Diego Rivera

Cidade do México: 3 bairros, 3 hotéis (por Sylvia Lemos)

Diego Rivera

Texto e fotos | Sylvia Lemos

Nos seis dias em que estivemos na Cidade do México, nos hospedamos duas noites na Zona Rosa, duas noites em Colonia Roma (La Roma para os locais) e duas noites em Cuauhtémoc (Paseo de La Reforma para os locais).

Com 20 milhões de habitantes, a área turística do DF, como a cidade é chamada, é bem policiada, segura, extremamente limpa, sem pedintes nas ruas. Das 9h30 da manhã até as 17h o trânsito é fluido. Agosto é um mês com histórico de chuvas na cidade, mas elas costumam ocorrer no final da tarde e à noite sob a forma de pancadas; a sensação térmica oscila entre os 14 e 26ºC, muito agradável para turistar.

Zona Rosa: Room Mate Valentina

Room Mate Valentina

A Zona Rosa é uma pequena área triangular (faz parte do bairro de Juárez) que concentra a maioria dos turistas, um grande numero de restaurantes, lojas e casas noturnas voltadas ao público LGBT. A área entre o Paseo de La Reforma e as ruas Londres, Varsóvia e Niza é a mais movimentada por transeuntes, com controlado fluxo de veículos e trechos só para pedestres.

As duas primeiras noites, durante a semana, foram no Room Mate Valentina, que faz parte de um grupo espanhol que administra 29 hotéis de design no mundo (todos têm nomes de pessoas). É um conceito agradável, o hotel é moderno, arejado, as áreas comuns são alegres e despojadas. O cartão de visitas do hotel é uma pequena caixinha com balas minúsculas, que estão sempre à disposição dos hóspedes na recepção. Deu pra entender o clima, né? 😉

O pessoal da recepção é muito simpático e extremamente atencioso com os questionamentos dos turistas. Quando perguntei para que lado ficava o metrô, ouvi com um sorriso: “Você quer mesmo ir de metrô ao Zocálo ?”. Cumplicidade feita, quando expliquei meus planos (num portunhol gaúcho muito bem compreendido por todos), recebi aprovação e ganhei sugestões valiosas. Pontos extras para o hotel no tratamento com os clientes.

Localização

Nprimeira quadra da Calle Amberes, quase na esquina da Calle Hamburgo. No epicentro da muvuca da Zona Rosa, tem um mini mercado na esquina, clubes (que funcionam dia e noite para o público gay, na própria rua em direção ao Paseo de la Reforma), e várias opções de lugares para comer de dia ou à noite. O mercado de artesanato Insurgentes  e a estação de metrô Insurgentes estão a 5 minutos de caminhada. Táxis são abundantes e muito em conta (uma corrida de dia do hotel, com taxímetro, para La Roma, na Álvaro Obregón com Orizaba, fica em 8 reais — com o dólar a 2,40 reais e o câmbio a 12,6 pesos por dólar).

Nesta área estão muitos escritórios, os prédios são heterogêneos (não deixe de visitar o Hotel Geneve); a Zara e Bershka estão na Londres e Niza, e tem uma pizzaria muito boa (minúscula, com umas seis mesas), a Il Ritrovo. O Italianni’s, o Sanborns e o El Péndulo são restaurantes populares entre os turistas e locais.

Apartamento

Ao ler as resenhas dos hóspedes, optamos por reservar um quarto de canto espaçoso (deluxe), com dois sofás e vista para a rua Amberes (deluxe com cama queen).

Nosso apartamento, no sexto andar, tem duas grandes janelas acústicas, com abertura parcial na parte inferior. Cortinas de rolo blackout e de tela, sofás pink de espuma, um frigobar vazio, garrafas de água de cortesia, mesa e cadeira de trabalho, cama e travesseiros confortáveis com roupa de cama de boa qualidade. O armário de duas portas com espelhos fica na entrada do quarto, e faz divisa com o banheiro. A TV de tela plana está em frente à cama. O banheiro é enorme, e consta de três espaços: a pia, com parede transparente semi-adesivada para o quarto, um corredor (!), uma área para o vaso sanitário sem porta (!) e uma área para o chuveiro com porta de vidro. Um pequeno estendedor de toalha junto à área do box, e amenidades padrão (shampoo, creme corporal, condicionador, sabonete e sabão líquido).O secador de cabelo portátil é minúsculo e potente. Cofre. Toalhas de banho brancas muito limpas, espessas e duras. A climatização é boa, mas o direcionamento não pode ser feito, e um dos lados da cama recebe vento direto. Wifi grátis nos apartamentos e áreas comuns.

Café da manhã

Incluído na diária, é servido até o meio-dia, no térreo, numa sala anexa à recepção e envidraçada para a rua Amberes. É básico, mas farto; frutas, cereais, iogurte, sucos, pães, pratos quentes, café, leite e chá. Maçãs e bananas inteiras podem ser levadas pelos hóspedes.

Pontos a considerar

Localização
Barulho dos bares e casas noturnas podem ser ouvidos mesmo com as janelas acústicas fechadas em apartamento de andar alto com vista para a Amberes.

Apartamento
Numa próxima hospedagem, eu escolheria um apartamento de fundos tradicional (quarto executivo), de tamanho menor, e com os espaços mais bem resolvidos. O banheiro do quarto deluxe incomodou pela configuração, falta de cabides para pendurar roupa e acesso ao quarto, que é chatinho. As cortinas blackout estão instaladas de maneira errada: ficam a grande distância da janela e não bloqueiam a luz. A televisão de tela plana em frente à cama não pode ser direcionada para os sofás. Um único elevador atende aos hóspedes de todo o hotel, o que pode ocasionar alguma demora em horários de pico (o elevador de serviço pode ser usado se necessário). A climatização é boa, mas o direcionamento não pode ser feito, e um dos lados da cama recebe vento direto. O wifi é instável e lento no apartamento, mas normal nas áreas comuns.

Minha avaliação
De uma maneira geral, a relação custo x benefício é muito boa para quem deseja hospedagem numa área movimentada, próxima ao metrô e que não se incomoda com (ou está em busca de) locais LGBT na vizinhança.

La Roma: Four Points by Sheraton

Four Points by Sheraton

No fim de semana nos hospedamos em La Roma, o bairro da vez da cidade, para onde todos vão no sábado e domingo a partir da tarde. O hotel Four Points by Sheraton é um hotel executivo do grupo Starwood, que administra 175 hotéis com a bandeira Four Points. A primeira impressão não foi das melhores, com a recepção mal iluminada e nada simpática; talvez pelo fato de estar havendo um evento de arte no hotel, com muito movimento de pessoas e materiais para instalação de painéis. Esta unidade não possui concierge, então fiz contato direto com a recepção no sábado à tarde pedindo a sugestão de um lugar para almoçar. “Só aqui no hotel”, foi o que ouvi por duas vezes (!). Sendo que a rua do hotel, a calle Obregón, é sabidamente a que tem a maior quantidade/qualidade de restaurantes na cidade. (Em contato com a administração, fui informada de que tomarão providências para identificar e sanar as questões relativas à desinformação.)

Café, chá, água quente, chá gelado e balas estão sempre disponíveis para os hóspedes. Academia na cobertura.

Localização

A rua é agradável, com ares provincianos, prédios baixos, na sua maioria antigos,e alguns belos exemplares da arquitetura art déco nas ruas menores.

Um grande canteiro central, em toda a extensão da rua, divide o trânsito e agrega pedestres que transitam com cachorros, carrinhos de bebê, crianças pela mão, entre algumas fontes, esculturas e muitas árvores. É um bairro quase de antigamente, quase pacato, apesar do movimento intenso de pessoas (carros, poucos).

O transporte público fica a uma boa caminhada; este é um lugar para andar a pé ou a uma curta corrida de táxi até La Condesa (peça para o táxi parar na Amsterdam e Michoacán para conhecer a área).

No verão, nos finais de semana (nos outros momentos não sei dizer), turistas e locais fazem trottoir na Obregón, com concentração na esquina da Orizaba. Vale caminhar as cinco quadras que unem as praças Río de Janeiro e Luis Cabrera ao longo da Orizaba. Bom saber que o cultuado Hotel Brick, ponto de encontro de famosos, fechou em 2012, apesar de continuar vivo no Google 😉

Restaurantes, bares e botecos com cozinha de todas as nacionalidades têm fila de espera na calçada a partir das 14h (os mexicanos almoçam todos os dias entre 13h30h e 17h30, e o horário do rush para o almoço é entre 14h30h e 16h.) Um lugar muito interessante, onde todos vão, e as reservas são obrigatórias (se não quiser esperar na fila) é o NueveNueve, localizado no mesmo terreno do Centro Cultural Casa Lamm. O Sobrinos tem um cardápio extenso e está sempre cheio. O Rosetta é um italiano/padaria muito elogiado e concorrido.

O maior achado da viagem foi ao acaso, caminhando na rua: o Mercado Roma, um mercado gourmet de vanguarda, agradável, com uma proposta incrível, inovadora, muito frequentado por jovens locais descolados. Num prédio industrial muito bem desenhado, com várias ilhas de barras (balcões) com bancos altos, chefs de cozinha oferecem todo o tipo de comida. Pastelarias, padarias, queijarias, sorvetes, bebidas de todos os tipos. Um lugar a não perder!

Apartamento

O tamanho é adequado, nem grande nem pequeno. Armário muito espaçoso, duas mesas de trabalho com cadeiras (uma com espelho), televisão de tela plana em frente à cama, e pia com espelho no corredor de entrada do apartamento, ao lado da porta do banheiro. Os móveis são de boa qualidade; o piso de carpete na área das camas está muito limpo e sem ácaros. As camas são muito confortáveis, os travesseiros excepcionais, e a roupa de cama e banho de boa qualidade. Amenidades padrão com creme, sabonete e papel Yes. O secador de cabelo portátil é potente. Cofre, ferro e tábua de passar. Cafeteira elétrica, café, balde de gelo, chás e garrafa de água de cortesia. Como em todos os hotéis da rede, o shampoo, condicionador e sabão líquido estão afixados na parede do chuveiro. Wifi grátis nos apartamentos e áreas comuns.

Café da manhã

Não incluído na diária, é servido até as 10h, inclusive nos finais de semana. Consta de um buffet de pratos quentes, frutas e pães, sucos, café e leite. No sábado em que fui fotografar, achei o local desorganizado e nada atraente (mas considere que houve um evento na noite anterior à minha hospedagem). Para um café da manhã cedo, há uma opção de padaria local na esquina, a Los Bisquets. Após as dez horas, o Belmondo, a 200m do hotel, é uma opção mais charmosa, para quem quer experimentar um ambiente com cor local. Ao longo da semana na cidade, me chamou a atenção que quase todos os restaurantes abrem cedo e têm vários combos de café da manhã.

Pontos a considerar

Localização
Muito boa para um final de semana em La Roma e em La Condesa, e com acesso de transporte público razoável para uma horas em Coyoacán (use o metrô Niños Héroes ou o Metrobús; o táxi do hotel até a estação custa 5 reais cada perna).

Apartamento
No apto 215 o piso do banheiro está muito manchado, causando impressão de sujeira. O chuveiro é de modelo telefone. A abertura da janela é mínima, apenas uma fresta. Não há frigobar. Mas tem a melhor cama dos três hotéis em que nos hospedamos na cidade.

Atenção
Festas e eventos são comuns no hotel. Na sexta-feira houve um evento no restaurante no térreo; no sábado uma festa de casamento no primeiro andar.

Minha avaliação
Encontrando uma boa tarifa de final de semana, é uma escolha interessante para viver um pouco da vida local longe do transito da cidade grande.

Reforma: Eurostars Suites Reforma

mexico-eurostars

O terceiro hotel, onde nos hospedamos de domingo à tarde a terça, é o Eurostars Suites Reforma, do grupo espanhol Hotusa, que administra 58 hotéis, entre eles o Claridge em Buenos Aires. (Outro hotel do grupo na Cidade do México, o Eurostars Suites Zona Rosa, me pareceu bastante datado).

Minha primeira impressão ao chegar foi: acertei a rua, errei a escolha do hotel. Uma entrada acanhada, sete degraus de mármore preto, uma porta de vidro que dá diretamente numa escada, um balcão de recepção colocado no lugar errado e mal iluminado num espaço sem sentido, luminárias de mesa com lâmpadas frias brancas enormes ultrapassando as pantalhas… Um quase pânico 😉 A recepção atenciosa, profissional e ágil amenizou um pouco o sentimento negativo da chegada .Com o passar do tempo entendi: como o nome indica, são suítes (algo como um apart hotel sem cozinha), um lugar onde áreas comuns praticamente inexistem. Academia na cobertura.

Localização

Numa rua muito tranqüila,a 20 metros do Paseo de La Reforma (a Champs-Élysées local), na quadra da Embaixada Americana e a poucos passos do Reforma 222, um centro comercial moderno com restaurantes, praça de alimentação e boas lojas de marcas globais e locais. Restaurantes sempre repletos são o PF Changs, o El Bajío e o Italianni’s, entre outros. A rua ao lado do Reforma 222 desemboca na Zona Rosa, e está a uma quadra da Calle Niza, uma das artérias do bairro, e na esquina do hotel há uma loja de conveniência. O francês estrelado Les Mustaches está a duas quadras. É uma localização perfeita para quem quer estar perto da muvuca sem estar dentro de no ela.

Apartamento

Solicitei na reserva no Booking e reforcei no check-in um apartamento em andar alto e silencioso, e nos deram duas opções: no sexto andar de fundos, ou no sexto andar de frente, com varanda. Escolhemos a varanda e foi uma surpresa! Silencioso, iluminado, amplo, com ótimas cortinas blackout, piso de tábua corrida, boa mesa de trabalho separada da área da cama, frigobar, água de cortesia, armários espaçosos, poltrona e cadeira. Roupa de cama e banho de qualidade. A TV de tela plana está num móvel grande em frente à cama a climatização é muito boa (não direcionada para a cama). Um pacote de guloseimas locais é um mimo para os hóspedes. Banheiro agradável, pia espaçosa com duas portas de armário na frente, chuveiro e vaso sanitário com porta de vidro opaca, ferro e tábua de passar, cofre. Amenidades básicas: shampoo, condicionador, sabão líquido, sabonete e gel de banho. Secador de cabelo portátil. Wifi grátis nos apartamentos e áreas comuns.

Café da manhã

Incluido na diária, é servido no térreo até as 10 da manhã, numa pequena sala retangular com iluminação natural. Possui apenas sete mesas de dois lugares cada. Chegamos nos dois dias em torno de 9h30 e não tivemos problema em escolher uma mesa. O café é farto, com iogurte, cereais, frutas, pães, geléia, pratos quentes, sucos, café, leite e chás. Garrafas de água mineral estão à disposição para tomar e/ou levar. Um cartaz explica que ovos e outros pratos podem ser solicitados.

Pontos a considerar

Localização

O metrô e o Metrobús estão a uma distancia razoável; o melhor meio de transporte para quem se hospeda aqui são os táxis, abundantes e freqüentes na rua do próprio hotel (verifique o trajeto ao destino no Google Maps e passe o caminho ao motorista).

Apartamento

O colchão é dos antigos, um pouco duro e ondulado, mas nada que prejudique o sono. Os travesseiros precisam ser substituídos (é provável que baste solicitar uma troca com a camareira). Não possui espelho de corpo inteiro, apenas um de meio corpo na pia do banheiro. Possui a maior área de armarios dos três hoteis.

Minha avaliação

Esta é uma hospedagem com uma ótima relação custo x beneficio x localização durante os dias da semana.

Cidade do México

Resumindo a experiência nos três hotéis:

Melhor localização no final de semanaFour Points by Sheraton

Melhor localização durante a semanaEurostars Suites Reforma

Melhor cama/travesseiroFour Points by Sheraton

Melhor recepção/atendimentoRoom Mate Valentina

Melhor café da manhã (ambiente, variedade e até o meio dia): Room Mate Valentina

Para turistar:

Room Mate Valentina para quem vai usar o metrô como transporte principal.

Eurostars Suites Reforma para quem vai usar o táxi (que é em conta) como transporte principal.

Four Points by Sheraton para quem vai usar táxi e quer estar próximo da vibe dos bairros mais bacanas.

E você? Onde se hospedou na Cidade do México? Compartilhe sua experiência com a gente!

Leia mais:

20 comentários

Maravilha de post, completo, cheio de detalhes e bem didático. Optei por ficar em Condesa e o Booking me mostrou o Casa Condesa Amatlan 84, bem avaliado e perto de metrô e restaurantes, e com muitas atrações prá ir caminhando. Foi uma boa escolha. A pousada fica numa casa de bairro, rua tranquila. Meu quarto era bem confortável, limpo, bem decorado, cheio de mimos – flores frescas que foram trocadas no meio da temporada. O casal proprietário e os gerentes, sempre gentis, cheios de dicas. A única desvantagem, a princípio, era a falta de café da manhã na casa, mas eram tantas as opções nas vizinhanças, que ficou até divertido experimentar diferentes cafés a cada dia.

Na volta de nossa viagem ao Havaí, fizemos escala no México e ficamos no Pug Seal pois queríamos visitar o Museu Frida Khalo. O hotel boutique é novo, fica em um casarão adaptado para recepcionar os hóspedes com muito bom gosto e conforto . Quartos amplos, lindos, roupa de cama maravilhosa. O banheiro é pequeno, mas não a ponto de ser desconfortável. O staff é super amável, o café da manhã é ao estilo mexicano, mas foi possível adaptar ao nosso paladar, com torradas, chá, café, frutas, etc. A localização não poderia ser melhor: o bairro é lindo, bem residencial, seguro e repleto de bons restaurantes, além de ser pertinho do museu. Além do mais, o trajeto do aeroporto ao hotel, apesar de extenso, é rápido, pois não precisa passar pelo centro da cidade, o que é um grande diferencial. Mesmo para visitar as demais atrações da cidade, recomendo fortemente o PUG SEAL!

Sylvia, post maravilhoso ! Fiquei com vontade de conhecer !!! Aliás te sigo no Instagram e fiquei babando nas fotos ! obrigada por compartilhar sempre !
PS: todas as pessoas que comentam como foi a experiência delas no hotel deveriam fazer um cursinho contigo!! Muito elucidativo ! Parabéns !

Com sempre essa Sylvia arrasa 🙂
Adorei… será que um final de semana é muito pouco para a Cidade do Mexico?

    Mi, o resultado de um findi será marcar outra
    viagem para retornar.
    Pelo que conheço de ti , cinco dias é um tempo
    minimo

    Meu programa para um fim de semana na
    Cidade do Mexico:
    Dia um manhã: Zocalo com táxi até o Palacio d Governo
    Catedral, Francisco Madero,parada na Casa dos
    Azulejos, passar na frente do Belas artes
    Dia um tarde : Museu Nacional de Antropologia e Bosque
    de Chapultepec, terminando na Zona Rosa.
    Dia dois manhã: Museu Soumaya Plaza Carso
    Dia dois tarde: escolher entre Coyoacan ( Frida)
    e La Roma/Condesa, mas almoçar sempre no
    Mercado Roma ( entre 15h e 18h)

    Ôpa, no dia um de manhã, taxi ao Palacio
    do Governo , e o resto do trajeto a pé

    Sylvia, vc é uma anja, super obrigada!!!! Acho que a viagem vai sair em fevereiro, mas vai ser aquele esquema 2 dias e meio … correria total e quero muito ver as piramides! Sou louca, né?
    Bjoooo

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.