Instapost: passeando no Marajó

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Fazenda São Jerônimo, Marajó

Quer saber onde eu estou? É só me seguir no Instagram (@riqfreire) ou no Twitter (@riqfreire), ou dar uma olhadinha no Facebook do Viaje na Viagem, onde as fotos são reproduzidas. Mas ontem a safra foi tão bacana que eu fiquei com dó de não trazer instantaneamente aqui pro site.

Estou na Ilha do Marajó (é "do" mesmo, pessoal) -- e gostando muito mais do que esperava. Soure é um vilarejo encantador. E tudo por aqui é incrivelmente fotogênico.

Pousada Casarão da AmazôniaPousada Casarão da Amazônia

Superbásico é como eu definiria o café da manhã da pousada Casarão da Amazônia. Não tem frios e o leite é em pó. Mas vem com dois luxos: carambolas e sapotis do quintal.

Praia do Pesqueiro, MarajóQueijo do Marajó na Praia do Pesqueiro

Peguei um mototáxi para ir à praia do Pesqueiro. Cheguei na maré alta, quando o coqueiro aproveita para se refrescar. Pedi uma porção de queijo do Marajó -- amanteigado, cremosinho, quase um requeijão durinho.

Fazenda São JerônimoFazenda São Jerônimo

Quando deu meio-dia e meia o mototáxi veio me buscar para levar à Fazenda São Jerônimo, que realiza um ótimo passeio tudo-em-um.

Fazenda São JerônimoFazenda São Jerônimo

Em duas horas você anda pela mata, desce um igarapé de canoa, caminha por uma praia deserta, percorre a passarela de um incríííííível manguezal e de quebra ainda monta num búfalo por vinte minutos. Recomendo.

Soure, MarajóTacacá da Tia Raimunda, Soure

Voltei a Soure com o mesmo mototáxi (R$ 6), a tempo de almolanchar o Tacacá da Tia Raimunda (R$ 6). O tacacá estava uma delícia, mas o bom mesmo foi escutar de enxerido o papo de comadres marajoaras que estava rolando entre as freguesas. "Minha filha aceitou meu genro de volta, e agora ele tá com as duas ao mesmo tempo". Oi oi oi! Passa a pimenta, dona Raimunda!

Soure, MarajóSoure, Marajó

Continuei até o portinho, fui voltando pela orla e pensando que deveria ter pego uma bicicleta na pousada -- coisa que farei hoje. Que coisa mais fofa essas meninas voltando da escola à sombra das mangueiras da 4a. Rua!

Delícias da Nalva, Soure, MarajóFrito do vaqueiro

Pouco antes da novela, seguindo mais uma dica da Luciana Pordeus, fui às Delícias da Nalva. Mas não pedi o banquete, não -- seria comida demais. Escolhi o que me pareceu mais exótico e típico do cardápio -- um "frito do vaqueiro", que dona Nalva me explicou ser o café da manhã do vaqueiro marajoara: picadinho frito de fraldinha com pirão feito com farinha branca e leite de búfala. "Aqui eu fervo, mas na fazenda eles ordenham a búfala com o prato de farinha por baixo". Docinho, delicioso, contrastando com o salgado do picadinho (R$ 30, daria para dois).

Viagem feita em 2012. Para dicas mais atuais, clique aqui.

Leia mais:

57 comentários

yara xavier
yara xavierPermalinkResponder

A Ilha do Marajó é mesmo um encanto. Fiquei lá por 4 dias e gostaria de ter ficado mais. Até hoje me divirto quando lembro dos búfalos sendo tratados como cachorrinhos. Lindos.

Francisco Mogadouro da Cunha

Boas lembranças! As ruas de Soure continuam de terra e quase sem placas indicativas? Estive aí uns 3 anos atrás e era assim. Para ir da Pousada do Francês até o Centro, a pé ou de bicicleta, tinha que contar mentalmente as ruas (todas numeradas). Parou pra tirar uma foto ou desviou a atenção para alguma outra coisa? Pergunta pra algum morador "que rua é esta aqui mesmo?", senão não chega em casa! smile Comprei bastante queijo do Marajó para família e amigos, mas na sequência da viagem o queijo desapareceu na geladeira do albergue de Manaus...

Cida L
Cida LPermalinkResponder

Esta ilha é mesmo um paraíso. Senti falta dos guarás nas fotos, vc já avistou alguma revoada?

Maryanne
MaryannePermalinkResponder

Essas fotos ficaram maravilhosas mesmo, a do maguezal principalmente. Taí um lugar que eu nunca tinha pensado em ir, e tá dando vontade. Quero mais!

Fábio Pastorello

Opa, taí um dos lugares que quero conhecer logo. "Tudo por aqui é incrivelmente fotogênico", preciso ir!!! Obrigado por compartilhar. Abs.

Dirlene Silva
Dirlene SilvaPermalinkResponder

Olá, vamos conhecer o Marajó?

Sou Dirlene, Condutora de Turismo, Turismóloga formada pela Universidade Federal do Pará no ano de 2007 e moradora apaixonada desta bela ilha, mas propriamente no Município de Soure, informalmente intitulado como "Capital do Marajó".
Parabenizo por tão bela e detalhada descrição, muito me alegra o fato de que tenha gostado de nosso lugar e desfrutado de alguns de nossos mais melhores atrativos.
Me coloco a disposição para receber os amigos em nosso Marajó, fazemos passeios turísticos em Soure e Salvaterra, duas das 12 cidades que compõe esta que é a maior ilha flúvio-marítima do mundo.
No mais, muita natureza, tranquilidade, cultura, gastronomia local e encantos esperam por todos, de preferência ao rítimo de um gostoso carimbó, dança tipic de nossa região.
Seguem abaixo meus contatos: passeios, transporte próprio, assessoramento na viagem Belém-Soure, reserva em hotéis ou pousadas, tudo isso com a missão de fazer a cada um sair daqui com uma imensa vontade de voltar.

Dirlene Silva
(91) 98150-0378 TIM (wattsap)
(91) 98758-6455 OI
E-mail: disoure@hotmail.com
Facebook: Marajó EcoTur

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Boa mistura para o prazer: beleza e fotos gostosas

Beto Paschoalini

Um velho sonho de viagem ainda não realizado. Um belo post-degustação. Abração (ainda que eu permaneça atormentado pela imagem de tu montando um búfalo shock ).

Ivana
IvanaPermalinkResponder

Ilha do Marajó está no meu caderninho de viagens a serem realizadas. Pensei em ir para lá nesse reveillon, será que é uma boa idéia? Alguém tem dicas?

Tânia
TâniaPermalinkResponder

Ivana,
Recomendo que vc vá entre os meses de junho a novembro. No reveillon é período chuvoso na região.

Ivana
IvanaPermalinkResponder

Obrigada pela dica, Tânia.

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

To gostando mesmo wink

Anita
AnitaPermalinkResponder

Ela não estava no caderninho, mas acabou de entrar!

Riq, parabéns por divulgar o Brasil!

cristiane ribeiro

Muito lindo tudo...parabéns...continue colocando essas dicas das tuas trips...

candida silva
candida silvaPermalinkResponder

Riq, não sei se ainda estás no Marajó. Caso estejas, não deixa de atrevessar para Salvaterra, ilha defronte de Soure e visitar as praias de lá, especialmente a praia de Joanes, que é maravilhosa!
Durante um ano, quando trabalhava como Med. Veterinária, ia todos os meses para o Marajó e ficava lá por uma semana! Tempos bons... Peixe fresco, carne de búfalo boa e queijo do Marajó delícia! E o vento? As paisagens são mesmo deslumbrantes! Parabéns pelo post.

Andreia
AndreiaPermalinkResponder

Ilha de Marajó é uma paraíso ao norte do nosso país. Estive lá mês passado e como sua fã, li o seu post e pude relembrar de várias delícias deste lugar. Infelizmente só consegui conhecer Soure mas pretendo voltar para desbravar o outro lado indo até Afuá. Também relato minhas viagens e espero um dia conseguir ter a notoriedade que tens. Caso tenha curiosidade de ver como foi a minha viagem segue o link smile http://www.venhadecarona.blogspot.com.br/2012/09/ilha-de-marajo.html

Obrigada por sua contribuição e ótimos relatos. Estou sempre por aqui buscando dicas para as minhas viagens. abs, Andreia

Rafael
RafaelPermalinkResponder

Riq, muito bacana!
Coincidentemente, ontem estava pensando em um destino diferente para fazer uma futura trip e pensei justamente em Marajó! grin

Maravilha de post tentador... smile

Abs.,

Carmem
CarmemPermalinkResponder

Acho que preciso voltar... o queijo do Marajó me deixou com água na boca.

Lili-CE
Lili-CEPermalinkResponder

As imagens são surreais, adorei!

Marcia Palhares

Riq, ótimo post, como sempre, adorei o "oi oi oi"! Só voce mesmo, rsrsrs.

Noemia
NoemiaPermalinkResponder

Ric,
Esta é uma viagem inesquecível! Estive 15 dias por lá há 2 anos, em maio, que dividi entre Belém (8 dias) e Marajó -Salvaterra e Soure (7 dias). Queria ir a Alter do Chão também, mas nessa época é impossível, pq é época de cheia e ela desaparece.
O Ver o Peso é uma experiência. É preciso estar lá para entender. O sabor do peixe frito com açai (claro que sem açúcar) e farinha, que se come no balcão das barraquinhas do mercado, junto com os locais, é daqueles pratos que ficam gravados na memória. E é lá também que se deve comer, sem preconceito, a maniçoba (a feijoada paraense) e abrir os olhos e todos os outros sentidos para aquele espetáculo de cores e cheiros, que é único. Ao lado disso, há a floresta em plena cidade, nos bosques, as tapiocas em diversos pontos tradicionais da cidade, restaurantes altamente diferenciados, a Estação das Docas, etc, etc, etc. O que falta é tempo para usufruir tudo. A viagem de Belém a Marajó também é uma experiência, com água entrando no barco (enorme). Leva, eu acho umas 6 horas. A convivência com diferentes pessoas (havia poucos turistas quando eu fui), a TV a mil num dos canais sensacionalistas, é muito divertida. Gostei muito de Soure, que tem um traçado moderno. Me disseram que a cidade foi projetada pelo mesmo arquiteto que fez Belo Horizonte. Se é verdade eu não sei, mas ela tem um traçado organizado, com ruas e avenidas que seguem uma sequência. O transporte por motos é altamente eficaz. Os carros são raros, o que confere um ar de tranquilidade. Também fiquei no Casarão, que pertence a uns italianos. É ótimo, desde a decoração com móveis artesanais da região até a comida. Estive também em outro restaurante, dentro de um jardim, o Paraíso Verde. O proprietário é um grande contador de histórias. Delícias da Nalva é a ojtra pedida imperdível, assim como o passeio na Fazendo dos Jerônimos. Está nos meus planos retornar, nesta época que tu foste, outubro-novembro, mas indo desta vez a Santarém-Alter do Chão e fazendo a viagem de retorno a Belém, de barco, como tu fizeste.
Excelente a idéia de divulgar este pedaço tão lindo e diferente, mas ainda pouco conhecido do Brasil.
Um abraço.
Noemia

Samy Vieira
Samy VieiraPermalinkResponder

Adorei o post e as fotos (adooooro fotos de viagens)!!! Estive em Belém no final de semana do dia 19/1/13, fiquei apaixonada pela cidade e voltei com o gostinho de quero mais.
Meus relatos e minhas fotos dessa viagem estão no meu blog: http://foconaviagem.com/2013/01/23/belem-suas-belezas-temperos-e-aromas-parte-1/

graziela
grazielaPermalinkResponder

gostei muito pois é muito interesante

Graziela Silva

Nossa, acabei de decidir meu destino de férias. Só não entendi ainda como se vai até a Ilha. Alguém pode me ajudar?

Socorro Graça

Realmente o Marajó é tudo isso e muito mais. Todas as pessoas que levamos para lá, adoram e acham exotico, e sempre procuram este destino.Parabéns !!

Fernando Ferreira

Estou programando a ida a Belem em Outubro para as festividades do Cirio , juntamente com minha esposa e pretendemos ir a Ilha de Marajó por 3 ou 4 dias já a partir da segunda feira após a cerimonia do Cirio .
Qual a operadora indicada para o serviço de transporte e reserva de hotel/pousada na ilha, para que eu possa fazer as reservas e programações com antecedência ?

grato pelas dicas

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernando! Uma vez reservada a pousada, ela pode ajudar na reserva do transporte. Note que a segunda-feira pós-Círio tem um fluxo enorme de marajoaras retornando à ilha; é mais tranqüilo ir no segundo dia depois da festa.

Deb
DebPermalinkResponder

Olá Ricardo,
Atualizando: a pousada Casarão da Amazônia está cobrando em fevereiro de 2015 (semana pós-carnaval) R$234 a diária! (com desconto do Booking fica R$200). Quase o dobro de quando você foi em 2014. Pesquisei em outras épocas do ano para ver se era efeito carnaval e não: aumentou mesmo.
Enfim, não vejo a hora de realizar este sonho 'viajístico'!!!
Abraço!

Luzia Azzi
Luzia AzziPermalinkResponder

Olá gente boa, eu e o meu esposo estamos planejando de realizar o sonho de fazer um mochilao para conhecermos a Zona Norte do nosso Brasil, começando pela Ilha de Marajo, como pretendemos viajar bastante, precisamos fazer toda a economia possível e por isso gostaríamos de nos hospedar em locais alternativos, como alugar quartos em casas de famílias ou alugar imóveis simples, que sejam mais em conta, pelas informações que temos, nos albergues, não podemos ficar, porque existem limites de idades, e nós já passamos dos 60 anos. Por favor se alguém puder ajudar, nos orientando, eu e o meu esposo ficaremos muito agradecidos. Deus vos abencoem. O meu email é : luzixazzi@gmail.com

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luzia! Não há limitação de idade para ficar em albergue, não.

Reginaldo
ReginaldoPermalinkResponder

Olá pessoal muito obrigado por divulgarem essa linda terra,viajo pro marajo desde pequeno,tudo era motivo pra ir pra Soure todos os feriados estavamos lá principalmente nas férias foi em Soure/Salvaterra que passei as melhores férias da minha vida foram inesqueciveis,eu cresci viajando pro Marajo em 93 entrei para um grupo de ciclismo chamado Bike eaters um grupo de ciclo turismo e nosso destino preferido era a ilha do Marajo com belíssimas trilhas é o local preferido de muitos ciclistas por ter terrenos alagados, muitos igarapés (caminho de canoa) no dialeto indigina e uma natureza deslumbrante de belezas sem igual enfim ISSO PARÁ, ISSO É BRASIL,COMO JÁ DIZIA JOELMA ISSO E MUITO MAIS VOCÊ SÓ VAI ENCONTRAR NO PARÁ.

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalinkResponder

Essa interessante,bonita e grande ilha-do tamanho da Suíça-é uma ilha ainda
pouco explorada pelo turismo brasileiro e internacional.As suas potencialidades
são imensas com suas variadas paisagens,algumas ainda quase intactas da
presença do ser humano.São muitas praias selvagens,paraísos da nossa ama-
zônia para serem conhecidas pelos brasileiros e estrangeiros,livres da poluição
e de todos os efeitos da civilização. É bom lembrar,por sua vez,que a ilha do
Marajó e suas belezas atraíram a atenção e a simpatia dos reis da Suécia,
pois algumas vezes foram hóspedes naquela grande ilha brasileira.Ou seja,
o turismo na ilha precisa de propaganda em todo o mundo!

eva
evaPermalinkResponder

Acabo de voltar da Ilha do Marajó e tenho uma atualização triste, a Nalva morreu e o restaurante está fechado.

Neid Martins
Neid MartinsPermalinkResponder

Exprimentei ontem a lancha rápida Expresso Tapajós. Duas horas apenas entre Belém e Soure. Saída às 8:00h do terminal hidroviário. Poltronas confortáveis, Wi-Fi, ar condicionado e um clip de Michael Jackson deixaram a viagem de R$ 48,00 muito agradável.

mari amelia
mari ameliaPermalinkResponder

gostaria de saber qual á melhor maneira de ir á alter do chão,e á ilha de marajó estou moro em são paulo, sera que consigo ir de barco em alguns deste caminho

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mari! Existem barcos a Santarém também, mas levam mais de um dia de viagem turbulenta. Você voar de São Paulo a Belém, depois de Belém a Santarém (para Alter do Chão) e voltar a São Paulo de Santarém com conexão em Brasília.

Bernardo Mariani

As filhas e a neta de Nalva decidiram dar continuidade ao negócio: o restaurante "Delícia da Nalva" está funcionando de novo e mantendo o padrão anterior. E aquela trilha suspensa sobre o mangue que você fotografou na Fazenda São Jerônimo está bem diferente, toda novinha e mais forte. smile

MARIA CRISTINA SILVA

Boa....Bernardo Mariani
estou fechando meu roteiro...e acabei de colocar o restaurante tão bem falado na lista....

Solange Araujo

O cardápio pode ser igual, mas a qualidade caiu.. e muito!

Moises Lima
Moises LimaPermalinkResponder

Estive agora Jan/16 na Ilha do Marajo e gostaria de avisar que o restaurante da D.Nena reabriu administrado pelas filhas dela e com o mesmo cardápio.

Renato
RenatoPermalinkResponder

Olá, pessoal! Como leitor assíduo, resolvi dividir minha dúvida pra ver se alguém me ajuda. smile

Sou de SP e vou com a minha esposa passar o carnaval em Belém. Chegamos sábado na hora do almoço e o voo de volta está marcado para terça, às 19h.

Queria MUITO conhecer a Ilha do Marajó, mas tb queria conhecer Belém. No sábado iremos passear em Belém. E o que vale mais? Ir para Souré no domingo pela manhã e já voltar na segunda-feira à tarde ou voltar na terça, direto para o aeroporto?

Fico com medo de querer ver tudo e acabar não vendo nada. smile

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Renato! Achamos muito, muito difícil que você consiga quebrar o pacote de hospedagem de carnaval no Marajó. Já tentou?

Renato
RenatoPermalinkResponder

Eu também. Estou em contato com todas as pousadas. Se conseguir, aviso. smile

Mauro Seixas
Mauro SeixasPermalinkResponder

Olá! Seguem informações atualizadas sobre Marajó... Algumas impressões minhas também, talvez mais sinceras do que politicamente corretas...

Passei o carnaval em Marajó, na verdade 2 noites em Belém e 3 em Marajó.
Chegada em Marajó:
Como aluguei carro para todo o período em Belém e Marajó, para a travessia é necessário ir até Icoarací e lá embarcar no Ferry Boat que faz a travessia até o porto de Camará. De Belém até Icoarací é muito tranquilo, cerca de 30 a 40 minutos com calma (saindo do centro em direção ao aeroporto, mais ou menos o dobro da distância centro x aeroporto). O que achei muito ruim foi o único horário (7h, com embarque 6:20 h), tivemos que acordar muito cedo.
A travessia é tranquila, não balança quase nada (ao contrário do que algumas pessoas que foram de catamarã direto de Belém nos testemunharam), o problema é que demora. São 3:30 hs de viagem, custa R$ 113,00 o carro pequeno + R$ 15,00 por passageiro. Chegando em Camará pegamos mais uns 30 minutos de estrada até Salvaterra, de onde sai a balsa para Soure (R$ 16,20 e dura 10 minutos).
A estadia
Bom, eu sempre uso o Booking, mas acho que em Soure o Booking não é a melhor opção, simplesmente porque no site existem pouquíssimas opções, enquanto lá eu pude observar diversas outras pousadas com boa localização e aparentemente boas.
Como usei o Booking e fiz a reserva com certo atraso, não havia vagas na Casarão da Amazônia, então optei pela Eco Pousada Paracauary (com boa votação e algumas referências). Definitivamente não foi a melhor das opções. Entendo que independente de simplicidade é possível se oferecer um pouco mais de higiene, conforto aos hóspedes com os mesmos recursos. A pousada se situa na beira do rio Paracauary, mas não há (com exceção do local onde é servido o café) exploração, utilização dessa posição privilegiada. Eu me sinto até mal de ter que dizer isso, mas o quarto onde eu fiquei é tosco... Desde os 3 tipos de piso diferentes remendados no chão até a maçaneta da porta quebrada, as teias de aranha pelo banheiro que mal cabe uma pessoa dentro, o cheiro de mofo no quarto... Enfim, a minha dica é que procure pelo google nomes de pousadas, ligue, peça fotos.
Restaurantes:
A boa notícia é que o restaurante Delícias da Nalva reabriu. A família está tocando o restaurante com muito cuidado, o atendimento das netas dela, filhas, foi excelente. A comida, muito boa! Um prato para dois custa entre 55 e 60 reais.
À noite fomos (por recomendação do pessoal do Casarão da Amazônia) ao Café Soure. Trata-se de uma portinha quase imperceptível, anexa a uma pousada, onde você senta e assiste ao francês (François) cozinhar de forma muito prática (e rápida) para você. Gostei e voltei! Destaque para o Filé de Búfalo ao molho de manteiga e alho.
Passeios:
Estive na praia do Pesqueiro e na Barra Velha, preciso ser sincero, não gostei muito. Não enxerguei a beleza que esperava, os petiscos das barracas estavam ruins, a praia muito rasa para banho (quilômetros de agua na canela).
Praia linda mesmo eu vi no passeio pela fazenda São Jerônimo. Vi no tripadvisor muita gente comentando que era um excelente passeio, outros comentando que não valia a pena. Fico no meio termo, vale a pena, se está em Soure, tem que ir lá. O manguezal é interessante e a praia do Goiabal é um espetáculo.
Tivemos uma experiência negativa com a turma dos passeios de barco. No nosso caso foi com o pessoal do bar/restaurante Ilha Bela. Marcamos o passeio e quando chegamos ao local marcado, antes do horário, o pessoal já havia saído, ou seja, apareceram outras pessoas, eles se mandaram... Uma turma de SP que conhecemos na viagem desistiu de um passeio semelhante (não se sentiram seguros com o barco) e inclusive a responsável pelo passeio fez algumas ameaças tentando intimidar o pessoal. No fim das contas seguimos todos para o ponto de saída das “rabetas” e por menos da metade do preço fizemos um passeio duas vezes mais interessante (fomos ao furo do Miguelão). O passeio foi um pouco demorado, mas valeu a pena.
Por fim, não acho que seja pecado dizer isso: para mim Marajó não foi um bom custo x benefício. Não foi uma experiência negativa, longe disso, mas achei muito sacrifício para pouco efeito. A cidade está muito mal cuidada, falta estrutura, faltam pontos interessantes. Não é um local rústico, rico em belezas naturais... Me pareceu muito mais um local precário, onde o turismo é frágil e te deixa o tempo todo na dúvida: “estou mesmo me divertindo?”. Ficamos com a sensação de que as coisas mais interessantes do Pará estavam mesmo em Belém e que lá teríamos aproveitado melhor os dias.

Fernando
FernandoPermalinkResponder

Mauro, acabo de voltar da Ilha do Marajó.
Aluguei um carro em Belém, o que facilitou demais a vida na Ilha com crianças.
Minha família teve uma experiência bem diferente da sua. Achamos as praias paradisíacas e, tomando cuidado para evitar locais de raias, tomamos excelentes banhos no Pesqueiro e em Barra Velha. A cidade de Soure é um charme, tem ótimos restaurantes e os passeios ao curtume e aos artesão são ótimos.
Também não gostei muito da Fazenda São Jerônimo. Exceção feita ao passeio de búfalo, o que lá se vê (praias, rios e mangues) existe em outros lugares da ilha. Cobra-se caro (100 reais o adulto e 50 a criança) e nada oferecem no final (batalhamos por um copo d´água!).
Fiquei no Casarão da Amazônia. Só fachada, literalmente. Os preços são abusivos e os serviços de qualidade bem duvidosa. Não vale a pena.

Adriana
AdrianaPermalinkResponder

Olá, estou indo em família para Marajó em agosto e gostaria de saber se há táxi disponível na chegada em Soure para que possamos nos deslocar para a Pousada O Canto do Francês.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Adriana! Tem sim. Em março custava 20 reais.

Miriam
MiriamPermalinkResponder

Olá Pessoal.
O restaurante Delicias da Nalva foi reaberto no final de 2015 e está sendo tocado por suas filhas. Estivemos lá em 08/09/16 para comer o Frito do Vaqueiro e estava maravilhoso!

Trilheiro do leste amazônico

Comecei a fazer algumas trilhas no leste do Marajó. Moro em salvaterra. Ontem atravessei pela primeira vez para Soure, iniciando pelo farol e pela praia do Pesqueiro. fiquei encantado, e já planejo novas trilhas. Simplesmente, magnífico.
Este blogue é em Inglês. O objetivo é divulgar para o exterior, mas será traduzido. caminhosamazonicos.blogspot.com. Sou de Altamira, mas sou fascinados pelo Marajó e pessoas daqui. Aguardem e abraço em todos.

Marta K
Marta KPermalinkResponder

Restaurante continua com filha da Nalva!

Olivo
OlivoPermalinkResponder

Atualização: Delícias da Nalva está aberto, com as duas filhas da fundadora tocando o restaurante, no mesmo bat-local. Estive lá agora em janeiro de 2017 e o frito do vaqueiro continua ótimo. Abraços.

Renata Leite
Renata LeitePermalinkResponder

Fui a Belém e Majaró em jan/2017. Em Belém vale a visita ao polo joalheiro, mangal das garças, ver o peso (não deixem de experimentar os peixes maravilhosos servidos la) e estação das docas.
Fomos a marajó com destino a Salvaterra; fomos guiados por um paraense "bem relacionado" (e muito simpático) que nos apresentou o melhor da região. O catamarã Belém-Salvaterra é muito confortável (poltronas macias e ar condicionado) e custou R$ 35 por pessoa. Nos hospedamos em Salvaterra na pousada do Melo (Pousada Don Melo). Estávamos em "casa". A pousada tem uma vista incrível e tem restaurante. Lá comemos caranguejo, caldeirada de filhote e carne de búfalo assada. Tudo maravilhoso! Não deixem de provar a carne, o queijo, o doce... tudo de búfalo é dos deuses. O queijo é como um requeijão de corte: sem palavras do tanto que é bom. O doce de leite então, o melhor que eu comi na vida. Passamos na fazenda mironga pra comprar e trazer pra casa (a fazenda fica entre a cidade de Soure e a Praia do Pesqueiro). Aliás que praia linda!!!! Vale a visita e o repeteco. Amamos!!!
O povo paraense é muito simpático!! Sentimos apenas por ser longe de onde estamos, pois do contrario é certo que voltaríamos com mais frequência.
Única coisa a considerar: em janeiro é no inverno paraense. Muita chuva e muito, mas muito carapanã (pernilongo, muriçoca). Preparem-se com muito repelente!!!
Vão ao Pará! Vão a Marajó!!! É top!!!!

Rosa aguiar
Rosa aguiarPermalinkResponder

Gente, estou simplesmente encantada com a Veneza Marajoara. Linda, charmosa um luxo, sim um luxoooooo... quero morar ai... ficar longe bem longe do burburinho de Brasilia. Estou apaixonada por Veneza. Bjs povo lindo.

Aécio Barbosa

Pará, Belém, Marajó, tudo de bom, só coisas boas, quem ñ foi deve ir.

Laudiceia
LaudiceiaPermalinkResponder

adorei a descrição de dua viagem ao Marajó, eu sou de Belém do Pará e realmente Marajó é um encanto pessoalmente, conseguir também andar de bicicleta e fazer aquele close com o búfalo do Marajó.

Magda Miranda
Magda MirandaPermalinkResponder

Estou amando Soure, a natureza é incrível, fantástica, indescritível, muita energia por aqui, uma pena ir embora amanhã... As ruas estão enumeradas e continuam de terra. Ficamos na Pousada Canto do Francês, adorei! Não tivemos problemas com lençóis, as toalhas bem branquinhas, me senti em casa, tudo muito limpo. Os funcionarios são muito atenciosos e simpáticos, me senti acolhida, nos deram várias dicas de passeios com valor bem mais em conta, se comparar aos das agências de turismos, as meninas da pousada nos indicaram uma moto para aluguarmos, foi uma ótima enomonia não usar o serviço de táxi local, conseguimos fazer mais passeios por dia e conhecer melhor a cidade. Não deixem de ir à Fazenda Mironga, lá eles apresentam todo processo da produção do queijo marajoara artesanal, mas tem que chegar bem cedinho, quando eles ordenham as búfalas. Para chegarmos à Soure pegamos uma lancha rápida e direta, no terminal hidroviário de Belém, o Expresso Golfinho 1, poltronas confortáveis e ar condicionado. Não fomos à Salvaterra para ficarmos com gostinho de quero mais. Agradeço suas dicas, foram ótimas indicações e obrigada por compartilhar suas experiências conosco.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar