Hannover: o que visitar e como se divertir na cidade que é muito mais do que a Feira

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

3 warmen Brüder, Hannover

Drei warmen Brüder

Dona do maior parque de exposições e feiras da Europa, Hannover é dessas cidades que acabam entrando no seu plano de viagem por motivos estritamente profissionais. Você recebe a notícia de que vai precisar ir à Feira Industrial de Hannover, à CeBIT ou a outra grande feira e se pergunta: mas o que eu vou fazer em Hannover?

parque-neues-rathaus

Maschteich

Trago boas notícias: a cidade é uma graça e pode ser aproveitada não só nas horas vagas de uma feira, como também num roteiro combinado entre Berlim (a 1h40) e Frankfurt (a 2h20) ou Hamburgo (a 1h20). Ao chegar, compre um Hannover Card para ter uso ilimitado do transporte público e desconto nas atrações (o de 24 horas custa 9,50 euros; 48 horas, 15 euros; 72 horas, 18 euros).

Os Jardins de Herrenhausen e Niki de St.-Phalle

Herrenhauser

Herrenhauser

A 10 minutos de bonde do Centro, o palácio Herrenhausen tem quatro jardins de estilos distintos. O carro-chefe é o Grande Jardim, tido como o mais importante jardim em estilo barroco de toda a Europa.

Herrenhauser

Herrenhauser

Gruta de Niki de St.-Phalle

No ano 2000, como parte das atrações da Expo, uma gruta usada pela aristocracia para se banhar no verão foi inteiramente transformada pela artista francesa Niki de St.-Phalle, que revestiu o interior com espelhos craquelados e instalou suas gorduchas, as Nanás, nas fontes.

nana

Nana na Skulpturmeile, na região central

A propósito, a francesa Niki (que você deve conhecer da superlúdica fonte Stravinsky, no Beaubourg, em Paris) em uma ligação toda especial com Hannover. A cidade atuou como sua mecenas, instalando suas Nanás no centro da Skulpturenmeile, a milha de esculturas na orla do rio Leine (no longínquo ano de 1974, quando ela ainda não era um nome consagrado). A artista, falecida em 2002, é tão grata a Hannover que deixou o seu acervo pessoal para a cidade; atualmente, uma ala do museu Sprengel está sendo remodelada para acomodar todas as peças.

Como chegar aos Jardins de Herrenhausen: tram 4 ou 5; desça em Herrenhäuser Gärten. Abre diariamente às 9h. O museu que funciona dentro do complexo abre das 11h às 18h de abril a outubro e das 11h às 16h de novembro a março. Custa 8 euros no verão (7 euros com Hannover Card) e 6 euros no inverno (5 euros com Hannover Card).

A Nova Prefeitura

Neues Rathaus

Nova Prefeitura (Neues Rathaus)

Inaugurada em 1913, a Prefeitura Nova (Neues Rathaus) de Hannover foi construída para parecer pelo menos cem anos mais antiga do que é. Ironicamente, foi o único prédio que sobreviveu praticamente intacto aos bombardeios que arrasaram a cidade na 2ª Guerra.

Neues Rathaus

Maquete de Hannover bombardeada

O saguão tem maquetes formidáveis que mostram Hannover antes e depois dos bombardeios: a cidade foi completamente arrasada, e a tragédia só não foi maior porque os abrigos antibomba funcionaram e salvaram a maioria da população.

Neues Rathaus

Vista da Torre da Prefeitura Nova

Além das maquetes, a Prefeitura tem uma outra atração imperdível: o mirante do alto da Torre, acessível por um elevador que sobe por uma passagem que faz um arco, acompanhando o desenho do edifício. Conte em encarar uns 15 minutos de fila.

Como chegar à Neues Rathaus (Prefeitura Nova): se você está no centro, vá caminhando. Siga o Caminho Vermelho pintado no chão (Roter Faden, ou Red Thread). O endereço é Trammplatz 2. As maquetes podem ser vistas diariamente das 11h às 16h30 no inverno e das 10h às 18h30 entre março e novembro. O elevador só funciona entre março e novembro, das 10h às 16h30. A visita às maquetes é gratuita, mas o elevador custa 3 euros adultos e 2 euros para menores de 14 anos.

O centro histórico reconstruído

Marktkirche

Marktkirche, vista da Kammerstrasse

O centro histórico ganha outro significado depois que você vê a cidade do alto da Torre e contempla a Hannover destruída da maquete pós-bombardeio. O mapa do Caminho Vermelho é ótimo para orientar um passeio a pé. Também dá para fazer o circuito em táxi-bike elétrica (em Hannover o serviço se chama Velix); um tour de uma hora custa em torno de 50 euros.

Santo Egídio

Santo Egídio

Um bom ponto para começar seu passeio é o único edifício que foi deixado como estava no dia seguinte aos bombardeios: a Igreja de Santo Egídio (Ägidienkirche), que serve de memorial da guerra e, desde a Expo de 2000, tem bonitos vitrais que não chegam a tapar suas aberturas. Outra curiosidade da igreja é o Sino da Paz doado por Hiroshima, sua cidade-irmã japonesa.

O centro "moderno" da cidade é dominado pela Ópera e pelo Kröpcke, o largo onde desembocam os calçadões típicos de toda cidade alemã.

Para o visitante, porém, o ouro está mais adiante, no coração do centro histórico, onde quarteirões foram restaurados para parecer como eram antes dos bombardeios de 1945. A restauração é inteiramente cenográfica: por trás das fachadas em estilo enxaimel existem prédios construídos com as técnicas e o conforto da década de 50.

Leibnizhaus

Detalhe da fachada da casa de Leibniz

Comece pela Praça do Mercado (Am Markt), onde estão a Antiga Prefeitura (instalada originalmente em 1495) e a Marktkirsche (Igreja de São Jorge e São Tiago, visitável das 10h às 18h), no raro estilo gótico de tijolinhos. Cruzando a praça você chega à rua mais fotogênica do centro histórico, a Krammerstrasse, onde na pracinha ao final você encontra a casa de G. W. Leibniz, o matemático que no século 17 inventou o sistema binário que viria a ser a base da computação moderna. Siga à direita (de quem olha para a casa de Leibniz) pela Burgstrasse e você vai dar no Marstall, a parte mais gostosa da cidade antiga, onde nos meses quentes há mesas na calçada. Continuando até o rio você avistará as três Nanás à beira-rio de Niki St.-Phalle.

Museu Sprengel e a arte degenerada

Franz Marc

"Os cavalos vermelhos", Franz Marc

Bernhard Sprengel, um industrial de Hannover, e sua esposa Margrit assistiram em 1937 à exposição de Arte Degenerada em Munique, imaginada por Goebbels e Hitler para mostrar tudo o que não deveria mais ser feito na arte alemã. Os Sprengel ficaram tão impressionados com o que viram que se tornaram mecenas secretos de vários dos artistas expostos (e que dali em diante estavam proibidos de produzir).

Gabinete Abstrato

Do "Gabinete Abstrato" de El Lissitsky

Seu acervo, doado à cidade, tornou-se a base para o Museu Sprengel, um dos mais importantes de arte contemporânea alemã. Não perca as obras de Kurt Schwitters, o maior nome da arte de Hannover.

Kurt Schwitters

Colagem de Kurt Schwitters

Como chegar ao Museu Sprengel: pegue o ônibus 100 no Kröpcke e desça na Kurt Schwitters Platz. Abre às terças das 10h às 20h e de quarta a domingo das 10h às 18h; fecha segunda. Custa 7 euros (4 euros com Hannover Card).

O Maschsee e seu festival

Maschsee

Maschsee

O grande parque urbano de Hannover fica em torno do Maschsee (diga: másh-zêe), um lago artificial que em dias bonitos fica pontilhado de barquinhos e pedalinhos. Sua entrada é praticamente na esquina do museu Sprengel; os dois fazem uma combinação óbvia para um passeio completo.

Maschseefest

Maschseefest

Entre a Páscoa e o fim de outubro, os barcos da cia. municipal üstra dão a volta completa no lago em várias viagens entre 11h e 17h (das 10h às 18h em agosto). Adultos pagam 7 euros (4 euros com o Hannover Card).

Maschseefest

Maschseefest

Uma vez por ano o lago recebe a Maschsee Fest, para onde a cidade literalmente se muda todas as noites durante duas semanas. Bares, restaurantes, palcos e bancas são montados às margens do lago e garantem a festa das 18h às 23h30. Uma torre de observação giratória, a City Skyliner, é montada durante a festa e proporciona, a 81 metros de altura, uma vista ainda mais impressionante que a da torre da Prefeitura Nova (justamente por incluir a Prefeitura Nova no campo de visão). Em 2015, a Maschsee Fest vai acontecer entre 29 de julho e 16 de agosto.

Maschsee

Como chegar ao Maschsee: pegue o ônibus 100 no Kröpcke e desça na Kurt Schwitters Platz.

O bairro boêmio de Linden

À noite, pegue o bonde 10 e curta a boemia de Linden, que já foi uma cidade à parte e hoje é o bairro mais efervescente de Hannover, graças à mistura de imigrantes, artistas e estudantes que moram e se divertem por ali. Mesmo se não houvesse os bares e restaurantes do circuito alternativo, a esticada valeria a pena para ver acesa a usina de energia Heizkraftwerk, conhecida pela alcunha de "Drei warmen Brüder", ou "três irmãos quentes" (se bem que em Berlim me disseram que esse "quentes" aí tinha conotação gay...).

Linden

Stubenwechsel

Stubenwechsel

Vogelfrei

Vogelfrei

A Limmerstrasse é o epicentro da muvuca: por ali, tome um schnapps no bar Stubenwechsel, decorado com mobília vintage (Kötnerholzweg 30, tel. 0511/3707-1037), jante baratinho a boa comida vietnamita do Street Kitchen (Limmerstrasse 26, tel. 0511/9863-8834), reserve o charmoso Lindenblatt (Limmerstrasse 20, tel. 0511/4500-8808 ) ou faça sua própria descoberta. (Na rua de trás, o Vogelfrei tem um cardápio interessante que mistura especialidades italianas, marroquinas, mexicanas e alemãs, e um DJ residente -- Elisenstrasse 22, tel. 0511/5686-8338 ).

Linden

Linden

Atravessando a Fössestrasse chega-se à região mais aburguesada do bairro. Numa noite de verão, o terraço do A11 é imbatível (Am Küchengarten 11A, tel. 0511/590-1111). Mais para o miolinho, o Exil tem cardápio mezzo mediterrâneo, mezzo persa (Davenstedter Strasse 23, tel. 0511/8982-6808 ).

Bar Karole

Bar Karole

Não importa onde você jantar, o licor ou a saideira têm que ser no folclórico Bar Karole, uma típica "Kneipe" de bairro com decoração kitsch e música brega (de propósito) -- Konkordiastrasse 8, tel. 0511/44-8752.

Faust

Kulturzentrum Faust

Não deixe de dar uma olhada na programação do Kulturzentrum Faust, um centro de cultura e agito instalado numa antiga fábrica desativada (Zur Bettfedernfabrik 3). Volta e meia tem shows e festas.

Se não quiser fuçar a região por conta própria, a Living Culture Tours faz um tour a pé pelos bares e restaurantes mais descolados.

Onde ficar em Hannover

Cityhotel am Thielenplatz

Cityhotel am Thielenplatz

Eu me hospedei no moderninho Cityhotel am Thielenplatz e achei perfeito: vim arrastando minha malinha da estação (uns 8 minutos de caminhada), podia ir a pé às atrações do centro e tinha bons restaurantes à porta: o italiano de rede L'Osteria (no próprio prédio do hotel, Lavenstrasse 1, tel. 0511/8487-7138 ), a cervejaria Paulaner (também de rede, Prinzenstrasse 1, tel. 0511/368-1285) em frente e o bistrô/bar descoladinho Heim W na rua lateral (Theaterstrasse 6, tel. 0511/235-2303).

Perto da estação (uma escolha quase sempre acertada na Alemanha), considere a classe do Grand Hotel Mussmann e do Kastens Luisehof, ou a economia do Andor Plaza.

Para acordar e já fazer jogging no parque do Maschsee, a pedida é o Courtyard by Marriott Hannover Maschsee.

Como ir à Feira de Hannover

O jeito mais rápido é por trens regionais que saem da Hauptbahnhof (a estação central) e chegam em 8 minutos à estação Hannover Messe/Laatzen. De lá, uma esteira rolante coberta (a Skywalk) cobre os 400m até o portão West 1. Durante as feiras mais importantes (Feira Industrial e CeBIT), trens nacionais também param nesta estação, tornando possível a hospedagem em cidades próximas.

Pode-se também chegar de bonde. As linhas 8 e 18 saem da Hauptbahnhof, passam em Kröpcke e chegam à entrada Nord 1+2 em 18 minutos. As linhas 6 e 16 saem de Kröpcke e chegam à entrada Ost 3 em 18 minutos.

Ricardo Freire viajou a convite do Turismo da Alemanha.

Leia mais:

7 comentários

Rodrigo
RodrigoPermalinkResponder

Fui para a Alemanha em Abril do ano passado e não consegui visitar Hannover, porquê fiz uma viagem cheia de roteiros rsrs

Dessa vez quero passar 3 dias por lá, vou em Abril do ano que vem e quero aproveitar ao máximo essa linda cidade, ainda mais depois de ler esse artigo.

Vlw!

Flávia Cruz
Flávia CruzPermalinkResponder

Muito obrigada pelas dicas!!! Informações super completas... Show!!

LIANE L CONSTANTINO

Adorei a dica estou indo em janeiro, e pretendo passar por lá mas apenas 1 dia e meio de Frankfurt para Amsterdam

Isis Moraes
Isis MoraesPermalinkResponder

Adorei o post estou me programando pra ir no ano que vem (em Agosto ou Novembro), essa vai ser a minha primeira viagem internacional e estou muito empolgada, tinha muita vontade de conhecer Berlim, mas de uns meses pra cá venho me interessando muito por Hannover por conta das feiras e depois de descobrir que existem lugares incriveis lá, estou com muito mais vontade de conhecer esse extremo da Alemanha.

Luiz Neto
Luiz NetoPermalinkResponder

Cabe um pit stop entre Frankfurt e Hamburgo?
Tem guarda malas na estação de trem?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luiz! Cabe. Tem guarda-volumes sim.

Gerson
GersonPermalinkResponder

Estou em Hannover e aproveitando o seu roteiro. Muito bom. Obrigado.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar