Alimentação em viagem

10 dicas para cuidar da alimentação nas viagens, pelo Dr. Bruno Halpern

Alimentação em viagem

O Dr. Bruno Halpern é endocrinologista e leitor do Viaje na Viagem. Dia desses, mandou pra gente um texto com dicas sobre como não exagerar na comilança durante as viagens. A gente só não entendeu de onde veio a inspiração: tirando os croissants, as caipiroskas de lima da pérsia, as empanadas e os acarajés, a gente se alimenta tão direitinho… :mrgreen: Se você é tão saudável quanto nós, vai pelo Dr. Bruno:

Texto | Dr. Bruno Halpern

Quando viajamos, mudamos demais a rotina e isso, claro, afeta também a alimentação. Se para pessoas com peso normal isso não necessariamente é um problema, uma viagem pode atrapalhar bastante a vida de quem sofre para se manter no peso (principalmente quem já perdeu bastante e tem dificuldade para se manter no novo peso).

Uma pesquisa americana que saiu na conceituada revista New England Journal of Medicine há mais de uma década demonstrou que o peso ganho durante as férias (não só em viagens, mas também em festas de finais de ano) pode ser o grande determinante do ganho de peso ao longo da vida, pois após as férias você acaba perdendo menos do que ganhou e a cada ano o processo se repete.

1 | Conheça o seu peso

Alimentação em viagem

Não deixe de se pesar antes de viajar e quando voltar. Caso tenha engordado, faça um controle alimentar mais rígido até voltar ao peso pré-viagem. Não fique deixando para depois.

2 | Evite exageros

Alimentação em viagem

Não ache que, porque é viagem, “pode tudo”. Lógico que o objetivo numa viagem não é fazer dieta, mas evitar hábitos mais glutões já ajuda. Achar que tudo bem exagerar porque a viagem é curta pode atrapalhar, sim, os seus planos a longo prazo.

3 | Caminhe e use transporte público

Atividade física em viagem

Viagens são boas oportunidades para entrarmos em forma. Andamos bastante, fazemos trajetos a pé infinitamente maiores do que os que costumamos fazer em nossa cidade. Andar e usar o transporte público ajudam a queimar calorias e também ajudam a aproveitar mais a viagem. Pense duas vezes antes de entrar em um táxi ou city-tour.

4 | Cuidado com o hábito de beliscar muito

Alimentação em viagem

Quando se belisca muito, come-se mais do que imaginou. Trace objetivos: “Na Itália, vou tomar um sorvete ao dia, após o museu”. Isso faz inclusive com que você curta mais quando chega o momento.

5 | Opte pelas comidas locais

Alimentação em viagem

Aproveite a viagem para experimentar alimentos diferentes. As comidas típicas vão te ajudar a entender mais o lugar, e como muitas vezes há ingredientes diferentes, dificilmente você vai exagerar. Isso vale também para os Estados Unidos, especialmente na costa leste, onde, além da junk food, também há excelentes opções saudáveis, como asiáticos, vegetarianos e outras comidas étnicas.

6 | Divida as porções grandes

Alimentação em viagem

Nos Estados Unidos, especialmente, é comum virem porções gigantescas, tanto do prato principal como do acompanhamento. Para algumas pessoas, dividir um prato é uma opção bastante plausível. No caso de apenas os acompanhamentos serem enormes, não é preciso comê-los até o final (cuidado principalmente se você fica sentado à mesa por mais tempo e belisca o excedente do acompanhamento, até terminá-lo; esse é um hábito comum e que atrapalha bastante). Cuidado também com saladas: alguns temperos de salada americanos são mais calóricos que pratos principais. Há algum tempo, saiu uma pesquisa com redes americanas mostrando o número de calorias de alguns pratos. Um aparentemente inofensivo macarrão com camarões, da Cheesecake Factory, foi o campeão, com mais de 3000 calorias num único prato!

7 | Escolha o melhor do café da manhã

Alimentação em viagem

Outro problema são cafés da manhã de hotéis, que são muito diversificados. Por que não optar pelo que aquele café da manhã traz de diferente? Em vez de ovos mexidos e salsicha, bolos padronizados e geleias, prove frutas do local, peixes defumados (no norte da Europa), comidas típicas, etc. Se não houver nada de distinto, talvez esse café não mereça tanto as calorias que você consome. Outra opção, no caso de um café realmente farto e imperdível, é fazê-lo como uma refeição principal e tornar o almoço ou o jantar mais leves (o que vai inclusive ajudar o bolso). Se o seu café não está incluso, ao invés de cacifar um buffet, uma opção em um café ou lanchonete local, com um sanduíche leve ou salada de fruta, por exemplo, e uma bebida quente, são também opções viáveis.

8 | No all-inclusive, não coma “por obrigação”

Alimentação em viagem

Em cruzeiros e hotéis all-inclusive, caímos sempre naquela armadilha de “aproveitar ao máximo”. Comer batatas fritas frias na piscina, camarões pequenos com casca nadando no óleo, ou tomar um coquetel doce com leite condensado que você jamais tomaria é “aproveitar ao máximo?”. O fato de tudo já estar incluído na diária não significa que aproveitar ao máximo seja comer sem parar. Faça planos para o dia e coma e beba o que realmente valer a pena. De novo, não precisa estar em dieta, mas um controle alimentar não é o fim do mundo. Até porque não dormir direito (quando se exagera nas frituras, por exemplo) ou ficar de ressaca acabam fazendo você aproveitar mal os outros dias.

9 | Na praia: atividades de manhã; comida leve à noite

Atividade física em viagem

Em praias, normalmente o problema maior é a bebida e o dolce fare niente. Utilize melhor seu tempo. Como dificilmente você começará a beber antes do meio-dia, use o período da manhã para atividades saudáveis. Caso o almoço seja muito farto e tarde, à noite faça apenas pequenos lanches mais leves.

10 | Cuidado com o álcool

Bebida em viagem

Às vezes nos cuidamos com a alimentação, mas somos totalmente livres com a bebida. Álcool engorda: 1 g de álcool tem 7 kcal, contra 9 kcal por grama de gordura; e 4 kcal por grama de carboidratos (muitas vezes visto como vilão) e proteínas.

Dei alguns exemplos, mas é óbvio que cada viagem tem sua particularidade. Há viagens eminentemente gastronômicas, mas ainda assim há como não perder o controle, focando as calorias ingeridas nas refeições verdadeiramente gastronômicas e se poupando nas refeições “comuns”.

Alimentação em viagens

E para terminar: embora todas essas dicas pareçam que vão atrapalhar sua viagem, saiba que, na verdade, cada refeição que você fizer vai ser aproveitada ao máximo, pois estará “dentro dos planos” e evitará aquele sentimento de culpa que muitas vezes temos após exagerar numa refeição ou pedir uma sobremesa. Comer com controle está longe de ser comer mal, ou não aproveitar a gastronomia local.

Obrigado, Dr. Bruno!

Leia mais:

22 comentários

Dicas sensacionais… mas, para quem aos 83 anos, além do dormir usa com moderação os demais prazeres da cama, abdicar dos da mesa, sobretudo nas viagens às Capitais da gastronomia universal (Salvador -Ba e Lyon -Fr) é sofrimento demais…

Dicas inteligentes e mais do que válidas!!!! Viajo muito e já adoto esse comportamento há muito tempo! Volto com o mesmo peso, e não deixo de incluir um bom vinho, uma boa cerveja, uma bola de sorvete diferente ou uma bela massa. Mas só tomo táxi se a distância impede que eu caminhe ou vá de metrô ou ônibus. Bater perna me permite avançar o sinal….

Eu sofro toda vez que volto de viagem, porque durante a mesma, minha alimentação fica muito desregulada… Fico muitas horas sem comer, me esforço muito fisicamente e fico dias sem comida mesmo. Isso acaba comigo.

Mais um excelente post do Viaje na Viagem.
Há muitos anos, depois de começar a fazer acompanhamento com uma nutricionista, minhas viagens ganharam em qualidade. Antes disso, eu não tinha imaginado que pequenas mudanças nos hábitos alimentares podiam fazer tanta diferença.
E é bom lembrar que ficar muitas horas sem se alimentar ou sem se hidratar pode estragar uma viagem… 😉
Parabéns ao Dr. Harpern pela iniciativa de propor esta postagem.

Eu sempre aproveito e meto o pé na jaca durante as viagens, mas ultimamente tenho tentado me controlar mais e sempre incluo restaurantes com opções mais saudáveis.

Gostei das dicas. Algumas eu já seguia por minha conta. Sempre fazemos um bom café da manhã, andamos bastante, sempre com uma garrafinha de água e tentamos não exagerar no jantar. Procuro experimentar alguma novidade da gastronomia local.

Dr. Bruno, amei e odiei suas dicas, rsrsrs. Eu sou do time que engorda nas ferias e nao perde depois! Achei tudo muito válido e, apesar de ja conhecer. Muitas das dicas, preciso é colocá-las em prática.
Ja tou me preparando pras ferias de setembro 😀

São dicas ótimas e acredito que devem ser seguidas inclusive durante o dia a dia, não só em viagem. O ponto que acredito que devemos mais ter cuidado é em relação às especiarias locais e o modo como são preparadas. Uma intoxicação alimentar durante uma viagem é algo que não recomendo a ninguém…

Eu sou uma daquelas viajantes que adora experimentar a gastronomia local dos lugares por onde passo. Como tudo que tenho direito, mas sem exagerar, experimentar não significa necessariamente comer demais. Mas o truque está nas caminhadas, eu caminho demais durante minhas viagens e volto sempre pra casa mais magra. Só engordo quando vou ao Brasil de férias, onde quase não caminho.