SP-São Petersburgo, uma viagem que levou 50 anos (por Marcie)

Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Hermitage: Palácio de Inverno, São Petersburgo, Rússia. Foto: Marcie Grynblat Pellicano

Senhoras e senhores, preparem-se: vem aí mais uma viagem sentimental da Marcie. Depois de ter passado o carnaval de 2010 em Varsóvia, este ano a Marcie foi a outra terra ligada a seus pais: São Petersburgo, na Rússia. Os trips ajudaram com dicas, e agora ela retribui com o seu relato.

Texto e fotos: Marcie Grynblat Pellicano

Como minha idade já foi divulgada em cadeia nacional de televisão por ninguém menos do que meu próprio marido, posso revelar - sem constrangimento - que ouço falar de São Petersburgo há mais de 50 anos. Meus pais (principalmente minha mãe, de ascendência russa) diziam maravilhas desse lugar que, pra mim, acabou adquirindo status de conto de fadas. Palácios, pontes, monumentos, imperadores, imperatrizes, tesouros, guerras, tudo isso debaixo de muita neve e com o termômetro atingindo temperaturas muito além da imaginação de uma pobre menina vivendo no Patropi. Cresci assim, em meio a muito pelmeni, vodka, e longas conversas sobre o dia em que meus pais finalmente visitariam a tão sonhada cidade.

Não visitaram.

Por mais de 50 anos, eu também não. Na verdade, em 1994 quase fui. Estive em Moscou e considerei seriamente a possibiidade de tomar um trem -- mas o medo foi maior do que a vontade. A abertura política ainda era uma coisa recente no país e, se dava medo andar 100 metros nas ruas, imaginem viajar mais de 600 quilômetros de trem...

Corta para o Carnaval de 2011. Aproveitando de uma permanência na Europa, compramos um belo pacote e lá vou eu! Três horas de vôo de Paris. Apenas três horas! Não me canso de constatar e alardear as vantagens de que desfrutam os felizardos que vivem no velho continente. Principalmente em Paris, que é o ponto de partida perfeito pra qualquer destinação européia.

Chego a São Petersburgo às 3 da tarde com o mercúrio na casa de -10º. Quer dizer, fresquinho. E no carro já tenho as mesmas primeiras impressões que tive em Moscou em 94: o cinza, a arquitetura pesada, as roupas escuras, os monumentos mastodônticos, tudo contribuindo pra uma espécie de tristeza -- que talvez só seja tristeza para nós acostumados ao sol, às cores, mesas nas calçadas, essas coisas...

Quase duas horas depois... Exato, duas horas de carro até o hotel! É que chegamos na sexta-feira anterior a um feriado na terça. A primeira ponte da primavera. Sim, primavera com menos 10 graus (na Rússia, não me perguntem por quê, a primavera começa dia 1º de março). Por que feriado na terça? Porque é o Dia Internacional da Mulher Trabalhadora. Viram o detalhe? Não só sapecaram um adjetivo como transformaram em feriado nacional.

Bem, no hotel foi o tempo de deixar as malas (ah, sim, e de recusar os dois primeiros quartos) pra sair e fazer o primeiro reconhecimento de área. Com neve até o joelho, é claro. E aqui a segunda surpresa: a cidade intransitável não só nas ruas, mas também nas calçadas. Que contraste com Varsóvia, onde as calçadas recebiam cuidado permanente da prefeitura!

Mas nada nos deteve e, em pouco tempo (mesmo porque o hotel era praticamente em frente), estou diante do tão sonhado Hermitage - já fechado, em função do horário. O tamanho é chocante, mas o estilo rococó do prédio principal, ainda mais em verde e amarelo!, confesso que decepcionou um pouco. Mas o importante é o que está lá dentro, disse eu, enquanto aproveitava pra visitar a impressionante Coluna de Alexandre (um monolito colocado de pé por 3.000 homens, sem alicerce ou qualquer outra ligação com o terreno) e a Praça do Palácio, do tamanho de alguns campos de futebol...

Praça do Palácio, São Petersburgo. Foto: Marcie Grynblat Pellicano

Aí chegou sabadão! E eu de bilhete na mão (até rimou), comprado previamente na internet. Um bilhete pra dois dias, apesar de permitir uma única entrada por dia. Recomendo muitíssimo! Mesmo com a neve e o frio que se abatiam sobre a cidade, a fila dava voltas no pátio. E eu, de posse de minha reserva, furei a “bicha” (como se diz em Portugal) e, em poucos minutos, estava dentro, - vou repetir, gente! - dentro do Hermitage.

Escadaria Jordan, Hermitage, São Petersburgo. Foto: Marcie Grynblat Pellicano

Ali, tudo muito organizado. Rapidamente, a reserva foi trocada por bilhetes. Os casacos foram guardados (grátis). E eu estava pronta para adentrar o assim chamado espaço expositivo, do qual só me separavam uma catraca e o indefectível detetor de metais. Uma vez dentro, você já dá de cara com a Escadaria Jordan. Foi construída, destruída, queimada, modificada, etc, mas ainda é imponente. Talvez o ”canto” mais imponente de todo o Hermitage. Só que, contrastando com essa exuberância toda, você começa a sentir falta de algo fundamental em qualquer museu: informação.

Essa é primeira bad surprise. Os poucos textos e indicações são todos em russo -- e mesmo em russo eles são poucos. E o museu, então, é um labirinto. Claro, são cinco palácios interligados e três milhões de peças para expor. Não deve ser fácil. Mas que poderiam fazer melhor, poderiam. Compramos um guia da série Rough Guide (aliás, bastante bom) e fomos em frente lendo e dando encontrões -- felizmente em nenhum jarro de alguns milhares de dólares.

Outro ponto baixo (já vou falar dos altos) é um certo descuido com o background dessa arte toda: as paredes. Numa sala, elas são cinza. Noutra, são marrom. Noutra ainda, são azuis. Nenhuma cor enfim que nos convide a abstrair essa superfície e focar no que interessa: as obras de arte. A propósito disso, um fato interessante: num dos salões principais, o Museu do Prado fazia uma exposição temporária. Bom, não dava pra comparar o cuidado com que foram expostos os El Grecos e Velásquez (já é plural, não é?) da vida. Sala em penumbra, painéis imaculadamente brancos, iluminação inteligente e abundância de informação. Já no acervo permanente, paredes de várias cores, iluminação equivocada e extrema economia de textos.

Bom, mas tirando isso, meu Deus! Vou repetir caso alguém não tenha ouvido: meu Deus! Foram dois dias de cair o queixo. E de fazer bolhas nos pés. E também (lá venho eu de novo) de passar fome: os dois “cafés” que servem o Hermitage são ridiculamente desprovidos. Mas tudo bem. Como já disse acima, nada conseguiria me abater. Andei quilômetros cobrindo séculos e continentes, mas me demorei mais e muito no terceiro andar, Pavilhão do Impressionismo. São algumas centenas de telas dos pintores que mais admiro (vários deles, é claro, indo além das fronteiras dessa escola): Bonnard, Seurat, Signac, Denis, Derain, Utrillo, Pissarro, Sisley, Rosseau e por aí afora. Além dos monstros Monet, Manet, Cézanne, Van Gogh. Ah, sim: Matisse. E Picasso. E Renoir. Enfim, um desbunde. Foi nesse pedaço que passei boa parte de meus dois dias de glória.

Lá e num cantinho escondido do segundo andar, que não consta do catálogo e onde é proibido fotografar ou filmar. Do que se trata? De mais obras francesas (na maioria, impressionistas) surrupiadas da Alemanha ao final da Segunda Guerra. Como a pendência jurídica se arrasta há décadas, eles houveram por bem (uau!) separar as obras do acervo permanente. Não deixem de ver... Se ainda estiverem lá.

Que mais? Muito mais. Dos artesãos da Sibéria ao Da Vinci. Das múmias do Egito à arte japonesa. O que você imaginar, eu vi. E vi também, com especial atenção, os pintores flamengos. Muito, muito bom.

Igreja do Sangue Derramado, São Petersburgo. Foto: Marcie Grynblat Pellicano

E por falar em bom, é bom eu sair do Hermitage e falar um pouco da cidade - senão não vai haver espaço que chegue. Então, São Petersburgo no inverno. Neve até o joelho. Locomoção dificultada. Essas coisas. Mas devo dizer que andei. Highlights? A Igreja do Sangue Derramado. A Fortaleza de São Pedro e São Paulo. A Catedral de Santo Isaac. O Museu de Arte Russa. A cópia (de longínqua semelhança) da Basílica de São Pedro: a igreja de Nossa Senhora de Kazan. Os canais, todos geladíssimos!!! frustrando minha vontade de um passeio de barco. Enfim, há uma pá de coisas grandiosas pra serem vistas. Quase esquecia do Teatro Mariinsky, do Ballet Kirov! Além dos arredores: principalmente Peterhof e Tsarskoe Selo (mas melhor fazer isso no verão).

Catedral de Santo Isaac, São Petersburgo, Rússia. Foto: Marcie Grynblat Pellicano

E há coisas menores, incríveis: o Museu do Dostoiévski, o Museu do Pushkin, o Museu do Nabokov, o Museu do Rimsky Kosakov, e a lista continua. É muita cultura pra cinco dias, mas bravamente tentei bater ponto onde deu. Por falar em bater ponto, lembrei do relógio parado que vimos em vários lugares. Uma tradição: interromper o relógio quando morre algum personagem importante. Mas se eu for entrar em tradições e superstições, aí sim que não acaba mais: flores têm que ser em número ímpar; quem esquece alguma coisa não pode voltar pra trás; não se dá a mão em cruzamento, etc, etc.

Bom, vou terminar contando duas coisas: uma boa e uma ruim. A ruim: espatifei-me na neve. A boa: fartei-me de pelmeni na antiga fábrica das máquinas de costura Singer, hoje transformada num Café muito competente e com uma imensa livraria no fundo. Infelizmente não leio russo, mas com o maravilhoso pelmeni não tive nenhuma dificuldade...

Como disse acima que já terminei, essa nota aqui vai como adendo: tive a sorte de chegar a São Petersburgo depois de ter feito um “curso intensivo” de Hermitage. É que, até 29 de maio, a Pinacoteca de Paris está exibindo “Romanov, os Czares Colecionadores”. Em poucas salas, com quadros fantásticos e textos reveladores, eles contam a história do Hermitage. De Pedro, o Grande, passando por Catarina, também a Grande e fundadora do museu, até Nicolau II, o pai da Ingrid Bergman, quer dizer, da infeliz Anastásia (vivida pela atriz no filme do mesmo nome). Quem for a São Petersburgo via Paris, tem que ir à Pinacoteca. Ah, sim: com ingresso comprado na internet...

São Petersburgo. Foto: Marcie Grynblat Pellicano

Spasiba, Marcie!

Leia também:

Todas da Rússia no Viaje na Viagem

107 comentários

Isabel O., Portugal

Adorei, Marcie.
Por aqui, há muita gente que faz Moscovo-S.Petersburgo (em pacote, claro) mas no Verão, que a malta está habituada a bichas com calor. (Espero que quem leia os cometários, leia também o texto...eh, eh,eh).
Beijinho para si e para o Ciro.

Ernesto, o pato

Marcie

Parabens pelo realto. Para quem for recomendo conhecer o belissimo metro da Cidade.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Delicia Marcie !
E eu q amo um ravioli , certamente vou adorar o pelmeni smile

Claudia Beatriz - Aprendiz de Viajante

Muito bom Marcie, mas com certeza eu não repetiria sua bravura de ir no inverno.
E cair na neve na Rússia não dá sorte? wink

Carmem
CarmemPermalinkResponder

Ai, que delícia!
Espero que a queda na neve não tenha deixado resquícios... E que os dias de glória vividos ali sejam lembrados para sempre!

Camila Navarro

Marcie, você é mesmo corajosa! Encarar São Petersburgo no inverno??? Mas, apesar da neve nos joelhos, você gosta, né? wink

Juliana Amorim

Que lindo Marcie! Emocionante!

Natalie
NataliePermalinkResponder

Que belo relato! Como a Juliana comentou aí em cima, emocionante.

A viagem foi linda, assim como as fotos. Um dia ainda vou para a Rússia, mas só se for acompanhada de um ótimo casaco de neve wink

Não preciso comentar que adorei a parte que você citou o Ballet Kirov, né? grin grin

Eunice
EunicePermalinkResponder

Emocionante o seu relato, Marcie.

Arthur | Agora Vai

As boas viagens são como os bons vinhos, quanto mais tempo maturando, melhor a degustação.

Mary
MaryPermalinkResponder

Ah, Marcie, q texto bonito! Vc consegue misturar emoção, boas informações e diversão de um jeito delicioso. E as fotos estão lindas! Parabéns, e obrigada por dividir isso com a gente. Bjs.

Wanessa
WanessaPermalinkResponder

Marcie, uma delícia ler o seu relato! Esse ano, li "O Palácio de Inverno", de Jonh Boyne, que aguçou minha vontade de ir à Rússia. Até vi o filme "Arca Russa", para matar um pouquinho da curiosidade de ir ao Hermitage. Lindo!
Um dia, verei pessoalmente...

Lena
LenaPermalinkResponder

Lindo mesmo, Marcie! Quantos desejos longamente alimentados e recentemente realizados! Que época feliz smile Se tiver outros na fila, que se tornem realidade logo logo também!

Lena
LenaPermalinkResponder

PS: Eu conheci o Louvre no ano da inauguração da pirâmide. Dizem que antes dela era bem confusa a interação dos pavilhões também. Quem sabe logo não criem algo que resolva essa loucura de 5 palácios? E gente, 3 milhões de obras!! Meldeus!!!

Meilin
MeilinPermalinkResponder

Marcie, o relato tá delicioso, exceto o tombo na neve. Mas concordo que é muito estressante estar no meio de três milhões de peças no acervo e não entender p...nenhuma do que está escrito. Saí de lá zangada e achando tudo brega...deve ser o caso das uvas verdes, né? Quando eu for mais erudita volto lá wink

zuzu
zuzuPermalinkResponder

Confesso que gostaria de ir , mas sem neve e sem queda! Bela viagem.

Malu
MaluPermalinkResponder

Marcie, que viagem linda e emocionante!!!!!
As fotos e o texto estão ótimos.Como é bom ticar antigos sonhos de viagens.

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

UAU, Marcie, depois do seu relato a Russia (e São Petersburgo) subiram um bocado no meu ranking de viagens a fazer...

Parabéns pelo relato, tá riquíssimo!

Patricia - Turomaquia

Que texto!!! M-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o! Amiga mía, já estou salivando d vontade do Hermitage!
beijos

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

A cidade parece ser realmente linda, seu relato é ótimo! Mas essa coragem que vc teve pra ir no inverno... acho q eu não encaro, não. Tem q ser no verão mesmo. grin

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Delicioso relato, Marcie!

Certamente é igual que um conto de fadas, mais autêntico. Eu gostaria conhecer o Hermitage, mas também os museus do Dostoiévski, Pushkin, Nabokov e Rimsky Kosakov.
A cultura russa é impressionante deu muito artistas: Tchaikovsky, a Popova, Ródchenko, Gogol, Tolstói, Gorki e o meu adorado Chéjov.

Bravo, Marcie, Rússia com neve!!!

Vera Lúcia
Vera LúciaPermalinkResponder

Marcie,
como é bom vivenciar o mundo que residia nosso imaginário afetivo.
Lindo. Quanta carga de lembranças e emoções para acalentar o inverno russo.
É tão bonito que dá vontade de pegar um avião imediatamente. Parabéns.

Mirella
MirellaPermalinkResponder

Marcie... só você mesmo para curtir o inverno na Russia (risos), mas imagino sua felicidade de estar lá e a nossa de poder aqui ler seu relato.
A Russsia esta na listinha, mas acho que só encararia no outono ou primavera smile
bjs

Martinha
MartinhaPermalinkResponder

Lindo Lindo Lindo!!
As fotos, o relato, e a sua emoção contando..
Ansiosa desde jà para saber onde vai ser o carnaval 2012.. grin
Bjokas

Julie
JuliePermalinkResponder

que linda sua viagem!!!!!
mas estou com uma inveja enorme de todos os pelmenis que você comeu sem mim...ahahahahaha
bjs

Igor
IgorPermalinkResponder

Que orgulho da Lôra... adorei!
Beijos

Eneida
EneidaPermalinkResponder

São Petersburgo é realmente mágico e seu relato, emocionante.Me reportei incrível sensação de estar no meio daquelas obras todas no Hermitage, com a vista do Rio Neva! Fui em setembro,acho que ir no inverno requer coragem mesmo. Uma coisa que ajudou bastante no Hermitage foi alugar um audioguide. Enriquece bastante a visita e ajuda a se orientar. Na parte do Palacio uma guia ofereceu seus serviços e , perdidinhos que estávamos ao chegar, aceitamos. Foi interessante, com detalhes históricos e da decoração que jamais esquecerei, mas rápido e caro para os nossos padrões.

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Que delícia! Eu moooooorro de vontade de conhecer a Rússia desde pequena. Que relato lindo, Marcie.

Georgia
GeorgiaPermalinkResponder

Linda viagem! Delicioso ler o seu relato. Espero poder ir no ano que vem.
Beijos!

Carina-Senzatia

Adorei teu relato, Marcie!! Mesmo com tombo e frio, dá muita vontade de conhecer. smile

Maryanne hotelcaliforniablog.wordpress.com

Marcie, adorei o relato. Sempre tive vontade de ir pra la, e agora vc me deixou com mais agua na boca. Bj!

Alexandre Costa

Parabéns, Marcie! Excelente relato! O problema de frequentar o VnV é que só vou adicionando mais e mais destinos que desejo conhecer. smile

zuzu
zuzuPermalinkResponder

Marcie
Vi o vídeo do Jo, e vc tava lindona e "chiquetésima"! Uau!!

Oscar
OscarPermalinkResponder

Emocionante!!

Hermitage: entre 3 milhões de obras, um pelicano… « Abrindoobico

[...] leu o ViajeNaViagem já sabe. Quem não leu, fica sabendo agora: estive no Hermitage e o Riq gentilmente postou meu [...]

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Marcie, adorei o modo que vc nos mostrou Sao Petersburgo!

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Concordo com a CarlaZ! Delícia de ler!

Fabíola
FabíolaPermalinkResponder

Marcie,
As viagens são assim: quanto mais sonhamos com elas, melhores elas ficam! smile Adorei o relato! São Petersburgo está (há tempos!) na minha lista de desejos. Esperava ir para lá em 2011, mas outras prioridades estão adiando este e outros planos de viagem. De qualquer forma, seu texto vai orientar minha viagem... Quando ela finalmente acontecer. Só espero não ter de esperar 50 anos! wink
Beijos

Denise Mustafa

tá contratada como crítica de arte pro meu jornal!
sempre emocionante, queridona!
um dia, ainda sonho em fazer uma viagem dessas com vc! (só não sei se nesse clima FRESQUINHO).
beijo beijo!

Joyce   Brumer
Joyce BrumerPermalinkResponder

Adorei sua viagem , seu texto e suas fotos !!!
beijos

Marcie
MarciePermalinkResponder

Gente, muito obrigada mesmo. Fico feliz que vocês tenham gostado. E muito obrigada, Comandante, pela chance de retribuir a ajuda que vocês me deram.

Camila Torres
Camila TorresPermalinkResponder

Uau (pra cidade e pro texto) !!

Guta Vambora!
Guta Vambora!PermalinkResponder

Esse post ficou lindo! De texto, fotos, emoções! Tb quero ir p/ Russia no inverno Marcie! smile
bjuss

Leandro
LeandroPermalinkResponder

Realmente faz sentido que eles não se guiem pelas estações astronômicas e considerem março primavera, pois a duração do dia atinge o mínimo no final de dezembro e depois vai aumentando, em março a claridade já dura quase tanto como um dia no Brasil, mas apesar do frio já ter diminuido ainda está bem congelado na maioria dos anos.

EduLuz
EduLuzPermalinkResponder

Uau! Se fosse antigamente, era só mandar encadernar e teríamos um ótimo guia.
Como estamos na era moderna, devidamente arquivado!
Nós, os adoradores de pelicanos, agradecemos.

Alessandro A.
Alessandro A.PermalinkResponder

Belo relato Marcie! Essa é uma das cidades que estão no topo da minha lista, mas que sempre acabo deixando de lado devido a distância. Só aumentou a minha vontade!!! smile

Majô
MajôPermalinkResponder

Marcie, você foi no lugar certo e na época certa ! Estas boas e ternas lembranças da infância que queremos vivenciar quando adultos "vividos" tem uma carga de afetividade tão grande que se tornam as grandes viagens, e isto transpira em seu texto wink
A Russia tem tanta história que o Hermitage precisa ser visitado como você fez, lentamente para absorver um pouco desta riqueza.
E cá entre nós, a temperatura estava do jeitinho que você gosta, né ?
Lindo e inspirado texto smile

Carlos Henrique Loyo

Belo relato, parecia que estava andando dentro do Hermitage com você!
Também quero conhecer a Rússia um dia! Com frio, mas nem tanta neve!

claudia caponi

Vc me sugere algum guia, livro ou filme sobre a Russia? Os que foram citados aqui ja vi e li. Bjs e obrigada !

Oscar | MauOscar.com

Cláudia
Você já conhece o Blog da Deise - http://www.viagempelomundo.com

Ela tem vários Posts sobre a Rússia e se nao estou enganado sempre sugere livros/filmes associados aos lugares que visita

Oscar | MauOscar.com

Aqui vc vai direto aos Posts sobre a Rússia no Blog dela
http://www.viagempelomundo.com/search/label/R%C3%BAssia

Andressa
AndressaPermalinkResponder

Pessoal, preciso de ajuda!
Faremos um cruzeiro pelas capitais bálticas em junho, com a Costa.
Alguém que já fez poderia me dar algumas dicas, por gentileza?
Não pretendo comprar as excursões do navio pois me parecem caras e limitadas.
Será que o acesso é difícil do porto de S.Peter até o centro? Sabem quanto custa um taxi até lá?
Há agentes de turismo na chegada oferecendo passeios? E os preços?
Agradeço muitíssimo quem puder me dar uma mão com isso.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Andressa! Vamos subir a sua pergunta para o Perguntódromo.

O Cruise Critic informa que há um ponto de táxi com corridas a preço fixo a 600 rublos para o Hermitage.

Recomendam que se escreva em russo a exata localização do navio no porto para mostrar para o taxista da volta.

Andressa
AndressaPermalinkResponder

Obrigada pela resposta, Bóia!

Ernesto, o pato

Andressa

´Fiz esta viagem ha 5 anos. Não peguei as excursões do navio. Não havia qualquer esquema orgnaizado de receptivos locais, e o porto e distante da Cidade. Há uns taxis meio suspeitos, na saida do porto, negociamos o preço, e que deu várias voltas, mas tudo correu bem. Pedimos para ir até o Hermitage (sugiro comprar via net),e depois fomos a um cambio para trocar dinheiro. O preço que pagamos por todos os passeios era de um terço do que foi cobrado no navio, para fazermos o roterio completo, incluindo o palacio de verão. Não havia onibus até o centro, e assim voce e obrigado a tomar um taxi. Uma ideia que pode ser interessante, é tentar reservar um translado pela internet. Procure sempre obter informações com os mais jovens, os mais velhos não falam ingeles, ou outra lingua que não o russo, e lembre-se que até as placas são no alfabeto cricilo. Mas a Cidade e lndissima, e o cruzeio e otimo!
Boa viagem!

Andressa
AndressaPermalinkResponder

Ernesto, agradeço muitíssimo!
Vou seguir suas dicas!
Depois eu conto aqui como foi.
Andressa

Ermesto, o pato

Ok, boa sorete! Ainda bem que não mais é necessario o visto!

Foi chaterrimo e caro de obter.

Odilon Araujo
Odilon AraujoPermalinkResponder

Opa, pessoal! Blz?

Seguinte: estarei no mês de outubro em Helsinque. Vi que agora há um trem de alta velocidade ligando a capital da Finlândia a São Petersburgo, o Allegro. Segundo o site da Russian Railways, a passagem na 2a. classe custa 168 euros (ida e volta). A passagem de avião custa mais ou menos a mesma coisa (pela Finnair).

E a pergunta é: alguém já fez essa rota? Vale mais a pena ir de avião ou de trem?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Odilon! O trem rápido faz o percurso em 3h30. O Ricardo Freire recomenda sempre pegar trem para viagens até 4 horas, porque 4 horas é o tempo mínimo que se leva numa viagem curta de avião, com todos os perrengues envolvidos.

http://www.seat61.com/Finland.htm#Helsinki - St Petersburg by train

Odilon Araujo
Odilon AraujoPermalinkResponder

Grande Bóia! Valeu a dica... se tudo der certo, passo aqui depois pra deixar um relato da viagem.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar