Texas, parte III: Austin, a cara do 'novo' Oeste 1

Texas, parte III: Austin, a cara do ‘novo’ Oeste

Clube de jazz The Elephant Room

Clube de jazz The Elephant Room

A capital do Texas é muito diferente do que a memória dos filmes de caubói nos deixaria imaginar. Sai o bangue-bangue e entra em cena uma cidade efervescente, auto-proclamada a capital mundial da música ao vivo. Meio hippie e meio hipster, Austin é cheia de vida – especialmente noturna.

A principal atração da cidade são os mais de 250 clubes onde bandas de todos os gêneros se apresentam diariamente. Há casas de todo porte, desde o bem equipado Moody Theatre ao pequeno porão do The Elephant Room (onde assisti a uma noite de jazz inesquecível, com ilustres desconhecidos transbordantes de talento).

The Elephant Room

The Elephant Room

The Elephant RoomThe Elephant Room

Sair à noite em Austin é de fato uma experiência única. Não é preciso ter destino certo. Os clubes se aglomeram pelo centro da cidade, principalmente ao longo da East 6th Street e da Red River Street. Muitos locais de show têm grandes janelas nas ruas. São vitrines por onde você pode ouvir e espiar as performances antes de decidir se quer entrar ou não.

6th Street6th Street6th Street

Uma prática muitíssimo simpática que fica ainda melhor por outro detalhe: várias casas não cobram entrada.

6th Street

6th Street

Para explorar mais além desta área, conte com os serviços dos riquixás modernetes. São jovens que pedalam para cima e para baixo pela 6th Street e arredores, não raro usando roupas extravagantes ou fantasias. Desconheço trânsfer mais divertido :mrgreen: O valor da corrida é combinado na hora. O ciclista com quem conversei cobrava a partir de 5 dólares por trecho.

Malaga

As oportunidades de ver música ao vivo não se restringem aos clubes: muitos restaurantes e bares promovem shows pelo menos uma vez na semana. No delicioso bar de tapas Malaga, o dia da música ao vivo é 5ª feira. Na lendária churrascaria Stubb’s, a programação é intensa e a fama vem de longa data. O restaurante funciona desde os anos 70 e acompanhou o início da carreira de nomes como Stevie Ray Vaughn, Willie Nelson e Johnny Cash. Mais recentemente, se apresentaram por lá veteranos como Blondie, Patti Smith e Duran Duran, dividindo a agenda com novidades feito Arctic Monkeys, The National e Adele.


Austin é a casa de dois festivais importantes. O Austin City Limits, batizado segundo o programa musical há mais tempo no ar na história da televisão, acontece no Zilker Park durante dois finais de semana. (A edição de 2014 já tem ingressos à venda; veja aqui.) O SXSW, ou South by Southwest, espalha shows pelos pequenos clubes da cidade e tem um formato inovador. A programação mescla música, cinema e interatividade, com discussões sobre assuntos diversos relacionados à tecnologia. (Passes à venda no site.)

Uma cidade… estranha?

Keep Austin Weird

Nas lojas de souvenir em Austin, uma camiseta tie-dye com dizeres curiosos chama a atenção: Keep Austin Weird. Esse é o lema não-oficial da cidade, adotado em particular para promover os negócios locais e independentes.

WaterlooWaterloo

Em Austin se vê muitos estabelecimentos bacanas que não pertencem a cadeias, como a loja de discos Waterloo, que se mantém desde a década de 80 e é uma perdição para colecionadores.

SoCo

SoCo

SoCo

Na South Congress Avenue, o pedaço entre as ruas Johanna e Gibson foi apelidado de SoCo. Por lá você se esbalda em brechós, food trucks e lugares cheios de charme como a Tesoros, uma loja linda especializada em artigos de toda a América Latina (Brasil incluso!), e a Big Top Candy Shop, que vende balas com jeitinho vintage.

Tesoros

Big Top Candy Shop

Big Top Candy ShopBig Top Candy Shop


De estranha mesmo, soube apenas de uma atração: em Austin se aloja a maior colônia urbana de morcegos, que se concentra embaixo da ponte da Congress Avenue de março a novembro. São impressionantes um milhão e meio de hóspedes alados, vindos do México. As revoadas de morcegos viraram atração turística e têm seu pico entre julho e agosto. Empresas promovem tours de observação em botes, e se você é corajoso o bastante, clique aqui para mais informações.

Os morcegos até que escolheram bem – essa região, em dowtown, é realmente prática para se hospedar (veja hotéis no Booking). Você consegue sair para a balada e voltar a pé, ou a bordo dos táxis-bicicleta da 6th Street. Santa perspicácia, Batman!

Mariana viajou a convite da Interamerican Network e da United.

Leia mais:

6 comentários

Olá!

vi a matéria de Austin e queria saber se você tem alguma informação sobre chinatown de Austin. Vi que eles tem um site, achei bem organizado e tal e queria saber se é um lugar legal para visitar.
Ele é igual ao que existe em Nova York? Bastante lotado, com aqueles produtos de “falsificados”, chineses nas calçadas, etc…

Obrigada

Bom dia!!!!

Estou tentando a meses, encontrar uma agencia de viagens que faça pacote para o Texas, para o periodo de rodeo em Março, já entrei em contato com algumas, enviei e-mail e até agora nada, estou ficando decepcionada. Será que poderiam me ajudar? Quero muito ir no proximo ano, realizar um sonho antigo. Poderiam me indicar alguma agencia que possa me informar e orientar,pois será a primeira vez que viajarei para o exterior.
Agradeço a atenção e aguardo.

Abraço,

Regilene

    Não precisa de pacote pra esse roteiro, não.

    Você pode fazer todos os roteiros pelo Texas desempacotada, dá pra reservar hoje em dia facilmente passagens, aluguel de carro e hoteis pela Internet, e comprar ingressos para eventos que vc queira ir.

    Acredito que nem haja pacotes prontos para a região com saídas do Brasil.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.