5 idéias para receber melhor os estrangeiros no Brasil

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Como receber melhor os estrangeiros no Brasil

Recentemente apresentei em Salvador, no evento Agenda Bahia, a palestra Como o Brasil pode ser campeão do turismo. Vou começar a destacar alguns trechos e publicar ao longo das próximas semanas.

O maior problema de infra-estrutura no Brasil não está nos aeroportos nem no transporte: está na comunicação. Ao contrário de países muito mais pobres que o nosso (onde, não por acaso, o turismo internacional é mais relevante para a economia), por aqui temos pouquíssima sinalização em outros idiomas -- e a imensa maioria dos que lidam com turistas não sabe sequer informar preço em inglês. Levando em consideração que 70% dos turistas que visitam o Brasil são viajantes independentes (porcentagem que se repete todos os anos nas pesquisas da Embratur) e que, portanto, não têm um guia a seu lado o tempo todo, é preciso pensar em mecanismos e soluções que diminuam a necessidade do estrangeiro fazer perguntas que não serão entendidas.


Algumas coisas que já me passaram pela cabeça e que não são tão difíceis assim de ser implementadas:

--> GERADOR DE CARDÁPIOS TRADUZIDOS

O nome é meio Tabajara, mas quanto mais penso, mais acho que seria uma grande solução para o problema dos cardápios sem tradução -- ou, pior, mal traduzidos. (Vamos lembrar que, quando morou no Brasil, o Seth Kugel, atual Frugal Traveler do New York Times, batizou a sua empresa de tradução de textos de "Sleeve Juice" -- ou "suco de manga de camisa", que foi a legenda do suco de manga servido num Mercure de Curitiba.)

A idéia é a seguinte: montar um site com um banco de dados dos (500? 1.000?) pratos e petiscos mais comuns servidos em restaurantes e lanchonetes do Brasil inteiro. O dono do estabelecimento -- ou o seu sobrinho de 14 anos, na lanhouse mais próxima -- pesquisa e seleciona os pratos que serve, estabelece uma ordem entre os itens, assinala os idiomas em que quer ver os pratos traduzidos e pimba: é só salvar o arquivo e imprimir.

Daria também para subir o logotipo do estabelecimento (opcional, pípol; se não tiver logo nem scanner, escolhe um tipo de letra e escreve o nome do lugar) e listar os ingredientes de cada prato (basta selecionar de uma lista com todos os ingredientes mais comuns usados no Brasil).

Para dar certo, só é preciso uma boa programação e uma equipe de tradutores competentes -- estrangeiros que morem no Brasil, de preferência em diferentes regiões, que saibam o que estão traduzindo. Google Translation não vale, obviamente.

Se o Sebrae encampasse um projeto desses, seria perfeito em todos os sentidos (pela competência e capilaridade da organização). Lá na Bahia me disseram que o Sebrae local se interessou pela idéia. Tomara que levem adiante...

--> CHIP BRASILEIRO NA CHEGADA

A melhor divulgação de um destino é a que o turista faz no seu Facebook, no seu Instagram. São essas as imagens que vão direto para os seus amigos e influenciam novos viajantes. É estratégico para o Brasil que os turistas que venham para a Copa consigam postar nas suas redes sociais.

No entanto, fico pensando na burocracia, na perda de tempo e em todos os perrengues que um estrangeiro vai enfrentar para comprar um chip (simcard, em gringuês) pré-pago. Que lojas estão capacitadas para atender estrangeiros? Quais são os documentos que eles só saberão que precisam depois de esperar na fila e se comunicar por mímica com o atendente?

Pensei num mecanismo bacaninha. A Anatel, ou a associação das teles (existe?), põe no ar um site de pré-venda de chips online para visitantes do exterior. O estrangeiro dá todas as informações que a burocracia pede para o cadastro, informa o aeroporto de chegada e paga -- com uma determinada antecedência, tipo até 10 ou 15 dias antes de embarcar, para dar tempo do seu pedido ser processado.

Ao desembarcar, logo depois de pegar as malas, o turista estrangeiro passa no quiosque da Anatel (ou das teles) no saguão, montado para toda a época da Copa (digamos: entre 1º de junho e 12 de julho), apresenta o seu passaporte, assina o que precisar ser assinado, e já sai com o chip brasileiro para pôr no celular e avisar o mundo que está no Brasil.

Não, não deve sair barato operar quiosques assim em todos os aeroportos internacionais 24 horas. Mas é um marketing muito mais efetivo do que o que estamos fazendo.

--> PAINEL DE INFORMAÇÃO DE TRANSPORTE EM AEROPORTOS E RODOVIÁRIAS

Como relembrei lá em cima, e são dados oficiais da Embratur confirmados ano após ano, 70% dos turistas estrangeiros no Brasil são viajantes independentes. Ou seja: montam sua viagem fora de pacotes ou assistência de agências. Quando desembarcam no aeroporto, não têm ninguém esperando com uma plaquinha com o seu nome escrito.

É um momento difícil, até mesmo para um brasileiro que não conheça o lugar. O turista está cansado e fragilizado. Será que vão me enganar? Qual é o jeito mais seguro de sair daqui? Dar segurança para o visitante nesse momento é crucial para as suas primeiras impressões -- e muito mais eficaz do que amarrar fitinha de Senhor do Bonfim.

Ano passado, vi esse painel na saída do aeroporto Charles de Gaulle, em Paris:

Táxi CDG

Por que não aqui? Cada aeroporto e cada rodoviária pode ter um painel, na área de desembarque, que informe, ao menos em português e inglês:

- quanto custa o táxi especial até a(s) zona(s) hoteleira(s)  principal(is) da cidade

- quanto custa o táxi comum até a(s) zona(s) hoteleira(s) principal(is) da cidade

- se há um ônibus, quanto custa e de onde sai

Isso não custa nada, gente, e transforma a experiência de chegada de qualquer visitante, estrangeiro ou brasileiro.

--> INFORMAÇÃO DE PONTOS TURÍSTICOS EM ÔNIBUS DE LINHA

Para um forasteiro -- mesmo brasileiro -- é muito difícil entender as rotas de ônibus de uma cidade (mesmo nas mais organizadas, com corredores e BRS). Tornar o transporte público usável pelo forasteiro (estrangeiro ou brasileiro) é um jeito de diminuir o custo de fazer turismo no Brasil.

Uma solução bastante simples que me ocorreu é aproveitar que agora os painéis dos ônibus são eletrônicos (e por isso, programáveis para intercalar letreiros diferentes), e inserir a informação do ponto turístico servido por aquela linha. Não seria ótimo você estar numa parada da Nossa Senhora de Copacabana e o ônibus avisar "Sugar Loaf"? Ou estar numa parada próxima à Sé no Pelourinho e o ônibus informar "Barra Beach"? É uma ação com custo praticamente zero.

Numa ação complementar, que demandaria mais esforço e mais manutenção, as cidades turísticas poderiam adesivar as paradas de ônibus com os pontos turísticos servidos por ônibus que param ali.

--> INFORMAÇÃO DE PREÇOS NAS PRAIAS

Alô prefeituras de metrópoles praianas: que tal fazer um painelzinho na entrada de cada praia com a média de preços de cadeiras e guarda-sóis praticados por ali? Ou exigir que quiosques e barracas informem visualmente o preço de cadeira, guarda-sol, coco, refrigerante, água e cerveja? Sentir-se explorado estraga um dia na praia de qualquer, brasileiro ou estrangeiro. E sentir-se vulnerável à exploração -- mesmo que a exploração não ocorra! -- também influencia terrivelmente a sensação do forasteiro.

Leia mais:

O novo vídeo do Brasil para a Copa: que decepção

Quando o Brasil vai ser um Bric do turismo?

Os preços da Copa: meus 20 centavos

Siga o Viaje na Viagem no Twitter - @viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter - @riqfreire

Visite o VnV no Facebook - Viaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por email - VnV por email


56 comentários

val
valPermalinkResponder

excelente! espero que alguém "ouça", principalmente a do Chip.

Thiago Parente

A ideia do chip é fantástica. Um amigo que mexe com radio e TV já vem falando a muito tempo que o valor de midia espontanea no facebook, instagram, twitter e afins vai ser imensurável. Vão ser 30 dias de Brasil em todas as redes sociais.

carlos ferreira

Difícil vai ser explicar pros "gringos" que aqui se chega a pagar até Usd $ 0,60 por minuto em uma ligação local de celular !

henrique m
henrique mPermalinkResponder

na copa da África do Sul, ao chegar em Durban já tinha um quiosquinho da operadora local oferecendo chip 3G, só precisava mostrar o passaporte.

e vale sempre lembrar que no desembarque de Londoh Heathrow, nas esteiras de bagagem, tem uma vending machine com chips pra smartphones e iPads de várias operadoras (é mais caro que na rua, mas vc já sai do aeroporto conectado). Insira suas libras e pronto - nem de passaporte precisa.

henrique m
henrique mPermalinkResponder

e na Espanha tem esse serviço incrível de entrega de SIM cards no seu hotel http://www.pusheye.com/

LEANDRO
LEANDROPermalinkResponder

clap clap clap!

Elton
EltonPermalinkResponder

Me interessei muito pelo item 1, se tivesse algum parceiro eu toparia fazer numa boa, haha.

Ana Luisa
Ana LuisaPermalinkResponder

E vamos lançar a campanha "Riq Freire para Ministro do Turismo"!!!
wink
Excelentes ideias, comandante. Pena que por aqui vale mais engordar o bolso próprio do que estabelecer procedimentos, muitas vezes simples, para facilitar a vida dos cidadãos (turistas ou não)...
Ana Luisa, de Salvadô

Adolfo
AdolfoPermalinkResponder

Uma coisa que eu achei muito bacana ano passado no Japão foi uma cartilha para os brasileiros, com informações importantes sobre como andar pelo país, algumas palavras básicas, como sair do aeroporto, hotéis, o que fazer e não fazer. Para a Copa do Mundo, seria muito bacana.

Claudio
ClaudioPermalinkResponder

Muito bom e muito preciso! Boa Riq!

Andrea/RJ
Andrea/RJPermalinkResponder

Ai, Ricardo, aqui no RJ eu tenho até pena dos turistas chegando no aeroporto, cheios de malas, com aquela cara inocente e sem saber pra onde ir... Tento sempre ajudar, aqui já é difícil pra quem é local, imagina pra estrangeiro!
Também tenho pena de vê-los atravessando a rua, eles acham que os carros vão parar pra eles passarem, quanta inocência!

Ludmila
LudmilaPermalinkResponder

Genial! Idéias simples que para serem colocadas em prática só depende da boa vontade dos envolvidos!

Victor Hugo
Victor HugoPermalinkResponder

Sobre essa questão do transportes em aeroportos: Vou com certa frequência pra Floripa e conheço bem o sistema de ônibus da cidade. Mas mesmo assim me irrito toda vez que chego ao aeroporto. Acho o valor do táxi impraticável e pegar ônibus no aeroporto é relativamente fácil, o ponto está pertinho da saída do desembarque. Acabaram-se aí as vantagens. Floripa tem um sistema de ônibus executivos (os amarelinhos) com uma linha que passa pelo aeroporto, mas apenas em 8 horários durante todo o dia! O ônibus comum é bem frequente e vc pode chegar ao centro em uns 20 minutos (no máximo 40 minutos em dias de muitíssimo trânsito) mas é um ônibus que não tem espaço nenhum pra colocar as malas, o motorista sequer abre a porta traseira pra facilitar o teu trabalho de colocação da bagagem dentro do ônibus, isso quando ele não para o veículo longe da calçada fazendo vc ter q desviar dos carros que passam pela rampa de embarque/desembarque. Conheço soluções como o Frescão do Galeão, o ônibus até o metrô tatuapé de Guarulhos ou os executivos de Brasília - será que nenhuma dessas funcionaria em Floripa?

Giancarlo
GiancarloPermalinkResponder

Boas idéias Ricardo. Acabo de voltar de uma viagem aos EUA e usei uma delas na mão contrária. Comprei aqui em SP um chip americano pré-pago, carreguei com cartão de crédito e ao chegar no aeroporto de Vegas o celular já estava operante. Como absolutamente tudo que depende de governo aqui não funciona ou funciona mal, empresas que atuem assim já entregando o chip antes da viagem podem se dar bem. Usei a travel mobile (só googlar que aparece). Abs!

Ana
AnaPermalinkResponder

Aqui em Omã, assim que vc sai do desembarque tem um quiosque da Oman mobile e da Friendi mobile.
Só passaporte e vc está conectado

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Muito legal! As 3 últimas ideias também são super úteis para os turistas brasileiros mesmo, antes, durante e depois da Copa!

Cristiane Mignoni

Ótimas idéias!!!! E que não são difíceis de serem colocadas em prática!

Maria Fernanda Brando

Adorei as idéias, Ricardo. Parabéns! Estou à disposição para colaborar com o projeto dos cardápios traduzidos, caso esteja a fim de liderar esta empreitada (ou indicar quem estaria interessado). Recebo muitos visitantes estrangeiros e sinto na pele as traduções mal feitas nos restaurantes, mesmo em SP.

Trabalho com redação publicitária, traduções e agora estou começando um novo negócio em viagens. Seria um ótimo trabalho para tentar aprimorar os serviços aos turistas no Brasil.

Se houver interesse, por favor, me contate por email. Obrigada!

Paola M.
Paola M.PermalinkResponder

Riq Freire para presidente da Embratur!!!!!!!!!!!

Maíra
MaíraPermalinkResponder

E Em BH que vi vários conhecidos que não sabiam que o aeroporto ficava nos confins de minas morrer no taxi até o centro?! Achei suas idéias ótimas mas fico com uma certa revolta ao ver que algumas opções tão simples que melhorariam MUITO as nossas próprias viagens dentro do país só são pensadas quando vamos receber alguém de fora..

Maíra
MaíraPermalinkResponder

Faltou especificar. Digo morrer no taxi pq não sabia que o aeroporto era longe. Que daria na faixa do 100 reais e muito menos a xistencia de um ônibus mais em conta! Nada!

Diógenes
DiógenesPermalinkResponder

Duvido bastante que algo seja feito. Infelizmente.

Anderson Alves

Por experiência própria, a ideia do chip é essencial.

Estive em SAMPA com uns gringos e fomos comprar um chip na Claro. 40 minutos para tirar copia de passaporte, registrar o chip e pagar, sendo que eu tava fazendo o meio de campo com a tradução senão não tinha saído nada.

Mas o pior de tudo é a rede 3G. Um gringo que chega vai comprar um chip pré pago. Se paga 50 centavos por dia para ter conexão de dados, sendo que é super limitada, quando chega no meio do dia seu limite de tráfego acabou e não faz mais sentido usar dados em rede edge (sendo que a 3G já é lenta e ruim, a EDGE é uma ode à conexão discada...).

Sendo que na Itália me tomou 15 minutos para comprar e registrar o chip pré pago, isso sem falar uma vírgula em italiano...

Alexandre
AlexandrePermalinkResponder

Eu tenho pena de quem tentar se virar em SP.

Tirando o metrô, que pelo menos aqui é limpo, organizado e tem mapas fáceis (embora só com indicações em português até onde eu sei) o transporte em SP é um caos.

Eu nunca entendi como funcionam os ônibus aqui, que horas eles passam, qual o intervalo, pra onde vão, onde param.

Sem contar que hoje em dia com esse monte de passes e cartões eletrônicos eu nem sei dizer como se paga um ônibus em SP, se eu posso entrar nele e ainda terá um cobrador na catraca pra eu pagar em dinheiro, por exemplo.

Patricia
PatriciaPermalinkResponder

Nossa, que exagero... basta entrar num site chamado google que você descobre a existência de um outro site chamado "sptrans" para resolver todas as dúvidas. Aliás, o próprio google maps te indica quais os ônibus pegar, basta você clicar em "como chegar" e escolher a opção "de transporte publico". Não tenha medo dos "passes e cartoes eletronicos". É tão fácil que até eu que moro em Minas tenho bilhete único e uso sempre que vou a São Paulo.

Nico
NicoPermalinkResponder

Exato Patricia, é que as pessoas pensam que as informações vão cair do céu. Basta procurar um pouquinho né? Comodismo puro.

Paulo Torres
Paulo TorresPermalinkResponder

Em BH, por exemplo, os horários de ônibus são frequentemente desrespeitados e/ou alterados sem aviso. Até sei o itinerário das linhas que preciso pegar, mas é normal eu ter que ficar 40 minutos no ponto esperando por um ônibus que tem viagens com intervalos de 15 minutos...

Celina Martins

Pois é. Mas cadê a vontade? Juntando esse monte de problemas de falta de informação/comunicação ao vídeozinho de promoção, aos preços absurdos, estamos mesmo perdendo feio. O Brasil poderia ser fácil um campeão de turismo. Tem pra tudo que é gosto. Mas como descobrir? Enquanto qualquer umaplaneja uma viagem pela Europa sentado no sofá, não consigo saber (nem on line, nem in loco) como sair do aeroporto (qquer um!) e chegar ao centro da cidade (qquer uma). Em inglês então, não dá para descobrir como pegar uma barca Rio-Niterói. ônibus? Nem em poturguês a gente sabe!
Qto ao chip pré-pago: em Londres, na época das olimpíadas, surgiu uma máquina de auto atendimento, tipo de refrigerante, com todos os chips pré-pagos já com internet no saguão de Heathrow. Ë só pagar com o cartão ou notas, apertar o botão, e o chip cai na gaveta, praticamente falando. Enquanto isso, aqui... triste! Já pensou em traduzir seu site, Riq?

Mariana Ribeiro

Estou planejando minha viagem ao Brasil para atender a Copa do Mundo e esta super dificil planejar, reservar hotel entao e' so' dor-de-cabeca. Essa historia de ter que fazer deposito de 50% nao ajuda em nada quem mora no exterior. Por causa de tantas fraudes os bancos no exterior bloqueiam o uso do cartao de credito no exterior, toda vez que tenho que fazer o tal do deposito eu preciso pedir para que a pousada faca a tentativa, que sera negada, entao eu ligo para o banco que registra a nao-transacao, o banco faz uma autorizacao temporaria, eu ligo de volta para a pousada e ai' sim o tal 50% de deposito e' feito. Ao contrario da reserva de hoteis na Europa e EUA onde ter o cartao e' suficiente para garantir a reserva. Ainda tem muito para o Brasil chegar ao nivel de turismo da europa e EUA, so' estamos indo porque sou brasileira, do contrario nem arriscaria ir.

Bia
BiaPermalinkResponder

Bom, recentemente estive na Europa e em alguns hotéis e albergues eu tive que pagar 30% ou 50% do valor da reserva, sendo que uma destas reservas, o albergue não aceitava cartão de crédito e tive um trabalhão para pagar da forma que pediam.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Onde eu assino?

Jeze
JezePermalinkResponder

Querido Rique!
Só para te dizer que Elise (Cocó) e Alexandre (marido) foram para o Canadá (por 1 ano-bolsa doutorado-sanduíche).
Me contaram que o teu guia SALVOU a vida deles na chegada!
Eu e Zupo (meu marido) estaremos lá em jan-fev 2014!
Bjs, bjs,
Jezebel

Gabriela (Gabgaby)

Assino embaixo.

clarice perrone

Cara, você é muito bom, Ric.
Eu ja sabia, mas você sempre me surpreende.
Valeu!! Bjs

Julio
JulioPermalinkResponder

Todas as idéias são excelentes e necessárias, mas a do chip é urgentíssima!
abração

Elaine
ElainePermalinkResponder

Ricardo, será possível ser mais fã sua do que já sou?

WISELADY
WISELADYPermalinkResponder

Prezado Senhor Ricardo e equipe

Decididamente, não há como falar em viagens, turismo, planejamento, revisão de locais, sem ter como parâmetro absoluto esta imprescindível página.
Ricardo para Ministro do Turismo, Presidente da Embratur, e de tudo o mais que diga respeito a turismo em geral.
Pergunta: viajei recentemente para Turquia, Grécia, Russia, países nórdicos. Posso iniciar uma resenha de revisão dos lugares e hotéis por onde passei? Será feita em partes, porque é longa.
Parabéns, Senhor Ricardo, mais uma vez por seu excelente trabalho.
Wiselady

Tatiana Wolff
Tatiana WolffPermalinkResponder

Eu apoio!!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Wiselady! Adoraremos suas resenhas, claro! Procure sempre algum post sobre o destino em questão; você vai achar no índice https://www.viajenaviagem.com/europa/europa-a-z

Tatiana Wolff
Tatiana WolffPermalinkResponder

Perfeito! Tomara que alguém escute (ops, leia)...

Alison
AlisonPermalinkResponder

Está ótimo ver tudo isso em escrito e concordo completamente com todos estes pontos . Acrescentaria só a necessidade de todos os bancos aceitarem cartões estrangeiros e as companias aereas aceitarem pagamento com cartão estrangeiro sem a necessidade de CPF. Obrigada, Ricardo. Como estrangeira torço para a sua eleição como Presidente da Embratur!

Carla Andrea
Carla AndreaPermalinkResponder

As idéias, como tudo que vem do Riq, são ótimas. Mas só são necessárias porque este é um país absolutamente amador e a iniciativa privada é dependente do governo para tudo, não sabe caminhar com as próprias pernas. A Copa e as Olimpíadas são uma realidade, mas serão um fiasco logístico-organizacional. Aguardemos.

Rafael Carvalho

Muito legal, ótimas ideias!

Érica França

Excelentes ideias e todas fáceis de serem colocadas em prática! Rick pra ministro do Turismo!

Joselia
JoseliaPermalinkResponder

Realmente Rick, como já falaram aqui , você para a Embratur; ideias claras .

Heidi
HeidiPermalinkResponder

Genial, direto ao ponto ou, aos pontos!

Dri
DriPermalinkResponder

Aqui no Rio, nas praias de Copacabana, Ipanema e Leblon, é obrigatório ter um banner (padronizado) pendurado nas barracas, com os preços praticados para todos os itens comercializados. E eu tenho visto essa determinação sendo cumprida direitinho. Problema é que está tudo escrito em português.

Quanto aos onibus, as duas principais linhas turísticas, 583/511 são até bem sinalizadas. No letreiro fica escrito "Corcovado" ou "Urca". Acredito que para melhorar só faltava um folheto oficial, distribuido pela Embratur nos hotéis, com os números das linhas, o que vem escrito no letreiro e a posição dos pontos. Como moro em Copacabana, perto do Copacabana Palace, é bem normal eu encontrar turistas querendo ir ao Cristo/Pao de Açucar. 90% já sabem qual onibus tomar, só querem saber onde é o ponto...

Maryanne
MaryannePermalinkResponder

E a Gol e a Tam que nao aceitam cartao internacional? Pelo menos nao aceitavam ate pouco tempo atras, qdo desisti e resolvi fazer um cartao pra usar só no Brasil. Nao deve ser dificil mudar isso. Parabens pelas ideias Riq, soluçoes eficientes que só precisam de boa vontade para serem implementadas. Mas quem disse que o governo ta preocupado com turismo interno?

Ronaldo
RonaldoPermalinkResponder

Lamento, amigo, suas idéias são simples e inteligentes demais para ser adotadas por aqui, tente algo um pouco mais rasteiro e logo, logo aparece um viajocrata oficial para encampar. Triste, mas real.

Alessandro Ayres

Excelente!!!!

Margareth
MargarethPermalinkResponder

Concordo o Brasil precisa mudar para se visitado, porém nossos políticos só querem aparecer , falta mais vontade ; ser brasileiro.

Cleci Maria Avanzi

Sobre o item Chip na chegada:
Ontem chegamos a Stuttgart (600.000 habitantes, não é uma metrópole....), fomos ao aeroporto comprar chip para Ipad ...não demorou 5 minutos, não perguntaram nem nosso nome: pagamos 10 euros pelo chip e 10 euros para usar ilimitado por 30 dias,.
Na Inglaterra pagamos 15 libras por 30 dias, posso dizer que "pegou" em toda a Escócia e Irlanda.
Na França foi 8 euros o chip e 20 euros por 30 dias.
Eu não usei nenhuma vez para "baixar" filmes , nos serviu muitíssimo bem em todos os lugares.
Burocracia zero, eficiência dez.
Cleci

JotaPê
JotaPêPermalinkResponder

See you in Rio wink

Nivea Hernandes

Parabéns pelas ideias! Nao sei se jà existe um app do tipo para as cidades da copa, mas aqui em Milao meu salvador é o MuoviMi, que tem as linhas e mapas de metro, trem e onibus. Realmente ajuda muuuito principalmente no onibus, jà que é possivel ver o trajeto com antecedencia e facilidade e acompanha-lo em tempo real. Um desabafo: fico muito triste sempre que presencio essa mania que brasileiros que moram no exterior tem de falar que viajar para/pelo Brasil é tao mais difìcil que pela Europa. Precisamos realmente de mais informaçoes para os turistas e muito mais, mas garanto que a simpatia e a disponibilidade do povo para ajudar os "gringos" vale mais que qualquer placa. Aqui na Europa também hà dificuldades,roubadas e a "simpatia" muitas vezes deixa a desejar.

Nivea Hernandes

Quanto a cardàpios...nada como uma boa foto dos pratos!

Malu
MaluPermalinkResponder

Rick, tudo que vc escreveu é válido e muito elogiável, mas a realidade (a meu ver por causa da mentalidade brasileira) é completamente outra. Vou contar a nossa experiencia de viagens ao Brasil (moro na Alemanha há 28 anos).

- Enquanto meu marido - tao estrangeiro quanto os turistas que virao para a Copa. Será que virao mesmo? - entra numa fila quilométrica para carimbar seu passaporte, eu desco para esperar as malas. Esse "procedure" fazemos em todas as viagens.
Em janeiro 2014 estivemos aí mais uma vez. Junto com nosso aviao só chegou um aviao da Gol. Resultado, levei 2 h aguardando nossas malas enquanto meu marido levou o mesmo tempo para ter seu passaporte carimbado.
Eu, que já trabalhei no aeroporto de Munique, me pergunto como é possível levarem 2 horas para transportarem as malas de um aviao até a esteira? Passam antes pelo "setor de revista"?
E o que farao quando 10, 15 avioes descerem quase ao mesmo tempo, será ligado o alarme de catástrofe? Ou os turistas só receberao as malas quando a Copa tiver terminado?

- Tema honestidade. Exceto nos taxis especiais que por terem "preco especial", os motoristas "parecem" honestos, só uma única vez, do aeroporto de Guarulhos para a rodoviária, viajamos tranquilos. O motorista, além de gentil, falava um pouco de ingles. Na realidade ele parecia mais alguém, de outra área, que virou motorista de táxi por necessidade. Os motoristas de táxi profissionais sempre nos passam a impressao, pelo próprio jeito de tentar nos "engabelar" numa conversa pra boi dormir (eu sou brasileira e meu marido fala portugues), que vao dar logo um "bote".
O que eles farao com os turistas da Copa que nao entendem e nem falam portugues? Vao dizer que o preco está em dolar por causa da Copa? Nao duvido.

Outro exemplo vivido nessa última viagem. Num balcao, dentro do aeroporto, uma jovem oferecia maletinhas (bagagem de mao) TOTALMENTE DE GRACA. Era uma "pesquisa" para saber quais os cartoes de crédito mais utilizados nos aeroportos (com se ninguém soubesse!). Como nao nasci ontem e sei que de graca nao existe absolutamente nada, com perguntas meio "matutas" (às vezes é ótimo passar-se por bobo! rsrsrs) consegui descobrir que aquela campanha era para vender assinatura de revistas para os incautos. Depois de fornecer seu n° de cartao de crédito e assinar o formulário a pessoa tinha assinado duas revistas.
Onde estamos minha gente? As tais revistas sao tao porcarias assim que é necessário enganar o cliente para comprá-las? Os organizadores dessa maracutaia nao sabem que, em casos como esses, nós, aqui no exterior, podemos exigir nosso dinheiro de volta e eles acabam no prejuízo?

E para completar a história, a jovem disse que eu tinha uma pulseira diferente, muito bonita. Ao que respondi "fui eu que fiz". "Ah, me dá ela e faz outra outra pra senhora".
Se essa falta de profissionalismo nao fosse UM ESPANTO SEM TAMANHO, eu teria até rido.
E é essa gente que vai recepcionar o turista da Copa. Que vergonha!

- Exploracao. Um conhecido meu, da área de turismo, está alugando um "apertamento" espartanamente mobiliado (para nao dizer pobremente, de mau gosto e sem qualidade) para até 6 pessoas, pertinho do Maracana, por "infimos" 70 MIL REAIS por 2 semanas. Bebeu? Na era da Internet, do Google Maps, do Street View ninguém cai mais nessa.
Que turista estrangeiro quer ficar hospedado no Maracana (bairro) ou adjacencias? Turista estrangeiro só conhece (de nome) um bairro no Rio de Janeiro: Copacabana. Nem Ipanema, nem Leblon entram na lista deles, a nao ser que viagem com operadoras.

Hoje li no jornal uma citacao do Geovane Elber, que vai trabalhar como expert para a ARD (tv estatal alema) durante a Copa:
"O Brasil ainda nao está tao preparado (para a Copa) como a ARD e a ZDF". Ambas televisoes estatais alemas.

Por isso e mais outras "coisitas" é que estou curiosa para ver que nota o Brasil receberá como anfitriao. Pelo andar da carruagem, vai perder pra Africa do Sul.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar