Dinheiro para viagem: que moeda levar? Quando usar cartões?

Ricardo Freire
por Ricardo Freire

Dinheiro no exterior

Não existe meio de pagamento perfeito no exterior. Todos tem prós e contras.

Levar dinheiro vivo faz você evitar os 6,38% de IOF (o imposto baixa para 1,1%). Mas tem que levar a moeda certa, senão você pode perder bem mais do que isso nas operações de câmbio.

Usar cartão pré-pago (tipo "travel money") é bem mais seguro do que levar dinheiro vivo. Mas você paga 6,38% de IOF.

Tirar da carteira o cartão de crédito é cômodo, seguro e pode render milhas. Mas além dos 6,38% de IOF, você está sujeito à variação cambial: se o real desvalorizar entre o momento da compra e o momento do pagamento da fatura, você tem gastos extras.

Veja as peculiaridades de cada um dos meios de pagamento para montar o seu mix.

Dinheiro no exterior

DINHEIRO VIVO

O IOF de 1,1% é cobrado no momento da compra da moeda.

Para países de moeda forte: leve a moeda do país

Compre dólar para viajar aos Estados Unidos, euro para a zona do euro e libra para o Reino Unido. Parece óbvio, mas com a desvalorização do real tem gente comprando dólar para levar para a Europa só porque está mais barato do que o euro, ou levando euro para o Reino Unido só porque está mais barato do que a libra.

É um erro: do mesmo jeito que o euro vale mais que o dólar no Brasil, também vale mais do que o dólar na Europa, na mesma proporção. Ao trocar o seu dólar por euro na casa de câmbio na Europa, você vai pagar a diferença que achou que estava economizando, e ainda vai perder mais uns 3 a 5% na operação cambial. (Já reparou como o câmbio tem sempre duas cotações, uma mais alta e outra mais baixa? Funciona assim: na hora que a gente compra, paga a cotação mais cara; quando vende, recebe pela cotação mais barata.)

Levar dólar para os Estados Unidos, euro para a zona do euro e libra para a Inglaterra apresenta duas vantagens insuperáveis: você compra no Brasil por uma cotação justa (é alta, mas, acredite, é o que vale) e durante a viagem pode usar o dinheiro diretamente no comércio, sem passar novamente por uma casa de câmbio.

Teoricamente, o mesmo raciocínio valeria para outras moedas fortes, como franco suíço, dólar canadense, dólar australiano, dólar neo-zelandês e yen japonês. Mas muitas dessas moedas são vendidas por uma cotação mais cara do que deveriam; normalmente valem mais a pena no cartão pré-pago do que como dinheiro vivo (provavelmente porque não há muito dinheiro em espécie dessas moedas em estoque por aqui).

Quer saber como determinar se a cotação é justa ou não? Veja a diferença entre as cotações de compra e venda. Se a diferença estiver entre as duas cotações estiver em torno de 10% (pode passar um pouco), a cotação está OK. Se a diferença entre as duas cotações estiver na faixa de 20%, então a moeda aqui está cara demais. Nesse caso, valerá a pena comprar dólar e trocar pela moeda local no país.

Para países de moeda fraca: leve dólar ou euro (ou use cartão!)

Com o dólar alto, muita gente passou a achar que é vantagem comprar peso argentino, peso chileno, peso uruguaio, peso mexicano, peso colombiano, nuevo sol peruano aqui no Brasil. É tudo tão baratinho, não? Custa centavos (o peso chileno custa milésimos de real!).

Ilusão, gente. TODAS (repetindo: TODAS) essas moedas estão supervalorizadas no nosso mercado. Se você for ver a diferença entre as cotações de compra e venda, dá 20%, 30%, chega a 40%! (O dólar e o euro mantêm uma diferença de 10% entre as cotações.) É um mau negócio. Até cotação de casa de câmbio de aeroporto, que normalmente é ruim, consegue ser mais vantajosa do que as cotações dessas moedas aqui no Brasil.

(Exceção à regra: em lugares de fronteira, a cotação da moeda do país vizinho fica vantajosa. Por exemplo: vale a pena comprar pesos argentinos em Foz do Iguaçu. Ou em lugares com colônia argentina, como Búzios e Bombinhas.)

Se você vai para país de moeda fraca, leve dólar ou euro. Do mesmo jeito que dólar e euro valem muito aqui, valem muito também no Peru, no México, na Hungria, na Turquia, na República Tcheca, na África do Sul. Mesmo fazendo duas operações de câmbio (para comprar o dólar ou o euro aqui, e vender no país da viagem), você ainda perde menos dinheiro do que se comprar a moeda fraca aqui.

Quando precisar trocar seu dinheiro, evite as casas de câmbio de aeroportos e próximas a atrações turísticas: essas oferecem as piores cotações. Nos fins de semana também a cotação baixa; troque o estritamente necessário. Na Europa, descubra as agências de banco que têm setor de câmbio; elas oferecem cotações mais vantajosas que as casas de câmbio.

Mas se você não quer esquentar a cabeça e perder tempo de suas férias fazendo cálculos e procurando casas de câmbio com cotações justas, use cartão de crédito. Garanto para você que, na média, por oferecer sempre uma cotação justa, a qualquer hora do dia e em qualquer dia da semana, o cartão pode fazer você perder menos dinheiro do que a troca em casas de câmbio.

Não leve reais. Você vai fugir do dólar alto mas vai encontrar uma baixa cotação do real em praticamente todo lugar, com exceção desses três do próximo tópico (e olhe lá).

Leve reais somente para Buenos Aires, Santiago e Uruguai

O real é pouco valorizado fora do Brasil. Ao levar reais pensando em economizar 6,38% de IOF e driblar a alta do dólar, você pode acabar vendendo sua moeda com um prejuízo de 10 ou 12%, muito maior do que o imposto que quis evitar.

Os únicos lugares onde o real encontra cotação razoável são o Uruguai (Montevidéu, Punta del Este e Colonia del Sacramento), a cidade de Buenos Aires e a cidade de Santiago. Para outros destinos da Argentina ou do Chile, leve dólares.

CARTÃO PRÉ-PAGO / TRAVEL MONEY

O IOF de 6,38% é cobrado da carga ou recarga de moeda. A cotação que vale é a do momento da compra. Não há tarifas para gastos no comércio. Há tarifas para saque em caixa eletrônico (US$ 2,50 por operação, mais as taxas do uso do equipamento, que variam de rede para rede). O cartão pode ser recarregado à distância, por internet banking (em dias úteis, durante o horário de funcionamento do mercado de câmbio no Brasil.)

Faça o cartão na moeda do país

O melhor desempenho do cartão pré-pago é quando a moeda carregada no cartão é corrente no país que você vai visitar. Se o seu cartão pré-pago for carregado com dólar, você não perderá nada ao fazer gastos em dólar nos Estados Unidos. Se o seu cartão pré-pago for carregado com euro, você não perderá nada ao fazer gastos em euro na zona do euro.

Mas se você usar seu cartão pré-pago carregado com dólar num país onde a moeda é o euro, você vai perder de 3 a 5% de conversão cambial. Exatamente como se você pegasse dólares vivos e fosse trocar por euros vivos numa casa de câmbio.

Além do dólar, do euro e da libra esterlina, existem cartões pré-pagos carregáveis em dólar canadense, dólar australiano, dólar neo-zelandês, franco suíço e yen japonês, que podem ser boas alternativas para quem vai viajar para esses países. Se a diferença de cotação de compra e venda estiver próxima, ou ligeiramente acima, de 10%, o cartão vale a pena. Se a diferença estiver em torno de 20%, você vai perder menos se levar cartão em dólar.

País de moeda fraca: tanto faz dólar ou euro

Em país de moeda fraca, é indiferente levar cartão pré-pago em dólar ou em euro. As duas moedas conservam cotações justas no mundo inteiro.

Todos os gastos e saques, porém, ocasionarão uma nova operação cambial, na qual você vai perder de 3 a 5%, como se levasse o dólar ou o euro numa casa de câmbio para trocar pela moeda local. A diferença com relação ao dinheiro vivo é que a cotação será a mesma em qualquer lugar, sem risco de ser engambelado por uma casa de câmbio espertinha, e sem variação entre dia da semana e fim de semana.

Dinheiro no exterior

SAQUE DA CONTA CORRENTE EM CAIXA AUTOMÁTICO

O IOF de 6,38% é cobrado a cada saque; a cotação que vale é a do momento do saque.

Essa costumava ser a minha forma preferida de obter dinheiro no exterior. Basta habilitar a função saque internacional antes de viajar, e dá para tirar moeda local em caixa automático aonde você for.

Porque "costumava" ser a minha forma preferida? Porque ultimamente as tarifas de saque e de uso do equipamento inflacionaram demais. Isso, combinado com o baixo limite de operação de muitas redes, faz com que a cotação final acabe bastante desvantajosa.

É uma opção que vale a pena quando você não paga tarifa de saque ou de uso de equipamento no exterior (alguns bancos internacionais oferecem isso a clientes de contas premium), ou quando consegue sacar acima de US$ 300 de cada vez.

Se você conseguir sacar 250 euros ou 300 dólares (ou o equivalente a isso em países de moeda fraca), vai fazer um bom negócio. Menos do que isso, sacar moeda local no caixa automático será apenas um luxo (e um luxo caro).

Dinheiro no exterior

CARTÃO DE CRÉDITO

O IOF de 6,38% é cobrado a cada gasto. A cotação que vale é a do momento do pagamento da fatura.

Por estimular o descontrole de gastos, o cartão de crédito já é normalmente tido como o vilão das viagens. Em situação de instabilidade cambial (ou terremoto cambial, como estamos vivendo em 2015), então, o cartão de crédito vira o pária dos meios de pagamento no exterior.

Mas veja bem. Um dia -- um dia -- teremos novamente uma moeda estável. E quando esse dia voltar, saiba que o cartão de crédito não é esse bicho-papão todo, não.

A comodidade e a segurança que o cartão de crédito proporciona, na minha opinião, supervalem os 6,38% de IOF. E ainda rendem milhas, que ajudam a compensar a diferença.

A exceção uruguaia

No Uruguai o cartão de crédito barateia a ida a restaurantes: pagamentos em cartão internacional têm direito a 18,5% de desconto do IVA – o que compensa largamente o IOF e o risco de desvalorização. A mamata começou há três anos e tem validade garantida até pelo menos 30 de outubro de 2017.

Leve o seu cartão, mesmo se não for usar

Ainda que usar cartão de crédito não esteja nos seus planos, não esqueça de levar na carteira, devidamente desbloqueado para uso no exterior.

Primeiro, porque um cartão de crédito no bolso é o melhor plano B para qualquer emergência.

E depois, porque um cartão de crédito internacional é indispensável em todas as operações que exijam caução (ou "bloqueio", no jargão do meio). Você não vai conseguir alugar carro sem um cartão, e alguns hotéis também vão fazer um bloqueio preventivo para cobrir diárias e extras.

Sem cartão de crédito você tampouco conseguirá comprar ingressos e tours antecipadamente online.

Leia mais:

637 comentários

Juliana Fernandes

Acho q depende p onde vai e qto tempo fica... Último fds fomos p Buenos Aires, levamos Real e Dólar, em frente ao hotel trocamos Real por 5 Pesos, deixamos o dólar guardadinho e fizemos a festa (principalmente no Free Shop da volta...e olha q desta vez nem usei Ezeiza...). Vale fz uma pesquisa da coração do país e da facilidade de câmbio (impossível fz isso no Japão p.exemplo). Bjs

Felipe
FelipePermalinkResponder

Ando pensando seriamente em abrir uma conta no BB Américas no intuito de economizar na cotação do dólar e IOF.
Para quem tem conta BB S/A pode abrir a conta no BB Américas Americas por e-mail e fazer até 4 transferências mensais que utiliza dólar comercial com mais 2 a 3 centavos sem o ogro de taxas.
Porém o BB está aumentando a necessidade de saldo em conta para zerar sua manutenção.

Decio
DecioPermalinkResponder

O BB Américas parou de abrir contas por e-mail desde abril/14. Só as abre presencialmente.

Ursula
UrsulaPermalinkResponder

Eu abri minha conta no BBAmericas por email em outubro de 2014. Precisei abrir primeiro no Banco do Brasil e depois no BBAmericas. Demorou 2 meses para ficar tudo certinho. Recebi meu cartão de débito no Brasil,na minha casa.

Diogo Avila
Diogo AvilaPermalinkResponder

Riq,
Também opto pelo mix e o pré-pago vira um salva-vidas em último caso.
Só acho que ao optar pelos saques em ATM no cartão de débito, o viajante deve estar ciente que tanto o banco dele (no Brasil) quanto (às vezes) o ATM local podem cobrar tarifas.
É verdade que a ATM de bancos locais oficiais não cobram nada a mais, e os poucos que cobram, cobram pouco.
Recomendo sempre consultar o gerente do banco para verificar esta tarifa de saque internacional (para compras não existe!). O Santander em determinados pacotes de serviços dá direito até 2 saques internacionais por mês. Já o Itaú nas últimas viagens não me cobrou - não sei se é pelo tipo de conta também.
Dependendo da quantidade de saques que se faz e do valor das tarifas, pode não compensar. Quando preciso, procuro sempre fazer saques consideráveis para diluir as tarifas.
Em setembro, na Suíça, utilizei praticamente só crédito e dinheiro vivo por conta deste racional.
O fato é que a coisa não está nada fácil para quem quer viajar.
Abraço.

Natalie Soares

Diogo,

alguns bancos que operam no Brasil não cobram uma tarifa extra para saque internacional em moeda local, o Citibank é um deles. E dependendo do status da sua conta, o banco também oferece melhores condições para esse tipo de transação.

Pra quem não se sente confortável em levar muito dinheiro vivo e carregar a tal "doleira", essa é uma opção a ser considerada e como você disse, nada melhor do que conversar com o gerente da sua própria conta wink

Fabiola
FabiolaPermalinkResponder

Na minha última viagem, levei apenas dinheiro e não me arrependo. Carregávamos tudo na doleira e um valor suficiente para o dia na carteira (para não ter que mexer na doleira durante o dia). Nem "sentíamos" a doleira colada ao corpo e ainda conseguimos descontos em várias lojas por pagar em dinheiro, e não em cartão. Tive sorte, pois quando cheguei de viagem (após as eleições) o dólar subiu bastante e eu acabaria tendo surpresas desagradáveis no dia do fechamento do cartão...

Renata
RenataPermalinkResponder

Sou da sua "turma" Fabiola. Tb carrego tudo na doleira e em nada me incomoda. Levo o cartão de crédito e pre pago com uma quantia para alguma outra emergência ou local que não aceite dinheiro. Dependendo da quantia acontece.

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Tambem costumo levar tudo que vou gastar em dinheiro vivo, alem do cartão de debito e credito liberado para eventuais necessidades. Comprei na Colombia uma doleira a prova dagua que levava até nos mergulhos.

Rafael Carvalho

Ótimas dicas. Já algum tempo estou montando esse "mix" nas minhas viagens. E com essa instabilidade, mais do que nunca! Abraços

Tânia
TâniaPermalinkResponder

Também opto por levar uma pequena quantia em dinheiro para as emergências e pagar o restante das compras com o cartão de crédito/débito. Acho mais seguro, apesar da taxa cobrada. Fiz isso tanto em Buenos como na Europa e EUA.

Juliana Stuginski Barbosa

Meu primo acaba de voltar da China e disse que não perdeu com a troca nas casas de câmbio por lá. Ano passado estava em Nanjing e acabei trocando no banco mas não prestei atenção. Vou novamente agora e levarei a maior parte em dinheiro vivo (a China é bem segura) e dois cartões como o Ricardo indicou. Abs

Anelise
AnelisePermalinkResponder

Agora em outubro estive nos EUA e me surpreendi quando 3 restaurantes não aceitaram o cartão pré-pago. Já viajei várias vezes com o Visa Travel Money do BB e nunca tinha sido recusado, ficava bem tranquila, mas dessa vez me deparei com essa situação e achei interessante relatar pois não tinha visto ninguém ainda falando de estabelecimentos que não aceitam pré-pago. Quanto ao cartão de crédito, realmente está um período bem ruim pra comprar em dólar, só tive surpresas desagradáveis com a fatura desde que voltei. Na maior parte dos gastos usei cash e foi tudo tranquilo, levava na carteira mesmo, mas preferia o tempo em que eu podia pagar tudo no cartão, muito mais prático e seguro.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Anelise, isso aconteceu comigo uma vez.
Passei a dizer q o cartão era crédito e nunca
mais tive problema.

Breno
BrenoPermalinkResponder

Lembrei que no final do ano passado, em Los Angeles, estava na fila do quiosque onde se compra o ticket para o onibus (FlyAway) que vai da Union Station ao aeroporto (LAX), e uma moça (européia, acho) ficou muito revoltada ao saber que o único meio de pagamento era com cartão de crédito, que ela não tinha. Felizmente, o casal que estava logo atrás dela na fila se ofereceu para pagar para ela. Foi o único local onde vi essa restrição, mas como é possível que haja outros, um CC à mão sempre é bom (apesar de eventuais desvantagens cambiais).

Anna
AnnaPermalinkResponder

Breno, tivemos esse "susto" com um estacionamento público em Miami. Não tinha funcionário para atender, só cartão de crédito na máquina mesmo.

Quanto ao mix, eu e meu marido sempre optamos por levar tudo em dinheiro vivo e dois cartões de crédito de segurança.

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Tive seríssimos problemas com o Visa Travel Money do Banco do Brasil, em Orlando e NY. Diversas lojas davam como RECUSADO o cartão, me gerando estresse e MUITO PREJUÍZO, pois tive que pagar no cartão de crédito, sendo que já havia gastado taxas e mais taxas no cartão VTM. Eu nunca mais uso cartão VTM na minha vida.

Alcides Guarino

Marcelo, tb tive esse problema, mas quando disse que era crédito, ele passou sem problemas. Naõ o porque disso, mas depois desse acontecimento, não tive mais problemas em usar o travel money nos USA.

katia angelotti

Viajo em abril do ano q vem e adorei as dicas... pergunto: tenho o cartão pré pago do Itau e recebi do itaú a informação que posso também carregar euros no cartão de crédito que será usado como débito...quando a carga acabar ele vira crédito de novo. Alguem sabe a diferença entre esses dois modos de carregamento? Tanta faz??
grata kátia

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Katia! Consulte o Itaú para saber a cotação do euro em cada um dos casos, tarifas para saque e se há possibilidade de fazer recarga durante a sua viagem, caso não queira usar a função crédito.

katia angelotti

perfeito, vou falar com eles. Obrigadasmile

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Cambio é um stress sem fim, e uma perda de
tempo fisico emocional .
Se o destino não for praia , onde a doleira é
complicada demais, opto pelo mix cash e cartao
pré pago ( para uso exclusivo no débito)

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Infelizmente, a única possibilidade de evitar a IOF em saques no exterior, que só servia para correntistas do Banco do Brasil sacando direto de suas contas nas agências BB no exterior, vai terminar em 31 de dezembro, quando não mais será oferecido esse serviço. De qualquer maneira eram cobradas comissões e o câmbio as vezes não era tão conveniente. Correntistas BB, a partir de 2015, só sacando em caixas automáticos.

Henrique
HenriquePermalinkResponder

Depois desta medida arbitraria do governo passei a levar papel moeda, notas de 100 para dolares e 500 para euros, assim nao fazem volume na doleira, com isso passei a fazer cotacao para a compra de dolares e euros e etc..., para quem e do rio tem uma corretora que entrega em casa e serve de referencia para precos pois disponibiliza o preco no seu site e a DGCAMBIO.com.br, vc pode ver a cotacao deles , comprar com eles (hoje estava 2,60 com o iof r$2,61), ou entao ligar pra outras corretoras como a cotacao.com.br e pechinchar do tipo "sr se vc entrar no endereco eletronico www.dgcambio.com.br, e cotacao esta X, vc tem condicoes de cobrir?" Na maioria das vezes eles cobrem ou empatam e vc pode fazer o cambio em algum posto de shopping que vc escolher, isso nao quer dizer que nao leve meus cartao de credito para um sos, aluguei bicicletas em viena e so foi possivel pagar no cartao 1 euro por hora.

Silvia
SilviaPermalinkResponder

Ola, acabei de voltar do Chile, e nos hotéis podemos sim pagar em pesos chilenos e ter a isenção de 19% oferecidas a turistas. E valeu mais a pena levar reais e fazer o câmbio nas casa do centro . Fica a minha dica.

Bruna
BrunaPermalinkResponder

Silvia,
mas no booking avisa isso, que teremos q pagar em dolar para a isencao. Vc ficou so em Santiago ou foi para o interior? Pergunto pq irei para a regiao dos Lagos em janeiro e prefiro levar em dinheiro mas o cambio esta mais vantajoso comprar peso chileno e nao dolar... E reais foram aceitos bem? obrigada

Jeniffer
JenifferPermalinkResponder

Bruna, assim como a Silvia percebi que fazer a troca de Reais para Pesos chilenos nas casas de cambio do centro, é muito mais vantajoso do que levar Dollar. E não caia na besteira de pagar em Reais (alguns estabelecimentos em Santiago aceitam esta transação), troque seu dinheiro nas casas cambiais, os valores cobrados "por fora" não valem a pena. De preferencia, calcule uma base de gastos por dia, e troque o dinheiro. Pois voltar pra casa com Peso chileno, é furada!

Ivanildo
IvanildoPermalinkResponder

Olá Bruna,
Sou marinheiro de primeira viagem e vou agora em fevereiro para a região dos lagos. Estou com algumas dúvidas se der para você enviar algumas dicas agradeço.

Rodrigo Coriolano

Excelente texto, aborda bem as vantagens de desvantagens de cada meio de pagamento para que cada um possa decidir o que melhor lhe convém. Eu também evito levar dinheiro, uso o cartão de crédito e faço saques em moeda local. Costumo dizer que levo dinheiro suficiente só para pegar um táxi em caso de emergência... rsss

Outra desvantagem de levar dinheiro em papel moeda, mesmo nos países onde a moeda é corrente, é que se sobrar dinheiro você vai perder muito mais na conversão para vender o papel moeda no retorno ao Brasil do que a diferença da cotação para o cartão de crédito, por exemplo. E algumas pessoas, para evitar isso, acabam gastando mais do que gastariam se não estivessem com o dinheiro na mão, afinal, dinheiro na mão é vendaval né ... rsss

Com relação à habilitação do cartão de crédito para uso no exterior, muitos bancos permitem que você faça isso diretamente no internet banking, sem precisar sequer entrar em contato com o Banco.

Já utilizei também os serviços da DG câmbio, conforme comentário anterior do Henrique e recomendo para quem é do Rio.

Erika - Blog Próxima Trip

Eu sempre uso cartão de crédito, pra mim a praticidade e facilidade compensam o iof e uma eventual instabilidade na cotação...me dá uma preguiça de pensar em carregar dinheiro, como guardá-lo. e meu cartão me dá uma boa pontuação de milhas. por enquanto não penso em mudar de estratégia.

Alberto
AlbertoPermalinkResponder

No caso do VTM do BB é cobrada alguma tarifa ou taxa na hora de comprar alg produto num pais com a mesma moeda do cartão?

antecipo meu agradecimento à resposta

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Alberto! Não há nenhuma perda suplementar ao fazer transações na moeda que está carregada no cartão.

Marcio Santos
Marcio SantosPermalinkResponder

Prezados amigos viajantes:

Estou planejando uma viagem rodoviária por Argentina e Chile no começo do ano que vem (devo entrar na Argentina na fronteira Uruguaiana/Paso de Los Libres). Qual estratégia de câmbio vocês sugerem ou recomendam? Rosario, Mendoza, Santiago e Bariloche são alguma das cidades pelas quais pretendemos passar. Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcio! Na Argentina, leve reais e dólares vivos. No Chile você pode dispor também dos outros meios.

Joachim Cruz
Joachim CruzPermalinkResponder

E pensar que o Aécio tinha se comprometido a voltar o IOF aos padrões de 2,38% e 0,38% anteriores...

Amaro - Recife

Amigo,

acho que aqui no VnV as pessoas só querem discutir sobre viagens.
Para política, tem outros espaços na internet...

Paulo
PauloPermalinkResponder

Olhe o tema do tópico. Está muito mais para economia e política do que para viagem propriamente dita. Os fatores que afetam uma viagem englobam inúmeros assuntos. Não vi problema algum na citação do Joachim.

Monica
MonicaPermalinkResponder

Pois é, que povo chato! Eu bem que queria essa diminuição..

Majô
MajôPermalinkResponder

Eu faço um mix: levo em espécie, saco em ATM se preciso, sem problemas, e uso pouco cartão de crédito.
Acho que andar com muito dinheiro em espécie, é um grande risco.

rachelvic
rachelvicPermalinkResponder

Será que pra Europa vale a pena levar reais pra trocar?

Li em algum lugar relatos de que em Paris o euro tava 3 ou 4 centavos mais em conta, sem contar que não havria IOF. Será que vale?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Rachel! Não vale, não.

Gabe Britto
Gabe BrittoPermalinkResponder

Adorei a experiência compulsória de levar dinheiro vivo em duas das minhas últimas viagens e pretendo repetir sempre que possível. Mas não pretendo deixar em casa os cartões de crédito e débito e dou aqui um bom motivo para isso, vivido anteontem: a área de transferência internacional do aeroporto de Kiev (Ucrânia) não tem caixa eletrônico nem casa de câmbio, e os restaurantes só podem receber pagamentos na moeda local ou em cartões de crédito e débito. Já pensou chegar lá com fome para uma conexão demorada, cheio de euros e dólares, mas não poder comprar nadinha? E pode haver muitos outros aeoportos por aí na mesma situação. Melhor carregar sempre um dinheirinho de plástico mesmo. wink

Gustavo
GustavoPermalinkResponder

Estou indo para a Europa daqui a 10 dias.. Estou com dois cartões TravelMoney (Visa e Master) já carregados com Euros. Como vou passar a maior parte da minha viagem na Polônia, e depois vou fazer um mochilão por alguns país, fiquei em duvida se é preferivel utilizar o cartão (não o TM) para saques, o que compensa mais? Será que vai ser muito alta a taxa de cambio se digamos eu sacar do TravelMoney (que está em euros) pra moeda do pais (Zloty polonês, Libra) ?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Gustavo! Por favor, leia o post acima; está tudo explicadinho.

antonio carlos

excelentes dicas.

paulo
pauloPermalinkResponder

Desculpem a pergunta, sou literalmente de primeira viagem: Se eu levar somente os cartões poderei ter problemas na imigração? Devo comprovar uma quantidade em espécie para cada dia que permanecer no país assim como as reservas no hotel e seguro ?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Paulo! As comprovações tanto do seguro saúde quanto da sua hospedagem pelo período total da viagem são fundamentais. Levar um pouco de dinheiro vivo também é interessante, não só para evitar problemas com algum funcionário da imigração mais chatinho, mas também para ser a segurança no caso de os cartões darem problema. Você viu qual é o "mix" sugerido pelo Ricardo Freire neste post?

paulo
pauloPermalinkResponder

Obrigado! Vou seguir as sugestões de Ricardo Freire.

Eduardo
EduardoPermalinkResponder

Pessoal, estou indo para o Peru (7 dias) e de lá vou para Colombia (10 dias). O que sugerem que eu leve, para nao perder tanto com impostos evitar dor de cabeca? Digo, entendo que cartao pre-pago nao é tao vantajoso em ambos paises devido a recarga em dolares, logo, o debito ao utilizar tambem sera em dolares correto?

No caso se eu usar o cartao de credito por exemplo em Cusco, o debito será em dolares ou Soles?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Eduardo! Como explicamos no post acima, é melhor levar dólares e se desejar, use seu cartão de débito para efetuar saques. Para isso, entre em contato com o seu banco para desbloquear o cartão e se informar sobre as taxas cobradas.

O cartão de crédito vale o conforto e a segurança que proporciona.

Natália
NatáliaPermalinkResponder

Bom dia Ricardo/Bóia,

Fiz um cartão pré pago do Itaú! E no momento em que fui fazer uma recarga, a cotação do euro estava em 3,14, porém o Itaú estava cobrando 3,34 (fora o IOF). Não sabia que a cotação é diferente. isso está certo??
Não sei o que faço... se em outros bancos tbm é assim.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Natália! É isso mesmo. O euro do cartão recarregável é mais caro.

Natália
NatáliaPermalinkResponder

Bóia,
No caso acima ele explicou como ele gosta de levar dinheiro na viagem.
Pouco em cash, cartão para ser recarregado à distância, cartão para saques e cartão de crédito.
Exemplo: estou indo para a Europa, tenho que entrar com que valor no País, pois neste caso, só está levando cartões e pouco dinheiro vivo. existe um mínimo?
Devo levar extrato para comprovar quanto possui na conta?
Outra coisa: cartão pré-pago só é bom deixar como última alternativa?
Obrigada!!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Natália! Você precisa provar (caso perguntem) que tem 65 euros para gastar por dia de viagem. Mas essa valor não precisa ser em dinheiro vivo. Um comprovante do cartão de crédito ou do VTM, servem.

Hoje em dia, o VTM tem a mesma taxa de IOF do cartão de crédito. Com o VTM, você já paga na ato da compra e depois não precisa se preocupar com alta da moeda. Com o cartão de crédito, tudo é pago depois, mas o cartão te dá milhas, que podem ser trocadas por uma passagem numa próxima viagem. Escolha a melhor opção para você.

andre
andrePermalinkResponder

Estou indo para El Calafate e Ushuaia entre o Natal de 2014 e retorno inicio de janeiro. Penso em levar dólares (cash) e trocar por pesos por lá.
Mais um cartão de crédito(master) e um de débito(BB) que só usarei para emergências.
Este mix é legal?
Sugestões?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Andre! É, sim!

Mariana
MarianaPermalinkResponder

Bóia,
sempre acompanho suas dicas, pois são as melhores! grin
Estou indo para Florida começo de dezembro e percebo que pelas surpresas cambiais das ultimas semanas está valendo a pena levar mais cash e usar menos o cartão de crédito, confere?
abraços

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Mariana! Se considerar o IOF menor, comprar papel moeda fica mais em conta. Porém, andar com grandes quantias de dinheiro pode gerar uma certa insegurança. Para algumas pessoas compensa pagar um pouco mais e usar o VTM ou o cartão de crédito. Veja o que é melhor para você.

Luzia
LuziaPermalinkResponder

Consigo pagar compras em Santiago (Chile) e Buenos Aires com cartão de débito da minha conta do Itau e/ou HSBC, habilitados para uso internacional?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luzia! Consegue, sim. Informe-se com os bancos sobre tarifas e limites diários e semanais.

Alex Cezar
Alex CezarPermalinkResponder

Olá..Em agosto de 2015 ficarei 20 dias na Europa, junto com mais dois amigos. To pensando, desde já, comprar Euros. Tenho medo desse cambio subir muito ate la. Alguma dica de locais melhores para comprar a moeda aqui no RJ? obrigado

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Alex! Não temos dicas de casas de câmbio. Consulte agências e casas de câmbio da sua confiança. Consulte 2 ou 3 pois os preços podem variar. wink

CASSIA SANTOS
CASSIA SANTOSPermalinkResponder

Desculpa perguntar novamente e que esta será nossa primeira viagem para fora do Brasil e estou com duvida em relação ao valor que devo apresentar na imigração, sendo que vou com a minha família.
Já estou com a hospedagem paga e o seguro saúde ok, será que tenho que comprovar 65 euro por pessoa, por dia???

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Cassia! Sim, é preciso ter extratos que comprovem que você tem essa quantia, caso questionado.

Luanna Mascherin

Muito esclarecedor.. acompanho todos os posts e, depois desse, fui obrigada a comentar kkk Vou acabar optando pelo mix de levar dólar pra pagar o hostel e levar o cartao de débito para saques. Obrigada pelas dicas! wink

Luiza Muzzi
Luiza MuzziPermalinkResponder

Olá,
Sabe se consigo carregar no Chile um Visa Travel Money levado do Brasil? Colocando reais nas casas de câmbio de lá?
Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luiza! A recarga é feita por transferência bancária. Informe-se com o emissor do cartão sobre os procedimentos necessários.

Pedro Oliveira

Olá, vou viajar para os EUA em meados de março/abril. Minha dúvida é se vale a pena fazer um VTM agora e ir carregando dólares aos poucos, conforme as variações do preço, e qual seria o melhor lugar para comprar os dólares e fazer o cartão. Sou de São Paulo/SP. Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Pedro! O VTM deixou de ser tão vantajoso assim, e agora funciona melhor como plano B ou C. Até a sua viagem você pode comprar alguns dólares em papel-moeda. Faça o VTM caso não goste de usar muito o cartão de crédito, ou queira ter mais uma segurança. O cartão de crédito e o VTM pagam o mesmo IOF, mas o dólar do cartão de crédito costuma ser mais barato, e ele dá milhas.

Rafael
RafaelPermalinkResponder

Olha, Pedro, dependendo de quanto tempo vc for ficar é melhor fazer o VTM do que usar cartão de crédito, se vc for ficar acima de 1 mês eu recomendo o uso do VTM pois vc pode comprar o dólar e deixar a taxa congelada, sem correr o risco dela aumentar caso vc utilize o cartão de crédito. Eu fiz meu VTM através da Cotação (caso se interesse, www.cotacao.com.br) eles costumam ter ótimos preços, vale a pena dar uma olhada.
Abraço e boa viagem.

Matheus Fernandes

Dica pra galera, um ranking oficial (do Banco Central) com as cotações em todas as casas de câmbio autorizadas https://www3.bcb.gov.br/rex/vet/index.asp
Tem o aplicativo pra celular também que mostra um mapa das empresas mais próximas..

Marcia
MarciaPermalinkResponder

Estou indo para a cidade do mexico dia 30.12.14. Vale a pena comprar peso mexicano no brasul ou comprar dolar para levar? Isto pq nao quero usar completamente cartao de credito ou debito la!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcia! Leve alguns dólares!

Michelle
MichellePermalinkResponder

Oi Marcia. Vou para cancun mês que vem e pelo que pesquisei é bom levar um pouco de dólares (no meu caso vou levar uns 300) e sacar peso mexicano lá, no próprio aeroporto.

Alex
AlexPermalinkResponder

Boa noite! Eu estarei viajando para França em abril, to pensando em gastar a maior parte do dinheiro em cartão de crédito pela segurança e por juntar milhagem. Uma dúvida que tenho. na fatura do cartão vai ser convertido de euro para dólar e depois para real? Se for haverá 2 perdas em conversão.... Desde já agradeço o auxílio a minha dúvida

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Alex! A conversão de euro para dólar é feita pela taxa interbancária, sem comissão nem perdas.

leandro
leandroPermalinkResponder

olá! estou indo pra buenos aires agora no inicio de janeiro, e estou pensando em um mix, levar dólares para trocar no mercado blue e real para a mesma finalidade quando a diferença for favorável, até porque só carregar dólares é um atrativo a gastar mais do que o necessário. devo levar um TM com pouco mais que o mínimo em caso de emergência. oque recomenda? abraço!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Leandro! O cartão de crédito é "menos mau" que o travel money, porque o travel money você carrega em dólar caro no Brasil, usa na cotação oficial na Argentina e ainda perde mais uns 3 a 5% na conversão para o peso.

Marcelo Polachini

Adorei esse post. Didático e esclarecedor. Parabéns!!!

Vou passar a minha lua de mel na França (5 dias) e na Grécia (5 dias) no período de 27/07 à 05/08 (2015).
Devo levar uns 2.000,00 Euros (em cash) para as despesas do dia a dia.
Levarei um cartão de crédito internacional para alguma eventual emergência.
Já paguei as passagens e ainda pagarei (aqui no Brasil) os hotéis.
Alguma recomendação para essa minha primeira viagem a Europa?
Agradeço.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Marcelo! Se vai ficar apenas 5 dias na França, use esses dias para ficar em Paris e boa lua de mel. wink

Ricardo Viegas

Vocês sabem se na Europa a bandeira Master é bem aceita? Falam que so o Visa de fato é aceito em todos os locais. Vou pra UK, Paris e Italia e estou definindo ainda a quantidade em cash que levarei.

obs: me refiro ao cartão de crédito/débito

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Ricardo! MasterCard é praticamente tão aceito quanto Visa. American Express é que é bem menos aceito do que as duas.

Paula
PaulaPermalinkResponder

Olá! Sempre usei pre-pago e deu certo - EUA, Fra, Alemanha... Sabe se é bem aceito também na Espanha (Madri, Barcelona)?
Obrigada.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Paula! Na Espanha, recomenda-se que o pré-pago tenha o nome impresso. Pré-pago sem o nome impresso dá problema, porque normalmente pedem a identificação em qualquer pagamento com cartão.

Laura Freitas
Laura FreitasPermalinkResponder

Gente,

Estou na Bolívia e vou para o norte do chile (longe de santiago) e em seguida para o Peru. Estou viajando ah mais de 1 mes, portanto meus dolares estao chegando ao fim. tenho dinheiro em minha conta corrente no banco do brasil e também tenho um VTM que está descarregado no momento pq nao sei ainda o que fazer e nao conheco ninguem que me ajude. minha duvida é: carrego o VTM em dolar e tiro em peso chileno no chile e depois em novo sol no peru ou tenho como tirar direto do banco do brasil em qualquer ATM ou tem que ter em algum terminal do banco do brasil? estou viajando mais em cidades do interior. quem já fez essa viagem pela america latina sabe o sufoco pra resolver a questao financeira ainda mais agora com a dificuldade que colocaram em cima do VTM d imposto. agradeco a ajuda. estou indo para o deserto hoje, mas farei de tudo pra ler aqui caso alguem me ajude hehe... meu email laurafreitas@gmail.com

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Laura! Se o seu cartão do Banco do Brasil está habilitado para saques internacionais, você pode fazer saques em moeda local, até um certo limite. Mas você teria que ter habilitado e desbloqueado o cartão antes de viajar.

O VTM não é um bom negócio na ponta do lápis mas é a sua melhor opção nessa situação.

Dan
DanPermalinkResponder

Ótimo artigo. Optei pelo VTM. Mas fiquei com uma pequena dúvida: ele funciona pra comprar passagens aéreas online exatamente como um cartão de crédito internacional normal? Ainda estou no Brasil e pretendo usa-lo para comprar passagens para a Europa. Pergunto isso porque não tenho limite suficiente para todas as passagens no meu cartão de crédito convencional. Então minha única saída, tirando pedir o aumento do limite, é solicitar um VTM e debitar dele. Será que tem algum risco? Obrigado.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Dan! O VTM não serve para compras no Brasil e não serve para compras online.

Leandro Machado Cruz

Ola!
Eu vou para NY em maio e minha idéia é ir comprando dolares
mês a mês para pagar uma cotaçao média.
Porém acho desconfortável carregar tanto dinheiro em espécie.
Queria saber se ao chegar lá consigo comprar um cartão pré-pago
americano, um "VTM"de uma empresa de lá, carregando
com os dólares que eu levar. Seria vantajoso? Não achei nada a respeito, então
Não sei se lá há esse tipo de cartão.

Thiago
ThiagoPermalinkResponder

Leandro, lá tem cartão pré pago.

http://usa.visa.com/personal/personal-cards/prepaid-cards

Nunca comprei, mas tem em qualquer loja (cvs, walgreens, walmart...)

Leandro Machado Cruz

Obrigado pela dica. Acho que essa é uma forma de evitar o IOF brasileiro, sem o desconforto da insegurança de ter muito dinheiro em espécie lá. Só fico pensando se da pra comprar com passaporte e a desvantagem do saldo remanescente no cartão se não gastar tudo.

Thiago
ThiagoPermalinkResponder

Acho que não precisa de passaporte para comprar esse cartão. O saldo remanescente vc pode sacar antes de voltar.

Marcelo
MarceloPermalinkResponder

Sempre levo parte em dinheiro vivo, e o que faço é separar o dinheiro em vários lugares. No voo deixo parte na minha carteira, parte com a esposa, parte na mochila, no local mais escondido possível. Em solo estrangeiro a mesma coisa, só que quantia menor conosco, o resto fica no cofre do hotel. Caso o hotel não tenha cofre, separo em vários lugares difíceis de encontrar, e carregamos boa parte. Nunca nos aconteceu nada.

andre
andrePermalinkResponder

Acabei de chegar da patagonia argentina.
Leve dólares e seja feliz.
Cotação em Ushuaia de 1 dólar x 12 pesos
Em El calafate 1x 11.5
Consegui em um hotel isenção da taxa de 21% de serviços porque paguei em Dólares. Negocie.
Abçs;

Claudia leite leonel

Olá! Vcs sabem me informar se é possível pagar com cartão de débito habilitado para compras e saques no exterior no dutyfree de Santiago?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Claudia! Teoricamente é. Por razões que não compreendemos, porém, muitas vezes compras feitas no débito acabam registradas como crédito. O jeito de evitar isso é usar um cartão de débito "puro", que não seja múltiplo.

Vivian
VivianPermalinkResponder

Claudia, aqui no Chile o sistema bancário é de chorar. Depois de ter ficado sem dinheiro nenhum aqui em dezembro (eu trabalho aqui, mas ainda estou recebendo meu salário pelo Brasil), faço o possível para não ter que depender nem de crédito internacional, nem de de saques em ATM.

Daiani Wollmann

Olá!!!
Minha dúvida é se o VTM funciona como débito ou como crédito? Vou para Europa mês que vem e, como o euro baixou nesses dia, já ia recarregar o VTM e levar um cartão de crédito internacional só para emergências...

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Daiani! É um cartão de débito que você carrega com moeda estrangeira.

Vivian
VivianPermalinkResponder

Olha pessoal com destino ao Chile: o sistema financeiro daqui é precário! Eu moro em Santiago, mas ainda recebo meu salário pelo Brasil, e em dezembro passei muito perrengue (muito mesmo, fiquei sem dinheiro para ir para o aeroporto) porque nenhum ATM conseguia comunicação com a rede da Visa Plus. Nem o crédito internacional funcionava, então, como sugestão, é melhor trazer real mesmo e fazer o câmbio. E sempre há problema de comunicação com o banco. Pagar no débito então, é um sonho bem distante.
Existem boas cotações em Providencia e no Centro. Fujam das casas de câmbio dos shoppings, pq a cotação é de chorar. Hoje está 190 pesos pra cada real, e tem lugares pagando até 220 pesos, que é o mais próximo da cotação básica (250 pesos=1 real).
.

Neftalí
NeftalíPermalinkResponder

Oi Vivian. Acho que você está sendo bem radical. Se o seu cartão der problema na Alemanha, você vai dizer que "o sistema financeiro" alemão é precário? Não tem nada a ver!
No Chile existem muito mais caixas automáticos a disposição que no Brasil, e só um sistema (Redbanc).
O Real está melhorando um pouco, hoje troquei em El Golf por 215 Pesos. O preço de equilíbrio estaria por 235/240 Pesos.
Grande abraço!

Maria Geralda
Maria GeraldaPermalinkResponder

Estou indo para os Estados Unidos dia 22/01/15, vou levar meu cartão de crédito/débito, mesmo assim ainda preciso levar dólar? Tenho na conta R$ 10.000,00 reais, preciso tirar um extrato antes da viagem?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Maria Geralda! Não se pede comprovação de meio de sustento ao entrar nos Estados Unidos, não. Não se preocupe.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar