Dinheiro no exterior: dólar ou euro x débito x crédito x VTM

Meios de pagamento

IMPORTANTE: cartões de débito, cartões pré-pagos, saques internacionais e travelers cheques agora pagam IOF de 6,38%, assim como os cartões de crédito. Leia o post mais recente sobre o assunto aqui. As informações do post abaixo serão em breve atualizadas.

Este post atualiza e sintetiza todo o conteúdo anterior sobre o assunto aqui no Viaje na Viagem. Vou procurar ser objetivo.

Não existe meio de pagamento perfeito: todos têm prós e contras

Conforme-se: o cliente  nunca leva a melhor numa operação de câmbio. O máximo que a gente pode fazer é minimizar as perdas. E essas perdas não são só de dinheiro, não. O tempo que a gente gasta, os desvios que a gente precisa fazer e os perrengues que a gente passa para obter dinheiro no exterior também devem ser contabilizados na coluna do prejuízo.

O melhor é diversificar

Funciona igualzinho aos investimentos: a gente nunca deve ficar na mão de apenas uma opção. Sabendo usar todas as alternativas, você terá mais segurança e conforto durante toda a viagem. No fim do texto eu dou minha receitinha particular.

–> DINHEIRO VIVO

Te ajuda

Quando você sai do Brasil com a moeda corrente do lugar que vai visitar, não perde tempo com casa de câmbio nem passa aperto em caixa eletrônico. Muitos destinos turísticos aceitam dólar normalmente — o Caribe inteiro é assim, Cancún também. Real e dólar são bem aceitos no comércio do Uruguai e da Argentina (lojas e restaurantes em Buenos Aires e Bariloche costumam oferecer ótima cotação para reais e dólares).

Te atrapalha

Quando você precisa trocar a moeda forte por moeda local, precisa encontrar uma casa de câmbio que ofereça uma boa cotação. Isso pode ser uma fonte de stress e desperdício de energia (você deixa de passear para ficar procurando o melhor câmbio). Carregar grandes quantias de dinheiro também causa uma carga constante de preocupação.

As casas de câmbio de aeroporto sempre oferecem cotações pífias. No centro das cidades, a cotação varia de acordo com o dia e o horário: fora do horário bancário o câmbio fica menos vantajoso. No Leste Europeu as casas de câmbio são cheias das pegadinhas: anunciam cotações ótimas mas quando chega a sua vez alegam que aquele valor é para quantias grandes; ou anunciam comissão zero, mas daí a cotação é baixa.

Em Buenos Aires a agência do Banco Nación de Ezeiza (não confundir com as casas de câmbio) oferece boa cotação para reais; no centro da cidade, procure as corretoras da calle Sarmiento (só funcionam em horário bancário). No Uruguai as casas de câmbio fora do aeroporto costumam ter cotações boas.

É difícil comprar, ainda no Brasil, moedas “fracas”; mesmo quando você acha, vale a pena conferir se a cotação é atraente. Normalmente a cotação para moedas pouco procuradas no Brasil não é boa. Confira sempre a cotação interbancária em sites como Oanda.

Te salva

Quanto todos os meios eletrônicos falham ou estão indisponíveis, aquela reserva de dólares cash serve para levar até o lugar onde exista um caixa eletrônico funcionando ou os cartões de crédito sejam aceitos.

Te ferra

Em caso de perda ou roubo, o dinheiro vivo é o único que não tem como ser ressarcido. Perdeu, afanaram, babau.

Leia maisQue moeda eu levo para a Argentina?

Leia mais: Que moeda eu levo para o Chile?

Leia mais: Que moeda eu levo para o Uruguai?

Leia mais: Que moeda eu levo para Punta Cana?

–> SAQUE DE CONTA CORRENTE NO CARTÃO DO BANCO

Te ajuda

Muita gente não sabe, mas uma vez habilitado e desbloqueado para saques no exterior, o seu cartão de banco pode fazer saques em moeda local em praticamente qualquer caixa eletrônico de qualquer banco em qualquer lugar. (Sim, com um cartão do Itaú ou do HSBC você pode usar um caixa do Santander ou do Barclay’s ou do Crédit Lyonnais, em Santiago ou Paris ou Cancún ou Bangkok ou Istambul.) O dinheiro sai da sua conta corrente na hora, convertido para o dólar e então para o real pela cotação do dia, e IOF de apenas 0,38%.

Isso é especialmente sensacional na chegada: você desembarca e já procura um caixa eletrônico no saguão de desembarque. Dinheiro local a boa cotação em 30 segundos.

Te atrapalha

Não dá para simplesmente pôr o cartão do banco na carteira e sair usando lá fora. É preciso habilitar o cartão para saques no exterior e, em muitos bancos, desbloquear o seu uso nos países que você vai visitar, durante o tempo em que você estiver lá. Atenção: não basta desbloquear só para  compras a crédito; certifique-se de ter desbloqueado o cartão também para saque/débito de conta corrente.

A operação de saque de conta corrente envolve o pagamento de tarifas, tanto ao seu banco quanto à rede usada. Normalmente são tarifas fixas, então o negócio é tirar sempre quantias elevadas (no mínimo o equivalente a 200 dólares; se puder tirar o equivalente a 300 dólares de cada vez, melhor), para que a taxa não seja significativa no todo.

Deve-se lembrar também que o limite para saque não é igual ao seu saldo em conta corrente. O limite para saque varia de conta para conta (consulte o seu gerente). Por isso, em princípio, não se deve contar com essa alternativa para custear toda a sua viagem — pense em saque com cartão de banco para pequenos gastos em dinheiro vivo do dia a dia.

Te salva

Às duas da manhã, quando você repentinamente precisa de dinheiro vivo, o caixa eletrônico é a única opção à mão.

Te ferra

Quando o sistema não desbloqueia o seu cartão, ou o caixa está quebrado, sem dinheiro ou sem comunicação.

Leia mais:A melhor moeda para levar para o exterior: seu cartão do banco

–> CARTÃO DE BANCO NA FUNÇÃO DÉBITO

Te ajuda

Na ponta do lápis, é a alternativa mais vantajosa de todas. Quando você habilita e desbloqueia o seu cartão de banco para débito internacional, pode teoricamente fazer gastos na função débito pagando apenas 0,38% de IOF e nada mais do que isso. O dinheiro sai da sua conta na hora, convertido para dólar e depois para reais, pela cotação do dia.

Te atrapalha

Lastimavelmente, nem sempre a sua operação de débito é registrada como débito. Dependendo do banco, da bandeira do cartão e do país, a despesa pode ser registrada — por engano ou por problema de sistema — como crédito. Infelizmente ainda não consegui entender se existe um padrão (conte sua experiência, de repente a partir deste post a gente consegue entender o fenômeno).

É preciso também desbloquear o uso do cartão para débito nos países que você vai visitar, pelo período da viagem.

É difícil usar na internet.

O limite de gastos não é igual ao saldo da sua conta; consulte o seu gerente sobre o limite diário, semanal e mensal de gastos no débito internacional do seu cartão.

Te salva

Quando você consegue usar seu cartão do banco na função débito, você aproveita o melhor câmbio e o menor IOF.

Te ferra

Quando você faz um monte de gastos pensando que era débito mas o sistema acaba registrando como crédito, a surpresa é muito desagradável.

–> CARTÃO DE DÉBITO TIPO TRAVEL MONEY

Te ajuda

É o sucessor, com enormes vantagens, dos antigos travelers cheques. Funciona com as bandeiras Visa (Travel Money ou Cash Passport), MasterCard (Cash Passport) e American Express (Global Travel). É vendido em corretoras e bancos numa variedade de moedas (dólar, euro e libra são os mais comuns, mas há quem opere também com franco suíço, dólar canadense ou australiano, peso argentino, peso chileno, yen, rand sul-africano). É possível ir carregando o cartão aos poucos, antes da viagem, o que diminui o seu risco à desvalorização do real.

Você faz compras em todos os estabelecimentos que aceitem a bandeira do cartão. E pode realizar saques em moeda local praticamente qualquer caixa eletrônico de qualquer banco em qualquer lugar.

A cobrança do IOF — 0,38% — é feita no ato do carregamento do cartão com moeda estrangeira. Não há nenhuma taxa para despesas no débito. Nos saques há a cobrança de US$ 2,50 por operação, mais a eventual taxa de utilização da rede.

Os cartões dessa categoria podem ser recarregados à distância, por internet banking. Em caso de perda ou roubo, são repostos.

Te atrapalha

O câmbio usado nesta modalidade é menos favorável do que o que você consegue no cartão de débito de conta corrente. Cada cartão é vinculado a uma corretora ou a um banco, e só pode ser recarregado com moeda comprada com o emissor (ou seja, você só pode fazer uma comparação de cotações ao fazer o cartão; as recargas serão todas com o mesmo fornecedor, a não ser que você faça um novo cartão).

Ao comprar cartão tipo Travel Money em moeda “fraca” (peso argentino, peso chileno, rand) confira antes se a cotação é interessante; compare com as taxas interbancárias em sites como Oanda.

Caso a transação envolva uma terceira moeda (por exemplo: quando você faz saques ou compras na Turquia com um cartão carregado com dólares ou euros), o cartão cobra uma comissão pelo câmbio da moeda carregada para a moeda local (o que não ocorre nos cartões de crédito ou débito de conta corrente, que fazem esta primeira conversão usando taxas interbancárias).

É difícil usar na internet.

Evite deixar dinheiro sobrando na volta da viagem. A cotação usada para reconverter o saldo do cartão em reais é bastante desvantajosa; procure usar todo o saldo ou guarde para a próxima viagem (neste caso, verifique a validade do cartão).

Te salva

Os cartões tipo Travel Money funcionam como o mais perfeito plano B para os percalços que você possa a vir a enfrentar com as outras modalidades de pagamento. Se o seu cartão de banco ou de crédito não foi desbloqueado, se o seu limite de saques no cartão de banco foi atingido, se você levou menos dinheiro do que precisa, basta ligar por Skype para a central de atendimento e fazer uma nova compra de moeda por internet banking. Em 24 horas o seu saldo estará disponível para saque ou compras.

Te ferra

A venda de moeda só é feita em dias úteis. Se você tiver uma emergência no fim de semana, terá que esperar até segunda feira para recarregar o cartão.

–> CARTÃO DE CRÉDITO

Te ajuda

É o meio de pagamento mais prático e seguro que existe (apesar de não ser, claro, 100% seguro). Tem aceitação praticamente universal na internet e é mais aceito que os cartões de débito em máquinas de venda de ingresso e passagens.

Permite que você gaste mais do que tem disponível no momento (o que pode ser, lá na frente, uma desvantagem, evidentemente).

Proporciona o acúmulo de milhas e, nas versões top, oferece vantagens como seguros, salas vip e serviços de concierge.

Em caso de perda ou roubo, é possível a reposição.

É possível acionar o cartão para tentar estornar gastos caso o vendedor não tenha entregue exatamente o que você comprou.

Te atrapalha

O IOF de 6,8% torna as compras feitas com cartão de crédito significativamente mais caras. O câmbio, que já foi muito bom (especialmente nos cartões do Itaú, que praticavam cotação de dólar comercial) agora está nivelado ao dólar-turismo, e só um pouquinho mais barato do que o câmbio dos cartões tipo travel money. No fim das contas, comprar com cartão de crédito sai uns 5% mais caro do que com cartão tipo travel money. (Caso o seu cartão dê 2 milhas por dólar gasto, porém, o acúmulo de milhas pode compensar a diferença.)

É preciso desbloquear o cartão para uso nos países em que você vai passar, pelo período de cada viagem.

O cartão pode ser bloqueado caso o sistema suspeite de uso fraudulento.

Alguns sites (por exemplo: cias. de trem como a Renfe espanhola) encasquetam com cartões emitidos no Brasil.

Se você não conseguir pagar a fatura inteira, incorrem juros altos.

Te salva

Quando o seu dinheiro vivo terminou; quando você necessariamente precisa fazer uma compra online; e quando acontece alguma despesa super-imprevista que você não tinha previsto.

Em ultimíssimo caso, também serve para fazer saques no caixa eletrônico (mas há cobrança de juros).

Te ferra

Quando o real desvaloriza depois da sua compra. Suas compras são convertidas para o dólar com a cotação do dia da compra, mas só são convertidas em real no dia do fechamento da fatura.

(Se houver diferença, para mais ou para menos, entre a cotação da data de fechamento da fatura e a cotação da data de pagamento da conta, haverá cobrança ou estorno na conta do mês seguinte.)

–> MINHA FÓRMULA

Agora que você já sabe os prós e contras de todos os meios de pagamento, escolha os que têm mais a ver com o seu perfil.

Eu uso uma mistura dos quatro (e recomendo!), da seguinte maneira:

- Levo entre US$ 300 e US$ 500 em moeda forte (ou em real, se vou para Argentina ou Uruguai), como reserva de emergência. Este é o último dinheiro que vou gastar (se puder, vou trazer o dinheiro intacto para casa, como reserva para a viagem seguinte).

- Uso o cartão do banco para saques no caixa automático. Serve para o dinheiro miúdo que gasto no dia a dia. O primeiro desses saques é no aeroporto. Sempre tiro o equivalente  em moeda local a 200 ou 300 dólares, para que as tarifas bancárias não sejam representativas. Caso todos os caixas automáticos do aeroporto estejam indisponíveis, então pego 100 dólares da minha reserva e troco na casa de câmbio, mesmo com cotação ruim, e deixo para tirar o resto num caixa automático da cidade.

- Escolho entre cartão de crédito e VTM para os gastos maiores. Meu cartão dá 2 milhas por dólar gasto, então acho que a equação custo x comodidade x benefício está bem resolvida. Mas se o seu cartão de crédito não dá benefícios e/ou você tem pânico de desvalorizações cambiais, concentre seus gastos num cartão de débito tipo travel money.

- Levo o VTM ou o cartão de crédito como plano B. Para mim, o VTM é perfeito como plano emergencial — levo o meu com saldo baixo, e caso dê algum chabu eletrônico com os cartões de banco e de crédito, é só recarregar o VTM por internet banking. Mas se você for usar o VTM como meio de pagamento principal, leve pelo menos um cartão de crédito como back-up caso haja um gasto que não seja coberto pelo saldo do seu cartão de débito.

Leia também:

A melhor moeda para levar para o exterior: seu cartão do banco

Que moeda eu levo para a Argentina?

Que moeda eu levo para o Chile?

Que moeda eu levo para o Uruguai?

Que moeda eu levo para Punta Cana?

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email


826 comentários para “Dinheiro no exterior: dólar ou euro x débito x crédito x VTM”

  1. Olá! Gostei muito do post. Sobre a questão do saque no débito e porque, as vezes, ele é convertido para crédito, o Banco do Brasil oferece uma explicação:

    3 – Como funcionam os saques em conta corrente no exterior?
    Clientes portadores de cartão BB Visa Electron e cartão Ourocard MasterCard conseguem efetuar saques em conta corrente, com êxito, na rede internacional VISA/PLUS e MasterCard/Cirrus, respectivamente. Entretanto, devido às limitações dos bancos no exterior quanto ao reconhecimento de cartões múltiplos (débito e crédito), alguns terminais com bandeira VISA/PLUS não oferecem a opção “saque em conta corrente”, abrindo somente a opção “crédito”.

    Por isso, recomenda-se para clientes que viajarão ao exterior que desejam realizar saques em conta corrente, o uso do cartão BB Visa Electron ou do Ourocard MasterCard (função crédito pode estar inibida ou não).

    Outra solução que atende, em caráter excepcional, aos portadores de cartão Ourocard VISA que desejam sacar a débito da conta corrente em outros países é a inibição da função crédito, entretanto essa ação impedirá compras na função crédito.

    4 – Meu cartão é de débito e de crédito, estou no exterior, precisando efetuar saque em dinheiro. Como identificar os terminais habilitados?
    Os terminais habilitados para saques com cartões VISA estão identificados com adesivos com a marca PLUS e os habilitados para saques com Mastercard, estão identificados com adesivos da marca CIRRUS.

    Alguns terminais podem permitir saques de ambas as bandeiras.

    Antes de concluir o saque, verifique se o terminal dispõe de saque em conta corrente e no cartão de crédito. Grande parte dos terminais no exterior só oferece a opção “saque no cartão de crédito”.

    5 – Como escolher qual tipo de saque (conta corrente, cartão de crédito ou poupança)?
    O direcionamento do saque vai depender das opções que serão disponibilizadas pelo terminal:
    “credit account” (conta cartão), o saque será na função crédito;
    “checking account” (conta corrente), o saque será na função débito, em conta corrente;
    “saving account” (poupança), saque direcionado para débito da poupança.

    6 – Desejo sacar na conta corrente com meu cartão VISA, mas o terminal não disponibiliza essa opção. Como proceder?
    Caso o terminal disponibilize somente a opção “credit account” o saque será direcionado para o cartão de crédito, para os clientes que possuam limite de crédito disponível e função crédito ativa. Caso o cliente não possua limite de crédito disponível e/ou possua a função crédito inibida, o saque será direcionado para a conta corrente.

    1. Luciane, suas informações são importantíssimas!! deviam até ser somadas às informações do Comandante…
      Obrigada.

  2. Olá
    Estive em Paris em setembro e tive as seguintes experiências: 1-Cartão VTM-aceito sem problemas em todos os estabelecimentos, os valores foram debitados corretamente. Só achei estranho não ser necessária a senha nem pedirem identificação. No caso de furto qualquer um assina o que quiser e pronto. 2-Pagamento com o cartão do banco na função débito- não foi aceito em NENHUM local, depois de alguns dias desisti de tentar. 3-Cartão VISA-fiz 3 saques na função débito, que deveriam sair da conta e os 3 caíram como saque no cartão de crédito e me cobraram R$20,00 por cada saque. Quando fui fazer a 4ª retirada apareceu saldo insuficiente. 4-Cartão Mastercard-fiz apenas um saque, que caiu corretamente como débito na conta. Para pagamentos no crédito os 2 funcionaram sem problemas. Abraços

  3. Leia

  4. Leia Mesmo.

  5. Bóia ou outros,

    O dilema é o seguinte: Tenho umas libras em moeda, que trouxe da minha última viagem a Inglaterra. Vou a Portugal e Áustria no ano que vem. Posso (devo?) levar essas libras para trocar por euros lá ou devo trocar no Brasil por reais e retrocar para euros, pagando IOF duas vezes etc??? O que é menos pior???
    Não tenho perspectiva de voltar à Inglaterra nos próximos anos (infelizmente!!!!), por isso não pretendo guardar as libras.

    1. Olá, Cesar! A cada operação de câmbio você perde dinheiro. Leve para a Europa. Se você estiver falando literalmente de moedas, nem adianta levar, porque as casas de câmbio só trocam cédulas.

  6. Obrigado, Bóia. Eu não falo literalmente. São cédulas. Eu tinha ouvido dizer que só compravam dinheiro do país do nosso passaporte, no nosso caso, reais, e que eu teria problemas para vender libras por lá. Pela sua resposta, e por sua estratégia de levar dólares como reserva, entendo que isso não é problema de verdade. Valeu!

    1. Olá, Cesar! Não procede.

  7. Olá, só fiquei na dúvida. Qual o motivo de concentrar os gastos maiores no VTM? Ele costuma ter uma quantia limite maior?
    Obrigado

    1. Olá, Guilherme! O IOF mais baixo, o fato de te desobrigar a andar com quantidades grandes de dinheiro vivo na carteira, e também o de não haver risco de as compras caírem como crédito por engano. ;)

      1. Olá! Sempre que viajo, procuro dicas com vcs, mas nunca havia lido sobre cc, VTM, moedas, etc… Gostaria, então, de deixar aqui o meu alerta para os próximos viajantes para as ilhas gregas.
        Em 2011, viajei para os Emirados Árabes e Grécia com 2 amigas. Levei meu VTM (com a maior parte dos recursos a serem gastos), meus cartões de crédito do BB (Visa e Master) e $$$. Embora tenha tido problemas (em restaurantes e/ou lojas) para pagar as contas com o VTM na Grécia, o maior susto que levei foi em Santorini, quando ao tentar fazer um saque em uma máquina de um banco local credenciado pelo VTM meu cartão ficou preso!!! Foi uma novela para resgatar meu cartão, porque o banco já estava fechado. Enfim, após alguns contratempos e com a ajuda de minhas amigas e de alguns gregos que passavam, consegui ter meu VTM de volta!!! A história do meu VTM na Grécia vale um post…
        Até hoje, quando nos lembramos dessa história, rimos muito ainda…
        Obrigada pela oportunidade e parabéns ao Ricardo e ao Bóia pelo agradável trabalho de “ajuda” aos viajantes, pois, afinal, acabam viajando também. De novo..

  8. Olá Boa Tarde

    Vou viajar pra Colômbia em fevereiro por 15 dias.

    Segui as orientações suas (ótimas por sinal) e estou estudando as melhores alternativas. Já estou com o Cartão do Banco do Brasil (apenas na função débito) para saques e compras no débito, vou levar uma quantia em espécie e possuo o cartão de credito que pretendo usar só em emergências.

    A minha duvida é em relação ao travel Money, vi para fazer o CASH PASSPORT (Mastercard), mas não entendi em relação à conversão das moedas…. A transação vai envolver três moedas né? Real, dólar e peso colombiano…. Vou pagar duas vezes por cada conversão? Toda vez que eu sacar ou passar no débito pago uma taxa? Mas já vou pagar um cambio desfavorável pra fazer esse cartão… será q compensa??

    Seria melhor colocar uns 30% do que pretendo gastar em toda viagem no travel Money e 70% deixar no banco?? Qual seria a proporção mais perto do ideal?

    Obrigado desde já pela atenção.

    Clarissa

    1. Olá, Clarissa! O Ricardo Freire explica isso neste post: http://www.viajenaviagem.com/2013/10/como-funcionam-cartoes-internacionais-pre-pagos/

  9. Já viajei para o exterior outras vezes e sempre passo por aqui pra reler as dicas de vcs sobre dinheiro e cartões lá fora.
    Sinceramente? Vcs merecem um prêmio de utilidade pública!! Nenhum site ou blog reúne tanta informação útil!
    Parabéns! E obrigada…de novo!
    Boa viagem a todos.

  10. Pesquisando a melhor maneira de levar dinheiro pro exterior, parei aqui. Gostei muito das informações, mas tenho uma pergunta:
    Passarei um ano na Inglaterra, em intercâmbio (Ciência sem Fronteiras), e pela duração da “viagem” as nece$$idades são maiores… Nós bolsistas recebemos a primeira parte da bolsa em reais, e temos que levar pra lá. Muita gente está fazendo VTM’s, mas com a cotação atual da libra, não estou muito feliz com os valores… Assim que chegar lá, pretendo abrir uma conta num banco local e transferir o dinheiro, portanto, terei um cartão bem aceito. Qual seria a melhor maneira de levar esse dinheiro, considerando que terei gastos imediatos com a instalação, e não posso esperar a libra baixar para isso?
    Outra coisa, meu cartão da poupança do BB é internacional. Posso fazer saques direto da poupança?
    Agradeço desde já!

    1. Olá, Vanessa! Pergunte ao seu gerente sobre saques da poupança. Sabemos que é possível fazer saques da conta corrente, se o seu cartão estiver habilitado e desbloqueado.

  11. Olá,boa tarde. Gostaria de saber a respeito de compras realizadas com o cartão de debito internacional do banco. A cotação do dolar , no momento da compra , que usa é o comercial, e não o turismo , por isso é mais vantajoso financeiramente ?

    1. Olá, Filipe! Até onde sabemos, os bancos estão usando a cotação turismo em todas as operações. Dizem que a Caixa tem o dólar mais camarada.

  12. Informações passadas pela minha gerente no Bradesco:

    Você pode fazer saque no exterior sim com seu cartão atual. Que é necessário liberar, mas eu já liberei. Então está disponível para utilizar.

    As outras informações estão abaixo:

    No Exterior

    Saques e/ou Consulta de Saldo na Rede Plus:

    - Saques na Rede Plus: US$ 2,50 + 2% sobre o valor sacado.

    - Consulta de saldo na Rede Plus: US$ 0,50, por consulta.

    É cobrado 0,38% de IOF.

    Compras à Vista no Exterior

    Compras a débito são permitidas somente para Cartões de Débito Bradesco Poupcard. Podemos abrir uma conta poupança separada para vocês, caso queiram.

    É cobrado 0,38% de IOF.

    O limite diário é de R$ 2.000,00, em moeda local, mediante saldo disponível. É necessária a liberação pela Agência ou no Fone Fácil Bradesco.

    1 – Qual a cotação do dólar que o Bradesco utiliza para os cálculos de conversão?
    O Banco faz uma média do dia da cotações entre dólar turismo e comercial.

    2 – E qual o dia base considerado? Para cartão de débito no dia de saque. Para cartão de crédito VISA e Mastercard o dia do vencimento da fatura.

    1- É possível emitir um cartão exclusivamente de débito? Possuímos o cartão pré-pago que funciona como débito e para saque. Ou como te falei antes abrir uma conta poupança isolada a qual você poderá usar além do saque o visa electron (débito).

    2- Há diversos relatos de saques que foram direcionados para o crédito no caso de cartões multifunção e também de não funcionamento do cartão quando apenas bloqueada a função crédito. A função crédito dos nossos cartões está bloqueada?
    Sim. Isto não ocorrerá pois vocês não possuem a função crédito.

    3- Poderia ser emitido um cartão master exclusivamente de débito?
    Não. Nosso convênio para cartões de débito é VISA. Temos cartão pré pago das bandeiras:American Express e VISA.

    4- Segundo relatos funciona melhor do que o visa para saques. Quando ficaria pronto?
    Não temos mastercard como débito. O cartão da conta poupança poupcard fica pronto em 6 dias uteis se pedirmos o cartão aqui para agência. O cartão pré-pago fica pronto na hora.

    5- Há limite diário, semanal e/ou mensal para saque no exterior?
    Sim. Limite diário de saque correspondente a R$ 600,00 por dia.

    6- O limite para débito seria R$2 mil convertidos? Por exemplo, no Vietnam seriam 17.962.789,49 VNDs.
    Isso mesmo. Tem que ser feito a conversão para a nossa moeda, o Real.

    7- Além do limite diário no débito, há limite semanal e/ou mensal?
    Não. Somente Limite diário.

    8- A média entre dólar turismo e comercial é a cotação utilizada nas três operações (saque, débito e crédito)? Ou no crédito é outra cotação?
    Isso mesmo nas três.

    9- Pode me passar as cotações utilizadas ontem, para que eu possa comparar com outras formas de pagamento?
    Cotação de hoje:Média entre 2,22 e 2,45 com índice de correção 0,90612245.

    Espero que ajude! Se alguém desvendar o mistério da última resposta agradeço! rsrs

  13. E agora com a mudança do IOF, como você faz a sua equação? Abraços.

  14. Olá.

    Cartões de crédito emitidos no Brasil serão aceitos em todo território alemão (por exemplo), correto?

    Colocando em forma de passos para poder usar o cartão na Alemanha:

    1- Fazer o cartão no Brasil -> 2- Usar em território alemão.

    Está correto? Ou precisa ser um cartão especial? Tem que avisar a central de atendimento que estou estarei noutro país?

    Grato.

    1. Olá, Andreas! Tem que fazer um cartão internacional no Brasil e avisar a operadora quando você vai viajar.

  15. Boa tarde, Solicitei um cartao VTM e a taxa do IOF passou para 6.38%, igual o cartao de crédito. Creio que ficar so com o crédito e mais viavel? ou ñao?
    grata

    1. Olá, Wilma! O cartão de crédito se tornou mais vantajoso, especialmente se o seu render milhas.

  16. Olá Bóia!
    Viajarei para a Espanha em abril e pensei em fazer um VTM do Banco do Brasil usando minha conta corrente. Mas lendo relatos pela internet de “engolimento de cartões VTM do BB” ou a falta de aceitação dele na Espanha por não ter o nome impresso no plástico me fizeram ficar com um pé atrás…

    1. Consigo pagar contas no débito passando o cartão BB da conta corrente em restaurantes e lojas na Espanha?

    2. Qual cartão VTM você já usou e recomenda? Os do BancoRendimento prestam (costumam ser aceitos e não ter problemas)?

    Grande abraço!

    1. Olá, Alexandre! Os únicos sobre os quais temos reclamações são os do BB.

      Leia:
      http://www.viajenaviagem.com/2013/02/leitores-relatam-problemas-com-o-vtm-do-banco-do-brasil/

      O problema de usar no débito é que muitas vezes acaba vindo no crédito.

      Note que não há mais diferença de IOF entre cartão de crédito, débito ou pré-pago. Todos agora pagam 6,38% de IOF.

  17. Olá Boia.

    Tenho uma viagem marcada para Europa e Reino Unido em breve.
    Levando em consideração que agora todos os cartões, débito, saque em c/c, crédito, travel money, pagam 6,38% de IOF, e que vocês recomendam sempre balancear e não levar muito dinheiro em espécie, fiquei na dúvida.

    Qual seria então um bom planejamento nesta nova situação?

    Concentrar os gastos no Cartão de Crédito, devido às milhas, e para as emergências utilizar Travel Money ou Cash? Ou, fazer o inverso, utilizando o Cartão de Crédito apenas nas emergências?

    Uma outra coisa é que muitos hotéis foram reservados no modo Cancelamento Grátis (Booking) e o pagamento vou ter que realizar apenas na chegada, o que me deixa aborrecido, pois já sei que o preço que foi fechado, quando for pagar no local, além de ter o ajuste cambial do dia terei que acrescentar o IOF, caso eu resolva pagá-los com cartão (para evitar ter que carregar dinheiro em espécie).

    Tem sugestão pra isso?

    Abs!

    1. Olá, Flavio! O Ricardo Freire nunca aposentou o cartão de crédito, e hoje parece sem dúvida a melhor alternativa. Faça saques para o dinheiro do dia a dia, leve um pouquinho em dinheiro vivo e um cartão pré-pago para se der chabu com os outros cartões.

  18. Oi!
    Vou passar us poucos dias (cinco) na França em abril. Vocês acham que vale a pena fazer um VTM pra tão pouco tempo? Mando tudo no cartão, podendo pagar depois da viagem?
    Um abraço,
    Luciana

    1. Olá, Luciana! Atualmente, com o novo IOF, o VTM serve apenas para salvar você de emergências, se o seu cartão de crédito ficar sem limite ou se der algum problema de aceitação. Faça um com saldo baixo, só para ter e recarregar se for necessário. Use o cartão de crédito e ganhe milhas.

  19. Olá Boia ! Estou indo para Inglaterra, Belgica, Holanda e Alemanha no proximo mês, qual bandeira é mais aceita para VTM e cartão de credito (Visa, Mastecard ou American) ?

    1. Olá, Roberta! Visa ou Master :)

  20. Bóia, acho que fiz bobagem, estou indo para a Europa daqui há 11 dias e, por conta das taxas e dos problemas com VTM, optei por levar grande parte da grana em dinheiro vivo… Agora estou preocupado, como vou circular por 18 dias com tanta grana na mão… Acha que eu devo vender os euros que já comprei e colocar tudo como crédito no VTM ???

    Ps: como vou passar por Londres, estou levando um VTM com um pouco de Libras !!

    1. Olá, Joabson! Não recomendamos, por questões de segurança, circular com grandes somas de dinheiro em espécie — mas não vale a pena agora revender seus euros para carregar o VTM. Você acabaria perdendo uma boa grana.
      Leia o post mais atualizado sobre o assunto aqui: http://www.viajenaviagem.com/2013/12/bomba-cartoes-pre-pagos-saques-internacionais-e-travelers-agora-pagam-iof-de-638-so-dinheiro-vivo-continua-com-iof-de-038/

  21. Olá. Fiz uma viagem agora em abril/maio por diversos países que usam euro e outras moedas. Solicitei o desbloqueio do meu cartão em função débito e crédito. No banco me avisaram que não poderia sacar, apenas fazer compras em uma das duas funções. A função débito não funcionou do início ao fim da viagem. Pensei que seria bom levar reais para trocar nos países em que fui, mas na Russia não trocam, exceto em Moscou em um único lugar e no câmbio negro, onde perdi um monte. Na Espanha creio que só trocam em Madri onde não estive. Em várias cidades da Espanha não fazem câmbio com moeda brasileira, nem em bancos ( banco da Espanha, Santander, BBV, etc.), portanto tive de me safar com cartão de crédito e alguns dólares que levei.

  22. Olá. Queria saber se o cartão que tenho aqui no Brasil (ourocard visa), após habilitado para uso no exterior, pode ser usado para saque também em terminais de auto-atendimento na europa? obrigada

    1. Olá, Renata! Sim, pode usar em praticamente todo caixa eletrônico. Há países, no entanto, em que os cartões Visa só fazem saques na função conta corrente em uma rede específica; se não funcionar num banco, tente noutro até descobrir a rede em que funciona.

1 ... 6 7 8

ATENÇÃO:
Desculpe, mas esta caixa está inativa e seu comentário não aparecerá. Estamos aprontando um novo Viaje na Viagem. No novo site a caixa de comentários voltará a funcionar. Obrigado pela compreensão!