Rio: na Pedra do Sal e no Andaraí, 2a. é dia útil pra cair no samba

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Pedra do Sal, Rio

Estou passando uma temporadinha no Rio de Janeiro (pena que está acabando, snif) e tenho aproveitado para fazer alguns programas que meus amigos descolados sempre recomendaram, mas nunca encontrei tempo para conferir. Ainda não foi desta vez que fiz todos, mas já deu para ticar alguns da lista. Vou dar o serviço aos poucos. Hoje é a vez de uma dica que transforma o início da noite de segunda-feira num dia muito mais divertido que qualquer domingo: as rodas de samba da Pedra do Sal, no Centro, e do Samba do Trabalhador, no Andaraí.

--> Pedra do Sal: berço do samba carioca escondido no centro do Rio

Pedra do Sal

[Largo João da Baiana, Pedra do Sal]

Eu já tinha ido duas vezes à Gamboa -- mais especificamente, ao Trapiche Gamboa, que é um lugar que adoro. (Na última dessas visitas, notei que a boate gay The Week fica a meia quadra de distância, na calçada em frente.) Mas sempre fui de táxi, e à noite, e sem ter olhado antes no Google Maps; e por isso achava que aquilo ficava numa lonjura que só.

Que nada: a Gamboa e sua vizinha Saúde ficam bem no centro da cidade, no finalzinho da avenida Rio Branco. Ou melhor: no comecinho da avenida, onde está o edifício Rio Branco 1, um prédio modernoso que é a melhor referência para um visitante. Do outro lado da calçada já está a Praça Mauá e, para além dela, a zona portuária.

Rio Branco 1MAR, Museu de Arte do Rio

[Edifício Rio Branco 1 e tapume do MAR]

A região está toda em reforma, por conta do projeto Porto Maravilha. Ali mesmo na Praça Mauá vai funcionar o MAR, Museu de Arte do Rio. Promete-se até a demolição do elevado da Perimetral, o equivalente carioca do Minhocão paulista. A rua Sacadura Cabral, que leva aos bairros da Saúde e Gamboa, virou um canteiro de obras.

São Francisco da PraiaPedra do Sal

[Ladeira para a igreja de São Francisco da Praia; graffiti na Pedra do Sal]

O casario por ali é lindo -- mas está, em grande parte, decrépito. Pegue qualquer ladeirinha à esquerda e você subirá ao Morro da Conceição, lugar bucólico com ruas de nomes engraçados, como Ladeira do João Homem e Rua do Jogo da Bola. Para chegar à Pedra do Sal, basta se manter no plano, enveredando da Sacadura Cabral para o Largo de São Francisco da Prainha; quando a rua acabar, você vira à esquerda e terá chegado ao Largo João da Baiana, nome oficial do lugar.

Originalmente a Pedra do Sal servia como local de desembarque de carregamentos de sal. O mercado de escravos também ficava por ali. Conhecida por "Pequena África", a região sempre foi densamente povoada por negros; abrigou um quilombo e muitos terreiros de candomblé. O samba, em seu formato carioca, foi gestado naquelas bandas; o primeiro bloco de carnaval também.

Roda de samba da Pedra do SalRoda de Samba da Pedra do Sal

[Roda de Samba da Pedra do Sal]

Toda segunda-feira uma roda de samba celebra as tradições do lugar. Um mesão é montado ao pé da pedra e os músicos vão se revezando nos instrumentos. Só a música é amplificada; a cantoria é no gogó mesmo.

Roda de Samba da Pedra do SalRoda de samba da Pedra do Sal

[Roda de samba da Pedra do Sal]

Reconheci pouquíssimas músicas, mas o pessoal que freqüenta conhece e canta junto. Uma felicidade. O suprimento de cerveja é bem organizado: 3 fichas de latão por R$ 10. E não se paga nada para ouvir ou sacolejar.

Angu do GomesAngu do Gomes

[Angu do Gomes]

No largo há uma baiana de acarajé. Mas se quiser quitutes mais cariocas, passe antes ou depois do samba no Gracioso, um venerável botequim ali pertinho, na Sacadura Cabral, ou faça como eu: encare o angu no Angu do Gomes, no Largo de São Francisco da Prainha.

Em priscas eras havia um esquadrão de carrocinhas vendendo o Angu do Gomes pela cidade. Pedi a preparação tradicional -- o angu (de boa consistência, só um pouquinho mais ralo que uma polenta mole) com miúdos de boi, servido numa tigela de alumínio (muito barato: R$ 11). Estava uma delícia. Mas você pode pedir o seu angu com carne moída ou lingüiça, que eu não fico ofendido grin


Visualizar Segunda-feira no Morro da Conceição em um mapa maior

Roda de Samba da Pedra do Sal. Largo João da Baiana, Saúde, zona portuária do Rio. Toda 2a. feira a partir das 19h (consulte o blog da roda de samba para eventuais cancelamentos). Grátis. Como chegar: as duas estações de metrô mais próximas são Uruguaiana (na avenida Presidente Vargas) e Carioca (na avenida Rio Branco). A Carioca é mais longe mas o caminho é mais civilizado; recomendo.

--> Samba do Trabalhador: batendo ponto no Andaraí

Samba do Trabalhador

[Samba do Trabalhador]

"Mas vocês só dão dicas da Zona Sul" -- eis a reclamação mais comum que um guieiro ouve sobre o que escreve do Rio de Janeiro. OK, crítica aceita. Vamos começar a nos redimir, então.

Estando numa segunda-feira no Rio, tome um táxi no fim de tarde para o Clube Renascença, no Andaraí (ou no Grajaú, ou mesmo em Vila Isabel, dependendo da perspectiva ou do grau de exatidão geográfica adotado pelo seu interlocutor). Ali, desde 2005, o compositor Moacyr Luz, integrante da crème de la crème -- ou melhor, do caldinho do caldinho -- do samba carioca realiza todo início de semana o Samba do Trabalhador.

O nome vem do fato de segunda ser o dia de folga dos músicos, que passaram o fim de semana na ativa, e então poderiam usar a segunda para tocar só o que gostam e se divertir entre amigos.

Clube Renascença, AndaraíClube Renascença, Andaraí

[Clube Renascença, Andaraí]

A roda de samba começa ao entardecer e acaba antes das 10 da noite. Chegamos às 15 pras 7 e ainda conseguimos uma mesa. Mas o lugar só encheu mesmo -- e a pista só se animou de verdade -- lá pelas 8.

Moacyr Luz canta e recebe convidados -- na nossa segunda apareceu o Almir Guineto. (Ah, sim: aqui o cantor também tem direito a um microfone.) Reconheci muitos sambas e cantei junto. Me esbaldei.

Samba do TrabalhadorSamba do Trabalhador

[Samba do Trabalhador]

Como evento, o Samba do Trabalhador é bem diferente da roda de samba da Pedra do Sal. Na zona portuária o samba é autêntico mas o clima é meio alternativo-hipster; já no Andaraí você se sente numa festa de bairro. É muito bacana ver o pessoal arrumado (da próxima vez vou me arrumar um pouquinho também).

Tem acarajé e um bar que vende caldinhos, pastéis e aperitivos de botequim. Pra consumir tem que pegar ficha.


Visualizar Samba do Trabalhador em um mapa maior

Samba do Trabalhador. Clube Renascença, rua Barão de São Francisco, 54 (travessa da avenida Maxwell), Andaraí. Toda 2a. das 17h às 21h30. Ingresso: R$ 10. Como chegar: um táxi da Zona Sul vai dar entre R$ 35 e R$ 40. Dá para ir de metrô até a estação Saens Peña e lá pegar um táxi.

Leia mais:

Guia do Rio de Janeiro no Viaje na Viagem

Fotoblog: Trapiche Gamboa

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


25 comentários

Paula*
Paula*PermalinkResponder

Destrinchando o melhor do Rio!
Praticamente um carioca, Tchê!
Adorei o post! wink

Majô
MajôPermalinkResponder

Concordo Paula, Riq já é um carioca honorário lol lol lol
Há um tempo que quero ir ao Morro da Conceição e acaba dando preguiça.

Marília Marconi

Assino embaixo da indicação para receber a chave da cidade! wink

Amélia
AméliaPermalinkResponder

Adoravelmente carioca!!!

Marília Marconi

Eita post bão! Zona norte + samba!!! smile
Pra quem não puder ir na segunda, mas estiver nas redondezas e quiser aproveitar as indicações de lugar:
No Largo de São Francisco da Prainha também rola, uma sexta por mês, o ensaio do bloco Escravos da Mauá (quando chega o verão e se aproxima o carnaval, os ensaios passam a ser mais frequentes, às vezes rola toda sexta).
E no Renascença também tem samba aos sábados, mas sem o charme do Samba do Trabalhador...

andre urso
andre ursoPermalinkResponder

Já foi no ensaio do Cacique de Ramos, lá em Ramos? Então, vá nego. É muuuuuito bom!

Eunice
EunicePermalinkResponder

Riq, o samba nasceu na Pedra do Sal? Por aqui se diz que o samba nasceu na Bahia...A wikipedia repete isso: http://pt.wikipedia.org/wiki/Samba. eek)

Claudia Matoso

Ótimo post Riq! Quando você fala do angu com miúdos de boi, lembrei da outra metade da excursão (ótima tirada, lá dos tempos do tour europeu), que deve ter pedido o dele com uma carne mais tradicional. smile

Leandro
LeandroPermalinkResponder

@eunice --> "Apesar de existir em várias partes do país - especialmente nos Estados da Bahia, do Maranhão, de Minas Gerais e de São Paulo - sob a forma de diversos ritmos e danças populares regionais que se originaram do batuque, o samba como gênero musical é entendido como uma expressão musical urbana do Rio de Janeiro, onde esse formato de samba nasceu e se desenvolveu entre o final do século XIX e as primeiras décadas do século XX"

Eunice
EunicePermalinkResponder

Leandro. Antes do paragrafo que você cita, tem este: "Dentre suas características originais, está uma forma onde a dança é acompanhada por pequenas frases melódicas e refrões de criação anônima, alicerces do samba de roda nascido no Recôncavo Baiano[4] e levado, na segunda metade do século XIX, para a cidade do Rio de Janeiro pelos negros que trazidos da África e se instalaram na então capital do Império. O samba de roda baiano, que em 2005 se tornou um Patrimônio da Humanidade da Unesco,[5][6] foi uma das bases para o samba carioca". Outro dia assisti a um documentário num desses canais internaconais que também dava essa mesma versão.

Ricardo Freire

Eunice, acrescentei o adjetivo "carioca" ao samba mrgreen

Eunice
EunicePermalinkResponder

"gradecida"...eek) quando tiver um tempinho ouça "batatinha sambista" no youtube que a carinha vai ser de alegria...eek)

Eunice
EunicePermalinkResponder

E Vinicius cantava assim: "Porque o samba nasceu lá na Bahia/ E se hoje ele é branco na poesia/Se hoje ele é branco na poesia/Ele é negro demais no coração."

Julio Cesar Corrêa

Ric, pensei que o Gracioso houvesse sido desapropriado. Sempre foi o meu favorito na região. O carnaval no São Francisco da Prainha também é animado. Que bom ver que o Renascença - onde na década de 70, tive o prazer de conhecer gente como Clementina de Jesus - ressurgiu das cinzas.
abração

Eunice
EunicePermalinkResponder

Neste blog aqui encontrei a história como sempre me foi contada: http://musicaemprosa.musicblog.com.br/235937/O-Samba-Nasceu-na-Bahia/

Clara
ClaraPermalinkResponder

Riq, adorei - além de tudo - o detalhe da perspectiva de quem orienta: Andaraí/Vila Isabel/Grajaú. Aquela área é disputadíssima!

Eu, por exemplo, estudei (faculdade)em Vila Isabel. Se caminhasse 50 metros numa direção, estaria automaticamente no Maracanã, se caminhasse 100 metros no sentido oposto, já estaria na Tijuca, mas isso não seria consenso entre os meus colegas. smile

Ed
EdPermalinkResponder

VnV com pedigree (e, quem sabe, com inspiração de Seth Kugel).
Otimo.

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Nunca fui a nenhum dos dois mas sou carioca - e o Riq também com essa temporada, ganha a chave da cidade! O que mais gostei do post foi essa frase: "Reconheci muitos sambas e cantei junto. Me esbaldei." Se no outro você não conhecia as músicas mas todo mundo cantava, essa você deve ter ficado como numa boa expressão carioca (será?) "um pinto no lixo." (quando a gente se esbalda até não acabar mais rsrsw) muito legal!!!

Carla2
Carla2PermalinkResponder

E o Riq continua desafiando seu pobre estômago....

Meilin
MeilinPermalinkResponder

Pra selar a paz entre os sambas da Zona Norte e da Zona Sul; e ainda agradar os pobrezinhos perdedores de vôos do SDU às sextas, tem o Samba Luzia, grudadinho no aeroporto. A roda de samba acontece no Clube Santa Luzia, mais precisamente, na laje do clube, e tem uma programação maravilhosa de Monarco a Teresa Cristina. Portanto se você perdeu seu voo na sexta feira, relaxe, entre no Samba Luzia, peça um balde (balde mesmo, desses de faxina) cheio de cerveja, escute o samba da melhor qualidade e aprecie um popurri dos nossos cartões postais com a Igreja da Glória, o Monumento aos Pracinhas, o relógio da Central e até o Pão de Açúcar ao fundo.

Jackie
JackiePermalinkResponder

Riq tá mais carioca que os cariocas =)
bjs,

Leandro
LeandroPermalinkResponder

O Rio de Janeiro sente a sua falta e retribui com alegria suas visitas. Volte mais vezes!

jorge fortunato

Ricardo
Vc fez o melhor dos programas cariocas. Pois está visitando o que chamo de "Rio profundo". É o Rio poético do largo de São Francisco da Prainha. Gosto muito da Gamboa, Saúde e já fiz duas vezes meu aniversário no Trapiche Gamboa, uma casa que dispena qualquer comentário. Já o samba do trabalhador, que aconte às segundas eu nunca fui, por motivos óbvios: o trabalho.
Abraço e continue mostrando para seus leitroes o "Rio profundo"

Luciana Neiva
Luciana NeivaPermalinkResponder

Que bom que deu tempo de ir até o Morro da Conceição! Grandes dicas, belo post. Nem eu conhecia o Samba do Trabalhador. Fiquei com vontade de ir... Beijo, Luciana

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar