Boeing 747 Jumbo

Air France aposenta seus últimos Boeing 747 com vôos panorâmicos nesta quinta

Boeing 747 Jumbo

Dia 15 de janeiro de 2016 é a data em que a Air France aposenta o Jumbo, o mais querido dos aviõezões, encerrando uma história começada em 1970.

Com o dobro da capacidade de qualquer outro avião da sua época, o Boeing 747 levou a aviação de massa a um novo patamar. Seu impacto foi ainda maior do que a chegada, há poucos anos, do A 380, o novo gigantão dos ares. Os dois, porém, têm algo em comum: mesmo carregando mais passageiros, tornaram-se objetos de desejo — certamente por causa do luxo das suas classes superiores.

O grande charme do Jumbo está justamente no seu cocoruto, onde a primeira classe costuma estar instalada. Um detalhe anatômico que fazia parzinho com o narigão do Concorde, lançado em 1976.

Em 2015, apenas dois 747 foram encomendados à Boeing. O encolhimento do seu mercado mostra que o fim do Jumbo está próximo.

A Air France está aposentando os seus em grande estilo. Nesta quinta-feira, em Paris, decolarão dois vôos panorâmicos, que em três horas sobrevoarão paisagens emblemáticas francesas, como o Montblanc e o Mont-St.-Michel, indo da costa mediterrânea à costa atlântica. Na volta, os passageiros — que esgotaram todos os assentos há muitos meses — vão conhecer os hangares de manutenção da Air France no aeroporto Charles-de-Gaulle.

Para comemorar a despedida, a cia. fez um vídeo bem bacaninha sobre a trajetória de seus Jumbos de 1970 a 2015.

E você? Tem alguma lembrança especial de algum vôo de Jumbo? Conta pra gente!

18 comentários

Faltou eles colocarem uma rosa que tinha. Minha mãe viajou pela AF de Recife para Buenos Aires e as comissárias estavam todas de rosa.

Voei uma vez nesse cocoruto de um 747 da Air France (mas não era primeira classe, era uma econômica mais espaçosa). Gentileza da equipe do CDG que conseguiu três lugares juntinhos para mim, o marido e a filha pequena. Originalmente, estávamos no fundão da aeronave, separados. Foi um dos melhores vôos, com certeza.

Minha primeira viagem de avião foi justamente num B747-400 da Aerolineas Argentinas, naqueles voos charters da Unesul de Porto Alegre a Miami, que carregavam centenas de adolescentes para a Disney. Eu tinha 19 anos e quando vi o avião no pátio do Aeroporto Salgado Filho, fiquei meio sem reação com o tamanho do avião. Fiquei pensando como seria possível aquele bicho sair do chão! rsrsrs. A viagem foi “ruidosa”, por causa da algazarra dos adolescentes e eu ainda acabei indo no “meio do meio”, naquela infame poltrona “F” dos B747, huahua. Na voltam tive mais sorte, pois me colocaram na janela, com apenas uma poltrona ao lado. Apesar de nunca ter viajado de avião naquela época e com o susto com o tamanho da aeronave, os voos foram tranquilos e eu gostei muito da experiência.

Depois dessa ida à Disney, fiquei anos sem viajar. Somente há pouco tempo, tipo há cinco anos atrás, é que eu pude retomar uma rotina anual de viagens. E nesses 5 anos, eu tenho viajado mais de Airbus (A320, A321 e A330, da TAP e lowcosts europeias) ou os B737-800 da GOL.

Mas semana passada, tive novamente a oportunidade de viajar num Jumbo, no B747-800i da Lufthansa, na volta de Frankfurt até Guarulhos. WOW!! Como tinha passado muito tempo desde a primeira vez que viajei de avião, até tinha me esquecido como era voar num deles! Fantástico, o avião é silencioso, com subida e descida suaves e, nesse caso específico, era um avião novinho. A tripulação da LH é muito eficiente e cordata, mesmo na Economy Class.

Consegui marcar uma janela (18K), logo após a classe executiva. E apesar de ter lido resenhas negativas sobre o espaço na Economy dos B747, eu achei que o espaço estava de bom tamanho (embora talvez tenha sido pelo fato de que a poltrona do meio tenha ficado vazia).

No voo de ida à Alemanha, eu fui no A340-600 e fui na Premium Economy, que eu achei uma maravilha, já que dificilmente eu conseguiria viajar na Executive. No voo de volta, fiz um “lance” para conseguir um upgrade da Economy para a Premium Economy, mas como dei um lance apenas um pouco acima do lance mínimo (U$ 240), não consegui. Só achei uma sacanagem é que antes do embarque, na boca do portão, estavam oferecendo o mesmo upgrade por U$ 350,00. Se havia lugar disponível e eu tinha um lance acima do mínimo 72 horas antes do embarque, como é que não consegui? hehehe!

Mesmo assim, mesmo não tendo recebido o upgrade e ter viajado na Economy, a experiência de voar no novo B747-800i foi excelente!!!

Abs,

Cris

Três experiências distintas no Boeing 747 da KLM. Duas vezes (GIG x AMS) e uma vez (GRU x AMS) pintado nas cores KLM Asia. Entrada quase mágica na aeronave….coisa de louco!

Quando criança meus pais me levavam ao aeroporto do Galeao só para ver o Jumbo chegar (já adorava esse mundo de viagens desde pequena e era o maximo que eu tinha condições de fazer naquela epoca).
Tivemos uma vez uma excursão na minha escola para conhecer os hangares deste mesmo aeroporto e foi inesquecivel poder explorar um “Jumbão”, subir e descer as escadas… Consegui finalmente ir a Paris já bem crescida em um desses.

Eu e meu marido voamos diversas vezes de Jumbo nos anos 80 e 90, principalmente nas rotas São Paulo-Paris e São Paulo-Londres, com a British Airways e Aerolineas Argentinas. Bom, éramos muito jovens e só voávamos de Econômica, mas no Jumbo era um pouco mais confortável do que hoje. Lembro-me de ver passageiros fazendo autênticas caminhadas ao longo do vôo, pois o avião era enorme! Sabíamos que a Primeira Classe era no segundo andar, mas nunca tivemos oportunidade de conhecê-la. Eram outros tempos da aviação. Saudade.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.