Nós, mulheres, vamos continuar viajando

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

viajar sozinha

Na equipe e entre leitores, as mulheres são maioria aqui no Viaje na Viagem. Ao lado do Ricardo Freire, nossa diretora Elisa Araujo cuida de toda a parte administrativa e comercial do site. Na redação, somos Natalie, Heloisa, Juliana, Rebeca e Mariana, e pelas pesquisas descobrimos que o Viaje na Viagem tem um público em sua maioria feminino. Por isso, a tragédia que aconteceu com as duas turistas argentinas no balneário de Montañita, no Equador, fala muito diretamente a nós.

María José Coni e Marina Menegazzo tinham pouco mais de 20 anos. Saíram de Mendoza, na Argentina, para fazer um mochilão entre o Peru e o Equador. Ao que tudo indica, foram assassinadas ao reagir a uma tentativa de estupro. A grande repercussão do caso tem a ver com as primeiras notícias e comentários sobre o acontecido, que culpavam mais as vítimas do que os próprios assassinos pelo crime.

O episódio me recordou da história de Chris Ribeiro, uma jovem brasileira também desta idade que esteve desaparecida em dezembro do ano passado em Barcelona. Chris viajava a passeio e foi encontrada com amnésia temporária. A polícia espanhola declarou acreditar que a garota tenha sido vítima de um "boa noite, Cinderela" seguido de sequestro. Nas seções de comentários de portais como o G1, era difícil encontrar alguma mensagem solidária. "Essa história está mal contada" era o que mais se lia, junto a piadas e insinuações maldosas sobre o comportamento da menina.

Durante muito tempo, a única questão que eu enxergava em viajar sozinha era aprender a conviver comigo mesma, a sair para jantar sem companhia, a guardar minha opinião sobre um quadro de um museu só pra mim. Esse sempre foi um desafio prazeroso; estar perdida no metrô e de repente me encontrar, sem falar o idioma local e sem pedir ajuda para o guardinha. Viajar sozinha significava acumular essas pequenas vitórias.

Mas, com esses dois episódios, acabei me lembrando de que já enfrentei situações muito piores do que precisar me entender com um mapa de metrô. Lembrei de todas as vezes em que fui assediada, ofendida e até perseguida pela rua por ser mulher e turista. Não foram poucas. E isso foi um golpe duro.

Lembrei especialmente de uma vez em que o vendedor de um quiosque, que foi muito simpático comigo o dia inteiro, se ofereceu para me mostrar uma praia vizinha àquela onde estávamos em Arraial d'Ajuda. Depois de uns poucos metros e a perspectiva de não haver mais ninguém por ali além de nós dois, achei melhor voltar, mesmo que durante esse tempo todo ele não tivesse flertado comigo de nenhuma maneira. E então o sujeito, que parecia alguém muito bacana, se transformou completamente, e pelo caminho de volta, que era um só, seguiu ao meu lado falando todo tipo de obscenidade. Ter a consciência, anos depois, de que escapei por pouco de algo muito pior do que assédio verbal foi como ouvir todos os comentaristas do G1 dentro da minha cabeça ao mesmo tempo, dizendo que, se tivesse acontecido alguma coisa, a culpa teria sido toda minha por ter saído para passear com alguém que eu não conhecia.

Toda mulher provavelmente já passou ou vai passar por alguma situação de assédio ou violência durante uma viagem, em um momento em que esteja sozinha ou acompanhada por outras mulheres. Mas isso não pode tirar a nossa liberdade.

Vamos continuar viajando, e pela nossa presença vamos dar o recado de que é nosso direito estar onde a gente bem entender.

E queremos estar nas ruas em segurança, queremos beber cerveja nos balcões dos bares, queremos sair para dançar, conhecer pessoas e viver amores. Queremos andar de transporte público à noite. Queremos alugar um carro e viajar entre amigas. Ousamos até querer pedir carona.

Nenhuma decisão que uma mulher tome durante uma viagem sobre onde ir, com quem conversar ou o quanto beber justifica qualquer violência contra ela.

E que às garotas que saem de casa para conhecer o mundo se deseje menos "juízo", e mais "divirta-se", e "boa viagem".

Leia mais:

82 comentários

Majô
MajôPermalinkResponder

Viva a este texto ! Viajo sozinha, sem medo, e só tenho boas lembranças lol

Lu Malheiros
Lu MalheirosPermalinkResponder

Lindo texto!!! smile

Fernando Miranda

Parabens pelo texto.
Minha pequena contribuiçao para mudar essa historia sera educar meu filho (que chega em junho) desde pequeno pra que ele respeite todas as pessoas. Independente do sexo, da cor, da orientacao sexual....o que mais falta hoje em dia eh RESPEITO.
Podem ter certeza que em Junho chegara um homem que respeitara todas as mulheres.

Lu
LuPermalinkResponder

Excelente post, Merel! É isso mmo, vamos continuar viajando e exigindo respeito às nossas escolhas!!

Damares - Keviagem

É isso ai! E viva a nossa liberdade de ir pra onde queremos e quando queremos.

Vera Duarte
Vera DuartePermalinkResponder

Isso mesmo , Mariana. vamos continuar viajando e exigindo respeito onde estivermos. Faço parte de um grupo de senhoras que viaja e que vai aos espetáculos e restaurantes a noite, com muita alegria. Bj. Vera

Dani
DaniPermalinkResponder

Em fevereiro fiquei numa pousada com meu marido e conhecemos um casal suíço. Depois de muitas conversas discutimos sobre as desigualdades e os preconceitos. E esse casal nos contou que na SUIÇA a mulher também é vítima de desigualdade, com salários mais baixos etc. Temos que continuar viajando e lutando por direitos iguais, para todos.

Renata Romero
Renata RomeroPermalinkResponder

Exato! Que as mulheres não deixem de viajar e de exigir seu respeito como ser humano. Ótimo texto!

Caio
CaioPermalinkResponder

Excelente! Não há mais o que dizer.

Aurea
AureaPermalinkResponder

Olá, gostei muito do texto! Mas quando li "Toda mulher provavelmente já passou ou vai passar por alguma situação de assédio ou violência durante uma viagem", me pareceu uma afirmação da situação, e como as palavras tem poder, poderíamos dizer isso de forma a não reforçarmos isto. Algo como: Caso tenha acontecido ou venha a acontecer alguma situação de assédio ou violência durante uma viagem, vamos continuar com coragem e alegria para fazer nossas viagens! É isso, felizes viagens a todas!!

Bruna
BrunaPermalinkResponder

Áurea, acho que negar essa afirmação seria meio como tapar o sol com a peneira. As coisas não deixam de acontecer se a gente simplesmente não falar delas, pelo contrário. É uma generalização porque o assunto é generalizável.

Cristiane
CristianePermalinkResponder

Isso mesmo, vamos continuar desbravando o mundo, e voltarmos com lembranças para toda uma vida!

Gustavo - Viajar e Pensar

Muito bom!! Clap Clap

deize cortellassi

Belíssimo texto e reforço suas palavras: vamos continuar viajar!!!!!!

Bruna
BrunaPermalinkResponder

Muito amor pro seu texto. Fiquei furiosa com os comentários sobre essas moças, todos dizendo que elas estavam sozinhas, como se esse fosse o problema. Além disso, 'viajavam sozinhas' como, se estavam juntas? É como se dissessem que uma mulher precisa necessariamente de um homem ao lado (seu dono, para ser bem clara) pra ser considerada um ser humano digno de compaixão.

Zuleika
ZuleikaPermalinkResponder

Infelizmente coisas ruins acontecem com as mulheres, por falta de educação e respeito dos homens. Acredito que isso vai melhorando à medida que a mulher vai se impondo e a educação e respeito pelo próximo vai evoluindo. Ainda não consigo viajar sozinha, pois tenho medo (não só de assédio, mas de golpes, agressões, etc.). Mas espero que isso mude. Educação e respeito, sempre!!!

André Freitas

Deve ser difícil. Não deveria, mas, infelizmente, deve ser. Força e coragem a todas às mulheres.

Andréa K.
Andréa K.PermalinkResponder

Vivemos num mundo machista. Mulher sozinha viajando, almoçando, indo ao cinema... Sempre fiz tudo isso, afinal, sou uma ótima companhia para mim mesma, em primeiro lugar. Mas não posso negar que essas situações causam estranheza em algumas pessoas (homens e mulheres). Puro preconceito, ignorância, sei lá mais o quê. Mas, para poder usufruir de ótimos dias de descanso, lazer, me limito a roteiros que me pareçam mais seguros. Analiso opiniões sobre o destino, perfil dos hóspedes da pousada escolhida. Evito sair à noite. Não vou negar que pinta um certo receiozinho por estar viajando sozinha, mas não me deixo ser dominada e impedida de curtir a vida apenas por não dispor de companhia masculina. É uma liberdade viajada, pra resumir. Lamentável o que aconteceu com as duas turistas argentinas. Lamentável que no mundo de hoje ainda ocorrem crimes dessa natureza.

Simone Lobo
Simone LoboPermalinkResponder

Lindo texto, Mariana!

Ano passado fiz uma viagem sozinha para a Grécia e tive que explicar uma porção de vezes aos garçons quando sentava para jantar o porquê eu estava sozinha.
Sentia os olhares das pessoas como se eu fosse uma aberração jantando desacompanhada.
Foi uma experiência incrível estar sozinha e apoio todas as mulheres que queiram se dar esse presente.

Rosany Ventura

Perfeito o texto. Respeito, quando passearmos pelo mundo e também pelo bairro onde moramos! É direito de qualquer um estar só onde quer que seja sem ser arguído ou desrespeitado por isso!

Cynthia Hermanny

O texto é maravilhoso! Mas não basta para tirar o medo que tenho de viajar sozinha. Até viajo, mas evito sair à noite e só vou em lugares cheios de gente ou turistas, não importa. Lugares desertos, nem pensar. E roupas sempre discretas. Até podemos querer mudar o mundo... mas "a ocasião faz o ladrão".

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Fiquei revoltada c os comentários sobre as vítimas. Que bom q existe vc Merel p jogar luz nas viajantes solo. Eu ja fui uma e confesso que de vez em quando fujo da família p ter um pouco do gostinho. RS

Maria
MariaPermalinkResponder

Apesar de entender que as mulheres devem continuar viajando, acredito que prudência e juízo são ferramentas indispensáveis. No mundo de hoje é complicado solicitar menos juizo, visto que isso permite cuidados especiais com as situações, como exemplo, pesquisar bem o caminho por onde passar e transitar, etc. Viajar sozinha requer cuidados, que não podem ser subestimados; eles devem servir de aliados a um bom passeio.

Denise Tonin
Denise ToninPermalinkResponder

Adorei o texto, parabéns! Só discordo da parte que você afirma que toda mulher vai passar por uma situação de assédio ou violência. Viajo há muito anos sozinha e isso nunca me aconteceu, provavelmente porque evito algumas situações.Acho que existem cuidados básicos de segurança para qualquer viagem e qualquer tipo de viajante, porque gente ruim existe em qualquer lugar do mundo. E um viva para as viajantes solo! beijos

Maria Luiza Esper

Ótimo texto Merél. Viajo sozinha e tenho táticas para evitar ou me sair bem do assédio. Uma das que mais uso, quando em viagem para países de lingua estrangeira, é fingir que não entendo e sair de fininho sem criar caso. Mas já aconteceu de, num passeio de ônibus pelos castelos do Vale do Loire, uma mulher chutar meu assento pois achava que o marido estava me olhando. Como eram poloneses e como evito confusão, mudei de lugar sem antes demonstrar pena para a coitada ciumenta. Em São Francisco, na parada final do bondinho, pedi para o rapaz que dirigia tirar uma foto minha. Falou para eu esperar até todos descerem e tirarem suas fotos pois ficaria mais bonito. Dito e feito e a foto ficou linda. Após eu agradecer ele me convidou para jantar e que o encontrasse nesse mesmo lugar às 20 hs. Falei: ok e saí sorrindo pelo inusitado da situação.
No avião , o sr ao lado perguntou se eu estava viajando sozinha. Eu expliquei que meu marido, filhos e netos tinham ido antes e estavam me esperando ao que ele respondeu -" muito legal" e fim de papo. É isso, sempre não procurar confusão.

vanda soares
vanda soaresPermalinkResponder

Acabei de ler o texto e achei muito conveniente.Estou prestes a realizar minha primeira viajem sozinha e muito animada, apesar dos fatos aqui narrados, não podemos deixar que casos como esses nos façam perder a liberdade de ir e vir e curtir os prazeres da vida sem uma compainha masculina.Adorei o texto.

Patricia Martins

Lindo texto!!!! Apesar dos pesares, nós mulheres sempre daremos um jeito de fazer nossas viagens e realizar todos tipo de desejo que tivermos!!!! Um beijo grande a todas!!!

Flavia Nykjær

Texto emocionante, inspirador, maravilhoso. Obrigada!!!!

Vivi
ViviPermalinkResponder

Parabens a nós lindas guerreiras e viajantes solo.Amo viajar sozinha?

Alessandra
AlessandraPermalinkResponder

Excelente texto e expressa o que realmente passamos quando viajamos sozinhas. Já passei muitos apertos, tive muitas vezes que correr para o hotel, escutei de mulheres que estiveram nos mesmos países que com elas não tinha acontecido nada, portanto era um problema meu, etc.

Patricia
PatriciaPermalinkResponder

Parabéns pelo texto! Viajar sozinha é tão libertador! Espero que um dia possamos apenas curtir, sem termos essas preocupações quem sequer deveriam existir.

Dani
DaniPermalinkResponder

Muito bom seu texto amei. Parabéns.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Comentar novamente

Cancelar