Seguro-saúde no exterior: a Wanessa usou (e conta como é)

Usando seguro-saúde no exterior

A Wanessa Lima, que destrincha Buenos Aires com riqueza de detalhes no seu Caderno de Viagem, deu uma passadinha semana passada por aqui para dar um depoimento que faltava nos nossos arquivos: como é usar um seguro-assistência durante uma viagem. No seu caso, foi o seguro “automático” do cartão Visa. Sua experiência positiva:

Voltei há uns dias de minha última viagem e dessa vez precisei usar o seguro saúde…

Comprei as passagens com cartão Visa e resolvi usar o seguro que eles oferecem. Como estava indo para a Europa, entrei em contato com eles para pegar o “certificado Schengen” para apresentar à imigração se fosse o caso. (Não me pediram.)

O procedimento foi simples. Por telefone, me deram um endereço na internet que eu precisava acessar para preencher meus dados e, dentro de 72 horas, receberia o certificado por e-mail. Não recebi no prazo, mas liguei para eles novamente e recebi na mesma hora. Também me passaram os números de telefone para os quais eu deveria ligar em cada um dos países do meu roteiro (isso foi iniciativa deles, eu não perguntei).

No meio da viagem, em Budapeste, precisei de atendimento e liguei para o número indicado. Fui atendida em português. Expliquei o problema, me deram o número de protocolo e disseram que devia aguardar a visita do médico em 50 minutos. Dentro desse prazo, me ligaram para dizer que, por causa do tipo de problema que eu tinha, seria necessário fazer o deslocamento para um hospital, mas que o médico da seguradora viria ao hotel para me acompanhar e que eu tinha de pagar esse custo, não coberto pelo seguro. Esse foi o único contato feito em inglês.

Aguardei mais um tempo – não foi muito – e o médico chegou apenas para me acompanhar ao hospital. Se eu não estivesse viajando sozinha e se não fosse de madrugada (medo!), eu teria tentado dispensar essa etapa, mas, nessas circunstâncias… Paguei 60 euros para o médico me levar no carro particular dele ao hospital.

Chegando lá, o lugar parecia meio abandonado, porque não era um local que tivesse internação, então, havia só uma atendente dormindo atrás do balcão(!). Ela chamou a médica de plantão e fui para a sala de exames. Fiz uma ultrassonografia e fui liberada para voltar ao hotel com a receita dos medicamentos que precisava comprar. Saí procurando o médico do seguro (que, na minha imaginação, deveria me levar de volta ao hotel), e ele tinha ido embora(!) sem me avisar (!!).

Pedi para a médica que havia me atendido chamar um táxi (e ela tinha muito boa vontade). Paguei o equivalente a 4 euros pelo táxi.

Em resumo: o atendimento da seguradora por telefone foi ótimo, todos foram bastante atenciosos e ter podido falar em português ajudou muito. O atendimento pela médica no hospital também foi ótimo. Agora, o médico da seguradora tinha de ter ficado me esperando para me levar de volta ao hotel! Arquei com um custo de 60,00 euros apenas pelo serviço de transporte, porque a assistência médica que ele me prestou foi mínima. Essa semana foi que enviei toda a documentação para a seguradora, então ainda não sei se vão me ressarcir ou cobrar alguma das desperas, mas não tive de pagar nada adiantado pelo atendimento no hospital nem pela ultrassonografia. Paguei a medicação na farmácia (muito barata, aliás). No geral, fiquei satisfeita com o atendimento (tirando o médico fujão…), principalmente pela rapidez com que foi prestado. Acho que usarei de novo o seguro do cartão.

Obrigado, Wanessa!

E você? Já precisou usar o seguro-assistência em viagem? Conte pra gente como foi!

472 comentários

Sempre emito e levo comigo impressa a apólice de seguro viagem do meu Mastercard Platinum. A única viagem que eu não fiz isso foi para Cuba, porque o Guia de Benefícios apontava exclusão exclusão de Cuba (Parece que atualmente no Platinum isso se limita somente ao seguro de aluguel de automóveis, e o Mastercard Black não exclui qualquer país). Então fiz um seguro viagem da Sul América, e foi exatamente a única vez que utilizei um Seguro Viagem.

Estava em Trinidad. Tive uma forte diarreia, de 3 dias, então fui ao Pronto Socorro, tive que tomar 2 bolsas de soro, um antibiótico, e ficar umas horas em observação. Fique atento: a saúde em Cuba é gratuíta, só para os cubanos. Me cobraram tudo: o atendimento, as horas em observação, até a agulha e a mangueira do soro foi cobrada. Na época me custou o equivalente a uns 600 reais. Paguei com cartão de crédito, peguei o recibo, e quando voltei ao Brasil tirei copia autenticada e mandei pelo correio a Sul América. Depois de alguns dias a Sul América me pagou, tudo certinho.

Vou viajar para Portugal, gostaria de fazer o seguro do INSS, alguém sabe me informar o que devo fazer? Por favor.

    Olá, Iris! Procure o posto central do INSS na sua cidade para dar entrada no pedido.

Cuidado com o seguro viagem da AIG disponibilizado para os portadores do cartão VISA Platinum.
Comprei um bilhete aéreo da cia aérea Alitalia para a Europa com o meu cartão Visa Platinum, precisei de atendimento médico no exterior e ao retornar ao Brasil a seguradora AIG Seguros do Brasil negou o pagamento da indenização porque o bilhete aéreo não informava o número do referido cartão de crédito.
Encaminhei cópia das faturas do cartão de crédito referentes às 10 parcelas pagas, a título de comprovação, mas não adiantou.
Viajei novamente este ano, pela AirFrance, que também não informa o número no e-ticket alegando regulamentos internacionais de proteção de dados, mas felizmente não precisei utilizar o seguro.
Não sei se as outras Cias Aéreas mencionam o número do cartão no e-ticket, mas se for Alitalia ou AirFrance, alerto que esse seguro VISA/AIG não vai adiantou de nada, a AIG não vai pagou a indenização e provavelmente você vai ficar no prejuízo como eu fiquei.

Farei viagem Brasil/Europa/Brasil. A mesma será de aviao para Europa e a volta de navio. Todas as passagens foram compradas com cartao mastercard platinum. A viagem terá duracao de 45 dias. PERGUNTO: o cartão me dará seguro no período em que estarei viajando?
Obs: para o mastercard platinum o seguro é de 31 dias a partir de CADA VIAGEM.

    Olá, Jarbas! Nós somos favoráveis à compra de seguro convencional. O seguro grátis dos cartões é limitado, cheio de pegadinhas (mais até que os seguros convencionais, que também têm suas pegadinhas) e em muitíssimos casos você vai ter que pagar primeiro para ser reembolsado depois — caso a análise de documentos e recibos seja aprovada.

Olá tentei emitir o Certificado de Schengen via Visa Platinum e não consegui; apenas o seguro viagem geral. Pesquisei na internet e a informação foi que não é mais exigido. Que se estivermos com o seguro viagem, já está ok. A informação procede? Realmente não é mais necessária a emissão do Certificado de Schengen?

    Obrigada pela resposta rápida! Entrei em contato com o Visa e, na própria apólice emitida, vem uma observação dizendo que atende ao Tratado Schengen. A dúvida foi pq, da última vez que emiti, era um certificado específico. Amo as dicas de vcs! obrigada novamente!

Ola
Comprei as passagens pelo visa platinum e consegui dois certificados para mim e meu marido com as coberturas abaixo.Preciso saber se é suficiente ou é muito básico.

A cobertura máxima para o Serviço Médico da Emergência Internacional é de 150,000 USD e inclui alguns dos seguintes
benefícios:
Expensas Médicas no caso de acidente ou doença inesperada do titular do cartão,
cônjuge ou crianças dependentes
Evacuação de Emergência Médica
Repatriação de restos mortais

Ao viajar para Portugal basta pedir no INSS do Brasil o documento PB4 para usufruir dos mesmos estatutos que o cidadão Português. Vos deixo o numero Europeu de qualquer emergência 112 e ainda o numero europeu de emergência caso perca do paradeiro de CRIANÇAS 116000.

Jairo não é possível, você pode até tentar junto ao seguro que você já tem se eles aceitam prorrogar, mas em geral eles não aceitam.
Você pode até fazer outro seguro com outra data, mas se tiver um sinistro e para obter atendimento ou reembolso precisar apresentar sua passagem aérea, eles verão que você embarcou em outra data e o seguro não vai te atender.

Pessoal, boa noite. Procurei bastante e não achei a resposta, me desculpem se estiver em algum lugar que não vi….Vou fazer uma viagem para a Itália de 41 dias e estou sem trabalhar, e por conta disso me parece que não poderei fazer o seguro CDAM (pois não estou contribuindo com o INSS). Eu tenho direito a 31 dias de seguro pelo cartão da Master, e a maioria das seguradoras não deixa eu fazer mais 10 dias de seguro para completar esse da mastercard…A AssistCard disse que poderia, mas eu não senti muita firmeza da atendente nessa resposta. Alguém passou por essa situação? Abraço pro Ricardo e pra todos!!!

    Olá, Jairo! Quem responde é A Bóia. O seguro deveria valer nas datas para as quais for emitido e pelas quais você pagou… De todo modo, vou compartilhar sua pergunta no Perguntódromo; havendo resposta, aparecerá aqui. Compartilhei a pergunta no Perguntódromo, e a resposta é que isso só é possível com a seguradora World Nomads. Veja as respostas abaixo.

    Oi Ricardo, obrigado pela resposta super rápida!! Infelizmente, praticamente todas as seguradoras dizem que o seguro só vale a partir da data que eu sair do Brasil, ou seja, eu não posso fazer iniciando na Europa…Obrigado, grande abraço!!!

    Olá, Jairo! Quem responde é A Bóia. Vamos ver se alguém tem alguma informação diferente. Se for isso mesmo, você vai precisar fazer um seguro pago que cubra toda a extensão da viagem desde o primeiro dia.

    Jairo,
    Tem a World Nomads que permite a emissão, e a extensão de prazo, inclusive durante a viagem (há um ‘delay’ para isso).
    Não sei se já tem atendimento em português (antes era só e inglês) e eles tem algumas restrições com relação a doenças preexistentes e cobravam uma taxa de 100 dólares por evento. Dá uma olhada pra ver se te atende

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.