30 dias em Portugal, II: Douro, Minho e Serra do Gerês (por Silvio)

Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Douro

Douro

Texto e fotos | Silvio Carlos Cury

O Silvio e a Simone fizeram uma viagem incrível de carro por Portugal, que começaram a narrar neste post. Esta segunda parte do relato traz a aguardada passagem do casal pelo Douro, e dicas valiosas de passeios pelo Minho e pela linda Serra do Gerês (com direito a um pulinho na Galícia).

Conta tudo pra gente, Silvio:

Na segunda parte da nossa viagem a Portugal, realizada em setembro de 2013, conhecemos as regiões do Douro, Minho e Serra do Gerês. Tivemos como cidades-base Lamego (Douro, 12 a 15/09), Guimarães (Minho, 15 a 17/09) e Caniçada (Serra do Gerês, 17 a 19/09).

Douro

Pernoitamos três noites e aproveitamos dois dias “full” para conhecer parte das suas atrações.

Distâncias: Belmonte a | Guarda, 26 km | Vila Nova de Foz Côa, 102 km | Peso da Régua, 220 km | Peso da Régua a | Lamego, 17 km (A24 ou N2) | Pinhão, 28 km (N222) e 53 km (passando pela Quinta do Crasto) | Vila Real, 40 km | Amarante, 40 km | Guimarães, 80 km

Pernoites: 3 noites em Lamego

A viagem para Peso da Régua, passando por Vila Nova de Foz Côa

Estávamos ansiosos para iniciar a jornada pelo Douro. Saímos de Belmonte, sem pressa, e sentindo saudades daquilo que deixamos e que provavelmente não mais iríamos ver. Voltar sempre ficará como um desejo, quase impossível de ser realizado.

Nosso destino era Peso da Régua. Pela N18 fomos até Guarda e depois a Celorico da Beira (N16). A estrada, secundária, e antiga, apresenta algumas irregularidades no asfalto. Caso deseje um percurso mais rápido vá pela A23/25 em direção a Guarda e Celorico da Beira, respectivamente. Devagar fomos apreciando as paisagens e nos despedindo de uma bela região de Portugal. A partir de Celorico, através da N102/IP2, fomos para Vila Nova de Foz Côa. Viagem tranqüila e gostosa, sem nenhuma atração especial que mereça comentários.

Rio Côa

Rio Côa

No trevo que dá acesso a Pinhão, N222, porta de entrada para o Alto Douro Vinhateiro, pegamos à esquerda para a Foz do Côa. O rio, os parreirais e as paisagens justificam esse pequeno desvio de rota (50 km entre ir e retornar).

Alto Douro Vinhateiro, N222

Alto Douro Vinhateiro, N222

Alto Douro Vinhateiro

Agora eu entendi quando A Bóia elogiou a opção de escolher a chegada ao Douro por essa região (Alto Douro). A N222 deve ser a mais linda entrada para a região do Douro. Descrever os 85 km de lindas paisagens é impossível. Posto algumas fotos desse trajeto. Aviso que entre paradas e sem pressa, 2 horas serão suficientes. Em alguns passeios a partir de Régua, há a necessidade de passar por alguns trechos da N222. Não queira apreciar tudo na chegada.

Restaurantes na região:

  • DOC, entre Pinhão e Régua (N222), muito bom. Boa variedade de vinhos, à beira do Douro e com um menu interessante. Vale a pena conhecer.
  • Castas e Pratos, ao lado da estação de comboio (trem) de Peso da Régua. Ótima relação custo x benefício. Agradável, boa comida e bons vinhos.
  • A Companhia, o restaurante mais barato de toda a nossa viagem. Fomos almoçar e nos ofereceram um menu fechado. Entrada, prato principal, sobremesa e vinho (à vontade). Vale a pena conhecer.

Os passeios a partir de Peso da Régua

  • Pinhão com Quinta do Crasto (um dia). Ir a Pinhão seguindo a margem direita do Douro é um passeio especial. Parreirais, quintas, estradas sinuosas e lindas paisagens.

Entre Pinhão e Quinta do Crasto

Saímos pela manhã, ao redor das 10 horas, e seguimos através da N2 / N313-2 (em direção a Guiães) / CM1258 + N322-2 em direção a Gouvinhas e Quinta do Crasto. Outros caminhos são possíveis. Foram 33 km de muito verde, vales e escarpas. Passamos por belas quintas e a vontade era parar em todas.

Quinta do Crasto

Quinta do Crasto

Aqui vale a pena um breve relato. Chegamos na Quinta do Crasto um pouco antes do horário marcado (14h). Fomos muito bem recebidos e nos perguntaram se poderíamos esperar por outro casal, que estava atrasado. Pelo local aprazível e o acolhimento que recebemos não pusemos nenhuma objeção. Num gesto de carinho, perguntaram se aceitaríamos uma sopa gelada de melão. Adoramos surpresas e de pronto o convite foi aceito. Fomos premiados com a sopa que consistia no melão gelado, batido em liquidificador, com pimenta branca e presunto de “parma” bem picado. Uma delícia. Afinal, um pequeno gesto que sempre estará nos meus relatos sobre a Quinta do Crasto.

Quinta Crasto

Quinta Crasto

Quinta do Crasto

Na visita guiada conhecemos todo o processo, desde a moagem até o engarrafamento dos vinhos. A degustação foi interessante e agradável. Seguimos viagem em direção a Pinhão, sempre pela margem direita do Douro. O trajeto total, desde Régua, foi de 53 km. Caso tenham fôlego, é possível, no último horário, fazer um passeio de barco pelo Douro a partir de Pinhão (duração do passeio: 1 hora).

Casal de Loivos

Casal de Loivos

  • Miradouros (um dia). Ir a São Salvador de Mundo (São João da Pesqueira – 45 km) seguindo a margem esquerda do Douro, pela N222. Desfrute desse maravilhoso passeio. Paisagens lindas sempre estarão presentes. Siga em frente em direção a Viseu (N222-3 / CM1121). Na continuação vá em direção a Linhares (M633), Foz do Tua (N214 / M634), Alijó (N212), Casal de Loivos (N322-3), Pinhão e Régua. Total do trajeto: 140km. O que será visto nesse passeio: parreirais, quintas, represa e vales.
  • São Leonardo de Galafura (meio dia). 20 km pelas vias 313-2 e 313-1. Vista muito bonita da região do Douro. Todo o trajeto é feito por estradas asfaltadas.
  • Vila Real, Casa de Mateus (5 a 7 horas). Faça da viagem um belo passeio. Trafegue pelas estradas secundárias (N313 e N15).

Casa de Mateus

Casa de Mateus

A Casa de Mateus é um monumento bem preservado. Conheça os jardins e as instalações externas. Não deixe de fazer a visita guiada pelo interior do palácio. Faça reserva com antecedência de alguns dias. Na volta siga por estradas alternativas em direção a Sabrosa e descendo até Pinhão.

Todos os passeios foram realizados na época da vindima (parreirais verdes e cacheados). Em outras épocas a paisagem é de coloração marrom (somente os caules dos parreirais).

Há outras quintas para visitação e degustação. Dê preferência para um hotel/pousada integrado em uma quinta.

Podem programar para fazer a rota das Aldeias Vinhateiras (Provesende, Favaios, Trevões, Barcos, Salzedas e Ucanha). Faremos na próxima viagem para o Porto.

Não fizemos o passeio de trem e nem de barco no Douro. Em Lamego, estivemos só de passagem.

Minho

Distâncias: Amarante, 40 km (N108 / N101) | Guimarães, 50 km (A4 / A11)

Pernoites: 2 noites em Guimarães

A viagem para Guimarães passando por Amarante

Viagem tranqüila e com o sentimento de estar deixando para trás três dias de intensas atividades e uma região cheia de encantos. Sabíamos que o rio Douro com os seus vales e parreirais ficariam na nossa lembrança para sempre. Passamos por Mesão Frio e Caldas de Moledo. Essa, onde a Ferreirinha já teve um palacete e hoje só restam ruínas dos hotéis e casino (no blog da Suca tem informações adicionais).

A caminho de Guimarães, no Minho, paramos em Amarante, ainda no Douro. Cidade agradável, situada numa curva do Rio Tâmega. A igreja e o mosteiro de São Gonçalo junto com a ponte Romana formam um belo conjunto arquitetônico. Vale a parada e caminhada à beira do rio.

Mário Doçaria

Mário Doçaria

Provamos, na Mário Doçaria, o doce típico da cidade: brisas do Tâmega. Caminhe pelo “calçadão” e siga em frente (Rua Cândido Reis, 137). Bom atendimento e delícias de doces.

  • Guimarães (um dia). Situada no distrito de Braga, merece uma visita tranqüila e com tempo. Serve como cidade base para visitar Ponte de Lima e Braga. Não há necessidade de carro. No nosso caso, desde o Hotel da Penha há ligação com teleférico ao centro histórico. A partir dele você consegue fazer os passeios caminhando ou de táxi.

Centro Histórico de Guimarães

Centro histórico de Guimarães

Paço dos Duques

Paço dos Duques

O que visitar? Centro Cultural Vila Flor, o centro histórico (tombado pelo patrimônio da humanidade pela UNESCO), Castelo de Guimarães (não gaste dinheiro indo à torre do castelo – a visão da Penha é mais interessante), Paço dos Duques de Bragança, Estátua de Dom Afonso Henriques, Largo República do Brasil (tem uma linda vista para fotos), Largo da Oliveira (bons restaurantes), Museu de Alberto Sampaio (verdadeira relíquia em arte sacra). Sente numa cafeteria e aprecie a arquitetura do centro histórico.

A partir de Guimarães, é possível visitar Braga e Ponte de Lima em um mesmo dia (ida N101 e volta A11).

Braga

Braga

  • Braga, capital do Minho, distante 25 km (N101), cujo passeio pelo centro histórico, que é compacto, deve ser feito a pé. A Catedral da Sé, a mais antiga de Portugal, merece uma visita. Caminhe e observe essa cidade que, embora muito antiga, não possui a aparência de velha. Duração do passeio: 4 horas.
  • Ponte de Lima, distante 60 km de Guimarães (N101), situada no Vale de Lima e cortada pelo rio do mesmo nome, merece ser visitada devido à sua arquitetura. Aproveite os arredores do Rio Lima e aprecie a paisagem e locais históricos. Local apropriado para fazer um lanche à sombra das árvores.

Ponte de Lima

Ponte de Lima

Nessa cidade acontece o Festival Internacional de Jardins (maio a outubro). Duração do passeio: 3 horas.

Serra do Gerês

Distâncias: Trajetos percorridos, 200 km

Pernoites: 2 noites em Caniçada

A viagem para Caniçada - São Bento (Pousada do Gerês) foi tranqüila e muito interessante (N101 / M583 / N205 / N103 / N304), distante 45 km de Guimarães. GPS (Pousada do Gerês): Latitude: N 41 38.859 Longitude: W 8 11.135.

Serra do Gerês

Serra do Gerês

Paisagens muito interessantes, apartamentos aconchegantes, restaurante de qualidade, vista para o vale e atendimento impecável são algumas das surpresas que a Pousada do Gerês/Caniçada-São Bento oferece. Fica situada no interior do Parque Nacional Peneda-Gerês. Devido ao cansaço, resolvemos jantar na pousada. Façam isso! Além de provar sabores excelentes, desfrutarão de uma linda paisagem. Requer reserva, mesmo para os hóspedes.

Serra do Gerês

Serra do Gerês

Serra do Gerês

O que fazer na serra? Pegar o carro e sair para conhecer a região e suas paisagens. Há a Via Romana, cujos início e final acontecem nas localidades de Santa Cruz e Portela do Homem, respectivamente. Descendo a serra, saindo da pousada (N304), vocês devem atravessar a ponte sobre o Rio Cávado e parar, próximo à cabeceira, no Posto de Turismo. Fornecem mapas e uma breve explicação sobre os melhores caminhos para conhecerem o concelho de Terras de Bouro (Gerês). Percorremos quase todos os trajetos possíveis, divididos em três partes. Um em direção à cidade de Terras de Bouro (somente se dispuserem de tempo), o segundo subindo em direção a Ermida e Pedra Bela e indo em direção à Galícia (Espanha).

Termas na Galícia

Termas do Rio Caldo

Atravessamos a fronteira seca, sem aduana, e fomos parar nas termas do Rio Caldo (40 km). Molhamos os pés, não tínhamos roupa de banho, paramos para lanchar e retornamos. O caminho de volta foi feito pelos Campos do Gerês, Pedras Brancas, Lamas, Chá de Ermida e Vila do Gerês. Após, desça em direção ao ponto de partida. Parece confuso, mas com as explicações e mapa na mão fica fácil.

Não fizemos, mas parece ser divertido aproveitar os passeios náuticos, rios, caminhadas, cachoeiras.

Sabemos que deixamos de conhecer outras atrações incríveis dessa região, mas como resolver essa questão? Informações turísticas completas você encontra neste site.

Na parte 3 descreveremos os passeios pelas regiões do Porto, Coimbra, Sintra e Lisboa.

Obrigada, Silvio!

Leia mais:

23 comentários

Natalie Soares

Que lindo! Babei nesse roteiro smile

Erika - Próxima Trip

Muito bacana! Parabéns pelas dicas e pela bela viagem smile

Cândida Silva

Vcs chegaram a ir a São João da Pesqueira?

Silvio Carlos Cury

Olá Cândida, passamos por São João da Pesqueira, Carrazeda de Ansiães e Alijó. Caso queira informações adicionais é só solicitar. Abraços,

cristina
cristinaPermalinkResponder

Silvio , você não publicou a parte III de sua viagem?Estou pretendendo ir a Portugal em maio/2015 e gostei de seu roteiro.Espero pela última parte.

Manuel Pacheco

Silvio , estou a seguir o relato da sua viagem e estou adorar , mas dizer que Vila Nova de Foz Côa, não tem nenhuma atracção especial que mereça comentários, desculpe, mas não será muito correcto. Vila Nova de Foz Côa , tem o maior Museu de Arte Rupestre do mundo, Património da Humanidade atribuído pela Unesco. Boas viagens e volte sempre. Abraço desde Portugal

Silvio Carlos Cury

Olá Manuel. Devo ter me expressado mal. O que eu escrevi é que a viagem, desde Belmonte, até Vila Foz do Côa não apresentou nada de especial que pudesse ser relatado. Quanto a Vila Foz do Côa justifiquei a ida pela beleza natural.
Adoramos Portugal.
Abraços,

Cândida Silva

Silvio, São João da Pesqueira eh a terra dos Silva! Em alguns anos o pic mic da festa de família eh feito no Miradouro de São Salvador do Mundo! Sempre que vou a Portugal passo um fim de semana na Pesqueira. Saudades desse lugar lindo. Parabéns pela bela viagem.

Silvio Carlos Cury

Olá Cândida. Lembro dos seus comentários quando vocês estavam dando dicas para a minha viagem em "Douro pro Silvio". Região maravilhosa e que iremos retornar em breve.
Abraços.

Lívia
LíviaPermalinkResponder

Sílvio,

Babei com o primeiro, e agora babando com o segundo relato !
Parabenizo novamente você pela generosidade do relato, recheado de detalhes. Um verdadeiro guia prá todos nós.
Abraços.

Sandra Mara Cunha Pickersgill

Vou passar 6 dias de 28 de setembro até 3 de outubro em Lisboa. Gostaria de sugestões. Gosto de agitação.

O Guia de Portugal

Dicas fantásticas!
O Douro é uma região especial, lindíssima, vale a pena conhecer! No meu blog também dou muitas dicas.
O Gerês também vale a pena conhecer!

Maria Cecilia
Maria CeciliaPermalinkResponder

Olá Bóia! A parte 3 da viagem do Silvio Carlos Cury e da Simone já foi publicada? Me interessa muito.... Em outubro pretendo fazer o seguinte roteiro: Lisboa ( 4 dias), em seguida,e alugando um carro no último dia, passar por Óbidos, Fátima e Coimbra ( vou trocar a pernoite em Coimbra pelo Hotel em Bussaco). Depois Porto ( 3 dias) e em seguida vamos em direção a Salamanca ( 2 dias ) e Madri ( 4 dias).Deixaremos o carro em Madri e voltaremos de avião para Lisboa onde teremos mais um dia, devido a Tap ter alterado o nosso voo de volta para o dia seguinte. Ao todo teremos 16 dias de viagem, tirando o dia da ida e o da volta. O que vc acha?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria Cecilia! O Silvio não enviou a terceira parte do relato ainda não. Você já orçou quanto fica devolver esse carro em Madri? Deve ficar caríssimo.

No seu roteiro falta um dia para Coimbra, você precisa de um segundo pernoite na região.

Deixe a Espanha para uma outra viagem, você vai usar melhor seus dias se ficar por Portugal.

Maria Cecilia
Maria CeciliaPermalinkResponder

Valeu, Bóia! Já orçamos o aluguel do carro com devolução em Madri mesmo. E é caro mesmo! Fizemos a reserva com a Avis. Mas como estamos em quatro pessoas, e com o tempo limitado em 16 dias para a viagem, achamos que passear mais um pouco em Madri valeria a pena ao invés de voltarmos de carro para Lisboa. As passagens também já foram compradas. Mas já vi que terei que voltar outras vezes para melhor desbravar Portugal!

Fatima
FatimaPermalinkResponder

Olá Ricardo. Parabéns pelo site e pela excelente coluna no Estadão. Estamos indo em 26 de dezembro a Portugal para realizar o seu roteiro " Portugal pela porta dos fundos", cuja reportagem guardamos há vários meses. Porém nos deparamos com um problema: A neve na Serra da Estrela e a possibilidade de estradas fechadas. Estamos tentando adaptar o roteiro, e resolvemos ir a Évora inicialmente e estarmos no dia 30 no Porto para lá passarmos o reveillon. Depois voltaríamos talvez fazendo o roteiro " ao contrário, mas se o tempo não estiver bom , " quase que certamente saltamos" a Serra da Estrela, Manteigas etc. Temos 12 dias de viagem.

Poderia , por gentileza, me ajudar pois, não conhecendo a região, estou com extrema dificuldade para adaptar o roteiro. Muitíssimo obrigada pela ajuda. Fatima Monteiro.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fátima! Quem responde é A Bóia. Se a Serra da Estrela estiver interditada, desça de Viseu a Coimbra e pegue a IC8 em Avelar para a "porta dos fundos" do Alentejo.

Vivianne Gusmao

Nunca consigo deixar nada postado aqui, mas como o que vale é a intenção... Estou indo pela quarta vez a Portugal, mas pela primeira vez passarei 30 dias apenas em Portugal e pesquei tudo e mais um pouco de dicas aqui no site. Li o site de cabo a rabo. O que falava de Portugal eu tava lendo e gostaria de agradecer ao pessoal do site e a todos que postam dicas, me ajudaram muito a montar roteiros de lugares que quero conhecer. Parto em exatos 30 dias e levo o Viaje na Viagem comigo. E quero agradecer em especial uma pessoa que conheci através de vcs - o Alex Bezerra, do site have a wine day - alem das dicas que deu nos posts da viagem do Silvio, respondeu meus vários emails e me ajudou imensamente a tirar minhas dúvidas e montar meu roteiro pela região do Alto Douro Vinhateiro. Obrigada a todos e o VnV definitivamente virou um dos meus favoritos.

Silvio Carlos Cury

Viviane, adorei os seus comentários. O Alex é uma pessoa especial. Se puder marque um encontro com ele. Abraços e boa viagem.

Fred
FredPermalinkResponder

Apenas recentemente comecei a ler o roteiro do Sílvio e isso embananou o meu roteiro (no bom sentido). Tenho algumas dúvidas que espero que o Sílvio possa me ajudar e quem sabe até a incansável Bóia.
Estou indo pela primeira vez em Portugal em junho e vou dispor de 20 dias contando ida e volta. Terei tempo para conhecer a região do Alentejo ou a região do Douro, infelizmente terei que excluir uma.
O roteiro sem entrar em detalhes é Lisboa 5 dias com dois bate volta, região (óbidos, Fatima, Batalha etc) 2 dias, Coimbra 2 dias, Porto 5 dias com 02 bate volta. Tenho sobrando 04 dias. Acho difícil retirar dias dos outros lugares, mas aceito sugestões.
Pelo relato do Sílvio sobre a região do Douro, notei que ele narrou mais sobre as belezas da paisagem e pontos de observação do vale. Para região do Alentejo, o Sílvio relatou mais sobre as cidades em si. São regiões completamente diferentes entre si em termos de paisagens, mas são regiões que produzem excelentes vinhos sem falar da gastronomia.
Então pelo conjunto da obra sob os aspectos paisagens, culinária, cidades e vinícolas, qual das regiões é mais interessante para uma primeira viagem de um casal à Portugal?
Eu e minha namorada somos jovens e disposição para caminhar é o que não falta, mas não gostamos de correria com inúmeros check-in. Gostamos de montar base e conhecer a região e as pessoas.
Sei que é uma decisão pessoal, mas gostaria de ouvir a opnião principalmente do Sílvio, da Bóia e de outras pessoas que estiverem em ambas as regiões.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fred! Saia de Lisboa pelo Alentejo -- passe duas noites em Évora, tire um dia para rodar a região (Monsaraz, Elvas, Arraiolo). Viaje de Évora a Coimbra pelos 'fundos', passando por Marvão e Piódão (dá 420 km, você vai passar o dia na estrada com as duas paradas). Durma as suas duas noites previstas em Coimbra. Suba de Coimbra à região do Douro, via Viseu (180 km). Passe duas noites na região, tire um dia para fazer o passeio de barco. Siga ao Porto.

Silvio Carlos Cury

Fred, difícil dar opinião quando o assunto é turismo em Portugal. País de contrastes, história e belezas naturais. Em 2019 ficaremos 3 meses. Você pode focar algumas regiões, pensando em voltar.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar