Miniguia: Chapada Diamantina

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Chapada Diamantina

Morro do Camelo visto do Vale do Cercado, perto de Lençóis

Quem começa a estudar a Chapada Diamantina logo se dá conta de que... não vai dar conta. É difícil tirar férias longas o suficiente para acomodar tantas cachoeiras, grutas, poços, riozinhos, trekkings e cidadezinhas pitorescas numa viagem só.

Mas não se preocupe. Se a Chapada Diamantina for o seu número, você vai voltar outras vezes.

Numa primeira incursão, escolha a base que proporcione as experiências que mais se encaixam com o seu perfil, eventualmente complementando com um ou dois pernoites numa segunda base, num ponto oposto do parque.

Dispondo de uma semana (ou mais), você pode fazer um circuito com até três bases.

Se estiver de carro, é muito fácil rodar a Chapada Diamantina por conta própria; você só vai precisar aderir a grupos nas trilhas.

Sem carro, e querendo ticar todo o "best of" numa semana, o melhor é montar ou encaixar-se num dos pacotes "volta à Chapada" das agências de ecoturismo, como Venturas (que tem uma filial local), Freeway, Volta ao Parque, Nas Alturas, Fora da Trilha, Terra Chapada e Chapada Adventure. Assim você garante 100% de aproveitamento do seu tempo, sem perrengues logísticos.

Ainda não estive na parte mais ao sul da Chapada Diamantina (região de Rio de Contas), por isso não está contemplada neste post.

Pantanal de Marimbus

Pantanal de Marimbus

Quando ir à Chapada Diamantina?

Não existe época desaconselhável para a Chapada Diamantina. As chuvas de verão (novembro a janeiro) podem enlamear as trilhas, mas deixam as cachoeiras mais caudalosas. Entre março e maio, passadas as chuvas de verão, você vai encontrar a Chapada mais verde; e entre maio e setembro, dificilmente vai pegar alguma chuva. O meio do ano -- entre maio e setembro -- é também a época em que, nos dias claros, as grutas Azul, do Poço Azul e do Poço Encantado recebem a incidência de raios de sol que deixam suas águas azuladas.

LENÇÓIS | Chapada Diamantina sem esforço

LençóisRua da BadernaSerrano, Lençóis

Igreja do Senhor dos Passos | Rua da Baderna | Serrano

Capital turística da Chapada Diamantina, Lençóis é a base perfeita para quem quer ver muito e se cansar pouco. O layout é de cidadezinha histórica mineira, mas o astral é definitivamente baiano. Os 12 km que separam a vila da BR 242 garantem a tranqüilidade do lugar: Lençóis não é ponto de passagem. Todas as agências tem lojinhas próximas umas às outras, abertas até a hora do jantar, o que facilita se encaixar nos passeios para o dia seguinte. Nas férias a cidade costuma lotar; fora de temporada, tem a animação na medida certa (é mais animada no dia de chegada dos vôos e no dia seguinte, antes de parte dos recém-chegados sair para outras bases).

Passeios a partir de Lençóis

Vista do Morro do Pai Inácio

Vista do alto do Morro do Pai Inácio

O cartão-postal da região -- a vista do Morro do Pai Inácio, a 30 km pelo asfalto -- é o melhor programa para o dia da sua chegada, ao entardecer.

Estalagmites e estalagtites na gruta da Torrinha

Acredite se quiser: um Morro do Pai Inácio esculpido pela natureza na Gruta da Torrinha

Outros passeios, de meio dia ou dia inteiro, conduzem a um elenco superdiversificado de atrativos. A estrada em direção a Palmeiras leva a grutas (a mais impressionante -- e que requer mais esforço físico -- é a da Torrinha; a mais light, a Lapa Doce; a mais farofa, a da Pratinha, onde dá para fazer flutuação) e ao rio Mucugezinho, onde dá para tomar banho no Poço do Diabo e fazer tirolesa.

Na direção do aeroporto, uma estrada de terra leva a tesouros de inscrições rupestres (na Serra das Paridas) e à Cachoeira do Mosquito (1h de trilha para ir e outra para voltar).

Pegando a estrada para Mucugê visita-se os poços Azul e Encantado (é possível passar em Igatu antes de voltar).

Uma estradinha de terra leva ao povoado de Remanso, de onde você passeia de canoa pelo Pantanal de Marimbus até a cachoeira do Roncador.

Serra das ParidasSerra das Paridas

Serra das Paridas e suas inscrições rupestres

Saindo a pé do centrinho (sem guia), depois de dez minutos ao longo do córrego você chega ao Serrano, um ponto ótimo para tomar banho, em piscinas represadas nas pedras: é a prainha de Lençóis. De lá dá para continuar até o Salão de Areias Coloridas.

Há também trilhas que levam a cachoeiras nos arredores da cidade; basta sair com um guia. (Quem quiser ir ao Morro do Pai Inácio com esforço também pode: dá para ir caminhando, numa trilha total de 15 km.)

Entre os passeios mais famosos, a base em Lençóis prejudica a Cachoeira da Fumaça, no Vale do Capão (que deve ser iniciada o mais cedo possível no dia, para pegar sol menos forte) e meio que invabiliza a cachoeira do Buracão (que requer pernoite em Mucugê ou Igatu).

Onde ficar em Lençóis

Canto das Águas

Canto das ÁguasCanto das Águas

Canto das Águas

No quesito hospedagem, Lençóis tem dois endereços especialíssimos: o hotel Canto das Águas, dos meus amigos Catan e Yasmin, que combina charme rústico com conforto e serviço de hotel de luxo (em apartamentos de vários tamanhos, dos compactos até uma suíte de lua de mel, com Jacuzzi para casal), e a Estalagem do Alcino, uma autêntica pousada de autor.

Estalagem do Alcino

Estalagem do AlcinoEstalagem do Alcino

Estalagem do Alcino

Os dois lugares já põem você em modo slow. O Canto das Águas, por causa do som da correnteza do rio Lençóis (que passa ao lado), da piscina irresistível debruçada no rio e também do bem-montado spa. E a Estalagem do Alcino, pelo melhor café da manhã do Brasil, que torna impossível levantar da mesa antes das 9h30 ou 10h... Outras boas opções na cidade: o Hotel de Lençóis (com boa estrutura, na parte alta da cidade) e as pousadas Vila Serrano e Casa da Geléia.

Onde comer em Lençóis

Os Artistas da MassaTaquitos & BurritosCozinha Aberta

Gnocchi n'Os Artistas da Massa | Vista do Taquitos | Pad thai no Cozinha Aberta

Lençóis é também o vilarejo da Chapada Diamantina que melhor trata você à mesa. O padrão é alto, tipo Paraty ou Tiradentes. Restaurantes como Azul (no Canto das Águas) e Cozinha Aberta servem cozinha contemporânea (e ainda revisitam receitas regionais com leveza). A Rua da Baderna funciona como um corredor gastronômico; os grandes destaques são dois restaurantes de chefs italianos, Os Artistas da Massa e a Pizzaria da Gente (onde você come no balcão, com a mão). Na transversal Rua das Pedras, a Fazendinha & Tal tem uma grande coleção de cachaças curtidas (a batida de coco é de fazer um estoque e levar pra casa) e serve um elogiado filé alto (para duas pessoas) quando encomendado com 24 horas. Fora do miolinho, o Absolutu serve boas massas num ambiente chamoso. À beira-rio, o mexicano Burritos y Taquitos Santa Fé não desaponta a gringaiada. Se estiver na cidade na hora do almoço, faça como todo mundo e aproveite o bom quilo d'O Bode.

Complementando Lençóis

Se quiser ir à Cachoeira da Fumaça, é mais cômodo programar um pernoite no Vale do Capão (você pode passar pelas grutas de Torrinha e Pratinha na ida). Para ir à Cachoeira do Buracão, programe dois pernoites em Mucugê ou Igatu (dá para rentabilizar os trajetos fazendo o Pantanal de Marimbus na ida e os poços Encantado e Azul na volta).

Como chegar a Lençóis

A Azul voa às quintas e domingos a Lençóis, a partir de Belo Horizonte (2h de vôo) ou de Salvador (1h de vôo), em turboélices ATR 72. Passsageiros vindos de São Paulo ou Rio de Janeiro têm conexões mais convenientes via BH. O aeroporto de Lençóis está a 20 km da cidade; táxis cobram R$ 60 pelo traslado.

De Salvador dá pouco mais de 400 km. A Real Expresso faz o trajeto em 7 horas (há ônibus noturno nas duas direções).

De Salvador a Lençóis

De Salvador a Lençóis, via Ipirá

De carro desde Salvador, o melhor caminho é via Ipirá. Saia pela BR 324 (totalmente duplicada) até o entroncamento com a BR 116, imediatamente antes de Feira de Santana. Logo depois de pegar a BR 116 na direção sul, fique atento para a saída para a BA 052, que vai a Ipirá.

Saída para Ipirá

Entre na BR 116, mas fique ligado na saída para a BA 052 a Ipirá

Em Ipirá, saia para a BA 488, que vai a Itaberaba. Em Itaberaba você pega a BR 242 à direita (oeste). Este caminho permite que você evite o trânsito pesado de caminhões tanto da BR 116 quanto de boa parte da BR 242 (por onde escoa a safra do Centro Oeste em direção ao Nordeste).

A cidade de Seabra, a 70 km, é o local de baldeação para quem vem de ônibus de Brasília (pela Real Expresso, 15 horas de viagem) e São Paulo (pela Emtram, 40 horas de viagem). De Seabra siga a Lençóis pela Real Expresso.

Bancos em Lençóis

Há uma agência do Banco do Brasil e um correspondente bancário do Bradesco. (O Banco 24 Horas e o Itaú mais próximos estão em Itaberaba, a 130 km pela BR 242.) Os estabelecimentos que não aceitam cartão costumam aceitar cheques.

VALE DO PATI | Chapada Diamantina para andarilhos

Vale do Pati

Vai encarar?

Se Lençóis permite que a Chapada Diamantina seja aproveitada até por sedentários convictos, o Vale do Pati é o playground de quem quer desbravar o coração da Chapada com as próprias pernas. A recompensa são panoramas que só quem se embrenha pelos confins do parque poderá registrar.

Antes de se tornar parque, o vale foi uma região cafeeira e posteriormente serviu como pasto para gado durante a estação seca. As trilhas percorridas pelos visitantes são os caminhos assentados pelos moradores ao longo de um século.

O que faz o trekking no Pati uma experiência única é a mistura de paisagens estonteantes (encostas recobertas por mata atlântica em todas as direções; riozinhos e cachoeiras a granel) com a cultura do lugar. Você se hospeda nas casas dos patizeiros e experimenta a deliciosa e farta cozinha da roça nas três refeições.

Um guia -- muitas vezes, nativo -- acompanhará você durante todo o percurso. As agências de ecoturismo (listadas no início do post) e as pousadas têm os contatos e as referências -- e resolvem toda a logística (trânsfers e eventuais passeios combinados pré e pós-trekking, como a Cachoeira da Fumaça e os poços Azul e Encantado).

Os roteiros mais completos levam 5 dias; começam no Capão (70 km de Lençóis) e terminam em Andaraí (120 km de Lençóis). Há roteiros menos puxados, de 3 ou 4 dias, com volta por Guiné (80 km de Lençóis), evitando assim a subida final da Ladeira do Império (um trecho da Estrada Real) até Andaraí. A cachoeira do Funil, o mirante do Cachoeirão (o mais impressionante da Chapada Diamantina) e a subida (bastante puxada) ao Morro do Castelo costumam estar presentes em todos os roteiros.

Alternativas ao trekking ao Vale do Pati

Para quem não tem tempo para (ou acha que não vai curtir) o trekking completo, mas quer ao menos ter uma visão do Vale, a pedida é fazer a caminhada Capão-Guiné, de sete horas, que leva até um mirante belíssimo (quem sabe você se anima para descer na próxima vez...).

Campos GeraisMirante Rampa do Pati

Caminhada de Guiné ao Mirante da Rampa do Pati

Como eu estava de carro, a Venturas me sugeriu (e organizou) uma caminhada mais enxuta, de quatro horas, de Guiné ao (deslumbrante) Mirante da Rampa do Pati; eu vim de Mucugê (minha base anterior, 45 km de terra), estacionei em Guiné (onde me reuni ao guia), fiz a caminhada (com uma subida puxada, de 50 minutos), voltei ao carro e segui ao Capão (38 km de terra), minha base seguinte.

Quem se dispuser a caminhar o dia inteiro (o percurso ida e volta pode levar 10 horas) pode fazer, com guia, a caminhada de Guiné ao Cachoeirão.

Onde ficar em Guiné

Querendo começar (ou terminar) o trekking no vilarejo de Guiné, ou ainda pernoitar para fazer a caminhada simplificada até a Rampa do Mirante do Pati ou a caminhada ao Cachoeirão, fale com o Edinho (email aqui, tel. 75/3338-7013), que tem uma pousada novinha no único casarão histórico da vila.

VALE DO CAPÃO | Chapada zuzobem

Vale do Capão

Vila do Capão

O nome oficial do distrito é Caeté-Açu -- mas todo mundo conhece como Vale do Capão (ou simplesmente Capão). É o único dos destinos da Chapada Diamantina que não tem status de vilarejo histórico. A vila consiste praticamente de uma rua e uma praça. As pousadas, porém, se espalham num raio de 10 km, antes e depois do centrinho. O barato aqui está no contato mais próximo possível com a natureza; por isso tantas pousadas estão no meio do mato ou em pontos com vistas privilegiadas para as montanhas. É, sem dúvida, o enclave mais ripongo da Chapada (Lençóis, na comparação, fica totalmente coxinha).

O celular não pega, mas há bom wi-fi na região (a lanhouse da praça é um dos points da vila; você pode comprar tempo e usar nas redondezas a qualquer hora: o roteador fica ligado mesmo quando a lanhouse está fechada).

Em julho acontece o bem-organizado Festival de Jazz do Capão; as datas são confirmadas sempre em meados do primeiro semestre.

Passeios a partir do Vale do Capão

FumaçaRiachinho

Mirante da Cachoeira da Fumaça | Riachinho

As agências do centrinho anunciam no quadro negro os trekkings que vão sair nos dias seguintes -- caminhadas que levam à Cachoeira da Fumaça (uma das atrações top da Chapada, 5 horas de caminhada), ao Poço da Angélica e à Cachoeira da Purificação, ao Poço do Gavião e à Cachoeira do Rio Preto. O Morro do Pai Inácio também é acessível por trilha (18 km).

A prainha do Capão é o Riachinho, a 5 km na direção de Palmeiras. Você pode tomar sol nas pedras, aproveitar a cachoeira e a piscina naturalmente represada.

O Vale do Capão é também o ponto de partida para o trekking do Vale do Pati (veja acima). Quem quer só ter um gostinho (e a vista do Vale) pode se encaixar numa caminhada do Capão a Guiné (são 7 horas de trilha).

Na cidade, fique atento à programação do Circo-Escola do Capão, que tem uma tenda na estradinha do centro para a Vila do Bomba.

Onde ficar no Vale do Capão

No centrinho, a Pé no Mato está próxima aos restaurantes e à praça (a espartana O Tatu Feliz é a alternativa central mais econômica). A Vila Esperança está a menos de 10 minutos de caminhada (com uma subidinha).

Pousada do CapãoLagoa das Cores

Pousada do Capão | Villa Lagoa das Cores

A menos de 10 minutos de carro na direção da mata, a Pousada do Capão combina proximidade na natureza com uma vista belíssima para as montanhas; um riozinho corre nos fundos do terreno, servindo de piscina. As acomodações vão do básico (os compactos apartamentos "standard") ao luxuoso (chalés espaçosos para até 4 pessoas), com várias opções intermediárias de bom custo x benefício. Mais embrenhada na mata, a Pousada Candombá tem quartos privativos e coletivos e está bem localizada para iniciar caminhadas. Quem busca uma pousada fofa-romântica-careta vai gostar da Villa Lagoa das Cores, 3 km antes da cidade. A vista é linda; há uma boa piscina e um pequeno spa.

Onde comer no Vale do Capão

Pizzaria Capão GrandePizzaria Capão Grande

Pizzaria Capão Grande

Ninguém sai do Capão sem ir ao menos uma vez à Pizzaria Capão Grande, que não tem placa na porta (fica na lateral da igreja) e serve apenas duas pizzas, de massa integral: uma salgada (vegetariana, com queijo e legumes) e outra doce (de banana), que devem ser acompanhadas pela deliciosa pimenta curtida no mel (feita lá mesmo). Eu comi superbem também em outro restaurante natureba, a Vovó Lina (no início da estradinha para a vila do Bomba), tocado por um casal superjovem de argentinos (comida baratíssima, com pratos novos diariamente). Na praça, o Raio da Lua é de uma italiana que prepara massas ótimas (e vegetarianas); recomendo o spaghetti integral ao pesto. Ainda no centrinho, a Dona Beli serve comida caseira regional (experimente o godó de banana, um ensopado de carne com banana verde). Para jantar com requintes urbanos, reserve o Arômata, na Villa Lagoa das Cores, o Candeia, na Pousada do Capão, ou a Casa das Fadas, que tem linda vista do salão e da varanda.

Como chegar ao Vale do Capão

O Vale do Capão está a 70 km de Lençóis -- e a 74 km do aeroporto. A corrida de táxi é negociada; os taxistas costumam pedir R$ 2 por km (ou R$ 150).

Os ônibus da Rápido Federal/Real Expresso que vão a Lençóis seguem até Palmeiras, a 18 km do Capão. Lá há vans que fazem o trajeto ao Vale do Capão, coordenado com a chegada dos ônibus. Você também pode contratar esse trânsfer com a sua pousada.

Vindo de carro de Salvador (450 km), siga as instruções dadas mais acima, no capítulo Lençóis, para vir por Ipirá.

Quem quiser vir de ônibus de Brasília (Real Expresso) ou São Paulo (Emtram) deve comprar passagem até Seabra (39 km de Palmeiras) e seguir de ônibus local a Palmeiras e então van.

Bancos no Vale do Capão

Não há agências no Vale do Capão, mas agora há um mercadinho na vila que permite saques do Bradesco. A agência copleta mais próxima é a do Bradesco de Palmeiras. Seabra (57 km) tem Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Itaberaba (183 km) tem agência Itaú. Os estabelecimentos que não aceitam cartão normalmente aceitam cheques.

IGATU | Chapada descolex

IgatuIgatu

Igatu

Xique-Xique de Igatu é o vilarejo perdido da Chapada Diamantina. Um caminho de pedras, resquício do tramo da Estrada Real que ligava a Chapada Diamantina a Ouro Preto, leva à mais fotogênica das cidadezinhas do circuito -- e a única que está dentro dos limites do parque nacional. Seus muros e casas de pedras (algumas restauradas, outras em ruínas) lhe renderam o apelido "Machu Picchu da Chapada" -- mas eu juro que achei alguns ângulos muito parecidos com cidades de pedra da Provence, como Gordes...

Galeria Arte & MemóriaIgatu

Galeria Arte & Café

Há um largo, uma praça e então uma subida que leva às ruínas das casas dos garimpeiros. A vila termina na Galeria Arte & Memória (R$ 2), um museu a céu aberto que exibe artefatos e imagens da época da mineração. De lá você pode descer até a singela Igreja de São Benedito, de onde basta seguir reto para voltar ao centrinho.

IgatuIgatuIgatu

Igatu

Fora de temporada Igatu é bem paradinha. Em janeiro, julho e no Carnaval, porém, é um ímã de descolados.

Passeios a partir de Igatu

Poço AzulPoço Encantado

Poço Encantado | Poço Azul

A cidadezinha é uma boa base para ir, de carro, aos poços Encantado (30 km; R$ 15; chegue antes das 11h) e Azul (40 km de Igatu, 25 km do Poço Encantado; R$ 20; chegue entre 12h30 e 15h).  Mucugê, com seu Museu do Garimpo e seu Cemitério Bizantino, está a 22 km. A sede do município, Andaraí, tem um bonito centro histórico (e a ótima sorveteria Apollo), a 15 km.

AndaraíAndaraíAndaraí

Andaraí

Igatu é um bom ponto final para um passeio de canoa pelo Pantanal de Marimbus. Saindo de Lençóis você é deixado no povoado de Remanso, a 18 km, onde começa a travessia em canoa, com dois canoeiros, por uma área alagada com rica vegetação. Depois de duas horas de passeio você é buscado num ponto a 5 km de Andaraí (20 km de Igatu). O passeio também pode continuar até a Cachoeira do Roncador.

A cachoeira mais gostosa da Chapada, o Buracão (leia mais no tópico de Mucugê), está a 110 km (últimos 28 km, de terra).

A pé, chega-se à Rampa do Caim (belo mirante para o Vale do Pati, 2 horas de caminhada/ida), às cachoeiras do Córrego do Meio (20 minutos/ida), Califórnia (1 hora/ida), e ao circuito 3 Barras-Biquinho-Cristais (2 horas e meia/ida).

O Garimpo do Brejo, uma mina de diamantes desativada, aberta a visitação, está colada à cidade (R$ 5).

Onde ficar em Igatu

Pedras de IgatuArt Cristal

Pedras de Igatu | Art Cristal

A pousada mais bem estruturada é a Pedras de Igatu -- mas fora das férias, só abre quando há grupos. Bem na praça central, o Art Hotel Cristal de Igatu tem um simpático bar-pizzaria anexo. A Hospedagem Flor de Açucena , na entrada da cidade, é mais integrada à natureza.

Andaraí, a 15 km, também tem pousadas, como a Sincorá e o Hostel Donanna (que tem quartos coletivos e privativos, com banheiro compartilhado) e a Pousada Andaraí.

Onde comer em Igatu

Xique XiqueÁgua BoaGodó

Carne acebolada no Xique-Xique | Água Boa do Neo e seu godó

Você encontra ótima comida regional no Restaurante do Neo/Água Boa e também no Xique-Xique. A pousada Cristal de Igatu tem chope e pizza. Os bares da praça têm boas cachaças curtidas.

Como chegar em Igatu

Igatu está a 100 km do aeroporto de Lençóis; os taxistas costumam cobrar R$ 2 por km, o que daria R$ 200. Desde o centrinho de Lençóis, são 120 km.

A Águia Branca faz a rota de ônibus de Salvador até Andaraí (15 km), num trajeto de 7 horas.

Vindo de carro de Salvador, são 460 km; o melhor caminho é via Ipirá (veja no tópico Lençóis).

Bancos em Igatu

Os bancos mais próximos são o Bradesco em Andaraí (25 km) e o Banco do Brasil em Mucugê (22 km).

Mucugê | Chapada do sossego

Mucugê

Mucugê

Na ponta sul do circuito básico da volta ao parque, Mucugê é uma cidade de três ruas que se mantém preservada graças ao fato da estrada passar por fora, contornando a vila.

Cemitério Bizantino

Aqui fica a atração mais insólita da Chapada, o curioso Cemitério Bizantino (nome oficial: Cemitério Santa Isabel), construído durante o ciclo do diamante, que parece uma cidade miniatura só de igrejinhas.

Passeios a partir de Mucugê

CachoeirãoCachoeirão

Buracão

Mucugê é a melhor base para ir à Cachoeira do Buracão, a 98 km. O asfalto vai até a cidade de Ibicoara (70 km); lá, é preciso contratar um guia da associação local (R$ 50 para uma pessoa, R$ 70 para duas, R$ 90 para três) e rodar mais 28 km em estrada de chão. O ingresso custa R$ 3. Você caminha uma hora até chegar a um poço, onde precisa vestir colete salva-vidas. Então começa a parte mágica do passeio: flutuar por um desfiladeiro inundado, que desemboca numa cachoeira de 90 metros de queda. Na minha opinião, é o passeio mais bonito e emocionante da Chapada; não deixe de fazer.

Museu do GarimpoMuseu do Garimpo

Museu Vivo do Garimpo

5 km antes de chegar em Mucugê (vindo de Andaraí/Igatu), o Museu Vivo do Garimpo funciona como uma aula sobre o ciclo do diamante na Chapada.

O vilarejo sui-generis de Igatu está a 25 km.

Dá para rentabilizar o caminho desde/para Lençóis visitando os poços Encantado (38 km; R$ 15; chegue antes das 11h) e Azul (60 km de Mucugê, 25 km do Poço Encantado; R$ 20; vá entre 12h30 e 15h).

Há várias trilhas a cachoeiras para escolher. A mais procurada é a Três Barras e Cristais (2h30/ida). Trilhas mais fáceis levam às cachoeiras dos Funis (5 km), Sibéria (5 km) e Tiburtino (menos de 2 km). Há pontos de banho no Rio Paraguaçu aonde se chega de carro ou a pé.

Mucugê também pode ser o ponto de saída para trilhas de um dia pelo Vale do Pati a partir de Guiné. Eu fui de carro até Guiné (45 km de terra), onde me juntei ao guia e fiz a caminhada até o Mirante da Rampa do Pati (4 horas para ir e voltar). De lá continuei ao Vale do Capão (38 km de terra).

Onde ficar em Mucugê

Monte AzulRefúgio da Serra

Monte Azul | Refúgio da Serra

De frente para o Cemitério Bizantino, a pousada Monte Azul tem quartos aconchegantes e uma eficiência germânica no serviço. O café da manhã é delicioso.

Perto da igreja, a Refúgio da Serra chalés caprichados dispostos em torno de um bem-cuidado jardim; o restaurante é o melhor da cidade.

Caso as duas estejam lotadas, considere a Pousada Mucugê, que tem quartos bastante básicos e a única piscina do centrinho.

Onde comer em Mucugê

CascalhoPizzaria da Gente

Cascalho | Pizzaria da Garagem

O restaurante Cascalho, na pousada Refúgio da Serra, tem cardápio cosmopolita. A boa Pizzaria da Garagem (fora de temporada, aberta de sexta a domingo) tem pizzas de massa fina para comer com a mão. Para experimentar comida regional, almoce na Dona Nena. O Point da Chapada serve pizzas na pracinha do agito local. O Sabor & Arte tem buffet por peso no almoço e no jantar. Compre doces na Vovó Ilza e mate saudade de café expresso no Piriquita Café.

Como chegar em Mucugê

Mucugê está a 125 km do aeroporto de Lençóis; os taxistas costumam cobrar R$ 2 por km, o que daria R$ 250. Desde o centrinho de Lençóis, são 145 km.

A Águia Branca faz a rota de ônibus de Salvador até Mucugê, num trajeto de 8 horas.

Vindo de carro de Salvador, são 475 km; o melhor caminho é via Ipirá (veja no tópico Lençóis).

Além da BR 142, que liga Mucugê à BR 242 pelo lado leste do parque nacional, há também uma outra estrada, que sobe pelo lado oeste até Palmeiras. Esta estrada é de terra mas é transitável por carro comum na época seca (abril a setembro). São 70 km até Palmeiras (passando por Guiné, 45 km); de lá pode-se continuar ao Vale do Capão (mais 18 km).

Bancos em Mucugê

Mucugê tem uma agência do Banco do Brasil.

Morro do Camelo

Morro do Camelo, entre Lençóis e Palmeiras

E você? Que dicas e impressões tem para compartilhar da Chapada Diamantina?

Conta pra gente na caixa de comentários! Obrigado!

A viagem à Chapada Diamantina contou com apoio local do Hotel Canto das Águas, da Venturas, da Estalagem Alcino, da Pousada Monte Azul e da Pousada do Capão.

Leia mais:


216 comentários

Atenção: os comentários estão encerrados.

Arthur / agoravaimesmo.com

Tudo muito bonito, despertando saudades. Só lembrando que Mucugê fica numa serra, e pode fazer frio à noite. Um moleton resolve.

CarlaZ
CarlaZPermalink

Amei esse guia! A Chapada Diamantina é um lugar que quero voltar com certeza! Foi tão rapidinha minha estadia lá que quero ir agora para os outros lados.
As definições dos lugares estão sensacionais!

Anna Francisca
Anna FranciscaPermalink

Nota 1000. Craque dos relatos.

Filipe Archer
Filipe ArcherPermalink

Isso não é um miniguia, é um Guia inteiro! Parabéns pela melhor publicação sobre a chapada na web. Abraços e boa viagem.

victor
victorPermalink

Parabéns pela publicação! Excelente qualidade e muito capricho nos detalhes, até para não errar a estrada!
Um material essencial sobre o turismo brasileiro fora do litoral !

Pollyanna Drumond
Pollyanna DrumondPermalink

Este post veio em ótima hora. Nem acreditei. Estamos preparando nossa viagem para a Chapada a partir do dia 29/09. Obrigada pelas dicas!

Tiago
TiagoPermalink

Ah se essa guia existisse na época da minha viagem... facilitaria tudo! smile Mais mastigado que isso, impossível. Mais um guia com padrão Riq de qualidade, preciso nas definições.
Eu sou um que volto à Chapada quantas vezes forem necessárias. Voltaria para ver de novo essa maravilha chamada Buracão, para ficar mais dias em Igatu, para saborear o café do Alcino e assistir todo dia ao por do sol no Pai Inácio. A Chapada não cansa.
E, claro, não poderia deixar de agradecer a citação aos posts do Rotas. Mesmo depois de tanto tempo, é um privilégio danado ser lembrado aqui!

Fábio Pastorello - Viagens Cinematográficas

Muito bom, meu conhecimento sobre a Chapada Diamantina se resume aos passeios a partir de Lençóis, com certeza esse guia irá me ajudar a explorar as demais regiões numa próxima viagem. Há muito ainda o que explorar. Valeu, Ricardo!

Marcelo Jesus
Marcelo JesusPermalink

Fantástico esse guia! Fui à Chapada em outra vida (1994, assisti à final da copa Brasil x Itália na praça em lençóis...) e ainda não consegui voltar! Fiquei uma semana por lá, e, nessa época, ninguém falava na cachoeira do buracão nem no poço azul, foi no ano que o poço encantado fechou para banhos.
Tá na minha lista pra voltar!

Carmen
CarmenPermalink

Ricardo, este post é um sucesso absoluto!

No importa, si los consejos (ou dicas) que usted expone son sobre playas brasileiras, ciudades cosmopolitas o... sobre la Chapada Diamantina, siempre, siempre, resultan acertados.
Me gusta su pasión por los viajes y su meticulosa observación de lo que le rodea. El texto es ameno, divertido e inteligente y las fotos... magníficas.

Adoro su miniguía sobre la Chapada Diamantina! Não é mini é grande!!!

Chapeau!

Carla Andrea
Carla AndreaPermalink

De um modo geral, é um destino caro? Paga-se quanto em média por cada um desses passeios? Numa pousada como a do Alcino, p. ex., gasta-se quanto estimativamente?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Andrea! Os passeios variam muito, depende se você se encaixa num grupo ou não, se vai por uma agência com veículos novinhos ou antigos. Pense em gastar entre R$ 60 e R$ 200 reais por passeio. A diária de um guia para caminhar com você ou acompanhar você no seu carro alugado sai entre R$ 80 e R$ 100. A maioria das pousadas listadas aqui custa menos de R$ 200 fora das férias.

Sut-Mie Guibert | Viajando com Pimpolhos

UAU! Vou chover no molhado: ficou excelente Riq!
Acompanhei as suas fotos no instagram e estava curiosa em ver os posts. Visitei isso tudo em uma vida anterior às pimpolhas! smile
Estou querendo muito voltar agora com elas!
Bjs

Paula
PaulaPermalink

Ricardo, realmente seu post ficou muito bom! Tanto que já estou planejando minha viagem para a chapada em dezembro!
Ficarei 6 dias por lá, e lógico, planejo aproveitar o máximo possível! Alugarei um carro em Salvador, mas o que vc me recomendaria: Ter Lençóis como única base ou escolher mais alguma cidade para pernoitar?

Abraço!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Paula! O Ricardo Freire faz as recomendações logo no início do texto mrgreen

Pollyanna
PollyannaPermalink

Bóia:

Veja esta notícia que vi no site www.guiachapadadiamantina.com.br

10/09/2013 ás 16h03

Chapada ganha mais um voo regular

O terceiro voo semanal para região será realizado as terças-feiras a partir do dia 05 de novembro

A Azul Linhas Aéreas confirmou oficialmente nesta terça-feira (10) a operação de mais um voo semanal para a Chapada Diamantina, que ocorrerá às terças-feiras, a partir do próximo dia 05 de novembro. Ao todo, o aeroporto de Lençóis irá receber três voos regulares vindos de Salvador: as terças, quintas e domingos.

As passagens já estão disponíveis para venda.

Mais informações: www.voeazul.com.br

A Bóia
A BóiaPermalink

Obrigada, Pollyana!

sandra cardoso
sandra cardosoPermalink

Nossaaa, ADOREI!!!! Quantos dias vc levou para fazer esse roteiro?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Sandra! O Comandante explica no texto acima smile

Pollyanna
PollyannaPermalink

Oi Bóia! Voltei da Chapada na segunda, dia 07. Correu tudo bem e fui a muitos dos lugares que foram indicados no miniguia. A região é linda. Fiz o esquema Volta ao Parque e não me arrependo. As agências têm a logística bem montada. Mas, mesmo assim, com 7 dias ainda foi pouco. A região como um todo está bem seca. Praticamente não tinha água na Fumaça. Só por isso preciso voltar. O Vale do Capão merece mais uns dias. Vale a pena. É inesquecível! Obrigada pelo guia. Nos ajudou muito.

Pollyanna
PollyannaPermalink

23/09/2013 ás 13h59

Baixe agora! É grátis

O aplicativo do Guia Chapada Diamantina está disponível nas plataformas Android e iOS e traz tudo o que você precisa para viajar tranquilo pela região

Anuncio-Lancamento-APPO Guia Chapada Diamantina, principal veículo do destino localizado na região central da Bahia, acaba de se juntar ao universo dos aplicativos para tablets e smartphones, com o intuito de facilitar ainda mais o acesso à informação para os viajantes.

O app está disponível em três línguas (português, inglês e espanhol); possui fotos 360°; conta com mapa do Parque Nacional; principais pontos turísticos; onde ficar; onde comer; o que fazer; compras e navegabilidade online e offline. Além disso, oferece o recurso Meu Roteiro, que permite o turista agrupar o que mais gostaria de conhecer. O usuário também terá acesso em seu app às notícias e novidades da região publicadas semanalmente no site.

Ele já está disponível nas lojas virtuais Google Play e App Store. O produto foi desenvolvido pela Flora Comunicação e contou com apoio da Bahiatursa (Empresa de Turismo da Bahia).

isabel
isabelPermalink

Belíssimo post.
Mas preciso de conselho.
Fico na Bahia de 03 a 15 de novembro. O destino principal seria a Chapada. Mas como vou solo, sem carro e ainda nao consegui fechar passeios com as operadoras, pensei em conhecê-la a partir da base Lençois, nesta primeira vez, e dividir o resto do tempo com uma prainha, tipo Morro Sao Paulo, que pelo o quê li tem bastante caminhadas. É razoável? Por qual roteiro começo? É a segunda vez que vou a Salvador, mas nao conheço mais nada da Bahia. Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Isabel! Tirando os deslocamentos, você terá 4 dias inteiros em Lençóis e dois em Morro. É uma ótima combinação, mas funciona melhor para quem tem mais de 10 dias. São dois lugares complicados de chegar. Se você só pode mesmo dispor desses 8 dias, melhor fazer render na Chapada.

isabel
isabelPermalink

Mas Boia, tirando o dia de chegada e o de volta de Salvador, são 11dd.
Chego dia 03 pela manha, tendo a tarde para me deslocar, não sei para qual direção...

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Isabel! São duas direções distintas. Lençóis fica a oeste de Salvador. Chega-se de ônibus ou de avião, conforme está no texto.

Morro de São Paulo está ao sul de Salvador. Você terá que voltar de Lençóis a Salvador e então pegar um catamarã para Morro.

Leia sobre Morro de São Paulo:
https://www.viajenaviagem.com/2012/12/praias-bahia-itaparica-morro-sao-paulo-boipeba-barra-grande-marau-itacare-ilheus-una-comandatuba-canavieiras/

Vicente
VicentePermalink

Ótimo guia! Vou passar 7 dias com minha esposa na chapada em novembro e montamos boa parte do roteiro com base nesse guia. Uma dúvida que ficou: Nessa caminhada Capão-Guiné se chega ao mesmo mirante que você foi pelo outro caminho (ou seja, saindo direto de Guiné)? Outra dúvida: Como vamos ficar em várias bases, você acha que convém tentar contactar as agências/guias ANTES de chegar? Digo isso para evitar a situação de chegar na véspera e não ter passeio no dia seguinte dia para "aquele" lugar que eu planejava, e consequentemente "perder" a viagem. Obrigado e parabéns pelo site.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Vicente! Quem responde é A Bóia.

O mirante a que se chega desde o Capão é outro, mas a vista é parecida.

Olá, Vicente! O que acontece é que, se não houver uma saída programada, você vai ter que pagar pela saída completa. A dica de reservar perto do dia é conseguir se encaixar num grupo.

Sandra
SandraPermalink

Em Lençóis, dois passeios interessantes: procurar pelas obras em grafite e stencil de Stephan Doitschinoff, conhecido como Calma, renomado artista plástico brasileiro, em muros e paredes das casas da cidade (encontrei duas, uma perto do campinho de futebol, no Tomba e outra em um beco pra cima da Rua Boa Vista),as da capela do cemitério não pude ver, pois estava fechado; outra atração é Seu Cori,82 anos, que mantém em seu quintal uma toca de garimpeiro e conta ótimas histórias de seu trabalho no garimpo, além de vender os melhores sorvete que já experimentei até hoje (também encontrado no restaurante o Bode, que é de sua filha)

Rosemarie
RosemariePermalink

Olá Riq. Excelente! Vou passar a virada do ano no Canto das Águas,de 29 a 5, e como passarei todas as noites nesse hotel e diante de tudo que você falou, onde não seria aconselhável ir (em face da distância do local)uma vez que terei que voltar todos os dias para o hotel? Já tô lamentando ...rsrs
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Rosemarie! Quem responde é a Bóia.

O único passeio top que requer necessariamente um pernoite fora de Lençóis é o do Buracão. Grutas, Pantanal, Igatu, Mucugê, Fumaça, todas podem ser feitas com base em Lençóis.

Rosemarie
RosemariePermalink

Que notícia ótima Bóia! Valeu!!!

Chapada Adventure Daniel

Oi,
é possível fazer também o passeios da Cachoeira do Buracão de 1 dia. A agência Chapada Adventure Daniel tem uma logística de 2 guias, onde um dirige até a cidade de Ibiocoara e entrega os clientes a um outro guia, enquanto o 1º descansa e a volta é tranquila para Lençóis pois quem volta dirigindo é o mesmo guia que descansou.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Daniel! Nunca questionamos a segurança desses passeios, o problema é o traseiro do turista que vai ficar 5 ou 6 horas na estrada!

Sandra
SandraPermalink

Em Lençóis têm agências que fazem o passeio à Cachoeira do Buracão, em Ibicoara, a cerca de 200km, com ida e volta no mesmo dia, é só consultar e combinar; saem por volta das 6:00 e retornam a noite, com direito a uma visita rápida ao cemitério bizantino de Mucugê na ida, que fica bem no caminho, para esticar as pernas; as vans das agências são confortáveis, dois motoristas e é provável que você durma em boa parte do caminho, principalmente na volta, pois o passeio é puxado, mas vale a pena!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Sandra! É tão puxado que vale a pena deixar para uma segunda viagem. É ótimo ter uma desculpa para voltar a esse lugar mágico.

Valdinho Pellin
Valdinho PellinPermalink

Estarei indo a Chapada Diamantina em Fevereiro. Como posso me deslocar do aeroporto de Salvador para a Rodoviária? existe algum transfer específico ou apenas táxi? Obrigado e parabéns pelo guia. Está fantástico.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Valdinho! Tem não. O jeito é ir de táxi. Os especiais são tabelados, os comuns vão pela bandeira 2. Espere pagar R$ 40 no comum.

isabel
isabelPermalink

Eu fiquei em Lençois meus 08 dias de Chapada Diamantina(a princípio seriam 07. Por essa razão não tinha programado fazer o Buracão. Mas diante dos relatos, adiei minha partida e fiz o Buracao em 01 dia com a Chapada Adventure, super valeu a pena. Diante do que se vê, a gente esquece da viagem (e o 4x4 me pareceu confortável). Certo que o ideal seria fazer em dois dias, e conhecer a noite de Mucugê (bem recomendada) mas entre o ideal e o possível... Na minha opinião, Buracão é imperdível.

Valdinho Pellin
Valdinho PellinPermalink

Nossa eu estou quebrando a cabeça para montar meu roteiro. Ficarei 4 dias inteiros e mais uma tarde em Lençois. Está dificilllll

Valéria
ValériaPermalink

eu e meu namorado estamos planejando passar 15 dias divididos entre a Chapada Diamantina (incentivados por esse maravilhoso guia) e Morro de São Paulo (para pegar uma prainha). Estou com uma dúvida: qual é a situação das trilhas citadas? É possível ir num Honda Civic ou precisaremos de um carro mais alto?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Valéria! Dá para ir tranqüilamente com carro convencional.

Diego
DiegoPermalink

Fala Ricardo! Passando pra dizer que gosto muito das suas colunas e sempre que posso te ouço na Band News.. Muito bom!

Estou pensando em tirar uns 20 dias de férias com a esposa e me aventurar de carro próprio mesmo de SP até lá. O que acha? Muito complicado?

Abraços!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Diego! Quem responde é A Bóia. Você vai levar uns dois dias para ir e outros dois para voltar. Sobram 16 dias líquidos, tá mais do que bastantíssimo bom para a Chapada grin

flashfs
flashfsPermalink

Tenho uma dúvida. De carro próprio, e com guia para a trilha, é possível fazer a travessia Capão-Guiné? Se sim, como ficaria a logística para o carro? Ou apenas Guiné-Mirante do Vale do Pati já é suficiente para sentir esse gosto de uma das trilhas mais bonitas do Brasil?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Flashfs! Alguém teria que levar o seu carro até Guiné. Ou você pode voltar de van.

flashfs
flashfsPermalink

Obrigado pela resposta. Abusando mais um pouco, gostaria de mais uma opinião. Se tivesse que escolher entre Marimbus e Sossego+Ribeirão do Meio, com qual ficaria?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Flashfs! Não temos informação sobre Sossego + Ribeirão do Meio. O que sabemos é que Marimbus é o passeio mais "diferente" da Chapada. Mas se o Sossego faz mais a sua cabeça, vai firme.

Leila
LeilaPermalink

Pessoal, passarei 05 dias em Lençóis e teremos que optar entre a Cachoeira da Fumaça e do Buracão. Qual a que vocês recomendam? Quais as principais diferenças entre elas?

Obrigada!!!!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Leila! O Ricardo Freire comenta sobre as duas no post acima. A Cachoeira do Buracão, para ele, é o passeio mais bacana de se fazer na Chapada. Porém, a base ideal é Mucugê, e não Lençóis.

Rodrigo
RodrigoPermalink

Fomos pelo Ricardo e não nos arrependemos( como sempre...)
Cachoeira do Buracão é o top da Chapada!

Liana
LianaPermalink

A Cachoeira do Buracão é IMPERDÍVEL!! INDESCRITÍVEL é a sensação de estar ali! Completamente FASCINANTE! Um dos lugares mais lindos que já vi na vida! Fiz esse passeio em um bate e volta de Lençois e falo: apesar de a estrada ser longa, vale cada segundo! Não dá pra deixar de lado! Não dá! Sem exageros!

Raquel
RaquelPermalink

Olá, obrigada pelo relato. Tenho uma semana para ir a Chapada em setembro. Estou planejando ficar em Iguatú. O que acha, é uma boa base? Dá para ir à Cachoeira do Buracao de lá? E outra, vou de onibus a partir de Salvador. Não tem mesmo onibus do aeroporto até a rodoviária? Grata!!!!

Raquel
RaquelPermalink

Outra pergunta, você acha que Andaraí é uma boa base? Consigo fazer os passeios de Iguatu, Mucugê e Buracão por Andaraí? Grata!!!!

Claudia
ClaudiaPermalink

Olá

Vou para a Chapada dia 26.06.2014 e ficarei até dia 03.07.2014.
Vou só e não quero fazer os passeios sozinha.
Alguém mais disposto a partilhar roteiro??
Abç.
Claudia

ZUNARIA VALE DOS SANTOS

quero fazer um passeio em julho de 24-07 a 28-07 2014,sera meu aniversário irei só como saber de preços !

Jamile
JamilePermalink

Bom dia Bóia!!!!
Irei para a Chapada Diamantina em 2015 logo após o Carnaval e ficaremos 7 dias por lá. Através do Guia vi que para o passeio do Buracão vocês aconselham pernoitar em Mucugê. Vamos de avião de Salvador até Lençóis. O que vocês aconselham? Chegar em Lençóis e já seguir para Mucugê, pernoitar lá e fazer o passeio do Buracão no 2º dia de manhã e voltar a tarde para Lençóis ou deixar esse passeio por último?
Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Jamile! É melhor começar pianinho, ficando os primeiros dias em Lençóis. Faça o Morro do Pai Inácio no dia da chegada.

Jamile
JamilePermalink

Bóia, agradeço pela resposta. Estou consultando algumas agências e estou achando os preços um pouco salgados. Você aconselha fechar com agência mesmo? Através das informações do Ricardo aparentemente os passeios são baratos, Buracão mesmo é R$ 5,00 a entrada e 98km não é tão longe assim e uma agência está pedindo R$ 620,00 por pessoa!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Jamile! Com carro, você consegue fazer os passeios de forma independente.

Joseline
JoselinePermalink

Boa tarde!Gostaria de saber como chegar na cidade onde se faz o pastel de jaca saindo de Salvador?Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Joseline! Vá de ônibus a Palmeiras e siga de van ao Capão.

Danusa
DanusaPermalink

Ricardo,
Sou funcionária pública, de Salvador, vou tirar férias em novembro e sonho em conhecer a Chapada Diamantina todinha. Pretendo passar de 7 a 8 dias, sou do tipo sedentária, mas gosto de aventuras, adoro banho de rio, cachoeiras, trilhas (não muito longas). Irei com minha namorada, somos amantes da boa culinária. Contudo, não estou conseguindo fechar um roteiro bacana, que encaixe Lençóis, Vale do Capão e Mucugê, no melhor custo-benefício. Iremos de carro.

Sou sua ouvinte assídua na Band.

Por favor, me ajude!!!

Abraços.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Danusa! Quem responde é a Bóia.

Não tem mistério! Indo de carro, fique os primeiros dias em Lençóis, durma duas noites em Mucugê ou Igatu para ir ao Buracão, termine no Capão.

Carmen
CarmenPermalink

Que lugares mais lindos: Morro do Pai Inácio, Morro do Camelo e Mirante da Rampa do Pati. Beleza a Chapada Diamantina!
Ricardo, eu vi que você estava lá. Sorte, você poder ir lá!

Luciana
LucianaPermalink

Fui para a Chapada em 2012 e fiquei com meu post no viajosfera por uma semana.
Quem quiser alguma dicas aqui:
http://meuslugaresespeciais.wordpress.com/2012/04/21/chapada-diamantina/

Estou indo agora para Natal, Noronha, Ushuaia e El Calafate, breve dicas. Siga lá

Camila
CamilaPermalink

Olá, alguém aqui já passou o reveillon na Chapada (Lençois)? Como foi a experiência? Minha dúvida é se chega a ficar cheio demais, a ponto de prejudicar alguns dos passeios... Adoraria ouvir os comentários de vocês! Obrigada!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Camila! A Chapada é muito longe e está muito fora do turismo de massa para ficar cheia demais. Estará mais cheia do que o habitual, mas será divertido. Se você está com medo de superlotação em Lençóis, considere ficar em Igatu.

Camila
CamilaPermalink

Muito obrigada! Não sei o que seria das minhas viagens sem vocês! smile

Gisele
GiselePermalink

Olá, gostaria de uma dica sobre a melhor data. Vamos de moto, eu e meu marido, e temos 2 possíveis datas (26/01 até o carnaval) ou (03/04 até 21/04), o que nos aconselham a respeito das condições climáticas e custo?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Gisele! Como explicamos acima, qualquer época é boa para vistar a Chapada. Em relação a custos, talvez no Carnaval os preços estejam um pouco mais elevados. Faça pesquisas de passagem e hotel em sites como Submarino Viagens e Booking.

Rejane
RejanePermalink

Que super guia!!! Acabei de comentar sobre Pratinha e aqui vejo diversas outras opções interessantes. Já conheço alguns desses lugares, mas outros já ficarão guardados para as próximas experiências. Obrigada pelo post! smile

Arthur Brown
Arthur BrownPermalink

Parabéns pelo post! Muito bom e foi o que realmente comunicou comigo comparando com outras páginas sobre a Chapada.

Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Arthur! Obrigadíssima pelo feedback!

George Lunardi
George LunardiPermalink

Boa noite...
antes de mais nada, parabéns por seu trabalho com esse guia. Muito show mesmo.
Sou fotografo, sediado em Bh e temos um grupo que se interessa em fazer um passeio fotográfico ai na Chapada...
Você nos ajudaria a organizar?
Como poderia ser? custos, logistica, prazos, época...
Nosso interesse é fotografia. paisagens, belezaas naturais, animais, insetos, fotos noturnas (estrelas), etc...
Peçoque entre em contato comigo, por favor.
Desde já te agradeço.

George Lunardi
(31) 9997-1526- Vivo
(31) 9264-9652 - tim (mais usado por mim)

Grande abraço.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, George! Somos um site independente; não vendemos pacotes. Entre em contato com uma das operadoras citadas aqui neste post. smile

Gilleane
GilleanePermalink

ola!! boa tarde
Vou passar de 8 a 10 dias na chapada, vou de carro partindo de São Paulo e no roteiro q fiz incluem trilhas longas de 3 dias. Só que agora na hora de fazer as malas rolou a duvida... o q levar?? o q é indispensável??

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Gilleane! Contate o guia que vai fazer as caminhadas com você. Ele dará orientação sobre o que levar na mochila. Você pode deixar uma mala com o resto da roupa numa pousada.

Antonio Paulo
Antonio PauloPermalink

Parabéns e obrigado pelo excelente material!

Sergio Vieira
Sergio VieiraPermalink

Ricardo, acompanho suas dicas desde o tempo do Freire's na internet discada.Tenho 18 dias para curtir a chapada e pretendo me hospedar nas cidades que foram destacadas neste guia. Gostaria de saber se é complicado o deslocamento entre as cidades de Igatu e Mucugê até Lençóis, existe transporte publico ou apenas vans e taxis?

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Sergio! Não há linhas de ônibus (e provavelmente tampouco de vans) entre Lençóis e Mucugê. Não existe um fluxo não-turístico entre as duas cidades; quando precisam ir ao comércio, os moradores de Mucugê, Igatu e Andaraí vão a Itaberaba. Há ônibus de Salvador a Ibicoara, e de Itaberaba a Mucugê, que passam por Andaraí (mas não por Igatu). Você pode usar um desses ônibus para ir de Andaraí a Mucugê. Entre Lençóis e Andaraí ou Mucugê você teria que ir a Itaberaba ou ir até uma parada no caminho dos ônibus que vêm de Salvador ou Itaberaba e entram na estrada para Andaraí e Mucugê.

Gabriela
GabrielaPermalink

As posadas e alimentação é acessível para uma estudante universitária, que vive de bolsas da capes ? smile Gostei do lugar e pretendo viajar em dezembro para Bahia, aproveitarei para conhecer a chapada.

A Bóia
A BóiaPermalink

Olá, Gabriela! Os preços das pousadas você consegue ver nos links do Booking ou mandando email para as pousadas. Há restaurantes para todos os bolsos, de quilo e PF a restaurantes sofisticados.