Sergipe: São João, São Pedro e São Francisco

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Barco de fogo, Estância (SE)

Eu e a minha boca grande. Faz alguns anos que eu recomendo o São João em Sergipe. Meu raciocínio: Aracaju é a única capital do Nordeste com tradição em mega festas juninas -- e por isso oferece a quem vem de fora muitíssimo mais facilidade de acesso, hospedagem e deslocamento com relação a Campina Grande, Caruaru ou o interior da Bahia. Além disso, a curta distância de Aracaju a praticamente todos os pontos de interesse no estado também funciona à perfeição nas festas juninas: forrómaníacos podem conferir o São João de cidades próximas na mesma viagem.

Esse raciocínio todo só tinha uma falha: era puramente teórico; eu nunca tinha estado no São João de Sergipe. Pior: nunca tinha ido ao São João de lugar nenhum. Por isso, quando o Carlos Nascimento, trip das antigas e ligado à Secretaria de Cultura de Sergipe e à Emsetur, me mandou um email convidando para comprovar na prática o que eu intuía teoricamente, não pude não aceitar.

E eis que, depois de quase 70 dias fora de casa, eu faço a inusitada rota Curaçao-Brasília-Aracaju e chego tresnoitado ao aeroporto Santa Maria no domingo, dia 26, às três da tarde. De lá, vamos praticamente direto para o Barco do Forró.

Acompanhe o meu épico junino sergipano dali até o dia 30.


Visualizar São João e São Pedro em Sergipe em um mapa maior

BOAS FESTAS

Nordestinos de todos os estados costumam descrever a época de São João como "o Natal do Nordeste". De fato. Substitua as luzinhas (made in China) por bandeirinhas (made por aqui mesmo) e você tem uma idéia do cenário. No front gastronômico, sai o panettone e entram todas as guloseimas possíveis feitas com milho e macaxeira. Faça regime antes de vir.

Nossa Senhora do Socorro (SE)

Na comparação com a outra grande festa de rua do Brasil -- o Carnaval e suas micaretas -- a diferença não está só no tipo de música que se ouve. As pessoas se arrumam para ir ao São João. Compram roupa nova e se perfumam. Só se fantasia quem vai dançar quadrilha. Chapéu, só de vaqueiro, pra compor aquele visual agroboy. Forró dos plays!

SOCORRO: FORRÓ SIRI

Forró Siri, São Pedro (SE)

Na própria noite de domingo fui conferir o Forró Siri, em Nossa Senhora do Socorro, na Grande Aracaju, a meros 15 km da capital (dependendo da rota que você escolhe, nem percebe que saiu da cidade). Ali tive o primeiro contato com um conceito desconhecido de um sulista urbano que nem eu: passado o 24 de junho, que é a celebração oficial de São João (a festa mais importante é na noite da véspera), o segundo turno das festas juninas é dedicado a São Pedro (comemorado dia 29). Isto faz com que festas como o Forró Siri possam se candidatar ao título de "Melhor São Pedro do Brasil" grin

Forró Siri, Socorro (SE)

Forró Siri, Socorro (SE)

A megafesta de Socorro acontece ao lado de uma cidade-dormitório (conhecida como Conjunto Siri, por isso o nome) e espelha o que acontece em outras cidades da Grande Aracaju, como Areia Branca (atualmente desativada por problemas com o Ministério Público) e Itaporanga d'Ajuda. A prefeitura banca, junto com patroinadores, a apresentação de grandes nomes do forró eletrônico. O povo não paga nada para assistir. É uma festa pro povão. Mas só ao chegar é que notei como eu, de bermuda e camiseta, estava inadequadamente vestido para a ocasião. Foi quando eu fiz pela primeira vez um comentário que seria recorrente nos dias seguintes: "Eita povo mais arrumado!".

Forró Siri, Socorro (SE)

Se não bastasse ir ao meu primeiro São João nordestino, naquela noite de Socorro ainda perdi uma segunda virgindade: vi Calypso ao vivo! Tome essa, Regina Casé!

CAPELA: FESTA DO MASTRO

São Pedro de Capela (SE)

Na programação original, iríamos a Capela (a 70 km de Aracaju) somente no dia 29, "o" dia de São Pedro, para participar da Festa do Mastro. Esqueça tudo o que eu disse sobre se arrumar pra festa junina: a Festa do Mastro é diurna e se caracteriza pelo povo se melar uns aos outros de lama. Quando não chove nesse dia, a prefeitura joga água na terra para os foliões fabricarem munição.

Capela (SE)Capela (ES)São Pedro de Capela (SE)

Um imprevisto poupou vocês de verem a minha roliça figura enlameada da cabeça aos pés. Foi o seguinte: o (folclórico) prefeito Sukita, de Capela, resolveu antecipar a Festa do Mastro deste ano para o domingo dia 26 -- sem o cuidado de avisar o establishment cultural sergipano. Perdida a ocasião, resolveu-se ir numa noite "comum" mesmo.

Capela (SE)

São Pedro de Capela (SE)São Pedro de Capela (SE)São Pedro de Capela (SE)

Entre as cidades interioranas, o São Pedro de Capela parece ter o maior poder de atração. Turmas de jovens alugam casas pela semana inteira (e batizam com nomes hilários), o que confere à cidade um clima meio Olinda no carnaval. Coincidentemente, eu tinha uma razão especial para estar ali: morei na cidade durante seis meses, quarenta e poucos anos atrás! (Meu pai, sergipano, foi ser gerente no Banco do Brasil da cidade.) Da nossa comitiva, eu era o único local grin

São Pedro de Capela (SE)

Quando chegamos, o maior nome da música pop sergipana -- Calcinha Preta! -- estava se apresentando. Mas parece que a atração mais esperada era uma certa Paula Fernandes (que vim a descobrir está famosíssima graças ao Roberto Carlos).

Marcelo Déda e Sukita

Fui apresentado ao governador Marcelo Déda (na foto, com Sukita) -- que começou a me seguir no Twitter no dia seguinte grin

Bom: eu não sou o Datafolha, mas se o grau do meu óculos estiver certo eu posso dizer que o maior São Pedro do Brasil de Capela é efetivamente maior que o maior São Pedro do Brasil de Nossa Senhora do Socorro...

ESTÂNCIA: BARCO DE FOGO, ESPADAS E BUSCAPÉS

São João de Estância (SE)

Na noite do dia 28, depois de um passeio de barco pelo estuário do rio Real, Ponta do Saco, Ilha da Sogra e Mangue Seco (sobre o qual vai ter post outro dia), fui ao mais encantador de todos os São Joões (e São Pedros) da maratona. Em Estância (90 km ao sul de Aracaju) encontrei a mistura mais equilibrada entre produção e tradição. Se você for passar o São João em Aracaju, não deixe de dar um pulinho até aqui uma noite.

São João em Estância (SE)

A diferença do São João de Estância é, literalmente, a pirotecnia. Exibições de espadas de fogo (mas não guerras de espadas, como na baiana Cruz das Almas) fazem parte da programação diária. Há também competições de buscapés. Mas nada é tão fascinante quanto os barcos de fogo, uma invenção local.

Barco de fogo em Estância (SE)

Trata-se de um bólido que usa rojões como turbinas para escorregar por um cordão invisível à noite. Um barco movido a fogos de artifício! Pense na poesia que tem nisso grin

Barco de fogo em Estância (SE)

Barco de fogo em Estância (SE)

Barco de fogo em Estância (SE)

Barco de fogo em Estância (SE)

Barco de fogo em Estância (SE)

Todas as noites os fogueteiros da cidade exibem quatro barcos de fogo ao público. É como um desfile-relâmpago de mini-carros alegóricos a jato! Totalmente hiper-mega-über-blaster espetacular.

Espadas de fogo em Estância (SE)

Depois se apresentam os manipuladores de espadas de fogo. O público mantém a distância para não se queimar.

Espadas de fogo em Estância (SE)

Espadas de fogo em Estância (SE)

As apresentações são feitas ao lado do arraial montado na praça principal da cidade. Ali o movimento também é grande: quadrilhas e grupos folclóricos se revezam todas as noites.

São João em Estância (SE)

São João em Estância (SE)

São João em Estância (SE)

O forródromo fica na saída da cidade. E além do tradicional palco para os mega-shows, tem uma arena onde acontecem as competições de fogos de artifício.

São João em Estância (SE)

São João em Estância (SE)

Tem campeonato de espadas, de buscapé -- e o mais aguardado: o campeonato de barcos de fogo. Taí um que eu não perderia por nada...

ARACAJU: ARRAIÁ DO POVO E FORRÓ CAJU

Aracaju: Arraiá do Povo

Já passava da meia-noite do dia 28 quando finalmente eu cheguei ao São João/São Pedro de Aracaju. Primeiro demos uma passadinha no Arraiá do Povo, um simpaticíssimo espaço montado na Orla de Atalaia que reproduz uma praça de cidade do interior.

Aracaju: Arraiá do Povo

No palco se apresentam todas as noites trios de forró tradicional pé-de-serra e quadrilhas. Foi pensado para turistas e para famílias: está perto dos hotéis, têm ênfase nas tradições juninas e espaço para dançar. Diversão garantida, sem perrengue.

Aracaju: Arraiá do PovoAracaju: Arraiá do PovoAracaju: Arraiá do Povo

Mas não deu pra ficar muito. Já estávamos em cima da hora pra pegar a apresentação de Elba Ramalho no Forró Caju.

Aracaju: Forró Caju

Armado no centro da cidade, ao lado do Mercado Municipal, o Forró Caju é um complexo com arraial (onde se apresentam os pé-de-serra), dois palcos (para megabandas), bares (que funcionam como camarotes particulares, alugando mesas) e camarotes (governamentais e dos patrocinadores). O acesso é civilizado -- e gratuito, como em todos os outros forródromos do estado.

Aracaju: Forró Caju

A madrugada de 28 para 29 no Forró Caju é cativa para o show de Elba Ramalho. Pro meu gosto, minha programação musical junina não poderia acabar melhor grin

Aracaju: Forró Caju

Aracaju: Forró Caju

Aracaju: Forró CajuAracaju: Forró CajuAracaju: Forró Caju

Para quem, como eu, não curte forró eletrônico, a combinação Arraiá do Povo + Forró Caju cai do céu: você curte o pé-de-serra com brisa na praia como default e programa idas ao Forró Caju quando se apresentarem Dominguinhos, Alceu, Zé Ramalho, Elba...

CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO: PRA LÁ DE BROGODÓ

Rio São Francisco

Terminei minha maratona junina em Sergipe no lugar em que você deveria terminar seu tour serigipano: em Canindé de São Francisco, porta de acesso ao cânion do Xingó e cenário da novela "Cordel Encantado", onde atende pelo nome de Brogodó.

Canindé de São Francisco

A última noite extrapolou todos limites de fofura. A turma da Silvia Oliviera, a superbatalhadora secretária de turismo da cidade, me levou para participar da festa do distrito de Curituba. Várias localidades de Canindé participam de um concurso de festas juninas: cada uma tem a sua noite.

Curituba, Canindé de São Francisco

Curituba escolheu o tema "Pra lá de Brogodó". A garotada se vestiu de personagens na novela -- todos com crachá da Globo para a devida identificação grin

Curituba, Canindé de São Francisco

Curituba, Canindé de São Francisco

As quituteiras locais levaram comidinhas para a praça.

Curituba, Canindé de São Francisco

No palco, em vez das bandas de fora das prefeituras ricas, o forró (excelente) de Sávio, um jovem sanfoneiro revelado na região.

Curituba, Canindé de São Francisco

Minha presença foi anunciada ao microfone ("o jornalista Ricardo Freire, do jornal Estadão!") e chamaram um repentista para fazer um repente em minha  homenagem.

Curituba, Canindé de São Francisco

Silvia Oliveira e Alzira Marques

Fui apresentado a dona Alzira Marques, a rainha do xaxado (quando garota, ela dançou com Lampião!) e convidado para a ceia nordestina na casa da mais famosa quituteira.

Curituba, Canindé de São Francisco

Pode isso?

Curituba, Canindé de São Francisco

Balanço final: tiraram o meu couro nesses quatro dias pra cima e pra baixo, mas valeu muito a pena. Além de confirmar a minha intuição sobre o São João sergipano, tive minhas expectativas superadas em inúmeros momentos. E voltei com mais carinho pela terra da ala paterna da minha família.

Curituba, Canindé de São Francisco

E quer saber? Eita povo mais arrumado!

Leia também:

Aracaju: forró pé-de-serra ao pôr do sol no Barco do Forró

Aracaju: pit stop para almoço no Mercado

38 comentários

Mariana - Hotel Querido Buenos Aires

Afe Maria, Riq. Amoooo Sao Joao. E sou Cruzalmense, sabia? Adorei ver Cruz das Almas, minha cidade natal e onde morei até os 14 anos, citada no texto smile Eu faço aniversário no 21 de junho, entao minhas festinhas sempre eram decoradas de bandeirolas e balao. Já toquei foi muita espada em Cruz!!! Sao Joao é uma festa maravilhosa, morro de saudade.

Eunice
EunicePermalinkResponder

Mariana. Este ano o Ministério Público proibiu as guerras de espada. Isso gerou muita polêmica. Alguns acham que é uma interferência indevida da lei na cultura popular; outros, concordando, já que o número de queimados graves caiu de mais de 300 para 90. Outro dia descobri que uma cidade chinesa do interior tem a mesma tradição de guerra de espada - assisti ao documentário na TV.

Deise de Oliveira

Riq! Minha ala parterna da minha família também é sergipana. Que legal! Mas eu sou uma filha desnaturada e ainda não visitei uma de minhas raízes. Sou doida para conhecer Canindé de S. Francisco e visitar a cidade que meu pai nasceu. Preciso fazer isso logo, já está ficando vergonhoso!

val
valPermalinkResponder

que post mais lindo!!!

Naila Soares
Naila SoaresPermalinkResponder

Riq, que fotos hein? Cada uma mais bonita do que a outra!
E quantas emoções...

Dani G.
Dani G.PermalinkResponder

Tu-do-de-bom !

Riq, menino ! Tava aqui viajando nas fotos, tudo lindo, tudo festivo, até que vi a foto da ceia nordestina. Babei ! Acho que nao tem pra hospitalidade do nordestino, nao é ?

nelma
nelmaPermalinkResponder

Quanta coisa deste Brasil que a gente não conhece... Lindas fotos e texto.

Mari Campos
Mari CamposPermalinkResponder

Que lindas fotos! Eu também preciso super perder a virgindade de um textos big São Joãos do Brasil - mas em termos de Calypso ao vivo acho que eu prefiro continuar virgenzinha da silva mrgreen

Sandrissima
SandrissimaPermalinkResponder

A-do-ro S João, mais que Natal! As últimas fotos parecem com as festas de Irará (BA), sem grandes atrações, forro pé-de-serra no palquinho do mercado, dançar de casa em casa e comer também... Ê saudades!
Realmente, Aracaju é 10 nessas coisas de S.João e S Pedro, com o bonus que a cidade limpa e urbanizada (muuuito melhor que SSA nestes quesitos), calma e clima maravilhoso nessa época.
Desvirginou-se com estilo... risos.

Eunice
EunicePermalinkResponder

É como eu gosto, Sandríssima. Forró sem grandes atrações. Fujo dos forrós "empresariais", com grandes atrações, a exemplo de Amargosa.

Marcia
MarciaPermalinkResponder

Riq, que post maravilhoso!! que inveja de vc nessa reta final, adoro Aracaju mas ainda não passei as festas juninas lá. Do ano que vem não passa.

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Riq, parabens pelo texto sou de Aracaju e voce descreveu muitissimo bem os festejos juninos do meu estado. Aproveitou muito bem sua estada por aqui. E esse post mostra mais uma vez o quao rico é o nosso país, ja q muitos preferem viajar para o exterior por mero status e perde de conhecer tambem a cultura do nosso riquissimo país.
abraços e volte sempre a nossa terrinha!!!

Vera Lúcia
Vera LúciaPermalinkResponder

Que fôlego!
Que festas lindas. Preciso voltar a Aracaju. Não tinha noçäo da animação dos sergipanos. Viva a diversidade brasileira!!!!

Eunice
EunicePermalinkResponder

Eita viagem danada de boa! É o mes dos santos festeiros. Dia 1/6 começam as trezenas de Santo Antônio, que culminam na festa 13/6. Depois, São João e São Pedro. Aqui, esticamos com as festas da Independência - 2 de Julho. Adorei seu olhar clínico para o vestuário - "eita povo arrumado". No interior do Nordeste as vendas de roupas no período de São João são maiores que no Natal.

Viajante Oficial

Parabéns a Ricardo Freire por mostrar tanta coisa bonita em lugares tão pouco divulgados. Conheço bem a região e indico: VALE MUITA VISITAR.

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Não sei se já disse isso aqui em algum lugar, mas quando cheguei na Bahia a maior surpresa que eu tive foi com o São João, muito mais que Carnaval.

A festa movimenta a economia da região nordeste toda, é muuuuito lucrativa e estratégica para pequenos e grandes empresários, os prefeitos e demais autoridades públicas aproveitam para fazer muuuita política, o povo em geral aproveita para retornar a suas raízes no interior...e é uma das épocas em que os shoppings centers mais vendem! De fato, todo o mundo quer estar bonito e arrumado no São João!

Eunice
EunicePermalinkResponder

Adri. Salvador, nem de longe, tem um São João como de Aracaju. Aqui, o melhor programa é pegar a estrada e ir para o interior. Não sei de onde os jornais tiram esses números, mas li que esse ano 800.000 soteropolitanos viajaram para o interior no São João.

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Eunice, acho que esse número está errado - deve ter saído bem mais gente, hehehe!!!!

Sergio Araujo
Sergio AraujoPermalinkResponder

Caro Ricardo,

Poucas vezes li um texto tão bem escrito e melhor dizendo descrito sobre um destino como o seu: poetico, sincero e fiel ao que presenciou, Sergipe é exatamente isso, apaixonante como seu texto e digo mais todos os 75 municipios do estado fazem essa linda festa ao longo de todo mês de junho.
Aracaju nossa capital com a melhor qualidade de vida do Brasil não tem esse titulo atoa a mais de 5 anos (dados do IBGE), sou baiano morano em Aracaju a 15 anos, apaixonado por essa cidade e um divulgador dessa terra maravilhosa.
Gostaria de saber se posso reproduzir seu texto e fotos em nosso site.

Ricardo Freire

Olá, Sergio! Fique à vontade para reproduzir o texto no seu site. Só lembre de mandar um link pra cá grin

Wanessa
WanessaPermalinkResponder

Adorei o relato sobre as festas de Aracaju. Eu nem sou muito ligada em São João, mas é sempre emocionante ver um relato bonito como esse de uma festa que tem tanto a ver com as minhas origens.
Ah! E aqui o povo "se arruma" MESMO pra ir às festas, acho que se vende mais roupa nessa época do ano do que no Natal e no Ano Novo! smile

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

Ô, Riq, q vc me levou às lágrimas agora com esse texto. De saudade da minha avó, que era de Aracaju (e adorava as comidas juninas) e das férias que eu sempre passava na varanda da casa dela na Atalaia Velha, ouvindo suas histórias dos nossos antepassados... Lendo seu texto, não deu pra não lembrar dos "causos" da minha avó, das aventuras que ela contava do São João. (E São Pedro, as novenas, as festas na rua...)

Obrigada de coração por mais esse momento, querido. Lindo mesmo.

André Carvalho

Olá Ricardo, quero expressar aqui os meus sinceros agradecimentos. Como sergipano, fiquei emocionado com a sua cobertura dos fetejos juninos no pequeno notável Sergipe, e a maneira irreverente como você descreveu suas "aventuras" nos principais municípios realizadores do São Pedro. Parabéns, volte sempre... O Estado te receberá sempre de braços abertos.

André Carvalho

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

Riq, parabéns pelo post. Me encantei com tudo, deu pra sentir um pouquinho da alma nordestina pelo post, um povo alegre e gentil, que sempre recebe muito bem e mantém suas tradições. Fiquei maluca para levar minhas meninas para esse são joão, são pedro, etc...confesso que não imaginava ser tão lindo.

Paula Bicudo
Paula BicudoPermalinkResponder

E também quero um chapéu de cancageiro. Ficou lindo em você!

Ernesto, o pato

Muito bonito o texto, é mais um pedaço do Brasil que não conheço, e gostaria de conhecer.

´Plácido Lyra

Que maravilha ter a oportunidade de ver estampado no seu site, altamente espacializado, coisas de nossa querida terra Sergipe. O seu texto simplesmente repassa o que temos de melhor, a alegria das nossas festas e a hospitalidade de nossa gente. Acertou o Governo ao lhe convidar. Parabéns e volte sempre aos nossos festejos juninos, unicos e tradicionais!

Denise
DenisePermalinkResponder

Oi Ricardo!

Vi seu texto sobre Aracaju e o São João, que ótimo! Eu e meu marido mudamos a pouco para a cidade e foi graças ao post que conhecemos o restaurante Caçarola, que delícia!Adorei descobrir um lugar tão gostoso no mercadão.

Ah, não deixa de falar sobre Mangue Seco? Queremos ir lá pra conhecer. Um abraço!

Carmen
CarmenPermalinkResponder

Linda festa! Brasil é enorme. Existe uma grande diversidade de pessoas e paisagens! Beleza!

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Riq, adorei o post, deu vontade de voltar a Aracaju, mas nessa época.

Silvio Oliveira

Olá Ricardo Freire, adore as fotose textos do meu querido Sergipe. Tenho um blog de turismo hospedado no Porta Infonet e me apaixonei por essa nova ferramenta de comunicação.
www.infonet.com.br/silviooliveira

Silvio Oliveira

Adorei as fotos

Sylvia Mendonça - São Paulo

Ricardo assisti sua palestra hoje e fiquei encantada contigo relatando sobre as festas de junho no Sergipe, e agora lendo e vendo as imagens no site meus olhos brilharam mais ainda.Quero aproveitar e te indicar, já que hoje tu prometestes no próximo ano fazer Brasil, o interior é o máximo fui a uma festa em Barbalha, uma cidade do Cariri Cearense, que tem uma festa para Santo Antônio que é massa demais, vale a pena conferir, o povo muito hospitaleiro próxima a Juazeiro do Norte, além do que na região tem até Serra,se puder confira e depois me conta.Parabéns pelo seu conhecimento e pela humildade de passar coisas tão maravilhosas para as pessoas isso é uma dádiva.Um forte abraço.Sylvinha

Carlos Nascimento

Caro Riq, há coisas que soam com um sinal. Na última sexta entrei no VnV para deixar uma mensagem neste post, mas desisti por estar muito triste e postei na Charada da 6ª, e após ver a chamada na página inicial me convenci que deveria registrar aqui a minha homenagem à, como você mesmo disse, superbatalhadora Sílvia Oliveira, que na última sexta-feira fez check-out desta vida, mas que mesmo sabendo que o seu estado de saúde se agravava após 6a nos de batalha, não se deu por vencida e trabalhou até o fim para que Canindé de São Francisco tivesse festejos juninos que superassem a tristeza da seca que se abate sobre a região. Nestes festejos a luz de Silvinha ilumina os arraiás de Sergipe que ela tanto amava.
Mas os festejos não podem parar, e Sergipe vive intensamente o clima de São João, com barcos de fogo e barcos do forró, quadrilhas juninas, batucadas, pisa pólvora, "esquenta mulher", bacamarteiros, espadas, fogos, fogueiras, forró e muita comida típica. E ainda por cima pode-se aproveitar que a chuva não deu as caras neste inverno e ir à uma praia diferente a cada dia para se recuperar da noite de festa, ou mesmo aproveitar uma das inúmeras atrações que Sergipe oferece, todos os trips são nosso convidados.

Carmélia Nery

Desde que vi você falando e escrevendo sobre o São João de Sergipe que alimentei o desejo de conhecer esta festa, ou seria festas? Agora estou aqui, cansada, meio sonolenta mas encantada com tudo que vi, vivi e experimentei. Mas o sol brilha forte e vou poder pegar uma praia (bendito Ricardo Freire que me apontou a diferença entre lugar que tem somente a festa e lugar que tem um monte de atrações além da festa).
Mas o que mais me encantou não foi o Arraiá da Orla com a quadrilha junina, nem o sensacional show de Dominguinhos no Forrócaju, o que me encantou foi encontrar em uma capital o clima de festa, pessoas na porta de casa com fogueiras acesas, crianças vestidas de caipira, fogo de artifícios, hotéis, bares, bancos e até as casas decoradas, como disse você é um Natal sem as luzinhas.
Outra coisa que cama atenção em Aracaju é a limpeza e organização da cidade. A gente chega no mercado no dia seguinte à festa e está tudo limpo, as ruas são limpas.
Mas se a cidade é arrumada o povo que vai na festa é mais arrumado ainda, com diz você "o povo mais arrumado", dava para saber claramente quem era turista e quem era local pela maneira que estava arrumado, e eu toda simplezinha no meio de uma mulherada arrumada, maquiada.
Só tenho a agradecer pela dica, agora já sei como escapo do inverno.

Sandra França Nascimento

Oi Riq, adoro viajar e sempre visito seu blog em busca de informações sobre os destinos que pretendo conhecer, mas dessa vez, movida pela curiosidade despertada por um post no facebook sobre o "pantanal sergipano", resolvi pesquisar sobre a minha terra: Sergipe. Fiquei emocionada como você descreveu tão bem a nossa maior festa!
Sou estanciana, e aprecio o São João autêntico da minha terra: com queima de fogos, comidas típicas regadas a licores das mais variadas frutas, animados com o forró "pé de serra" e o nosso surpreendente barco de fogo!!!
Muito obrigada pelo post encantador!!! O nosso São João foi enaltecido por suas palavras, e o nosso povo recebeu de volta todo o carinho que lhe foi dispensado em sua visita!!
PS: já é tempo de planejar uma nova visita! te esperamos em breve!

Daniele AG
Daniele AGPermalinkResponder

que texto! que cultura! que comidas boas!
adorei como sempre!
e já resolvi qdo for conhecer o São João não vou pensar duas vezes...

Bianca Fernandes

Que saudade de Aracaju, cidade que morei 22 anos!!! As festas juninas de Sergipe são imbatíveis!!!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar