3 vezes Amazônia: Iberostar x Anavilhanas x Mamirauá

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Anavilhanas

Vista do mirante do Anavilhanas Lodge

Ainda não visitei todos os hotéis de selva que gostaria -- mas já tenho seis experiências no currículo.

A primeira, em 1999, foi no Ariaú, que é praticamente sinônimo de hotel de selva no Brasil. Não gostei: achei gigantesco e brega. (Visitei de novo em 2012, e não mudei de opinião.)

Outras duas experiências de selva se deram em vilarejos amazônicos: Alter do Chão, no Pará, e Novo Airão, no Amazonas. Nas duas ocasiões, fiquei em hoteizinhos simples, dentro dos vilarejos.

As três experiências restantes são as que detalho neste post.

Esse repertório, curto porém variado, me permitiu chegar a duas conclusões sobre hospedagem de selva.

1 | O cardápio de atividades é bastante semelhante
Focagem de jacaré

Focagem de jacaré na Pousada Uacari

Não importa onde você se hospede, vai poder fazer todos os passeios básicos: navegar pelos igarapés e igapós ("riozinhos" e "lagos" na floresta inundada, durante os meses de cheia), caminhar pela selva (nos meses de vazante), fazer focagem noturna de jacarés, pescar, observar pássaros e animais da floresta, ver botos, visitar uma aldeia de caboclos. As experiências não serão exatamente iguais (cada hotel tem seu estilo, cada região tem suas peculiaridades, cada época tem suas variações, e sempre haverá uma ou outra atividade exclusiva do hotel), mas o essencial estará coberto. Arrisco dizer que, mesmo se a hospedagem for ruim, os passeios serão bons.

2 | Os hotéis são menos caros do que parecem

Não há quem não se assuste com os preços dos hotéis de selva na Amazônia. Muitas vezes são expressos em dólar, e cotados por pessoa, não por quarto. E sempre com aquela pegadinha de mais dias do que noites (3 dias e 2 noites, 4 dias e 3 noites...). O que aprendi nos meus dias hospedado em pousadas baratinhas em Novo Airão e em Alter do Chão, porém, é que é muito caro tentar fazer os passeios por conta própria. Nenhuma voadeira entra n'água por menos de R$ 150 (pra te levar até ali pertinho); nenhum passeio de meio dia custa menos do que R$ 300. Ou seja: aquela diária baratinha de R$ 150 esconde gastos extras que podem custar o triplo ou o quádruplo por dia. É preciso viajar em grupo (dois casais, por exemplo), para que a independência total passe a valer a pena.

Iberostar Grand Amazon

Pesca de piranha no Iberostar Grand Amazon

Ao incluir traslados, todas as refeições e dois passeios por dia, os hotéis de selva acabam se revelado um bom investimento. Não são baratos, mas valem o que se paga. (Comparando com o destino que sempre aparece nas comparações: se você pegar um hotel de US$ 100 em Orlando e acrescentar duas entradas para a Disney, traslados e refeições, vai bater em quase US$ 400 para duas pessoas por dia.)

Minha dica para viabilizar essa viagem é emitir a passagem aérea a Manaus com milhas. Fique de olho nas promoções do seu programa de milhagem; depois de Noronha (para onde é quase impossível viajar com milhas), Manaus é o destino que melhor rentabiliza a suas milhas.

As três hospedagens de selva descritas neste post foram escolhidas justamente pelas diferenças entre seus perfis. Minha antena não estava enganada, e na prática confirmei muito do que intuía antes de viajar. O barco e os dois hotéis se revelaram três excelentes opções, para três públicos diferentes.

As viagens aconteceram em agosto de 2011 (Iberostar Grand Amazon), novembro de 2012 (Anavilhanas Lodge) e setembro de 2013 (Pousada Uacari/Mamirauá).

Amazônia com comodidade: Iberostar Grand Amazon

Iberostar Grand Amazon

O barco

Se você quer ter contato com a selva com perrengue zero, o barco do Iberostar é imbatível.

Ponte do Rio Negro

Saindo do porto

O embarque (no meio da tarde) e o desembarque (de manhã cedo) acontecem no porto central de Manaus, que está a 5 minutos de táxi do Teatro Amazonas.

Encontro das águas

Encontro das águas

A outra grande atração da cidade, o encontro das águas, está incluído no programa de navegação. Ou seja: se não fizer questão, você não precisa nem dormir em Manaus; terá tempo para visitar o centro histórico ou mesmo fazer um city-tour completo no dia da chegada ou da saída.

Iberostar Grand Amazon

Iberostar Grand Amazon

Iberostar Grand Amazon

Iberostar Grand Amazon

As acomodações são confortáveis -- ideais para quem vai com crianças e/ou quer ver a selva sem precisar dormir no meio da selva. A floresta estará o tempo todo à vista, e será visitada em passeios curtos, de 90 a 120 minutos de duração, no início da manhã ou no meio da tarde. Quando o sol estiver alto, você poderá escolher entre os ambientes refrigerados do navio ou as espreguiçadeiras do deck.

Iberostar Grand AmazonIberostar Grand AmazonIberostar Grand Amazon

Camarões / Pirarucu / Tucumã & açaí]/p>

Comida e bebida seguem o sistema all-inclusive que o Iberostar pratica em seus resorts, com oferta generosa, extensiva aos lanchinhos e até às bebidas alcoólicas (é a única hospedagem de selva em que a caipirinha, a cerveja, o vinho e o espumante não aparecem na conta do check-out). Os buffets são feitos para não ofender o estômago de ninguém: a culinária regional tem presença pouco expressiva e é sempre complementada por pratos "internacionais" (tem até uma noite "surf & turf", de filé + lagosta).

Iberostar Grand Amazon

Show de encerramento

Nas noites, além do passeio de focagem de jacarés, há sempre algum entretenimento -- de música ao vivo a um show folclórico de encerramento (pra gringo ver).

Iberostar Grand AmazonIberostar Grand AmazonIberostar Grand Amazon

Iberostar Grand Amazon

Toda semana, o Iberostar cumpre dois percursos. Da noite de sexta à manhã de segunda, o barco navega pelo Solimões (como o Amazonas é chamado a oeste de Manaus) -- uma rota onde, além da selva, é possível observar a vida do homem amazônico, já que nas margens moram ribeirinhos que cultivam a terra na vazante do rio. E da noite de segunda à manhã de sexta, o barco vai pelo Negro, que é bem menos habitado (mas também tem uma fauna menos rica, pela pobreza de nutrientes de suas águas).

Iberostar Grand Amazon

O Iberostar Grand Amazon:

  • É para você que quer visitar a Amazônia sem abdicar de confortos urbanos
  • Não é para você que busca uma experiência de selva mais intensa

Amazônia com charme: Anavilhanas Jungle Lodge

Anavilhanas Jungle Lodge

A piscina

Antes mesmo de ser charmoso, o Anavilhanas Lodge é um hotel inteligente. A localização não poderia ter sido melhor escolhida. O hotel fica numa grande área preservada em frente ao intocado arquipélago das Anavilhanas -- um parque nacional com 400 ilhas no rio Negro. Ao mesmo tempo, está relativamente perto de Manaus (são 180 km por via rodoviária, com acesso pela nova ponte do Negro e por boa estrada asfaltada até a entrada da propriedade) e a meros 10 km do vilarejo de Novo Airão.

Anavilhanas Jungle Lodge

Mapinha do hotel

A facilidade de acesso aparece na qualidade da construção e da manutenção: o Anavilhanas é rústico por uma questão de estilo, não por necessidade. E a proximidade da vila (que não é avistada de nenhum ponto do hotel) ajuda a manter alto o astral da equipe, que pode ir e voltar todos os dias, sem precisar passar temporadas confinada.

Anavilhanas Jungle Lodge

Anavilhanas Jungle Lodge

Anavilhanas Jungle Lodge

Sala de jogos - Restaurante - Mirante

O que eu mais gostei é o que o conforto e a direção de arte não desvirtuam a sua experiência de selva. A construção é discreta e harmônica -- e mesmo a piscina, que poderia estar num hotel de charme urbano, tem uma localização discreta; não é o ponto focal da propriedade.

Anavilhanas Jungle LodgeAnavilhanas Jungle Lodge

Chalé -- fotos antes da reforma

Existem dois tipos de acomodações. A categoria básica é composta por 16 chalés, geminados dois a dois. Eles foram reformados recentemente, com o aumento da área envidraçada para dar mais a sensação de estar na floresta.

Anavilhanas Jungle LodgeAnavilhanas Jungle LodgeAnavilhanas Jungle Lodge

[Bangalô]

Anavilhanas Jungle LodgeAnavilhanas Jungle Lodge

Bangalô

Anavilhanas Jungle Lodge

Essa sensação é plena nos bangalôs -- 6 unidades independentes que têm toda a frente envidraçada. Se você e$tá podendo, durma num deles. Eu dormi, e digo que é um dos quartos mais charmosos em que já me hospedei no Brasil. É um hotel de selva que cabe até numa lua de mel.

Anavilhanas Jungle LodgeAnavilhanas Jungle LodgeAnavilhanas Jungle Lodge

Anavilhanas Lodge

Os ambientes sociais são elegantes na medida -- e ficam ainda mais bonitos quando você compara com a breguice extrema do Ariaú. Nenhum detalhe passa despercebido. A trilha sonora é perfeita: só música brasileira da melhor qualidade (ajudando a mostrar um Brasil muito bacana para os gringos, que são sempre a maioria entre os hóspedes).

Anavilhanas Jungle LodgeAnavilhanas Jungle Lodge

Anavilhanas Jungle Lodge

Os buffets incorporam ingredientes e temperos regionais à maioria dos pratos, conferindo um leve  toque exótico, mas sem radicalismo.

Anavilhanas Jungle Lodge

No dia em que me hospedei, a atividade do fim da tarde era remar por um igarapé próximo. Fomos levados de voadeira e lá descemos o igarapé de canoa até uma prainha ótima para cair n'água. (Ou seja: acabei não passeando pelas Anavilhanas.)

Anavilhanas Jungle Lodge

Se bem que o melhor passeio pelo arquipélago é feito apenas por quem cacifa o sobrevôo das ilhas -- e pode servir como trânsfer de ida ou de volta (a saída é do aeródromo do hotel Tropical, em Manaus).

Anavilhanas Jungle LodgeAnavilhanas Jungle LodgeAnavilhanas Jungle Lodge

Níveis máximos do rio em diferentes anos, na cheia

Anavilhanas Jungle Lodge

O Anavilhanas Jungle Lodge:

  • É para você que procura uma hospedagem charmosa como as da África do Sul na Amazônia
  • Não é para você que acredita que confortos muito urbanos não combinam com selva

Amazônia com consciência: Pousada Uacari (Reserva Mamirauá)

Anavilhanas Jungle Lodge

A Pousada Uacari, na Reserva Mamirauá, é mais do que ecológica -- é turisticamente correta. Sua operação faz parte do plano de manejo da primeira reserva de desenvolvimento sustentável do Brasil, criada em 1996 para preservar a biodiversidade de uma área de mais de 1 milhão de hectares, sem desalojar a população. Com a limitação da exploração dos recursos naturais, o turismo entrou como uma fonte alternativa de emprego, renda e capacitação.

Tefé

A localização é remota. À diferença da maioria dos outros hotéis de selva, que ficam relativamente perto de Manaus, a Reserva Mamirauá está no médio Solimões, mais de 500 km a oeste da capital, e a uma hora e meia de barco da cidadezinha de Tefé.

TeféTefé

Tefé

Chega-se a Tefé de avião (1h em jato, ou 1h30 em turboélice ATR, ambos pela Azul), lancha rápida (12 horas) ou barco regional (dois dias de navegação). Comprando com antecedência, dá para achar passagens aéreas Manaus-Tefé desde R$ 165 o trecho. A lancha rápida custa R$ 220 por trecho. O barco regional custa R$ 240 por trecho, se você viajar na rede (é preciso levar a sua), ou R$ 700 por trecho para duas pessoas, no camarote. Para ver horários e ver contatos das embarcações (lancha ou barco), use este site. Se você dispõe de tempo e busca uma experiência mais antropológica, pode ir de barco lento e voltar de avião. Preços atualizados em julho/2015.

Pousada Uacari, MamirauáPousada Uacari, Mamirauá

Quando feito nos dias de troca de grupo (segunda e sexta), o traslado está incluído nas diárias. O barco da pousada logo deixa o Solimões e entra por um emaranhado de canais cujas margens vão ficando cada vez menos povoadas. Uma hora e meia depois você chega à pousada, graciosamente situada numa curva do rio (do lago? do canal? do curso d'água? enfim).

Pousada Uacari, Mamirauá

Vista aérea / Reprodução de um cartaz do escritório da pousada

Toda a estrutura da Pousada Uacari -- sede, quartos, passarelas, áreas de serviço -- é flutuante. Mesmo sendo bastante básicos, os chalés acabam oferecendo uma sensação que você não vai ter em nenhum hotel de luxo, seja na selva, seja na praia: a de estar num "overwater bungalow" smile

Pousada Uacari, Mamirauá

Pousada Uacari, MamirauáPousada Uacari, Mamirauá

Chalé

O que me levou à Reserva Mamirauá foram os relatos da Lucia Malla e do Gabe Britto. Pois bem: as qualidades que eles enxergaram ficam amplificadas na comparação com outras experiências mais comerciais de selva.

Pousada Uacari, MamirauáPousada Uacari, Mamirauá

Passeio de canoa

A Pousada Uacari transpira ingenuidade e autenticidade. Com exceção dos biólogos, que vêm de cidades grandes e passam temporadas de alguns meses, todos os funcionários nasceram e cresceram na região. É fácil ficar com a impressão de que a familiaridade dos guias com a mata e suas criaturas vem da infância, e não de algum treinamento.

Pousada Uacari, Mamirauá

Para mim, o maior diferencial da experiência de selva em Mamirauá são os passeios de canoa a remo. As voadeiras são usadas só para passeios a pontos distantes da região. Para a exploração dos arredores, a canoa é o meio de locomoção preferencial. (Tem dias em que saí de canoa pela manhã e à tarde).

Pousada Uacari, Mamirauá

Vagarosamente, por duas horas, duas horas e meia, o guia-canoeiro leva você pelas entranhas da floresta. Sem o barulho do motorzinho das voadeiras, você não apenas vê, mas ouve a floresta. O tempo todo, não só nas paradas. E isso muda a história. A floresta não pára nunca de falar.

Pousada Uacari, Mamirauá

O guia também fala, e se você tem a sorte de entender português, vai aprender causos fascinantes. Tipo: na época em que essa castanha amadurece e cai n'água, o tambaqui come e fica mais saboroso. Já na época em que essa castanha amadurece e cai n'água, o tambaqui come e fica com gosto ruim. (Moral da história: não saia para pescar tambaqui na Amazônia antes de fazer um cursinho em Mamirauá.) Me diverti muito bancando o intérprete com a californiana que acabou sendo minha companheira de passeios. (A pousada agora tem um professor de inglês residente, pago por crowdfunding, para que os guias também consigam se fazer entender aos gringos.)

Pousada Uacari, MamirauáPousada Uacari, Mamirauá

Passeio a uma comunidade ribeirinha

Pousada Uacari, Mamirauá

Mas não apenas os passeios são roots; o seu chalé terá apenas ventilador, e não haverá muito o que fazer na pousada entre as 11h e as 15h, entre a saída da manhã e a da tarde. (Leve livros.) À noite, quando funciona o gerador, dá para recarregar as baterias dos aparelhos.
Pousada Uacari, Mamirauá

A comida é caseira: simples e saborosa. Para quem não come peixe, sempre tem um franguinho. Os sucos são sempre de frutas amazônicas, e as sobremesas, deliciosas.

A pousada tem também uma cabana no meio da mata, com telas no lugar de paredes, onde dá para passar uma noite, acompanhado por um guia. A experiência está incluída nos pacotes de uma semana, mas pode ser paga à parte por quem fica menos noites.

Pousada Uacari, MamirauáPousada Uacari, Mamirauá

Passeio de lancha ao pôr do sol

A Pousada Uacari:

  • É para você que procura uma experiência de selva autêntica e segura
  • Não é para você que faz questão de ar condicionado e hotelaria profissional

Leia mais:


58 comentários

Maria Ines Vargas

Olá Ricardo !
Você tomou algum remédio para a prevenção da malária nestas viagens ?
Recomendaria a Pousada Uacari, a Anavilhanas Jungle Lodge ou o Iberostar para crianças ?
Obrigada, e forte abraço !

Ricardo Freire

Maria Ines, nunca tomei vacina contra malária, não. Com crianças, o barco é mais indicado.

Cristiane
CristianePermalinkResponder

Não existe vacina contra malária. Apenas contra febre amarela, e esta é recomendada.

andre
andrePermalinkResponder

A vacina de febre amarela é recomendada, mas não obrigatória.Malaria não tem vacina.

Wander
WanderPermalinkResponder

fiz o Iberostar em 12/2010 é foi tudo como você relatou. Subi o rio Negro até Anavilhanas. Usei milhas até Manaus, chequei dois dias antes da partida e visitei o centro histórico e o Teatro Amazonas. Na volta fui direto pro aeroporto. Só tomei a vacina da febre amarela. Foi um passeio sensacional e deu prá ter uma ideia e uma experiência interessante dessa região do Brasil. Quando puder volto para fazer o trecho do rio Solimões.

Julio
JulioPermalinkResponder

Me aguarde!
abraço

Gabriela Bertoni

Fui em dez de 2011 com a ventura e aventuras pois ficava muito mais barato ir com a agência (foi uma das poucas vezes que viajamos com pacote mas valeu muito a pena). Ficamos 3 dias e 4 noites (rsrs) no Amazon Ecopark e uma noite a mais no Tropical Manaus para conhecer a cidade de Manaus.
Pagamos as passagens separadamente e fizemos um city tour de taxi na cidade (fechamos em 100,00 e devíamos e ficavamos o tempo que quiséssemos nas atrações).
Gostamos mto do hotel de selva (rústico na medida mas com ar condicionado e energia elétrica), já o Tropical se mostrou uma opção bem antiga e cafona até. ..daqueles hotéis antigos emormes de luxo que foram falindo com a estrutura gigante e insustentável.
Recomendo a experiência de vivenciar um pouco da Amazônia pelo menos uma vez na vida. Afinal somos brasileiros não é mesmo?

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

Só de ler seu post já me deu vontade de voltar a Mamirauá... ai, que lugar lindooooo!!!!!

Saudade total da mata. smile

Camila Navarro

Eu sabia que tinha escolhido certo! Embarco para Mamirauá no final do mês! Com 4 meses de antecedência consegui a passagem Manaus-Tefé-Manaus por R$ 320,00. No formulário de reserva da Uacari eles perguntaram sobre restrições alimentares e eu informei que sou vegetariana, então espero não ter problemas com as refeições. Foram os posts da Lucia e do Gabriel que despertaram minha vontade de ir para lá também e a chance veio com o projeto no Garupa. Estou ainda mais feliz por saber que estou contribuindo para melhorar o serviço da pousada!

Quenia  - Viagens por aí

Em setembro de 2012 estivemos no Anavilhanas por 3 dias (feriado) e foi uma experiência fantástisca. Utilizamos milhas até Manaus. A reserva do hotel fiz com a Viverde (que também recomendo).

A.L.
A.L.PermalinkResponder

O Anavilhanas Lodge tem Internet disponível (mesmo que lerda)?

Ricardo Freire

Sim sim, A.L. Em 2012 a internet pegava na área da recepção/bar/sala de jogos. Era bem lenta.

Tania
TaniaPermalinkResponder

Estivemos em Manaus no Carnaval. Nos hospedamos no Hotel de Selva Tariri Amazon Lodge, que pertence a um peruano e uma brasileira. Hotel simples, sobre palafitas, donos e equipe muito hospitaleiros e com uma comida regional deliciosa.

Márcia
MárciaPermalinkResponder

Belo post ! Como sempre nos brindando com informações valiosíssimas ! Infelizmente, por este montante ainda prefiro ir à Europa ou fazer um cruzeiro pelo Caribe.

andre
andrePermalinkResponder

Estarei indo em junho, ficarei no hotel de selva Tupana, através da Viverde.

Lili-CE (@lilianesonsol)

Não tenho muita vontade de voltar à selva, depois da minha experiência pantaneira. A sensação é de que desperdicei uma chance de fazer uma bela viagem me hospedando no Ariaú, que não me agradou nem um pouco (O Anavilhanas estava cheio na época). Gostei da viagem, mas dei por visto.

Claudio
ClaudioPermalinkResponder

pronto, já to eu aqui me coçando pra conhecer essa reserva de Mamirauá. wink

Claudio Lemos
Claudio LemosPermalinkResponder

Viajantes e viajativos, a Pousada Uacari é incrível! Acabei de voltar de lá e pra quem quiser ler mais um pouquinho deixo aqui o link http://osclaudiosnomundo.com/2014/08/04/55-fotos-para-querer-visitar-mamiraua-agora/
valeu abs

Dani G.
Dani G.PermalinkResponder

Tenho um carinho muito grande pelo projeto Mamiraua. Super recomendo!

Fabiana
FabianaPermalinkResponder

Olá Ricardo, adoro suas dicas!
Pelo clima, você indica ir para o Amazonas (Anavilhanas + Cruzeiro Iberostar) na segunda quinzena de dezembro? Nossas outras opções são Nannai e Kenoa. Será uma viagem de lua de mel.
Bj,

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fabiana! Quem responde é A Bóia. Na Amazônia as chuvas já terão recomeçado, mas talvez os rios ainda não estejam suficientemente cheios para proporcionar os passeios pelos igarapés.

Helena
HelenaPermalinkResponder

Boa Noite! Tenho dúvida. Chegaremos em Manaus 22h da sexta e sairemos de lá na terça-feira 1h da madrugada. Pensamos em ficar no Anavilhanas Lodge, saindo sabado 8h e retornando na segunda com chegada em Manaus prevista para 16:30h. Queremos fazer o passeio do encontro das águas e conhecer Manaus, mas neste esquema não teríamos tempo. Será que pelo menos o encontro das águas teria como ser feito, saindo 17h de Manaus? Ou será melhor ficar em outro hotel? Também não vamos conseguir ir no IberoStar, não teria outro hotel neste nível e que a gente consiga ver o encontro das águas e também ficar em hotel de selva? Ou será que vale a pena ficarmos em Anavilhanas e deixar Manaus para outra viagem?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Helena!

Durmam a noite da chegada em Manaus e marquem o trânsfer para a manhã seguinte.

Passem as noites de sábado e domingo no Anavilhanas e na segunda voltem a Manaus logo depois do café.

Ao voltar a Manaus, peguem um apartamento no Go Inn para ter onde deixar as malas e poder tomar banho depois de passear no calorão.

Negociem um táxi para ir até a Ceasa de Manaus, de onde sai o passeio mais curto ao encontro das águas. Na volta, visitem o mercado e por fim o teatro (se ficar tarde, pulem o mercado e vão direto ao teatro; a última visita é às 16h). De noite, saiam para jantar no Banzeiro, voltem ao hotel e sigam ao aeroporto.

Leia sobre Manaus:
https://www.viajenaviagem.com/destino/manaus

Helena
HelenaPermalinkResponder

Muito obrigada pela resposta. Perfeito!!! Já vou conversar com minha família e quando voltar retorno para vocês como foi. Mais uma vez obrigada. O site é fantástico! Parabéns!

Aurélio
AurélioPermalinkResponder

Bom dia.
Na verdade quero ter uma informação. O que recomendaria para uma pessoa, homem, que pretende passar quatro dias em Manaus e não conhece nada do local?
Se puder dar esta resposta por e-mail ficaria grato.
Obrigado

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Aurélio! Não atendemos por email. Leia sobre Manaus:

https://www.viajenaviagem.com/destino/manaus

Geraldo Martins Alves

Parabéns pelo excelente relato. Passamos 13 dias em Manaus dos quais 04 no Juma Lodge (www.jumalodge.com.br). Nosso projeto inicial era Mamirauá mas não tinham disponibilidade para 03 casais. Recomendamos o Juma ( não tem TV, internet e telefonia móvel) mas as refeições e a atenção de toda a equipe foram o ponto alto. Dista 110 kms de Manaus em transfer de carro/barco.

Re Oliveira
Re OliveiraPermalinkResponder

Também ficamos no Juma em agosto! Mas no final do mês. Gostamos muito da localização do hotel (região bem preservada ainda) e também da construção sobre palafitas...ficamos na altura das árvores, muito diferente! Recomendo para quem procura uma opção autêntica, mas não tão longe como o Uacari. 4 noites é suficiente pra fazer todos os passeios principais.

odete da silva Pires

Obrigado a todos, adorei as dicas

Lu Levy-ajando

O VNV é demais! Estamos indo para Manaus no feriado de 21 de abril. Infelizmente, o Anavilhanas só aceitava o pacote de 3 noites/4 dias, o que inviabilizaria conhecermos Manaus. Tivemos que buscar outro hotel no Rio Negro. Uma pena que muitos hotéis no Brasil só trabalhem nesse esquema nos feriados -- ainda mais quando tem em sua maioria hóspedes gringos, que no geral estão de férias e não tem limitação de horários e vôos... Obrigada pelos posts. Não deixaram nenhuma dúvida.

Vinicius Spack

Olá Viajantes!
Gostaria muito de ficar no Anavilhanas, ou outro hotel de selva, mas a pessoa que vai me acompanhar, não gosta de contato tão direto com a selva, e gostaria de fazer o Cruzeiro do Iberoestar.
Seria muito OVER fazer o cruzeiro, e após ficar no hotel?
Fazer os dois programas ficaria muito cansativo e repetitivo?
Obrigado e boa viagem a todos!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vinicius! Como o texto diz, as atividades são semelhantes. O Anavilhanas é um hotel com confortos urbanos, se sua companhia não quiser fazer passeios pode ficar na piscina.

lilian
lilianPermalinkResponder

Olá! Adoro ler esses relatos, ainda mais porque vamos nos hospedar em Uacari em meados do próximo mêssmile E eu sei que lá chove sempre e em qualquer época do ano, mas depois fiquei sabendo que março e abril são os meses campeões da chuva. Me desanimou um bocado. Não sei se chega a atrapalhar, se o dia fica ruim o dia inteiro. Porque não é uma viagem barata e quero aproveitar! Vc sabe como fica a região nesse período? Se não seria recomendado...E se já é época de cheia? Obrigada!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lilian! O importante é as águas já terem subido para passear nos igapós.

Marina
MarinaPermalinkResponder

Olá, acabei de chegar da Pousada Uacari, na RDS Mamirauá e estou absolutamente encantada! Passei 07 dias muito incríveis lá e certamente entrou para o rol como a viagem mais difícil de encerrar da minha vida (saí de lá quase chorando). Obrigada pela indicação, pois descobri através do blog essa iniciativa ÚNICA no BR e super bem administrada. Vamos continuar a divulgação, pois com cortes no Ministério da C&T o Instituto teve seu orçamento cortado pela metade, de modo que a Reserva pode sair prejudicada! Vida longa à Amazônia alagada, à RDS Mamirauá e às pessoas maravilhosas que tocam a Pousada Uacari, melhor exemplo de turismo de base comunitária!

Barbara
BarbaraPermalinkResponder

Marina, também voltei agorinha da Pousada Uacari, eu e meu marido passamos um fim de semana incrível!! É exatamente como vc falou, é um local de paz infinita, onde vi o céu mais estrelado da minha vida (com direito a estrela cadente e tudo!). A floresta alagada é maravilhosa, recomendo mto! Agora fica a vontade de voltar na época da seca e conhecer a outra Amazônia...
A divulgação da Reserva e da Pousada são mto importantes mesmo, pois é uma iniciativa louvável e mto acertada de preservação, ainda que o preço assuste num primeiro momento, vale cada centavo, considerando ainda que todo dinheiro recebido é revertido para conservação da pousada e da reserva!
Enfim, lugar lindo, staff mto simpático e competente e comida deliciosa!

Sueli
SueliPermalinkResponder

Essas dicas são maravilhosas, sempre.
Queria uma dica: o mês de julho é adequado pra ir ao Amazonas? Gostaria de ficar na pousada Uacari.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Sueli! É sim. Rios altos, pouca chuva.

SUELI
SUELIPermalinkResponder

Estou profundamente agradecida pelas dicas que recebi. Fiquei uma semana na pousada Uacari. Que maravilha! Só tenho elogios, superou todas as minhas expectativas. Os guias excelentes. A cozinha nos ofereceu o melhor cardápio regional, os sucos e as comidinhas da mais alta qualidade. Todo atendimento muito profissional mas também muito humanizado, feito por pessoas comprometidas com o lugar e sua preservação. Trabalham 15 dias e voltam para a sua comunidade por dois meses, não se desvinculando, assim, de suas origens. E as palestras esclarecedoras sobre o projeto,boto, projeto da onça, e do projeto do próprio instituto? Sem palavras pra agradecer, RD/S Mamiraua nota 10. Nada de luxo, tudo no ponto certo, com excelência. Deixo aqui minha gratidão por encontrar neste site as melhores indicações e as melhores dicas de viagem. Férias dos sonhos!!! Obrigada

Alessandra
AlessandraPermalinkResponder

oi Ricardo, muito legal seu post! Acabei de voltar de 1 semana de ferias por la. Fiquei no Amazon Jungle Palace.
Infelizmente nao li seu post antes de viajar e comprei tudo de ultima hora, claro que paguei o preco por isso.
Fiquei no Amazon Jungle Palace, nao queria abrir mao do conforto e ao mesmo tempo ter uma experiencia diferente, afinal queria algo que meu filho de 16 anos tbm pudesse curtir.
Pude ter o melhor do ar condicionado / wi-fi entre os momentos de descanso, e curtir o a hospitalidade e os passeios que nem imaginava que ia gostar tanto. A comida tipica com tempero exoticos e sucos / sobremesas de frutas locais foram uma surpresa a parte. Realmente quero voltar e continuar minha experiencia por la, agora em outros lugares!

Christiane Tajiri

Olá!
Quantos dias vocês recomendam para se hospedar na Pousada Uacari?

Obrigada

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Christiane! Pelo menos três noites.

DALVA GORETTI DE SOUZA SILVA

Tenho planos de viajar para a Amazônia ainda neste ano. Você sabe se o final de outubro é uma boa época para realizar os passeios? Ou seria melhor no final de novembro? Desejo que você continue a viajar e a compartilhar as suas experiências. Desde já agradeço e aproveito para dar os parabéns pelo site.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Dalva! Quanto antes no semestre, mais água você encontrará. Em novembro o nível das águas estará mais baixo e diminuirão os passeios a áreas alagadas.

Roberta
RobertaPermalinkResponder

Olá! Vocês tem informações sobre a Reserva Xixuaú? Estou em busca de informações mas está bem difícil! Achei que poderia ficar bem nesse post... somando mais 1 aos 3! Outra dúvida que tenho é sobre onde estão as praias mais bonitas por lá? Anavilhanas? Irei agora em novembro. É um bom período para as praias, não é isso? Super agradeço! Roberta

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Roberta! Não temos informações sobre a reserva Xixiaú. Vamos compartilhar a sua pergunta no Perguntódromo. Havendo resposta, aparecerá aqui.

Quanto a praias, no Amazonas elas serão de águas escuras no Rio Negro ou de águas turvas no Amazonas. Visualmente as de águas escuras são mais bonitas. Você encontrará praias bonitas já nas redondezas de Manaus; pegue o barco à Praia da Lua na Marina do Davi. Anavilhanas é um parque nacional. Não é um destino de 'praia'. É para passeios pelos igapés e igapós.

Thereza Manoel Oliveira

Escolhemos ir para a Amazônia após esse post! Mas no final acabamos optando pelo Juma Lodge, um hotel que mescla as qualidades do Anavilhanas e do Uacari. E tem como diferencial estar construído totalmente na copa das árvores...uma experiência única! Nossos filhos adoraram, sempre tinham macaquinhos cruzando as passarelas para entretê-los! Os pacotes são parecidos com os outros hotéis, mas o que achei prático é que o Encontro das Águas já é no caminho, então não precisa fazer o passeio à parte. Importante mencionar que não tem internet lá, mas no final achei isso legal pra dar uma desligada! Foi uma experiência muito autêntica!

cristina
cristinaPermalinkResponder

Planejo uma viagem a algum hotel de selva em agosto e me chamou a atenção que ninguém menciona os mosquitos. Uma amiga esteve em Anavilhanas e contou que ao redor do hotel não havia mosquitos (é no rio Negro), mas assim que penetrava um pouco na floresta não havia repelente nem roupa que os afastasse. Ela voltou como quem tem catapora, picada de cima abaixo. Alguém poderia comentar isso? Grata

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cristina! Não é uma queixa comum, não. Normalmente repelentes, mangas e calças compridas dão conta do recado.

Erica
EricaPermalinkResponder

Bom, eu estive na Amazônia em 2015, no cruzeiro do Iberostar pelo rio Solimões. Duas coisas me chamaram realmente a atenção: o excelente sinal da Vivo no navio durante todo o tempo e o fato de eu ter voltado sem nenhuma picadinha de mosquito pra contar história winkUsei apenas repelente.

Daniella Leão de Almeida

Amazônia (turismo de selva) com criança combina? Meus filhos têm 6 (seis) anos.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Daniela! Desde que sejam crianças comportadas, que não incomodem os demais passageiros e você consiga envolver as crianças a ponto de tornar as viagem uma aventura/brincadeira, elas podem viajar para qualquer lugar. Agora: se cresceram com a expectativa de que todas as férias têm toboágua e tios de recreação, fica mais difícil.

Livia
LiviaPermalinkResponder

Olá, fui p Anavilhanas agora em julho com uma criança de 5 e outra de 3 anos. Ficamos 4 dias e foi delicioso. As crianças aproveitaram mto. Até o de 3 anos, que a princípio pensamos q perderia alguns passeios aproveitou tudo, nadou no rio. Se pendurou em cipó, pescaram piranhas, foram na focagem noturna ( apesar de terem dormido no barco) , contemplaram a natureza linda daquele lugar e voltaram envolvidos com a temática da Amazônia, brincando e falando sobre bichos e lendas. Foi uma bela experiência.

TropicBird
TropicBirdPermalinkResponder

Ola Boia,

Estava lendo os relatos e pergunta de todos no site e fiquei surpreso com o seu nível de conhecimento da area de Manaus/Amazonas.
Estou com viagem programada para Marco 2018 para Manaus com um amigo que esta vindo da Croácia. Gostaria de saber sua opinião qual seria a melhor opção de hospedagem na selva. Somos aventureiros e vamos passar 5 dias ai em Manaus. Adorei o Mamirua/Uacari feedback e estou em duvida quando comparado com o Anavilhanas jungle lodge. Qual dos dois seria mais pratico/ distancia / custo / beleza sabendo que so temos 5 dias. como se chega ate anavilhans jungle lodge e também ao Uacari? qual seria mais interessante/ custo beneficio para dois homens que gosta de aventura e de uma boa refeição? Obrigado

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, TropicBird! O acesso está descrito em todas as alternativas. Para Tefé, pega-se um avião. A Novo Airão chega-se de van. A comida em Mamirauá é caseira.

patricia ferreira

Eu amor meu Pará é gosto de tomar açai com peixe

Karla Relvas Ugalde

Olá Bóia, eu e meu marido estamos planejando fazer um combinado entre Manaus e Belém. Pensamos em ir na 6a 26/10, pernoitar em Manaus e ir cedo no sábado para o Anavilhanas. 4 dias e 5 noites. Voltando para Manaus, ficamos mais um dia e na 6a, Belém, Para voltar no domingo. Será tempo suficiente para Belém?
Qual a sua sugestão?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Karla! Fique um dia a menos na selva. Você precisa de dois dias em Manaus.Num dia faz os passeios do centro histórico (teatro, mercado) e encontro das águas saindo da Ceasa. No outro dia vai ao museu Seringal Vila Paraíso e termina o dia num flutuante da Praia Dourada. Diminua um dia na selva. Dois dias em Belém dão para o básico.

Leia sobre Belém:
https://www.viajenaviagem.com/destino/belem/

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar