Vai ao Grand Canyon? Não desgrude do seu passaporte

Grand Canyon, foto da Trinity University

Nunca antes na história daquele país foi aprovada uma lei de imigração como esta, promulgada dia 23 de abril pela governadora do Arizona, Jan Brewer. A partir de 21 de julho a polícia do Arizona vai ter poderes para parar qualquer pessoa suspeita na rua e exigir que se identifique e prove que tem permanência legal nos Estados Unidos.

A lei, aprovada para agradar ao eleitor republicano conservador em ano eleitoral, visa (ops) a combater a imigração ilegal, sobretudo do México, que faz fronteira com o Arizona. Na prática, pode afetar a todos os que não aparentem ser americanos natos — incluindo aí os turistas.

Rotulada de racista e criticada por Barack Obama, a lei está causando o maior rebuliço. Nos meios oficiais, o México fez aquilo que são os Estados Unidos que normalmente fazem: no dia 27 emitiu um “travel alert”, um alerta desaconselhando viagens não-essenciais de mexicanos ao Arizona. Ontem, no circo da Unasul, houve a denúncia de que a lei poderia causar violência, relata o Estadão. Na blogosfera de esquerda, a lei está sendo chamada de “o apartheid do Arizona”.

A indústria do turismo está preocupadíssima. No início da década de 90, quando a assembléia legislativa do Arizona se recusou a aprovar um feriado em homenagem a Martin Luther King, houve um boicote a grandes eventos, e o estado perdeu 170 convenções em três anos. Agora há quem proponha um boicote turístico ao estado. Michael Bloomberg, o prefeito (independente) de Nova York, emitiu um comunicado oferecendo a cidade para os turistas e investidores que se sintam ofendidos pela lei do Arizona.

Só será possível ter uma idéia do tamanho da chateação quando a lei etrar em vigor, no fim de julho. Aí saberemos se a truculência dos agentes dos aeroportos vai se transferir para as ruas (e para a maior atração do Arizona, o Grand Canyon). Mesmo que os prognósticos mais ranhetas não se confirmem, eu não andaria na rua sem o meu passaporte, com clips marcando a página do visto e do carimbo de entrada.

Foto gentilmente surrupiada daqui.

36 comentários

Bom, quem sabe essa não é uma ótima oportunidade para trocarmos o Grand Canyon pelos Canyons dos Aparados da Serra, na divisa do RS com SC!
Estou fazendo um relato da viagem que fiz para lá no meu blog: http://eueminhamala.wordpress.com.

    hhehe ambos são interessantes, mas prefiro pensar neles como destinos completamente difernetes. A aridez, as cores e a magnificência do Grand Canyon, para mim, são incomparáveis.

Pessoal, mas quem aqui não tem uma amigo Ilegal nos EUA?
Vejam bem este lado, existe um grande número de ilegais, mas necessários, vivendo nos EUA. Fazem os serviços básicos que eles, não desejam mais fazer, como entregar pizza, limpar chão, secar pratos. A encrenca é nas fronteiras e os Terroristas, e com duas tentativas em uma semana, será que eles não estão com razão?
Sempre entendi que o único documento válido para um estrangeiro em outro país é seu passaporte, excessão países do Mercosul com ID você etá correto. Sinceramente não custa nada estar com seu passaporte.
O ridículo é que sabemos quem são os alvos, se você estiver com um grupo de Holandeses, sabe quem vai ser o alvo.
Porém na Europa sei de histórias de trem parado na fronteira, e os fiscais também pegando os Latinos e dando geral. Se for pra fazer boicote acho que vão sobrar poucos lugares no mundo para o turísta Brasileiro.
Uma pena por que com certeza o Grand Canyon é um dos lugares de beleza natural imbatível e que valem a visita.

Só pra deixar claro acho total homofóbica esta lei.

Entendo que os mexicanos se sintam atingidos por isso. Mas, honestamente, não entendi porque os brasileiros estão tão irritados. Alguém pode me explicar melhor?

1 – para ir aos EUA é obrigatório passaporte válido e visto idem.
2 – vc tem que ter o documento (passaporte) com visto à mão, caso seja solicitado.
3 – se vc tem isso, não tem nada na Lei que afete vc.

Caso contrário, tá fazendo o que lá?

O que foi que eu perdi?

Abs,

André

    Num primeiro momento, andar com o passaporte na rua (eu sempre deixo o meu no cofre do hotel).

    Caso as “incertas” forem dirigidas apenas a pessoas já suspeitas de imigração ilegal, isso deve impactar pouco a gente.

    Mas se eles se entusiasmarem e ficarem fazendo blitze na rua e o tom for o mesmo da imigração, vai ser chato pra caramba.

Fala sério… pra que tanta besteira!!!??? Os EUA já está com uma fama tão boa no mundo e ainda mais essa…
Os ultra-republicanos deveria ser uma raça em extinção nos EUA, só atrapalha!

Eu sempre, sempre, sempre, na hora do raio X nos USA sou “selecionada” pra revista. Sempre. Nem estresso mais.

O André lá em cima falou uma coisa certa: aqui na Europa muitos países, incluindo a Bélgica, fazem controle nos metrôs, nos trens, ônibus. Eu já fui checada duas vezes (eu e todos os outros passageiros que fique claro), na primeira vez foi no metrô qdo eu ainda era turista, mas tava com meu passaporte na bolsa. A cópia de passaporte eles não aceitam !

Já fui checada tb embarcando no Thalys em Paris.

Mas, sobre o controle no aeroporto: prefiro que eles sejam rígidos em todos os países do que ter um louco explodindo meu avião !

Outra coisa: a gente que mora legalmente em outro país, acaba sofrendo com essas leis, medidas, etc causadas por grupos de ilegais. Eu sou contra a ilegalidade. Eu sei que há muita gente honesta no mundo ilegal, mas os poucos que aprontam já são suficiente pra causar problemas sérios. Na Bélgica, toda vez que tem um crime sempre há um imigrante no meio, é impressionante.

Além disso tudo, imigrante ilegal não paga impostos (e essa é a maior discussão) e usufrui de toda estrutura e faz com que os impostos sejam astronômicos para os residentes legais do país.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados se aprovados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.