Lima, Cusco, Vale Sagrado e Machu Picchu | Primeira viagem ao Peru (I)

  • 0
Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Primeira viagem ao Peru: hotel Unaytambo, Cusco

Pertinho e relativamente em conta, o Peru é o destino da vez. Num só lugar, você encontra resquícios da civilização mais antiga da América do Sul e uma coleção de relíquias coloniais espanholas, enquanto se delicia com a culinária mais badalada do momento. Neste post eu destrincho um roteiro prático para uma primeira viagem ao Peru: 9 noites entre Lima, Cusco, o Vale Sagrado e Machu Picchu.

Por que 9 noites? Não dá para ser menos?

Primeira viagem ao Peru: Lima

Lima

9 noites de viagem ao Peru permitem rentabilizar ao máximo uma semana de férias -- saindo na sexta e voltando no outro domingo. Com oito dias inteiros (já que o primeiro vai ser consumido na viagem de ida), dá para visitar com bastante proveito Lima, Cusco, o Vale Sagrado e Machu Picchu, num roteiro intenso mas sem correria.

(Caso queira ir a Nasca, acrescente duas noites -- explico no post de Lima. Para incluir também Ilhas Ballestras, Huacachina, Arequipa e Puno, você precisaria de pelo menos 15 dias -- idealmente, três semanas. Destrincharei esse roteiro num post em breve.)

Machu Picchu num feriadão. É possível?

  • Possível é -- mas não é recomendável. O dia da ida e o da volta são praticamente perdidos (sobretudo quando você vai ou vem direto de Machu Picchu). Complicando mais as coisas, tem o fator altitude, que sempre compromete o dia da chegada a Cusco. Se você quer mesmo usar um feriadão para viajar ao Peru, vá a Lima -- é possível até encaixar uma (supercansativa!) esticada a Nasca. Mas só vá a Cusco e Machu Picchu se você dispuser de cinco dias inteiros -- idealmente, 6 -- para explorar o essencial da região.

Primeira viagem ao Peru: itinerário para 9 noites

Este é o resumo do roteiro. Ao fim deste texto você tem os links para todos os detalhes (onde ficar, onde comer, o que fazer) de cada uma das escalas.

  • 3 noites em Lima
    Você resolve as questões práticas (chip, câmbio, eventualmente passagens de ônibus), tem tempo para passear pela cidade, saborear a culinária peruana e aproveitar as duas horas de fuso horário atrasado (a seu favor) para se recuperar da viagem de vinda e chegar descansado em Cusco.
  • 3 noites em Cusco
    Dois dias para explorar a cidade sem pressa + um dia para passear em Pisaq. E três noites para aproveitar os restaurantes e bares do centro histórico.
  • 1 noite em Ollantaytambo
    Visite Chinchero, Moray e as salinas de Maras pelo caminho. Visite o sítio arqueológico ao amanhecer. Siga a Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo) à tarde.
  • 1 noite em Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo)
    Instale-se e durma cedo, para no dia seguinte cedinho pegar um dos primeiros ônibus a Machu Picchu.
  • 1 noite em Cusco
    Depois de passar a manhã inteira em Machu Picchu, volte a Cusco à tarde e capriche no jantar de despedida do Peru.

Pesquise seguro de viagem com nosso parceiro Mondial Assistance

Primeira viagem ao Peru: Machu Picchu

Machu Picchu

Machu Picchu antes de Cusco não resolve a questão da altitude?

  • De fato, Machu Picchu, a 2.400 metros do nível do mar, é bem menos elevada que Cusco, que está a 3.400 metros. Por isso, o soroche, ou mal de altitude, é menos comum em Machu Picchu do que em Cusco. Saindo direto do aeroporto de Cusco para Machu Picchu é possível não sentir os efeitos da altitude na chegada. O problema dessa estratégia é que ela apenas adia o mal-estar para quando você vier de Machu Picchu para Cusco -- o fato de sair já de 2.400 metros não anula o impacto da altitude de 3.400 metros de Cusco. Ir a Machu Picchu antes de Cusco também estraga a seqüência do itinerário -- é como iniciar o jantar pela sobremesa. Machu Picchu funciona como o gran finale de um roteiro que faz uma viagem gradual ao passado -- começa no Peru moderno (Lima), passa pelo Peru colonial (Cusco), visita resquícios de sítios arqueológicos (em Pisaq, Moray, Ollantaytambo) e termina na mais majestosa cidadela preservada (Machu Picchu).
  • ANTES DE VIAJAR

Quando ir

Primeira viagem ao Peru: mercado de Surquillo, Lima

Mercado de Surquillo, Lima

Lima pode ser visitada o ano inteiro, mas a região de Cusco e Machu Picchu tem uma época desaconselhável: no verão, entre dezembro e fevereiro, chove muito. Nos anos mais chuvosos, a estrada de ferro chega a ficar interditada. Para aproveitar melhor o seu tempo e o seu investimento, programe esta viagem entre abril e setembro. Nesses meses, vá preparado para temperaturas abaixo de 10ºC à noite e de manhã cedinho; mas nos dias de sol, que são maioria no meio do ano, as máximas podem chegar perto dos 20ºC no início da tarde.

Como comprar a passagem aérea

Primeira viagem ao Peru: Andes

Compre todos os trechos numa só passagem: Brasil-Lima-Cusco-Brasil. Isso pode ser feito com um agente de viagem, em agências online como o Viajanet ou diretamente nos sites da TAM e da Avianca. Na internet, selecione a modalidade "múltiplos destinos" ou "várias cidades". Essa modalidade rentabiliza todo o percurso e vincula os dois vôos de volta (Cusco-Lima e Lima-Brasil), garantindo a conexão ou, no caso de atraso do primeiro vôo, a assistência da cia. e reacomodação num outro vôo sem custo extra (leia mais aqui).

Por isso, resista a comprar passagem ponto a ponto Brasil-Lima-Brasil (sem Cusco), mesmo que esteja em promoção. Os trechos internos Lima-Cusco e Cusco-Lima podem sair bem mais caros do que você imagina, e a conexão da volta vai ser super estressante -- já que, se o primeiro vôo atrasar, você pode perder o segundo, tendo então que remarcar a passagem com multa e diferença tarifária (mesmo que o segundo vôo seja feito pela mesma cia. do primeiro). Normalmente, quando há promoções a Lima, as mesmas condições valem para Cusco. Sempre pesquise na modalidade múltiplos destinos/várias cidades.

Da mesma forma, não emita passagem com milhas só até Lima. Emita com ida a Lima e volta de Cusco, e veja se consegue emitir também Lima-Cusco com milhas.

Atenção: o site da TAM funciona muito mal na modalidade "várias cidades": o sistema nunca oferece todas as possibilidades de vôos. Se for viajar TAM ou Lan, compre pelo telefone com a cia., com um agente de viagem ou numa agência virtual.

Os melhores vôos para cumprir este roteiro

  • Este roteiro com saída na sexta e volta no outro domingo dá na medida para quem puder pegar o vôo Lan/TAM com saída de São Paulo às 19h30 (chegada em Lima às 22h45). Siga a Cusco na segunda-feira no vôo Lan/TAM das 10h30 (chega ao meio-dia em Cusco). Volte a São Paulo no no Lan/TAM das 8h15 de Cusco a Lima, com conexão para o o vôo Lan/TAM que sai às 12h25 e chega em São Paulo às 19h30.
  • Caso não possa sair na sexta, saia de São Paulo no sábado no Lan/TAM das 7h40 (chegada em Lima às 10h55); os outros vôos permancem os mesmos. Vindo de Avianca, saia no vôo das 5h55 (chegada em Lima às 9h04). Na segunda-feira, siga a Cusco no vôo Avianca das 10h50 (chegada em Cusco às 12h15). Volte no domingo no vôo da Avianca das 17h, que faz conexão com o vôo Avianca que sai de Lima às 22h e chega em São Paulo às 4h55 da madrugada de segunda.
  • Saindo do Rio de Janeiro, para aproveitar 100% este roteiro você precisa sair no Lan/TAM que sai às 15h25 do Galeão e faz conexão com o vôo Lan/TAM São Paulo-Lima das 19h30. Na volta você faz nova conexão em São Paulo e chega no domingo às 23h50 no Rio. Os outros vôos continuam os mesmos.
  • O melhor esquema com partida do Rio de Janeiro, porém, é voando Avianca, a única cia. que tem rota direta a Lima. Saia no sábado no vôo Aianca das 5h30 (chegada em Lima às 9h15). Prossiga na segunda a Cusco no vôo Avianca das 10h50 (chegada às 12h15) e volte domingo no vôo Avianca das 17h, que faz conexão com o vôo Avianca das 21h30, direto ao Rio, chegando às 4h30 da madrugada da segunda.
  • Quem sai de Porto Alegre também deve aproveitar a rota direta da Avianca. Saia no sábado, no vôo Avianca das 6h25 (chegada em Lima às 9h26). Siga na segunda a Cusco no vôo Avianca das 10h50 (chegada às 12h15) e volte domingo no vôo Avianca das 17h, que faz conexão com o vôo das 23h05, direto a Porto Alegre, chegando às 5h30 da manhã de segunda.

Vai passar em Nasca entre Lima e Cusco?

No próximo post da série, mostro a possibilidade de, com duas noites a mais, dar uma passada em Nasca a caminho de Cusco -- um trajeto feito em duas viagens de ônibus, de 7 e 14 horas respectivamente. (É apenas uma possibilidade; não é uma recomendação.)

Caso você decida por esse percurso, continue comprando a passagem aérea na modalidade múltiplos destinos, mas com ida Brasil-Lima e volta Cusco-Brasil.

Precisa vacina contra febre amarela?

Museu Larco, Lima

Museu Larco, Lima

Por enquanto, não precisa.. Você vai ler em muitos lugares que a vacina é necessária, mas é apenas recomendada para quem vai à Amazônia peruana. Com o surto de febre amarela no Sudeste brasileiro, no entanto, pode ser que a vacina passe a ser exigida. Panamá, Cuba, Bolívia, Venezuela e Nicarágua são países que passaram a exigir a vacina de brasileiros no início de 2017. Se você tem intenção de viajar a países latino-americanos nos próximos anos, consulte seu médico e veja se você pode ser vacinado. Se puder, meu conselho é vacinar-se -- tanto para estar protegido da doença no Brasil como para não ter problemas nas viagens. Lembre-se que a vacina só vale depois de 10 dias; se o Peru exigir a vacina amanhã e a sua viagem estiver marcada para dali a oito dias, não será aceita no dia da viagem e você precisará remarcar. Leia sobre como vacinar-se e tirar o certificado internacional neste post.

Compre o ingresso e o trem para Machu Picchu com antecedência

Como comprar o ingresso para Machu Picchu

Primeira viagem ao Peru: ingresso a Machu Picchu

Desde 2011, obedecendo a determinação da Unesco, a cidadela de Machu Picchu passou a receber no máximo 2.500 visitantes por dia. Por isso é importante comprar seu ingresso com antecedência, pelo site MachuPicchu.gob.pe. O site tem versão em português e é bastante fácil de usar.

Ingresso a Machu Picchu

Primeiramente você precisa escolher entre os três tipos de ingresso disponíveis: a visita à cidadela de Machu Picchu (152 nuevos soles, algo como US$ 47), Machu Picchu + trilha Huayna Picchu (200 nuevos soles, ou 62 dólares) ou Machu Picchu + trilha Montaña Machu Picchu (200 nuevos soles, ou 62 dólares, pela manhã; 100 nuevos soles, ou 31 dólares, às 13h). O ingresso que eu recomendo, e que melhor combina com este roteiro, é o ingresso simples da cidadela (Machu Picchu sem nenhuma das trilhas). Leia por quê no box abaixo.

Ingresso a Machu Picchu

Escolhido o ingresso, selecione a data. No alto do quadro aparecerá o número de lugares ainda disponíveis para aquele dia. Daí é só definir o número de ingressos que você vai comprar e partir para os finalmentes. A pegadinha: é preciso usar um cartão de crédito internacional Visa participante do sistema Verified by Visa. Este sistema remete a uma verificação do seu banco emissor (por senha ou token) antes da compra. (Saiba mais sobre esse sistema neste post). Se você ainda não tem um cartão Verified by Visa, vale a pena fazer um -- cada vez mais sites internacionais estão usando o sistema.

Uma vez comprados, imprima os ingressos e leve com você.

Vale a pena incluir a visita a Huayna Picchu?
A Machu Picchu que está na sua cabeça pode ser visitada em sua plenitude com o ingresso simples. O passeio com calma, percorrendo toda a cidadela, requer entre três e quatro horas, com subidas e descidas, muitas vezes debaixo do sol. É um passeio maravilhoso, porém naturalmente exaustivo.

Quando você inclui uma subida a uma das montanhas -- seja à Huayna Picchu, seja à Montaña Machu Picchu -- você acrescenta de duas a três horas de esforço físico à sua visita. Sinceramente, não acredito que a relação sacrifício x benefício seja boa.

De todo modo, há três casos de visitantes que devem considerar comprar o ingresso com trilha:

  • Trekkistas, andarilhos, fãs de turismo-aventura
  • Quem gostaria de ter feito a Trilha Inca mas não tem tempo ou fôlego para tanto
  • Quem vai fazer a visita em dois dias consecutivos

Leia mais sobre isso, incluindo opiniões divergentes de leitores, neste post.

Como comprar a passagem de trem

A não ser que você chegue a Machu Picchu pela Trilha Inca, vai precisar pegar o trem até Aguas Calientes (oficialmente, Machu Picchu Pueblo), a cidadezinha de onde partem os microônibus que levam ao santuário de Machu Picchu.

Duas cias. operam na ferrovia, a partir de Poroy (a 25 minutos de Cusco, pela estrada, não-incluído na passagem) e Ollantaytambo (a duas horas de Cusco, pela estrada): a PeruRail, do grupo Belmond (antigo Orient-Express) e a Inca RailO trecho Poroy-Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo) leva 3h20 com a PeruRail e 2h50 com a Inca Rail; o trecho Ollantaytambo-Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo) leva 1h30 com as duas cias.

As duas oferecem vagões com diferentes níveis de conforto. Os preços são por trecho (só ida ou só volta) e variam conforme dia e horário da viagem.

Primeira viagem ao Peru: trem PeruRail Expedition

PeruRail: trem Expedition

Na PeruRail, o vagão menos caro é o Expedition (desde US$ 83 Poroy-Aguas Calientes, desde US$ 62 Ollanta-Aguas Calientes). Na Inca Rail, com a suspensão dos serviços da classe Economy (que passa por reformas), a classe mais barata é a Executive, que tem tarifas de US$ 77.

Primeira viagem ao Peru: trem Vistadome PeruRail

PeruRail: trem Vistadome

Os vagões mais panorâmicos da PeruRail (e com melhor serviço de bordo) são os VistaDome (desde US$ 96 Poroy-Aguas Calientes, desde US$ 87 Ollanta-Aguas Calientes). A classe equivalente da Inca Rail seria a Executive, desde U$ 61 (Ollanta-Aguas Calientes).

Primeira viagem ao Peru: Inca Rail First Class

Inca Rail: vagão First Class

A Inca Rail também tem uma First Class com serviço de luxo desde US$ 135 (Ollanta-Aguas Calientes).

Se você está achando tudo muito caro, preciso informar que as duas cias. também têm classes AAAA gargalhantes: a PeruRail tem o Hiram Bingham (US$ 437 Poroy-Aguas Calientes) e a Inca Rail, a Presidential Class (um vagão que pode ser fretado entre Ollanta e Aguas Calientes, com preço sob consulta).

Caso você siga este roteiro ao pé da letra, compre esses trechos:

  • ida: Ollantaytambo-Aguas Calientes, num horário vespertino, em qualquer uma das cias. Você precisará da manhã para visitar o sítio arqueológico de Ollantaytambo. O Expedition das 12h58 e sobretudo o Vistadome das 13h27, ambos da PeruRail, são redondinhos para quem quer chegar a Aguas Calientes a tempo de dar uma descansada à tarde (dá para aproveitar as águas termais).
  • volta: Aguas Calientes-Ollantaytambo ou Poroy, também num horário vespertino, em qualquer uma das cias. Você precisará da manhã para visitar a cidadela de Machu Picchu. Se você vai até Poroy (a 25 minutos de Cusco, por estrada, em trajeto não-incluído na passagem), o horário ideal é o Vistadome das 15h20 ou o Inca Rail das 16h12. Se vai só até Ollanta, os melhores são o Inca Rail das 14h30, o Expedition de 14h55 e o Vistadome de 15h48. Ao lado da estação de Ollantaytambo você encontrará vans esperando os passageiros para seguir por via rodoviária ao centro de Cusco (calle Pavitos); a passagem custa entre 12 e 15 soles por pessoa (US$ 4) e a viagem leva 2 horas.

Vai de Vistadome? Compre o combo com buffet em Machu Picchu

    Nos trens de ida, a PeruRail costuma oferecer tarifas que incluem alimentação no dia da sua visita a Machu Picchu (se você só visitar no dia seguinte, a oferta continua válida). Quem vai no vagão mais barato, o Expedition, pode comprar, por um acréscimo de 19 dólares, um voucher para um lanche no quiosque externo do hotel Belmond Sanctuary Lodge, localizado na entrada da cidadela. Se você viajar no Vistadome, pagando mais 35 dólares pode se refestelar no buffet de almoço do restaurante Tinkuy do hotel Belmond Sanctuary Lodge. O lanchinho eu não sei porque não provei, mas no buffet eu fui e posso garantir que é espetacular. Comprado na hora, custa 40 dólares; o descontinho de 5 dólares pode não parecer muito mas já é alguma coisa, certo?

Que moeda eu levo para o Peru?

Primeira viagem ao Peru: 100 nuevos soles

Não compre soles peruanos no Brasil

Não compre moedas fracas no Brasil em geral. Os valores parecem pequenos, mas na verdade a cotação é bastante desfavorável; a margem de lucro das casas de câmbio nessas moedas é maior do que as margem que auferem ao vender dólar ou euro. Um exemplo: no momento em que escrevo este post, tendo o dólar como parâmetro, o sol está valendo cerca de 15% a mais do que o real. Só que tem corretora vendendo sol 40% mais caro que o real! Os valores podem mudar, mas a diferença nunca compensa. Se você quer ter soles peruanos no bolso desde a chegada, troque 100 dólares na casa de câmbio do aeroporto, junto às esteiras de bagagem. Mesmo com a cotação fraquinha de casa de câmbio de aeroporto, você vai perder menos dinheiro do que comprando soles no Brasil.

Não leve reais para o Peru

Infelizmente essa cotação da regrinha de três entre dólar, sol e real não se confirma na prática, quando você leva seus reais para trocar numa casa de câmbio no Peru. Durante a minha última viagem, meus reais compravam sempre 10% menos soles do que se eu tivesse usado a mesma quantia em reais para comprar dólares no Brasil e trocar por soles no Peru. Sem falar que o real em espécie sofre do mesmo problema do cartão de crédito: pode desvalorizar durante a sua viagem. Os mercados são interligados, e uma desvalorização do real frente ao dólar no Brasil se reflete imediatamente no Peru (ou qualquer lugar do mundo).

Prefere levar dinheiro vivo? Leve dólares

Eu sei, o dólar está pela hora da morte. Mas da mesma maneira que o dólar vale muito no Brasil, vale muito no Peru também. O dólar que você compra aqui mantém o seu poder de compra lá. Tome o cuidado de comprar o dólar menos caro que você encontrar no Brasil. Tome cuidado também para trocar bem o seu dinheiro no Peru. Troque o mínimo possível em aeroportos, nos fins de semana e fora do horário bancário. A melhor cotação é obtida durante em dias de semana, durante o horário bancário. Evite casas de câmbio muito informais; o risco de receber uma nota falsa é bem maior nesses lugares. Por outro lado, seus dólares podem ser aceitos diretamente por vários operadores de passeios, sem precisar ser trocados em casa de câmbio.

Cartões são menos vilões do que parecem

Todo mundo conhece de cor os problemas do cartão de crédito e do cartão pré-pago: ambos sofrem a incidência de 6,38% de IOF, e o cartão de crédito ainda sujeita você à desvalorização do real entre o dia do gasto e o do vencimento da fatura. Permita-me, porém, lembrar as vantagens dos cartões -- sim, elas existem. A maior delas é garantir o câmbio mais justo do sol peruano para o dólar. Usando cartão você não precisa camelar entre casas de câmbio comparando cotações; e a cotação usada para converter os seus gastos não vai variar entre cidades, horários ou dias da semana. Outra vantagem é evitar o risco de receber notas falsas. Uma nota de 100 soles falsa que você receba significa mais de 100 reais. O cartão pré-pago congela o dólar no momento da compra da moeda, mas dá um pouquinho de trabalho para carregar e controlar o saldo. O melhor cartão de crédito atualmente é o da Caixa, porque oferece uma cotação próxima ao dólar comercial e faz a conversão para reais na data de cada compra (o valor não varia até o vencimento da fatura).

Vale a pena fazer saques em caixas automáticos?

O problema dos saques em soles é que, além do IOF de 6,38% brasileiro, você ainda precisa pagar a tarifa de saque do seu cartão e a tarifa de uso do equipamento. Como os valores máximos de saque são baixos, essas tarifas acabam pesando demais no total. Se você for fazer retiradas, a melhor rede é a BCP, que permite retirar até 700 soles (pouco mais de 210 dólares) e cobra 13,50 soles de tarifa (4 dólares -- 2% no saque máximo). A GlobalNet é a pior: deixa retirar no máximo 400 soles (uns 120 dólares) e cobra 14,50 soles de tarifa (4 dólares -- 3,5% no saque máximo). A rede Scotiabank permite retirar até 500 soles; BBVA e Multired, 400 soles. Clientes Santander Select e Citibank, porém, fazem saques isentos de tarifa (mas com IOF de 6,38%), desde que usem as agências próprias desses bancos.

Um bom mix

  • Divida sua verba para a viagem ao Peru entre dólares vivos e cartão pré-pago ou cartão de crédito. Use os dólares para trocar dinheiro miúdo para o dia a dia e para pagar diretamente pelos passeios. Pague os hotéis com cartão. Dessa maneira você evita precisar trocar grandes quantias em casa de câmbio (diminuindo o risco notas falsas e o volume de dinheiro vivo a transportar).

Cusco

Boa viagem!

Mais Primeira viagem ao Peru:

163 comentários

Joana Oliveira

Olá Ricardo e equipe do VnV! Cheguei hoje do Peru e segui a risca todas as recomendações de vocês, a viagem foi incrível!!!

Muito obrigada por detalhar tudo de forma tão perfeita!!!

Alguns pontos que achei que valem acrescentar:

-> Pagamento em dólares: no Peru, em nenhum lugar eles aceitam notas de dólar com o menor sinal de desgaste - um rasguinho mínimo, a falta de um pedacinho da ponta, uma aparência mais desgastada, uma mancha. Voltamos com mais de 150 dólares na mão por causa disso. Isso acontece em qqr lugar do país e em qqr estabelecimento!!! Atenção quando forem comprar dólares nas casa de câmbio do Brasil então, confiram todas as notas e garantam que elas estão 100% perfeitas.

-> Acreditem no que é dito sobre o sol. Peguei dias super cinzas em Lima e fiquei muito queimada porque não reapliquei o protetor (tinha passado somente de manhã).

-> Apesar da excelente proposta, não achei que vale almoçar no Belmond Logde Sanctuary, ao lado de Macchu Picchu. O buffet não tem tantas opções assim pra valer 40 dólares.

Ina
InaPermalinkResponder

Eu e meu marido voltamos ontem do Peru e seguimos a maior parte do roteiro; tirei o pernoite em Lima mas fiz conexões longas lá na ida e na volta, indo ao shopping a céu aberto Larcomar na beira do Pacífico (num penhasco, lindo) e no Centro Histórico. Com isso,acrescentei dois dias em Cusco.
O Peru é um país fantástico! Os Andes são incríveis! Amei Cusco, Ollanta, o trem, Machu Picchu, a comida gostosa e farta, o povo gentil, as lhamas, rs...tudo muito colorido! Uma dica é fazer o free walking tour em Lima e Cusco.
Se prepare fisicamente, pois o roteiro é lindo, vc quer fazer tudo e fica bem cansado (as ruínas são um sobe e desce constante e naquela altitude...mas vale muito a pena). Se puder, encaixe uns dias para só ''flanar"...
No dia de Machu Picchu, fui com tour coletivo e um guia agendado em Cusco, que durou até 12:30, mais ou menos. Depois, ficamos por nossa conta. Assim, cheguei ás 10h e saí às 16:30 para pegar o trem de 18:10 para Ollanta, de lá uma van pré-agendada para Cusco. Vale a pena, à tarde fica vazio, dá para curtir muito.
Tudo muito seguro e barato. Uma viagem mágica.

Ivan José de Souza

Muito boa a matéria sobre Peru.
Completa e elucidativa.
Vou guardar pois pretendo fazer essa viagem.
Muito obrigado!
Abs!

Reinaldo
ReinaldoPermalinkResponder

Voltei a uma semana de um viagem de 15 dias por MT, Bolivia... e no Peru eu fiz exatamente esse roteiro com um dia a mais em Cusco (volta) e + um dia em Aguas Calientes pois fiz a trilha Inca e além de Machupicch tambem subi a montanha Waynapicchu. Super recomendo essa viagem e pra fazer a trilha e subir a montanha vc precisa estar bem preparado e ter bom preparo. Boa viagem.

Vitorino Antunes Neto

Incrível Ricardo! Acabamos de fazer o tour de 9 noites, cuja preparação - compra de bilhetes, ingressos, reservas, etc - foi de acordo com as suas orientações e sugestões. E tudo seguiu como planejado. Tudo perfeito, inclusive os detalhes, tipo a sobremesa no Museu Larco, o chips de banana (aliás, devo ser como você, um bom formigão). Enfim, parabéns, só tenho elogios.

VagaMundos
VagaMundosPermalinkResponder

Adoramos o Peru e já por lá andamos 2 vezes. Roteiro muito completo. Parabéns pelo trabalho.
Abraços nossos

Marina Magalhães

Parabéns Ricardo! Eu fiz esta viagem de 9 dias na Semana do Saco Cheio e segui à risca as suas dicas e foram maravilhosas. Estava com meu filho de 12 anos e queria deixar aqui o depoimento dele dizendo que este "Viaje na Viagem" é o máximo!

Lorena
LorenaPermalinkResponder

Oi, Ricardo,
alguma dica de onde ficar em cada lugar (hotel, hostel...)

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Lorena! Quem responde é A Bóia. A dica é ler a série inteira, que você vai achar todas as informações de que precisa.

Dulci
DulciPermalinkResponder

Ricardo, tenho muita vontade de conhecer o Peru, porém gostaria de levar os meus filhos (7 e 13 anos), porém fico preocupada com a questão da altitude de Machu Piccho. Vc acha que vale dá pra encarar?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Dulci! Quem responde é A Bóia. Converse com o pediatra dos petizes.

Tatiane
TatianePermalinkResponder

Alguém sabe qual o período para compra de ingresso em Machu Picchu? Estou tentando comprar para uma viagem em 2017 e não estou conseguindo.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Tatiane! Pode demorar um pouquinho pra entrar no sistema. Mas não se preocupe, o início do ano é baixa temporada e inclusive não é recomendável, por causa das chuvas. Mas se você quiser ir mesmo assim, continue monitorando, em meados de novembro até começo de dezembro os ingressos devem ficar disponíveis.

Tatiane
TatianePermalinkResponder

Muitíssimo obrigada! Vou seguir o guia todo (completo!), que até deveria ser impresso por uma gráfica ou editora de tão maravilhoso que está! Obrigada!!!

Marcia Machado

Ola, Adorei as indicações. serei a próxima a fazer este roteiro!

Vanessa Costa Penteado

Estou me programando para ir , mas só posso ir nas férias escolares : janeiro ou julho. Como janeiro chove muito terei que esperar até julho, estou ansiosa....algum de vcs fez o passeio de barco no lago Titicaca??
Tb quero ir lá, umas amigas foram e amaram, aguardo, grata

Jeremias
JeremiasPermalinkResponder

Gostei, quero ir.

Pedro
PedroPermalinkResponder

Excelente roteiro, pessoal! Estive no Peru por duas semanas e recomendo muitíssimo!

Alessandra
AlessandraPermalinkResponder

Olá! Tenho planos em viajar sozinha, mas são tantos os detalhes que fico insegura. Pretendo viajar em janeiro, fazer a trilha inca clássica por uma agencia de viajem (nikonc). Alguns pontos são o clima de janeiro e a segurança por ir solo. Talvez eu fique 12 dias (sendo dois dias para o trajeto ida e volta). Aceito sugestões. Abraço Ale Cristina

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Alessandra! Não faça a trilha em janeiro. Chove. Não gaste seu tempo e seu dinheiro indo para lugares incríveis nas épocas erradas. Entrar numa furada dessa por desinformação é compreensível, mas tendo se informado antes é imperdoável.

Luis Gongora
Luis GongoraPermalinkResponder

Hola gente linda do Brasil,e muito legal escutar boas coisas que falan do meu Pais(Peru),sim e verdade Peru tem muitos lugares fantasticos que visitar como Machupicchu e mas..Eu trabalho fomentando o Turismo de mi cidade Moyobamba(San Martin-Selva Peruana),aqui tem coisas lindas,voce pode disfruta naturaleza,rios,selva virgem,cataratas,aguas calientes(quente),boa comida,danza,gente amabel e mas...tambem tem muito pertinho la Fortaleza de Kuelap(Chachapoyas),muito parecido a Machupicchu...tem la segunda cataratas mas alto do Mundo chamada Gocta..Cuando voces fiquen no Peru visiten Moyobamba e Chachapoyas(kuelap),con gosto eu pozo ajudalos...Muito obrigado!!!

Elaine
ElainePermalinkResponder

Boa tarde!!

Pretendo ir para Cusco e vi as informações sobre as passagens, porem saindo de Brasilia as conexões para Cusco não são muito legais, tanto para ir como para voltar.
Pensei em comprar o trecho Brasilia para Lima ida e volta, e comprar separado o Trecho Lima Cusco (ida e volta), pela empresa Star Peru, o valor é bem mais barato. Não vi nenhum comentário sobre essa opção, então gostaria de saber se alguém tem alguma experiência com essa empresa ou alguma opinião.
Quero conhecer Lima também e gostaria de saber se é melhor passar em Lima antes de Cusco, ou se é melhor na volta.
Adorei as dicas, e desde já agradeço!!

Elaine

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Elaine! O problema de comprar passagens desvinculadas é que, caso você queira fazer conexão, a cia do segundo vôo não tem nada a ver com atraso ou cancelamento do primeiro vôo. Você pode se ver obrigada a comprar uma nova passagem pela tarifa mais cara existente. Se quer parar em Lima na ida ou na volta, compre na modalidade múltiplos destinos ou várias cidades. Ficando em Lima antes de ir a Cusco você tem a oportunidade de resolver coisas como chip e câmbio com mais facilidade.

Zilmar balbino

Legal a matéria, detalhes como o uso dos cartões de credito, e a primeira que leio em matérias sobre roteiro de viagens...5 estrelas..

ana marques
ana marquesPermalinkResponder

Boa tarde, estou programando o passeio para inicio de março 2017, vcs sabem dizer-me se compro os bilhetes de trem aqui no brasil ou qdo chegar em cusco?
em março há possibilidade dias chuvosos atrapalhando o passeio em M. Pichu?????

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana! A época mais segura com relação às chuvas vai de meados de abril a início de outubro. Sempre é melhor comprar o trem ainda no Brasil.

keny Veloso
keny VelosoPermalinkResponder

Olá parabéns pelo trabalho.
Estou indo para o Peru na 1º quinzena de março.

Fiquei com uma dúvida, fico em Cusco 2 dias, é possível sair de Cusco pela manhã e visitar Chinchero, Moray e as Salinas de Maras e ao fim desse passeio pegar o trem (19:30) em Ollantaytambo? A intenção é dormir em Águas Calientes para visitar Machu Picchu no dia seguinte cedinho.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Kenny! Perfeitamente. Mas você vai perdee Ollantaytambo.

Valmir Gasques

Estou programando uma viagem para o Peru para meados de abril/17 seguindo as dicas do viajeaviagem.com, a minha dúvida quanto a necessidade de Passaport tanto no embarque para Lima e principalmente nos vôos internos de Lima para Cusco uma vez que somos brasileiros, desde já agradeço

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Valmir! Brasileiros entram e viajam pelo Peru com carteira de identidade (não vale CNH). Mas recomendamos fortemente fazer passaporte e usar passaporte em todas as viagens, mesmo aos países aonde podemos entrar só com RG. Atendentes de check-in e agentes de imigração podem implicar com a data de emissão ou a foto do RG. Com o passaporte, a validade é clara e entendida em todos os países. E você ganha carimbos que serão úteis para estabelecer seu histórico de viajante e tornar mais fácil a admissão em países com imigração complicada ou sujeitos a visto de entrada.

Veronica
VeronicaPermalinkResponder

Boa tarde, pretendo viajar ao Peru de 15/06 a 25/06/2017, fazendo algo bem parecido ao seu roteiro de 9 dias. Alguém poderia me ajudar relatando sobre estar visitando Cusco e Macchu Picchu no período da Festa do Sol que será em 24/06? Como fica a cidade, os preços de hotéis e restaurantes ficam ainda mais caros? Há o risco de não conseguir subir a Macchu Picchu se não reservar com muita antecedencia? obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Verônica. É o equivalente ao nosso carnaval.

Paula
PaulaPermalinkResponder

Olá, Ricardo e Bóia!!
Voltamos do Peru dia 05/12 e seguimos praticamente todo o seu roteiro. Adoramos a viagem, obrigada por todas as dicas!!! Faltou talvez apenas um 3o dia em Lima, para passearmos um pouco e comer bem demais mais vezes... Só queria então deixar umas observações para ajudar quem está planejando ir.
Em Lima, andamos só de Uber (tem que ser o black, porque senão aparecem umas tranqueiras). Assim, nada de ficar negociando tarifas, fica tudo mais fácil.
Em Cusco, senti o efeito da altitude na volta de MP. Sou asmática e carreguei uma mala pequena da Plaza até nosso hotel, achando que já estava aclimatada, mas não foi bem assim... É preciso respeitar os 3500m de altitude!
Fez toda a diferença dormir em Ollantaytambo para visitarmos a Fortaleza de manhã cedo antes da chegada dos ônibus. Pudemos explorar tudo com calma e bem dispostos, já treinando para MP!
Fomos para Machu Picchu de Vistadome e voltamos de Inca Rail, mas não dá nem para comparar - para ir até lá, só de Vistadome para apreciar o Vale pelos janelões. Na volta, tudo escuro, o Inca Rail foi ok, pelo custo menor, mas o trem chacoalha bastante.
Antes de ir, fiquei na dúvida se iria subir a Hwayna Picchu, pois temos dois filhos, de 13 e 9, que foram junto. Encaramos quase 2 h para subir com calma e respeitando o ritmo deles (e ajudando em muitos trechos, pois as escadas são hardcore!), mas valeu a pena e muito, a vista do topo da Hwayna é espetacular. Nós todos adoramos a aventura, mas é Aventura mesmo - a descida é quase tão difícil quanto a subida, haja joelho que aguente...
Enfim, obrigada de novo! Agora é planejar a próxima, certo?
um abraço

Walter Fonseca

Eu dispensei a noite em Ollantaytambo, deu pra conhecer todo o vale sagrado desde Cusco, 3 dias com os micro ônibus que as agências vendem nas ruas. A noite em Águas Calientes só vale pena se você quer ser o 1º a entrar em Machu Picchu, vale a pena voltar a noite pra Cusco pra ganhar 1 dia de viagem... Quanto ao resto, perfeito, pena que este post nao existia em 2014 wink

Vera Martins
Vera MartinsPermalinkResponder

Oi! Sobre a Star Peru, que a Eliane cita eu utilizei e foi ótima! Comprei bilhete Rio-Lima, fiquei por duas noites na cidade e depois embarquei para Cusco. Aproveito para dizer que sou fã do site e segui várias dicas deste roteiro. Tudo certo!

Maria salette
Maria salettePermalinkResponder

Muito bom.obrigado.

Márcia Machado

Olá Boia. Parabens pelo post. Fiquei com uma dúvida. A passagem de Poroy-Aguas Calientes está clara a duração e custo. Mas para quem vai seguir o roteiro sugerido por vocês, de dormir em Ollantaytambo, como que fica o trecho de Poroy para Ollantaytambo? Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcia! A sugestão é a de chegar a Ollantaytambo num passeio de 6 horas, passando por Chinchero, Moray e Maras. Está bem explicado no post de Cusco e Vale Sagrado. Não há necessidade de ir a Poroy para pegar trem a Ollantaytambo -- caso você não queira visitar esses pontos do Vale Sagrado mas queira dormir em Ollanta, há transporte rodoviário muito mais rápido e barato (1h30), saindo de Cusco. Poroy só vale a pena para quem quer ir direto a Aguas Calientes.

Leticia Aguiar

Estou planejando uma viagem para este ano. Obrigada pelas dicas!

Walderes Bello

Olá, adorei todo o roteiro de 9noites e estou planejando ir no feriado de setembro. Gostaria de levar minha mãe de 80 anos mas estou preocupada se há muita caminhada para visitar os locais.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Walderes! Consulte o médico da sua mãe para saber se ela está apta a suportar altitudes de até 3.400m. Em Cusco vocês podem andar de táxi; em Ollantaytambo podem apreciar o panorama sem subir nas ruínas; em Machu Picchu, podem subir devagarzinho até o primeiro mirante, sem descer à cidadela para fazer o tour completo (que demandaria duas horas de caminhada, como está explicado no texto do post de Machu Picchu). Mas o fator mais importante é a altitude, e só um médico pode avaliar a situação.

Suelem
SuelemPermalinkResponder

Olá pessoal! Vamos nessa sugestão agora em abril no passeio de 9 dias, sendo 4 noites em Lima e 5 em Cusco, queria entender melhor essa transição de Cusco para Machu Pichu: e necessário ficar hospedado em Águas Calientes ou realizamos os passeios e voltamos para Cusco durante a noite?
Obrigada e abraço a toda

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Suelem! Você vai entender como funcionam as coisas entre Cusco, Aguas Calientes e Machu Picchu se você ler os posts relativos a essas cidades, que estão linkados no texto. Boa leitura!

Emeline Piva Pinheiro

Olá. Vou para Cusco na primeira semana de abril.
Estou com muitas dúvidas sobre a ida para Macchu Picchu, pois não vou pernoitar em Aguas Calientes, vou voltar para Cusco no mesmo dia.
Minha maior dúvida é se compro ticket e passagem de trem avulsos ou se fecho com um receptivo local que inclua tudo.
O problema é a ida para Olantaytambo e a volta para Cusco. Esses ônibus ou vãs que fazem o trajeto, precisam ser agendados com receptivos ou é transporte normal do dia a dia e fácil de pegar?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Emeline! Leia o post de Machu Picchu. Está tudo explicado lá. Este é só o post de introdução.

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Oi Emeline, está tudo bem explicadinho no post, é bem fácil chegar à Ollantaytambo. Mas adicionalmente, pelo menos até o final de abril, tanto a Inca Rail como a Peru Rail estão oferecendo um "combo", onde além da passagem de trem, o transporte em ônibus ou van de Cusco até Ollanta também está incluido, fazendo um bate volta no mesmo dia. No caso da Inca Rail, o transporte sai de Cusco às 4:50 da manhã e retorna as 20:20, pessoalmente acho bem cansador. Compre direto nas páginas dessas empresas.
Mas é um pecado não conhecer com tempo o Valle Sagrado, antes de chegar à Machu Picchu.

virginia
virginiaPermalinkResponder

Adorei as dicas, pretendo viajar agora em maio! Abraços

Eliana
ElianaPermalinkResponder

Estou me programando para ir em junho, seguindo este roteiro. Gostaria de acrescentar o Lago Titicaca, alguma sugestão?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eliana! Você pode voar de Lima a Puno (Juliaca) e seguir de Puno a Cusco de trem de luxo ou ônibus.

Vânia Mendonça

Comprei uma passagem de trem de Ollanta a Machu Picchu, pela Perurail, pelo valor de 73 dólares, somente ida.
A volta foi comprada até Cusco, sendo parte trem e parte ônibus, por 218 dólares, somente volta.
No entanto, agora me dei conta de que foi uma aquisição péssima. Eu poderia ter comprado ida e volta Ollanta - Machu Pichu - Ollanta e depois uma van até Cusco pelo preço de 10 dólares.
Além disso, por maior cuidado que eu tenha tido meu sobrenome ainda saiu errado na passagem. Saiu com o sobrenome do meu namorado.

Faltam ainda 25 dias para a nossa viagem.
Calculei que pagando uma multa de 10% para cancelar os bilhetes pagarei 29,10 dólares.
Minha primeira viagem cheia de economia porque o dinheiro é pouco, fazendo tão grande besteira me deixou muito chateada.

Com a sua experiência, o que sugere?
Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vânia! Leve em consideração que o reembolso pode levar um tempo. Veja se isso não vai prejudicar o limite do cartão na viagem.

Mauro
MauroPermalinkResponder

Olá pessoal. Atualizando. Se não estiver enganado, os valores da entrada a Machu Picchu foram alterados e agora ao invés dos antigos 128 NS aqui publicados, passaram a custar 152 nuevos soles (algo em torno de U$46). sad

E os demais ingressos passaram a 200 nuevos soles.

Me parece que tem um ingresso para entrada após o almoço e este custa 100 nuevos soles.

Edson
EdsonPermalinkResponder

Olá pessoal!

Sabem me informar se a região de Cusco, Vale Sagrado e Machu Picchu estão afetadas pelas chuvas ou com risco de muita chuva? Estou com viagem marcada para o dia 18 a 26 de abril para Lima (3 dias) e Machu Picchu.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Edson! As inundações ocorreram no norte do país. Na região de Cusco e Machu Picchu, as chuvas esperadas. Quando acontecem inundações no Vale Sagrado, o trem pára de funcionar; a última vez que aconteceu foi em 2010.

Veja este thread do TripAdvisor, com testemunhos de quem está por lá neste momento:
https://www.tripadvisor.com/ShowTopic-g294318-i3352-k10314363-Mass_Flooding_in_Peru_Input_Requested-Machu_Picchu_Sacred_Valley_Cusco_Region.html

Edson da Silva

Obrigado pelas informações.

Gloria Barros
Gloria BarrosPermalinkResponder

Lendo todos os posts neste momento de planejamento de uma viagem em junho para esta região. Vamos ficar 4 noites Lima, 4 noites em Cusco, 2 noite em Ollanta, 1 noite em águas calientes e 1 no retorno em Cusco. A pergunta é sobre locomoção em cada local destes, meu marido e eu gostamos de liberdade com horários mas não achei nenhum relato de alguém que tenha alugado carro em Lima e na região do Vale sagrado. Para vocês já colocaram os pezinhos por lá, acham que seria uma boa andar por conta própria em carro alugado nestas 2 regiões?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gloria! Não alugue carro no Peru. Não dirija no Peru. Você não acha relatos porque isso não se faz.

eva
evaPermalinkResponder

Gloria,
Eu percorri o Valle Sagrado com carro alugado. Foi tranquilo, as estradas estavam razoáveis.
Claro que todas as precauções de segurança devem ser tomadas, como não dirigir à noite, não deixar nada no carro e tal. Os postos de combustível confiáveis são escassos, mas como as distancias entre as cidades não são muito grandes, é só manter o tanque cheio.
Pudemos fazer nosso roteiro e chegar aos atrativos em horários diferentes do das excursões, com tudo mais vazio. Não sei se fomos exceção, mas foi ótimo.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eva! Sabemos que você é uma viajante experiente que já se aventurou por todo canto. Dirigir no Peru não é para os fracos. A orientação de desrecomendar expressamente dirigir por lá é do Ricardo Freire. Você não imagina o alcance de comentários como o seu, que podem vir a estimular viajantes despreparados a pegar estradas sem acostamento e com uma cultura de ultrapassagem totalmente diferente da nossa.

eva
evaPermalinkResponder

Sim!!! Você tem toda a razão, da próxima vez serei bem mais cautelosa.

Marina
MarinaPermalinkResponder

Olá!
Há um post recente (25/03) no site mochileiros dizendo o seguinte: "Foi aprovado recententemente o novo "Regulamento de Visita e Conservação de Machu Picchu" pelo Ministério do Turismo do Peru e uma mudança muito importante para nós viajantes é que a partir de agora passa a ser obrigatória a entrada com guia dentro do parque arqueológico. Além disso o guia deverá acompanhar o grupo durante todo o trajeto. Ou seja, não é mais permitido andar nas ruínas desacompanhado."
Procede? Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marina! Vamos averiguar.

Glória Barros

Oxi, criei polêmica!!!! Mas tudo bem, pode-se aprender com isso. já dirigimos por conta própria em todo o Chile, Argentina, EUA e Canadá, sem falar é claro na selva do Brasil (kkkk!). Mas vou ficar atenta e ler mais sobre isso. Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Glória! Você só dirigiu no Primeiro Mundo (Brasil incluído).

Natalie Soares

O trânsito no Peru é uma experiência completamente diferente do Chile ou Argentina. Vai pelo Riq, Glória wink

eva
evaPermalinkResponder

O Brasil não é selva, não. Por incrível que pareça, temos um trânsito bem educadinho em comparação a muitos outros países.

Breno Braga
Breno BragaPermalinkResponder

Talvez eu não tenha prestado a atenção necessária... estou com dúvidas sobre o valor e horários dos trens quem vão de Poroy a Ollanta. Obrigado

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Breno! Clique nos links da Inka Rail e da Peru Rail para ver horários e preços vigentes e disponibilidade em tempo real.

Andrea Jaguaribe

Breno,

É bem tranquilo de comprar. É só você entrar na página da Peru Rail ou Inca Rail, preencher os campos com o trajeto e a data que eles abrem o menu dos horários e preços para cada um.
Lá você escolhe o tipo de trem que quer e vê os horários disponíveis. Segui a risca os horários recomendados aqui no blog e comprei tudo direitinho.

Mauricio Moraes de Souza

Olá Ricardo,
Antes de mais nada quero parabenizá-lo pelo roteiro tão bem detalhado.
No próximo mês de julho, eu e minha família (04 pessoas) iremos fazer este roteiro de 09 dias.
Porém, gostaria que você me desse uma dica de como fazer o percurso de Cusco à Ollantaytambo, visitando Chinchero, Moray e as salinas de Maras pelo caminho. Há vans que fazem este roteiro ?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maurício! Este post é continuado em três outros, devidamente linkados neste texto. A explicação detalhada de cada etapa do roteiro está dada nos outros posts. Por favor leia o post de Cusco e Vale Sagrado.

Ana Clara
Ana ClaraPermalinkResponder

Gostaria de saber se essas vans, que aguardam passageiros, ao lado da estação de Ollantaytambo, para seguir por via rodoviária ao centro de Cusco (calle Pavitos) aceitam levar malas ou somente mochilas?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ana Clara! Levam malas. Mas para seu conforto não leve mala maior que M ao Peru, você vai se arrepender.

Samuel
SamuelPermalinkResponder

Olá!
Para o roteiro de 9 noites, o Ricardo recomenda ir na sexta ou sábado e voltar no outro domingo. Encontrei bons preços de passagens ida na quarta e volta na outra sexta. Há algum comprometimento na viagem alterando somente esses dias de ida e volta mas mantendo o restante do cronograma e sequência desse post?
Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Samuel! O cronograma foi feito pensando em férias que começam numa sexta para encaixar um roteiro de 9 noites em férias de 7 dias. Não há problema nenhum em mudar os dias da semana.

Yasmine
YasminePermalinkResponder

Olá Ricardo! Tenho euros que sobraram de uma outra viagem. Sabe se é bom levar euros para trocar nas casas de câmbio do Peru? só vejo pessoas falando em levar dólares, mas para mim seria com ctz seria mais prático levar esses euros que já tenho...seria desvantajoso?
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Yasmine! Pode levar, claro. É moeda forte como o dólar.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar