Bagagem extraviada: o que fazer (+ 6 dicas para evitar ou diminuir o perrengue)

Natalie Soares
por Natalie Soares

O que fazer em caso de extravio de bagagem?

Na loteria do mundo das viagens, eu já fui sorteada várias vezes no quesito mala extraviada. Não dá pra negar, é uma dor de cabeça danada e um jeito bem amargo de começar ou terminar uma viagem de férias. A primeira vez que isso aconteceu, eu não tinha recurso nenhum. Não sabia como proceder e nem onde conseguir informações. Para tentar amenizar o estresse de quem enfrenta esse tipo de situação, preparamos um guia completo com informações sobre o que fazer em caso de extravio de bagagem.

Segundo relatório divulgado recentemente pela SITA, uma empresa especializada em comunicação e tecnologia, a cada mil passageiros que viajam pelos aeroportos do mundo todo, 7,3 malas são perdidas.

Ao longo de 2014, 3,3 bilhões de passageiros passaram pelos mais diversos aeroportos, sendo que desse montante, 24,1 milhões de malas foram extraviadas. Os motivos são os mais diversos possíveis: problemas no transporte, etiqueta errada na bagagem, questões de segurança, falha no carregamento e até condições climáticas adversas.

Segundo reportagem do Wall Street Jornal, em 2007, o extravio das bagagens trouxe para a indústria da aviação um prejuízo de 4 bilhões de dólares. Entre tantos números expressivos, a pesquisa da SITA garante que, de todo o volume global de malas perdidas, 81% acabam sendo encontradas e devolvidas para os passageiros. Ufa!

O que fazer em caso de extravio de bagagem?

Fiquei esperando na esteira e a minha mala não apareceu, e agora?

Seguindo as orientações da ABEAR – Associação Brasileira das Empresas Aéreas –, o primeiro passo é informar a um funcionário da companhia aérea sobre a ausência da sua bagagem, antes mesmo de sair da sala de desembarque. É importante ter em mãos o comprovante de despacho da mala, anexado ao cartão de embarque, e seus documentos.

Você precisará preencher um cadastro chamado RIB – Relatório de Irregularidade de Bagagem – informando as características do seu equipamento (cor, marca, tamanho etc) e avisar quais itens estavam dentro dele, como objetos únicos que podem facilitar o processo de identificação. Guarde todos os protocolos e telefones de contatos fornecidos nessa hora, eles serão necessários para monitorar e acompanhar o processo de busca. Esses procedimentos são válidos tanto para viagens nacionais quanto internacionais.

Fique atento: um documento divulgado pelo Procon do Rio Grande de Sul, informa que, a partir do momento do check-in, “a empresa é responsável pela bagagem do passageiro e deve indenizá-lo em caso de extravio ou danos, segundo o art. 6.º, VI e 14 do Código de Defesa do Consumidor”.

Segundo a ANAC, a cia. aérea tem até 30 dias, em caso de voos domésticos, e 21 dias, para voos internacionais, para localizar sua mala. Depois desse período, é possível solicitar o ressarcimento do valor correspondente ao seu dano, caso ela não seja localizada dentro desse período. A empresa também precisa manter você informado sobre o passo a passo e quais medidas estão sendo tomadas para encontrar seus pertences.

Em tese, as companhias também são responsáveis por arcar com despesas que você venha a ter nesse período longe da sua mala. Para viagens internacionais, geralmente o valor é de 150 dólares que, convenhamos, pode acabar bem rápido caso a bagagem demore mais tempo para ser devolvida.

Lembre-se de guardar todos os comprovantes de gastos extras, números de protocolos e cartões de embarque. Esses documentos são importantes para comprovar as despesas adicionais que você teve por conta desse grande contratempo.

Normalmente, as empresas aéreas mantêm dentro dos seus próprios sites, uma aba só com informações sobre extravio de bagagem e um campo para monitorar o processo de acordo com o seu número de protocolo. Entretanto, se sentir que a assistência está aquém do esperado, também é possível abrir uma reclamação na ANAC.

Se nada disso der certo, o último caminho é procurar uma orientação formal do Procon da sua cidade ou até mesmo o Juizado Especial Cível (JEC).

Dicas e alguns pitacos adicionais:

  • Nunca leve pertences de valor financeiro ou emocional na mala. Eletrônicos, joias, dinheiro e outros objetos mais valiosos devem ser transportados sempre na mala de mão ou na mochila.
  • Capriche na identificação colocando tags ou acessórios coloridos/chamativos.
  • Cadeado aprovado pela TSA é sempre uma boa ideia, para evitar que a mala fique danificada numa inspeção pelas autoridades americanas.
  • Compre um seguro viagem que cubra danos para extravio de bagagem.
  • Tire todas as etiquetas de voos antigos para diminuir o risco da mala ser levada a outro voo.
  • Leve uma muda de roupa na mala de mão e os acessórios que você vai precisar para aproveitar o destino imediatamente ao chegar.

Leia mais:

50 comentários

A. L.
A. L.PermalinkResponder

Faço dois breves adendos de medidas que ajudam a reduzir a probabilidade de extravio:

1- conexões com tempo apressado e troca de terminal são quase uma garantia de perrengue com malas, se uma combinação de vôos exige que vc vá correndo de um gate a outro no aeroporto de conexão, as chances são grandes de sua(s) mala(s) ficar pelo caminho

2- o Brasil é um dos únicos países do mundo onde o limite de peso padrão por bagagem é de 32kg em várias cias. aéreas. Na maior parte do mundo, esse limite é de 23kg. O resultado é que, em vários aeroportos, por medidade de segurança ocupacional do trabalho, malas com mais de 23kg recebem a tag de "heavy luggage", e aí ela precisa ser manuseada com procedimentos especiais, como usar um carrinho se precisar ser carregada. Isso é garantia de malas ficando para trás se o aeroporto estiver bem movimentado. Essas normas existem para preservar a saúde dos carregadores de bagagem.

Angelo Pavan
Angelo PavanPermalinkResponder

Ótimas dicas!

Cris
CrisPermalinkResponder

A. L.,

Qual seria o tempo mínimo "adequado" entre conexões para que tal problema não aconteça? Minha próxima viagem tem uma conexão de 1h55min (em Lisboa). Já fiz conexões apertadas ali, mas não me lembro se chegou a ser menos de 2 horas.

Quanto ao "Heavy Luggage", em 2014 minha última parada antes de retornar a Porto Alegre via Lisboa foi Amsterdam. Quando fui "enrolar" minha mala naqueles quiosques de "Wrap Luggage" em Schiphol, os atendendes, depois de terem colocado minha mala dentro do equipamento, vieram me dizer que minha mala estava quebrada (com uma abertura na caixa rígida de policarbonato) e por isso não poderiam enrolar. Eles mesmos me sugeriram comprar outra mala (eles tinham para vender) ou comprar uma capa protetora (eles também tinham para vender, por preço mais caro do que a vedação). Escolhi a capa protetora, que era tipo um saco preto com fecho ziper, mas a mala ficou sem possibilidade de manuseio pela alça ou arrastamento pelas rodinhas.

Tive de empurrá-la com o pé até o balcão de check-in da TAP, onde a mala foi etiquetada como "Heavy Luggage/Odd Sized Luggage", mesmo tendo menos de 23kg, e tive de entregá-la em um balcão espcial para despachá-la (era um balcão para todas as companhias, o que me deu a sensação de que eu não veria mais minha mala, hehe).

No final da viagem, minha mala foi a primeira a aparecer no desembarque em POA, num canto especial da esteira para as bagagens fora do padrão. Pelo visto, aquele dia não era um dia de muito congestionamento em Schiphol!

OBS.: nada me tira da cabeça de que aqueles dois carinhas do quiosque quebraram minha mala dentro do equipamento, pois quando eu tinha arrumado antes de sair do hotel, estava sem nenhum problemas. Adorei a Holanda e Amsterdam, mas aqueles dois, me deu vontade de esganar!! A mala deu "perda total", porque apesar de ter garantia e assistência técnica, a quebra da caixa rígida não teve conserto sad

Thaisinha
ThaisinhaPermalinkResponder

Excelente comertário

Rita
RitaPermalinkResponder

Ano passado, peguei a greve de pilotos da Air France na volta de Paris para o Brasil e tive de voar com as companias parceira, KLM e Copa air lines (sim, Copa airlines, fui parar no Panamá!!) e a bagagem foi extraviada. O interessante é que, nao tinha mais voos disponíveis por causa da greve, mais minha mala conseguiu um lugar nos voos lotados da Air France, fez um voo direto de Paris no dia seguinte mas eu, passageira, fiz umas 3 conexões ate chegar no Brasil!!!

Flavia
FlaviaPermalinkResponder

Uma dica que não resolve mas ajuda é: viajando com outra pessoa fazer cada mala com pertences das duas pessoas (ou mais). Se extraviar somente uma mala, as duas pessoas ainda terão pertences para algum tempo.

Johnny Matos
Johnny MatosPermalinkResponder

Resolve muito rs..rs..

sérgio
sérgioPermalinkResponder

Parabéns. Ótima dica...

Fabio
FabioPermalinkResponder

Ela falou: "não resolve mas ajuda". Leia antes de comentar. E concordo, dividir as roupas (do casal, por exemplo) pode significar que voce tenha algumas peças de roupa ao chegar. Se a mala vier nos próximos dias (como muitas vezes acontece) os dois terão roupas para não arruinar completamente a viagem.

Mô Gribel
Mô GribelPermalinkResponder

32kg por volume pra viagens para Europa, Oceania, USA, Canadá e etc.
Vôos internos ou para a América do Sul é sempre 23kg o limite.
Há algumas exceções, peguei um vôo Qantas vindo de Doha pra Buenos Aires que eram 2 volumes de 32kg.

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Pergunta: caso minha mala seja extraviada e encontrada uns 3-4 dias depois, os seguros de viagem cobrem esse período como?
Sempre tive essa dúvida - compro roupas condizentes com o período e guardo as notas fiscais? E se a mala aparecer? As despesas existiram...

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Oi Adri!

Se o seu plano for processar a cia. aérea, compre o que precisar e guarde as notas. Caso você queira acionar o seguro, comunique-se com a central de atendimento e siga as instruções do que você pode fazer dentro da cobertura contratada.

Adolfo
AdolfoPermalinkResponder

Varia de seguro para seguro e companhia para companhia. Normalmente é fixado um valor para cada dia sem a bagagem (em torno de USD 150). Tem também o reembolso de uma parte dos gastos (eu tive minha bagagem extraviada na Lufthansa e iriam reembolsar 50% dos gastos, mas reembolsaram 100%, mesmo achando e devolvendo a mala). Sempre guarde as notas fiscais, não só de roupas, mas produtos de higiene, remédios e outros artigos de necessidade (não eletrônicos) e até de uma eventual mala. E sempre compre em quantidade condizente com o período (faça compras a cada dois dias).

Kleiton Vaz
Kleiton VazPermalinkResponder

Uma dica importante é chegar cedo para o check in e despacho de bagagens. Voos comerciais também levam carga grande e existe um peso máximo para decolagem. Despachando assim que o check in de seu voo abrir, a possibilidade de extravio diminui pois ela chegará primeiro no desembaraço de bagagens da triagem e vai logo pro container/carrinho que a levará para a aeronave.

Roma
RomaPermalinkResponder

Kleiton Vaz,

Fazer o despacho das bagagens cedo é um risco muito grande pois quanto maior o tempo que as malas ficam em poder da cia aerea maior o risco de serem abertas e furtadas inclusive algumas cias aereas sabendo disso recusam o xequin muito tempo antes da decolagem prevista. E COMO A ANAC É CABIDE DE EMPREGO NÃO DÁ BOLAS PRA NADA DISSO.

Sylvia
SylviaPermalinkResponder

Fotografar a mala na esteira na hora do check in
é muito util . Em duas ocasiões mostrei a imagem
e a mala foi encontrada em outra esteira.

Márcia
MárciaPermalinkResponder

Ano passado minha filha teve uma mala extraviada pela Lufthansa. A mala foi encontrada 4 dias depois. Minha filha teve gastos no exterior em comprar artigos e roupas de primeira necessidade nesses 4 dias e entrou na justiça (Juizado Especial Cível). Acabou aceitando um acordo com a Lufthansa e recebeu R$ 5.000,00. A amiga também teve a mala extraviada, não aceitou o acordo e acabou recebendo R$ 12.000,00, conforme sentença do juiz.

Nathieli
NathieliPermalinkResponder

Depois de ter malas extraviadas e itens roubados após a mala ter sido inspecionada pela segurança, meu marido me convenceu a viajar apenas com bagagem de mão. Já fomos ao Chile, Colômbia e Fernando de Noronha com malinhas de 5kg. O grande teste será uma bagagem de mão para viajar no inverno. Apesar de muitas mulheres (e alguns homens) não entenderem nosso ponto de vista, fui convencida e hoje adoro viajar e não me preocupar se a mala vai chegar ou não. E se eu precisar de algo que não levei? Compro no destino.

Adorno
AdornoPermalinkResponder

E no caso das malas recebidas abertas, com cadeados quebrados, faltando pertences? Pois se comprar uma mala hermética, arrebentam tudo. Se for de zíper, eles abrem e, sempre, falta alguma coisa.
Já perdi as esperanças de tentar viajar com o seguro, e só dor de cabeça.

Malu
MaluPermalinkResponder

Acho bem estranho que a LH tenha pago tanto dinheiro para uma mala que foi encontrada dias depois. Normalmente, quando a mala nao é mais encontrada, paga-se em torno de 1200,00 Euros, isso está de acordo com o Tratado de Montreal que regula a perda de bagagem aérea mundialmente. A indenizacao nao é mais feita por peso ou conteúdo e sim um valor único por bagagem. Por isso é importante nao colocar coisas de muito valor dentro da mala, esse valor nao será reembolsado. As cias. aéreas perguntam detalhadamente sobre os itens contidos na bagagem, nao para reembolsá-los, mas somente para facilitar a identificacao. Quem inventar itens caros para receber mais, só estará dificultando o encontro da própria bagagem.
Para nossa "alegria" e "sossego", anualmente desaparecem 42 milhoes de malas. Desses, 1 milhao nao aparece nunca mais sad Os outros aparecem dentro de 5 dias smile
A maioria das cias. aéreas reembolsa 100% dos artigos de toilette e 50% das roupas compradas. Só o extremamente necessário e nao roupas de marca!
O reembolso também é feito de acordo com a classe da passagem comprada e também se o passageiro voa constantemente com a mesma cia. Ele varia entre 25,00 e 200,00 Euros, pagos uma única vez.
Quem pensa que vai ganhar um novo guarda-roupa às custas da cia. aérea, pode esquecer smile
Quem receber reembolso da cia. aérea dificilmente receberá algo do seu seguro, e vice-versa, eles trabalham juntos. Por isso, aconselham os peritos no assunto aqui na Alemanha, nao se deve fazer seguro para bagagem, é jogar dinheiro fora, se ela sumir a cia. aérea paga.

O único seguro importante durante uma viagem é o seguro-saúde incluindo o transporte de volta e, quando possível, com acompanhamento médico. Se esse seguro, o que inclui o transporte de volta, é importante para um brasileiro que viaja à Europa ou aos Estados Unidos, tenho minhas dúvidas. Mas se viajar para outros cantos da Terra onde o tratamento médico seja pior que no Brasil (no Congo, talvez kkkkk!), entao esse seguro, o que inclui o transporte de volta, é muito importante. Um seguro-saúde com cobertura total do tratamento no exterior é importantíssimo. Aqui na Alemanha a diária de um hospital - sem incluir o tratamento em si - sai por 1 mil Euros. Dependendo do hospital pode ser mais cara ainda. Só pra dormir e comer aquela comida de doente!
Acompanhante nao dorme no hospital, a nao ser um sheik árabe que alugue todo o andar, acho que nao é o caso de ninguém aqui smile

Márcia
MárciaPermalinkResponder

Olá, Malu, esta indenização de R$ 5.000,00 que minha filha recebeu foi por danos morais. Foi acordo. A indenização que a amiga dela recebeu foi também foi por danos morais só que decisão prolatada pelo juiz de direito. É o mínimo que a companhia aérea pode fazer para minimizar os prejuízos morais por se ficar 4 dias no inverno de Israel sem roupas, casacos e artigos de higiene. Bagagem não é para ser perdida.

Malu
MaluPermalinkResponder

Desculpe Marcia o meu desconhecimento. Trabalhei em turismo durante anos e no aeroporto antigo de Munique e nunca soube que perda de mala ocasiona danos morais. Nao quero defender a LH de jeito nenhum, aliás tenho muitas perrenhas com ela, mas ela foi até muito condescendente, aqui sua filha receberia o que de direito (1.200,00 € menos 50% do que ela gastou com roupas pois a mala foi achada). e nada mais. Mas parece que se leva em consideracao as leis do país, vide o caso das vítimas do piloto suicida. Aqui, as famílias das vítimas européias, se receberem 100.000,00 no total, será muito. Às famílias das vítimas americanas a LH pagará milhoes. Vá lá entender.

Malu
MaluPermalinkResponder

Passei uma informacao errada. Corrigindo: o reembolso por perda de bagagem nao é por mala perdida e sim por passageiro. Se sumirem duas malas de uma mesma pessoa... deu azar sad
Em compensacao, por exemplo, se uma família com 4 pessoas viajando com duas malas, tiver sua bagagem perdida, o reembolso será pelo n° de pessoas e nao pelo de malas. Acabo de ler isso num processo feito junto à Unidade Européia.

Andrea
AndreaPermalinkResponder

Além da companhia aérea perder sua mala, corre o risco de outro passageiro levar sua mala por engano ou falta de atenção. Em um vôo pra Londres, um passageiro levou minha mala por engano, não sei como, pois a mala dele era completamente diferente da minha, inclusive de outra cor! Só não fiquei sem a mala, pois ele foi parado pela alfândega de Londres que pediram pra ele abrir a mala, e ficaram surpresos com a quantidade de calcinhas, sapatos de mulher, maquiagem que tinha na mala de um cara barbudo.

Regina
ReginaPermalinkResponder

Feio! Mas eu sou daquelas que voa para a frente da esteira e ninguém me tira de lá até chegar minha mala pq já aconteceu, por duas vezes, de uma pessoa pegar a minha mala. Mesmo de cor, fitas e etiquetas diferentes e chamativas. O pior é que ninguém confere se vc esta mesmo saindo com sua mala ou de outra pessoa... nunca entendi pq não conferem isso. Fico mega tensa na chagada com medo de, além da mala não ter vindo, alguém pegar sem eu ver. : (

Malu
MaluPermalinkResponder

Tem toda razao. Essa pergunta eu também sempre me fiz. Faco exatamente como vc quando vou pegar minha mala.

Mariana
MarianaPermalinkResponder

nossa, eu já peguei a mala de outra pessoa, por engano! kkkk sério, até a fitinha amarrada na alça era igual! só percebi o erro quando estava em casa, a 50Km do aeroporto. A criatura dona da mala ainda tava indo pro interior, tava na rodoviária já, quando a Gol conseguiu falar com ela. Aí foi aquela correria de volta pro aeroporto pra conseguirem devolver a mala antes da "vítima" entrar no onibus. KKKKK. E a minha mala? Bem bonitinha, me esperando no guiche da gol... kkkk depois dessa, enchi de fitas e badulaques na alça, pra evitar problemas smile

Marcie
MarciePermalinkResponder

Eu passei a usar o TrakDot, um trequinho que vai dentro da mala e me diz, por email ou sms, onde a mala se encontra, sempre. O único senão é que, um dia desses, fiz uma daquelas viagens absolutamente não recomendadas pelo VnV, com escalas em trocentos lugares, e por muito pouco não acabou a bateria.

Shirley Moriale

Onde compro o TrakDot?

Marcie
MarciePermalinkResponder

Shirley, eu comprei na Amazon, e em seguida abri a conta no Trakdot. Mas eles vendem diretamente, no site deles:
https://www.trakdot.com/en

Caio
CaioPermalinkResponder

Curioso é que já fui informado por um assistente de uma companhia aérea em não remover as pequenas etiquetas coladas na mala referente às viagens anteriores. Segundo ela, quanto mais itens facilitasse a identificação da mala, melhor.

Eliana
ElianaPermalinkResponder

Ridículo. Todos os adesivos e informações de viagens anteriores devem ser removidos, pois sua mala pode parar em outro voo, que não o seu e conexões.

Roma
RomaPermalinkResponder

Ultimamente em duas viagens no Brasil com a GOL tive minha mala aberta e objetos furtados. Cadeado quebrado e mala rasgada com faca. Registrei o ocorrido na GOL e também na ANAC e nunca houve ressarcimento da mala danificada ou dos objetos furtados. A GOL chegou a prometer depósito de determinado valor em minha c/c e nunca fez. A ANAC informou que nada pode fazer pois só trata de questões tecnicas dos voos. FICA O JOGO DE EMPURRA ENTRE ANAC e GOL. UMA VERDADEIRA CANALHICE. Agora os jornais noticiam que um senador indicou o seu genrinho para a diretoria da ANAC. CABIDE DE EMPREGO.

Letícia
LetíciaPermalinkResponder

Tb aconteceu com a minha! O pior é ouvir da gol q só há ressarcimento se SUMIR mais de 1kg da bagagem!!!! A solução é roubar aos poucos! Um absurdo!

Eliana
ElianaPermalinkResponder

Entre na Justiça e faça BO quando isso acontecer. A companhia aérea tem sim que indenizar qdo. vc. é furtado. E ainda está em tempo, pois o prazo de prescrição é de 5 anos.

Malu
MaluPermalinkResponder

O mesmo aconteceu comigo em Guarulhos. Fiz a burrice de fazer o check in muito cedo e a turminha do aeroporto, especializada em revistar malas alheias de quem faz check in cedo, como nao conseguiu abrí-la pois estava com um montao de cadeados, só de raiva cortou todas as alcas e o cinto de seguranca. Para o Brasil só viajo com mala velha, cacarecada smile

Maria das Graças

A minha dica é viajar com mala de cabine. Até no inverno é possível e ainda sobra espaço. Passei 40 dias na Europa ( Inglaterra, Holanda e Bélgica) no último inverno. Levo a mala de cabine e uma sacola de mão onde acomodo objetos pessoais e documentos.

Cristina
CristinaPermalinkResponder

Chocada com os comentários dos colegas. Já fiquei sem mala 4 dias em evento de trabalho tendo que comprar roupa e sapato em mercado por que era domingo e na cidade do evento (Aberdeen, Escócia) todas as lojas estavam fechadas. A empresa que eu trabalhava solicitou reparação de danos morais a British Airways e tive uma boa indenização à época, não lembro o valor por que isso tem quase 10 anos. Mas guardar todas as notas é fundamental. Afinal, eu não tinha escolha por que não podia ir para o evento de tênis. E imagino que estragar as férias por isso também é muito ruim.

Malu
MaluPermalinkResponder

Como operadora de viagens, há muitos anos fui para uma feira de turismo (1 semana) em Stuttgart, também no inverno. Meu marido me levou até lá de carro. Ele é quem sempre arruma as coisas no carro para caber tudo. Pois na pressa de sair, ele esqueceu de colocar todas as minhas roupas - mas todas mesmo! - que estavam passadas e penduradas em cabides. Só levei a maletinha com coisas pequenas.
Como eu estava sozinha no stand, nao podia sair para comprar nada. Resultado, vesti o mesmo jeans, a mesma blusa e o mesmo pulover com os quais viajei até lá, durante uma semana. Como chegava tarde ao hotel, nem podia lavar nada pois nao secaria até o dia seguinte.
Sobrevivi sem problemas. Mas ele quase que nao, eu queria esfolá-lo smile

Daniele
DanielePermalinkResponder

queria ter um botão curtir aqui, para poder curtir o seu comentário wink)

Daniele
DanielePermalinkResponder

Obrigada a todos pelas dicas foram ótimas! muitas já falo aos meus clientes (sou agente de viagens).
Mas aprender, principalmente com a experiência dos outros, nunca é demais.

Constantino
ConstantinoPermalinkResponder

Já me aconteceu da mala desembarcar na conexão e eu continuar a viagem. Tenho uma dica de quem trabalha no setor de malas extraviadas de um aeroporto: não só as fitinhas, mas exagere também nas etiquetas de identificação. Uma pode se rasgar, mas duas ou três fica bem mais difícil

Malu
MaluPermalinkResponder

Mas etiquetas de papel naquele invólucro de plástico, senao acontece como comigo, coloquei num invólucro de metal, prateado, presente de uma seguradora de viagens. A mala chegou sem problemas, mas o invólucro nao. Em toda parte há "colecionadores do alheio" sad

Lucy
LucyPermalinkResponder

Na minha última viagem à Itália minha mala desapareceu por 5 dias e só a achei pq voltei à Nápoles onde havia desembarcado e a mala estava lá, junto com muitas outras. Tenho certeza que só iriam me devolver quando chegasse ao Brasil. Entrei com uma ação de indenização por danos morais e materiais no Juizado Especial e fui indenizada em R$ 1.800,00 por danos materiais, pelas despesas que tive com compras de itens necessários (juntei todas as notas, até o recibo do táxi para ir ao aeroporto checar se a mala estava lá) e R$ 6.000,00 fixados pelo juiz por danos morais. Fica aqui mais uma vez a dica já dada por muitos sobre a importância de juntar todas as notas e recibos de despesas realizadas que tenha a ver com o desaparecimento da bagagem.

Rita
RitaPermalinkResponder

Essasa desculpas bizarras das cias aereas de q so idenizam itens roubados com mais de 1kg é a mesma tatica de muitas empresas de outros setores, q contam com q a pessoa se conforme com a desculpinha e nao entre na justiça para receber seus direitos. Tipo, "se colar, colou" e com isso se livram da responsabilidade e de prejuizos com o numero cada vez mais crescente de bagagens extraviadas. Nunca aceitem essas explicaçõe pífias e correm sempre atras dos seus direitos na justiça. Agora esta ficando mais facil, aqui no RJ, algumas cidades e na capital, pode entrar com processos ate pela internet!

Rita
RitaPermalinkResponder

Será que existe um ranking com as cias que mais extraviam mala?!

Fernanda
FernandaPermalinkResponder

Olha, isso que você falou de que a primeira vez que temos a mala extraviada ficamos perdido em relação ao que fazer é a maior verdade! Graças às cagadas da Avianca, agora estou craque nesse assunto, sei todos os meus direitos...

Eu passei por uma situação muito traumatizante de extravio de bagagens com a Avianca. Tive o desprazer de fazer uma viagem com a minha família com esta companhia aérea, do Peru para a Colômbia, no retorno eles fizeram o favor de extraviar a minha mala, com todos os meus pertences de valor financeiro e sentimental, mas tudo de uma maneira muito suspeita.

Chegando em Cartagena para fazer o check in o aeroporto estava praticamente vazio, visto que estávamos lá com duas horas de antecedência. A funcionária imprimiu as quatro etiquetas de bagagem e colou todas juntas em um cartão de embarque, uma sobre a outra, de maneira que só era possível ler a primeira etiqueta. Não havia ninguém fazendo o check in ao mesmo tempo que nós ou esperando para faze-lo. Nós embarcamos para Cali, nossa conexão, e depois para Lima. As malas dos meus pais e da minha irmã chegaram imediatamente, a minha não. Só sobrou uma pequena mochila velha na esteira de bagagens. Fui ao balcão da Avianca falar com o funcionário e eles falaram que tudo o que tinha do meu voo já estava ali. Ótimo, minha mala não chegou.

Então checamos as etiquetas de bagagem que ficam com o passageiro, para a nossa surpresa o meu recibo, que estava colado por último de maneira que só era possível vê-lo depois de arrancar as outras três etiquetas, estava com o nome de outra pessoa e indo para Bogotá! A surpresa foi maior ainda ao perceber que a mochila minúscula rodando na esteira de bagagens estava com o meu nome! Porque alguém despacharia uma mochila tão pequena e praticamente vazia? Como a funcionária em Cartagena teria confundido as etiquetas sabendo que somente eu e minha família estávamos fazendo o check in naquele momento? Vocês imaginam se dentro da mochila, houvesse drogas ou outras coisas ilícitas? Eu estaria respondendo por essa irresponsabilidade!

Toda essa história está muito estranha. Se isso fosse uma simples troca de etiquetas, minha mala teria chego à Bogotá e sobrado na esteira e a essa altura eles já teriam localizado uma mala sobrando, que está muito bem identificada para que eles pudessem ter me encontrado e devolvido a mala. E a mochila velha sobrando na esteira, se ela realmente fosse de alguém, ela teria sido procurada por seu dono, o que provavelmente não aconteceu e me faz acreditar que fui vítima de um golpe.

Agora, 72hrs depois do ocorrido, a Avianca só me diz que eu tenho que esperar. O pior de tudo é o descaso deles, que não está nem um pouco dispostos a me ajudar e que inclusive, excluiram as minhas postagens na página do facebook deles – uma postagem que inclusive já mobilizou várias pessoas, tendo muitos comentários e compartilhamentos, e que só recebeu uma resposta paliativa da companhia aérea. Frustrante. Vou acionar a companhia judicialmente.

Luiz Fernando Linero

No dia 04/02/2016 eu e minha família fizemos viagem de retorno de Cartagena (Colombia) para Curitiba, sendo o trecho de Cartagena a Lima (Peru) feito em aviões da Avianca, com conexão em Cali, nos voos AV9503 e AV149 e o trecho Lima-Curitiba feito pela TAM.
Ao chegarmos em Lima constatamos que uma das 4 malas despachadas não havia chegado ao destino. Inicialmente os funcionários da Avianca informaram que a mesma havia sido enviada, por engano, para Bogotá e que em no máximo 24 horas nos seria entregue. E na esteira do aeroporto de Lima havia sobrado uma pequena mochila, com no máximo 4 quilos, etiquetada com o nome de minha filha. Então, aquela mochila tinha ido para Lima e a mala de minha filha estaria em Bogotá.
Já no dia seguinte, a conversa dos funcionários da Avianca mudou: disseram que não tinham nenhuma notícia do destino de nossa mala e que deveríamos protocolar uma reclamação no site da companhia, para formalizar o desaparecimento. Como? Então aquela reclamação feita em Lima não serviu para nada? Não constava dos registros da companhia?
Hoje ligamos novamente no serviço de bagagem da Avianca e, como nas outras vezes, não nos dão nenhuma informação. Mas além disso, o funcionário que atendeu foi grosseiro, dizendo que nós havíamos feito a reclamação às 13:36 hs do dia 06/02 e que deveríamos aguardar 72 horas para ter uma resposta. Ou seja: ele comprovou que aquele registro feito em Lima tinha sido só de mentirinha, pois nem foi registrado no sistema.
Mas o pior é que o caso tem indícios muito claros de não ter se tratado de simples engano ou extravio. Quando fizemos o despacho não havia absolutamente nenhum outro passageiro, antes ou depois de nós, fazendo check-in. Então, como a funcionária poderia ter uma etiqueta de Bogotá, para colocar em uma de nossas malas?
Além disso, embora tivéssemos mostrado o check-in eletrônico no celular, a funcionária fez questão de imprimir novos cartões de embarque. E colou todas as 4 etiquetas de bagagem cuidadosamente uma sobre a outra, de forma que não pudéssemos ver que a primeira etiqueta tinha como destino Bogotá e não Lima. Isto, nós só percebemos em Lima, quando destacamos as etiquetas que estavam em cima, correspondentes às malas que chegaram.
Além disso, como não havia nenhum outro passageiro para fazer o check-in logo atrás de nós, de onde surgiu aquela mochila que foi mandada para Lima, com a quarta etiqueta que ela emitiu para nós? E quem despacha, num voo internacional, uma pequena mochila de mão, com menos de 4 quilos, em vez de levar isto na cabine?
Ou seja: os indícios de que a mala foi desviada propositalmente são enormes. Mas a Avianca não está nem um pouco preocupada em nos ouvir, em nos dar uma satisfação e em investigar a provável existência de uma quadrilha de roubo de bagagem, que conta com a participação de seus funcionários.

Rosimar Noberto Oliveira

No dia 12 de Agosto de 2018 estava voltando de Cancún (México) para o Brasil. fiz conexão no Aeroporto Eldorado em Bogotá (Colômbia) e ao passar no raio x da alfandega eu esqueci de pegar a minha bolsa/sacola de mão e ao chegar ao Brasil já enviei um e-mail no Achados e Perdidos do Aeroporto aonde ele me responderam que a bolsa de mão estava la. Perguntei como fazer para recuperar, pois eu moro no Brasil. Responderam assim:
Boa noite Sra.
(Desejo isso bem, atenta e respeitosamente, gostaria de informar que, por segurança, a opção que oferecemos é reivindicá-la por meio de uma simples procuração (exemplo anexo) indicando o nome da pessoa autorizada a reivindicar o objeto (fazendo uma breve descrição do objeto), número de identificação e fotocópia do documento de identidade do proprietário e do autorizado).
Mas informei que eu não conheço ninguém em Bogotá e como posso fazer para recuperar a minha bolsa de mão, a resposta foi a mesma.
Pergunto por aqui se já aconteceu com alguém isso e como conseguiu resolver. Pois já sinto que perdi os meus pertences que la ficaram.

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Rosimar! Você já tentou contato com o consulado brasileiro em Bogotá? Talvez a cia. aérea pela qual você voou também possa ajudar.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia offline! Vamos continuar aprovando comentários, mas a Bóia só volta a responder perguntas que forem feitas depois de 10 de abril de 2017. Obrigado pela compreensão.
Cancelar