Chegando à Europa por Zurique

Chegando na Europa por Zurique

Estou fazendo a primeira parte do périplo de trem pela Suíça a convite (ficarei alguns dias depois soltinho e por minha conta). O convite incluía uma passagem Swiss a Zurique. Achei uma oportunidade interessante para testar essa que é uma das mais novas cias. européias.

Para quem perdeu essa parte da novela: a Swiss nasceu em 2002, logo depois da falência da mitológica Swissair, uma das mais carismáticas cias. aéreas da Europa. Foi fundada a partir de sua subsidiária Crossair (no Brasil, o equivalente seria terem revivido a Varig a partir da Rio-Sul), com participação do governo e de investidores particulares. Depois da sua recuperação, acabou incorporada ao grupo Lufthansa.

A Swiss não exala a sofisticação da antiga Swissair, e nem poderia: foi construída em bases mais pragmáticas, mas continua perseguindo valores bem suíços como pontualidade, organização e praticidade. A própria identidade visual da marca, com as letras sem frescura, alinhadas à esquerda, já comunica que eles não estão para fazer firula. (Parece que vem uma nova marca por aí. Estou curioso para ver como será.)

Quando recebi a programação, mandei um email para a moça do Turismo da Suíça: olha só, acho que não vai dar pra pegar esse trem das 12h13 não. Meu vôo chega ao aeroporto de Zurique às 11h10 e eu ainda vou ter que passar por imigração e tudo. Melhor avisar esse guia que vai estar à minha espera às 15h04 na estação de Montreux que eu provavelmente não vou conseguir chegar.

Pois ela respondeu que ia dar pra pegar, sim. Que o vôo é pontual e os trâmites são rapidinhos. Se não desse, era só eu mandar um SMS pro guia.

Pois bem. O avião saiu de São Paulo no horário — boa notícia.

Na hora que fui reclinar a poltrona, porém, descobri que, apesar de estar na janela, estava no pior lugar do avião: na fileira junto à parede do banheiro, que não reclina. Prenúncio de uma noite ainda mais interminável do que o costumeiro.

Swiss: aperitivoSwiss: aperitivoSwiss: chocolate

O serviço, no entanto, era bem simpático. Comissárias e comissários naturais, atenciosos sem artificialismos. Aperitivo: biscoitinhos. Pedi vinho tinto, era francês.

Swiss: jantar

No jantar, duas opções — frango ou ravioli. Fui de ravioli, estava num bom ponto. O couvertzinho é bem bom. Se eu quisesse, poderia ter tomado mais uma garrafita de vinho, mas meu plano era editar fotos até as baterias acabarem (a do laptop ou a minha, a que viesse primeiro).

Dormi um pouco, mas depois que acordei, umas duas ou três horas depois, não houve almofada de pescoço que me fizesse dormir de novo.

Swiss: café da manhã

O café da manhã veio numa caixinha e estava bom. Senti falta, porém, de passarem mais uma vez com o café. Eu preciso de quantidades industriais de cafeína de manhã.

O pouso no aeroporto de Zurique foi cinco minutos adiantado. E na hora anunciada para a chegada, 11h10, estávamos chegando ao finger. Mágico.

Na saída do avião, agentes de imigração davam uma primeira conferida nos passaportes. Não vi implicarem com ninguém.

Cheguei pelo terminal E, que requer pegar um trem interno para ir ao prédio principal, onde estão os terminais A e B e a saída. Perdi o primeiro, três minutos depois apareceu o segundo. A viagem entre os terminais é rapidinho, não sei se leva mais que dois minutos.

Embarque para o trânsfer no terminal E

Quem não tem vôo de conexão (uma minoria, no caso desse meu vôo), anda mais um pouquinho e, voilà: chega à imigração. Posso ter dado muita sorte, mas fiquei besta. Uma fartura de guichês. Não peguei fila nenhuma. A agente não fez pergunta nenhuma — nem sequer quanto tempo eu ficaria. Só deu uma olhada, carimbou e disse “Welcome”.

Chegando ao saguão das esteiras de bagagem

Ainda não eram 11h35 quando cheguei ao saguão das esteiras. Um painel avisa a previsão de chegada das malas (1 minuto, quando cheguei). Ao lado, um outro painel indica as plataformas de onde sairão os próximos trens na estação anexa.

Painel indicando o tempo para chegada das malasPainel de informação das saídas de trem

Exatamente às 11h46 — trinta e seis minutos depois de chegar num Airbusão lotado — eu já estava com a mala na mão, pronto para sair à procura da estação de onde partiria o meu trem das 12h13.

Saindo do saguão com a mala na mão

Não tem como errar. Você sai pelo saguão e já vê a placa: basta atravessar a rua e já estará na estação.

Zurique: saindo do aeroporto para a estação de trem

Como eu vi que tinha tempo, resolvi ainda enrolar um pouquinho, procurando um caixa automático no saguão de desembarque ou no andar superior. Não achei. A área é dominada pelo câmbio convencional, que paga muito pouco.

Atravessei para a estação de trem. Que é mais do que uma estação de trem: é um shopping (que funciona até aos domingos, uma exceção na Suíça). Qual é a primeira coisa que eu vejo? O caixa automático.

ATM na estação de trem

Pronto. Com meus francos suíços na mão (e já de posse do Swiss Pass desde a saída do Brasil), vou direto para a plataforma 3, designada para o meu trem.

Chegando às plataformas da estação de trem

Não é nem meio-dia — cheguei tão adiantado, que ainda passaria um trem antes do meu…

Ou seja: a moça do Turismo da Suíça tinha por que estar confiante. Eu fiquei bastante bem impressionado com a fluidez do aeroporto; Zurique me pareceu uma bela alternativa para chegar à Europa.

Ricardo Freire viajou à Suíça a convite do Swiss Travel System.

Pesquise

Seguro de viagem na Mondial Assistance

Leia mais::

Suíça alemã: Zurique x Lucerna x Berna

Suíça francesa: Montreux x Lausanne x Genebra

Lugano, Suíça à italiana

Estações alpinas: Interlaken x Zermatt x St. Moritz

Trens panorâmicos: como é o Glacier Express

Trens panorâmicos: como é o Bernina Express

Trens panorâmicos: como é a Golden Pass Line

Trens panorâmicos: como é a Jungfraubahn

Trens panorâmicos: como é o Wilhelm Tell Express

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email

77 comentários

Será que na imigração de Zurique tem intérpretes em Português?

    Olá, Analice! Provavelmente não será necessário, mas ser for necessário, arranjarão.

Viajo a Israel pela swissair em 9/12/2012 ; faço conexão em zurich de 1h,50 minutos, o vôo seguinte até tel aviv será operado pela el al. minha pergunta é se uma hora e 50 minutos é suficiente para fazer a conexão sem correria e evitar extravio das 4 malas que levaremos

    Olá, Mauricio! Em geral, recomendamos intervalos entre duas e três horas para dar tempo de contornar imprevistos.

Viajei com a Swiss SP-Zurich-Amsterdã na ida e Londres-Zurich-SP na volta em julho/2010… O aeroporto e o “metrô” do aeroporto são ótimos, mas haja andar até o seu portão. Não me lembro de nada especial por isso acho que foi td certo e rápido na imigração… Mas nunca na vida vooei num avião tão DESCONFORTÁVEL!!!! Eu tenho 1,53 de altura e não sou gorda nem magra, mas eu não cabia na poltrona!!!!!!!! Imagina 99% da população que é maior do q eu???, e claro não era só a poltrona do Riq que não reclinava, a minha tb e dos meus pais tb tanto na ida como na volta e não estávamos perto do banheiro… A comida pelo q me lembro foi ok.

Mas é super charmoso ouvir todos aqueles recados em várias línguas, principalmente quando se está estudando alemão e pode assim ouvir em alemão primeiro e depois conferir com o recado em inglês hehehe

Olá, pessoal!
Uma dúvida, vou para Lisboa com conexão na Suíça. Passo na imigração da Suíça. Os documentos que eu terei que levar podem estar em Português ou não? Agradeço a atenção 🙂

Oi.
Vou para Paris em Outubro/12 (BHZ-PARIS-BHZ).
Estou escolhendo a Swiss porque chegarei em Paris por volta do meio-dia.
O voo de ida faz conexão em Zurich (troca de aeronave).
A imigração será feita em Paris?
Zurich é considerada como ‘trânsito’ ou esta no espaço Schengen?

Obrigado.

    Olá, Alex! A imigração será feita na Suíça, que faz parte do espaço Schengen.

    Thanx, Bóia.

    Vou continuar organizando a minha viagem e volto pra fazer mais perguntas.
    Já sei que posso contar com você e com a turma que frequenta o site.

    Europa, aí vou eu!

Por favor, vou para Amisterdã com conexão, em londres,na mesma companhia aérea, vou ter que fazer imigração em londres

    Olá, Pierre! Em Londres você estará em trânsito, porque o Reino Unido não faz parte do espaço Schengen; sua imigração será em Amsterdã.

Bom dia!

Minha tia irá fazer um circuito pela Europa e o roteiro inclui uma passagem rápida pela Suíça, apenas 1 dia (Lucerna e Zurique). Estamos em dúvida com relação a moeda, ela deve levar franco suíço do Brasil? Ou o euro é bem aceito? O hotel estará pago, qual o valor por pessoa ela deverá providenciar para passar apenas 1 dia lá? (valor aproximado, apenas uma média).
Desde já, agradeço!
Cíntia

    Olá, Cíntia! Muitos lugares aceitam euro na Suíça. Se a sua mãe está indo de excursão e vai fazer duas cidades num dia só, não terá muita chance de gastar dinheiro, não. Cartão de crédito é uma boa opção.

Boia, eu vou sair por Zurique, e estou querendo ir de Berna para lá no dia do voô. Tem como eu chegar bem cedo e deixar as malas em algum lugar? Eu gostaria de aproveitar para aproveitar para andar por Zurique.

    Olá, Luciana! Nem precisa guardar as malas. Você pode fazer check-in do vôo na estação de Berna, cedinho, e bater perna em Zurique até a hora do vôo. Todas as maiores estações suíças oferecem este serviço. Lembre-se de apresentar-se no aeroporto 1h30 antes do vôo para os procedimentos de embarque.

    Na estação de trem mesmo? Ou para fazer isso eu teria que ir de Berna para Zurique de avião?

    Olá, Luciana! Não há aeroporto em Berna. O serviço de check-in na estação de trem é oferecido em todas as grandes estações de trem da Suiça. Basta estar no dia do seu vôo. É cobrada uma taxa, algo como 20 ou 30 francos suíços.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.