Devo cancelar a viagem a Istambul?

Atentados terroristas: devo cancelar a viagem?

Devo cancelar a viagem a Istambul?

Os riscos de viajar

Viajar não é um esporte 100% seguro. A mais tola das viagens é capaz de provocar toda sorte de inseguranças, muitas delas igualmente tolas, mas que acabam nos tirando o sono. A gente tem medo de perder o avião, medo de não achar táxi na chegada, medo de ser enganado no câmbio, medo da língua, medo do cartão travar, medo do hotel sumir com a reserva, medo do hotel ser ruim, medo do despertador não tocar, medo de não conseguir fazer o passeio, medo de ser assaltado ou furtado, medo de chover, medo de não cair neve… Tem gente que tem medo — alguns, fobia! — de feriado: e se eu chegar e todo o comércio estiver fechado, o que vou fazer?

Se todos esses medinhos nos assombram na véspera de viajar, o que dizer do medo de um atentado terrorista?

Muitos dos riscos do início desse tópico podem ser evitados ou minimizados. Viajantes que não queiram sair de sua zona de conforto (ou que queiram aumentar sua zona de conforto) reservam traslados, contratam guias, aderem a passeios em grupo, cacifam hotéis de luxo.

No entanto, a única maneira de eliminar o risco de terrorismo na viagem é escolhendo um destino totalmente livre de terrorismo. Deixar o passaporte no cofre, não usar relógio, não andar com máquina fotográfica no pescoço e não dar mole com mochila e sacolas são atitudes que minimizam o risco de assalto ou roubo. Mas não há nenhum conselho que se possa dar para alguém que queira evitar ser alvo de um homem-bomba, a não ser: não vá para lá.

Isso quer dizer que eu estou aconselhando cancelar a viagem à Europa?

Não. O que eu quero dizer é que não existe nenhum argumento 100% infalível para mudar a opinião de alguém que esteja com medo de viajar para um destino com risco de terrorismo.

No entanto, caso você esteja em dúvida, ou precise de argumentos para dar a todos os que pressionam você a desistir da sua viagem, os próximos tópicos podem ser úteis.

Argumentos racionais para não cancelar a viagem

Não sei se existem dados sobre isso, mas aposto que estatiscamente estamos mais sujeitos a levar uma bala perdida durante os 355 dias do ano em que vivemos no Brasil do que uma bomba nos dez dias que vamos passar na Europa.

O risco de terrorismo não deve ser um risco muito diferente de andar de avião. Sempre que subimos num avião, sabemos que existe uma remotíssima possibilidade de cair. A probabilidade de estar no destino do próximo atentado terrorista no lugar e na hora exata da próxima explosão é a mesma de estar exatamente no vôo que o piloto alemão jogou nas Dolomitas, em março do ano passado (matando 10 vezes mais gente do que o atentado de Istambul — e nem atentado terrorista foi).

Até o momento não parece haver um plano coordenado desses atentados. Não houve nenhuma reincidênca num mesmo destino. (Por outro lado, isso pode aumentar a paranóia — onde será o lugar do próximo?)

A Europa convive com terrorismo há décadas. Antigamente o terrorismo era político; de 20 anos para cá, tem sido de fundo religioso. Em 2005, 3 bombas explodiram no metrô de Londres, matando 37 pessoas. Antes disso, em 1995, uma bomba explodiu no metrô de Paris, com 4 vítimas fatais. Em 11 de março de 2004, 191 pessoas morreram num grande atentado no trem suburbano de Madri. Nada disso fez com que londrinos, parisienses e madrilenhos emigrassem em massa, abandonando suas cidades inseguras ou deixando de andar de metrô ou trem. E nós continuamos a viajar a Londres, Paris e Madri esse tempo todo, como se nada tivesse acontecido.

Aliás, nada como deixar a fervura baixar.

Dê tempo ao tempo

Depois de algum tempo de um atentado, a poeira baixa e a gente fica mais tranqüilo para viajar. Até os Eagles of Death Metal, a banda que se apresentava no Bataclan no momento do atentado de novembro em Paris, já voltaram à cidade.

De todo modo, é interessante ver como o conceito de lugar inseguro vai mudando com o tempo. Na década de 70, Nova York era vista como um lugar tão perigoso que americanos de outras partes do país evitavam visitar; a campanha I love New York foi lançada para tentar reverter a decadência turística da cidade!

Um dos destinos da moda do momento, a Colômbia, já foi um lugar quase proibido para se fazer turismo.

Devo cancelar a viagem? Consulte o travesseiro

Como eu disse anteriormente, não existe nenhum argumento 100% infalível para convencer alguém a viajar para um lugar onde há risco de terrorismo, por mais ínfimo (na minha opinião) que esse risco possa ser.

Devo cancelar a viagem? No fim das contas, o conselheiro que você deve ouvir é o seu travesseiro. Se alguma viagem, qualquer viagem, está tirando o seu sono (por preocupação, não por excitamento), o melhor a fazer é cancelar.

Leia mais:

32 comentários

Tô indo pra Turquia dia 31 agora. Este sábado teve ataque na Istiklal Cd. matando pelo menos 5 pessoas e ferindo outras 36. O que vocês me recomendam? Faço tudo só por agência? Não pego transporte público de jeito nenhum, já que alguém pode simplesmente se explodir dentro de um tram lotado? Aliás, devo evitar ao máximo andar na rua, só usar a van da agência, já que, a princípio, as atrações turísticas por dentro são menos susceptíveis a ataques terroristas do que as movimentadas ruas? Ainda não contratei agência, nem mesmo transfer do aeroporto pro hotel, já que eu pensava em ir de transporte público, mas estou repensando isso e adoraria que me dessem preciosas dicas, pois estou realmente com medo.

    Olá, Gabriel! Nenhuma agência conhece de antemão os planos dos terroristas, da mesma maneira que aqui no Brasil não temos como prever de onde e quando virá a próxima bala perdida. A população de Istambul continua vivendo na cidade e tomando transporte público.

    Obrigado pela resposta. Hoje já aconteceu mais um atentado na Europa, não irei à Bélgica, mas vou à Paris. Querendo ou não, assusta! Talvez o lado bom desses atentados agora, pensando de uma forma meio egoísta, mas coerente, é que agora irão reforçar a segurança nesses lugares por enquanto, então eu talvez possa usufruir disso na minha passagem por lá.

Viajar também é desafiar o medo!
Eu não tenho medo quando viajo (na maioria das vezes), mas se o tivesse, poderia ter deixado de fazer coisas incríveis. Só pra citar como exemplo, das minhas mais recentes viagens:
– Se tivesse medo de passear de Balão na Capadócia (passeio no qual algumas brasileiras infelizmente morreram, devido a queda de um balão há uns anos atrás), teria deixado de fazer um dos passeios mais incríveis da minha vida. Acidentes infelizmente acontecem, mas o caso da queda de balão é muito mais uma exceção do que uma regra. Antes do passeio de balão estava bem preocupada se o balão ia balançar muito, mas que nada, tanto a decolagem quanto o pouso, foram de uma tranquilidade só!
– Se tivesse medo de tsunami, nunca teria ido as Maldivas, um dos lugares mais bonitos do mundo. Quando entrei num bangalô sobre o mar, pensei “se tiver um tsunami aqui, já era!”……mas o lugar é tão lindo, o mar com tantos tons de azul, que vc não tem tempo de ficar pensando em tsunami, só quer a desfrutar da linda paisagem e ver os peixinhos coloridos!
– And last, but not least……a temida expedição ao Salar de Uyuni! Sim, porque histórias de perrengues é o que não faltam na internet: acidentes, motoristas bêbados, carros que atolam, abrigos imundos, diarréia, altitude, etc, etc, etc…
O negócio é vc ir com a expectativa mais baixa possível, porque daí estando lá vc não vai achar as coisas tão ruins assim haha. Mas sério, se eu tivesse medo de ir pra Bolívia, teria deixado de ver uma das paisagens mais incríveis da América da Sul…..se eu tivesse medo de altitude (que é um medo totalmente real), nem os passeios mais incríveis do Atacama eu teria feito (que são o Salar de Tara e Lagunas Altiplânicas)….Mas fui, fiz, voltei e aprovei 🙂
Na minha wish list ainda conta com Jordânia e Egito, que são alvos em potenciais do Estado Islâmico…..ainda quero ir, só não fui ainda não por causa do terrorismo, mas por causa do dólar alcançando a estratosfera (esse sim, o pavor real de todo viajante)

Estive em Paris uma semana após os atentados e foi tudo maravilhoso . A cidade estava bastante policiada, proporcionando bastante segurança . Foram dias maravilhosos !¹

Que belo texto. Como você escreve bem, de forma clara e deixa a conclusão para o leitor. Parabéns e obrigado! Grande abraço

Estive em paris sozinha e pela primeira vez agora no final de ano.Tudo em paz e com muita vigilancia gostaria de sentir essa mesma paz nas ruas do Brasil,foi uma viagem inesquecivel e tranquila .Se tiver que viajar viaje nao existe coisa melhor e bomba e como raio nao vai explodir no mesmo lugar mais risco e viajar para lugares alvos e que AINDA nao sofreram atentados

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.