Serra da Capivara, com Petrolina e Teresina: roteiro completo

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Parque Nacional da Serra da Capivara

De todo o (limitado) vocabulário de clichês usados em textos de turismo, o termo "tesouro" é certamente um dos mais abusados. A gente só percebe isso quando chega a hora certa de usar -- e daí se vê na obrigação de enfatizar que não, não se trata de um exagero.

Parque Nacional da Serra da Capivara

Brasileiras e brasileiros, a Serra da Capivara, no sul do Piauí, é, de fato, um tesouro. Como eu disse neste outro texto, são as nossas linhas de Nazca (ou as nossas Pirâmides. A nossa Petra. A nossa Pompéia). A maior coleção de arte pré-histórica ao ar livre do planeta, em exposição num parque nacional de organização impecável. Vale a pena encarar a longa distância (as estradas estão ótimas) e a hospedagem básica (porém limpinha!) para se embasbacar com a qualidade, a diversidade e a força que esses desenhos têm ao vivo.

A viagem fica mais redonda quando você aproveita para passear pelo rio São Francisco e/ou emendar ao Delta do Parnaíba, quem sabe pegando uma praia no surpreendente litoral do Piauí.

    Estratégia & roteiros

São Raimundo Nonato, que é a base para visitar o Parque Nacional da Serra da Capivara, está a 380 km de Petrolina (via Afrânio) ou 510 km de Teresina -- em estradas de asfalto refeito recentemente e em ótimo estado. E desde junho de 2016, já é possível voar de Teresina a São Raimundo!

Entre sítios abertos à visitação e trilhas organizadas, o parque rende fácil uns quatro dias de visita. No entanto, caso você não seja estudioso de arqueologia, rato de Discovery Channel ou andarilho empedernido, um ou dois dias intensos com o "best of" do lugar estão de bom tamanho.

Se você tiver apenas 3 ou 4 dias para esta viagem, voe a Teresina num domingo ou quarta-feira, pernoite e pegue o vôo na manhã seguinte a São Raimundo.

Tendo mais mais dias para a jornada, dá para explorar mais o sertão e de chegar até o litoral.

Com 5 dias, chegue por Petrolina. Aproveite para passar um sábado e um domingo por ali: é quando saem os passeios pelo rio São Francisco (o de sábado passa pela represa de Sobradinho e faz visitas a uma fazenda de frutas e a uma vinícola; o de domingo pára em ilhas para tomar banho no Velho Chico). De lá você vai de carro ou ônibus a São Raimundo, e retorna para pegar seu vôo de volta.

Com 8 dias, você pode passar o fim de semana em Petrolina (chegue na sexta, saia na segunda), três noites em São Raimundo e mais duas em Teresina, indo de avião ou ônibus à capital e pegado seu vôo de volta lá. Nesse caso, alugar carro não é uma boa opção, pois você gastaria uma fortuna (tipo R$ 1.000) só de taxa de retorno; os trajetos teriam que ser feitos de ônibus.

A partir de 11 dias, já dá para esticar até a costa. Faça o percurso dos 7 dias (de ônibus entre Petrolina, São Raimundo e Teresina) e em Teresina alugue um carro. Prossiga a Parnaíba, passando pelo Parque Nacional de 7 Cidades. Programe duas noites em Parnaíba; no segundo dia, faça o passeio pelo Delta. Passe os últimos dois dias em Barra Grande do Piauí, a jóia do litoral piauiense. Acrescente quantos dias de praia você puder (você merece esse descanso). Dirija os 450 km de volta a Teresina, entregue o carro e voe de volta.

    Petrolina & Juazeiro

Nego d'Água

Nego d'Água, Juazeiro

Na minha opinião, a grande falha das antigas matérias de viagem sobre a Serra da Capivara era reduzir Petrolina à mera condição de aeroporto mais próximo do parque. A viagem fica ainda mais interessante quando você aproveita a escala.

Orla de Juazeiro

Da orla de Juazeiro

O lugar tem mística. De um lado, Pernambuco. De outro, Bahia. No meio, uma das maiores celebridades nacionais: o rio São Francisco. Petrolina é rica e toda produzidinha; tem porte de pequena capital. Juazeiro tem a orla mais bonita, onde desponta a escultura do Nego d'Água -- pena que boa parte da beleza do centro histórico esteja escondida por placas e letreiros. Já cantava Luiz Gonzaga: "Petrolina, Juazeiro / Juazeiro, Petrolina / Todas duas eu acho uma coisa linda / Eu gosto de Juazeiro / E adoro Petrolina".

Barquinha Juazeiro-Petrolina

Barquinha entre Petrolina e Juazeiro

No dia da chegada, atravesse o rio de barquinha -- custa R$ 1,30 cada perna -- e aprecie o pôr do sol num dos barzinhos à beira-rio da orla de Juazeiro.

No fim de semana funciona o Vapor do Vinho, que faz passeios pelo São Francisco.

Ouro Verde, Petrolina

Vinícola Ouro Verde, Casa Nova/BA

O roteiro de sábado combina ônibus com catamarã. Você é levado pela estrada até a represa de Sobradinho, onde começa a navegação (incluindo a experiência de usar uma eclusa). De lá o vapor segue à a fazenda Fortaleza (onde se cultivam mangas e uvas) e os visitantes continuam de ônibus à vinícola Ouro Verde, do grupo Miolo, em Casa Nova (BA). Ali você aprende que a produção de vinho no interior do Nordeste não tem a ver com idealismo ou utopia -- é que o clima permite duas safras por ano,o que viabiliza a produção de vinhos jovens e de preço baixo. Você acompanha o processo de fermentação do brandy produzido para a espanhola Osborne, faz uma degustação de vinhos Miolo e Almadén e encerra a visita na lojinha, onde estão à venda vinhos brasileiros e de parceiros estrangeiros da Miolo -- além da grande estrela da sua produção no São Francisco, o premiado tinto Testardi (teimoso, em italiano). O passeio custa R$ 145 (preço de 2016).

(A visita também pode ser feita de segunda a sexta, de carro ou táxi. É preciso agendar pelo telefone 74/3536-1132 ou 74/3527-4193. Saia da cidade pela BR 235, passe reto pelo aeroporto e prossiga; 40 km depois de ter deixado a cidade, você verá o portal com o touro da Osborne na própria estrada).

Rio São FranciscoRio São Francisco

Rio São Francisco, visto de Petrolina

No domingo o catamarã faz um passeio mais simples, apenas pelo Velho Chico, com parada para banho em ilhas rio acima, com forró pé de serra a bordo. O passeio custava, em 2013, R$ 30.

O Julio Cesar Corrêa, do Bala Perdida, tem lindas fotos do passeio fluvial (e também das Dunas do São Francisco, em Casa Nova, um lindo lugar desconhecido até pelos moradores da região).

Ana das CarrancasAna das CarrancasAna das Carrancas

Ana das Carrancas

Petrolina tem o Museu do Sertão; Juazeiro, o Museu Regional do São Francisco (a casa onde nasceu João Gilberto, que não é um museu, fica na mesma praça). Petrolina é forte em artesanato: visite o museu-ateliê de Ana das Carrancas, que fazia carrancas de barro sem pintura, e depois passe na Oficina do Artesão Mestre Quincas, onde há bonitas peças de madeira.

Onde ficar: Petrolina & Juazeiro

Quality PetrolinaQuality PetrolinaIbis Petrolina

Quality | Quality | Ibis

O novíssimo Quality Petrolina é, disparado, o hotel mais confortável da cidade (deve ser também o edifício mais alto). Está na orla, mas num trecho que só agora está sendo devidamente urbanizado. Dá para ir andando a uma pizzaria, uma churrascaria e um misto de botequim com sushi bar.

Para estar no lado mais tradicional na orla, fique no Petrolina Palace -- mas vá sabendo que o destaque ali é a localização. Já o Ibis Petrolina também é novinho, mas está fora da orla (em compensação, é praticamente anexo ao River Shopping).

Em Juazeiro, o Grande Hotel de Juazeiro está de frente para uma prainha e tem vista do São Francisco. No coração da muvuca da orla de Juazeiro, o Baia Cook tem quartos básicos e está em cima de um dos barzinhos mais animados (o próprio Baia Cook).

Onde comer: Petrolina & Juazeiro

Bode Assado do ÂngeloFavorito, Petrolina

Bode Assado do Ângelo | Favorito

À mesa, a maior curiosidade da região é o Bodódromo de Petrolina -- um enclave de restaurantes especializados em churrasco de carneiro (sim, o bode agora está só nos nomes dos restaurantes). Fui numa noite devagar, durante a semana, e enquanto a maioria dos lugares estava vazia, o Bode Assado do Ângelo estava bombando -- pedi um meio carneiro na brasa que veio acompanhado de baião-de-dois (fartamente gratinado com queijo coalho) e uma macaxeira que se desmanchava.

Ainda em Petrolina, o Flor de Mandacaru (fica fora do centro, num endereço difícil de encontrar; vá de táxi) e a Maria do Peixe (bem na orla, debruçado no rio) são os regionais  mais elogiados. Querendo variar de baião e macaxeira, vá ao descolado Capivara ou cacife o bistrô Favorito, ambos na orla de Petrolina. Se a idéia for só petiscar, o Empório 845 tem ótimos espetinhos.

Na orla de Juazeiro, o Baia Cook tem ambiente de boteco fino; o Cais do Porto tem pizza, petiscos e mesas junto à murada.

Como chegar: Petrolina & Juazeiro

Petrolina

Padre Cícero presenteando Dom Malan com o relógio de Petrolina

O aeroporto de Petrolina é servido por vôos diretos do Recife (Gol e Avianca), Salvador (Azul e Avianca) e Brasília (Avianca), conectados à toda malha dessas cias.

O aeroporto fica a 10 km da orla de Petrolina (12 km da orla de Juazeiro). O táxi funciona pelo taxímetro.

    São Raimundo Nonato & Serra da Capivara

Pedra Furada

Pedra Furada

O Parque Nacional da Serra da Capivara abrange áreas de quatro municípios; São Raimundo é apenas o maior deles -- e o que oferece melhores condições de hospedagem. O parque é um Patrimônio Cultural da Humanidade da Unesco desde 1991.

São Raimundo Nonato

São Raimundo Nonato -- mas não pense que a cidade é toda bonitinha assim, não

Ali se encontra a maior coleção de arte rupestre ao ar livre do mundo. As pinturas mais antigas foram datadas em 12.000 anos. As gravuras não se limitam a representar figuras humanas, animais e plantas. As mais expressivas descrevem rituais religiosos, cenas de caça, de parto e de sexo. Esses graffitis pré-históricos só chegaram intocados até o nosso tempo porque nossos antepassados mais recentes tinham medo de fazer qualquer intervenção; achavam tudo obra do sobrenatural. (Vai por mim: você também vai achar...)

Serra Talhada

Serra Talhada

Mesmo se não escondesse esse (olha aí de novo) tesouro, a região já valeria a visita pelas lindas formações rochosas, que continuariam deslumbrantes se estivessem no Arizona, em Nevada ou no Atacama. O miolo do parque guarda vales estonteantes. (Andando pelas estradas você vai querer fazer paradas para fotografar.)

Mas para além das inscrições rupestres e da beleza do cenário, a Serra da Capivara tem um significado especial para a ciência: as escavações no sítio do Boqueirão da Pedra Furada identificaram vestígios de presença humana de 58.000 anos -- demonstrando que o homem já tinha chegado à América bem antes das migrações pelo norte, via Estreito de Bering. Americanos ainda contestam as provas (dizem que o material coletado é resquício de incêndios, não de fogueiras organizadas), mas europeus endossam o trabalho da equipe capitaneada por Niède Guidon (a arqueóloga brasileira de ascendência francesa a quem devemos a existência do parque). A descoberta é celebrada no moderníssimo Museu do Homem Americano, a 2 km do centrinho de São Raimundo, onde projeções, hologramas e mesas de luz contam a história do povoamento das Américas segundo o que foi escavado na Serra da Capivara.

Como visitar: Serra da Capivara

Parque Nacional da Serra da Capivara

Parque Nacional da Serra da Capivara

Existem 14 circuitos organizados que podem ser percorridos pelos visitantes -- sempre na companhia de um guia autorizado. O site da Fundação Museu do Homem Americano, co-gestora do parque, traz todas em detalhe.

A entrada custa R$ 12,50. Mas atenção: não dá para contratar o guia na entrada do parque; é preciso já chegar acompanhado de um. E como a grande maioria dos guias têm outros empregos, o recomendável é contratar um guia com antecedência por intermédio do seu hotel. Assim você garante que terá guia durante a semana e que não faltará guia para você num fim de semana.

Os guias são superbem treinados (tudo o que é relacionado ao parque tem padrão Niède Guidon) e cobravam, em 2013, entre R$ 80 para passeios de meio-dia e até R$ 120 para passeios de dia inteiro. Se você não estiver de carro próprio, vai precisar também tratar um táxi para acompanhar você, o que pode custar mais R$ 150 ou R$ 200 (o que não é muito mais caro que a diária de um carro alugado, não). O guia ou o hotel podem achar o taxista para você.

Macaco-prego

Macaco-prego

O parque abre supercedo, às 6h, e fecha às 18h, todos os dias. Os circuitos mais procurados ficam a 18 km (Desfiladeiro da Capivara) e a 30 km (Baixão da Pedra Furada) do centro da cidade. Já o Museu do Homem Americano fica perto do centro (siga a placa da UNIVASF), e abre das 9h às 17h, de terça a domingo. Se agendado com antecedência e pago à parte, o sítio do Baixão da Pedra Furada abre para visitas noturnas, com iluminação especial.

Parque Nacional da Serra da Capivara

A sinalização também é pré-histórica smile

Aproveite a antecedência do contato para montar sua visita com o guia. A partir da sua disponibilidade de tempo e do tamanho do seu interesse por arte rupestre ou caminhadas, ele montará o seu plano de visita.

Parque Nacional da Serra da Capivara

Um bisão?

Eu só tinha um dia e, por indicação do guia Wilk Lopes (recomendo: wilkamorimlopes@hotmail.com), fiz um roteiro absolutamente redondo, que me deixou deslumbrado e ao mesmo tempo saciado.

Desfiladeiro da Capivara

Desfiladeiro da Capivara

Saímos às 7h30 do hotel e fomos para o circuito do Desfiladeiro da Capivara. Visitamos quatro "tocas" com inscrições rupestres, entramos numa caverna (a Toca do Inferno) e depois subimos ao mirante para a primeira sessão oooooh que lindo do dia. Esta primeira parte consumiu cerca de duas horas (depois da entrada no parque) e envolveu uma caminhadinha de meia hora.

Cerâmica Serra da CapivaraCerâmica Serra da Capivara

Cerâmica Serra da Capivara

De lá demos uma passada na fábrica da Cerâmica da Serra da Capivara, outro gol de dona Niède. Ali, uma matéria-prima abundante na região -- argila -- é transformada em cerâmica vitrificada de estilo japonês, decorada com motivos rupestres do parque. A fábrica emprega mão-de-obra local e exporta sua produção para redes como Tok & Stok e Pão de Açúcar.

Cerâmica Serra da Capivara

Cerâmica Serra da Capivara

De segunda a sábado é possível ver os artesãos em ação; no domingo, só dá para comprar. Todas as peças têm 20% de desconto.

Trilha da CapivaraRestaurante Trilha da Capivara

Restaurante Trilha da Capivara

Próxima parada, almoço caseiro, no restaurante Trilha da Capivara, no povoado Sítio do Mocó. Galinha caipira, carne de sol, pirão (de galinha, substancioso, o melhor de todos os pirões!), arroz, macaxeira, salada. Querendo, dá tempo para um auto-nocaute pós-prandial na rede...

Parque Nacional da Serra Talhada

A caminho do Baixão da Pedra Furada

Eram duas da tarde quando fomos para a segunda etapa do passeio -- o filé da Serra da Capivara: o Baixão da Pedra Furada. Ali estão reunidas as maiores estrelas do parque: o mural com as duas cenas mais famosas (o logotipo do parque e o beijo) e o cartão-postal, a Pedra Furada.

Boqueirão da Pedra Furada

Parque Nacional da Serra da Capivara

Quer ver mais inscrições rupestres? Clique aqui

É ali também que foram descobertos os vestígios mais antigos de presença humana nas Américas. E de quebra ainda há o mirante do Alto da Pedra da Furada, que (me garantiu o Wilk e vou acreditar nele) descortina o cânion mais bonito do parque.

Alto da Pedra Furada

Alto da Pedra Furada

Alto da Pedra Furada; pena que nublou...

Assim como no turno matinal, entrei de carro até muito perto das áreas a serem visitadas; não caminhei muito mais do que meia hora, não.

Museu do Homem AmericanoMuseu do Homem Americano

Museu do Homem Americano

Saímos do parque a tempo de passar no Museu do Homem Americano, outro equipamento de primeiro mundo à nossa espera no sertão do Piauí. À moda do Museu da Língua Portuguesa de São Paulo e do Museu das Minas e do Metal de Belo Horizonte, este pequeno museu usa a tecnologia (mesas de luz sensíveis ao toque, projeções, hologramas) para fazer um resumo organizado e refrigerado daquilo que vimos ao ar livre no parque.

Museu do Homem Americano

Museu do Homem Americano

A entrada custa R$ 15 (preço de 2016) (e, como falei mais acima, não esqueça que o museu fecha nas segundas-feiras).

Museu do Homem AmericanoMuseu do Homem Americano

Museu do Homem Americano

Foi um dia bastante puxado: saí do hotel às 7h30, voltei às 17h30. Mas para o meu nível de curiosidade arqueológica (e de tolerância aos elementos, sem o devido contraponto de conforto na hospedagem), foi suficiente -- e inesquecível. No dia seguinte, prossegui viagem em êxtase.

Tenho certeza que na caixa de comentários aparecerão depoimentos de quem ficou mais dias e fez mais passeios e vai garantir que vale a pena. Não duvido, de jeito nenhum. Só queria deixar registrado que, para alguém do meu perfil, esse roteiro foi mega-satisfatório, inclusive na seqüência -- cada etapa superou a anterior, me deixando com a sensação de que vi o que existe de melhor no parque.

Quando ir: Serra da Capivara

Serra da Capivara

Outubro: quente e seco

A época seca vai de maio a outubro. O inverno, teoricamente chuvoso, vai de novembro a abril -- mas faz três anos que chove minimamente. O parque é visitável o ano inteiro; na seca os dias são melhor aproveitados (mas o sol amplia a sensação de calor).

Onde ficar: São Raimundo Nonato

A Serra da Capivara seria perfeita para um hotel como os chilenos Explora ou Tierra Atacama, que permitem combinar turismo de atividade com relaxamento em iguais proporções. Poder visitar o parque da Serra da Capivara em passeios de meio dia e voltar para o hotel para curtir a piscina ou fazer tratamentos de spa seria um sonho. A propósito: acorda, Alice!

Hotel Serra da CapivaraHotel Serra da Capivara

Hotel Serra da Capivara

O Hotel Serra da Capivara fica a 2 km do centrinho da cidade, à beira da estrada para Teresina. A construção é estatal e as instalações são antiquadas e espartanas (mas as camas são box e o ar condicionado, split). O staff, porém, é excelente; o café da manhã, também. É o hotel mais freqüentado pelas autoridades, tanto políticas quanto científicas, que visitam a cidade, e tem contato com todos os guias. Muitos hóspedes jantam no restaurante do hotel. Se quiser sair para o centrinho, você vai precisar de táxi.

Hotel RealHotel Real

Para poder sair de noite a pé pela cidade, o hotel mais bem-localizado é o Real. Peça para ficar num dos apartamentos renovados.

Ainda no centro, o hotel Bella Vista é o mais novo da cidade. A Pousada Zabelê tem acomodações básicas, mas está próxima do foco da vida noturna.

Junto aos sítios arqueológicos, o Albergue Serra da Capivara funciona no mesmo complexo da fábrica de cerâmica.

Onde comer: São Raimundo Nonato

Pizzaria do PaulinhoChurrascaria Varanda

Paulinho | Varanda

Não faltam pizzarias e churrascarias em São Raimundo. Recomendado por uma seguidora do Instagram, fui experimentar o calzone de carneiro com queijo coalho da Pizzaria do Paulinho (gostei, mas na sua vez sugiro que você peça para não colocarem os dois riscos de ketchup por cima!).

Comi um bom frango na brasa com acompanhamentos regionais no Varanda, que fica na rua da muvuca, com muitos bares um ao lado do outro.

O restaurante mais elogiado é o Bode Assado do Tanga, mas chegar não é muito fácil; vá de táxi ou peça para o seu guia mostrar o caminho.

Como chegar: São Raimundo Nonato

De avião

Desde junho de 2016, o aeroporto de São Raimundo Nonato recebe dois vôos por semana de Teresina, operados pela Piquiatuba, em aviões Cessna 208 Caravan de 9 passageiros. A rota é operada às segundas e quintas, saindo às 8h de Teresina (chegada: 10h17) e às 14h15 de São Raimundo (chegada: 17h). Há uma escala em Picos tanto na ida quanto na volta. As tarifas começam em R$ 249 por trecho.

De carro

De Petrolina a São Raimundo Nonato

De Petrolina a São Raimundo Nonato, pelo bom asfalto

São Raimundo está a 300 km de Petrolina via Remanso, mas essa estrada tem 40 km praticamente sem asfalto. O caminho todo asfaltado (em ótimo estado) tem 380 km.

De carro, saia pela BR 470 em direção a Afrânio (120 km). Logo depois de Afrânio já é a fronteira com o Piauí. Logo depois da fronteira haverá um posto fiscal. Existe uma estrada que sai meio escondida à esquerda, logo depois do posto fiscal. A placa indica QUEIMADA NOVA; pode seguir que é por ali. Continue seguindo as placas para São João do Piauí. Em São João haverá indicação para São Raimundo (esse trecho final é pela BR 020).

De São Raimundo Nonato a Teresina

De Teresina a São Raimundo Nonato

Vindo de Teresina, são 510 km, sem erro, via Floriano. Os 60 km iniciais (ou finais, se você vier de São Raimundo) têm tráfego pesado, mas os outros 450 km serão percorridos sem stress, por uma estrada que está um tapete.

De ônibus

A rota entre Petrolina e São Raimundo Nonato é feita pela Gontijo. A viagem leva 6 horas (e vai por Casa Nova e Remanso, ou seja, pega o trecho de chão).

Já a linha Teresina-São Raimundo Nonato é operada pela Transpiauí. A viagem leva 7 horas.

    Teresina

Centro de Convenções

Mural do Centro de Convenções

Você vai se surpreender com Teresina. OK, a capital piauiense talvez não seja a melhor pedida para o próximo feriadão -- mas estando no seu caminho, não tem por que não ser uma escala prazerosa.

Teresina

Perto da Ponte Estaiada

Todo mundo sabe que Teresina é a única capital nordestina que não tem praia e que a cidade é calorenta pra dedéu. Verdade. O que pouca gente desconfia é que Teresina é uma cidade organizada, com belos parques à beira-rio e super bem-equipada de ambientes refrigerados grin

Vai por mim: Teresina

Poty Velho

Poty Velho

Uma tarde é o suficiente para citytourzar a capital do Piauí. Depois do almoço (sugiro a carne de sol do São João), siga até o povoado de Poty Velho, onde há uma comunidade de ceramistas.

Encontro dos rios, Teresina

A esquina do Poty com o Parnaíba

Mesmo se você não gostar das peças à venda, o passeio valerá pela vista do encontro dos dois rios que abraçam a parte mais antiga da cidade: o Poty e o Parnaíba.

Palácio de Karnak e Catedral de Teresina

Palácio de Karnak e Catedral de Teresina

De Poty Velho você pode dar uma passadinha no Centro Histórico. O Palácio de Karnak, sede do governo estadual, costuma ter exposições no saguão.

Teatro 4 de SetembroCentro de Artesanato

Teatro 4 de Setembro | Centro de Artesanato

A uma quadra dali fica a Praça Pedro II, onde estão o Teatro 4 de Setembro, de fachada clássica e o antigo cinema Rex, hoje um clube, de linhas art-déco. Do outro lado da praça do teatro você encontra um Centro de Artesanato (com uma oferta mais variada que em Poty Velho, incluindo jóias de opala de Pedro II).

Ponte Estaiada, TeresinaPonte Estaiada, Teresina

Ponte Estaiada, Teresina

Saia do centro velho em direção à mais nova atração da cidade, a Ponte Estaiada sobre o rio Poty. Suba ao mirante: o elevador (também panorâmico) funciona de terça a sexta entre 11h e 19h e sábado, domingo e feriados entre 10h e 18h. A entrada custa R$ 3 e lá do alto se avista a cidade e também o rio Parnaíba.

Teresina

Teresina, vista do mirante da Ponte Estaiada

Quando você descer, já ao entardecer, perceberá o teresinense saindo da toca e começando a povoar as duas margens do rio, aproveitando as pistas de cooper e o verde dos parques. Termine o dia com uma passadinha na Nova Potycabana, o parque urbano onde está o THE AMO, a bem-sacada versão teresinense do I amsterdam smile

The Amo

Gotta love Piauí

Se quiser ver se tem algum show do seu agrado à noite, dê uma olhadinha na Agenda Teresina.

Ah, sim: e não saia do Piauí sem beber uma cajuína, o néctar clarificado de caju que, geladinha, é uma delícia. (Você encontrará no frigobar do seu hotel e nos restaurantes de comida típica.)

Onde ficar: Teresina

MetropolitanMetropolitan

Metropolitan

O hotel mais confortável da cidade é o Metropolitan, que fica a uma quadra do Palácio de Karnak, no centro velho. No subsolo funciona uma super academia de ginástica; o bar da piscina, no terraço, é um point de happy hour.

Blue Tree Rio PotyBlue Tree Rio Poty

Blue Tree Rio Poty

À beira-rio, o Blue Tree Towers Rio Poty é o hotel que tem mais cara de férias. O prédio é cavernoso, mas os apartamentos são bastante arejados; a piscina é bem gostosa.

O hotel mais próximo da vida noturna (e dos shoppings) é o Palácio do Rio. Ainda para esses lados, mas numa localização menos conveniente, está o novinho Gran Arrey.

Vizinhos ao Blue Tree há dois hotéis com bom custo x benefício -- o Executive Flat Rio Poty e o econômico Fórmula Flat.

O Ibis Teresina fica encravado numa área do centro povoada por clínicas e hospitais; é usado por quem vai a Teresina para tratar da saúde.

Onde comer: Teresina

São João, Teresina

São João, Teresina

Se você só fizer uma refeição em Teresina, vá ao São João, restaurante de um prato só, mas um prato formidável: uma carne de sol suculenta, lambuzada na manteiga de garrafa, acompanhada por macaxeira e baião-de-dois (arroz com feijão verde). Minhas fontes teresinenses garantem que a filial da avenida Nossa Senhora de Fátima é tão boa quanto a matriz, que fica fora do centro.

Av. N. Sra. de Fátima, Teresina

Corredor gastronômico da N. Sra. de Fátima

A avenida Nossa Senhora de Fátima, por sinal, funciona como corredor gastronômico-botequinístico de Teresina, no trecho à altura da rua Antônio Castro Franco. Por ali estão os botecos Orelha de Van Gogh, Seu Boteco e Budega. O maior grupo de restaurantes da cidade, o Favorito, tem três casas vizinhas: a Brasserie Favorito (onde atua o chef piauiense Naim, que teve uma ótima passagem pelo paulistano Cantaloup), a Forneria Favorito e o libanês Aroma Árabe.

Allium

Hamburguinhos-canapés no Allium

Ainda na região você encontra o animado Allium (com cardápio moderninho, freqüência eclética e um concorrido open bar de caipiroskas na quarta-feira),  a filial teresinense da rede Coco Bambu (que só tem pratos para duas ou três pessoas, e não faz meia-porção em hipótese nenhuma), o bem-cenografado Favorito Comida Típica e dois restaurantes de personalidade: o Boa Vida, que tem pratos equilibrados e saudáveis (sem os quatro carboidratos concomitantes que caracterizam a cozinha nordestina), e o Olik, que funciona dentro de uma loja de objetos de decoração e tem um cardápio enxuto e bem executado.

Boa VidaOlik

Boa Vida | Olik

Como chegar: Teresina

Teresina recebe vôos diretos de Brasília, São Paulo, Campinas, Fortaleza e Recife. Desde São Raimundo Nonato são 510 km. Parnaíba, no litoral, está a 350 km. A rota de ônibus a São Raimundo Nonato é feita pela Transpiauí. A Parnaíba, pela Guanabara.

Leia mais:

61 comentários

Arthur | Agora vai MESMO

Muuuuiito bom!! Lugares maravilhosos e interessantíssimos. Sem contar o estilo do post, a là Freire's.

wellington
wellingtonPermalinkResponder

Sou paulistano da gema e morei sempre na capital, na Moóca. por vias do destino me mudei para Limoeiro em Pernambuco e estávamos programando as férias pensando no Atacama. Depois da leitura desse Post Perfeito (parabéns, Ricardo, não sei como vc dá conta!), vou sugerir que mudemos os planos para esse tour fantástico: e vou de carro!!!

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Muito bom Riq! Fiquei morrendo de vontade de ir. Já to procurando calendário de feriados 2014...

andrea
andreaPermalinkResponder

Parabéns Ricardo!!!Como sempre vc fez um ótimo post! Moro em Petrolina ,vc descreveu a nossa região com clareza e deu ótimas dicas para quem quer conhecer a cidade e a Serra da Capivara.Valeu!!

Ana Claudia
Ana ClaudiaPermalinkResponder

Nossa Riq, quanta informacao bacana!!!
Parabens, muito bem esclarecido.
Tambem fiquei com vontade de conhecer, de preferencia esticando ate Barra Grande, hehe.

Thiago Parente

Uau!! Isso não é um Mini guia e sim um super guia! Sensacional!

Elaine Monteiro

Fico muito feliz quando alguém visita meu estado Piauí e aproveita as maravilhas que ele possui! Não há melhor propaganda do que visitas e descrições como a sua! Ansiosa para ler o próximo Mini Guia sobre nosso litoral (que é lindíssimo!).

wladimir mesquita

Obrigado por divulgar o Piauí

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Agora sim eu finalmente começo a planejar a minha visita! rs

Kátia
KátiaPermalinkResponder

Adorei o post! Sou de São Raimundo, mas meu coração é Teresinense. Fico em êxtase quando ouço falar de meu Piauí querido, de São Rdo Nonato e suas riquezas, bem como de minha cajuína, minha Teresina. Obrigada por divulgar nosso Estado!

Ernesto, o pato

Um otimo guia cheio de dicas uteis. Pretendo fazer esta viagem em 2014.

Rafael Victor
Rafael VictorPermalinkResponder

Show de bola Riq! Fico muito feliz que tenha gostado da visita ao meu querido Piauí.

Paulo Gustavo
Paulo GustavoPermalinkResponder

Você acertou em cheio na descrição dos hotéis e restaurantes de Teresina. Tudo explicadinho e ilustrado, bacana de ler.

O percurso até a Serra da Capivara seria muito facilitado com a inauguração do aeroporto internacional de São Raimundo Nonato. A obra começou em 2004 e até agora só a pista de pouso (2.500 m) ficou pronta. O terminal de passageiros deverá ser lindo, em forma de capivara, mas só fica pronto em 2014 (ou 2015, 2016 etc.). Aí é torcer para que alguma companhia aérea faça voos comerciais.

Julio
JulioPermalinkResponder

Ric, obrigado por ter sugerido o meu post. Acho que já estava mais do que na hora de divulgar essa parte do Brasil, desprezada pela maioria dos viajantes.
Abração

Filipe Morato Gomes

Olá Riq,
Já fui muitas vezes ao Brasil e nunca tinha pensado em Teresina como destino de viagem. Já estive inclusive na faixa litoral do Piauí, mas nunca tinha olhado para a sua capital como uma possibilidade. Adorei a ideia! É sempre bom quando alguém nos mostra novos pedaços desse maravilhoso Brasil. Grande abraço (desde Portugal),
Filipe

Rosa
RosaPermalinkResponder

Adorei THE Amo. A cidade dos meus pais é colada em São Raimundo Nonato: Francisco Santos. Piauí é tudo de bom!!!

Graça Sabino
Graça SabinoPermalinkResponder

Fantástico. Eu e meu marido já tínhamos combinado uma viagem a Petrolina/Juazeiro, que é a terra onde meu sogro nasceu. Soubemos da rota do vinho e o nosso objetivo seria esse. Porém, vê-se que tem muitas coisas pra se ver. Mas, gostaria de sugerir que detalhasse mais sobre as vinícolas em outro post, pois o vinho de lá está se tornando conhecido mundialmente. Valeu!!!!!

kikameirelles
kikameirellesPermalinkResponder

Grande RF, o seu post sobre essa parte tão esquecida do nosso país, que é minha terra de nascençawink, está simplesmente irretocável...
Eu e meu marido, que é potiguar, estávamos montando um roteiro que englobasse exatamente esse percurso - saindo de Natal, descendo até Petrolina e subindo para o PI onde minha família mora, com escala na Serra da Capivara... mas agora, basta adaptar suas dicas aos dias que teremos disponíveis agora em dezembro e está feito!!! Obrigada por divulgar minha terra - tão quente, mas de povo tão acolhedor quanto!!!

Claudio
ClaudioPermalinkResponder

Sensacional, esse post Riq! O roteiro é muito bom e pouquíssimo conhecido/divulgado. Já to de radar ligado para as promoções aéreas pra lá smile

Milas
MilasPermalinkResponder

Muito legal voce divulgar estes tesouros pouco explorados do Piaui. Jah conheci ha alguns anos e deve estar ainda melhor. O Eduardo Bagnoli foi um grande divulgador destes sitios, ainda antes da implantacao da estrutura de visitacao do parque. Parabens!

Simone Lustosa

Soube por uma seguidora sua e amiga minha que estava em Petrolina, e ficamos curiosas para saber o que estava fazendo na região e hoje vi esta excelente matéria. Juazeiro e Petrolina realmente são duas cidades interessantes, cada uma com suas peculiaridades.
Das matérias que leio suas sobre viagens e dicas que pego para realizá-las esta foi a que me fez mais notar que nunca valorizamos muito o que está mais próximo, pois nunca fui a Serra da Capivara e nunca fiz o passeio do vapor do vinho, só conheço algumas vinícolas. Os restaurantes que citou realmente são muito bons e as paisagens naturais do Rio São Francisco são fantásticas.
Parabéns pela matéria.

barbara pessanha

Perfeito! Estou indo dia 17.01 para a Serra da Capivara, e agora já sei tudo desse passeio e depois "sortie" para as praias, aguardo ansiosa o seu guia praias do Piauí.
Valeu!
Barbara Pessanha

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Cara, muito obrigado por essa postagem. Veio a calhar exatamente na semana que fui conhecer um pouco do Piauí. Valeu sobretudo pela dica do Potycabana e do encontro do rios em Teresina.

Porém, acho que não há voo direto do Rio para Teresina.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcelo! Você tem razão, vamos corrigir.

Fernando
FernandoPermalinkResponder

Fiquei uns 12 dias em janeiro e seu post resultou muito útil na preparação da viagem. Adiciono algumas dicas tanto para o turista tradicional quanto para os viciados em trilha e arqueologia como eu.

Visita no parque: Simplesmente espetacular. São uns 200 sítios habilitados dos 1.500 que foram encontrados. Peça para o guia combinar visita a sítios com pinturas e trilhas com vistas panorâmicas. Esteja sempre preparado com câmera em mão para se cruzar com bandas de macacos, jiboias e onças nos lugares mais afastados. Há trilhas para todos os gostos, desde aquelas para cadeirantes até as que você deve subir 200 metros na vertical por rocha, escada e cabo de ferro, ou andar na areia por 7 km. até os sítios. Se tiver tempo não perca o espetáculo das andorinhas mergulhando até o fundo do cânion a cada pôr do sol.

Museu do homem americano: Quem está muito interessado em arqueologia bata um papo com o pessoal do museu e peça para conhecer os laboratórios do Centro Cultural que fica ao lado. Tem uns 6 laboratórios onde os arqueólogos e o pessoal técnico trabalham com o material das escavações, tanto as do parque da Capivara quanto outros como a transposição do Rio São Francisco. Você receberá uma verdadeira aula que pode durar horas com o trabalho feito nas cerâmicas, nos líticos, ou até com enterramentos tudo com a ossada, urna ou pedra objeto do estudo bem na sua frente.

São Raimundo não está preparada nem parece interessada no turismo. Minha experiencia no Hotel Real foi pobre. Habitação com manchas de umidade no teto, baratas e chuveiro fraco e que nunca aqueceu. Os outros não são melhores. A cidade deixa muito a desejar. Uma opção de acomodação é uma pousada na fábrica de cerâmicas a uns 20 km. fora da cidade e do lado da entrada do parque. É bem simples, mas limpa, com ar condicionado e até internet wireless. Para quem gosta da paz e sossego do campo é ideal. Por R$ 70 a diária com direito as três refeições. Contato: www.ceramicacapivara.com

Cuidado na eleição dos guias: Existem três sindicatos de guias e há briga, já que o Iphan que co-administra o parque com a Fundham aparentemente habilitou alguns que estão completamente despreparados para a tarefa. Me cruzei com vários que não sabiam sequer onde ficavam os sítios ou que passavam as informações erradas. Pergunte no hotel ou melhor ainda no museu quais são os melhores guias para aproveitar melhor o passeio. Contato guia: Eliete Sousa Silva email: elieteguia@yahoo.com.br.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Obrigadíssima, Fernando!

Leyla
LeylaPermalinkResponder

Obrigada pelas informações valiosas sobre este "tesouro". Pretendo ir em novembro de 2014. Vou seguir a dica e fazer contato com os guias para fechar um roteiro. Também pretendo ficar na Pousada da Fábrica de Cerâmica, conforme o post do Fernando. Já fiz a cotação pelo telefone. Só que irei sozinha e estou achando o custo total meio alto: R$ 95,00 a diária da pousada com três refeições (tranquilo), R$ 100,00 diária do guia e R$ 180 o aluguel da moto. É isto mesmo? Você acha que vale a pena ir sozinha? Eu tenho muita vontade de conhecer e uma paixão grande por trilhas e arqueologia.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leyla! O único item que parece caro é a moto, que tem preço parecido com o de carro.

Cléa Rubiane
Cléa RubianePermalinkResponder

Olá Leyla, tu és de onde? Estamos pensando, nos organizando para fazer esta visitação ao Piauí, mas será em janeiro de 2015. Como dissestes que estás indo sozinha, podemos conversar e rachar valores de guias e transporte, já que vamos com automóvel próprio, se acaso protelares tua viagem para janeiro.
Somos do RS, e como sou profe de História, sera para mim fonte de informação e conhecimento prático.
Estou ansiosa e estou pesquisando todas informações possíveis acerca deste nosso, meu e de meu esposo, "PROJETO PIAUI, visitação aos sítios arqueológicos".
Qualquer coisa, nos escreva.

Thayvid Fernandes

Oi Cléa. Eu também estou planejando ir a THE agora em janeiro,precisamente no final do mês. Moro em Brasilia. Seria interessante rachar as despesas com alguém

luiz pucú
luiz pucúPermalinkResponder

Gostei muito como vc traçou o roteiro para a Serra da Capivara e demais regiões. Convenceu-me e já estou em busca de passagem. Leve-se em conta a 'nossa' predileção por carne de bode.
abraço e obrigado
luiz pucú
niterói-rj

Charley
CharleyPermalinkResponder

A Serra da Capivara parece ser espetacular, sempre tive vontade de conhecê-la. Pretendo, algum dia, fazer este mesmo roteiro sem tirar nem por. Show de bola!

Naomi
NaomiPermalinkResponder

visitei os shoppings, mas nao consegui fazer city tour em Teresina, o calor me matou e o piriri também. E o cansaço também, foram 26 dias, rodando por São Luis, Santo Amaro, Barreirinhas, Atins, Parnaíba (antes passando por Caburé, Paulino Neves e Tutoia), Sete Cidades, Teresina, São Raimundo Nonato e Teresina d novo (ufa, cansei!), antes d voltr p/ casa.

meu relato: http://nancinaomi.net63.net/pi.html

wesley lustosa santos

a serra da capivara é linda em breve eu e meus amigos estaremos lá, estamos loucos para visitar a serra da capivara , e conhecer as riquezas e seus pontos históricos . Nos espere SERRA DA CAPIVARA....KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.

nayanna alves da silva

Eu amei as paisagem,os pontos turísticos,a comida,o parque,e tudo de bom que tem na SERRA DA CAPIVARA,em breve eu estarei com meus amigo visitando, nos aguarde SERRA DA CAPIVARA...VAMOS DEIXAR NOSSA MARCA!!!..KKKK

marcella marconi

Gostaria de saber se existe uma época mais ou menos adequada para visitar a Serra da Capivara, em relação a chuvas e temperatura. Pretendo ir em outubro.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcella! As dicas de quando ir para a Serra da Capivara estão no texto. É só ler com atenção. wink

Mara
MaraPermalinkResponder

Boa-noite!
Que maravilha foi ler esta reportagem. Eu quero ir a Serra da Capivara e aproveitar para conhecer outras cidades e tudo está muito bem explicado.
Que pena que muitos brasileiros vão para fora sem conhecer com o coração nossa terra.

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Ricardo !! Primeiramente, sou apaixonada pelo seu site e sigo todas as suas dicas sempre!!! Eu e meu noivo passaremos o ano novo em Barra Grande, ficando 5 dias por lá. Chegaremos em Teresina no dia 27 e partiremos para Barra Grande no dia 30. O que nos sugere fazer nesses 3 dias livres? Adoraríamos conhecer a Serra da Capivara...vc acha possível ou totalmente inviável?? Obrigada!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernanda! Quem responde é A Bóia.

São 550 km de Teresina a São Raimundo Nonato. Depois serão 800 km de São Raimundo Nonato a Barra Grande. Não é ajuizado.

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Que pena...Obrigada pela dica sensata ! Quais outros lugares vc nos recomendaria no trajeto Teresina - Barra Grande ? Algum parque semelhante ao das Capivaras? rs Obrigada novamente!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernanda! Está tudo no guia. Por favor leia com atenção. Não há porque copiar aqui o que já está escrito no texto.

Jailton Oliveira

Muito boas as dicas! Vou seguí-las!! abçs

Edison Machado

Prezado Ricardo,
Concordo plenamente, a gente se surpreende positivamente ao visitar Teresina. Conheci essa cidade em 2012 e nunca imaginei que ela tivesse tantas áreas verdes, fosse tão organizada e tivesse tantas coisas lindas para se visitar. O problema de Teresina é que a cidade não tem praia e por isso as pessoas não se interessam em visita-la, mas não sabem o que estão perdendo.

Abraços,
Edison

CLAUDIO MOTA DA SILVA

Foi um trabalho de catalogação turística maravilhoso e que deu mais vontade de conhecer o parque nacional da serra da capivara.

Pablo Braz
Pablo BrazPermalinkResponder

Parabéns pelo site, ajudou bastante na minha viagem. Só gostaria de registrar que o hotel Serra da Capivara tem alguns quartos péssimos com camas horríveis. Impressionante mesmo é que eles, apesar de saberem disso, ainda alugam tais quartos, como fizeram comigo! Se pensar em ir à São Raimundo Nonato, nem pensem em ficar no Hotel Serra da Capivara!

Fabricio
FabricioPermalinkResponder

Sensacional a descrição do roteiro, conhecerei essa história fantástica do movimento migratório do homem. Estarei em SRN entre os dias 13-17 de setembro, estou indo sozinho, quem estiver nesse período lá poderemos dividir os custos de deslocamento.
Obrigado pela matéria!!

Reinaldo
ReinaldoPermalinkResponder

Olá Fabrício,
Vou passar 03 dias em Petrolina e no dia 13 de setembro seguir de moto com um ou dois amigos para SRN. Podemos combinar alguma coisa.

Marcia Palhares

Parabens pelo post (que novidade...). Já estava querendo ir, agora é programar! Adoro carne de bode, já estou com água na boca! Só comi uma vez, em Recife, mas gostei muito. Lembro que o prato era carne de sol de bode, delicia!

ana pontes
ana pontesPermalinkResponder

Olá, havia feito um comentário enorme sobre minha péssima experiência no Hotel Serra da Capivara. Para minha surpresa após ser publicada, sumiu. Que pena. Pelo menos já vi que vcs excluíram a indicação que faziam para hospedagem nele. Isso é mais honesto!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana! Não, seu comentário não foi excluído; você tinha comentado em outra página.

https://www.viajenaviagem.com/destino/serra-da-capivara/comment-page-1/#comment-497796

Continuamos a recomendar o hotel; por maiores que sejam as suas limitações, é a alternativa que existe para visitar o parque. O texto ficou truncado por um erro ao incluirmos o link para o Booking. Agora o texto voltou ao normal.

WALTÉRCIO TORRES CORREIA

Muito boas informações sobre os roteiros de visita ao Piauí, contudo como Guia aqui na serra da capivara, informo que mesmo não sendo um aficionado em arqueologia o visitante pode encontrar inúmeras opções de passeios que possibilitam a descoberta de lugares incríveis através de trilhas que se adequam a qualquer perfil de visitantes, desde idosos, crianças e esportistas. Além do mais possuímos um potencial enorme para a observação de aves que só existem no bioma caatinga e a oportunidade de avistamento de fauna típica também. Por isso ao pensar em visitar a nossa região, programe-se para ficar no mínimo 05 dias inteiros de passeios. Coloco-me à disposição para qualquer informação complementar; (89)98131-5923 ( vivo e WhatsApp) e (89)99405-4607 ou pelo e-mail: walguia@hotmail.com. Obrigado e espero a sua visita!

davi
daviPermalinkResponder

excelente reportagem pena que não foi possível dar dicas do delta do Parnaíba que tenho muita vontade de conhecer. grato

SABINA ANZUATEGUI

Oi, Ricardo
Eu e dois amigos fizemos ontem, 9 de julho, o passeio Vapor do Vinho, em Petrolina.
Achei péssimo e não recomendo a ninguém.
Creio que a procura cresceu, e foram três onibus lotados, cerca de 130 pessoas.
A hora de saída era 8:00 e ficamos 1h entre a saída do hotel Quality até liberar a saída.
O passeio pelo São Francisco foi uma enganação. Entramos nas balsas, subimos a eclusa, depois a balsa fica indo de um lado para o outro, na margem da represa, enquanto o almoço é servido.
Creio que foram cinco voltas no mesmo lugar. A balsa não tem estrutura para navegar represa adentro, e fica na borda.
A visita na vinícola tem um nível muito baixo. O vinho mais simples da casa é servido na degustação. Não faz sentido "degustar" um vinho tão simples.
Talvez esse passeio tenha sido bom quando foi criado.
Mas agora, com essa quantidade de gente, perde-se muito tempo e não há qualidade nenhuma.
Um abraço
Sabina

Marília Gomes

Muito bom seu post dando destaque o Parque Nacional Serra da Capivara.Lugar majestoso.
Para conhecer precisa contartar um guia.Contato para contratar um guia credenciado (89 )981082100

CRIS
CRISPermalinkResponder

Olá, Ricardo Freire. Agradeço muito suas informações sobre o roteiro fantástico; são de grande importância para mim, porque estou na decisão em viajar agora em outubro e sozinha. Penso nuns 15/16 dias. Estou colhendo várias dicas por aqui e acolá, estudando cada passo, fazendo um planejamento mesmo. Estou muito ansiosa.

Márcia moura
Márcia mouraPermalinkResponder

Boa tarde Cris, ao visitar a Serra da capivara venha conhecer hotel serra da capivara,está sob nova direção e será um prazer te la conosco.
89 981349677

Selma Nunes
Selma NunesPermalinkResponder

Adorei as informações desse site!
Super úteis.
Decidi ir p Serra da Capivara por Petrolina (2 dias) e depois ficarei (6 dias) p Serra da Capivara em São Raimundo Nonato , de onde pegarei um avião p conhecer Teresina (2 dias).
Obrigadaaaaa!

Amilton Andreotti

Acabei de voltar da Serra. O trecho em terra de Remanso até divisido do Piauí, continua sem asfalto mas dá para transitar (40 a 50 km/h). Estao recapeando entre Casa Nova e Remanso, nos 2 trechos evite viajar a noite. Em S. R. Nonato, o Caldeirao do Chapolim tem comida excelente por preço bem camarada.O restaurante da fábrica de ceramica é ok!. Em Petrolina, para chegar no Flor de Mandacarú utilize o Waze, o endereço da pagina do facebook esta errado! Obrigado VNV pelas dias, muito uteis mais uma vez.

Monique
MoniquePermalinkResponder

Olá, boa noite.
Caros colegas, pretendo ficar 2 dias em Teresina e logo depois ir a Fortaleza dirigindo. Alguém recomenda? A estrada é boa?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Monique! Se a idéia não for parar pelo litoral no caminho, não vale a pena. Para ir direto, o Expresso Guanabara tem ônibus superconfortáveis. Melhor alugar um carro quando estiver em Fortaleza.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar