5 dias repletos de história em Cartagena, por André Urso

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Cartagena. Foto: André Urso

E o nosso André Urso está de volta, com o relato de Cartagena que complementa à perfeição o post redondinho de Bogotá. Manda ver, André!

Olhando de cima, ainda no avião, a impressão que tive de Cartagena foi estranha. Já no táxi, saindo do aeroporto a caminho do hotel, o primeiro contato visual com a orla da cidade não ajudou. Aqui, o calçadão é irregular, estreito, com pouco espaço para os pedestres e as praias, de areias escuras, também não causam uma boa impressão.

Cartagena. Foto: André UrsoCartagena. Foto: André Urso

Mas bastou o táxi oferecer a primeira visão da cidade antiga muralhada para o queixo cair. Foi aí que entendi finalmente porque estava aqui e que, apesar das primeiras impressões, Cartagena era exatamente o que imaginava: uma cidade bonita, conservada e cheia de história. Bem vindo ao cenário de Amor em Tempos de Cólera, de Gabriel García Márquez.

Cartagena. Foto: André Urso

O clima em Cartagena é o oposto da fria e chuvosa capital Bogotá. Só isso já faz você ter a sensação de estar mais próximo da idéia de um paraíso caribenho. Aqui é evidente uma presença mais forte da cultura negra. O povo é mais caloroso e menos formal que na capital e você se sente logo à vontade para trocar o tênis e os sapatos por confortáveis sandálias e bermudas. Mas a primeira e talvez a mais importante questão com a qual você vai se deparar na sua viagem à cidade logo se impõe: qual o melhor lugar pra ficar? Na cidade antiga ou nos grandes hotéis da orla?

A resposta é simples. Se você quer absorver ao máximo o charme e o principal atrativo da cidade que é a sua história, escolha o centro antigo, a parte da cidade que fica dentro das muralhas do forte que protegia a cidade. Mas essa escolha também depende do tipo de viagem que você quer ter e, óbvio, das suas finanças.

Cartagena. Foto: André UrsoCartagena. Foto: André Urso

Dentro da cidade antiga os hotéis e pousadas que você vai encontrar são charmosos, mais românticos e impregnados da história da cidade por estarem em casarões centenários, mas, por conseqüência, são mais caros também. Ficar num hotel barato dentro da cidade antiga pode ser menos compensador em termos de custo-benefício do que ficar num hotel mais confortável e com melhores serviços fora dela. Em todo caso, fique tranqüilo. Se a sua reserva for em um dos hotéis da orla, saiba que a distância entre a cidade histórica e os hotéis é curta e, fora o calçadão bem ruinzinho de caminhar, não há maiores transtornos para chegar de um lugar ao outro a pé. E ainda há a boa notícia que o táxi aqui é bem barato (ainda mais do que em Bogotá).

Minha experiência nesse quesito foi a seguinte: graças às milhas de um programa de hospedagem consegui 4 noites de graça no Hilton Cartagena. Botando mais US$ 80 (US$ 20 por noite), consegui upgrade para uma suíte executiva. Bom negócio, não? Só que o padrão Hilton é o padrão americano de hotelão de rede. Quase tudo OK, mas nada muito personalizado. Como ia passar 5 noites na cidade, na última seria preciso me virar, já que por causa de uma grande convenção internacional, que contou até com a presença do presidente da Colômbia, não havia disponibilidade de  vagas para estender a hospedagem naquele hotel. Era a minha chance de ficar pelo menos uma noite no centro histórico. Consegui um hotel dentro da cidade antiga. Mas fora o fato da localização privilegiada, o serviço era ruim e nem vale a pena recomendar.

Cartagena. Foto: André UrsoCartagena. Foto: André Urso

Mas não se assuste. Quem vai no esquema mais econômico, encontra sim várias opções para ficar na velha Cartagena. Uma das mais bacanas é o El Viajero Hostel,  bem simpático e próximo a um dos trechos mais animados da cidade antiga. Também há opções de boas pousadas de até US$ 100 tanto dentro das muralhas quanto no bairro histórico de Getsemani. Ou seja, na rua ninguém fica.

Resolvida a questão do hotel, é hora de conhecer a cidade. Andar pelo centro histórico de Cartagena é bem fácil e se perder pelas suas ruelas é obrigatório. Aqui, cada detalhe de uma construção antiga pode indicar um pouco da sua história. As casas que têm o balcão da varanda de madeira são coloniais, as que têm estrutura de cimento são republicanas. Os museus são pequenos, simples, mas contam muito sobre essa cidade que um dia foi tão disputada por piratas, espanhóis, franceses, holandeses e ingleses.

Cartagena. Foto: André UrsoCartagena. Foto: André Urso

Entre eles, o Museu da Inquisição, com seu arsenal de aparelhos de tortura usados pela igreja na idade média, é o primeiro da lista a ser visitado, mas o Museu do Ouro, apesar de bem menos pomposo que o seu primo da capital, também é fascinante. O Museu Naval guarda memórias de batalhas e conquistas que aconteceram em Boca Chica e Boca Grande, as portas de entrada da cidade pelo mar. Para aproveitar bem a história de cada um deles, contratamos um guia. Pode parecer turístico demais para alguns, mas ajudou a entender melhor tudo aquilo que estava vendo.

À noite, vá jantar no El Santíssimo, perto do luxuoso Hotel Santa Clara, ou no La Vitrola. Bom também é um restaurante italiano que descobrimos por puro acaso e que surpreendeu pela ótima comida, bom atendimento e preço justo, o Delizie Italiane. Fica na Calle Estrella 4-32. Fuja do badalado 8-18 que, fora o excelente mojito, fica devendo no ambiente, na comida e cobra caro demais.

Cartagena. Foto: André Urso

Sem grandes clubes ou boates, o grande programa noturno é sentar nas mesas das calçadas para beber e ver a vida passar. Bares tem a vontade. Os mais animados ficam próximos das Plazas Aduana e San Pedro e sob o Portal dos Dulces, que é mais popular. Na Plaza Fernández de Madrid o público é mais turístico. Interessante também é o Café del Mar, que fica em cima das muralhas do forte e tem belíssima vista para o mar, para o centro histórico e para a cidade nova. Do popular ao chique, tem de todo tipo. É só achar a sua turma e aproveitar a noite.

Cartagena. Foto: André Urso

Dois programas que não podem faltar: o primeiro é o passeio ao imponente Castillo San Felipe de Barajas, a maior obra de engenharia já construída pela Espanha em uma colônia.  Ele foi iniciado em 1657 para proteger Cartagena de ataques piratas e é um dos mais importante da América Latina. Dele e do convento de La Popa se tem uma das melhores vistas de Cartagena. Se você não é claustrofóbico, explore e se perca nas galerias e túneis dentro do forte.

Outro passeio imperdível são as ilhas do Mar do Caribe colombiano. Para quem não notou, Cartagena é formada por ilhas que os espanhóis ligaram através de pontes. É quando você sai de barco pelo estreito de Boca Chica que nota a exuberância desse conjunto de ilhas. Algumas delas tão pequenas que só cabe uma única casa.

Cartagena. Foto: André Urso

Para ir à praia, escolhemos um daqueles passeios que tinha tudo para parecer armadilha para turista, mas que se revelou uma boa escolha: Majagua em Islas Rosário. Ai, já estamos no mar do Caribe, que apesar de não ter aquele azul bebê, é perfeito para mergulho e snorkel, com ótima visibilidade e bancos de corais cheios de surpresas. Aliás, esses são programas que recomendo fortemente.

Outros passeios interessantes apesar de bem turísticos são as ilhas Grande, Barú, Isla do Tesouro e a Isla Pirata. Todas elas fazem parte do Arquipélago del Rosário. Se quiser a experiência de dormir e passar mais tempo nesse paraíso duas boas opções são o Resort Gente de Mar e o Hotel San Pedro de Majagua, onde fiquei.

Mas o principal programa de Cartagena é mesmo explorar e viver as muralhas do forte. Aqui, turistas e nativos passeiam, namoram, brincam com tempo ou simplesmente sentam para ver o por do sol ao cair da tarde. Dos muros, dá para ver a cidade se mover num ritmo bem peculiar, doce e lento, que só os lugares mais interessantes podem ter.

Cartagena. Foto: André UrsoMas uma hora o sonho acaba e infelizmente é preciso pegar o avião de volta para casa. Devo confessar que nunca tive maiores fantasias com a Colômbia até vir parar aqui. Mas agora que a experiência se completou, posso dizer que conheci um pouco de um país muito bacana, que deixou belas impressões e a vontade de voltar algum dia.

PS: Coloquei mais fotos de Cartagena no meu Flickr; se a curiosidade bater, é só acessar.

Valeu, André! Brigadaço!

Leia mais:

300 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

Fernanda
FernandaPermalink

Estou com passagens compradas para Bogotá e Cartagena em março de 2016.
Comecei a olhar os hotéis no centro histórico de Cartagena e estou bem assustada com os preços. Será que espero mais para olhar? O Hotel Allure Chocolat é bem localizado? Quantos minutos à pé da área mais interessante? Vou com o meu marido e temos que ser bem eficientes, já que ficaremos apenas quatro noites lá.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Fernanda! Os melhores preços começam a aparecer três meses antes da data, no mundo inteiro. Verifique se você não está pesquisando a época da Páscoa, que é altíssima temporada.

Fernanda
FernandaPermalink

Muito Obrigada!! Acabei reservando o Bastion. Depois conto a experiência. Próximo passo: reservas em Bogotá, com as dicas do Viaje na Viagem!

Maria Alice Carvalho
Maria Alice CarvalhoPermalink

Olá Fernanda,

Entre me contato comigo por email que te apresento algumas opções bem accessíveis.

Abraços

Ricardo
RicardoPermalink

Oi, Fernanda. Tb vou a Cartagena de 15 a 23/03/16. tb achei bem caro no centro ou em Getsemaní. Mais longe é mais barato, mas acho q não compensa. Se tiver alguma dica, fale cmg por favor... ricardokleinlein@terra.com.br. bjs

Juliane
JulianePermalink

Olá, irei com meu marido para Cartagena agora em dezembro 2015 e estamos com uma dúvida: levamos real ou peso colombiano? E quanto levamos em média para gastar lá?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Luciane! Leve dólares.

Paula
PaulaPermalink

Adorei as dicas! Estarei indo na proxima semana. Quanto levar em dinheiro? Melhor levar dolares e trocar la por pesos?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Paula! Sim.

Denise
DenisePermalink

Como viemos com mais dias, optamos por um Hotel fora da cidade, com uma estrutura melhor: com piscinas, bom restaurante. Assim unimos os dois, passeios à cidade, já que o táxi aqui não é caro ( 15 mil pesos daqui do Hotel Sonesta até a parte Antiga), e quando queremos descansar, ficamos por aqui curtindo piscina e a estrutura. Também tem venda dos passeios às ilhas e city tour aqui, caixa 24h... Hotel muito muito bom.

Celma
CelmaPermalink

Excelente relato do André Urso. Parabéns pelo site, Ricardo Freire. Só uma pequena correção no título da obra do gênio colombiano: "O amor nos tempos do cólera". Não tenho confirmação se já ocorreu, mas Cartagena havia sido escolhida pela família do escritor para receber suas cinzas.

Eline Neves
Eline NevesPermalink

Olá, Boia! Estou planejando a minha viagem pra final de abril e com o dólar nas alturas, alguns destinos da América do Sul estão mais atraentes. A minha dúvida está entre o Peru e Colômbia...ambos são incríveis, mas saberia me dizer em qual deles a nossa moeda está menos desvalorizada e está mais barato ir? Abraços!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Eline! A moeda que levou o tombo maior frente o dólar depois do real é o peso colombiano. Abril é um bom mês para Cartagena e San Andrés.

Fabio
FabioPermalink

Ola André, ja li e reli seu post varias vezes rs... tenho uma dúvida me relação a San Pedro de Majagua, onde você comprou os tickets? Dizem que somente no hotel Sofitel Santa Clara eh q vende, mas queria saber se eh preciso estar hospedado nesse hotel para poder comprar ostickets...
Obrigado!!!