Como escolher restaurante em viagem

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Panela Mágica, Goiânia

Companheiros, eu já fui assim. Saía para viajar já com todos os restaurantes do percurso devidamente pesquisados -- alguns até reservados. Inventava viagens em torno de restaurantes. Fazia questão de matar tantos restaurantes badalados quanto pudesse, misturando estrelados no Michelin com incensados nas revistas metidas.

Parei. Primeiro, porque deixei de ser rico grin Mas também porque, em 2008, fiz uma viagem realmente transformadora. Passei três meses entre 8 grandes cidades da Europa (terminando em Nova York)  alugando apartamentos. Ao alugar apês, a vizinhança imediata de onde eu estava hospedado adquiriu uma oooutra importância. E de repente comer naquele restaurante simpático da outra quadra que chamou minha atenção quando passei ficou mais divertido do que conseguir reserva em restaurante top.

Desde então tenho confiado mais no meu taco, com um índice bem aproveitável de acertos (e erros que doem menos no bolso). Claro que ainda tempero as viagens com um ou outro restaurante mais badalado (alô, Destemperados!) ou mais gastronômico; mas a grande maioria das refeições é decidida só depois de chegar, com ênfase na localização: a que parte da cidade quero voltar hoje à noite? Xô ver o que tem por lá...

Estou para escrever esse texto há um tempinho; mas a faísca para finalmente tirar a idéia da gaveta foi uma ótima entrevista do Seth Kugel -- o Frugal Traveler do New York Times, que vai estar no nosso Seminário Viajosfera -- ao Business Insider, em que ele faz troça da obsessão de planejar cada refeição.

Claro que nada disso vale para quem é gourmet de carteirinha; nesse caso, a sua viagem tem que ser gastronômica mesmo, e não há o que negociar.

Aí vão as minhas dicas para comer fora de casa:

1) Capriche na pesquisa de localização do seu hotel. Quanto mais bacana (menos turisticão) for o pedaço em que você se hospedar, mais restaurantes bacaninhas você vai descobrir;

2) Onde quer que você esteja hospedado, dedique um tempinho ao chegar para reconhecimento de terreno. Você vai identificar lugares próximos, a até três quadras de distância, que no mínimo podem salvar a pátria numa noite em que você voltar cansado demais para sair de novo. (Se você não faz esse reconhecimento de terreno, pode acabar na armadilha-pra-turista do ladinho do hotel, sem saber que caminhando cinco minutos encontraria algo mais simpático.)

3) Entenda a cidade. Ao entender a cidade, você vai encontrar a sua praia. E na sua praia você vai descobrir os restaurantes que são a sua cara.

4) Guias: Frommer's e Lonely Planet não costumam ser boas fontes de dicas de restaurantes. Quando o restaurante dá a sorte de emplacar nas listas desses guias, acaba ficando tão voltado para o turista que normalmente perde a personalidade. (Sem falar que a qualidade dos autores dessas séries varia muito.) Já o Time Out é uma fonte consistente de dicas descoladas -- às vezes descoladas demais. Meu conselho: separe as dicas de restaurantes do Time Out que você achar simpáticas e tente passar na frente deles nas suas andanças; ao vivo você decide se vai querer voltar na hora do jantar...

5) TripAdvisor: use com moderação; os rankings refletem o gosto anglo-americano médio. Mas uma boa tática é usar a versão local (tripadvisor.it, tripadvisor.fr), buscando as resenhas feitas pelos locais, no idioma do país. Fiz isso na Itália e me dei muito bem. (Se precisar, use o Google translator.)

6) Revistas/suplementos de jornais locais são a melhor fonte para novidades ou para descobrir qual o pedaço da cidade que está realmente bombando no momento. São sempre um bom ponto de partida para você fazer suas descobertas.

7) Para escolher aquele restaurante gastronômico/estrelado, use foruns como o ChowHound ou siga os gourmets da sua preferência  (alô, Constance Escobar!).

Leia também:

68 comentários

Cristina L.
Cristina L.PermalinkResponder

O ChowHound é fantástico - em Lima, ele nos guiou ao Rincón del Bigote que REALMENTE vale a pena (e que só é frequentado por locais)

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Ricardo, em tempos de internet pra todo mundo, quem tem smartphone, é bem legal usar o foursquare não só pra fazer check-ins, mas para descobrir lugares ao redor de onde você está, com o botão EXPLORE, eu super recomendo.

Aline F
Aline FPermalinkResponder

Ia falar exatamente isso. E também tem o aplicativo Foodspotting, que é uma rede social onde as pessoas colocam fotos dos pratos e suas impressões. Dá pra fazer uma busca pelo sua localização, assim como o Foursquare. Indico muito!

Nivia
NiviaPermalinkResponder

Muito bom! Ainda levo uma listinha, especialmente relacionada com os lugares que pretendo visitar, quais os restaurantes de tal bairro, etc, etc. Faltou apenas os blogs de viagem, q

Cris
CrisPermalinkResponder

Eu não ligo para restaurantes estrelados no guia Michelin, afinal, não sou gourmet mesmo!! Eu gosto apenas de uma comidinha bem preparada e que tenha gosto de comida, e não coisa congelada e aquecida num forno de microondas, E um restaurante limpinho e agradável, e que eu seja bem atendida (para mim, bom atendimento é sinônimo de atenção ao cliente na hora certa e com o pedido certo e sem frescuras. Não sou muito chegada a salamaleques ou muita efusividade de maitres ou garçons).

Com isso em mente, eu almoço/janto em qualquer restaurante que eu vou encontrando pelas ruas e que eu achar simpático (e que meu bolso possa pagar, logicamente). Nem sempre dá certo, mas já achei locais bem legais assim, e que eu com certeza eu repetiria.

Também dificilmente eu sigo as dicas de outros guias turísticos. Aliás, a única vez que eu tentei seguir à risca uma dica do Guia Visual de Roma da Folha de São Paulo, eu fui tratada aos berros e xingões pelo dono/gerente do restaurante quando tentava pedir uma mesa na varanda da calçada. Sai do local correndo, hehehe, e nunca mais olhei os restaurantes de tais guias.

às vezes peço dicas aqui, para alguma ocasião especial, mas no mais, eu sigo o meu instinto básico de alimentação e até mesmo "sobrevivência", dependendo da situação :p

Abs,

Cris

Josilene
JosilenePermalinkResponder

Muito bom o texto!! Simplicidade e praticidade acima de tudo!

Nivia
NiviaPermalinkResponder

Muito bom! Ainda levo uma listinha, especialmente relacionada com os lugares que pretendo visitar, quais os restaurantes de tal bairro, mas sempre experimento coisas novas e quase nunca reservo (só se for "o" badaladíssimo), já que pelo caminho posso mudar de ideia e ficar por outro simplesmente porque tinha lindos doces na vitrine. Faltou apenas os blogs de viagem, onde sempre encontro dicas muito legais, com fotos e experiências únicas, como a Enoteca Bucone, que fui por sua indicação e voltei apaixonada, de pança cheia e váaarios vinhos na bagagem!

Marcio
MarcioPermalinkResponder

Para EUA usem o Yelp.com. É muito bom. Dá para escolher a região, o preço e as qualificações. Você acaba achando aquele restaurante escondido que só os locais vão. Bom e barato.

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

esqueci do Yelp, maravilhoso também! descobri pelos menos 4 restaurantes locais em Miami que não constam em guia nenhum e que foram bárbaros (e baratos!)

Fabio Brito - @psychopenguin

Riq,

Uma coisa que tenho feito muito é olhar as dicas do foursquare antes de entrar no lugar. ajuda a evitar surpresas. smile

George
GeorgePermalinkResponder

Ainda bem que eu li:
" Claro que nada disso vale para quem é gourmet de carteirinha; nesse caso, a sua viagem tem que ser gastronômica mesmo, e não há o que negociar "
Abs

Philipp
PhilippPermalinkResponder

Pensei no mesmo grin

Henrique
HenriquePermalinkResponder

Riq, excelentes dicas ! Não chego a ser um gourmet de carteirinha, mas comer bem em uma viagem é uma das coisas que mais aprecio.
No Brasil é bem fácil,edições locais da Vejinha, comentários no trip advisor, dicas nas páginas locais do VnV e o (jurassico) Guia Quatro Rodas ajudam bem a programar a comilança.
Na Argentina é indispensável o Guia Oleo.

LUIZ
LUIZPermalinkResponder

Guia Óleo, aplicativo para IPhone, IPad e Andróide, também na versão www é excelente para a Argentina( Buenos Aires). Em janeiro vou testar outras cidades. Eles estão iniciando em São Paulo, quem puder use como fonte de consulta ou comente.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

O street view , se for recente , tb ajuda muito para circular pelo entorno da hospedagem sem sair de casa.

Henrique
HenriquePermalinkResponder

Bem lembrado Sylvia, na minha última viagem a NY usei o street view pra esquadrinhar as redondezas. Entrei nos sites e vi todos os cardápios dos restaurantes na vizinhança do hotel e nos lugares onde programei passear , ganhando muito tempo com isso.

mirelle
mirellePermalinkResponder

Outra dica é aproveitar o contato com um local para perguntar onde ele vai almoçar/jantar no seu dia-a-dia. fiz isso em portugal e comi em lugares otimos. eu sempre dizia: quero ir onde você vai e não pra onde mandam os turistas. me mandavam para lugares mais simples e também mais baratos, mas todos foram deliciosos!

outra dica é o site "Where the fuck should I go to eat?" http://www.wherethefuckshouldigotoeat.com .

Carlos Henrique Loyo

Esse texto é o meu retrato falado! smile Meus hotéis são escolhidos de maneira que, à noite, ao voltar dos lerês, eu tome um banho e saia a pé para comer nas proximidades do hotel!

Para almoço ou algum jantar mais gourmet, eu também procuro dicas em blogs (atualizados) de pessoas que moram na cidade que vou visitar dessa forma sempre encontro informações quentes e valiosas!

Ludmila
LudmilaPermalinkResponder

Amo suas dicas Ricardo!!! E realmente pactuo dos mesmos pensamentos....ainda acabo resistindo a vários restaurantes hypados e estrelados! Mas confesso que os achados bons e de culinária irresistível são as melhores descobertas na viagem!!!!

Eu tbém sempre recomendo aos amigos essa peregrinação de sites e guias de restaurantes!!!smile

Bjs
thks

erica
ericaPermalinkResponder

Eu costumo, sim, pesquisar quais restaurantes podem ser mais interessantes na viagem. Mas claro que sempre deixo um espacinho pro acaso.

Alex Melo
Alex MeloPermalinkResponder

Aí esta uma coisa com a qual nunca me preocupei em viagens: restaurantes. Sempre conheço alguns nomes, e se leio algo que vou querer muito, até marco, mas se tive 4 ou 5 refeições já pensadas anteriormente em viagem, é muito.

Quando dá fome, procuro algum restaurante próximo de onde estamos e vai naquele mesmo. Às vezes até sai errado, mas no geral a comida é boa e não fica muito caro - mesmo perto de pontos turísticos.

Na janta, se estamos em apartamento quase sempre acabo comendo 'em casa'... se for hotel, procuro pela redondeza e boa.
Claro: isto acaba que nunca sabemos se um lugar vale mesmo a pena ou não, o que pelo menos uma vez na ultima viagem me gerou uma conta altíssima num lugar que parecia bom, mas que era bem meia-boca - mas em geral sempre dá tudo certo.

diogo
diogoPermalinkResponder

grin

Marcio Antonio

Quando viajo, almoço em qualquer lugar bom, rápido e barato (até fast-food, se for o caso: em Aruba minha esposa e eu íamos ao Wendy's de Palm Beach ou ao Starbucks do Renaissance Mall), mas faço questão de um jantar legal (o que não significa necessariamente caro, chique ou refinado).

Eu sempre segui dicas do Lonely Planet e não me dei tão mal assim. Na Cidade do México, por exemplo, eles recomendam um local chamado Taquitos Frontera. Jantei lá quatro noites (era bom e barato) e tenho certeza de que eu era o único turista no lugar. A mesma coisa para um tal "Parrila al Carbón" em Buenos Aires (só tinha portenhos vendo futebol e nós), mas minha esposa e eu não gostamos muito de lá, não. As dicas deles para El Calafate também valeram a pena. Agora, recomendações do Guia Visual/Eyewitness eu quase nem olho, até porque são muito poucas mesmo.

Mas o único lugar em que eu planejei cada jantar antes de sair do Brasil foi Aruba mesmo, porque havia uma dúzia de restaurantes bacanas, era lua de mel e eu achei melhor sair com tudo já reservado. Nos outros locais, a gente vai olhando, às vezes calha de estarmos passando na frente de algum restaurante quando está escurecendo e resolvemos entrar, outras vezes perguntamos no hotel (foi assim que descobrimos um lugar ótimo em Florença).

Passando a Viagem

Sou da linha da Ruth Reichl (e também o Eça de Queirós): "até mesmo restaurantes modestos oferecem a oportunidade de se tornar outra pessoa, pelo menos por um tempo. Ir a restaurantes libertar-nos da realidade mundana, e isso é parte de seu charme. Quando você atravessa suas portas, você está entrando em um território neutro, onde é livre para ser quem você escolhe durante refeição."

Para mim, a graça dos restaurantes é esse teatro que eles nos oferecem, sofisticado ou simples. Ficar com só um tipo, para mim, seria como me contentar com apenas um gênero literário. "Só leio romances, só gosto de comédia". Eu quero um pouco de tudo, quero tudo que é humano. Apareça ela no Tour D'Argent ou no Adonis.

http://passandoaviagem.blogspot.com.br/2012/02/restaurante-eca-luxo-na-caixa-forte-ou.html

Guilherme
GuilhermePermalinkResponder

Costumo reservar com antecedência apenas para ocasiões especiais, como aniversários ou brunchs de domingo. Pro restante da viagem, levo anotações e dicas e tento encaixa-las na programação, mas sem dsespero pra isso.

Os apps ajudam mito. Alem do Yelp e do Foursquare, o proprio Open Table oferece resumos e opiniões. Algumas cidades contam com apps próprios de restaurantes (em NY, usei muito o Infatuation e o Chefs Feed).

Gustavo Lima
Gustavo LimaPermalinkResponder

Alguém já comprou passagens pelos sites lastminute.com. ebookers, ou atrapalo.com ? Eu uso um aplicativo para pesquisar preços de viagens (skyscanner) , e sempre pintam umas ofertas mais baratas que nos sites das companhias.
Grato
Gustavo

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gustavo! Se o Skyscanner garante, quem somos nós para garantir ou deixar de garantir?

Leia:
https://www.viajenaviagem.com/2012/08/5-passos-viagens-sem-roubadas/

Maria das Graças

Comer bem é um dos itens importantes das minhas viagens. Levo algumas anotações de bons restaurantes (não tem nenhum estrelado) mas não fico aflita para ticar todos da lista. Exploro as redondezas de onde estou hospedada para saber o que tem de bom. E por comodismo, acabo ficando nos arredores no lanche da noite ou jantar. É ótimo voltar para casa caminhando. Não consulto guias mas sigo a dica de algumas pessoas que conheço em alguns blogs.

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Adorei o "não comer no restaurante do lado do hotel". Taí, nunca tinha pensado nisso, e quantas vezes em 5 minutos encontramos algo mais barato e melhor. Levo sempre umas dicas para 1 jantar bom na cidade onde estamos, normalmente na noite de despedida (sou como o Márcio Antonio, só não repito o restaurante a menos que seja um maravilhoso em Florença onde tenha Trufas!). Normalmente pego as dicas aqui, com amigos e no Destemperados.

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Será que meu comentário ficou preso?

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Oba, foi liberado! Obrigada!

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Bravo, Ricardo, seu texto é muito inteligente e cheio de senso comum.

Para o Natal, costumamos fazer uma viagem para fora de nossa cidade, pois é a época de reuniões familiares e hotéis e restaurantes não são tão cheio e encontrar melhores oportunidades. Também há hotéis menos aberta, porque o tempo de reuniões familiares que fechar seus negócios. Há menos turistas e você pode comer em qualquer lugar, sem reserva, ou você pode comer onde os moradores comer. Comemos muito bem no menu de restaurantes simples e outras vezes nem tanto. Mas às vezes em restaurantes muito caros não come tão bem e você acha que foi um desperdício de dinheiro ...

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Este verão eu percebi que nem sempre é confiável comentários publicados no tripadvisor. Em Creta, fomos a um restaurante com excelentes comentários no tripadvisor e foi o lugar onde comemos pior. Não havia saladas, ou de qualquer prato de sabor mediterrâneo. Tudo foi projetado para um tipo determinado de turista inglês.

Rafael
RafaelPermalinkResponder

Muito interessante o ponto de vista, Riq.

Restaurantes em viagens, pra mim, são mais no estilo levar e se deixar levar. Fico bem feliz de achar um ótimo restaurante fora do circuito, ainda mais se vier acompanhado de bom atendimento e bom custo-benefício.

Em Munique achei um ótimo restaurante local (era até ponto de encontro de alguns velhinhos para beberem e jogarem cartas), com uma garçonete octogenária e ainda ótima comida e preço. Voltei lá mais duas vezes, pois era bem perto do local onde eu estava ficando (próximo a Marienplatz).
Em Salzburg dei sorte de o restaurante ao lado do hotel (que não ficava na zona turística) ser excelente e ter ótimo atendimento também.

Sou bem fã dos restaurantes locais.

Mas de vez em quando é salutar dar uma escapada para o mainstream (mas sempre evitando os pega-turistas). ;D No mínimo para termos outros parâmetros de comparação.

Em tempo: confio mais em comentários feitos em blogs de viagem do que em guias.

Marcio Antonio

Esqueci de contar que em Viena tivemos um episódio muito divertido. Estávamos meus pais, minha namorada, eu, uma amiga austríaca (de Graz, não de Viena) e o namorado dela procurando um lugar para comer schnitzel (meu pai já havia morado em Viena e queria que experimentássemos). Paramos numa esquina já no bairro do hotel e, do outro lado da rua, havia um tal Schnitzelhaus, que parecia ser uma cadeia de restaurantes.

Comentamos entre nós, em inglês, quando uma velhinha passou do nosso lado e, ao nos ouvir dizendo "Schnitzelhaus", desandou a falar em alemão. Minha amiga, que era a única que entendia a língua, falou com ela e depois nos passou o recado. "Ela disse para nós não irmos lá, porque as porções são pequenas e caras. Disse que, se quisermos comer schnitzel, precisamos ir a um lugar chamado Schnitzelwirt, na Neubaugasse". Vimos no mapa e a rua era próxima de onde estávamos.

A dica da velhinha foi matadora. O lugar era incrível e divertido, os garçons nem inglês falam, só aceitam dinheiro, e a comida era farta (do tipo "uma porção dá e sobra pra dois") e deliciosa! Acabamos voltando lá outras duas noites, de tanto que gostamos.

Vladimir
VladimirPermalinkResponder

Uso muito o Tripadvisor, mas, não me guio totalmente por ele. Não gosto de ficar pesquisando em um moooonte de sites, pois, acho um desperdício de tempo. Mesmo assim, o link desse post já está salvo no meu e-mail... smile

Para economizar, uso também os sites de compra coletiva. Posso garantir que tenho usado e raríssimas vezes tive problemas. Na média, para cada 10 dias de viagem, compro entre 3 e 4 cupons, entre almoço e Jantar, sempre de olho na localização(google maps) das ofertas. Esses sites guardam gratas surpresas, pois, acabamos parando em restaurantes que jamais imaginaríamos ir!!!

Michele - PlanejandoaViagem

Muito bom esse artigo tambem acho que esses restaurantes mais locais são normalmente melhores simplesmente porque precisam cativar a clientela.Porém ainda não consegui praticar o desapego e na minha ultima viagem devorei o istanbuleats.com. Fica a dica!

Mirella (@mikix10)

Sabe que tenho usado os 4square e até que tenho acertado...
No Japão foi dureza ir pela dica dos locais usando o tripadvisor ahahah... mas me dei bem por lá também, em Toquio descobri uma rua super legal, cheguei lá para ir no Fuku (Yakitori bar) endereço - 3-23-4 Nishihara, Shibuya-ku, Tokyo / ????????3-23-4), mas estava lotado e eles quase me expulsaram do lugar eheheh... e acabei jantando em outro yakitori bar ali do lado, super bacana! Ninguém falava inglês ou qualquer outra lingua alem do japones e sobrevivemos e comemos muito bem!!! Muito bom smile

Constance Escobar

Rindo aqui, lembrando nossa conversa aquela noite no Aconchego Carioca e a minha surpresa ao descobrir que sua versão anterior era refém de restaurantes michelados e da moda ; ) Nunca poderia imaginar, Riq... Agora, mesmo pra quem é gourmet de carteirinha, não dá mesmo pra levar a coisa tão a sério. Senão as viagens ficam engessadas e a vida menos divertida...

Istambul – Em Busca do Kebab perfeito e outras comidinhas mais… | planejandoaviagem

[...] alguns dias lí um post sobre escolher restaurantes durante uma viagem no VnV e achei a maior coincidência porque estava justamente escrevendo um post sobre dicas de [...]

jayme santos
jayme santosPermalinkResponder

ricardo, bom dia,
gostaria de dicas de restaurantes interessantes na região da times square; seriam todos muito turisticos?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Jayme! Recomendamos você dar uma olhadinha na Nona Avenida, entre ruas 46 e 43. É um núcleo de restaurantes de verdade, não franquias de redes especializadas em turistas.

Marcela
MarcelaPermalinkResponder

Oi Ricardo, boa tarde!
As dicas do seu blog são muito legais!Tem alguma indicação especial de restaurante na região de Long Island em NY?
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcela! Quem responde é A Bóia. O Ricardo Freire é completamente iletrado em Long Island, infelizmente.

Veja as dicas da New York Magazine:
http://nymag.com/srch?t=restaurant&N=265+1288&No=0

Marcela
MarcelaPermalinkResponder

Obrigada!

Edvânia
EdvâniaPermalinkResponder

E sobre Londres, ninguém dá dicas?!! Será q é tão ruim assim a comida Inglesa?!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Edvânia! Dá uma olhadinha! https://www.viajenaviagem.com/2012/05/londres-onde-comer/

Sandra R. Pesce

Olá pessoal. Nem preciso dizer, mas quero falar que A-DO-RO A BÓIA.
Estou indo em julho para um congresso em Lima e antes vou até Cusco, Machu Picchu.
Vcs tem algumas dicas p mim de restaurantes por essas bandas, tanto Lima como M.P.
Já peguei a dica do Rincón del Bigote, da Cristina L. Brigada aí..

Abraços e brigada
Sandra P.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sandra! O Ricardo Freire nunca foi ao Peru, não temos conteúdo próprio.

Nesta página você vai encontrará posts de convidados e links para blogs que já estiveram por lá:

https://www.viajenaviagem.com/category/peru

Vamos compartilhar sua pergunta no Perguntódromo; havendo resposta, aparecerá aqui.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Sandra, tenho alguns posts lá no Idas & Vindas que podem te ajudar: http://www.idasevindas.com.br/?cat=10 As dicas de Lima são relativamente recentes, de novembro de 2010 - as de Cusco, infelizemnte, são um pouco mais antigas, de julho de 2007. De todas as dicas, se eu tiver que selecionar apenas uma, te diria para não perder o Astrid y Gastón de Lima por nada desse mundo, de preferência escolhendo o menu-degustação - uma experiência sensacional e super em conta para o que é... wink

Vanessa
VanessaPermalinkResponder

Sandra, em Lima tem o Huaca Pucllana que é ótimo e fica em uma ruina inca aberta para visitação. Fica no bairro de Miraflores.
A comida é ótima e o visual do restaurante é bem bonito!
Espero que goste!

Fabio DAnna Mori

Estou indo para Lima a cada 2 semanas a trabalho, e experimentei alguns restaurantes bons por lá:

- Segundo Muelle: rede de restaurantes de frutos do mar. Só abre durante o almoço (que por sinal, é tradicionalmente a única hora que se deveria comer cebiche), tem pratos muito bons, e costumo gastar uns 50 soles cada vez que como lá

- Punta Sal: outra rede de frutos do mar também, preços parecidos com o Segundo Muelle, mas o ambiente é mais simples

- Tanta: rede do Gaston Acurio o chef superstar do Peru. Comida tracional peruana com um toque mais refinado. Comi o Taku taku a lo pobre (uma espécie de arroz com feijão meio que empanado e frito, e o a lo pobre quer dizer que tem banana e ovo frito junto), e também aji de gallina (algo como um fricasse, mas com aji, que é picante). Em média uns 60 soles por pessoa

- Madam Tusan: também do Gastón, só que este é chifa (mistura de chinês com peruano) pedi um prato adocicado e um salgado (não lembro o que, mas muito bons) e wantan frito tbm muito bom. Sai uns 70 soles por pessoa se não me engano.

- Ámaz: restaurante novo e badalado do dono do Malabar (que sai nos top 50 também), especializado em comida amazônica. Comi um peixe de rio que não lembro o nome, mas que estava muito bom, e uns tiraditos de entrada (peixe cortado tipo sashimi com molho ou acebichado) e tava muito bom. Saiu uns 130 soles.
Ele fica embaixo do Hilton, ao lado de outros 3 restaurantes que dizem ser bons mas ainda não tive chance de experimentar

- Sangucheria la Lucha:fui na que fica no parque Kennedy e é bem tradicional(acho). Sanguches são sanduíches, mas eles tem todos os recheios especiais deles. Eu comi um de chcharón (que pelo que entendi de um amigo, é a carne do porco, cozinhado na própria gordura) com salsa criolla, muuuuito bom, e por 12 soles.

- Manolo: fui depois do la lucha comer um churros com chocolate, e matar saudades da Espanha, já que esse é um clássico de lá. Uns 12 Soles

- Toshiro's: pelo que eu entendi, o responsável por inventar a mistura nipo peruana (e parceiro do cozinheiro que foi para NY abrir o Nobu). Fica em cima de um cassino, e parece que não vai ser nada demais, mas é fenômenal. Muito bom para experimentar sushi no estilo peruano, com peixe acebichado e molhos em cima dos rolinhos, bem diferente, mas muuuito bom. Não sei quanto custa pq não paguei a conta...

- Edo Sushi: rede de sushi que um amigo peruano me levou. Muito bom tbm para experimentar sushi a la peruana.

- El hornero: rede de churrascaria, muito boa se cansar dos peixes por um pouco. A carne a muito bom, mas o que eu sempre lembro é dos cogumelos gigantes na chapa. Gastei uns 120 soles, mas dava pra mais uma pessoa comer o que sobrou (tentei pedir meia, mas me sugeriram uma porção inteira...)

- La Rosa Nautica: um clássico turístico que fui logo que cheguei. A comida é muito boa, e o lugar bem tradicional. O legal é que fica no meio do mar em um pier ou algo do gênero. Comi um peixe muito bom.

Acho que é isso, boa viagem!

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Sandra,
Acho que já deram sugestões suficientes para várias viagens, mas vou engrossar a lista!
Estive em Cusco em 2009 e escrevi sobre os restaurantes lá no blog http://www.dividindoabagagem.com/2009/08/organizando-os-posts-da-viagem-ao-peru.html O Fred e a Nat do Sundaycooks estiveram por lá mais recentemente e tem um ótimo post sobre restaurantes em Cusco http://sundaycooks.com/2012/11/19/restaurantes-em-cusco-outras-dicas/
Em abril, estive pela 4a vez em Lima, mas ainda não escrevi sobre os restaurantes. Sugiro que você leia o Cup of Things, ótimo blog da Manu Tessinari que mora em Lima. Estivemos juntas no Amoramar em Barranco (excelente comida peruana) e por indicação dela conheci o La Bodega de la Trattoria (comida italiana, fica próximo ao shopping Larcomar). Sou fã do Pescados Capitales e gostei muito do do La Mar, onde experimentei meu 1o. ceviche!
No Gastrolândia a Ailin Aleixo fala dos restaurantes de Lima http://gastrolandia.uol.com.br/viagem/lima/ com destaque para o Central, o restaurante da moda do chef Virgilio Martinez. Os preços, nesse caso, são internacionais, não limenhos wink Nessa mesma categoria, inclua o Rafael.
Se você for visitar o Museu Larco, há um bom restaurante lá mesmo. A Carla Portilho já escreveu sobre ele. Próximo ao museu há um restaurante famoso de comida criolla chamado El Bolivariano, mas nunca estive lá.
No centro há algumas opções de alimentação - estou enrolando para acabar de escrever esse post! - mas eu destacaria o L'eau vivre que tem uma comida simples, mas muito saborosa e que fica em uma casa linda!
Boa viagem,

Natalie
NataliePermalinkResponder

Sandra,

Gastronomia é assunto sério no Peru razz

Dá pra montar um roteiro só visitando os restaurantes mais famosos. As dicas que o pessoal já compartilhou são ótima smile Aproveite bastante.

Gosto muito da série sobre Lima que saiu no Gastrolândia (A Lu Malheiros lincou a série.)

Já em Cusco, se vc procura algo informal e fora dos guias, eu indico uma pizzaria que fica escondida ao lado do famoso hotel Monastério chamada Justina (foi dica de local para local)

http://sundaycooks.com/2012/10/03/justina-pizzaria-em-cusco/

Ana Luiza
Ana LuizaPermalinkResponder

Em Cusco tem o Chicha, atrás da Plaza de Armas. Ambiente lindo, comida deliciosa, muito bom mesmo. Entrada + prato principal + sobremesa e uma taça de vinho sai uns 35 dólares por pessoa.

Carla Pierin
Carla PierinPermalinkResponder

Oi Sandra! No Peru e muito fácil comer bem. Em Cuzco nao perca o Chicha, do Gaston Acurio. Fantastico! Mas tem que fazer reserva antes, pois esta sempre cheio! Boa viagem!

Jackie
JackiePermalinkResponder

Oi Sandra, só postei sobre Lima no blog, mas queria te dar umas dicas de Cusco.

Cicciolina: Comemos e amamos em Cusco o Cicciollina, do nivel se eu tivesse dinheiro eu abria uma filial deles aqui.
São tapas, mas tem muita opção de recheios e todas boas e com otimo preço. Vale demais! Fica perto da praça de armas.

Jack's: café da manha no Jackie´s, bem farto;

Paddys Pub: tem uma sopa irlandesa lá que ate hj me faz sonhar, mas de resto, comida normal de pub, mas recomendo.

E fomos ao Chicha, valeu pra conhecer algo do Gaston, comemos bem com destaque pra sobremesa, mas é mais caro.

Agora, se for a Machu Picchu, na volta pare em Aguas Calientes e coma no Indio Feliz: simplesmente é um frances lá. Serio, vale demais.

Ah sim, Lima vc encontra lá no blog, minhas dicas são o Tanta, o Pescados Capitales (bem conhecidos) e:
o Bar la 73, em Barranco;
e chifas, que é tipo uma birosca chinesa que tem em toda esquina. Vale provar, e bem baratinho e gostoso.

abs,

juliana
julianaPermalinkResponder

Olá, minhas dicas são de novembro/2012. Recomendo fortemente dois restaurantes:

Deva, em Cusco. Fica numa rua estreitinha (calle San Agustín, 280) e só chegamos lá por recomendação de um guia. O peixe estava uma delícia, o preço foi bom, o atendimento foi excelente e ainda tive a sorte de provar uma edição especial de trigo da cerveja Cusqueña, fantástica. Meus amigos nesse dia comeram dois pratos típicos do Peru: Cuy (um porquinho da índia) e Alpaca, e foram só elogios.

Pescados Capitales, em Lima. Fomos na filial de Miraflores (av La Mar, 1337) e não foi barato, mas foi sensacional. Como já disseram aqui, os pratos principais têm nomes dos sete pecados, eu pedi a Inveja (Envidia). Era camarão pra todo lado com um tempero divino. As sobremesas também são deliciosas, pedi um crème brulée de lúcuma (fruta típica) e amei.

Boa viagem! O Peru é encantador!!

Cristina L
Cristina LPermalinkResponder

Agora tô me sentindo rsrsrsr

Anna
AnnaPermalinkResponder

Me apaixonei pelo Pescados Capitales em Lima, é muito bom, você pede o prato pelo "pecado que quer cometer".

Othellomf65
Othellomf65PermalinkResponder

Verdadeiro Anticucho peruano é o premiado da Tia Grima. Em 2010 ainda tive o prazer de degustá-lo na sua carrocinha de rua. Hoje só no restaurante. Vale a pena. http://www.grimanesavargasanticuchos.com
Muitas vezes viajamos tão longe e não conhecemos as belezas que estão perto.

Janete
JanetePermalinkResponder

Sandra, em Lima o bairro de Miraflores é lindo, destoa do resto de Lima. O restaurante La Rosa Nautica fica na ponta de um trapiche, lindo, com musica ao vivo no lounge e uma comida maravilhosa. É mais garantido fazer reserva. O Alfresco também é bom, mais simples porém charmoso, tambem em Miraflores. Nao deixe de provar o suco chicha murada- uma especie de milho mas da cor roxa, e o pisco, fermentado de uva, limao, clara de ovo batida e muito gelo, uma delicia!

Ana Paula
Ana PaulaPermalinkResponder

Eu ja estive ha um tempinho, mas creio q a maior parte das dicas ainda estejam valendo...

Lima:
Bohemia (Cozinha internacional / Av Santa Cruz, 805, Miraflores)

Calle de Las Pizzas (Pizzas e massas / Miraflores)

Cebicheria La Mar (Comida peruana / Av La Mar, 770, Miraflores)

Haiti (Café e restaurante / Diagonal 160, Miraflores)

La Carreta (Cozinha internacional / Av Rivera Navarrete, 740, San Isidro)

La Rosa Nautica (Cozinha internacional / fica num cais no circuito de praias de Lima)

Margareth Bastos (@lidoefeito)

Sobre Lima, gostaria de aumentar a lista com o El Bolivariano, em Pueblo Libre. Não é tão fora do circuito turístico se você vai ao Museu de Arqueologia Rafael Larco, com a maior coleção de peças pré-hispânicas do mundo (45 mil peças em ouro, prata e cerâmicas) e o Museu Nacional de Arqueologia, Antropologia e História do Peru. Fica a sugestão!

Cristina
CristinaPermalinkResponder

A Jackie já colocou minha dica: reforço - El Indio Feliz, em Águas Calientes - a melhor Margherita que já tomei na vida. Em Cuzco, o Inka Grill não é tão barato quanto o Chez Maggy, mas ambos são bons, sendo que o primeiro tem uma banda típica que faz toda diferença e a comida é menos de bistro, como o 2o.

Lecymar
LecymarPermalinkResponder

VC TEM ALGUM GUIA DE NEW York PUBLICADO. Tenho os seus sobre as melhores praias e como viajar melhor.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lecymar! Quem responde é A Bóia. O conteúdo de Nova York do Ricardo Freire pode ser acessado a partir destas páginas:

https://www.viajenaviagem.com/americas/nova-york-ricardo-freire

https://www.viajenaviagem.com/americas/nova-york-links-e-posts

Henrique
HenriquePermalinkResponder

Boia meus parabéns, mais um excelente post, mas "três meses de viagem entre europa e terminando em Nova Iorque" , é covardia com nós simples mortais!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar