Três dias na Bourgogne: a viagem da Christine

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

Para ajudar um leitor que perguntou sobre tours em Bourgogne, a Christine deixou o roteiro completo de viagem que fez em 2011 – bastante detalhado para um passeio que envolve tantos grands e premiers crus. Foram três dias por conta própria em três hotéis diferentes; muitas vinícolas e grandes restaurantes. Vai pela Christine:

Chegamos de TGV a Dijon, alugamos carro na Avis e, apesar de ter esquecido de reservar GPS (medo), deu tudo certo. É muito fácil andar na Côte de Beaune e Côte de Nuits, não tem erro. Almoçamos no Pierre Bourée; excelente comida e muito bom atendimento, um dos melhores em custo-benefício da viagem. Passamos em Clos de Vougeot (parada obrigatória, onde tudo começou), e fomos ao Château de Gilly. Hotel super agradável, atendimento super atencioso, quartos enormes, ambientes comuns sofisticados, as roseiras mais lindas que já vi. À noite jantamos no suntuoso restaurante do hotel e fizemos a degustação da região com o excelente sommelier.

No dia seguinte fizemos o wine tour oferecido pelo hotel com a Stephanie. Meu marido adorou. Tivemos uma excelente aula sobre a região, esclarecemos todas as dúvidas e conhecemos uma vinícola em Gevrey-Chambertin, onde compramos 4 grand crus, e uma pequena vinícola familiar em Vosne-Romanée, que por sinal para nosso gosto foi a melhor – preços excelentes e vinho muito bom. Compramos 3 grand crus e 2 premier cru da vinícola em frente ao Romanée-Conti. Não deixe de levar o creme de cassis do Château, um luxo! Em seguida pegamos o carro e fomos almoçar em Pommard, vinícola já na Côte de Beaune. De lá fomos a Puligny-Montrachet, terra do branco mais famoso do mundo (e caro!) e nos hospedamos no hotel La Chouette, no centrinho da pequena e charmosa cidade. É bem familiar, e a dona, um encanto. À noite a reserva era para o Maison Lameloise, o 3 estrelas Michelin da região.

Seguimos pra Beaune no dia seguinte, passamos em Meursault, uma das caves mais bacanas, onde degustamos e compramos mais vinhos. Ficamos no Le Cep, muito bem localizado para explorar Beaune a pé. Lá se come muito bem, mas a reserva com antecedência é obrigatória. Indico o Caveau des Arches, P’tit Paradis, Ma Cuisine, Le Benaton (1 estrela), Jardin des Remparts, Le Charlemagne (1 estrela, comida francesa/japonesa moderna a 4km de Beaune). Fomos ao Hospices, muito lindo, e compramos vinhos, mas achamos Beaune mais caro para compras do que imaginávamos. Nas vinícolas vale mais a pena para os grand crus. No domingo, a feira foi o ponto alto da viagem; muito bacana. Que qualidade dos hortifruti! Que açougue! Que flores!!! Saí de lá com uma Le Creuset enorme na mala…

A dica que recebi e achei muito apropriada é que na maioria das vinícolas as degustações são gratuitas, mas os franceses fazem isso para vender os vinhos. Se você não comprar alguma coisa eles vão fechar a cara pra você! Se quiser só experimentar existem várias degustações pagas em Beaune. Nos recomendaram a Sensation Vin, que faz uma ótima apresentação em francês, mas não fizemos. Após esses 3 dias intensos de pinot noir, no final já queríamos saber de uma bier de pression. Bon voyage!

Obrigada, Christine!

Leia mais:

10 comentários

Marcia
MarciaPermalinkResponder

Complementando o roteiro enviado por Christine, a Borgonha alem dos vinhos há cultura, vale a pena ficar um dia em Dijon para fazer a trilha da coruja.

Gustavo - Viajar e Pensar

Oi Christine ou Bóia

Em qual época do ano você fez seu tour por Bourgone?

Alguém já rodou essa região no inverno vale? Ou é muito triste as parreiras secas? Ou com muita neve?

Merci

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gustavo! Interior da Europa no auge do inverno, fora das estações de esqui, pode ser meio deprê. O Ricardo Freire não recomenda.

Se você focar exclusivamente na degustação de vinhos, pode ter vantagens, como descreve este enófilo:
http://www.theweekendinparis.com/winter-wine-tasting-good-or-bad-idea/

Mas para curtir a viagem como um todo você precisa gostar muito de frio e ver beleza em cidadezinhas hibernando.

Gustavo - Viajar e Pensar

Brigadú !!

Gostei do Blog tb The Weekend in Paris.

Christine Barbosa

Gustavo, essa viagem eu fiz em maio e não me arrependi: Paris estava linda, céu azul, muitas flores e os franceses bem humorados, acho esse astral ímpar. A colheita das uvas se encerra em outubro que também deve ser uma época interessante de se ir. Costumo marcar minhas férias para europa sempre em maio ou início de setembro, época em que os preços costumam ser melhores, lugares mais vazios e temperaturas amenas. O blog Conexão Paris e Vida Boa também são excelente para informações sobre a França! Abração

Christine Barbosa

Complementando as informações: para poder tomar um café tranquilo em Paris (afinal estava de férias!) peguei o TGV as 10:23 para Dijon chegando as 11:58. O roteiro de carro não se anda mais de 30km por dia em estradinhas vazias, com vilarejos parece esquecidos no tempo. Me organizei para ir na quarta porque queria estar em Beaune no sábado pela manhã para ir na famosa feira. Nesse dia acordei cedo, rodamos tudo e fomos para a estação de Beaune onde entregamos o carro. A estação de Beaune é bem pequena, fechamos o carro, anotamos kilometragem num envelope onde colocamos a chave e depositamos num scaneer da Avis, simples assim! O trem sai de Beaune 11:28 chega em Dijon 11:48 e outro já sai 12:01 para Paris chegando 13:37. Se tivesse +1 dia ficaria em Dijon apesar de ser uma cidade bem maior fora do esquema Côte Nuits e Côte Beaune. Ainda deu tempo de deixarmos as coisas no hotel em Paris e fecharmos a viagem com chave de ouro num almoço com amigos no restaurante Ma Bourgonhe na Place des Vosges. Espero ter ajudado bóia! Um abraço

Anamaria Benevides

Olá Christine, tudo bem?

Que tal você me "levar" à Bourgogne de TREM? Saindo do Brasil (RJ) obrigatóriamente teremos que ir à Paris?
Gostaria de pegar o TGV em Lyon, é possível hospedar lá uns 3 dias? Ir até Dijon e ficar uns 4 dias, mais ou menos, passeando pelos locais próximos e visitando vinícolas.
De trem poderíamos ir à Genebra, nos hospedarmos lá uns dois dias City tour pra Chamonix e...? aceito sugestões.
Fico esperando sua resposta e desde já agradeço.

Um abraço,
Ana Benevides

Olga Peixoto
Olga PeixotoPermalinkResponder

Ola, tudo bem?

Procuro há tempos, sem sucesso, uma locadora onde eu possa pegar o carro em Dijon ou Beaune e devolver em Luxemburgo capital.

Sem essa opção, terei que devolver o carro em Metz para seguir viagem para Luxemburgo de trem.
O problema é que gostaria de dar um giro pela cidade e estarei com bagagem pesada. Pelo que soube, não há lockers na gare de Metz...

Desde ja, muito obrigada.
Olga

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Olga! Ache um estacionamento fechado na cidade. Deixe o carro com a bagagem no porta malas, sem nada aparecendo. Devolta o carro depois de passear pela cidade.

Fernando
FernandoPermalinkResponder

Uma pena não ter o nome das vinicolas. Vou ficar 3 dias em Beaune e pretendo fazer por conta os passeios.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar