Recife: como ir aos Brennands e Fundação Gilberto Freyre no mesmo passeio

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Oficina Brennand

Oficina Brennand

Os passeios culturais no Recife não se resumem a Olinda e ao Recife Antigo. O bairro periférico da Várzea e a Zona Norte recifense rendem um belíssimo programa de dia inteiro, visitando a Oficina Brennand (do grande ceramista Francisco Brennand), o Instituto Ricardo Brennand (do colecionador Gilberto Brennand), a Fundação Gilberto Freyre (que preserva a casa onde morou o sociólogo) e o bairro do Poço da Panela (de belos casarões junto ao rio Capibaribe).

Atenção, que é um passeio cheio de pegadinhas. Apesar de serem no mesmo bairro, a Várzea, os dois Brennands ficam em margens opostas do rio Capibaribe. Durante muito tempo, funcionaram em dias e horários desencontrados. Os horários continuam diferentes, mas desde julho de 2014, quando a Oficina passou a abrir aos sábados e domingos, ficou mais fácil de encaixar os dois Brennands no mesmo programa. A Oficina abre de 2a. a 5a. das 8h às 17h, 6a. das 8h às 16h, e sábado e domingo das 10h às 16h.O Instituto abre de 3a. a domingo, mas só à tarde, das 13h às 17h (fecha 2a.). Desde que este post foi publicado, apareceu mais uma facilidade para visitar os museus por conta própria: os endereços agora estão corretos no Google Maps (e dá também para usar o Waze). Mas como os dois primos, Francisco e Ricardo, não se bicam, não conte em encontrar nenhum material oficial que ensine a chegar aos dois lugares.

Instituto Ricardo Brennand

Instituto Ricardo Brennand

Já dá para pegar os dois Brennands abertos, então, se você for entre 3ª e domingo. Para aproveitar melhor o dia -- e de repente incluir também a Fundação Gilberto Freyre e o bairro do Poço da Panela no passeio -- comece pela Oficina, que sempre abre mais cedo que o Instituto.

Poço da Panela

Poço da Panela

Bora?

 

De Boa Viagem à Oficina Brennand



A melhor saída de Boa Viagem para a Várzea é a que evita passar pelo Centro. Saia pela rua Ribeiro de Brito, que dá na avenida Recife, que por sua vez desemboca na BR 101. Fique atento às placas para a avenida Caxangá: você vai fazer o retorno para pegar a Caxangá para a esquerda (direção oposta ao Centro). Na Caxangá o acesso à Oficina é bem sinalizado. Mantenha-se na pista esquerda: a saída é imediatamente depois da ponte sobre o Beberibe. É uma rua com muitos motéis; quando a rua acabar, basta virar à esquerda, que você já está na reta final da Oficina; basta seguir três minutos pela estradinha de terra.

Oficina Brennand

Oficina BrennandOficina Brennand

Oficina Brennand

Oficina BrennandOficina Brennand

Oficina Brennand

A Oficina é o museu-ateliê de Francisco Brennand, o maior ceramista brasileiro. Você vai ver (ou já terá visto) a obra dele no Parque de Esculturas do Marco Zero, no Recife Antigo. Mas na minha opinião as esculturas ficam muito mais impressionantes no mocó da Várzea. Dizem que de vez em quando o próprio Brennand (octogenário, mas ainda na ativa) pode ser visto na galeria. O ingresso custa R$ 20. O local tem loja e café.

Da Oficina Brennand ao Instituto Ricardo Brennand



Não espere placas indicativas neste trajeto. Volte à avenida Caxangá, atravesse a ponte sobre o Capibaribe e já pegue a primeira saída à direita, que dá na avenida Afonso Olindense. Continue toda vida; quando a rua acabar, vire à esquerda e já pegue a primeira à direita, que é a rua Mário Campelo. Dali a pouquinho você já estará no balão em frente ao acesso ao Instituto Ricardo Brennand.

Instituto Ricardo Brennand

Instituto Ricardo BrennandInstituto Ricardo Brennand

Instituto Ricardo Brennand

O Instituto Ricardo Brennand é a materialização de um sonho excêntrico do colecionador Ricardo Brennand. Dono de uma das mais importantes coleções de armaria (armaduras, espadas, punhais, facas) do mundo, resolveu construir um castelo medieval para expor seu acervo. Num outro prédio, a Pinacoteca, o instituto exibe a maior coleção privada de Frans Post, paisagista que retratou o Brasil durante a ocupação holandesa. Gravuras, cartas e moedas da época do Brasil holandês também estão à disposição do público. O caminho para a cafeteria é todo ladeado por esculturas européias do século XIX. O ingresso custa R$ 25.

Do Instituto Ricardo Brennand à Fundação Gilberto Freyre



Saia do instituto e vá em frente pela rua Isaac Buril; ela vai continuar como Luís Freire e vai dar na BR 101. Pegue o retorno para a esquerda (direção João Pessoa). Você vai passar pelo viaduto sobre a avenida Caxangá. Mantenha-se à direita, porque logo depois da próxima ponte (sobre o Capibaribe), você vai pegar a primeira à direita. Esse acesso vai dar na rua Dois Irmãos, onde a Fundação Gilberto Freyre estará no número 320, à sua esquerda. A fundação é bastante discreta; é possível que você só perceba a Fundação Joaquim Nabuco, sua vizinha de muro. Se precisar pesquisar no Google Maps, use o endereço mesmo: Rua 2 Irmãos, 320.

Fundação Gilberto FreyreFundação Gilberto Freyre

Fundação Gilberto Freyre

A Fundação Gilberto Freyre -- ou melhor: Casa-Museu Magdalena e Gilberto Freyre -- fica no sítio em que o sociólogo-escritor-poeta-político-causador viveu com sua mulher Magdalena por mais de 40 anos até morrer. O casarão teve sua última grande reforma em 1881. Freyre só acrescentou quadros, livros, móveis e objetos, todos conservados como na época em que viveu ali. A visita é guiada -- mas o script é delicioso, cheio de citações da obra e anedotas da vida de Freyre. A visita dura 40 minutos e custa R$ 10 -- mas você só paga ao sair (provavelmente porque vai acabar comprando um ou dois livros na lojinha). Pena que não dá pra tirar fotos dentro da casa. Importante: assim como a Oficina Brennand, a Fundação Gilberto Freyre só abre de segunda a sexta. O horário é das 9h às 16h30, (fecha sábado e domingo).

Da Fundação Gilberto Freyre ao Poço da Panela

Poço da Panela

Poço da PanelaPoço da Panela

Poço da Panela

A Zona Norte é a região mais tradicional do Recife. Quem mora em Casa Forte e arredores só vai a Boa Viagem quando quer pegar praia (ou se trabalhar na região). Hoje a região está tomada por edifícios residenciais -- mas uma pequena área tombada, junto ao Capibaribe preserva casarões centenários: é o Poço da Panela. Nem só de casarões é feito o bairro; suas ruas hoje também estão ocupadas por casas modernas -- mas não é permitido construir arranha-céus.

BarchefBarchef

Barchef

Um ótimo lugar para terminar seu tour cultural é no complexo Barchef, na esquina da avenida Dezessete de Agosto com a rua Marques de Tamandaré: ali, num casarão belíssimo, funciona um mercado gourmet com mesas ao ar livre e, nas tardes de sexta a domingo (e nas noites, desde terça), um bar de tapas e um restaurante italiano. (À noite também funciona um pub.)

Para ir da Fundação Gilberto Freyre ao Poço da Panela, basta seguir pela Dois Irmãos, que logo vira Dezessete de Agosto.



E para voltar a Boa Viagem, vá pela Dezessete de Agosto e siga as placas: você vai virar à esquerda para pegar a Rui Barbosa, e daí vai ser uma reta até a Agamenon Magalhães, de onde só não é molezinha chegar a Boa Viagem porque o trânsito quase sempre é um problema.



Aqui vai o roteiro completo desse passeio:



Claro que fica mais simples fazer todo o roteiro com um taxista contratado para o dia. Mas vai por mim: talvez ele precise do Waze também...

Leia mais:

32 comentários

Juliana Santiago

Muito boa matéria! E realmente ajuda bastante quem não é de Recife (e até quem é!) a se programar pra fazer esses passeios que ficam bem fora de mão.
Fiz um post sobre o Instituto Ricardo Brennand, caso queiram aproveitar pra conhecer um pouco mais.
http://www.dolugarviagem.com.br/2013/11/instituto-ricardo-brennand-passeio.html
Abraços, Jujusan wink

Patricia Papp
Patricia PappPermalinkResponder

Nossa este post foi feito pra mim! Obrigada, estava pesquisando sobre isto hoje mesmo!

Viviane
VivianePermalinkResponder

Ficou excelente o post. Até nós moradores de Recife sentimos dificuldade pra chegar na Oficina Brennand. Existe uma promessa de ônibus turístico aqui no próximo ano, mas o trajeto será Boa Viagem-Recife Antigo-Olinda.

Oficina Brennand – passeio nos arredores de Recife | COISAS DE MÃE I Patrícia Papp

[...] Na véspera da minha viagem, o Ricardo Freire publicou um post com instruções detalhadas (veja aqui). A Naira, do  Embarque na Viagem também tinha acabado de voltar e me deu dicas! [...]

Recife a caminho das praias de Pernambuco | COISAS DE MÃE I Patrícia Papp

[...] restaurantes e algumas baladinhas. No site Viaje na Viagem, o Ricardo Freire falou sobre o Barchef (veja aqui), passamos na frente e achei muito [...]

O impressionante acervo do Instituto Ricardo Brennand | #osclaudiosnomundo

[...] Mas a visita ainda não havia acabado, restava conhecer o último prédio do instituto: o famoso castelo do Brennand com direito inclusive a um fosso ao redor. Achei bem brega e deslocado, arquitetonicamente falando, mas enfim o dinheiro é dele né? Dentro do castelo está a vasta coleção de armaria com direto a muita espada, adaga, canivete, armadura, coletes e afins. É difícil até prestar atenção individualmente a uma peça isoladamente, de tanto item junto que tem ali. Se fosse um pouquinho menos organizado, ia parecer uma loja de antiquário. Pode contar em gastar umas 2h para poder circular por todo o Instituto. Querendo otimizar seu roteiro, dá para combinar a ida aos dois Brennands no mesmo dia visitando um Brennand antes e o outro depois do almoço. O Viaje na Viagem fez um post legal indicando como chegar lá . [...]

Claudio
ClaudioPermalinkResponder

Voltei aqui só pra agradecer! Esse post foi super útil na minha viagem a Recife smile
Agora vale um update no circuito cultural da capital pernambucana. Visitem também o mais novo museu aberto lá: o sensacional Cais do Sertão! Fiz um post lá no meu blog e deixo o link abaixo para quem quiser conferir.

http://osclaudiosnomundo.com/2014/06/14/cais-do-sertao-o-mais-novo-e-incrivel-museu-de-recife/

abs

Eder Kleim
Eder KleimPermalinkResponder

Olá! Ótima matéria, mas acho que falta atualizar um detalhe... eu entrei hoje nos sites do Instituto Ricardo Brennand e da Oficina Brennand, e consta que ambos estão abrindo durante os fins de semana. Abraços!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Ola, Eder! Obrigada pela informação! Vamos atualizar!

O Instituto sempre abriu fim de semana, a Oficina é que historicamente sempre teve horário de fábrica. É uma super novidade bacana!

Daniela Franco

Existe alguma operadora que ofereça este tour? Alias, aceito dicas de operadoras/turismo receptivo em Recife. Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Daniela! Não sabemos indicar. Mas o seu hotel em Recife pode te dar indicações. wink

Rosiane Souza
Rosiane SouzaPermalinkResponder

Obrigada pelo post!!! Só conhecia (de ouvir falar) o Instituto, não a Oficina! Vamos esta semana e já anotei tudo. Espero só que meu marido não reclame, pq vamos com nosso filho de três anos e ele (marido) cisma que não poderemos passear muito. Eu tenho certeza de que, pelo menos, a Oficina e o Instituto rolam tranquilamente. Abraços!

Janleide
JanleidePermalinkResponder

Alguém sabe se tem lugar p guardar mala no aeroporto de Guararapes?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Janleide! Tem armários.

Eleonora
EleonoraPermalinkResponder

Olá bóia, seguindo as dicas, pretendo ir no período da manhã na Oficina e a tarde no Instituto. Tens alguma sugestão de lugar agradável para o almoço ou lanche em um dos dois ou em local próximo.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eleonora! Os dois Brennands têm ótimos cafés-restaurantes.

Fabiana
FabianaPermalinkResponder

Gostaria de saber se esse tour ainda funciona, pois fiquei interessada a fazer com os meus amigos.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Fabiana! As informações estão atualizadas, você faz a visita por conta própria ou contratando um taxista para o dia.

Rosa Maria de Britto Silva

Excelente apresentação e cuidada nas imagens e comentários: tudo que estive procurando sobre os Brennand. Ainda há muita falta de informação nas dicas turístoicas para Recife! Obrigadooo!

Camila Torres
Camila TorresPermalinkResponder

Que delícia de passeio ! já ativou meu modo criador de roteiros: Recife, Olinda e Fernando de Noronha em 2 semanas. smile

David Teixeira

Cara muito obrigado matou todas as minhas dúvidas de uma só vez... Valeu

Adalgisa Pires

valeu super! estou indo pra lá hj a noite e amanhã farei a oficina e o instituto... talvez jante no poço! deixarei o casarão para segunda-feira!! : )

Gabriela
GabrielaPermalinkResponder

Boa noite!
Voltei ontem de Recife e os Brennands valem mto a pena! Fomos de Táxi do Pina até a oficina (algo entre 50,00 e 60,00 reais de Táxi especial do hotel). Da oficina ao Instituto, fomos com um táxi comum (25,00 reais) que chegou na oficina para deixar um passageiro, mas o pessoal da portaria tem o telefone de um ponto próximo à oficina. Na saída do instituto, perto da hora de fechar (e num domingo de movimento) tinha alguns táxis no estacionamento, então pegamos um deles. Aí gastamos mais uns 35,00 de volta para o Pina. Foi uma logística bem tranquila e o passeio foi ótimo!

francisca f a melo

gostaria de saber os custos e nimes de redtaurantes no museu na ofivina , pois pretendo levar alguns alunos excursao escolar.
obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Francisca! Dê uma ligadinha lá, peça para falar com o café, pergunte os preços de que você precisa.

Elizabeth
ElizabethPermalinkResponder

Excelente post, vou para Recife no final de Fevereiro, e foi muito útil.Quero muito fazer esse passeio a Oficina e ao Instituto.

Paulo M F Marques

Sem comentários, excelente lugar pra conhecer e voltar ao antepassado e saber mais de nossa historia medieval.

Otávio F.
Otávio F.PermalinkResponder

Ótimo. Fui lá quando era criança e passamos 1h30 rodando de carro para achar a oficina e o instituto. Mas valeu.

tereza
terezaPermalinkResponder

Excelentes comentários! Super úteis.

Maria da Paz
Maria da PazPermalinkResponder

Que delícia de roteiro! Conheço os locais, mas fiquei inclinada a refazer as visitas por não conhecer o Poço da Panela.

Sandra R M Delgado

Eu não entendo como os passeios pelos Brennands não são divulgados e nem as agências de turismo não tem nada programado para isso. Tive que contrataram motorista, excelente, por sinal que acompanhou o dia todo. Valeu cada passo. A Oficina é maravilhosa, deliciosa! Tente chegar cedo para poder olhar tudo, pelo menos umas 3h para ficar bem à vontade. Depois fomos para a fundação Gilberto Freire. Vale conhecer. E por último no instituto Brennand. O restaurante não pode jamais deixar de visto é consumido. E as 3 construções deste local são lindas. E todo o acervo seriam mais 3 horas para ver tudo, portanto cheguem na abertura, almocem e fique até fechar. Só tenho a agradecer as dicas daqui e a oportunidade de ter ido.

Gênesis
GênesisPermalinkResponder

Muito bom!

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar