Sul do Chile | Curanto: mar e montanha vão à mesa em Chiloé

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

Curanto em Chiloé

Curanto

“Não destapem o curanto até estarmos aí!”, implorava a nossa anfitriã em Chiloé aos encarregados pelo nosso almoço, por telefone. Estávamos atrasados – como são longas as distâncias naquelas ilhas! – e, com a nossa demora, o assado poderia passar do ponto.

Apenas chegando ao local do almoço pude entender a importância de assistirmos ao destapar do curanto. Antes, explico: o curanto en hoyo é o prato mais típico do arquipélago de Chiloé. Tem origem indígena, e é um grande assado feito sobre pedras quentes, em um buraco cavado no chão.

Nalca

Folhas de nalca

Mexilhões, ou choritosVôngoles, ou almejas

Mexilhões, ou choritos | Vôngoles, ou almejas

O curanto diz muito sobre o local onde nasceu. O assado é preparado entre enormes folhas de nalca, uma planta encontrada ali por todo lugar. Seu ingrediente principal são mariscos, abundantes no arquipélago e fonte de emprego para muitos moradores. O curanto também leva batatas, outro alimento que é um símbolo chilote – existem centenas de tipos de batatas nativas no arquipélago, e se vê plantações de batatas em cada pequena propriedade por onde se passe. Também representam esse aspecto rural das ilhas as outras carnes usadas, como o porco e o frango. Mas, mais do que tudo, o curanto tem a ver com a cooperação entre amigos, com a generosidade e o bem-receber. E tudo isso é a cara de Chiloé.

Puñihuil, Chiloé

Puñihuil

Restaurante Bahía PuñihuilRestaurante Bahía Puñihuil

Restaurante Bahía Puñihuil

Nosso curanto estava sendo preparado desde cedo em Puñihuil, na parte noroeste da ilha principal, que é de onde saem os passeios para as pingüineiras. Entramos em uma casinha anexa ao restaurante Bahía Puñihuil e encontramos um montinho de terra assim:

Curanto em Chiloé

E logo teve início a cerimônia do “destape”.

Curanto em Chiloé

Primeiro, a terra foi retirada, revelando a cobertura de folhas de nalca.

Curanto em Chiloé

Então, apareceram os chapaleles, panquecas de batata que tomam emprestadas a cor e o sabor das folhas.

Chapaleles

Por fim, a grande revelação: batatas, lingüiças, pedaços generosos de porco...

Curanto em Chiloé

Curanto em Chiloé

... e a maior quantidade de mexilhões e vôngoles que jamais vi e jamais verei.

Curanto em Chiloé

Foram necessárias pelo menos cinco pessoas para dar conta de acomodar toda a comida em travessas e bacias.

Enquanto eu assistia, pasma, àquele verdadeiro ritual, um senhor sorridente tirou alguns mariscos diretamente do buraco e me trouxe para experimentar. E nada que eu diga aqui poderá descrever exatamente o quão frescos e perfeitamente cozidos estavam aquelas almejas e aqueles choritos, e nem a delicadeza do gesto daquele senhor, tão feliz em dividir um pouco da sua cultura com um visitante.

Subimos, em seguida, ao restaurante, onde faríamos a refeição. Os pratos chegaram à mesa em porções colossais, misturando ingredientes da água e da terra, assim como mar e montanhas representam tudo o que é Chiloé.

Curanto

Curanto

À mesa, o curanto não foi unanimidade. É um prato direto ao ponto, livre de requintes, como a nossa feijoada. Mas, para quem considera que história e cultura também se transmitem pela culinária local, essa é uma experiência imperdível. Bem, talvez seja boa idéia pedir meia porção. smile

Mariana viajou a convite da SERNATUR Los Lagos e do Turismo do Chile.

Leia mais:

2 comentários

Geovane Paulo Hoelscher

Muito bacana. Há princípio, descartei a idéia de conhecer Chiloé, mas, após a leitura, deu-me grande vontade de ir.

Daniela Nunes
Daniela NunesPermalinkResponder

No livro da escritora chilena Isabel Allende, "O Caderno de Maya", a personagem principal está vivendo em Chiloé. Uma ótima leitura para quem quiser conhecer os costumes dos habitantes da ilha. Em um dos capítulos, ela descreve a preparação do curanto.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar