São Bento do Sapucaí: refúgio pertinho de São Paulo, no relato da Miriam

  • 0
Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

São Bento do Sapucaí

São Bento do Sapucaí

Na divisa com Minas Gerais, e muito perto de Campos do Jordão, São Bento do Sapucaí é uma cidadezinha de pouco mais de 10 mil habitantes e que guarda um dos cartões-postais mais bonitos do estado de São Paulo: a Pedra do Baú. A Miriam, que já tem na bagagem cinco passagens por lá, divide com a gente as suas dicas:

Texto e fotos | Miriam K

São Bento do Sapucaí é uma pequena cidade na Serra da Mantiqueira, no estado de São Paulo, cuja principal atração é a Pedra do Baú. Fica a 185 km de São Paulo e tem uma porção de opções para passar um fim de semana prolongado, tanto no inverno quanto no verão.

São Bento do Sapucaí

Pedra do Bauzinho e Pedra do Baú

É um programa ideal a dois, ou para quem tem filhos adolescentes que gostem de aventura.

Dá para ir tanto pela Rodovia Dutra como pela Ayrton Senna até Taubaté, e depois pegar uma estrada sinuosa, mas que está em bom estado de conservação.

Hotéis

Há pousadas para todos os gostos e bolsos.

Ficamos uma vez nos Chalés Montanha, pousada administrada pelo dono e sua esposa. Os quartos são grandes e novos. Mas, por ficar bem no topo da montanha, dava para escutar todo o barulho da vila lá embaixo, da escola, das crianças brincando, do pagode no final da tarde, e parecia que o som vinha direto canalizado para o quarto, provavelmente pela falta de vegetação no caminho. Nas paredes, há avisos pouco simpáticos como "se usar mais que um feixe de lenha, será cobrado valor adicional", o "check-out deverá ser rigorosamente às 12h". Tive a impressão de que o wifi era desligado à noite.

Pousada Caminho da Mata

Pousada Caminho da Mata

Pousada Caminho da Mata

Já ficamos também na Pousada Caminho da Mata, que na ocasião tinha somente 5 chalés. Os donos são bem atenciosos e estão todo o tempo por perto. Todos os chalés têm uma banheira de hidromassagem com visão para a natureza, dois chuveiros e geladeira. A iluminação era do tipo fria, que apesar de economizar energia, não dava muita sensação de aconchego. Como não há um salão para café da manhã, o café é trazido no quarto numa bandeja super caprichada com tudo quentinho, num horário que pode ser combinado, entre 9 e 11 horas. A estadia pode ser reservada pelo Booking. (Na época, para reservar era cobrado no cartão o valor de uma diária. Acabamos chegando dois dias depois do combinado, por causa de um imprevisto, e eles fizeram um bom desconto para nós.)

A pousada é um pouco difícil de achar pelo GPS, e precisamos perguntar pelo caminho umas três vezes para conseguir encontrá-la. Atrás da casa grande onde moram os donos, tem um grande subidão recoberto por mata, que acredito ser nativa, e chegando ao topo tem-se uma vista maravilhosa de toda a região do outro lado da montanha, mas você vai ficar cheio de picão nas calças. Não vi nenhuma cobra nem pisei em formigueiro, mas acho que joguei com a sorte porque a mata era da minha altura!

Pousada do Quilombo

Pousada do Quilombo

A minha pousada favorita é a Pousada do Quilombo, onde já estivemos três vezes, uma vez depois dos Chalés Montanha e duas vezes depois da Pousada Caminho da Mata.

Chalé standard

Chalé standard

Há chalés standard para duas pessoas, chalés luxo, chalés para famílias de até 5 pessoas e os Chalés na Vila, que são mais isolados e onde não são permitidas crianças. Todos os chalés dispõem de lareira, geladeira e produtos da L'Occitane, e os da Vila possuem dois ambientes. Em uma das vezes ficamos no Chalé da Vila número 29, embaixo do 30. Os vizinhos chegaram depois da meia-noite e pudemos ouvir durante um bom tempo os saltos batendo no chão de madeira. No dia seguinte, a pedido, a gerência nos mudou para um outro chalé sem problemas.

Chalé sem vizinhos em cima

Chalé da Vila, sem vizinhos no andar de cima

Da vez seguinte, já escolhemos um outro da Vila, o 35, sem vizinho de cima. Comparando um chalé standard (que foi onde ficamos da primeira vez) com os Chalés da Vila, que custam o dobro do preço, eu ficaria com o primeiro, que tem melhor custo x benefício. Tive que ficar duas vezes para ter certeza, mas da segunda eu também tinha um vale-presente para gastar...

Café da manhã

Restaurante Trincheira

Café da manhã e restaurante

O café da manhã tem opções para todos os gostos, inclusive vegano, glúten e lactose free, e é servido na casa principal, onde funciona o restaurante. Disseram que tudo começou com o Restaurante Trincheira e depois de um tempo é que foram construídos os chalés. A decoração é muito aconchegante e os funcionários têm um treinamento de primeira. O restaurante funciona para o almoço de sexta a domingo como buffet, e a la carte no jantar, também com pizza de forno a lenha. O cardápio muda com a estação, e é um pouco ambicioso (na maioria das vezes, a descrição é melhor que o prato). Para quem chega na sexta e sai no domingo, o almoço está incluso na diária e é do tipo self-service, com comida caseira que fica sobre o fogão à lenha.

Salão de café da manhã

Restaurante Trincheira

A vista a partir do restaurante é deslumbrante, e ao lado há uma área com sofás e lareira. A pousada ainda dispõe de piscina com uma grande área para espreguiçadeiras, sala de musculação e de brincadeiras.

Pousada Quilombo

Pousada Quilombo

Na saída eles ainda nos presenteiam com um pote de geleia de amoras, produzidas na propriedade que possui até heliponto. Ainda dentro da propriedade tem o Baú Ecoturismo, que organiza passeios pela região, mas nós nunca utilizamos os seus serviços.

Atrações e passeios

Pedra do Baú

Pedra do Baú, vista da Pedra do Bauzinho

A atração principal da região, a Pedra do Baú fica a cerca de 15 km da Pousada do Quilombo, mas como a estrada é sinuosa e com buracos, tem que ir devagar. Ja tive que fazer um alinhamento e balanceamento na volta de uma das viagens. Se chover, tem grande chance de derrapagens e atoleiros.

A escalada da Pedra do Baú não é para mim, porque o acesso é difícil e ninguém sabe bem se a manutenção daquelas escadinhas está em ordem, mas vejo que há um fluxo constante de aventureiros, que não levam nenhum equipamento específico para a escalada.

Trilha da Pedra do Bauzinho

Trilha da Pedra do Bauzinho

A partir da Pedra do Bauzinho temos uma vista espetacular da Pedra do Baú bem de frente, e esta sim é bem mais fácil e fica a cerca de 10 minutos de caminhada na mata a partir do estacionamento. Cabe a ressalva de que só tem uma placa e não tem qualquer tipo de corrimão ou iluminação, tem somente uns degraus improvisados, mas não dá para se perder. Se estiver chovendo, nem tente escalar porque o caminho pode ficar muito liso e a paisagem fica um pouco prejudicada porque as nuvens poderão estar bem baixas. O por do sol é maravilhoso, mas cuidado que de repente fica tudo um breu.

Vista da rampa de vôo livre

Por do sol na rampa

Uns 700 m antes de chegar à pedra do Bauzinho tem uma rampa do voo livre que tem um por do sol maravilhoso e uma excelente vista da Pedra do Baú e do Bauzinho. Leve um casaco porque quando o sol se esconde pode ser bem frio no inverno.

São Bento do Sapucaí

Bauzinho, Baú e Ana Chata

Indo pela estrada da Ana Chata no bairro Paiol Grande tem umas quebradas à esquerda que dão uma vista de cartão postal das duas pedras, além da Ana Chata, que é outra atração (pedra/montanha) da região. Como não há placas, tem que ter espírito aventureiro e ser razoavelmente orientado para achar as paisagens. Provavelmente nas pousadas você vai conseguir um mapa grátis.

Araucárias

São Bento do Sapucaí

Araucárias

Toda a região é repleta de araucárias que em geral formam capões maravilhosos que emolduram as pedras à distância.

São Bento do Sapucaí

São Bento do Sapucaí

Mosaicos

Uma curiosidade são pequenas construções feitas de mosaicos de azulejos que são feitas por um artista da região e que podem ser vistas aqui e ali.

A região é basicamente de contemplação da natureza e não há muitas opções de compra, mas o Nakawe Tecidos (Estrada do Paiol km 13,5, tel. 99719-8007) tem tecidos lindíssimos com estampas originais que decoram camisetas, almofadas, cortinas e tapetes, mas infelizmente são um pouco caros. Entretanto, se você procura algo especial, original e exclusivo, este é o seu lugar.

Restaurantes

Restaurante Pedra do Baú (Estrada da Pedra do Baú km 11, tel. 12/99703-9512) tem um belo mirante para o vale e pode ser um ponto de partida para a escalada da Pedra do Baú. A comida é do tipo mineira/caipira com preço fixo, com café de coador já adoçado.

A cidade é bem interiorana mas tem um restaurante que sempre está aberto quando vamos para lá, que é o Sabor da Serra (Av. Conselheiro Rodrigues Alves 128, tel. 12/3971-1772), uma das ruas principais da cidade. Tanto de dia como à noite funciona como buffet que inclui massas, carnes e saladas a preço fixo, sendo que à noite também há sopas.

Tem também o restaurante e lanchonete Sabor com Arte (Rodovia Prefeito Benedicto Gomes de Souza, Km 5,5, tel. 12/3971-1471) que no almoço funciona como buffet, e à noite é a la carte. Fomos um dia à noite e a comida é honesta.

Enfim, este é um destino próximo de São Paulo, de fácil acesso e é uma boa opção para um fim de prolongado e romântico, ao pé da lareira.

Obrigado por mais esta dica, Miriam!

Leia mais:

10 comentários

Waleria Onoe
Waleria OnoePermalinkResponder

Excelente! Ótimas dicas, muito bem redigido e fotos lindas!!!

Ken
KenPermalinkResponder

Valeu pela dica. Lindo lugar. Fotos profissionais.
O relato deixou uma vontade de conhecer. Parabéns!!!

Satiko Onoe Fujihara

Interessante para se conhecer

olivério sanches

relato muito útil, photos excelentes.

Quenia
QueniaPermalinkResponder

Miriam parabéns pelo relato.
Meu marido e eu só fomos uma vez para São Bento do Sapucaí, gostamos muito e voltaremos.
A região é lindíssima e estivemos em um final de semana que havia festa na cidade e foi bem divertido.

Tatiana Wolff
Tatiana WolffPermalinkResponder

Eu adoro São Bento, já fui duas vezes e iria de novo, pena que agora está muito longe de mim... E a subida nas pedras é fácil, pra quem se exercita minimamente e não tem medo de altura.

Rafael Machado

Quem for a São Bento não pode deixar de visitar o Ateliê do Seu Ditinho Joana. Ótimo papo, lindas obras e a famosa botinha de madeira. Imperdível.

Telma
TelmaPermalinkResponder

Achei ótimas as fotos, parabéns, e o texto de uma sutileza maravilhosa...espero que a secretária de turismo, donos de pousadas, restaurantes e comércios citados leiam a matéria e procurem melhorar seus pontos fracos, que a descrição seja sempre inferior à qualidade dos serviços prestados e não o contrário...parabéns ao restaurante Sabor com Arte, único dos estabelecimentos citados onde não li nenhuma sutil observação negativa

Roberto
RobertoPermalinkResponder

Talvez a Miriam não tenha conhecido um local estupendo , Entrevilas, Restaurante Slow Food do chef-proprietário Rodrigo , pertinho da entrada da Pedra do Baú! Além de produtor de berrys produz também um vinho orgânico. Vale muito a pena ! Informe-se na Secretaria de Turismo de São Bento.

Ana Paula Figueiredo

De fato, é um restaurante imperdível. Reserve antes e tenha o dia todo disponível para esta experiência gastronômica.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar