Compras no exterior: leitores contam suas passagens pela alfândega na volta

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Receita FederalQuem informou foi o Marcio Nel Cimatti, no twitter d'A Janela Laranja: na madrugada de domingo para segunda (dia 9 de janeiro), todos os passageiros do seu vôo de Orlando tiveram que passar as malas pelo raio-x. E todo mundo acabou tendo que pagar multa e imposto de importação, inclusive sobre roupas. Segundo o Marcio, bastava 10 peças de roupa do mesmo número (mesmo de padronagens diferentes) para caracterizar intenção de revenda, segundo a interpretação dos fiscais da operação.

Não se trata de uma operação possível de ser feita de maneira permanente -- não há espaço nos saguões de desembarque nem funcionários suficientes para fiscalizar, autuar ou mesmo controlar as multidões que chegam nos horários de pico internacional em Cumbica. Mas o que ocorreu aponta para uma mudança radical de postura da Receita, que já podia ser percebida nas caixas de comentário deste post e deste também. A justificativa de "uso pessoal", pelo jeito, vai ser cada vez menos aceita. Não-eletrônicos voltam a fazer parte da cota de compras?

Você viajou nesse fim de ano pra fora? Como foi na volta? Viu gente com várias malas passando incólume? Soube de casos em que os fiscais trataram não-eletrônicos como parte da cota?


Conta pra gente! Obrigado!

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


459 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

Adolfo
AdolfoPermalink

Tudo isso posto, resumo em uma palavra - inspeção aleatória. É humanamente impossível a Receita vistoriar toda a bagagem que chega, aí eles partem para o aleatório. Não sei se com a "reforma" da área de imigração e alfândega em Cumbica se vai ficar mais frequente a tal da inspeção, mas é preciso tomar cuidado.

Adolfo
AdolfoPermalink

Resumo em duas palavras !

Meiriele
MeirielePermalink

Mas o povo deixou todas as roupas com etiquetas? Pq se não tiver etiqueta não tem como caracterizar nunca revenda, ou eles tem essa liberaridade?

Aline Pontes
Aline PontesPermalink

Imposto de Importação não tem relação com "revender", mas sim pela "mera" importação de algo. Qnd se isenta objetos de uso pessoal, são aqueles que compramos pela necessidade de uso no local, se a roupa vem com etiqueta, não foi comprada para uso na viagem, mas sim "importada".

Juliana Milagres
Juliana MilagresPermalink

Cheguei de NY no dia 24/12 pela manhã. Desembarquei no Galeão. Passei muito tranquila pela Alfândega. Estava com 3 malas (uma grande, uma média e uma pequena, que era de mão) cheias de roupinhas e coisinhas de bebê, mas preenchi o nada a declarar e passei direto.
Meu marido passou separado e declarou um eletrônico que ele tinha comprado. As malas dele passarm pelo raio X, e também estavam com algumas coisas de bebê dentro, mas ninguém pediu para abrir nem tributou nada além do que ele declarou.
Achei bem tranquilo.

Claudia
ClaudiaPermalink

Chegamos dia 29.12, no Galeão. Nós nos demoramos um pouco no freeshop e eu percebi que todos os passageiros do nosso vôo estavam passando pelo raio x. Resultado: alguns tiveram que pagar o imposto acrescido de multa. Em compensação, os passageiros do vôo que chegou depois do nosso passaram sem percalços pelo pessoal da alfândega.

Claudia
ClaudiaPermalink

chegávamos de Miami.

leonardo
leonardoPermalink

Aconteceu a msm coisa cmg, fui ao Duty, quando voltei não tinha fila, estava vazio, passei tranquilamente e olha q estava com mala cheia e sacolas do Duty.

Lucas Esposito
Lucas EspositoPermalink

Voltei de Cordoba Argentina(minha terra), passei pela alfandega de Foz Iguaçu, nenhuma pergunta, nada de nada, só apresentação de documentos pessoais, passei para o Paraguai duas vezes, nunca fui parado pela Alfandega Brasileira, logico a do Paraguai nunca para. Ou seja não estão parando ninguem.

roberto costa
roberto costaPermalink

Retornei de Miami, apos fazer um cruzeiro pelo caribe, ha' duas semanas e nao tive problemas e olha que trouxe um monte de mala

Hugo
HugoPermalink

Brasileiro só sofre mesmo. Quando está num país estrangeiro tem que passar o maior sufoco e demora na imigração, enquanto que os nacionais passam rapidamente por guichês expressos.

Já no Brasil enquanto nós passamos o maior sufoco e demora na alfândega, os estrangeiros passam direto.

Ou seja, não importa onde estamos, o fato é que sempre iremos passar pelas piores situações.

Fernanda K
Fernanda KPermalink

Concordo com vc Hugo! E isso que nossos aeroportos são uma vergonha!

Izabel
IzabelPermalink

Cheguei de Madri na madrugada de 08 para 09 de janeiro. Não havia absolutamente ninguém na fila da receita e não fui parada. Cheguei com três malas grandes e duas caixas pequenas.
No final de outubro cheguei de Las Vegas com nove malas muito grandes para quatro pessoas e passamos todos pela alfandega sem qualquer problema.

leonardo
leonardoPermalink

Voltei da França por Guarulhos em um grupo de 7 pessoas, todos declaramos, nd a declarar, pois realmente não compramos nd que pudesse ser declarado ou que passasse da cota. Compramos no Duty Free dentro da cota tb e, mesmo com sacolinhas do Duty a mostra, nem c quer nos pararam ou olharam o formulario do nd a declarar, só os entregamos, e olha que não tinha fila, estavam lah parados.

Nossas malas estavam, visivelmente, muitas cheias pois compramos muitas roupas.

Conclusão: é dar sorte mesmo, tenho amigos que soh viajam com uma uma mochila comum e foram parados !

DabliuA
DabliuAPermalink

Voltei na madrugado do dia 03 (para 04)de Madri (via Salvador) e como sempre acontece por aqui, relax. Alfandega "de boa" e sem maiores problemas. Da minha leva, ninguém barrado e/ou checado. Niente!

Bruno
BrunoPermalink

Foi relax porque veio de Madri. Se fosse de Miami, creio que ia todo mundo pro raio-x. Comigo foi assim no ano passado. Ao menos não implicaram com outra coisa senão eletrônicos. Mas no meu caso, como não trazia nada de excessos (em eletrônicos, diga-se), após a aporrinhação do fiscal, fui liberado. Mas tinha muita gente encrencada.

Flavia Julião
Flavia JuliãoPermalink

Voltei em 09/01 de Nova York,mas com fiz uma parada de cinco dias em Toronto,informei ao fiscal que me abordou estar vindo apenas do Canada.Passei direto, sem problemas.

Daniela
DanielaPermalink

VOLTAMOS DE ORLANDO PASSANDO POR PUNTA CANA SEM PROBLEMA NENHUM, MAS DE QLQUER FORMA TIRAMOS ETIQUETA DE TODAS AS ROUPAS INCLUSIVE DE ALGUNS PRESENTES...MISTURAMOS COM ROUPAS USADAS E VELHAS... SABEMOS QUE AS MALAS FORAM VISTORIADAS PORQUE DEIXARAM UM AVISO...E NADA MAIS...

Letícia
LetíciaPermalink

Voltei da Colômbia, chegando em Guarulhos, eles estavam passando toda a bagagem no raio x, inclusive as embalagens do Free Shop, mas nao vi ninguem tendo que abrir as malas.

Samira
SamiraPermalink

Voltamos de Barcelona, no dia 24 de dezembro e foi super tranquilo. Não vi ninguém sendo barrado, praticamente não tinha fila na saída e o fiscal nem pediu os formulários de 'nada a declarar".

Carlos Henrique Loyo
Carlos Henrique LoyoPermalink

Voltamos ontem de Lisboa para Recife e não vi o fiscal pedir para ninguém entrar no raio x.

O vôo lotado, uma quantidade de malas que não se acabava mais e todo mundo passou tranquilo.

Rodrigo
RodrigoPermalink

Também fiz Lisboa-Recife, só que no meio do ano passado. Eles estavam encaminhando para o raio-x quem tinha uma bagagem de mão e duas ou mais malas grandes. Eu fui um desses, mas só passaram e pronto. Nem me mandaram abrir as malas. O mesmo aconteceu com minha cunhada. Certamente procuravam eletrônicos, mas como não tínhamos, fomos liberados.

Nos voos oriundos de Miami, contudo, sei que o rigor tem sido bem maior.

Guilherme
GuilhermePermalink

Cheguei de NY, via Atlanta, dia 07 no Galeão. Meu voo chegou junto com um de Miami. Ou seja...

Fui um dos sorteados pra passar no raio-x. Pelo que vi, estavam a procura de eletronicos. Casais novos e homens sozinhos (jovens ou senhores) eram o público alvo. Não vi nenhuma familia de 3 ou 4 pessoas com cara de Disney ser parada, não importando a quantidade de malas (a fiscal que fazia a seleçao perguntava, inclusive, com quem a pessoa estava).

Tive que passar as malas e a bolsa de mão, mas não as compras do free shopping e nem sofri revista pessoal. No final, deu tudo certo. Perguntaram apenas se o ipad era velho.

Lena
LenaPermalink

Como faz com equipamento importado que a gente leva na viagem, como por exemplo o iPad? Ainda tem que fazer a declaração de saída?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Lena! Não existe mais declaração de saída. Se o equipamento tiver sido comprado no Brasil, o fiscal saberá que é nacionalizado. Se tiver sido comprado no exterior, na volta pode ser taxado.

Lena
LenaPermalink

obrigada, Bóia! Acabei de ler novamente o post mencionado lá em cima no texto do Riq. Sempre esqueço destes detalhes... Ele fala no outro post "se você não conseguir provar que o equipamento é usado". O meu tá carregado de apps, emails e tal. Mas mesmo assim é bem novo; ganhei em dezembro. O fato de ser usado basta pra não precisar pagar imposto? Preciso decidir se levo ou não na viagem. Gradicida! wink

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Lena! Segundo nossos advogados de plantão, como o PêEsse, um fiscal fuinha pode querer cobrar imposto retroativo, sim.

Lena
LenaPermalink

sad hummm... Obrigada, Bóinha!! Vou deixar o bichinho em casa. Última vez que fui parada faz 15 anos, mas prefiro não arriscar... Bj!

Thiago
ThiagoPermalink

O estranho é que eu comprei meu iPad numa viagem em 2011 por USD 499, ou seja, não passava da cota e por isso pus nada a declarar e saí. Agora para levar meu iPad sem poder declarar, como faz?! Terei que me privar de nova cota? Tirar foto dele com o bilhete de embarque ajuda?! Mostrar a NF do país onde foi comprado? É um absurdo ser subjetivo assim. Não posso levar meu iPad?! Vou em abril para a Alemanha via TAP (volta Lisboa/Fortaleza) e estou preocupado.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Thiago! O que você pode fazer é levar a sua nota de 499 mostrando que você comprou em outra viagem e que estava dentro da cota.

Um fiscal fuinha, porém, poderá taxar.

Alexia
AlexiaPermalink

Voltei de Buenos Aires há poucos dias pelo Galeão(RJ). Fiquei muito tempo no duty free então quando fui passar pela alfândega estava sozinha, os passageiros do meu vôo já haviam passado. Andando distraidamente, entrei na fila de "bens a declarar". Chegando perto do raio-x, os fiscais me apontaram a fila de "nada a declarar" dizendo "é do outro lado". Eu realmente não tinha nada a declarar, mas e se tivesse? Já aconteceu isso com mais alguém?

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Se tivesse você diria ao fiscal que iria declarar e apresentaria a DBA preenchida.

Tânia Corrêa
Tânia CorrêaPermalink

Voltei da Europa, Itália em 03/01/2012 e foi tudo muito tranqüilo. Não pediram nada, não fizeram perguntas e o raio X bem rápido. Isso aconteceu com todos os passageiros que estavam na fila

Pri
PriPermalink

Voltei de NY dia 26.12.11 desembarquei no Galeão com 4 malas, não declarei nada e o fiscal da receita nem olhava na nossa cara, todo mundo passou ileso. Tranquilíssimo!

Vitor Hugo
Vitor HugoPermalink

Cheguei no Galeão no dia 06/12/2011 depois de passar cinco meses dos EUA estudando. Mesmo passando um período relativamente longo, não me encaixo na categoria de residente e as regras da alfândega para mim foram as mesmas de qualquer turista.
Estava com 4 malas (2 grandes, 1 média e 1 pequena), caixa grande com livros e uma mochila. Com todo o tempo que passei lá, comprei muitas coisas, principalmente DVDs ealguns eletrônicos. Com certeza passava da cota, mas resolvi arriscar e não declarar nada. Obviamente fui parado e minhas malas foram para o raio-X. Estranhamente, a agente da receita, que parecia ser bem rigorosa, só pediu para olhar mochila (a única bagagem que não tinha absolutamente nada declarável) e me perguntou o que tinha na caixa (quando falei que eram livros, ela assentiu com a cabeça e me dispensou). Apesar do contratempo, escapei do imposto.

Alex Melo
Alex MeloPermalink

Não sei se Novembro ainda conta como 'há pouco', mas em Novembro estava uma belezinha...todo mundo passando direto e mesmo eu tendo sido obrigado a passar nos raio-x (ficou faltando uma mala enorme, e precisei passar com eles para poder liberar esta mala), mesmo ali ninguem falou nada.

Nós no Mundo
Nós no MundoPermalink

Olá!
No final de ano fomos para Cancun e voltamos pelo Panamá. Descemos no aeroporto de Brasília e foi tudo bem tranquilo.
Não fomos parados, assim como ninguém que saiu antes de nós.

Thiago
ThiagoPermalink

Voltei do Porto, minhas malas não vieram, passei só com a mochila nas costas. Tranquilo tranquilo. depois acharam minhas malas e a entregaram, quebradas, aqui em casa. Estou a ligar hoje para reclamar das malas quebradas, mas sobre a parte da inspeção na alfândega, é bem aleatório mesmo.

Rodrigo Almeida
Rodrigo AlmeidaPermalink

A única mudança que percebemos, foi que o fiscal aqui em Recife, nos olhou com om bem ameaçador e olhou bem nos nossos olhos para perguntar se estava tudo ok?

No mais foi tranquilo...

Ricardo
RicardoPermalink

Cheguei de Buenos Aires em 13/01 via São Paulo, o pessoal passou tranquilo mesmo tendo muita bagagem.

Biazita
BiazitaPermalink

Olá!

Desembarquei em Cumbica dia 12/01 as 10 da manha, de um voo vindo de NY. Ao mesmo tempo tinha outro voo vindo de NY, entáo imaginem a quantidade de malas q as pessoas traziam... Acho q eu era a única viajando com uma mochila nas costas e uma mala M.

Enfim, fui para a parte da declaraçao espontaneamente, pois comprei um iPad (499 dolares) e a capa (39 dolares), q com as taxas do governo americano resultaram numa nota fiscal de 580 dolares, maior do q a cota de 500. Como me recomendaram aqui no site, fui lá declarar pois viajo bastante e não queria ter problemas numa próxima entrada no país com o iPad.

A fila lá dentro estava cheia, na minha frente tinha uma família de 5 pessoas (2 crianças) com umas 20 malas!
Passei minha mala e mochila no raio X, como praticamente não faço compras qdo viajo, só tinha mesmo o iPad para declarar e não me preocupei.

Assim q passei as malas, um fiscal me perguntou o q ia declarar. Mostrei a declaração já preenchida e q tinha dúvidas qto ao valor a escrever no campo, por causas dessas taxas americanas.
Ele pediu para ver a nota do iPad e me disse q o valor seria em cima do preço sem as taxas. Como o iPad tinha sido 499 bruto, não passava do limite e eu não precisava declarar.
Perguntei se não mesmo, pois tinha a capa na mesma nota e daí a soma passaria dos 500. Ele disse q não havia problema, q o valor q importava era o 499. Perguntei se poderia ter problemas futuros, ele me assegurou q o q vale é este valor da nota e pronto.

Não sei se dei sorte, se isso é o certo ou se ele estava apenas me tirando da fila, afinal só iria receber uns 70 reais meus, enquanto haviam mais pessoas 'graúdas' em termos de pagar o imposto.

Achei q valia a pena compartilhar!
Abs!

Biazita
BiazitaPermalink

Agora fico na dúvida: qdo eu viajar novamente e retornar ao Brasil, se alguem me parar na receita federal e eu mostrar a nota mas explicar q trouxe o iPad numa viagem anterior e me liberaram, vão acreditar? O procedimento será o mesmo?

Tem alguma forma de eu me garantir para não ter q pagar o imposto, nesse caso com multa?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Biazita! Leve sempre essa nota com você. É a sua prova de que comprou o equipamento em outra viagem e que não precisou pagar imposto.

Biazita
BiazitaPermalink

É o q eu farei! Afinal, não tem nada mais q possa ser feito.

Em todo caso fica a dica:

- NUNCA tragam coisas nas caixas, além delas ocuparem espaço vcs não terão a desculpa do "é coisa usada..." e isso deixa claro q o bem foi comprado na viagem. O mesmo vale para etiquetas, embalagens e afins.

- SEMPRE tenham as notas fiscais para evitar dor de cabeça.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Para mim isso não prova nada. Quem comprova que você tentou declarar e não foi necessário? É possível declarar QUALQUER produto, inclusive abaixo da cota. Esse é o ÚNICO documento que comprovará a entrada legal no Brasil.

A partir de agora, em todas as viagens que você levar o iPad, já terá sua cota cheia. E, se trouxer mais produtos, correrá o risco de ter que pagar o imposto e multa.

Cris
CrisPermalink

Hummm .... Mas a data da compra constante na nota fiscal não serve como comprovação de que o bem foi adquirido em viagem anterior?

Por exemplo, se a pessoa trouxe numa viagem apenas um iPad de 499,00, e justamente por isso preencheu a guia do "nada a declarar", e numa viagem futura apresentar a nota fiscal comprovando que o bem foi adquirido em viagem anterior, ainda assim esse bem vai entrar na cota da viagem posterior?

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Sim. Como você irá provar que estava dentro da cota na viagem anterior? Por isso digo para sempre declarar, mesmo estando abaixo da cota. Essa será a única comprovação válida.
Cada fiscal age de uma maneira, então o documento oficial é a melhor forma de evitar problemas. Contra um documento oficial não há argumentos.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Gabriel! Este é apenas o pior cenário. Com uma nota de outra viagem há pelo menos espaço para argumentação. Nem todo mundo consegue registrar equipamento isento na chegada; na confusão do atendimento, muitos fiscais dispensam os turistas que estão abaixo da cota, como aconteceu com a leitora.

Gabriel Dias
Gabriel DiasPermalink

Sim, mas eles não obrigados a aceitar. É que muitos viajantes não sabem disso e acabam indo embora. Eu prefiro me precaver do que contar com a boa compreensão do oficial, que dependendo do humor pode criar problemas.

Pedro
PedroPermalink

Estou passando pela mesma situação. De toda forma ocorre o seguinte, o Ipad não é uma ferramenta essencial para minha viagem. Então não vou levá-lo para não ter problemas. Resolvido.

Claudia
ClaudiaPermalink

A lei mudou novamente. Agora não é mais necessário declarar nada se ficar abaixo da cota.

Vc passa direto, mas podem te parar. Se pararem e vc estiver dentro da cota, vc passa direto. Se estiver fora da cota, paga o imposto.

Thiago
ThiagoPermalink

Tem razão. No site da Receita, inclusive, é dito:

"No caso dos bens estrangeiros adquiridos no Brasil, a comprovação poderá ser feita mediante a apresentação da Nota Fiscal, emitida por estabelecimento domiciliado no País;

No caso de bens adquiridos no exterior e trazidos para o País em outra viagem, a comprovação far-se-á mediante apresentação da DBA devidamente desembaraçada, contendo a descrição detalhada do bem;"

Fonte: http://www.receita.fazenda.gov.br/Aduana/Viajantes/ViajanteSaindoBrasilSaber.htm#Bagagem%20Acompanhada%20%E2%80%93%20Procedimentos%20na%20sa%C3%ADda%20do%20Brasil

Lisi
LisiPermalink

Voltei de Miami em novembro, no domingo, depois da sexta feira negra. A alfândega foi a de Manaus, gente foi terrível!
Demorou mais de uma hora para as malas aparecerem na esteira pq a receita federal já estava passando pelo raio x. Algumas malas já vinham etiquetadas, com uma fita, nesse caso os agentes da receita já mandavam para a revista. Tributaram tudo, roupa, creme, enfim, se vc voltar por Manaus nessa época, sugiro declarar tudo e ainda contar com a sorte!

Laura Dedino
Laura DedinoPermalink

Voltamos de Miami no dia 30/12/11 via aeroporto de Manaus que eh um caos, éramos 2 casais e somente 1 foi parado, porém pegaram o iPad (inclusive o de usd 499) e acrescentaram a capa e um relógio novo de usd 100 ( relógio entra na cota ?). Mais de 20 pessoas foram paradas, perdemos a conexão porque não conseguíamos efetuar o pagamento (caixa eletrônico com problema, banco fechado,etc)...até o laptop da receita foi usado. Presenciamos muita desorganização.

Priscilla
PriscillaPermalink

Eu tive sorte. Cheguei ontem de Las Vegas e foi tudo tranquillo. Ao mesmo tempo chegaram mais voos dos Estados Unidos. Tinha muita gente parando no raio x, mas no meiu caso, mesmo com duas malas e uma mochila bem cheias, o fiscal da receita mandou eu sair e nem quis pegar meu papel de declaração...
Não que eu tivesse nada a ser tributado, nao tinha. Comprei cosméticos, algumas roupas e uma filmadora cujo valor era inferior a 500 dólares. Mas vai entender qual o criterio deles...

abs,

www.prifiorin.com.br

MARIA EUGENIA DE AZEVEDO

Olá Priscila,
li seu comentário e gostaria de saber em qual aeroporto voce desembarcou?
Gostou de Las Vegas? Eu estou indo pra lá dia 10/02 e se voce tiver alguma dica legal de compras,e o que vale a pena ver ou não, aceito recebe-la!!!rsrsrs
grata,
Maria Eugenia

Ana
AnaPermalink

Oi, Maria Eugenia!

Sei que perguntou para Priscilla, mas vou me meter, ok? rs

Dê um pulinho em uma rede de lojas chamada ROSS (Dress for Less). Lá você encontrará muitas coisas de marcas famosas por um bom preço. Se estiver precisando de mala, leve só uma daqui e compre a outra lá. Vale a pena. Há tantas lojas para comprar sapatos, roupas e acessórios que vc nem vai conseguir ir a todas... rs Vale muito a pena comprar tênis, mas eu só compraria para quem estivesse lá e experimentasse. Aquelas tabelas de conversão dos números nem sempre dão certo.

Se gosta de comprar roupa de cama e toalhas, dê uma olhada no Walmart, mas cuidado com o tamanho. Há muita coisa para camas Queen Size e King Size. São produtos de qualidade por preços baixos. Se quiser comprar brinquedos, dê uma olhada no Walmart também. Comprei Bakugan lá, na época, por menos de 1/3 do preço daqui do Brasil.

Para eletrônicos, a Fry's estava com preço melhor quando fui.

Perfumes: às vezes vale mais a pena comprar no free shop. Veja o preço no site do free shop e, chegando lá, some o imposto e calcule onde é melhor comprar. Caso decida comprar no free shop, reserve!

Victoria's secret e outros cosméticos: compre lá! Há promoções ótimas. Não deixe para comprar no free shop.

Vá a uma rede de farmácias (conheço a Walgreens, mas há outras) e veja o preço de vitaminas. São baratíssimas!

Compre chocolates no supermercado. Muito mais barato que no free shop. Visite a loja M&M's, mas resista à tentação. Achei tudo mais caro lá. rs

Veja tudo que for de graça nos cassinos: piratas no e vulcão no Treasure Island, fontes do Bellagio (show imperdível à noite), estátuas falando no the Forum Shops...
Gostei do Secret Garden do Mirage, mas achei que o Shark Reef (no Mandalay Bay) não vale a pena (atrações pagas). Tente ir a um show do Cirque du Soleil (há vários).

Amei o museu de cera (madame Tussaud's). Pegue revistinhas que distribuem na rua. Às vezes, há bons descontos para as atrações.

Quantos dias ficará lá? Se for uma semana, talvez seja legal tirar um dia e fazer uma excursão ao Grand Canyon.

Sabe algo que não me impressionou tanto? As capelas... Sério... Mas cruzei com noivas na rua e na balada! rs

Faça uma ótima viagem!

Patricia Basso
Patricia BassoPermalink

Acho que o alvo maior deles é Orlando, New York, Miami, etc. Já fui para a Europa e na volta nem quiseram olhar nada, enquanto que, quando volto dos EUA (principalmente os estados acima) eles vem igual a abelha no mel... Isso tudo poderia ser evitado se aqui no nosso país os impostos não fossem tão absurdamente altos encarecendo tudo. Faríamos turismo igual aos turistas de países que tem carga tributária decente, sem precisar ficar comprando como compramos!!! Os preços aqui são vergonhosos demais!!!!

Isa
IsaPermalink

Nesse caso é só dizer que tá vindo do Chile smile

Lidia Goncalves
Lidia GoncalvesPermalink

Cheguei 06/01 na hora do almoco vindo de Washington no Galeao. Já nao precisava mais entregar o papel de nada a declarar e passei direto. Nao fui parada e nao vi niguem sendo parado. Ate estranhei porque já tinham me avisado que eles estavam abrindo todas as malas... vai saber... as vezes eles so param os voos vindos de miami...

Fabiane Teixeira
Fabiane TeixeiraPermalink

Em nossas duas viagens a Miami, não tivemos qualquer problema no desembarque, no momento da Alfandega.
E chegamos com as malas bem cheinhas.....
Acredito que seja uma operação mesmo.... Eles não estão preocupados com turistas que se "excedem" um pouco nas compras... mas sim, com aqueles que realmente ganham dinheiro no Brasil, com as compras nos EUA.

Sônia
SôniaPermalink

Hola! Acabei de retornar das minhas férias em Montevideo e Santiago, não tive nenhum problema na alfândega, mesmo com uma mala de mão e também com uma sacola do Duty.

Luanna
LuannaPermalink

Cheguei com minha família dia 03/01 vindo NY...
Junto mais 02 vôos dos EUA.
Todo mundo passou por raio X...um caos...eu tive que pagar por um IPAD.
Os fiscais não estavam perdoando NADA, nem carrinho de bebê.
Minha sorte e que meu note tinha saída antiga senão acho que até ele dançava.
Na boa...acho que deveria ter uma mobilização na internet para cota de U$ 1.000,00 dolares, a quanto anos a cota e de U$ 500,00 ? esta cota somente serve paara achacar quem viaja.

Flavia Julião
Flavia JuliãoPermalink

Luanna, o problema é... se a quota subir para U$1.000,00 , vai ter gente voltando com mais, muito mais...é um círculo vicioso. Agora, sou a favor de mobilização SIM, geral da nação, para baixar os impostos aqui dentro, de modo geral, para que empresas estrangeiras possam vir para cá, produzir a um preço justo e competitivo, vender a preços mais justos ainda e ter lucro!

Vanessa
VanessaPermalink

Voltei de madrid domingo (15/12) num voo da airchina, desembarcando em guarulhos. Todos estavam passando pelo raio x, mas só vi um fiscal abrindo a mala de um chines. Eu estava com o meu marido e somente 1 mala para nós 2. Quando ele viu que só tinhamos 1 mala, perguntou de onde vinhamos. Respondemos madrid e ele pediu para continuarmos na fila. Somente qdo estavamos mto perto do raio x, ele perguntou novamente e nos liberou.

André R
André RPermalink

Colegas,
Gostaria de comentar o seguinte sobre tudo que li por aqui...náo é que nao quiseram recolher a Declaracao, ela já NÁO É MAIS NECESSARIA para quem nao tem nada a declarar. O free-shop ja tem a venda controlada, portanto, nao significa nada!A quantidade de malas também nao significa muita coisa para os fiscais, quem é muambeiro profissional traz pouca mala justamente pra tentar escapar, e parece que é esse o objetivo: náo atrapalhar o turista, evitar somente o abuso, pegar mesmo os muambeiros que tanto atrapalham quem é honesto nesse país. Na minha volta da Italia no final do ano passado, vi a prisao de um passageiro com drogas !

Stefano
StefanoPermalink

De Roma, 7 da noite de 4a feira, não tinha uma alma viva na Alfândega...

Felipe
FelipePermalink

Voltei de MIAMI no final de outubro/2012 por POA (parei no PANAMÁ) e fui "pescado" pro raio x. Muitos do voo passaram direto.. mas pararam pelo menos 15 pessoas.. no final tive que pagar R$220 por um notebook..

Meus pais voltaram da mesma viagem por Fortaleza e falaram que o vôo INTEIRO foi pro raio-x e multado.

CRISTINA PAIVA
CRISTINA PAIVAPermalink

Cheguei de Bogotá via Panamá em Brasília dia 17-01 e o vôo tinha muita gente vinda de Miami e Nova York....resultado pra quem estava com muita mala ?? Inspeção..demorada !! Para mim perguntas básicas e falei que estava vindo da Colômbia. Tudo rápido mas em compensação minha mala demorou 1 hora para aparecer na esteira.Já tinha certeza que tinha sido extraviada. Um fiasco ....

Maickel
MaickelPermalink

Cheguei de Miami ontem 9 da manha pelo aeroporto de Guarulhos. Outros voos internacionais chegaram no mesmo horário, portanto várias pessoas no duty free e na alfândega.

Não vi ninguem da Receita por lá e passei direto. Éramos 4 e todos com eletrônicos e roupas. Tudo certo.

Daniela
DanielaPermalink

Chegamos ontem de Bs As, no Galeão por volta de meia-noite. Não tinhamos excedido a cota, nem muitas malas, mas meu marido trouxe uma ferramenta para sua oficina, a qual pesava cerca de 8kg. Achamos que podíamos ser parados por conta do volume de metal dentro da mala, mas nada aconteceu (se eu fosse da alfandega eu teria pedido para ver a mala que trazíamos). Bolsas do freeshop do Brasil e da Argentina penduradas, 3 malas e 3 malas de mão.
Passamos rapidamente pela imigração, e na saída da alfândega tinha apenas um vigilante falando ao celular e mandando todo mundo passar direto. Tudo muito rapido e tranquilo.

marta
martaPermalink

Fui a Portugal e logo em seguida a Montevidéu e em nenhuma das voltas olharam para mim e muito menos para minhas malas...

Rosario
RosarioPermalink

Olha, eu fui parada em setembro na volta de Miami junto com todos os passageiros do meu vôo. Só alguns tiveram qeu paga, eu era uma entre esse. Conclusão perdi minha conexão, pois o caixa eletrônico não funcionava e tive que pagar usando a internet da própria receita, mas como era sábado só dava para agendar o pagamento do DARF e tive que mostrar ao fical que eu tinha saldo na conta, pois ele disse que eu poderia dar calote...
Enfim, tenho várias pessoas amigas que tem tido experiencias semelhantes ou até piores, tipo de nem abrirem a mala e darem um valor aleatório para pagto de multa. E se vc protesta falando que só tem roupa, taxam a roupa, mesmo sendo para uso pessoal.
O problema é que a coisa é muito incerta. Depende do fiscal que vc encontra pela frente. Acho ridícula a cota de $ 500, a quantas décadas a cota é a mesma. Não existe inflação?!?!? Acho que tem tido muitas reportagens sobre compras no exterior e o que acontece é que os comerciantes devem estar fazendo uma pressão em cima do governo.

Alan Silveira
Alan SilveiraPermalink

Me ajudem ae, volto de NY pro Brasil na semana que vem com previsão de chegada as 10:00 do Brasil. De eletrônicos, volto com 1 iphone 4s de 706 dolares e 1 ps3 de 450 dolares. Nesses preços já embuti a taxa de NY que é de 8,875%. Algumas dúvidas:
1) Caso seja parado pela alfandega, eles consideram apenas o preço do equipamento da nota fiscal ou com a taxa de NY junto. Por exemplo: só o iphone custa 649 dolares mas com a taxa de NY ele foi pra 706. Eles tributam pelo 649 ou pelos 706 ?
2) Vim com visto de estudante pois ficarei 1 mes estudando. Ouvi em alguns sites, que para tentar que o notebook não seja tributado como compra, poderia tentar alegar que ele foi presente de um amigo da escola aqui dos EUA ou que ganhei ele no Brasil de um colega que viajou recentemente pros EUA ou ainda pq comprei afins de estudo por causa da escola. Será q alguma dessas desculpas colam ? Alguém ja tentou ou sabem alguma melhor pra passar com notebook ? Ja joguei fora as caixas e ja venho usando ele ao longo do tempo aqui.
3) Estava pensando em comprar uma filmadora daquelas pequenas da sony q aqui esta por uns 220 dolares. Ouvi dizer em um blog, q como elas tiram foto tbm pode ser enquadrada como maquina, assim nao entrando na cota dos 500 dolares. Só que ja trouxe a minha maquina digital do Brasil q é mais simples. Será q da msmo ? Alguem ja tentou ?
4) Ouvi dizer também, não sei se é verdade, que se você cobrir os eletrônicos da mala com papel aluminio, o raio-x da alfandega não pega. Parece que reflete ou algo do tipo mas não tenho certeza. Alguém ae sabe se isso é verdade se ja tentaram ?
5) Pro pessoal que ja desembarcou no aeroporto de Guarulhos de SP, quanto vocês acham que é + ou – a proporção das pessoas q são paradas na alfandega ?
Ouvi dizer por um amigo q acabou de voltar pro Brasil q os fiscais ficam mais de olho nas pessoas que vem com muitas malas e q ficam nervosas na fila.
6) Sou viciado em games e gostaria de levar varios jogos pro Brasil pq aqui vc compra jogos por ate 20 dolares mas estou meio com medo pois nao sei se os jogos entram em tais cotas. Alguem sabe se jogos de games entram tambem ? Pq nesse caso, creio q eles seriam categorizados da mesma forma como filmes e seriados né ?
Bom, essão são as minhas dúvidas e acredito q de mais gente daqui do blog.
Parabéns pelo site pois já acompanho algum tempo e sempre me ajuda com belas dicas.

Milton Lucio
Milton LucioPermalink

Ola Alan,
tentando responder as suas perguntas:

1)Tecnicamente e teoricamente, as taxas (sales tax) NÃO entram no cálculo do imposto ou da quota. Somente o valor do bem, que vem discriminado na "etiqueta". Por exemplo, um ipad 16 GB representaria US$ 499,00, um console PS3 160GB US$ 249,99, e por ai vai.
A boa noticia é que o iphone (ou qualquer outro celular, sendo 1 por pessoa) não entra na cota nem será tributado, desde que tenha sido "usado" na viagem. Ou seja, jogue fora a caixa, tire algumas fotos com ele, instale uns apps, coloque um chip pre-pago, e voilá, seu iphone foi usado!
(mas caso vc traga mais de um, teria que declarar o segundo, mas somente o valor de US$ 649,00)

2)Sinceramente, acho que não cola, a não ser que voce tivesse uma nota fiscal que comprovasse isso ou se o note estiver bem "surradinho" (arranhões,teclas meio apagadas, etc.) que comprovasse ser usado. Mas tambem depende muito do fiscal... O mais seguro mesmo seria declarar, ate mesmo porque mesmo considerando o imposto a ser pago, ainda assim sairia muito mais barato do que um note comprado aqui no Brasil. Por exemplo, um MacBook de 1200,00 dolares, recolheria 350 dolares de imposto, totalizando 1550 dolares. O mesmo Macbook aqui custaria no minimo uns R$ 3600,00...
Se vc não declarar e o fiscal encrencar, poderá te multar, e então a conta da receita passaria para 700 dolares (no caso do Macbook hipotetico), totalizando 1900 dolares, o que diminuiria bastante a vantagem de ter comprado mais barato lá...

3)A regra em vigor isenta 1 (uma) camera fotografica, mas não 1 (uma) filmadora. Esta regra é incoerente, pois praticamente toda maquina fotografica tambem é uma "filmadora". E tambem porque permite você trazer uma camera fotografica profissional de US$ 3.000,00 sem entrar na cota (desde que usada na viagem), mas não uma filmadorazinha de 200 dolares... O correto seria tambem declarar, para não depender de uma interpretação "subjetiva" do fiscal.

4)Tambem não sei se é verdade, mas o que eu vi de fato ocorrer bastante é que na duvida, na inspeção do raio-x, os fiscais mandam abrir e revistam a mala... então, não arrisque !

5)Depende.Depende.Depende... Depende dos fiscais que estao de plantao, depende do movimento e fluxo de passageiros, depende do momento (ferias, Natal, "operacao padrao" da Receita), depende da origem dos voos (voos procedentes de Miami, Orlando e NY são os mais visados), depende da conjunção dos astros..., enfim, não ha como prever. Um dia pode estar tranquilo e no dia seguinte vai todo mundo pro raio-x! Em Guarulhos, ja passei pelos 2 extremos (todo mundo "liberado" e todo mundo inspecionado). Na ultima vez, o fiscal selecionava aleatoriamente, na proporção de 3 passam e 2 são inspecionados. É claro que pouca bagagem e não demonstrar nervosismo ajuda, mas não é garantia de que não será inspecionado.

6) Teoricamente, os jogos (games)tambem entrar na cota. Não entram na mesma categoria de produções culturais, como musica, filmes, etc, ainda que utilizem a mesma midia (blu-ray). Ou seja, se voce comprar 10 jogos de USD 29,90 naquelas promoções da Gamestop, teria que declarar USD 299,00 na sua DBA. Na pratica, nunca declarei, e nem mesmo nas vezes em que fui inspecionado fui cobrado por eles. Os fiscais estavam mais preocupados com eletronicos de alto valor, como notebooks, equipamentos de som, bluray, etc... mas, o certo mesmo seria declarar, caso estejam encrencando na alfandega...

Por ultimo, de uma olhada tambem neste video explicativo elaborado pela Receita.
http://www.receita.fazenda.gov.br/Aduana/Viajantes/Videos/regras_bagagem.html
Não esclarece todas as duvidas, nem terminará com os criterios subjetivos usados por alguns fiscais, mas já traz alguma luz. Por exemplo, peças de vestuario (roupas, calçados, etc) só não são passiveis de tributação caso tenham sido utilizadas na viagem.

Espero ter ajudado.

Frederico
FredericoPermalink

Eu estava voltando da França com uma mala média e uma caixa de vinhos. Na hora de entregar o Nada a Declarar a Agente da Receita me perguntou o que eu tinha na caixa, quando eu disse que se tratava de vinhos ela me perguntou quantas garrafas( eu estava no limite de 12 litros ou 16 garrafas) e imediatamente me mandou ao RX. Pediu para eu abrir as caixas e mostrar as notas fiscais. Para algumas garrafas eu nao tinha mais as notas mas nao se tratava de vinhos caros. Para 6 garrafas eles não aceitaram a nots fiscal que eu mostrei, disseram que não estavam no padrão( Comprei direto do produtor na França). Eles usaram como referencia para calcular o imposto um site chamado de wine-searcher.com que tem preços muito mais altos do que eu paguei. Em nenhum momento eles me disseram qual foi a politica de preços adotada, os valores empregados e descritivos. Me apresentaram apenas o valor final do imposto. Refazendo as contas cheguei a conclusao que excedi a cota em 100 dólares e gastei uma hora lá dentro. Compreendo que eles tem o dever de ficalização alfandegária mas nada do que ocorreu foi transparente além dos funcionários serem MUITO mal educados.

Cynthia
CynthiaPermalink

Oi Boinha e tripulantes! Adoro este site. A conclusão de tudo é que vai da cabeça do fiscal? E aquela regra que podíamos voltar com 1 note, 1 relógio, 1 telofone e 1 máquina, não vale mais? Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Cynthia! É menos do que isso: uma câmera, um celular e um relógio. wink Leia aqui: https://www.viajenaviagem.com/2011/10/compras-no-exterior-conheca-limites-isencoes-e-impostos/

Amaro - Recife
Amaro - RecifePermalink

Cynthia,

o note não pode. O resto está liberado, mas devem ter sido usados na viagem. Dá uma olhada no link da receita que o Milton Lúcio postou logo aí em cima.

Cynthia
CynthiaPermalink

Obrigada, aí eu choro...

Rubens
RubensPermalink

Olá.....E qto a suplementos alimentares e produtos esportivos, como funciona?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Rubens! Vai depender da quantidade de muamba e do humor do fiscal smile

Tente não trazer mais do que 10 de cada tipo e reze grin