Comer e beber nos Estados Unidos: 10 pegadinhas (com vídeo!)

Conta de restaurante nos EUA

Na hora de sentar à mesa você descobre diferenças marcantes entre a cultura americana e a brasileira.  Nada tão grave que a gente não aprenda numa primeira viagem. Mas se você gosta de se precaver, aqui vai um apanhado das principais pegadinhas.

1. Café da manhã: na deli é melhor

Breakfast na deliSe o café da manhã não está incluído na sua diária (e normalmente só está incluído em redes 3 estrelas, como Holiday Inn Express, Hampton Inn, Fairfield Inn), a melhor alternativa é achar uma delicatessen nas redondezas do seu hotel. Ali você vai poder escolher frutas fresquinhas, iogurte com granola e bagel para fazer um café saudável e em conta. Em restaurante, pedir todos esses itens — e mais o prato principal de lingüiça, ovos e batata (as hash browns) — sai uma pequena fortuna e vai fazer chegar à mesa muito mais do que você consegue comer a essa hora da manhã.

2. Almoço: melhor momento para extravagâncias

Almoçar de verdade não é um hábito americano: no meio do dia a regra é comer rápido, com as mãos e em pé. Por isso todo restaurante tem um cardápio de almoço enxuto e leve — sobretudo no bolso. É a nossa melhor oportunidade de comer em restaurantes que à noite não sejam para o nosso bico.

Pecorino!

3. Jantar: peça antes que a cozinha feche

Os restaurantes abrem muito cedo para jantar: às 17h a maioria já está de portas abertas. Depois das 22h é difícil fazer um pedido que não seja de sobremesa. Programe-se para jantar bem mais cedo do que você está acostumado no Brasil.

4. Espere para ser levado à mesa

“Please wait to be seated” é o aviso que você vai encontrar à entrada de muitos restaurantes — mas mesmo onde não houver esta placa, espera-se que você aguarde até o host ou a hostess vir atender você. Não é frescura não: ao levar vocês à mesa, a hostess entrega os cardápios e sinaliza para o garçom da área que vocês estão lá. Se a gente chega e vai sentando por conta própria, eles não registram a nossa presença, e o serviço embola geral.

5. No bar do restaurante: acerte antes de ir à mesa

Caso você precise dar um tempinho no bar antes de liberarem uma mesa, saiba que o sistema espera que você pague o consumo do bar antes de sentar. (É possível pedir para acrescentar a conta do bar à conta do jantar, mas todos os envolvidos ficarão mais felizes e tranqüilos se você for para a mesa zerado.)

6. O ritual dos specials

Special?Depois de deixar a sua mesa estudar e confabular sobre o cardápio, o garçom reaparecerá com novidades: ele vai então recitar (ou ler de um papelzinho) os specials, ou pratos do dia. Nesse momento eu sempre ouço com atenção e faço a minha melhor cara de conteúdo, mas normalmente não entendo xongas do que eles dizem. Se o seu inglês é melhor do que o meu, parabéns e boa sorte. Eu fico com o que está escrito, com preço visível e com ingredientes desconhecidos googláveis…

7. A ciência da gorjeta

Em restaurantes, a gorjeta só vem acrescentada quando o grupo é grande (a partir de 6 ou 8 pessoas). Nos outros casos, é a gente que tem que fazer conta. Espera-se que você deixe pelo menos 15% de caixinha; muitos americanos já arredondam direto para 20%. (Ao contrário do que acontece na Europa, os garçons nos Estados Unidos ganham um salário simbólico e vivem de gorjeta.)

Em Nova York o habitual é dobrar o valor da sales tax, o imposto municipal de vendas, que é de 8,875%. Assim, acaba-se deixando 17% e quebrados. (Ou seja: somando-se imposto e caixinha, cada item acaba custando 25% a mais do que é informado no cardápio.)

Fazendo a conta

Deixar a gorjeta no cartão de crédito é chatinho: quando a sua nota volta para ser assinada, você acrescenta de próprio punho o valor da gorjeta e faz a conta. É tudo na base da confiança: o caixa adiciona o valor na maquininha e o total aparece na fatura do mês que vem do seu cartão.

Veja bem: não dar gorjeta é tido como uma ofensa; só se justifica se o garçom tiver derrubado café quente no seu colo. Se você não der gorjeta, não se espante se forem atrás de você na calçada…

Agora, uma pegadíssima: em South Beach (parte mais turística de Miami) muitos restaurantes já acrescentam direto os 15 ou 18 ou 20% de gorjeta na conta, e ainda assim deixam espaço para você dar gorjeta. Cuidado!

8. Reserve, é tão fácil

Use o Open Table para fazer suas reservas. É grátis e indolor. Você vai perceber também que é facinho conseguir mesa para aqueles horários de que a gente mais gosta (21h15, 21h30…). Veja como aqui.

Hotel Delmano, Williamsburg

9. Vai só beber?

O costume-padrão é pagar cada drink quando é servido — e deixar US$ 1 de gorjeta toda vez. Caso o bar não esteja muito cheio e o/a bartender for com a sua cara, pode abrir uma conta (“I’ll set up a tab for you”) e cobrar só no final. Mesmo nesse caso, é simpático (e producente, no caso de drinks servidos por dose) ir deixando uma nota de 1 dólar sobre o balcão a cada drink servido.

10. Starbucks, o santo padroeiro do viajante com smartphone

Star WifiDuas dicas com relação à onipresente rede Starbucks.

A primeira: não enfrente aquela fila toda apenas para pedir “a coffee, please”. Esse produto, café, é desconhecido na empresa. Aproveite os cinco minutos de fila para definir exatamente o tipo de café que você quer, seja um “tall americano”, um “doppio espresso” ou alguma das combinações mirabolantes que soam como “decaf mocha latte caramel machiato” ou coisa que o valha.

E a outra: a rede oferece wifi democrático e de qualidade. É o melhor lugar para baixar emails e subir fotos para o instagram (e calibrar o seu nível de cafeína, claro!)

Videozito!

Muitos destes toques, ilustrados, num vídeo da série do Viaje na Viagem para o canal do Youtube do Visa Platinum:

Leia mais:

Passagens mais baratas no nosso parceiro Kayak

Encontre seu hotel nos Estados Unidos no Booking

Faça seu Seguro Viagem na Allianz Travel

Aluguel de carro nos Estados Unidos na Rentcars em até 12 vezes e sem IOF

Passeios e excursões nos Estados Unidos com a Viator

90 comentários

Ricardo
Outro ponto q acho interessante comentar é que, mais para o final da refeição o garçom passar e pergunta como se fosse um interesse menor:
– está tudo? Desejam mais alguma coisa?
Nós já satisfeitos respondemos que está tudo bem e não queremos pedir mais nada.
E em poucos minutos o garçom trás a conta e o brasileiro fica surpreso pq ele trouxe a conta e nem pedimos?!?!?!?
É isso.

Dica preciosa pra NY, se fir ficar uma semana ou mais. Compre um chip de celular. E baixe os aplicativos de táxi Gett e Lyft. Você terá dez corridas a cinco dólares cada, independente do percurso. Como a tarifa do metrô (e ônibus) é 2,75, fica mais barato se você estiver com alguém

Atenção para pimenta. Anda aparecendo em tudo quanto é prato em restaurantes. Já passei sufoco com pimenta em um inocente espaguete a bolonhesa para criança. É bom avisar ao garçom que a criança é alérgica a pimenta – eles ficam bem atentos, porque tem medo de processo.

Muito legal suas dicas, boa alternativa de dobrar o valor das taxas na hora gorjeta, eu dobro o primeiro digito da conta. tipo se deu, 80, então fica 8×2=16 dólares de gorjeta. Como faço são 20%. No caso acima, se quiser deixar 15 dólares está seguro.
http://www.viagemdiscounts.com.br

Bóia, Qual a sua opinião sobre o aplicativo UBER e seu uso no Brasil?

    Olá, Fabiano! Não sabemos do seu uso no Brasil. Cremos que seria um serviço clandestino.

    É legal na região de San Francisco e Seattle. Funciona como um aplicativo de táxi comum.

    Caro Boia o sistema UBER ja funciona no Brasil e nao e Clandestino inclusive meu filho trabalha na UBER.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.