Diamantina: como curtir as Vesperatas

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Diamantina

Entre abril e outubro, aproveitando a época seca, a cidade histórica mineira de Diamantina realiza aquela que talvez seja a festa mais singela do Brasil: a Vesperata. Vesperata Em três fins de semana por mês (dois em abril, junho e outubro), Diamantina é tomada pela seresta. Da noite de sexta-feira à manhã de domingo, você vai ouvir "Como pode o peixe vivo viver fora da água fria" quase tantas vezes quanto os foliões de Olinda ouvem "Vassourinhas". Sim -- dá para encarar a Vesperata como uma modalidade inusitadamente gentil e delicada de carnaval. Diamantina
Em 2017, a festa acontece nos fins de semana de 8 e 25 de abril, 6, 19 e 27 de maio, 10 e 24 de junho, 1, 15 e 29 de julho, 5, 19 e 26 de agosto, 2, 12 e 23 de setembro e 14 e 21 de outubro. Veja como se programar e como aproveitar.

Reserve com antecedência

Se comparada a Tiradentes e Ouro Preto, a estrutura para hospedagem em Diamantina é modesta. As melhores pousadas lotam com várias semanas de antecedência. (Eu reservei em cima da hora e fui parar num hotel sem graça na entrada da cidade. Não recomendo isso para você.) A melhor relação localização x charme é a do Pouso da Chica. Sua vizinha Relíquias do Tempo ocupa um casarão antigo e um anexo novo, mas construído em estilo colonial. Ainda no coração do centro histórico, a Vila do Imperador segue um estilo clássico e o Hotel Tijuco, com arquitetura de Oscar Niemeyer, provoca estranheza mas está bem localizado. Fora do centro dos acontecimentos, a Pousada do Garimpo tem boa estrutura, mas você vai precisar de carro para ir e voltar do centrinho. (Veja mais opções de hospedagem no Booking.) Hotel Tijuco É preciso também comprar com antecipação lugares às mesas da apresentação principal da Vesperata, no sábado à noite. Quem vende os ingressos é a agências Minhas Gerais. A mesa com quatro cadeiras custa R$ 180. (É possivel assistir à apresentação sem ingresso, de pé, nas beiradas do largo. Mas sentado é muito mais bacana -- tem serviço de garçom e tudo.)

Sexta-feira

O ideal é enforcar o trabalho na sexta, para chegar a Belo Horizonte no máximo no início da tarde. Do aeroporto de Confins a Diamantina são 290 km (3 horas e meia de viagem) por estradas em bom estado. Como o aeroporto já está ao norte de Belo Horizonte, você não precisa passar pela cidade -- isto é, desde que alugue um carro ou pegue um trânsfer. Se for de ônibus, vai precisar ir do aeroporto à Rodoviária (1 hora de táxi ou 90 minutos de ônibus) e então pegar um ônibus da Pássaro Verde, que faz a rota em 5 horas. Diamantina Estando já à noite em Diamantina, você aproveita os primeiros eventos da Vesperata: seresteiros percorrem as ruas do centro histórico tocando e cantando, enquanto outros músicos se apresentam no Mercado Velho. Os restaurantes mais arrumadinhos ficam no Beco da Tecla, na continuação da rua da Quitanda: o café da Livraria Espaço B (tel. 38/3531-6005) tem um menu enxuto e o Sushi Barroco (tel. 38/3531-3792) é indicado para quem quer deixar os excessos da comida mineira para o almoço. Já os entusiastas de botequins alternativos vão se achar no miolinho do Beco do Mota, um pouco mais acima. Uma pequena caminhada pelas ruas do Rosário e Luiz Quirino leva à praça Dr. Prado, onde funciona o Al-Árabe tel. 38/3531-2281), também próprio para fugir ao tema comida mineira à noite.

Sábado

Vesperata Depois do café, tire a manhã para caminhar pela cidade -- inclua no seu roteiro o Passadiço da Glória (a "ponte dos suspiros" que liga dois casarões por sobre a Rua da Glória); caso encontre alguma igreja aberta, entre (da próxima vez que você passar, ela deverá estar fechada...). Diamantina Lá pelas 11h, esteja no Mercado Velho para mais uma sessão de seresta, regada à primeira cerveja do dia (ou à última da noite, para quem varou a madrugada numa festa de república). Bambá do garimpo Na hora do almoço, caso esteja de carro, troque os buffets bastantões dos restaurantes do centrinho pela qualidade d'O Garimpeiro, o restaurante da Pousada do Garimpo (tel. 38/3532-1040). O carro-chefe é o bambá do garimpo -- tutu com costelinha de porto, couve e angu. Antes da sesta, dê uma passadinha na Casa da Chica da Silva, que só abre ao meio-dia (fecha às 17h30). Ao voltar ao hotel, não esqueça de descarregar fotos e recarregar baterias: você vai precisar de memória e energia se quiser filmar a Vesperata. Vesperata Vesperata Vesperata Esteja a postos na rua da Quitanda lá pelas 19h30, para ocupar sua mesa com calma, pedir bebida e petiscos. Caso você não tenha conseguido ingresso, chegue cedo também, para pegar um bom lugar encostado à parede nas bordas do largo...

A noite vai ser linda, com as bandas da cidade -- postadas nas sacadas dos casarões e regidas por maestros que ficam junto à platéia -- desfiando um repertório de canções mineiras, sucessos da velha guarda e clássicos do cinema. Depois da vesperata, uma saideira bacana pode ser no Meio Tom (tel. 38/3531-2641), barzinho que fica ao lado do Al-Arab, na praça Dr. Prado. O som normalmente é jazz, mas de vez em quando tem noite do forró (verifique no link do Facebook).

Domingo

Diamantina No domingo você ainda pode ouvir seresta no Beco da Tecla. Mas a grande pedida musical é assistir à apresentação do coral Arte Miúda, normalmente na igreja São Francisco (verifique ao chegar). Diamantina Depois do almoço, a cidade morre. Se você resolver dormir no domingo em Diamantina, vai ter dificuldade para encontrar restaurante aberto (peça recomendação à sua pousada).

Arredores

Os programas diurnos de sábado e domingo podem ser trocados por passeios aos arredores de Diamantina. Os vilarejos de Milho Verde (num trecho da Estrada Real) e Biribiri são encantadores. Milho Verde pode ser combinado com a Gruta do Saitre (mas é preciso agendar com antecedência, tel. 38/3531-2197 de 2ª a 6ª). Biribiri permite a dobradinha com a Cachoeira dos Cristais. Na ida ou na volta de BH, você pode passar no Garimpo Real, aberto à visitação. Agências como a Veredas do Espinhaço e a Minhas Gerais têm passeios guiados pela região. Para explorar a região ao máximo, chegue na quarta-feira, dedique a quinta e a sexta aos arredores e mergulhe na seresta da Vesperata pelo fim de semana inteiro. Diamantina É possível igualmente combinar Diamantina com Serra do Cipó e Conceição do Mato Dentro, subindo por estradas secundárias. Diamantina também é o ponto final do Caminho dos Diamantes da Estrada Real (pegue o roteiro detalhado aqui).

Leia mais:


17 comentários

Quenia
QueniaPermalinkResponder

Em agosto de 2009, estivemos em Diamantina e amamos a vesperata. Do aeroporto seguimos de carro alugado para Serra do Cipó, Conceição do Mato Dentro, Milho Verde e Diamantina. Na época parte da estrada era de terra, lugares lindos e pessoas gentis. Na ida dormimos uma noite na Serra do Cipó. O retorno fizemos direto para BH em boa estrada cerca de 3 horas. Nos hospedamos no Pouso da Chica que é bem charmosa.

Vitor
VitorPermalinkResponder

Estive em Diamantina durante a Vesperata em junho/2014. O frio deu um charme a mais. As pousadas de fato são muito simples, e as mesas para a Vesperata achei dispensáveis. No entorno há alguns bares bem localizados que disponibilizam lugares a preços bem mais atrativos.

A Vesperata é bacana, mas o Coral Arte Miúda que se apresenta no domingo é realmente emocionante. Quem vai a Diamantina durante a Vesperata não deve deixar de ficar para a apresentação do coral no domingo de manhã.

Aproveitei o sábado a tarde e, como estava de carro, fui a Biri Biri que é um vilarejo bucólico e muito bonito, cheio de verde dentro de uma reserva natural.

Guilherme Lopes

Riq, para quem tiver com vontade de esticar, vale a visita ao Parque Estadual do Rio Preto. Tem até praia! ; )

http://4.bp.blogspot.com/-Lc2bcpzqg_o/TcQRwbestNI/AAAAAAAAAEY/Fq6yl6XLe9c/s1600/P2150053.JPG

Vania Lacerda
Vania LacerdaPermalinkResponder

Pessoal, a estrada do aeroporto até Diamantina é tranquila? Daria pra fazer esse percurso á noite?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vania! A estrada é tranqüila. Mas sempre que puder, evite pegar estrada no Brasil à noite.

Viviane
VivianePermalinkResponder

Estive em Diamantina em julho deste ano, numa trip pela Estrada Real. e estou começando a escrever os posts em deboapelomundo.wordpress.com
Quem quiser dar uma olhada, seja bem vindo!

Luciana
LucianaPermalinkResponder

Eu comprei o ingresso mesa para vesperata 09 de abril agora, mas infelismente não poderei ir. Sabe de alguém q quer comprar?! Obrigada

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Ir para vesperata com bebê, vc acha possível ?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fernanda! Possível é. Se o bebê não se comportar, porém, dê uma voltinha até voltar a dormir.

André Vinícius Mendes

Olá trabalho de Guia de Turismo em Diamantina e região alguém vindo passeiar por aqui ou pela região segue meus contatos.
38-999354685 vivo watsap / 988467996 oi .
www.facebook.com.br/guiadeturismodiamantina

Nilma Machado Caldeira

Já fui algumas vezes à Diamantina, na época da Vesperata. Sempre me hospedo no Pouso da Chica;
É um charme à parte, muito limpa, proprietários e funcionários altamente atenciosos, café da manhã delicioso e farto, à tardinha um caldinho que nunca recebí em nenhum outro hotel ou pousada.
Uma noite antes da Vesperata, acontece à famosa seresta pelas ladeiras da cidade e a gente acompanhando e cantando. No dia seguinte, a indescritível vesperata, um show com músicas e maestro em uma Praça ao ar livre.
No domingo pela manhã, o apogeu com o emocionante Coral Arte Miúda! Parabéns Diamantina! Super indico!

Rosyane Trotta

Eu acrescentaria na programação o Museu do Diamante, não só pelo acervo como pela performance do guia, inteligente, divertida, atualizada - faz as coisas ficarem na cabeça. E dispensaria tanto o Coral de São Francisco assim como os órgãos do Carmo - programas caros e sem criatividade.

VERA MARINA
VERA MARINAPermalinkResponder

Diamantina querida, seu povo nos acolhe como se da família fôssemos, la tudo é simples e verdadeiro.
Vale a pena visitar, conhecer as igrejas, casa da Chica da Silva, Museu do Diamante, Museu de JK e as cachoeiras lindas e limpas, além da Cristais, siga para Matão, Enfim< Diamantina meu amor

Kamila
KamilaPermalinkResponder

Reforço aqui para quem for a Diamantina não perder a apresentação do Coral Arte Miúda na Igreja de São Francisco e chegue cedo para se sentar com conforto!

Andrea Marques

Oi Boia, será que alguém conhece um transfer bom que faça o percurso do aeroporto de Confins até Diamantina?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Andrea! O melhor é se informar com a sua pousada ou com quem está alugando a casa para você.

Rosângela
RosângelaPermalinkResponder

Eu e uma amiga estivemos em Diamantina de
04/05 à 07/05/2018.
Cidade e povo maravilhosos.
A apresentação do Órgão, a Vesperata e o Coral da Arte Miúda , este último espetacular.
O povo de Diamantina está de parabéns.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar