Diário das alturas: uma noite flutuando no Lago Titicaca

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Uros Aruma Uro

Uros Aruma Uro

Eu estava pesquisando hotéis em Puno quando deparei com esta curiosidade: um hotelzinho funcionando numa das ilhas Uros, as ilhas flutuantes do Lago Titicaca! E o que era ainda mais surpreendente: com resenhas ótimas -- entre elogiosas e apaixonadas.

A 72 dólares a noite, parecia caro para dormir numa cabana de palha sem aquecimento e com banheiro compartilhado. Por outro lado, quando eu teria outra oportunidade como esta? Se não fosse tão bom quanto os resenhadores me levaram a crer, pelo menos eu teria uma boa história para contar.

Fiz minha reserva online (uma reserva online para um hotelzinho de palha numa ilha flutuante no fim do mundo!) e no fim do dia seguinte recebi um email assinado por uma certa Sara, perguntando se eu queria trânsfer (12 dólares desde qualquer ponto em Puno) e informando que almoço, jantar e passeios custavam 10 dólares cada, por pessoa -- ah, sim: e que o pagamento tinha que ser em dinheiro vivo. Respondi que topava o trânsfer, e no fim do dia seguinte ela me respondeu pedindo outros detalhes. E assim fomos nos correspondendo, uma vez por dia, ao longo de quase uma semana.

Eu imaginava Sara todo dia ligando um gerador às 5 da tarde e subindo numa torre para conseguir o sinal que lhe permitisse responder os emails acumulados nas últimas 24 horas.

Trailer

Na véspera, hospedados num hotel convencional em Puno, fizemos o passeio clássico pelo Lago Titicaca. Quer dizer, nem tão clássico assim: o barco rápido da Titicaca Uncovered, como todo os outros, cruzou o lago até a ilha Taquile (uma ilha natural, feita de terra), mas desembarcou numa ponta ainda livre de (outros) turistas. Em vez de almoçar na Plaza de Armas do povoado principal (de onde nem chegamos perto), fomos levados para um ponto isolado em terra firme, onde nos serviram uma pachamanca -- carne, batatas e legumes assados debaixo da terra, entre camadas de pedras quentes. E de lá, partimos para a terceira etapa do passeio: uma visita ao arquipélago das Uros, com desembarque numa ilha flutuante. Já já teríamos uma noção do que nos esperava no dia seguinte.

Ilhas Uros

"Há 30 anos só três ou quatro dessas ilhas estavam ancoradas perto de Puno. Todas as outras estavam espalhadas pelo lago", explicou o guia, enquanto o barco adentrava o arquipélago. "Aos poucos vieram quase todas para cá, por causa do turismo. Hoje são duas cidades flutuantes de 25 ilhas cada, visitadas em dias alternados".

Foi um choque. As ilhas, que nas fotos parecem avulsas, ao vivo ficam bastante próximas umas das outras. Portais de boas-vindas e barcos que mais parecem carros alegóricos mostram a adaptação do modo de vida ao turismo. O povo Uro transformou seu habitat num Epcot feito de palha. O lugar é mágico, mas não como um sítio primitivo; o lugar é mágico como um parque temático.

Acredita-se que os Uro sejam descendentes de migrantes que há mais de 500 anos deixaram a selva (um ponto que hoje pertenceria à Amazônia boliviana) e se fixaram às margens do Titicaca. Com a chegada dos incas conquistadores, em meados de 1.500, foram se esconder por trás dos altos (e espessos) capinzais que brotam no lago. Ali aprenderam a usar o capim (chamado totora) para construir seus esconderijos flutuantes -- e acabaram criando um estilo de vida único.

uros-vespera8

Desembarcamos numa das últimas ilhotas, e começou o show. (Pesquisando depois, descobri que o script é o mesmo em todas.) Dois moradores da ilha demonstram como a totora é entrelaçada e prensada para a construção da base da ilha, e contam que os ilhéus estão o tempo todo cortando mais totora para cobrir a superfície (o chão precisa ser encorpado de duas a quatro vezes por mês, dependendo da estação). A palha de totora também é usada para construir as casinhas e os barcos, e também para fazer fogo -- e até seu palmito é usado na alimentação diária.

Entre uma demonstração e outra, o guia do passeio dava o contraponto com informações nada róseas. Devido à umidade impregnada na totora, a população das ilhas sofre de doenças respiratórias e tem uma expectativa de vida entre 10 e 15 anos menor do que os habitantes da terra firme. Existem escolas primárias nas duas cidades flutuantes, mas a partir do secundário os jovens vão estudar em Puno. de onde dificilmente voltam. Só os mais velhos e as crianças pequenas continuam a morar nas ilhas; provavelmente esta é a última geração de ilhéus. E por que não se mudam para a terra firme? Porque os terrenos são caros -- mas também porque tiram seu sustento do turismo.

(Na internet você vai achar muita gente que duvida que os Uro morem nas ilhas, e têm certeza de que só aparecem por lá para trabalhar e fazer figuração. Não tenho como afirmar ou contestar isso, mas entenderia perfeitamente -- apoiaria, até -- se fosse verdade.)

Depois do tutorial da totora, demos uma voltinha pela ilhota. Devagar: é difícil caminhar sobre a palha solta (e a 4.000 metros de altitude). Uma senhora convidou para olhar dentro da sua casinha -- a gente olhou para não fazer desfeita, e ficou horrorizado com a precariedade. Tudo parecia bem mais insalubre do que eu esperava. Já começava a achar que a aventura do dia seguinte seria bem mais antropológica do que a encomenda.

Ilhas Uros

Mas a parte mais constrangedora ficou para o fim. Cinco mulheres da ilha se puseram a cantar trechos de músicas conhecidas em quatro idiomas (enquanto era só em aimara, dava para encarar; mas 'Dominique nique nique' em italiano foi demais). Embarcamos num barco-carro-alegórico para um breve cruzeiro pela cidade flutuante, e elas se despediram com um "Vamos a la playa, oh oh oh oh".

Fazia um mês que Sara não me mandava nenhum email. Eu já não ficaria triste se, na manhã seguinte, o trânsfer não desse as caras.

Flutuando nas alturas

Uros Aruma Uro

Às 10 da manhã em ponto, Juanito já estava no lobby do Sonesta Posadas del Inca nos aguardando. Fechamos a conta (a 99 dólares a diária, o 4 estrelas saiu só um terço mais caro que a cabana de palha) e embarcamos no táxi. Para minha surpresa, o carro não seguiu ao (confuso) porto de Puno, que já conhecíamos do passeio da véspera. Tomando o rumo oposto, em 5 minutos chegamos a um ponto à beira-lago próximo à estrada, onde esperamos mais 5 minutos até a nossa voadeira chegar.

Lago Titicaca

Navegando por canais estreitos entre os totorais (sim, já tô neologismando) entramos na cidade flutuante pela porta dos fundos. Nossa ilha, a Uros Aruma Uro, parecia ser a última do grupo. Ainda assim, a viagem desde o ancoradouro não deve ter passado de 10 minutos. Desembarcamos, e Juanito já levou nossas maletas para a cabana.

Uros Aruma Uro

Demos os primeiros passos, e o chão se revelou bem mais estável que o da ilha do dia anterior. Não só isso. As cabanas eram mais bonitinhas e bem distribuídas.

Uros Aruma Uro

Juanito nos mostrou a nossa, e já gostamos do chão de madeira compensada (a que vimos na véspera tinha chão de palha).

Uros Aruma Uro

Demos uma olhada nos banheiros e na cabana das duchas -- tudo organizado e asséptico.

Uros Aruma Uro

Entre as cabanas, nichos para descansar sob a sombra de quiosques e ombrellones feitos de totora. No meio da ilha, o tanque das trutas tinha sua própria ponte. A gente ainda estava reconhecendo o terreno quando apareceu a senhora para nos dar boas-vindas: "Hola, me llamo Elsa. Soy la mamá de Juanito". Apontou para o marido, que nos saudou de longe: "Y éste es Juan". Perguntou se íamos almoçar, e disse que de tarde falaria das atividades. "Ahora descansen".

Uros Aruma Uro

Pedimos duas Cusqueñas, que mesmo à temperatura ambiente chegaram mais geladas do que as tínhamos tomado recentemente. A ilha parecia que seria só nossa para o dia. Além de nós, a única visitante visível era uma garça, que andava despreocupadamente pela palha. Escolhemos um quiosque e começamos a relaxar. Que alívio: tudo era muito mais limpo e aconchegante do que (depois do susto da véspera) o esperado. E naquele momento a gente estava se permitindo um luxo inédito nessa viagem. Depois de 10 dias, pela primeira vez não tivemos que acordar cedo, nem que encarar nenhum deslocamento cansativo. O sol estava brilhando, o 3G pegava no celular e doña Elsa tinha dito que dava para recarregar as baterias no gerador de energia solar. Uros Aruma Uro seria o nosso spa flutuante de palha por 24 horas.

Uros Aruma Uro

Opa: não estávamos sozinhos. O barquinho da ilha -- semi-alegórico, de um andar só, enfeitado só com uma carranca de gato -- chegou do passeio da manhã, com uma família com três crianças a bordo. Quem seriam os malucos que trariam três filhos pré-adolescentes para uma ilha flutuante de palha? Um casal costa-riquenho (mas que podia passar por americano ou francês). Antes de sair do barco, as crianças começaram a jogar peixinhos miúdos (que tinham acabado de pescar no lago) para a garça, que chegou a abocanhar um em pleno ar. Depois de desembarcar, as crianças foram subir no mirante, cruzar a pontezinha do tanque, catar palha no chão para brincar de espada, brincar com o casal de bebês temporões de doña Elsa. Só pararam quando a mãe decretou que era hora do banho. Pensando bem, quem seriam os malucos que não trariam três filhos pré-adolescentes para uma ilha flutuante de palha?

Uros Aruma Uro

Repare na rede de vôlei smile

Sem as crianças para assistir, nossa atenção foi capturada por uma moça que passou ao longe, lá para os lados da cozinha, com um avental. Ela claramente não era da família, tampouco nativa; o Nick achou parecida com uma passageira do passeio da véspera. Eu não achei. E se ela fosse a Sara dos emails?

Uros Aruma Uro

No exato momento em que doña Elsa chamou para o almoço, a voadeira de Juanito chegou com mais um hóspede. Um fotógrafo japonês que estava terminando um ano sabático passado em Nova York. Soube disso porque veio se sentar à nossa mesa. Na outra, ficaram os costa-riquenhos.

Uros Aruma Uro

Almoço Uros Aruma Uro

O restaurante é uma casinha de verdade, digo, de madeira. Elsa trouxe os pratos: truta na chapa, milho, batata, batata-doce, salada. Tudo gostoso e inocente, à prova de efeitos colaterais (se é que você me entende). Eis que então chega a moça do avental. Sim, era quem o Nick achava que fosse. Uma mexicana que estava no nosso passeio da véspera e que, enquanto a gente fazia o passeio de barco alegórico, foi deixada em Uros Aruma Uro para pernoitar. Ela estava de avental porque passou o fim da manhã com a mão na massa, ensinando Elsa a fazer truta ao forno em crosta de nozes. "Quieren eso para la cena?", ofereceu Elsa.

Fui combinar o passeio da tarde com Juan. Combinamos para as 3 e meia -- depois da siesta.

Sob o sol forte do inverno, a cabana estava quentinha. Um vento moderado porém constante insistia em passar pelas frestas da palha, nos fazendo temer pela noite que teríamos adiante. Mas até ali, tudo tinha sido confortável e divertido. A ilha estava em silêncio, porque a família da Costa Rica -- que passaria ainda mais uma noite na ilha -- tinha ido a Puno para fazer o passeio às tumbas de Sillustani. Botei o celular para despertar às 3 e 25.

Uros Aruma Uro

Éramos cinco no nosso passeio: nós, o japonês e um casal de galeses que tinha chegado depois do almoço. Nos acomodamos no barquinho semi-alegórico com carranca de gato, construído com palha de totora e recheado de garrafas PET de 2 litros para melhor flutuação. "Hacemos reciclaje", informou, orgulhoso, Joel, nosso barqueiro-remador. "El barco se llama Titánic", ele disse, e só o Nick e eu rimos. Resolvi traduzir: "The boat is called Taitênic", e então o japa e os galeses caíram na risada. Pronto, Joel me nomeou o intérprete da viagem.

Uros Aruma Uro

Joel nos levou para fora da cidadela habitada, até um totoral. Ali demonstrou como se colhe a torora, como se limpa a totora, como se carrega a totora no barco, como se come a totora (o caule tem um palmito poroso/esponjoso feito jambo -- ou biribiri --, perfeitamente insosso mas rico em iodo) e, finalmente, como se usa a totora para armar redes para pescar os peixes minúsculos que habitam a parte rasa do lago. (A truta e o peixe-rei precisam ser pescados mais longe.) Ou seja: trabalhei pra dedéu (I worked very hard).

Na volta, tínhamos mais duas vizinhas: uma dupla de amigas chinesas, uma totalmente dublada (tinha morado em Minnesota), a outra esparsamente legendada.

Uros Aruma Uro

Como tudo tem sua hora, tinha chegado a hora daquilo que jamais pode faltar em qualquer passeio no Peru: a hora da lojinha. Joel, sua mulher e uma ajudante de cozinha estenderam seus panos na palha com bordados, bonequinhos e barquinhos. Infelizmente, tudo nível souvenir. Como a gente não estava só de passagem, não deu pra não comprar alguma coisinha. E foi assim que estamos trazendo um pequeno Titánic pra casa.

Uros Aruma Uro

Uros Aruma Uro

A família aventureira voltou ao anoitecer, bem na hora em que Joel usava totora para fazer a fogueira. Caiu a noite, e todo o grupo estava reunido em volta do fogo: os costa-riquenhos, os galeses, o japa, as chinesas, os dois brazucas aqui. (A mexicana já tinha ido embora.) Gente de cinco países e três continentes diferentes que tinham ido parar numa ilha flutuante de palha no fim do mundo, fazendo uma reserva em três cliques pela internet e depois seguindo as instruções da Sara. Não é incrível?

Uros Aruma Uro

No jantar, a nossa truta ao forno estava bem mais apetitosa do que o filé de frango brancão que os galeses escolheram (e quase não comeram). A voadeira de Juanito trouxe uma nova hóspede, uruguaia. O japa foi procurar no mapa e achou o Paraguai. Ficou pasmo quando ela contou que o país tinha 3 milhões de habitantes ("but it's like a city!"). E desacreditou ao ser informado que, mesmo assim, o Uruguai era uma potência no futebol.

Não eram nem oito horas, mas a sensação era de meia-noite. Vai-se para a cama cedo em Uros Aruma Uro.

Rumo à parte mais difícil do desafio: dormir no frio. Nossas duas noites mais recentes a 4.000 metros de altitude não tinham sido nada tranqüilas. Deitado, eu não conseguia respirar somente pelo nariz -- tinha que ser pela boca, que ficava seca e me fazia acordar várias vezes para tomar água (e ir ao banheiro). Agora, a falta de calefação (e de banheiro no quarto) acrescentariam dois obstáculos a uma noite efetivamente restauradora.

Entre nós e o frio da madrugada (segundo o meu celular a temperatura cairia a 2ºC depois das 2h) havia a parede de palha, um lençol, uma manta e quatro cobertores pesados como tapetes kilim. Os andinos devem acreditar na geração de calor por imprensamento. Felizmente não tinha vento. Ah, e ganhamos também duas bolsas de água quente. Mas não foi uma noite fácil. Sono leve e intranqüilo, com duas idas à casinha lá fora -- schlep schlep schlep no chão de totora, espero não ter acordado os vizinhos. A chegada da manhã trouxe a mesma alegria de quando o avião aterrissa depois de uma noite maldormida na econômica. Fui direto para o banho -- box limpo, ducha fraca e quase fria. Depois de um dia de turista, uma noite de escoteiro.

Uros Aruma Uro

No café -- boas crepes! -- as últimas despedidas dos companheiros de aventura. Os galeses já tinham ido cedinho para pegar o trem das 8h a Cusco.

Uros Aruma Uro

Sentei com Elsa para fechar a conta. A moeda preferida nas ilhas Uros é o dólar.

Uros Aruma Uro

Uros Aruma Uro

Valeu! Hospedar-se na ilha foi infinitamente mais digno do que a visita que tínhamos feito na antevéspera. Não aproveitamos tanto quanto as crianças da Costa Rica, mas vamos levar lembranças divertidas. Se este for um modo de vida que precisa do turismo para não desaparecer, fizemos a nossa parte. Mas se tudo for só um circo, tudo bem: dormimos no circo! (E curtimos à beça.)

Ah, sim. Esqueci de perguntar sobre a Sara. Foi um pouco frustrante descobrir que ela não mora na ilha e, mesmo se morasse, não precisaria esperar até as 5 da tarde para ligar o gerador, nem subir na torre para catar sinal de internet. Qualquer dia ainda falo com ela. (Eu tenho o email, lembra?)

Leia mais:


32 comentários

Nádia
NádiaPermalinkResponder

Que incrível! Fiquei morrendo de vontade de conhecer! Eita mundão maravilhoso!

Beto Paschoalini

Relato sempre delicioso, Riq. Adorei a teoria do imprensamento. Quando fui à Bolívia e ao Peru os perrengues eram mais autênticos, mas posso garantir que o resultados eram os mesmos. Beijos.

Alexandre Costa

Mais um daqueles posts do VnV pra favoritar e reler! E pensar que uma ilha flutuante do Lago Titicaca faz reservas por internet e um monte de hotéis e pousadas ainda não.

Carla
CarlaPermalinkResponder

Pensei o mesmo, Alexandre! Tem hotel / pousada relativamente perto de casa que te faz ligar pra reservar e pede depósito de 50% em plena era do cartão de crédito...

Diego Maia
Diego MaiaPermalinkResponder

Impressionante como até tourist trap como o primeiro passeio fica interessante quando bem narrado assim!

Ana Carolina
Ana CarolinaPermalinkResponder

Em 2011, partindo de Puno e passando por Uros, dormi na Ilha Amantani, em casa familiar também, muito mais rústico (o banheiro era só um buraco, achei esse aí um luxo!).
Para mim foi uma experiência deliciosa. Lago Titicaca é mágico!

Sheila
SheilaPermalinkResponder

Fui ao Peru no ano passado e fiquei fascinada pelo Lago Titicaca e pelas ilhas Uros. Seu relato me encorajou a quem sabe um dia retornar para fazer esse pernoite...

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Hahaha SENSACIONAL meu guri !
Histórias pra lembrar , compartilhar e se divertir.
Disso são feitas as viagens : estrelas e tacapes.
Tudo junto e misturado wink

Manu Tessinari

Quem sabe em alguns anos mais não sou eu com minhas 3 pre-adolescentes pernoitando nossa ilha... wink

Maryanne
MaryannePermalinkResponder

Saudade dos seus textos, Ric. Dei muita risada com o Dominique nique nique e fiquei imaginando a cara de vcs entrando no cruzeiro barco-carro alegorico. smile
Uma aventura e tanto e uma bela história pra contar.

Erion Renato Franco Pozzobon

Quando visitei uma dessas ilhas flutuantes, na década de 70, fiquei cheio de piolhos. Eles devem ter resolvido esse problema...

Marcie
MarciePermalinkResponder

Muito bacana. Não para meu bico grande, bien sûr, mas interessante. wink

Carla
CarlaPermalinkResponder

Me parece que o passeio de barco aos Uros está a cada dia mais carnavalesco... grin Quando eu fui, em 2007, já era um pouco, mas acho que estão se superando!

Hugo
HugoPermalinkResponder

Viajar é mesmo fantástico. Mesmo depois de vários quilômetros rodados ainda podemos ser surpreendidos por uma pequena ilha.

Fabiola
FabiolaPermalinkResponder

Adorei o relato! Estive lá mês passado e achei o Peru fascinante, mas infelizmente a pobreza dos locais os obriga a fazer esses "shows" carnavalescos e constrangedores (para eles e para nós!) e a insistirem (muito) para que os turistas comprem suas souvenirs (geralmente chinesas). Nosso guia dizia que o "Peru é um país rico, porém muito pobre".

Helenice Figueiredo

Depois de ver as fotos no Instagram, estava ansiosa para ler o seu relato. Sensacional. Turismo antropológico dá ótimas estórias e experiências realmente. Agora, quando falei da coberta lá, não imaginei que iam passar por sessão de imprensamento...rsrsrsrs. Beijos.

Carmem
CarmemPermalinkResponder

#eugostei

Mô Gribel
Mô GribelPermalinkResponder

Adorei a teoria do imprensamento. Lembrou minha avó...rs

Ana Christ
Ana ChristPermalinkResponder

Oi. Ontem, fiz um comentário aqui nesse post, mas não apareceu na página. Escrevi algo que não devia? rs
Se sim, peço desculpas.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana! Consultei os comentários em moderação e também o poço do spam e não tem nenhum comentário seu em nenhum dos dois. Provavelmente não foi registrado, se você lembrar por favor refaça. Obrigada!

Victor Carneiro

Boa noite! Parabens pelo post e pela viagem! Fiquei bastante interessado em conhecer esta hotel na ilha. Chegarei em Puno `as 15h, e quero agendar com o hotel para me buscar na rodoviária. Vc possui o email de la? Não encontrei na internet. Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Victor! Fazendo a reserva pelo link do texto, o hotel vai contactar você por email.

Katia
KatiaPermalinkResponder

Relato super interessante e divertido.Parabéns.Qual foi a epoca em que vcs estiveram ali?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Katia! Quem responde é a Bóia. Foi em setembro.

Ana
AnaPermalinkResponder

Oi Pessoal! Passamos esta última noite no Uros Aruma Uro e descobri que a Sara (a dos emails) é filha da Elsa e do Juan! Ela mora em Puno, estuda inglês e faz faculdade de turismo! wink

Luciana
LucianaPermalinkResponder

Oi Pessoal, que legal! Vou para o Peru em julho, ficarei 6 noites em Cusco. devo separar uma noite para Águas Calientes é uma para este lago? O que acham? abraço.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luciana! A logística de ir para Puno é diferente. Não vale a pena ir e voltar de Cusco, são 7 horas de ônibus para ir, 7 horas para voltar. Puno funciona num itinerário que inclua o sul do Peru -- Ica, Nasca, Arequipa -- numa viagem de duas a três semanas.

Eunice Leal Barros

Eu acho que vale muito a pena ficar uma noite em Aguas Calientes, é um lugar agitado para passear à noite, depois de voltar de Machu Picchu, parece um pouco com as cidades turísticas do Brasil, cidades praianas no verão.Fui a Puno, local de partida para o Lago Titicaca, mas quando comprei a passagem para o Peru, já optei c stop over(acho q é esse o nome), fiz SP-Lima na ida e na volta Puno-Lima-SP, na volta fiquei dois dias em Lima.

Maria Cristina da Silva

Já tinha vontade de conhecer Puno e suas ilhas, depois deste relato , me senti caminhando sobre as totora, com certeza vou achar a Sara!!!!

Eunice Leal Barros

Seu relato sobre o Uros Aruma foi tão envolvente e apaixonante q tive q incluí-lo na minha primeira viagem internacional, que foi ao Peru. Fiquei absolutamente apaixonada e encantada pelo lugar. Depois de fazer diversos tours pelo Peru, inclusive a trilha Inca, poder parar, descansar, encontrar Deus (embora ele estivesse presente o tempo todo) e agradecer por toda a viagem, foi maravilhoso. Lá vi um pôr do sol divino, onde todos nós hóspedes, pudemos admirar e agradecer. Amei do fundo da minha alma.

Ernani Mesquita

Fantástico

leonardo
leonardoPermalinkResponder

grande ricardo freire!
devido a este post, domi uma marvilhosa noite na ilha dessa familia fantástica! foi uma longa viagem andina de quase 40 dias com dois filhos pequenos! arrisco dizer que a ilha uruma uros foi um dos pontos altos da viagem! meus filhos amaram! dois pirralhos de 5 e 3 anos de idade! ficaram super amigos da Saray! essa mesma que aparece em uma das fotos do post...enfim. Inesquecível e sensacional! obrigado por essa fantástica dica!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar