento com o curso.
Foi uma experiência maravilhosa! Quando saí do Brasil, achei que voltaria com meu conhecimento da língua espanhola melhorado, um monte de histórias para contar e muitas fotografias para mostrar e rever. Mas não foi só isso. Nessas 7 semanas, eu vivi um período de intenso auto-conhecimento e me supreendi com a auto-confiança que adquiri.
Recomendo a todos que têm vontade e possibilidade de fazer.

Beto
BetoPermalinkResponder

Comandante e tripulação,
Passei um ano fazendo pós na Espanha e viajei bastante nesse período...
O segredo é ter noção do seu tempo livre e pegar pesado nos estudos durante a semana e tentar não deixar papers e “lição de casa” pros findis (isso não é fácil dependendo do seu programa de estudos, mas vale a pena!)
Aparte, conheça bem seu calendário de aulas, o tempo livre, os dias de rcessos e de feriados, além do tempo que gasta em deslocamento até aeroporto e, principalmente, aproveite as promoções (passagens, hotéis etc).
Nos finais de semana, barbada mesmo é viajar para locais próximos e, na Europa, considerar carro alugado ao invés de trem – principalmente se arranjar companheiros de viagem. A estrada é boa, o preço da locação não é absurdo e o carro te dá liberdade de parar para conhecer a cidadezinha vizinha...
Já nos feriados, folgas e períodos maiores é que realmente vale a pena fazer viagens mais longas e utilizar as low costs. Tem que lembrar que essas cias usam aeroportos secundário, então tem o tempo de deslocamento até o aeroporto também. Se está fazendo um curso de pós, por exemplo, tente manter contato com estudantes que conhecer em congressos, simpósios e tal. Isso pode render um city tour com um local (ou um quase) e dicas valiosas de viagem.
Estudar e viajar são compatíveis, ainda mais com low costs....
Abs. e boas viagens!!!
Beto

Kely
KelyPermalinkResponder

Opa!
Post muito bom!!
Vou pra Itália ano que vem, e quero viajar muuuito por lá, vou continuar lendo os comments
Trips que foram pra Itália, podem me dar alguma dica de escola de idiomas?
To pesquisando na net, mas indicação é muito melhor né.

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Kelly, recomendo FORTEMENTE essa escola: www.edulingua.it

Fica no Marche, em Castelraimondo. Longe de multidões de turistas, em um canto bem legal da Itália.

Kely
KelyPermalinkResponder

Obrigada Andre

goethe
goethePermalinkResponder

Fico feliz ao ver como este post 'tá sendo útil pra tanta genter!

Muita gente já postou, mas gostaria de conhecer outros relatos de curso no exterior + viagens paralelas no inverno europeu!

Mas, já fico grato pelo muito que vi até aqui. Vlw!

Ernesto, o pato

Eu fui 2 semanas para São Franscico melhorar meu ingles, era para ser um pouco mais, mas um problema de doença na familia me obrigou a voltar mais cedo. Coloquei um post sobre a experiencia, que adorei. Prentendo fazer novos pequenos cursos, acho que tendo tempo e uma ecxcelente maneira economica de turistar, e de se aculturar. Pretendo fazer uma pequena experiencia no Peru (uma ou duas semanas) ,e Inglaterra.

Karina
KarinaPermalinkResponder

Eu estive em Montreal, no Canada, para um curso de 4 semanas de frances, em 2008. Nao viajei muito pelas redondezes, fui apenas para Quebec e Ottawa, mas ja valeu a pena, sao cidades lindas e relativamente pequenas, ideais para fins de semana. Em compensacao, curti muito Montreal, conhecendo todas as atracoes e baladas possiveis rsrsrsrs. Eu acho muito valido aproveitar essas viagens para conhecer outras cidades mas, acho importante focar tambem na cidade escolhida e aproveita-la ao maximo. Nao me arrependo de ter investido meu tempo em Montreal, tenho muita vontade de voltar e, ai sim, conhecer com calma o resto do Canada.

Rosana Passos
Rosana PassosPermalinkResponder

Tive uma experiência rápida em NY, frequentei um curso de inglês por apenas 2 semanas, mas morro de vontade de repetir a dose, agora com mais tempo. Poderia ser inglês mesmo, ou francês, ou ainda espanhol... Mas fico pensando duas vezes porque, nesta experiência que tive em NY, os alunos eram muito novinhos, a maior parte deles se preparava para ingressar numa universidade americana. Gostaria de um curso onde os alunos tivessem mais de 30 anos, como eu, pois penso que assim minha experiência seria muito mais interessante.
Alguém sabe de cursos de língua no exterior com esse perfil - voltados para os "mais adultos"?

silvia
silviaPermalinkResponder

Rosana
A empresa espanhola http://www.donquijote.org/brazilian/ , tem cursos de espanhol especiais para pessoas mais velhas .Acho que até para maiores de 50 anos em lugares mais quentinhos como Ilhas Canarias e Mexico ( só para informação, pois não é seu caso )
Conheço quem estudou na Espanha com essa empresa ( pessoa jovem ) e adorou a experiencia
Vc inclusive pode fazer o curso em varias cidades simultaneamente , como uma semana em cada uma, por exemplo , sem perder a continuidade do curso

Fabiana
FabianaPermalinkResponder

Pessoal,
Preciso de dicas sobre cursos de italiano. E com a localização perfeita para viagens no final de semana.
Obrigada.

Dri Miller
Dri MillerPermalinkResponder

Oi Fabiana,
eu e o Andre já demos a dica do fuso Danteeghieri em Castelraimondo aqui em cima nesse post, que fica numa cidadezinha (Castelraimondo) no meio da região de Marche, que apesar de nem ser tão turística assim , eh um curso interiamente planejado pra quem pretende mesmo viajar muito, e a maioria das viagens já são planejadas pela escola, para acrescentar a experiência de aprender italiano e conhecer a cultura local. (Tenho muitos mais detalhes sobre o curso, as aulas e viagens feitas no meu blog, logo nos posts quando comecei. Se vc der uma olhada nos arquivos de abril a junho 2004, esta tudo lá).
Depois de Castelraimondo eu tb fiz outro curso na Scuola David em Florenca. A experiência e o curso em si nem se comparam com a de Castelraimondo (q eu preferi mil vezes!), mas em termos turísticos não poderia ser melhor!!
De Florença eu viajei MUITO pela Toscana e arredores, pois tudo ficava a menos de 1 hr de distancia, e acabei conhecendo a Itália praticamente toda (todas as viagens tb esta no blog), e aproveitava não só os fins de semana, mas também varias tardes depois da aula, pegava um trem e ia de cidadezinha em cidadezinha!

Fabiana
FabianaPermalinkResponder

Obrigada Adriana.
Cidadão europeu tem desconto?

Fabiana
FabianaPermalinkResponder

Já achei o site com as informações. Obrigada mais um vez.

Nathália
NatháliaPermalinkResponder

Minha experiência não se refere a um curso, mas foi uma oportunidade de vivência no exterior muito boa!

Participei do programa da Disney em 2005/2006, o International College Program, acho que muitos devem conhecer. A STB faz o recurtamento no Brasil, em diversas cidades (é necessário ser maior de 18, universitário e falar inglês). Ao ser selecionada, tive a oportunidade de morar em Orlando-FL por 3 meses, trabalhando e curtindo a viagem (claro!).

Essa é uma opção muito boa para aqueles que não têm o orçamento completo que um curso no exterior exige (era o meu caso). Na Disney eu trabalhava e recebia em dólares, o que permitia me manter e viajar durante e depois o contrato de trabalho. Os gastos foram só aqueles antes da saída do Brasil (passagem, visto, e alguns dólares para a 1ª semana). E o curso de inglês veio na marra, né? Ao rebolar pra se virar nas mais diversas situações que o trabalho trazia, tendo que falar em inglês, não tinha língua estrangeira que não melhorasse, hehehehe. Ainda pude treinar outras linguas que já tinha estudado tb (vc pode fazer o teste de linguas e adquirir uma bandeirinha a mais para cada língua falada). Ajudei uma francesinha de 5 anos a encontrar seus pais, hihihi, uma experiência única! smile

Ao fim do programa de trabalho, passei uma semana em NY com um amigo q tb tinha participado do mesmo programa (Mas o visto permitia viajar mais um mês. Eu que não pudia perder mais nenhum dia da minha faculdade, que tinha voltado de uma longa greve, hehe).

Bom, pra terminar a história, o site da STB tem informações sobre o assunto e o orkut é repleto de comunidades sobre o tema.

Renata Runge
Renata RungePermalinkResponder

Eu estudei na Eurocentres de Firenze e achei o curso muito bom. A localizacao tambem perfeita para viajar pelo pais, pois como ja disseram ai em cima, da pra fazer viagemzinhas de trem a tarde, depois da aula pela Toscana, pra cidades como Pisa, Sienna, Lucca etc. As viagens mais longas ficam para os finais de semana. Mas Firenze em si ja e um otimo local para turistar.

Lia
LiaPermalinkResponder

Eu fiz um curso de espanhol com a escola don quijote de granada. adorei a experiência, toda tarde eles faziam atividades extras e passeios. E nem preciso dizer que granada é tudo.
Já em Roma eu fiz com a escola Torre de babele e gostei muito tb, conheci bastante gente e fizemos muitas atividades e passeios extra-curso.

Luciana
LucianaPermalinkResponder

Eu fiz no Il Centro, em Milão. Fica no bairro de Brera e próximo do teatro Scala, bem central. De Milão é fácil passar o final de semana em Turim, Genova, Florença, Veneza, Verona, Lagos de Como e Garda e até alguma coisa na Suiça.Com promoções de áreo low cost a brincadeira aumenta para toda a Europa! Não sei se é a melhor opção mas é bem boa, foi muito bacana estudar lá!

Claudia Chow
Claudia ChowPermalinkResponder

Fabiana, eu fiz curso de italiano na Universitá per Stranieri de Perugia. Fica bem no centro da Itália, do lado de Assisi, achei a localização ótima pois fica 2 horas de trem de Roma, 1h30 de Firenze. A Umbria dizem que a irmã pobre da Toscana e posso te dizer q é tão linda qto, passei tres meses lá em 2005. Perugia é uma cidade ótima cheia de estrangeiros e jovens, vale muito a pena.
Ah, e comparado aos cursos privados o da Universidade é mais barato.

Luna
LunaPermalinkResponder

Acabei de passar dois meses em Paris estudando francês. Fui pela Aliança Francesa e fiquei em casa de família. Experiência maravilhosa. Escolhi o curso intensivo, entaõ tinha aula todo dia de manhã, mas existe a opção de 2 ou 3 vezes na semana.

Aproveitei dois fins de semana para ir a Amsterdã e à Bélgica. Outros aproveitei para curtir a cidade. Recomendo muito. Há muitas opções de ônibus que são mais baratos que os trens e é possível conseguir bons preços com antecedência.

No próximo mês, vou aproveitar para viajar um pouco mais por aqui. O mais legal do curso é que você conhece gente do mundo inteiro e acaba tendo mais opções de lugares para viajar. Vou encontrar uma amiga em Londres e voltarei para passar 5 dias em Paris na casa de uma amiga que fiz lá.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Essa é para o perguntódromo :
Quem pode recomendar ÓTimos cursos de administração de negócios em ingles , com duração de 30 dias , na Europa
ou nos EUA ? (é para a filhota que só tem férias do trabalho e da universidade no mes de julho )

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Oi Sylvia!!! smile
Quando eu quis fazer um curso fora, eu dei uma pesquisada primeiro na Belta, que é uma associação de cursos no exterior - mas principalmente cursos de idiomas... o site é Belta.org.br. Garimpando, há mais do que cursos de idiomas de férias e high school!

Sugiro também que a filhota escolha umas universidades que tenha interesse e busque nela os cursos de verão disponíveis. Ou, melhor ainda, veja nas universidades fortes daqui quais nos EUA/Europa que há convênio, assim o curso de férias pode ganhar um valor maior no curriculo dela!!

Exemplo: A ECA/USP tem convenio com a Universidade da Florida, e oferece cursos de 2 semanas em Comunicação Empresarial. Tem também uma parceria com a Sorbonne para cursos voltados para Comunicação. Sei pq a ECA é referência pra mim. É um caminho!!! Veja com ela quais universidades aqui têm esse tipo de convênio, pode ser interessante.

Ah! Me lembrei que a Fundação Dom Cabral e o INSEAD têm uma parceria com uma universidade em Fontainebleau, França!!!! Dá uma olhada no site aqui: http://www.insead.edu/home/

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Adri ! Tu estás sempre nos salvando com Uber dicas .
Brigadin , vou xeretar tudão nestes links .Saludos ao Cae tb
smile

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Acho o máximo misturar cursos com férias. Espero que ela consiga algo bem legal!

Mirella
MirellaPermalinkResponder

Oi Sylvia,
Quando eu fiz meu curso, nós escolhemos a UC Berkeley (pelo nome e localização)... mas infelizmente o curso era de 4 meses.
Tem um novo de 2 meses "Management and Leadership".
Esse é o link dos programas oferecidos: http://extension.berkeley.edu/diploma/?gclid=CInR27TX76YCFcQ3pAodrgOdFA
A ideia da Adri pela Belta foi excelente... o melhor orgão nesse sentido no Brasil.
bjs

Ricardo Freire

Já está no Perguntódromo!

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Sylvia,
Só complementando o que a Adri já falou. O melhor é pedir para a filhota conversar com os professores dela. Eles sabem quais são as melhores universidades e podem dar indicações precisas, inclusive com os contatos de alguém lá. Não sou da área dela, mas, normalmente, as boas universidades oferecem cursos de verão e/ou inverno que podem ser os mais adequados, já que ela só tem 30 dias.
De qualquer forma, seria bom, também, ela procurar a Assessoria para Assuntos Internacionais - ou similar - da universidade que cursa. A maioria das universidades federais tem uma. Eles não pagam nada para o aluno, mas, dependendo do convênio, tem-se isenção de taxas, direito a usar o restaurante universitário, biblioteca e, com sorte, desconto na acomodação. Isso costuma valer para os cursos regulares, não sei se vale para cursos de curta duração.
É bom lembrar, também, que para o aproveitamento dos créditos (não sei se interessa) a coisa é mais burocrática, mas não custa nada tentar. Para entrar com o pedido, o ideal é que o curso tenha sido realizado em uma universidade conveniada com a dela. Além do certificado de conclusão(com data de realização E carga horária),será preciso a emenda e o programa.
Uma outra boa fonte de informação é o British Council. Pelo menos o daqui do Rio funcionava bem e ajudava os alunos.
Além disso, na falta de professores legais, o santo Google ajuda muito. Não encontrei um site confiável com as top ten universidades em business, mas Harvard é famosa e, segundo o filho de uma amiga que mora nos EUA, Notre Dame também não é ruim.
Bjs e boa sorte ! wink

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Bah guria,grandes dicas !
Nada como uma expert teacher smile
Hoje mesmo estava pensando que tinha que te escrever pra te desejar uma SUper viagem .
Estamos aqui com todos as melhores energias para que tudo corra maravilhosamente bem .
Fico aqui na espera das fotos dos encontros-boiantes :cool:

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Sylvia,
Torcendo para a filhota conseguir um curso bem legal!
Infelizmente, não vou encontrar com a Carla! Só chego em Bangkok dia 10 e não consegui arrumar a viagem de forma a encontrá-los no Vietnã (que ficou de fora) sad
Antes de viajar, deixarei um comentário lá no post do sudeste asiático para agradecer as dicas e contar como ficou o roteiro.
Valeu!

Marcela
MarcelaPermalinkResponder

Sylvia, tenho uma indicação da IBS - International Business School of São Paulo, que coordena cursos de especialização no exterior.
A University of La Verne, no sul da Califórnia, oferece cursos de especialização na área de Estratégia e Marketing, Finanças e Controladoria e Gestão de Projetos. A Fondazione Centro Universitario di Organizzazione Aziendale, na Itália, oferece curso de Gestão de Negócios. São cursos de 3 semanas, com preços bastante razoáveis. Abs, Marcela.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Obrigada Marcela !
Costa oeste e Italia são perfeitas para unir estudos e férias.
Gestão de projetos é a primeira escolha , ótima dica !

Gus
GusPermalinkResponder

Sylvia, fale com a Liliane da GoTour, eles tem cursos especiais como este que vc quer - http://www.gotour.com.br

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar