Suas verdinhas: a alta do dólar e as viagens para o exterior

Fonte: Oanda[Dólar x Real: 1 ano de gangorra. Fonte: Oanda]

Todos perguntam: a alta do dólar veio para valer? O dólar vai continuar subindo? Vai baixar?

O fato é que os economistas só perdem para os comentaristas de futebol, os meteorologistas e as mães dinás no quesito confiabilidade de previsões. E não vai ser a um mero blogueiro de viagem que vai se meter a futurólogo, concorda?

O que eu posso fazer é um panorama do jogo jogado: como as coisas (e a nossa cabeça) funcionam nesses momentos de instabilidade cambial.

O que sabemos desta vez é que o governo está tentando desvalorizar o real já há algum tempo, e a crise grega está apenas dando um empurrão mais forte. O real é uma das moedas mais valorizadas do mundo, e nessas crises acaba desvalorizando mais do que as outras (até mesmo que o combalido peso argentino…). O governo só deixará de ter interesse na valorização do dólar se isso causar pressão inflacionária. (Mas como já vimos repetidas vezes, nem sempre a vontade cambial do governo é seguida pelo mercado.)

Ou seja: a única certeza que temos é que, nesse exato momento, o governo não está muito preocupado em salvar sua viagem ao exterior. Se o dólar vai continuar subindo ou vai voltar ao patamar anterior, só os economistas, os meteorologistas, os comentaristas de futebol e as mães dinás poderão dizer.

Fonte: Oanda

[5 anos de câmbio. Fonte: Oanda]

–> O dólar de 2 reais é muito caro?

Comparado ao dólar de R$ 1,55 de julho de 2011, está caro. Mas se o seu parâmetro for o dólar de R$ 2,43 de dezembro de 2008, ainda está atraente.

A subida atual começou no final de fevereiro de 2012, quando o dólar estava em R$ 1,71. O soluço cambial anterior tinha se dado entre agosto e outubro de 2011, quando o dólar passou de R$ 1,60 para R$ 1,81. Desde então estava num sobe-e-desce mais ou menos suave.

O que aconteceu na subida de 2011 foi um susto inicial, que durou mais ou menos um mês, seguido de acomodação geral. Todo mundo continuou viajando com o dólar de R$ 1,75-R$ 1,80 como se ele ainda estivesse a R$ 1,55.

Será que nos conformaremos tão fácil assim com o dólar de R$ 2? (Meu palpite: sim.)

–> Passagens aéreas

O preço das passagens acaba sendo o menos afetado pelas mudanças cambiais. Dólar barato aumenta a procura, que por sua vez eleva as tarifas — então a situação de dólar barato com passagens caríssimas (ao menos nos vôos diretos) é bem conhecida da gente. Com o dólar subindo em reais, o recuo da procura pode causar uma baixa da tarifa em dólar, o que acaba equilibrando a conta.

(A maior ameaça neste quesito é o preço do petróleo, que ao subir empurra as tarifas para o alto).

–> Pacotes

Nessa fase de assimilação de dólar novo é interessante dar uma olhada nas ofertas das operadoras. Muitas têm bloqueios a preços antigos e, ao sentirem retração de procura, vendem seus pacotes com dólar “congelado”. (Mas sempre é bom comparar com o que você consegue por conta própria, porque esse momento também é próprio para maquiagem de preço.)

–> Hotéis

Continua valendo a máxima de reservar com 3 meses de antecedência — que é quando os hotéis costumam liberar as tarifas descontadas nos sites de reservas. Quem tem sangue frio de esperar até a última hora também pode conseguir ótimas ofertas (mas se o destino estiver aquecido naquelas datas, vai acabar pagando caríssimo).

–> Como fazer uma viagem mais econômica

Viajando slow. Quanto menos deslocamentos, menos cara fica uma viagem. Quando mais você fica num lugar só, mais condições tem de curtir o lugar sem as sobretaxas que o turista apressado precisa pagar (táxi, passeios organizados, restaurantes em áreas turísticas…).

–> Como juntar dinheiro para viajar

Os economistas dividem os investidores em “conservadores” e “agressivos”. O jeito conservador de juntar dinheiro para viagem é ir comprando moeda forte aos poucos. Se você precisar de liquidez, compre dólar ou euro cash. Se tem certeza de que vai usar o dinheiro só para viagem, é mais seguro e prático fazer um cartão tipo Travel Money e carregar com um pouco de moeda forte todo mês.

O segredo de juntar dinheiro aos poucos é esquecer a cotação que pagou: 1 dólar comprado vale 1 dólar, e só. Você está investindo numa viagem, não num resultado porcentual.  Se conseguir realizar a viagem na época esperada, o investimento terá sido bem-sucedido.

Leia também:

Como enxugar seu roteiro

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email


118 comentários

uma leve dica pra vcs q viajam e querem economizar,nao vao por agencias ele roubam vcs.vai no hotwire e pega hotel por barato e vai pelo thumbs up q vale a pena.eu moro nos usd e ja vi muitos d vcs comentarem valores absurdos d valores d viajens q vcs pagam,como o guilherme comentou.com esse preco eu viajo a europa inteira sem mentira nenhuma

Eu me ferrei. Agora que eu vou conseguir tirar o visto para tentar viajar para os EUA em Janeiro!!!! Vou morrer numa grana eu acho, ou então não vou para lugar algum….. sou burro mesmo….

Pensando nas férias de julho ( com 7 meses de antecedencia), levando esposa e duas crianças pequenas (com criança pequena melhor é resort mesmo, 14 dias):

– Iberostar – não divulgaram tarifas para o Brasil;
– Grand Palladium Imbassai- +-10000 (2 adultos + 1 crianca) e 15000 (2 adultos e 2 crianças) – realmente não entendi como uma criança pode comer 360 reais por dia.
– Club Med Trancoso – 5000 dólares no site americano (pois no site brasileiro eles não tem as tarifas).

Obviamente o desrespeito ao consumidor brasileiro é imenso…eles ficam postergando as tarifas para ficar “sentindo o mercado” e explorar o viajante de última hora, que não reservou seu voo com antecedência para o exterior. Quando publicarem as tarifas de julho, lá para março, um voo para 4 pessoas indo para Punta Cana vai passar de 10 mil reais para 20 mil reais. Aí nossos hotéis ficam atrativos !

Uma vez reservei um hotel em Punta Cana de uma cadeia mexicana chamada “Dreams” que vendia no mercado americano/brasileiro um quarto por cerca de 400 usd. Já para os des-afortunados Europeus, a mesma tarifa era de 240 usd. Vejam voces mesmos no site http://www.hotels4u.com/HotelInfo.aspx?GatewayCode=PUJ&AirportCode=0&CheckInDate=08%2f07%2f2013&Duration=10&Rooms=0&ResortID=0&Occu=2%2c0%2c0%2c0%2c0%2c0%2c0&CityID=&CityLocationID=&GDSID=0&BuildingID=8493&SearchType=1&ShowAvailability=1&Source=SEARCH&ChainCode=H4U&RTOCID=327178&PromotionCode=&SearchRef= “rates for european union passport holders”.

É claro que fiquei decepcionado com o club med fazendo a mesma coisa – diferenciando mercados. Porque já tem tarifas de americanos e não tem tarifas de brasileiros ? É por estas e outras que as férias de julho devem ser no exterior, como acontece quase todo ano.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.