São Paulo: 5 restaurantes muito além dos Jardins

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Vila Medeiros, São Paulo

Na hora de sair para comer, paulistanos e visitantes se comportam da mesma maneira: raramente fogem do eixo Vila Madalena-Higienópolis-Jardins-Itaim. Alguns raros são habituês do Centro da cidade. Os restaurantes que se localizam fora dos bairros eminentemente gastronômicos costumam ter uma clientela estritamente local.

Quem se aventura fora do circuito, contudo, não perde a viagem: há desde restaurantes tradicionais até badalados. Aí vai uma pequena seleção de restaurantes que justificam o desvio da sua rota.

Cubinhos de tapioca no MocotóMOCOTÓ

O restaurante mais incensado do momento em São Paulo não fica em nenhum bairro nobre. Muitíssimo pelo contrário: está na Vila Medeiros, um bairro da Zona Norte do qual a maioria dos paulistanos jamais ouviu falar. Por que está ali? Porque se trata de um restaurante de bairro que há décadas serve comida nordestina, mas cuja cozinha foi rejuvenescida (e o serviço, apurado) pelo filho do dono, o chef Rodrigo Oliveira. Os dadinhos de tapioca com geléia de pimenta já valem a espera -- sim, no fim de semana é difícil conseguir uma mesa sem passar uma hora na calçada. Aproveite para pedir também a mocofava e experimentar as caipirinhas ou caipiroskas diferentonas (as frutas estão expostas no bar). Onde: av. N. Sra. do Loreto, 1100; tel. 11/2951-3056. Como chegar: pergunte antes se o taxista sabe chegar; diga que o caminho mais curto é pela avenida Conceição. O metrô mais próximo é Tucuruvi, onde é mais fácil também achar taxistas que conheçam a região (de lá a corrida dá 10/15 minutos; do centro da cidade conte em gastar 45 minutos). Fecha: domingo depois das 17h. Site oficial: aqui.

Abobrie no Quinta da CantaQUINTA DA CANTA

Mencione a palavra "Cantareira" a um paulistano, e provavelmente você arrancará suspiros. A serra ao norte da cidade significa natureza, ar puro e qualidade de vida ainda dentro do perímetro urbano. Pouca gente, no entanto, sabe como curtir a serra -- ou mesmo como chegar lá. Tem amigos em São Paulo? Pois proponha a eles um programa diferente num domingo: passar a tarde neste charmoso restaurante escondidinho na serra. O chef Sergio Lima pratica aqui a filosofia da slow food: um aprazível desfile de pratinhos de inspiração francesa que vão chegando sempre a tempo de renovar o apetite e o assunto à mesa. Com tempo bom, as mesas são postas ao ar livre e em quiosques com vista para o verde. O cardápio é diferente todos os domingos. Onde: Alameda Bélgica, Mairiporã; tel. 11/3331-2882 ou 11/9688-6712. Como chegar: vá com um amigo paulistano dirigindo; imprima as instruções direto do site (e ligue do caminho caso precise). Dá uma hora do centro de São Paulo. Abre: aos domingos; é preciso reservar. Site oficial: aqui.

Kibe cru no CarlinhosCARLINHOS

Pouca gente se dá conta, mas a Zona Leste paulistana é um dos lugares mais visitados da cidade. Como? É lá que estão as pronta-entregas do Brás, que atraem centenas de ônibus de compradores de todo o país. Turismo de negócios, sim senhor grin  Alheio a esse mundo da sacolagem, porém, os bairros mais antigos da região guardam alguns tesouros. No Pari, não muito longe da muvuca das compras, os connaisseurs acorrem à  mesa do Carlinhos, um dos melhores restaurantes armênios da cidade. O cardápio inclui todo o repertório que você encontraria num restaurante libanês, mas você vai até o Pari para experimentar o que só tem no Carlinhos. A saber: o basturma, espécie de pastrami com ovos mexidos, que proporcionam um espetacular café da manhã tardio num sábado. Emende com um arais, um pão sírio na chapa com carne moída que foi criado e copyrightado pelo restaurante. Onde: r. Rio Bonito, 1641; tel. 11/3315-9474. Como chegar: não é má idéia imprimir o mapa para mostrar ao taxista. Fica a menos de 10 minutos do centro de São Paulo. O metrô mais próximo é Armênia; na linha vermelha, a estação mais próxima é a Brás. Abre: de segunda a sábado, apenas para almoço, das 11h30 às 15h. Site oficial: aqui. Foto tirada do site.

FrangóFRANGÓ

Aleatoriamente associada a punks da periferia na década de 80 por Gilberto Gil, a Freguesia do Ó é na verdade um pacato bairro da Zona Norte, bastante fácil de chegar.  E bem no largo onde está a igreja de Nossa Senhora do Ó, que dá ao bairro seu nome divertido, funciona um dos bares mais cultuados de São Paulo, o Frangó. A marca registrada do lugar são suas coxinhas, feitas com legítimo Catupiry. Uma iguaria desse quilate não pode ser acompanhada por qualquer coisa, então o bar oferece a maior variedade de cervejas, nacionais e importadas, que você vai achar em São Paulo. Onde: Largo de Nossa Senhora do Ó, 168; tel. 11/3932-4818. Como chegar: qualquer taxista chega fácil; reserve uns 30 minutos para a corrida. Fecha: segunda-feira. Site oficial: aqui. Foto retirada do site.

Quintal do BrázQUINTAL DO BRÁZ

A mais bem-sucedida rede de pizzarias da cidade hoje tem filial até no Rio de Janeiro, no Jardim Botânico. Mas a casa mais especial da rede está escondida numa região de galpões de tijolinhos entre a Vila Mariana e o parque do Ibirapuera . Ali, num amplo espaço envidraçado, as pizzas de borda grossa e ingredientes de alta qualidade ficam ainda mais saborosas. Peça a cobertura de mussarela de búfala. De entrada, peça o pão de lingüiça -- mas não repita, senão não sobra espaço para a pizza... Onde: r. Gandavo, 447; tel. 11/5082-3800. Como chegar: diga ao taxista que fica no miolinho atrás do antigo Detran, próximo à Sena Madureira. Abre: todos os dias, só para jantar. Site oficial: aqui.

Leia também:

Guia de São Paulo

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


18 comentários

Marcia Kawabe
Marcia KawabePermalinkResponder

Mais um restaurante delicioso de comida mineira que também fica escondido na Serra da Cantareira e que vale uma visita, As Véias.

http://www.velhao.com.br/texto/?idArea=5

Lena
LenaPermalinkResponder

Só um adendo: os galpões de tijolinhos perto do Quintal do Bráz são, na verdade, o antigo Matadouro Municipal e hoje Pinacoteca do Estado. wink

marta k
marta kPermalinkResponder

Cinemateca.... (só corrigindo) com exibição de excelentes filmes fora do circuito comercial!

Fabio H.
Fabio H.PermalinkResponder

Não tive paciência de esperar no Mocotó, mas vou tentar novamente.
O Frangó e o Quintal do Bráz são ótimos, valem a visita!

Rapha Aretakis

Passei 3 horas na fila do mocotó em pé esperando uma mesa. Saí de lá às 16h sem mesa, sem almoçar e beeeem decepcionada. Fiz um relato lá no blog: http://www.raphanomundo.com/2011/05/mocoto-o-dia-em-que-nos-nao-conseguimos.html

Andre L.
Andre L.PermalinkResponder

Morando fora do Brasil a algum tempo, não canso de me impressionar com a normalidade que filas em restaurantes são encaradas no Rio, SP e outras cidades brasileiras. Li o relato do seu blog e achei o horror, inaceitável. Para mim, 30 minutos é o MÁXIMO, mas o MÁXIMO que eu tolero esperar por mesa.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, André! Também trabalhamos por aqui com o sistema de reservas! A maioria dos restaurantes aceita, pelo menos para o primeiro horário, que é justamente esse em que as pessoas costumam jantar aí na Europa! E olhe só: as pessoas têm o direito constitucional assegurado de não ir a restaurantes com filas! Só vão-- e só esperam -- se quiserem grin

Rapha Aretakis

Realmente André, fila no brasil já faz parte do programa. Assim como engarrafamento e burocracia. Como a bóia disse, no restaurante, espera quem quer. Porém, uma vez que a pessoa vai e espera é de bom tom que o estabelecimento se preocupe com os que lá estão. Afinal de contas pessoas insatisfeitas costumam dividir a experiência negativa com mais pessoas do que as satisfeitas...

Vinícius (mais do que uma viagem)

Sou um grande fã do Mocotó e do Frangó. O primeiro, por estar na moda, aconselho chegar cedo para não pegar muita fila (durante a semana, chegar antes das 19 horas rende pouca ou nenhuma espera e um atendimento ainda melhor do que o usual).
no Frangó é possível chegar um pouco mais tarde, até às 20h sem muita fila de espera.

Aline Arantes
Aline ArantesPermalinkResponder

O Mocotó foi simplesmente o melhor programa que eu fiz em SP desde que vim morar aqui, apesar da longa fila que quase fez a gente desistir. O Quintal do BráZ é aqui no meu quintal. Rs. O Frangó tava na minha lista que acabou de crescer. O Quinta da Canta me deixou curiosa! Valeu, Riq. Beijos.

Luciana Betenson

Que post legal smile Destes só conheço o Quintal da Bráz e o Mocotó. Preciso correndo ir aos outros. Que tal um post sobre comidas "étnicas" em SP? Tipo o chinês Chi Fu, o japonês Aska... estou agora numa fase étnica roots mesmo rsrs :-p

TAdeu Zanoni
TAdeu ZanoniPermalinkResponder

Atualizando o preço do táxi da estação Tucuruvi até o Mocotó: hoje, 26 de julho de 2011, 14 reais para ir, 13 para voltar. Estacionamento lá - 9 reais.
Vale a pena conhecer.

Paulete
PauletePermalinkResponder

Hmmm o arais do Carlinhos é d+!! Quando eu trabalhava na ZL eu sempre ia almoçar lá, agora me deu vontade de comer lá de novo!!

Cassia
CassiaPermalinkResponder

O Mocoto vale quelquer espera, aos sabados tem uma costelinha que eh de comer de joelhos. Uma dica : saia do Centro lah pelas 11:30, no maximo 12:30 vc estarah sentado e se deliciando com uma caipirinha e os famosos dadinhos. Va e comprove!!!

Giovanna
GiovannaPermalinkResponder

Adorei o post, pois muitos blogs com dicas de restaurantes e bares concentram muita atenção nos jardins. Eu acho isso muita injustiça, pois em outras regiões há ótimos restaurantes. Na Zona Norte, recomendo O Pescador (http://www.locamob.com.br/o-pescador-1/details) pra quem quiser comer um ótimo peixe e uma refeição bem servida sem gastar muito.

Phellipe
PhellipePermalinkResponder

Ricardo, adoro seu site e todas as reportagens, realmente devo agradecer pois em muitas viagens que fiz utilizei varias dicas e infos daqui.

Aproveitando o vasto conhecimento poderia me indicar um restaurante próximo a São Paulo com uma vista bonita, pode ser do mar, do campo ou até mesmo de são paulo. Abraco

Lenita
LenitaPermalinkResponder

São Paulo tem muitas variedades de restaurantes, vegetariano e indiano tem Gopala perto,da rua augusta, peixe e frutos do mar fresco o melhor de São Paulo a Peixaria em moema, na rua canário, pizza e massas Olea em pinheiros, italiano comida romana tem Petirroso na al. Lorena com Rebouças, poderia citar vários que valem muito conhecer.

Lenita
LenitaPermalinkResponder

O melhor restaurante de peixes frescos de São Paulo é A Peixaria da rua canário em moema, tem a peixaria na frente escolhe o peixe é pesado e segue para o Chef preparar, fantástico.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar