Compras no exterior: leitores contam suas passagens pela alfândega na volta

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Receita FederalQuem informou foi o Marcio Nel Cimatti, no twitter d'A Janela Laranja: na madrugada de domingo para segunda (dia 9 de janeiro), todos os passageiros do seu vôo de Orlando tiveram que passar as malas pelo raio-x. E todo mundo acabou tendo que pagar multa e imposto de importação, inclusive sobre roupas. Segundo o Marcio, bastava 10 peças de roupa do mesmo número (mesmo de padronagens diferentes) para caracterizar intenção de revenda, segundo a interpretação dos fiscais da operação.

Não se trata de uma operação possível de ser feita de maneira permanente -- não há espaço nos saguões de desembarque nem funcionários suficientes para fiscalizar, autuar ou mesmo controlar as multidões que chegam nos horários de pico internacional em Cumbica. Mas o que ocorreu aponta para uma mudança radical de postura da Receita, que já podia ser percebida nas caixas de comentário deste post e deste também. A justificativa de "uso pessoal", pelo jeito, vai ser cada vez menos aceita. Não-eletrônicos voltam a fazer parte da cota de compras?

Você viajou nesse fim de ano pra fora? Como foi na volta? Viu gente com várias malas passando incólume? Soube de casos em que os fiscais trataram não-eletrônicos como parte da cota?


Conta pra gente! Obrigado!

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


459 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

moacir sampaio
moacir sampaioPermalink

Voltei dia 02/01 de santiago/chile. Em porto alegre passamos direto pelo pessoal da receita.E pelo que percebi todo mundo tava passando direto.

Elaine Rego
Elaine RegoPermalink

Cheguei de Santiago dia 29/12 no Galeão e todo mundo passando na boa. Um fiscal que praticamente só recolhia os papeis. Foi tranquilo.

Sylvia
SylviaPermalink

Que critério mais sem sentido esse!
É muito mais provável que quem compre para revender traga peças de tamanhos diferentes mrgreen

Roberto
RobertoPermalink

Chegou há pouco do exterior é outra maneira de escrever que chegou há pouco de fora?
desculpe, não resisti!

Joker
JokerPermalink

AUahuHAUhauAHUahUHAUhaUAHUha

Andre L.
Andre L.Permalink

Não entendi... o sinônimo é obvio é mais elegante.

Amélia
AméliaPermalink

Boiei ...

Elisangela Amada
Elisangela AmadaPermalink

Eu voltei do México no dia 2/01 após ter feito conexão no Panamá onde várias pessoas voltando de Orlando embarcaram também. Chegamos ao Rio às 5:30 da manhã e não vi ninguém ser parado. A maioria das pessoas tinha muitas malas.

Marquinhos Torres
Marquinhos TorresPermalink

Cheguei de Madri no dia 05/01/2012 às 19:50 no Galeão. Só tinha um funcionário na Receita naquele balcão, ele estava falando ao celular e, com a mão, mandou eu e minha esposa passar direto. Nem entregamos aquela declaração que dão no avião.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Essa declaração não é mais necessária.

Andre Coelho
Andre CoelhoPermalink

Desculpe Gabriel, mas a declaração é necessária sim. Claro que para àqueles que, reconhecidamente, assumem haverem passado da cota de US$500,00 e não desejam arriscar serem pegos.
Ocorre que a grande maioria não assume que extrapolou em seus gastos e querem dar um jeitinho, arriscar, ludibriar, como você queira chamar, e acabam não reconhecendo e decidem arriscar na "pescaria" do pessoal do fisco.
Mas a declaração existe, e é necessaria, sempre que você ultrapassar a cota dos US$500,00. O risco é seu em preenchê-la ou não.

http://www.receita.fazenda.gov.br/Aduana/viajantes/Videos/regras_bagagem.html

Abraços

Andre L.
Andre L.Permalink

André, concordo com você no sentido de que muita gente acha normalíssimo entrar na "roleta" dos produtos não declarados. Eu sinceramente espero que aumentem as multas para desincentivar a turma a não declarar.

Clara
ClaraPermalink

André, caro, não resisto a um desabafo: eu declaro que o dinheiro que pagamos de impostos não vão, por exemplo, a cidades do meu estado (RJ) para obras de prevenção de desastres, que o governo libera pouquíssimo, e o ministro faz da verba plataforma política para o seu filho no seu estado. Apenas um mísero exemplo. Eu podia " declarar" inúmeras outras coisas.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Eu sinceramento espero que esse limite aumente. É sabido que está mais do que ultrapassado esse valor. A economia melhorou, os brasileiros viajam mais, compram mais e nada de aumentar o limite. Todas as novas regulamentações só foram para piorar, nunca melhorar.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Sim, só para quem passa da cota. No caso acima ela não disse que estava acima da cota, por isso a declaração não era necessária.

Lena
LenaPermalink

Só agora me dei conta de que este limite de 500 dólares é o mesmo há mais de 30 anos! shock Inflação ZERO só pra compras em viagens!

Bruna Eloise
Bruna EloisePermalink

Cheguei no sábado passado (7/1) de Londres, e não tive nenhum problema. Aliás, aquela folhinha que a receita federal pede para a gente preencher, nem foi solicitada quando cheguei no Brasil. Só pediram para passar direto. =)

Pedro
PedroPermalink

Roupas novas com etiqueta certo?

Mô Gribel
Mô GribelPermalink

Importante dizer que ele voltava de Orlando.

Mô Gribel
Mô GribelPermalink

Capaz de ser uma apertada em quem volta dos EUA...

RUY  LEITE
RUY LEITEPermalink

Cheguei De Buenos Aires dia 03/01 e nao teve nem o papelzinho no aviao da Gol para quem nao tinha nada a declarar ... viajo bastante e faz muito tempo que so' vejo um funcionario na porta de saida recebendo os tais formularios...agora nem formulario tem mais...e pra ser sincero ate' o funcionario parecia estar completamente desligado ....estranha essa operacao...talvez tivessem alguma denuncia///

RUY  LEITE
RUY LEITEPermalink

ops...............cumbica

Elaine
ElainePermalink

Voltei de Nyc em marco de 2011 por Brasília. Fui parada e a fiscal me taxou absolutamente tudo que estava nas caixinhas. Me refiro a maquiagens, oculos de sol e relógios. Comecei a reclamar e ela disse q se eu nao parasse me taxaria também 2 jogos de lençol. Ou seja, cada fiscal, uma sentença.

Lo
LoPermalink

Nao vai ter mais aquela declaração que a gente preenchia no avião! Acho um absurdo nao termos liberdade de gastar nosso dinheiro onde queremos, como se já nao bastasse a quantidade de impostos que pagamos aqui

Karina
KarinaPermalink

Eu voltei de Istambul e os fiscais nem olharam pra mim direito. Estava chegando um voo do Panama junto e vi todo mundo passando literalmente despercebido.

Silvia Soares
Silvia SoaresPermalink

Voltamos dia 16 de dezembro de Orlando, via Miami. Em Confins, todos os passageiros tiveram que passar suas malas pelo raio x.O desembarque internacional, que é minúsculo, estava um caos.

Beatriz Venturi Bonelli

Voltei em Novembro da Europa e junto com meu voo estava chegando um voo de Orlando. Tres meninas estavam organizando as filas, o voo de Londres passava direto e o de Orlando ia TODO para o RX. Uma amiga voltou de NY em Dezembro e teve que pagar taxa de tudo que era eletrônico.

Debora
DeboraPermalink

Cheguei 6/01, de NY para Galeão,e não tinha ninguem na receita!

Lvcivs
LvcivsPermalink

A Receita é uma piada! Queria ver essa empáfia toda para ir atrás dos bens de políticos e suas famílias.

Agora, brasileiro de classe média e alta que quer comprar no exterior pq os produtos aqui são RUINS ou vendidos a preços IRREAIS, é tratado como BANDIDO.

De Gaulle já sabia...

jose roberto trevisol
jose roberto trevisolPermalink

Não podia ser mais claro o teu comentário Lvcivs !
Prá sustentar essa corja de politicos que temos em Brasilia só mesmo arrochando a classe que trabalha e que se nega a pagar US 200,00 numa camisa que pode ser comprada por U$ 25,00 nos Estados Unidos...alguém tem de trabalhar prá turma de cima mamar !!!!

Andre L.
Andre L.Permalink

E quem elege os políticos, jose roberto trevisol? São eles nobres hereditários ou (re)eleitos a cada 4 ou 8 anos?

Juliana
JulianaPermalink

Voltei de Orlando no final de Novembro. Não fui parada, mas meu marido foi. Homens na faixa dos 30-40 anos eram parados, mesmo com poucas malas. Enquanto isso, muambeiros e muambeiras passavam com malas gigantescas, certamente com 50 Kg cada.

Ila Fox
Ila FoxPermalink

Sempre que passo da cota faço questão de passar pela alfandega.

A unica coisa que me incomoda é que enquanto os fiscais ficam encrencando com notebook para uso pessoal, muita muambeira passa tranquilamente com a mala cheeeia de roupa, claramente com a intenção de revender no Brasil. Me sinto lesada quando vejo isso acontecer.

Acho assim: já que é para fiscalizar, que fiscalizem direito. Brasileiro adora reclamar de político desonesto, mas são os primeiros a tentarem burlar as leis e prejudicar os outros.

Vladimir
VladimirPermalink

Brasileiros tentam burlar as leis porque nossos impostos são "burlatórios". Dá até vergonha ver o preço que outros povos pagam para ter as coisas.

Angelita
AngelitaPermalink

Voltamos de Punta Cana, via Panamá dia 06/12 a noite (GRU), o fiscal na passagem perguntou qual era o voo e só...não pegou a declaração, apesar de ter sido entregue durante o voo.

Wanessa
WanessaPermalink

Passei na alfândega de Guarulhos no dia 08.01 e só tinha um fiscal, que perguntava de onde a pessoa vinha. Quem vinha de Buenos Aires estava passando direto, mesmo pessoas com mala bem grande.

Livia
LiviaPermalink

Talvez porque sempre viajo com criança junto, nunca fui parada na alfândega. Mas de toda forma, nunca trouxe muita coisa... Mas é bom saber de antemão que a Receita resolveu endurecer, mais ainda, a fiscalização, para não ter dissabores no retorno...

Marcie
MarciePermalink

A Julie, que acaba de voltar pra SP, com uma carta de agradecimento da Câmara de Comércio local - pelo tanto de compras...! - passou batido. Nem perguntaram se ela tinha alguma coisa. Uffa!! wink

Maria Célia
Maria CéliaPermalink

Voltei dia 02/01, cheguei em Cumbica, as 15h. Uma sorridente e simpática funcionaria da receita nos cumprimentava "Feliz Ano Novo" e passamos direto. Ninguém estava sendo fiscalizado, absolutamente ninguém. E o formulário da Receita q preenchemos no avião não foi recolhido.

Fefelima
FefelimaPermalink

Minha irmã chegou domingo de manhã (08/01) de Orlando aqui no Galeão e todos os passageiros tiveram que passar pelo Raio X. Ela teve que pagar 900 reias de multa e não teve muito critério. O fiscal abriu a mala e o que ele foi achando pela frente ele foi jogando um preço: "esse relógio vale uns 100, essa bolsa uns 80, esse tênis uns 50, ..."

Andre L.
Andre L.Permalink

@Fefelima: para evitar esses problemas, é sempre importantíssimo levar o recibo das compras. Aí, dá para argumentar o preço. Do contrário, o fiscal pode arbitrar.

Cristina
CristinaPermalink

Fefelima, ter todas as notas fiscais é uma então! As minhas bolsas custam sempre menos de 30 dolares, ia ficar muito p... de me cobrarem 80 rsrs

Tania Pereyra
Tania PereyraPermalink

Em outubro em Guarulhos minha tia foi declarar items (notebook e tablet) e deixaram ela passar sem pagar imposto.Vai entender....

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Isso é ruim para as próximas viagens. Os fiscais poderão entender que ela não declarou e cobrar o imposto, com multa, na próxima viagem.

Tania Janin
Tania JaninPermalink

Voltei de Cuba via Panamá dia 18/12. Ao esperar pela bagagem na esteira ouvi meu nome sendo anunciado e pedindo minha presença no balcão da empresa. Fui informada que minha bagagem havia ficado no Panamá e que as mesmas chegariam em no máximo 24hs e seriam levadas à minha residencia. Eram 2 malas onde estavam objetos pessoais e presentes de natal para a família e amigos. Fui levada direto ao raio x e tive que mostrar meu note que estava na bolsa. Todo mundo estava sendo fiscalizado. Minhas malas chegaram no fim do mesmo dia intactas. Acho que não passaram pelo raioX....

Ivana
IvanaPermalink

Chegamos de Portugal 01/01a noite em Salvador, não fomos, acho que ninguém foi parado, mas o vôo que vem de Miami direto, já peguei outras vezes e todos são parados.

Fabio de Rezende
Fabio de RezendePermalink

Cheguei no Rio dia 02 de janeiro. Aproveitei para, todo besta, avisar ao comissario da TAM, durante o voo, que o formulario de nada a declarar nao era mais necessario (soube por aqui).

Na alfandega tudo simples. O fiscal so me perguntou de onde eu vinha, eu disse que de Londres e ele mandou passar. Simples assim, como de costume.

Diogo Avila
Diogo AvilaPermalink

Pois é, e o povão achando que o fim da DBA iria aliviar algo.
Os mais atentos e aqueles que acompanharam o assunto no VNV e outros blogs notaram que a isenção deste documento não mudou praticamente nada.
Infelizmente a imprensa "oficial" não deu a devida explicação a respeito do assunto.
Com isso, a SRFB, sabendo que parte dos passageiros relaxou no controle por uma falta de entendimento, resolveu apertar a fiscalização nos voos mais "rentáveis". O resultado está nos relatos daqueles que viajaram recentemente para os EUA.

Andre L.
Andre L.Permalink

Diogo Avila, sempre ficou claro que o fim da DBA era apenas para passageiros não sujeitos à tributação e em momento algum alguém disse que não haveria mais imposto de importação.

Thiago Castro
Thiago CastroPermalink

Em 2010 voltei de Cancún pelo Panamá e só tinha um funcionário no Galeão. Nem olhou pra mim direito.

Em 2011 voltei do EUA, mas parei na Venezuela para ir a Los Roques. Quando cheguei em SP o único funcionário só perguntou de onde vínhamos e mandou passarmos. Obs.: tinha um vôo chegando junto com o meu direto de Miami. E as malas estão um absurdo de grandes!! Não sei se passaram direto, mas acho dificil.

Acho que quem vem de Orlando, Miami e NY é mais visado.

Cris
CrisPermalink

Em outubro de 2011, eu passei pela Receita Federal de Porto Alegre, no Salgado Filho, ao voltar de Lisboa. O vôo veio lotado, mas como eu fiquei um bom tempo numa longa fila do minúsculo freeshop, não cheguei a ver se teve muita gente parada pela Receita Federal. Mas quando chegou a minha vez, tive de passar a minha mala média e mochilinha de bordo no Raio-X. Na minha mochilinha havia um IPad 2 e eu estremeci porque cometi a insanidade de não declará-lo (por ter recebido uma informação equivocada). Mas o fiscal ou se fez de louco ou não viu o conteúdo da mala na tela do scanner, porque deixou minha bagagem passar direto, sem fiscalização manual ou taxaçao. Resultado, o IPad que foi comprado com a intenção de levar menos peso na mala em futuras viagens (para dispensar o notebook) se transformou num futuro transtorno quando tiver de passar novamente com ele pela alfândega.

De qualquer sorte, fora o IPad, não havia nada fora do limite da cota de 500 dólares. Minha mãe e meu irmão também tiveram de passar as malas pelo scanner do raio-x, mas também passaram sem a conferencia do conteúdo.

Juliana
JulianaPermalink

Cheguei de Miami em janeiro de 2011 em cumbica. Estavamos em 4 pessoas cada um com 2 malas no limite maximo de peso. Além de uma mala de mão e as respectivas bolsas. Passamos pela Policia Federal sem nenhum problema, além dos policiais que foram muito gentis.

Eduardo Luz
Eduardo LuzPermalink

Voltamos de Barcelona na última segunda e não aconteceu nada.
Passamos todos do voo lotado com um simples bom dia, apesar de estar com a bagagem parecida com a da filha da Marcie (rebajas!) smile
E o pessoal da Ibéria insistiu que tínhamos que preencher a declaração, apesar de eu falar par eles que ela não seria mais necessária.

Marcie
MarciePermalink

lol lol lol

Gabriela
GabrielaPermalink

Muito estranho tudo isso!!! Voltei c meu namorado meados de dezembro por cumbica. Ele foi parado e eu não, mas qnd viram q eu estava c ele mandaram eu colocar minhas malas no raio x tb!! Estávamos c duas malas grandes cada um e uma mala de mão. Passamos td pelo raio x, inclusive um Mac book pro, e nada aconteceu! Td tranquilo e calmo!!

Gabriela
GabrielaPermalink

Muito estranho tudo isso!!! Voltei c meu namorado de Miami meados de dezembro por cumbica. Ele foi parado e eu não, mas qnd viram q eu estava c ele mandaram eu colocar minhas malas no raio x tb!! Estávamos c duas malas grandes cada um e uma mala de mão. Passamos td pelo raio x, inclusive um Mac book pro, e nada aconteceu! Td tranquilo e calmo!!

Iara Attie
Iara AttiePermalink

Cheguei dia 06/01 em Guarulhos vinda de Madri e a Receita nao revistou ninguem. O voo estava lotado e tinham varias pessoas com muitas malas enormes(parecendo mesmo contrabando) mas nem a ficha entregue no aviao foi solicitada, passamos direto pela Receita.

Andrea Marques
Andrea MarquesPermalink

O que esta parecendo é que vôos vindo de lugares com fama de "paraíso das compras" são os mais parados na alfândega. Quando vim da California pra SP, eles escolhiam aleatoriamente quem passava, vi pessoas com malas gigantes não serem barradas. Porém o pessoal vindo da Florida, foi parado quase que todos. Quando a possibilidade é maior de se taxar mais, eles ficam mais atentos!

zenon marques tenorio
zenon marques tenorioPermalink

Cheguei de Paris em 05/01. Eramos 3 pessoas e tínhamos 6 malas. Passamos normalmente pela alfândea, sem nehnuma exigência.

Alexandre
AlexandrePermalink

Voltei em Agosto/2011 de Orlando e fomos parados. A fiscal me perguntou muito sobre roupas etc, mas no final não paguei nada.

Mas é um estresse !!!

Márcio
MárcioPermalink

Voltei da europa, por madrid, no dia 25/12, a galera da receita nem olhou pra mim.

Larissa
LarissaPermalink

Cheguei com meu marido em 31 de Dez, de NY, em Guarulhos, e correu tudo bem, não fomos nem parados...

Dionísio
DionísioPermalink

Vim de Buenos Aires a Porto Alegre e, pelo que vi, não abriram nada.

Mas uma amiga veio fez Panamá-Porto Alegre e disse que abriram todas as malas de todos os passageiros.

Junior (JRviajando)
Junior (JRviajando)Permalink

Cheguei de Milão em Cumbica na noite seguinte à "Operação Orlando", ouseja, madrugada do dia 10/01. Chegava junto um voo de Frankfurt e o saguão estava lotado. Minha mãe, minha irmã e eu passamos direto, mesmo com um carrinho aparentando estar "cheio".
E não tinha ninguém sendo revistado lá dentro...

Acho que continua tudo igual. De vez em quando surge uma operação dessas para assustar... wink
Jr.

Renato
RenatoPermalink

Olá a todos. Voltei de Santiago para São Paulo dia 08/01 e tudo muito tranquilo...

Lilian
LilianPermalink

Voltamos de Miami em novembro por Brasília e o fiscal perguntou a todos se havia IPhone ou IPad e o que tínhamos comprado de eletrônicos. Respondemos que havia um PS3 e um Wii e ele liberou a passagem. Mas vimos muitas pessoas tendo que passar pelo raio-x, mas, pelo que percebemos, só foram taxadas nos eletrônicos.

Cristina
CristinaPermalink

Como diz meu chefe, essas medidas são para causar desconforto, conscientizar. Vejo vantagem em que voa de milha e emite em cima da hora como meu marido - você vai para Orlando e volta por Dallas, outro lugar e na hora que te perguntarem de onde você veio - Dallas! rsrs Levar as notas fiscais é uma boa também. E viajar com nada na mala para poder substituir é claro.

Denise Mustafa
Denise MustafaPermalink

Olha, nós voltamos de NY no sábado de manhã cedinho, em Gurarulhos. muitos voos internacionais chegando ao mesmo tempo mas, como nossas malas demoraram mais a sair, qnd passamos pela alfândega tinha pouca gente. Uma mulher indicava quem iria pro raio X. Perguntou se eu e o Claudio estávaos juntos (nós estávamos com 4 malas) e nos mandou pro lá. Nossas malas passaram pelo raio X, mas não pediram pra abrir nem nada. Fomos logo embora. Comprados fora, trazíamos um Ipad e um Iphone, além de uma máquina e um mac book pro, que levávamos daqui do Brasil.
O que mais me revoltou foi ver uma família de 5 pessoas, com 16 bagagens, que pareciam ter prioridade no voo da TAM, com roupas extremamente CAFONAS e que não entraram no raio X. Um funcionário da TAM empurrava as malas, inclusive. passaram incólumes. E certamente tinham MUITAS compras. Pensei: deve ser diplomata, ou algo do tpo. Mas segundo uma familiar que trabalha na Receita, nesses casos, apenas O diplomata teria direito de trazer mais malas. O restante da familia deveria ser revisado. Mas Brasil né....

Patriota
PatriotaPermalink

Denise,

Quanto preconceito e desinformação!

O diplomata e sua família que viviam no exterior e estão retornando ao Brasil não estão submetidos ao limite de 500 dólares, o que, convenhamos, é bastante razoável.

O diplomata que estiver com a família em viagem de turismo deve, na alfândega, receber o tratamento destinado a qualquer outro turista. Não há razão para tratamento diferenciado.

Denise Mustafa
Denise MustafaPermalink

Oi Patriota,
Eu não sei se ele era diplomata. Só usei como exemplo. E me desculpe, mas aquela família não estava retornando ao Brasil depois de viver lá. Eles claramente estavam turistando. O que quis dizer é que MESMO ELE SENDO DIPLOMATA (que não sei se é o caso, só usei como exemplo), a familia INTEIRA deveria ter passado pela alfândega e não foi o que aconteceu.

Não era preconceito nem desinformação. Leia direitinho meu comentário, antes de me ofender, ok?

Obrigada.

Denise Mustafa
Denise MustafaPermalink

Outra coisa, tb pra sua informação: não só o diplomata que vive no exterior não tem o limite dos 500 dólares. Qualquer cidadão brasileiro, que viva há mais de 1 ano no exterior, não está dentro do limite. O que convenhamos, tb é bastante razoável.

Denise Mustafa
Denise MustafaPermalink

Revisado que eu digo é revistado.

Guta
GutaPermalink

Pelo visto, a coisa está 8 ou 80!

Comigo, passei direto, nada! So que com um amigo, em Manaus, também numa volta de Orlando, aconteceu a mesma coisa do Marcio: todo o voo foi para o Raio-X e TUDOOO foi tributado! Inclusive o computador dele, velhinho, mas que ele não estava com a nota! o.O

Ele pagou mas agora está correndo atrás para ser restituido....um rolo só!

João
JoãoPermalink

Oi,

cheguei ontem de Was/Panamá/Galeão e quando cheguei fui ao Duty Free e meia hora depois fui passar, o cara da receita não estava lá, mas o guarda foi chamá-lo, olhou p mim, perguntou de onde tinha vindo, disse que do Panamá, olhou meu passaporte e me liberou. tranquilo...
ah, pelo menos nesse meu voo, a Copa ainda tá distribuindo os papéis mesmo para quem não tem nada a declarar.