#VnVBrasil | Goiânia: um passeio pelo circuito art-déco

Teatro Goiânia

Assim como Belo Horizonte e Brasília, Goiânia é uma cidade projetada; nasceu nos anos 30. O autor do projeto inicial, Attilio Corrêa Lima, foi simultaneamente o Lúcio Costa e o Oscar Niemeyer do lugar, porque não se limitou ao urbanismo: desenhou também os prédios mais emblemáticos da cidade. Desta maneira, pôde juntar dois conceitos em voga na época: no urbanismo, a cidade-jardim; na arquitetura, o art-déco (diga: ardecô).

Depois de um ano sem receber salário, Corrêa Lima desligou-se do projeto, tendo desenhado apenas os setores Central e Norte. Foi substituído pelos engenheiros Jerônimo e Abelardo Coimbra Bueno, que projetaram os demais setores (bairros) da cidade. Ironicamente, foi para essas novas bandas que a cidade se desenvolveu, meio que dando as costas para o Setor Central histórico e para os prédios de Corrêa Lima. A maior parte do acervo de arquitetura art-déco da cidade acabou desfigurada ou escondida sob letreiros e tapumes de lojas populares.


View Circuito Art Déco Goiânia in a larger map

Quem vem a Goiânia a trabalho talvez nem passe perto da zona art-déco — já que provavelmente vai ficar hospedado em algum dos bons hotéis do Setor Oeste e se divertir nos setores Marista e Bueno, zonas supernobres da cidade. Existem, porém, alguns prédios que valem a pena ser vistos, num passeio que não toma mais do que uma manhã — e serve para revelar um pequeno tesouro que passaria despercebido pelo visitante.

Museu Pedro Ludovico

Museu Pedro LudovicoMuseu Pedro LudovicoMuseu Pedro Ludovico

Vindo do Setor Oeste, onde acredito que esteja o seu hotel, sua primeira parada deve ser no Museu Pedro Ludovico, que é onde o governador que construiu Goiânia foi morar (bem depois de deixar o governo). Fica na rua Dona Gercina Borges Teixeira, a meia quadra do Parque dos Buritis. Vale pelo exterior. Dentro da casa os aposentos foram mantidos como eram — o que é historicamente correto. Mas que ficaria mais bacana se virasse um museu de mobiliário déco, ficaria… De todo modo, a visita é gratuita.

Ande duas quadras e você chega à…

Praça Cívica

Praça Cívica, Goiânia

É o coração déco de Goiânia, e onde os prédios estão mais bem conservados. Mas mesmo aqui o art-déco está escondido: primeiro, pelo Palácio Pedro Ludovico, um prédio provavelmente dos anos 60 (não consegui descobrir a data de construção) postado exatamente atrás do Palácio das Esmeraldas (que deveria ter seu “espaço aéreo” intocado). Em segundo lugar, por três bandeiras fora de proporção que acabam virando o ponto focal (mas que, de certa maneira, ornam com o nome “Praça Cívica”). E finalmente, pelo Monumento às Três Raças, que é de 1968 e é muito mais conhecido do que qualquer jóia déco da cidade (~pausa para bocejo~).

Palácio Pedro LudovicoMonumento às 3 Raças

Mas chega de mimimi. Adentre a praça e venha ver de perto que lindeza são esses predinhos.

Palácio das Esmeraldas

Palácio das EsmeraldasPalácio das EsmeraldasPalácio das Esmeraldas

O Palácio das Esmeraldas, construído para ser a sede do governo estadual, ocupa o centro geográfico da praça.

Praça CívicaPraça CívicaPraça Cívica

A partir dele, irradiam-se, simetricamente, os outros prédios, quase todos ocupados pela administração pública goiana  (tribunal eleitoral, tribunal de contas, essas coisas).

Museu Zoroastro Artiaga

Museu Zoroastro ArtiagaMuseu Zoroastro ArtiagaMuseu Zoroastro Artiaga

O mais bonito é o que está aberto ao público: o Museu Goiano Zoroastro Artiaga. Ainda não visitei por dentro (volto lá neste domingo para isso), mas por fora é um encanto.

Talvez esteja na hora de uma pausa para um lanchinho típico:

Pamonha da Vovó

Pamonha da VovóPamonha da Vovó

Não, não tem nada a ver com art-déco. Mas nos fundos da praça, bem na esquina da avenida 83, está uma das pamonharias mais tradicionais de Goiânia — perfeita para você ser apresentado à mais goiana das iguarias, a pamonha de sal. Sim, em Goiás come-se pamonha salgada, recheada com queijo, às vezes com lingüiça, às vezes com queijo, lingüiça e pimenta (é a chamada “pamonha à moda”).

Pamonha da VovóPamonha da VovóPamonha da Vovó

Na Vovó as pamonhas fresquinhas são mantidas em bolsas térmicas; você escolhe pelo sabor, pega a sua, leva à mesa e pede a bebida ao atendente, que então anota seus gastos numa ficha. Depois é só pagar no caixa.

Peguei uma pamonha à moda da Vovó, com queijo, lingüiça e guariroba, um palmito amargo. Exxxxceelente.

Vamos continuar?

Avenida Goiás

Coreto da Praça Cívica

CoretoTorre do Relógio

Seria a Champs-Elysées desta Goiânia déco, caso as fachadas não estivessem tão escondidas. Os dois maiores destaques estão no início da avenida, junto à praça: o Coreto, que está na bordinha da praça (pena a pichações), e a Torre do Relógio.

Grande HotelGrande Hotel

O canteiro central de toda a avenida está muito bem cuidado (e serve também para um corredor de ônibus). Caso você queira continuar o passeio ao longo da avenida, preste atenção especial na esquina da Rua 3, à direita de quem desce. Ali está o Grande Hotel, que não teve sua fachada desfigurada mas precisa de uma restauração.

Goiânia Palace HotelGoiânia Palace HotelGoiânia Palace Hotel

Continuando a pé, ao chegar à Avenida Anhangüera vire à esquerda: em uma quadra você chega ao Goiânia Palace Hotel, cuja fachada lateral (na Rua 8) não tem letreiros intrusos. É um hotel de verdade: continua funcionando e se apresenta, legitimamente, como o hotel déco de Goiânia.

Estação FerroviáriaEstação Ferroviária

No outro extremo da avenida Goiás — vá de ônibus (compre um bilhete SitPass numa banca de jornal antes de embarcar) — está o belíssimo prédio da Estação Ferroviária.

Teatro Goiânia

Teatro GoiâniaTeatro Goiânia

Poderia estar em South Beach… mas está no cruzamento das avenidas Anhangüera e Tocantins com Rua 23.

Lago das Rosas

Trampolim do Lago das RosasMureta do Lago das Rosas

Tem um trampolim bonitíssimo, e uma mureta interessante ao longo da avenida Anhangüera.

Caso você tenha ido ao Teatro Goiânia e queira continuar a pé, venha por dentro, pela Rua 3, que continua na Avenida B. Dá de 15 a 20 minutos de caminhada.

Leia mais:

32 comentários

Mas esse post é um ótimo puxão de orelha na Prefeitura, que não tem uma lei contra a poluição visual, problema sério em Gyn!

Riq, fiquei muito feliz em ver minha terra aqui no VnV!
Esta região, apesar da importância histórica, não é nem de longe a mais bonita da cidade. Como você disse, dá pra visitar em uma manhã.
Estou aguardando o post com as nossas belas praças cheias de flores 🙂
Já que você vai estar lá no fim de semana, não deixe de ir no programa favorito da mulherada: Feira da Lua, na Praça Tamandaré. Minhas amigas de Brasilia vão pra lá só por causa da feira! É gigante, e tem de tudo: roupa, sapato, bijuteria, lingerie, artigos pra bebê, artesanato, e umas comidas ótimas, tudo baratinho. É tanta coisa que fui semana passada e andei só a metade.
No domingo tem outras duas: a Feira do Sol, na Praça do Sol a partir das 4 da tarde, que é um resumo da Feira da Lua; e a Feira do Cerrado, perto do Estádio Serra Dourada, que é de artesanato da região, e também vale a pena. No domingo de manhã tem a Feira Hippie perto da Rodoviária, mas não gosto muito porque é mais desorganizada.
Sobre comida, faltou comer mais uma coisa típica: x-tudo nos pit dogs espalhados na cidade! Na Praça do Sol tem uns ótimos.

[]s!

Você mostrou uma Goiânia, que o meu olhar viciado de quem nasceu e viveu nela até os 28 anos, ainda não tinha permitido enxergar.
Goiania é linda! Mas o provincianismo do seu povo impedem que sua história seja preservada como deveria ser.
E sua analogia com a Champs-Elysées não é coincidência. Atílio Correa Lima estudou em Paris, na Escola Francesa de Urbanismo, e a Goiânia que ele projetou, tem forte essa influência, principalmente no traçado, com as três avenidas principais (Araguaia, Goiás e Tocantins) que convergem no ponto principal da cidade, a Praça Cívica. 🙂

Tô adorando o #VnVBrasil! Morei muitos anos em Goiás (2 em Goiânia) e tô matando a saudade com suas fotos e textos. Engraçado que eu nunca consegui ver nenhuma graça no centro da cidade. Fico sempre pro lado do Bueno, como você mesmo disse, e só passo no centro para ir a rodoviária. Mas foi bom perceber que, com um olhar mais atento, é possível ver beleza onde menos se espera. Uma hora vou seguir seus passos. 😉

Puxa vida, nem eu que morei 25 anos em Goiania não conchecia tanta coisa assim da cidade. Vou imprimir e conhecer assim que voltar lá! 🙂

Riq, realmente as pichações são um vexame em todo nosso Brasil, por onde ando, tenho observado que virou uma praga. Aqui em Brasília não está diferente, uma pena para o nosso patrimônio que já é tão mal cuidado. Junta a pouca ou nenhuma fiscalização com a certeza da impunidade, o vandalismo faz a festa.

Que máximo! Eu nunca coloquei Goiânia no topo da minha lista. Mas em 2013 quero viajar mais pelo Brasil e esse post foi uma super dica!

Achei muito bacana, Riq. Deu vontade de conhecer. O centro-oeste , a exceção de Brasília, é minha grande lacuna no Brasil.

    ola!Eunice, vale apena der uma estivadinha até Caldas Novas.
    ate o Hot park.

Ricardo, fiquei com vergonha alheia, com aqueles “mictórios ambulantes azuis” que adornam a foto da Praça Cívica. Literalmente, o povo faz xixi e sabe-se lá o que mais, bem na cara do Palácio do Governo!
A propósito – você se apaixonou mesmo pelas pamonhas goianas, não foi? rsrsrsrs

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.