Já viajou de cruzeiro no Brasil? O que você fez nas escalas?

Cruzeiro no Brasil

Na minha opinião, a principal motivação para você optar por um cruzeiro convencional (esses feitos em navios grandes, que param por poucas horas em cidades que necessitariam vários dias de permanência para serem visitadas a contento) deve ser… o navio.

Embarque num cruzeirão pela vida a bordo: as atividades nonstop, a comida farta, a companhia dos amigos ou a curtição de fazer uma viagem só com a sua tribo (no caso de cruzeiros de nicho, em torno de um artista, ou para fazer ginástica, ou voltados para singles, ou ainda para o público GLS).

As escalas… bem, não supervalorize as escalas. Você vai ter pouco tempo em terra — seis a oito horas, em média — e vai precisar ser objetivo. O que eu costumo recomendar (de enxerido, porque não tenho experiência suficiente nesse tipo de cruzeiro) é evitar passeios complicados, tipo city-tour, que tiram você do navio apenas para trancafiar num outro veículo, o ônibus. Acho que vale mais a pena escolher um objetivo — a praia mais bacana do pedaço, por exemplo — e curtir o dia por lá. (Mas sei que estou pregando ao vento, porque é muito difícil convencer alguém que vai passar poucas horas numa cidade a não fazer o city-tour. Mas enfim…)

No entanto, esta não é a única decisão que precisa ser feita a cada escala. A dúvida que aparece mais é: pegar um passeio vendido pelo cruzeiro ou negociar com os taxistas no porto?

Eu tendo a simpatizar mais com a alternativa negociar-com-taxista, que proporcionaria um roteiro mais livre. Mas também ficaria com medo de ficar refém da situação: ou aceitar o que taxista pede, ou neca de passeio.

Por isso recorro à comunidade. Você viajou de cruzeiro pelo Brasil ultimamente? Pode contar pra gente como resolveu suas escalas?

Se possível, conte pra gente o nome do navio e as alternativas que você lembra ter considerado. Se lembrar do preço, seria perfeito!

Depois a gente dá uma compilada bacana. Obrigado!

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email


117 comentários

Ola gostaria de saber se alguem ja fez cruzeiro no carnaval na rota de punta del leste e regiões, queria saber se é mais tranquilo que salvador, que é muito bagunçado…
Obrigado

    Olá, Pamela estou com a mesma dúvida.Pois farei o mesmo destino, no carnaval, pelo splendore of the seas! Se souber de alguma novidade do cruzeiro por favor me avise, pois sou marinheira de primeira viagem!
    Obrigado

    Oi,Pamella,respondendo a tua pregunta,para meu gosto e 1000 veces melhor o de Punta del Este,Puntae otro mundo,as pessoas os restorantes tudo e bem melhor.
    Eu fiz os dois.
    Abs.

Ah, e em 01 de fevereiro de 2013 vou embarcar no Costa Fortuna, fazer o cruzeiro pelo Prata, com paradas no Rio de Janeiro, Porto Belo, BsAs e Montevidéu. Depois eu conto como foi!

    ola carol, farei esse mesmo cruzeiro ,só q no final de fevereiro…qdo voltar me mande um email dizendo como foi, pois estou preocupada com relação as bebidas…não optei pelo all incluse e na operadora n sabem me dizer se posso comprar all por dia ou se tenho q optar por um pacote só…e observe se tem mais pacotes de bebidas…obrigada e boa viagem…aaaaa tbem mandei mensagem p o sac do costa com a mesma pergunta mas n me responderam…

Fiz um cruzeiro no natal de 2011. O navio era o Vision of the Seas (acho que não vem mais para o Brasil, mas o Splendor é o gêmeo), e de tão boa que estava a vida a bordo só descemos um dia em Búzios. Fechamos um “pacotinho” com o dono de uma Doblo, que cobrou R$ 30,00 por pessoa (estávamos em 5) para fazer um city-tour. Ele nos levou a todas as praias de Búzios, forneceu um mapinha bem lúdico, e a cada parada nos permitia caminhar pela região tirando fotos e trabalhando como um verdadeiro guia. Achei válido, apesar de não ser tão barato, se comparado ao valor do city-tour do navio que era de U$42 por pessoa. Mas como o tempo não estava tão bom, terminamos o passeio que durou meio dia e embarcamos de novo para aproveitar mais o navio.

Há muitos anos não participo de cruzeiros.
Os navios estão muito grandes para o meu gosto.
Como sou rabugento você perceberão logo que não me daria bem num ambiente fechado com mais 5 mil pessoas.

Nos cruzeiros que fiz, aluguei previamente um veículo nas cidades onde o navio aportaria.

As locadoras me entregaram o veículo junto às escadas dos navios (nequeles tempos podiam fazer isso).

Com menos despesa fizemos os passeios em terra programados pelos navios. Fomos em 3 pelo preço de um.

Navegar não é minha praia. Mas fiz um cruzeiro para conhecer como é, no Splendour of the Seas, com escalas em Ilha Bela e Buzios. Nas duas paradas explorei a zona urbana e algumas praias, tudo a pé, que, a meu ver, é a melhor forma de enxergar as coisas. Quanto ao preço, comprei uma cabine com sacada (R$ 2.500,00)e, uau, ganhei um up grade para uma gran suite (R$ 5.800,00), preços de fev/2011.

Eu gosto muito dos dias à bordo, mas gosto especialmente dos sea days, sem escalas. Se tem escala, eu quero descer e aproveitar ao máximo cada parada, mesmo que eu já conheça muito bem os destinos. Nos cruzeiros pela costa brasileira, sempre muito lotados, eu baixo em todas as escalas, religiosamente. Em todas as vezes que fiz cruzeiros pela nossa costa, com escalas que vão do sul do país à Amazônia, fiz passeios por conta, na maioria das vezes a pè ou usando o transporte público. O único caso que fiz “pacotinho” foi para ver populações ribeirinhas e o encontro dos rios em Manaus. De resto, acho que o máximo que precisa é um táxi até o centro, em locais como Ilhéus, Maceió ou Recife, em que o porto fica afastado, ou até uma praia mais distante. Gosto de fazer tudo a pé (se a ideia for um rolê pelos centrinhos) ou me mandar direto pra uma praia e “montar base” por lá durante as horas de duração da escala.

Fiz o cruzeiro no Armonia, da MSC, há aproximadamente 8 anos. Tenho a impressão que esse navio agora só faz cruzeiros no Mediterrâneo. Saímos de Salvador. Em Santos, um parente nos pegou . Passamos a manhã em Santos – centro , jardim Botânico, almoçamos em um restaurante português antigo, no centro. Depois do almoço, passeamos por um bairro no alto de uma colina e fomos à Guarujá. No Arraial do Cabo passamos o dia na praia que o navio nos deixou. Deserta, com infra levada pelo navio. Praia boa, mas estava com muitas águas vivas. Búzios contratamos um taxista por algumas horas. Percorremos algumas praias e retornamos para o vilarejo onde ficamos sem carro, perambulando pelas lojinhas até o horário de retorno ao navio. No Rio de Janeiro, a mesma coisa, contratamos um taxista por 1 dia – falamos onde queríamos ir e ajustamos o preço. Não me lembro dos valores. Mas contratar o taxista para o dia saiu menos da metade do valor cobrado pelo cruzeiro para as excursões em terra ( que seriam x3 ) e nos deu liberdade de escolha.

em Buzios desembarquei e no porto caminhei a esquerda pela orla vi a estatua da Brigite Bardot e fui em frente até as estatuas dos pescadores no mar. Na volta continuei pela orla e sai na rua com muitos bares e restaurantes. Passeios de city-tour vendidos no navio ou no porto são caros e não me interessaram. Mini cruzeiro no navio Mistral em 2009.

Embarquei no Sovereign (Soberano -CVC) em 2009: Santos – Salvador – Ilhéus – Angra. Uma coisa que eu havia pesquisado na época e ainda parece persistir são os valores dos passeios vendidos dentro do navio… Realmente são obscenos. Em Salvador, fiz o que a Fabiana mencionou: saí do porto, me direcionei até o elevador a pé mesmo (é bem perto) e fiz o passeio pelo Pelourinho e fui comer acarajé que é minha paixão!
Ilhéus eu já conhecia bem, então não quis desembarcar e fazer os mesmos passeios pelas fazendas de cacau… Alguns tripulantes fizeram um passeio ofertado pelo navio até Itacaré, gostaram, mas disseram que o tempo que passaram no local foi curtíssimo…

Fiz um cruzeiro no Costa Serena. Os valores cobrados pelos passeios dentro do navio são obscenos, não fiz nenhum. O navio parou em Salvador, Ilhéus, Rio de Janeiro, Ilha Bela e Santos. Vou dar uma dica pra Salvador: o melhor (e mais barato) é sair a pé do porto, virar a direita, andar bem pouquinho e já encontrar com o Mercado Modelo e o elevador Lacerda. Daí vc sobe pro Pelourinho e faz um passeio nas ladeiras lindas. Vale um almoço por lá mesmo, se joguem na moqueca ! A vista lá de cima é espetacular também. Deu pra pegar um táxi e ir ver a igreja do senhor do bonfim (é longe pra ir a pé). Sei que alguns passageiros do navio ainda assistiram um show especial que o Olodum faz pro pessoal dos navios. O show começa cedo pra dar tempo da galera voltar pro navio a tempo.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.