Estação das Docas

Guia de Belém

Belém

Se você soubesse tudo o que Belém fez para receber sua visita, já teria ido há mais tempo. No Brasil, só Curitiba investiu tanto na revitalização de lugares que pudessem virar atrações turísticas.

A Estação das Docas – a versão belenense do Puerto Madero – é só a cereja do bolo, digo, a farinha do açaí. (Sim, o açaí no Pará se come com farinha. Acompanhando peixe.)

Mesmo que Belém não tivesse restaurado o Forte do Presépio, repaginado o Museu de Arte Sacra, convertido um presídio no Pólo Joalheiro e aberto o belo jardim amazônico do Mangal das Garças, já valeria a viagem – pelo  Ver-o-Peso, pelo Theatro da Paz, pelos sorvetes da Cairu, por uma esticadinha à ilha do Marajó, pelo tucupi, pelo jambu.

Vai por mim: Belém é a cidade mais incrível que o Brasil ainda não descobriu. Quando é mesmo o próximo feriadão?

Quando ir

A boa notícia é que não existe época desaconselhável para ir a Belém.

A chuva — que cai normalmente em forma de tromba d’água à tarde — se faz presente o ano inteiro. Querendo pegar menos água, venha entre junho e novembro.

Se quiser fazer uma dobradinha de Belém com as praias do Tapajós em Alter-do-Chão, vá entre agosto e novembro.

Prefira ir ao Marajó ou a Alter-do-Chão durante a semana, para não pegar muvuca. Passe fins de semana e feriadões em Belém, quando os hotéis barateiam.

No segundo domingo de outubro comemora-se o Círio de Nazaré – que é o Natal, o Réveillon e o Carnaval de Belém, num só evento. Reserve com a maior antecedência possível.

Como chegar

Belém é menos longe do que você imagina.

Voa-se em 3 horas e meia desde São Paulo ou Rio — apenas meia hora a mais do que São Paulo-Fortaleza, e exatamente o mesmo tempo de vôo de São Paulo a Natal.

Manaus e Fortaleza estão a 2h de vôo; Brasília a 2h30 e Belo Horizonte a 3h.

Para a Ilha do Marajó, o ótimo catamarã que durante um ano ligou Belém direto a Soure teve as operações encerradas. Agora todas as embarcações vão só até o porto de Camará, onde é preciso seguir de van a Salvaterra e atravessar o rio Paracauari de rabeta a Soure.

A embarcação mais rápida é o catamarã da Banav, que faz a travessia em 1h15, mas não opera todos os dias (veja os horários e compre passagens aqui). Nos dias em que não funciona o catamarã, a Banav usa navios convencionais, que levam 3 horas até Camará.

O outro ponto de embarque à ilha do Marajó é o porto de Icoaraci, a 20 km do centro de Belém. Ali operam navios e ferry-boats da Henvil, com três saídas pela manhã. O percurso leva 3 horas a Camará.

Para Alter-do-Chão, o melhor é ir de avião (1h10 a Santarém + 30 km de táxi). De barco são 60 horas; a passagem pelo estreito de Breves pode causar enjôo.

Onde ficar

Entre os hotéis top, o Golden Tulip Belém é o único no Umarizal, junto a bares, restaurantes e ao shopping Boulevard. Já o Radisson, no bairro central de Nazaré, ainda está estalando de novo.

Na faixa intermediária, fique num Tulip Inn — o Nazaré e o Batista Campos são centrais.

Para economizar, escolha entre o Soft Inn Batista Campos (central, padrão Ibis Budget) e a Pousada Portas da Amazônia, no centro histórico. (O Ibis não é bem localizado.)

No Marajó, fique no centro de Soure: Casarão da Amazônia ou Canto do Francês.

Em Alter-do-Chão, a Mirante da Ilha está na orla, a Mingote na praça, o Borari é novinho, o Belo Alter tem praia própria, a Tapajós é um bom hostel.

Receba a Newsletter do VNV

Serviço gratuito

    O que fazer

    As atrações listadas na introdução cabem num fim de semana. Acrescente a elas uma visita ao Museu Emilio Goeldi, que preserva um naco da Amazônia no centro. A Basílica de Nazaré fica perto.

    Há diversos passeios de barco pela Baía do Guajará — como este, ao entardecer. No fim de semana dá para ir de barco almoçar no igarapé do Saldosa Maloca. Outra experiência amazônica inesquecível é ir almoçar no Terra do Meio, em Marituba, a meia hora de táxi.

    Na cidade, a melhor da cozinha paraense está no tradicional Lá em casa (nas Docas), nos grifados Remanso do Peixe (numa casinha de vila) ou Remanso do Bosque (peça o menu degustação) ou na Peixaria Amazonas, no Umarizal. Experimente açaí com peixe no Point do Açaí.

    Leia mais

    125 comentários

    Olá! Gostaria de ir para Belém agora no Carnaval. Você diz que qualquer época é boa para ir, mas li sobre o inverno amazônico e suas fortes chuvas. Será que pegarei muita chuva no final de fevereiro?

      Olá, Lívia! A chuva é um acontecimento diário na Amazônia. No verão amazônico chove menos, só isso. As chuvas costumam ser torrenciais e concentradas do meio para o fim da tarde.

    O Lá em Casa e o Remanso do Bosque fecharam as portas.
    Temos outras opções como Casa do Saulo 11 Janelas, Amazon Beer na Estação, Roxy Bar. Temos diversos restaurantes atravessando para o Combú ou Ilha das Onças (do outro lado do rio).

    Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.