Museu do Futebol: um passeio campeão em São Paulo

Heloísa Dall'Antonia
por Heloísa Dall'Antonia

Fachada do Pacaembu, onde está o Museu do Futebol

Esqueça o vexame da Copa de 2014. Ignore os “probleminhas” da cúpula da FIFA e mesmo da CBF. Deixe pra lá o xingamento que você fez ao árbitro e à progenitora dele no último jogo do seu time. Respirou fundo? Agora mantenha a lembrança na Seleção de 82, nos dribles e gols geniais de tantos atletas (podia citar vários do meu próprio time, mas vou evitar a polêmica), no quanto você vibrou com Luciano do Valle proclamando “o Brasil é campeão do mundo” em 94. Para muita gente, futebol é visceral, é daquelas coisas difíceis de explicar de como se começou a gostar, ou de por que você se torna um neandertal quando fala do assunto. E o Museu do Futebol, em São Paulo, é uma ode a tudo isso.

Inaugurado em 2008, numa área de 6.900m², o Museu do Futebol faz parte da primeira leva de museus moderninhos, que usam tecnologia para conquistar os visitantes. Foi um sucesso imediato, e hoje é uma das atrações mais queridas da cidade -- sobretudo para ir com crianças.

Seu endereço é clássico: o estádio municipal Paulo Machado de Carvalho, o popular Pacaembu, construção elegante da década de 40, quando foi o maior da América do Sul. Ironicamente, desde 2014, quando o Corinthians passou a jogar na sua própria arena, o Pacaembu passou a receber jogos muito esporadicamente -- apenas quando o Santos decide não jogar na Vila Belmiro. E com isso, o Museu do Futebol ganhou mais uma utilidade: matar as saudades do estádio mais bonito de São Paulo.

museu-do-futebol-sao-paulo-exposicao-posteres-olimpiadas

Mas eis que abrem-se as cortinas e começa o espetáculo. Aproveitando o 'avesso' da área das arquibancadas, o Museu do Futebol não esconde as estruturas do estádio. O andar térreo recebe exposições temporárias; na minha visita era sobre pôsters das Olimpíadas. A entrada traz também uma série de quadros com referências ao esporte, seja em caricaturas de jogadores famosos, ingressos, propagandas de outros tempos, brinquedos, álbum de figurinhas, fotos curiosas e flâmulas, além de outros itens, que cobrem completamente as paredes.

museu-do-futebol-sao-paulo-ingresso

museu-do-futebol-sao-paulo-parede-brasoes

museu-do-futebol-sao-paulo-pele-flamulas

Subindo as escadas, é o rei Pelé quem recebe os visitantes, antes que mais tecnologia mostre importantes figuras do futebol brasileiro de diversas épocas, passando por Marta, Zico, Ronaldo e muitos outros. Mas a viagem no tempo vai continuar nas salas seguintes, em especial na que traz estações em que é possível tanto ouvir narrações de trechos de partidas de vários anos quanto assistir aos depoimentos de personalidades ligadas ao esporte contando qual foi o lance que mais os marcou na vida. E é tetra! Cenas desses momentos deixam a experiência ainda mais emocionante. Não é só futebol: é um passeio pela história do Brasil do último século.

Depoimento no Museu do Futebol

museu-do-futebol-sao-paulo-anjos-barrocos

museu-do-futebol-sao-paulo-anjos-barrocos2

Mas é em outra área que dá pra ficar mesmo arrepiado: a estrutura das arquibancadas é usada como tela para mostrar projeções de várias torcidas de times do Brasil e seus gritos de ordem.

museu-do-futebol-sao-paulo-fotos-emolduradas

museu-do-futebol-sao-paulo-maracanazo

O tempo passa, e o panorama do futebol no Brasil e no mundo é mostrado em outras salas, que trazem fotos e informações do começo do esporte no país, assim como a trajetória de um de seus primeiros astros, Friedenreich. E que beleza! Uma sala especial mostra a tragédia do Maracanazzo, quando o Brasil perdeu a Copa de 1950 em casa (ah, destino, esse fanfarrão! Quem poderia imaginar naquela época o 7x1, né?).

museu-do-futebol-sao-paulo-totens-copas

museu-do-futebol-sao-paulo-ame-deixe

museu-do-futebol-sao-paulo-copa-1994

museu-do-futebol-sao-paulo-copa-2002

museu-do-futebol-sao-paulo-copa-2014-totem

museu-do-futebol-sao-paulo-copa-2014

museu-do-futebol-sao-paulo-gol-alemanha

museu-do-futebol-sao-paulo-taca-bellini

Muitas informações históricas de cada uma das Copas do Mundo ficam em outro espaço, em que estruturas como as da taça apoiam diversas telas que mostram o contexto histórico das épocas, assim como o local em que o torneio foi disputado e seu vencedor. Tem dados de política, cultura, outros esportes... Se você tiver sorte, pode encontrar a réplica da Jules Rimet à mostra.

museu-do-futebol-sao-paulo-pacaembu-campo

museu-do-futebol-sao-paulo-area-pele-garrincha

museu-do-futebol-sao-paulo-chuteiras

Uma abertura permite uma linda vista do campo do Pacaembu. Ripa na chulipa e pimba na gorduchinha: várias bolas e chuteiras antigas ganham um espaço especial de exposição.

museu-do-futebol-sao-paulo-bolas

museu-do-futebol-sao-paulo-charles-miller

museu-do-futebol-sao-paulo-pebolim

Mas o que que é isso? Outra área divertida mostra em textos curtos e desenhos, regras, jargões e curiosidades do futebol (sabia que a ola 'nasceu' no México?), além de apresentar em pebolim diversos esquemas táticos. É uma aula divertida sobre o esporte, começando desde quando Charles Miller trouxe os princípios do bate-bola para o país. Informações sobre futebol feminino ou o legendário Canal 100 também ganham espaço em vídeos. Documentários muito bem produzidos de em média 20 minutos sobre momentos do futebol nas Olimpíadas também estão à disposição.

museu-do-futebol-sao-paulo-chute-a-gol

E que golaço! Encerrando a visita, mostre seu talento no Chute a Gol, área em que você mostra toda a sua arte no futebol moleque chutando uma bola em direção a uma tela em que um goleiro tenta defender. Mesmo que você dê uma de Baggio, dá para saber a potência do seu lance.

O museu também é a sede da Biblioteca do Centro de Referência do Futebol Brasileiro, espaço dedicado à pesquisa de informações. E pelas barbas do profeta: uma loja de camisas de diversos times e alguns outros itens encerra o passeio.

Como chegar

O Museu do Futebol fica dentro do estádio do Pacaembu. O metrô mais próximo é Clínicas (linha 2/verde). De lá são 20 minutos de caminhada ou 15 minutos com o ônibus 917M-10 Morro Grande (pegue no ponto da Dr. Arnaldo, 292; o ônibus vai inicialmente na direção oposta ao estádio, rumo a Perdizes, e então vira na Cardoso de Almeida para descer à Praça Charles Miller pela rua Almirante Pereira Guimarães). O Museu do Futebol também é uma das paradas da linha Circular Turismo de São Paulo.

Museu do Futebol

  • Praça Charles Miller, s/n | tel. 3664-3848 | Aberto de terça a sexta, das 9h às 16h (permanência até 17h); sábados, domingos e feriados das 10h às 17h (permanência até 18h); em dias de jogos os horários mudam, consulte a agenda | Ingresso: R$ 9 (gratuito aos sábados) | Estacionamento no espaço na frente do estádio

Leia mais:

6 comentários

Ana M M González

Estive nesse museu algumas vezes. Com pessoas de idades diferentes, visitantes na cidade. Sempre feliz oportunidade de rever a cultura brasileira em momentos importantes. Imperdível experiência, mesmo para quem não gosta tanto de futebol. A escuta dos gritos de torcida, embaixo das arquibancadas, arrepia de emoção!

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Adoro o Museu do Futebol. Já fui algumas vezes. A parte da arquibancada e dos gritos das torcidas sempre me emociona! E acho essa fachada do Pacaembu muito linda....

Kamila
KamilaPermalinkResponder

Feriado de Carnaval funciona regularmente?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Kamila! Só no sábado e no domingo.

Alda Pereira
Alda PereiraPermalinkResponder

Local muuuiiito interessante. Vale a pena até para quem não é fã de carteirinha de futebol. rs...
O RJ também merecia um belo, moderno e criativo museu do futebol!

Filipe Morato Gomes

Visitei o Museu do Futebol na semana passada e o que achei mais curioso é o facto do museu ter interesse mesmo para quem não é louco por futebol. Talvez não agrade a toda a gente, mas eu não dei por mal empregue o meu tempo, mesmo não sendo daqueles adeptos de frequentar estádios em dia de jogo. smile

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar