Nós, mulheres, vamos continuar viajando

Mariana Amaral
por Mariana Amaral

viajar sozinha

Na equipe e entre leitores, as mulheres são maioria aqui no Viaje na Viagem. Ao lado do Ricardo Freire, nossa diretora Elisa Araujo cuida de toda a parte administrativa e comercial do site. Na redação, somos Natalie, Heloisa, Juliana, Rebeca e Mariana, e pelas pesquisas descobrimos que o Viaje na Viagem tem um público em sua maioria feminino. Por isso, a tragédia que aconteceu com as duas turistas argentinas no balneário de Montañita, no Equador, fala muito diretamente a nós.

María José Coni e Marina Menegazzo tinham pouco mais de 20 anos. Saíram de Mendoza, na Argentina, para fazer um mochilão entre o Peru e o Equador. Ao que tudo indica, foram assassinadas ao reagir a uma tentativa de estupro. A grande repercussão do caso tem a ver com as primeiras notícias e comentários sobre o acontecido, que culpavam mais as vítimas do que os próprios assassinos pelo crime.

O episódio me recordou da história de Chris Ribeiro, uma jovem brasileira também desta idade que esteve desaparecida em dezembro do ano passado em Barcelona. Chris viajava a passeio e foi encontrada com amnésia temporária. A polícia espanhola declarou acreditar que a garota tenha sido vítima de um "boa noite, Cinderela" seguido de sequestro. Nas seções de comentários de portais como o G1, era difícil encontrar alguma mensagem solidária. "Essa história está mal contada" era o que mais se lia, junto a piadas e insinuações maldosas sobre o comportamento da menina.

Durante muito tempo, a única questão que eu enxergava em viajar sozinha era aprender a conviver comigo mesma, a sair para jantar sem companhia, a guardar minha opinião sobre um quadro de um museu só pra mim. Esse sempre foi um desafio prazeroso; estar perdida no metrô e de repente me encontrar, sem falar o idioma local e sem pedir ajuda para o guardinha. Viajar sozinha significava acumular essas pequenas vitórias.

Mas, com esses dois episódios, acabei me lembrando de que já enfrentei situações muito piores do que precisar me entender com um mapa de metrô. Lembrei de todas as vezes em que fui assediada, ofendida e até perseguida pela rua por ser mulher e turista. Não foram poucas. E isso foi um golpe duro.

Lembrei especialmente de uma vez em que o vendedor de um quiosque, que foi muito simpático comigo o dia inteiro, se ofereceu para me mostrar uma praia vizinha àquela onde estávamos em Arraial d'Ajuda. Depois de uns poucos metros e a perspectiva de não haver mais ninguém por ali além de nós dois, achei melhor voltar, mesmo que durante esse tempo todo ele não tivesse flertado comigo de nenhuma maneira. E então o sujeito, que parecia alguém muito bacana, se transformou completamente, e pelo caminho de volta, que era um só, seguiu ao meu lado falando todo tipo de obscenidade. Ter a consciência, anos depois, de que escapei por pouco de algo muito pior do que assédio verbal foi como ouvir todos os comentaristas do G1 dentro da minha cabeça ao mesmo tempo, dizendo que, se tivesse acontecido alguma coisa, a culpa teria sido toda minha por ter saído para passear com alguém que eu não conhecia.

Toda mulher provavelmente já passou ou vai passar por alguma situação de assédio ou violência durante uma viagem, em um momento em que esteja sozinha ou acompanhada por outras mulheres. Mas isso não pode tirar a nossa liberdade.

Vamos continuar viajando, e pela nossa presença vamos dar o recado de que é nosso direito estar onde a gente bem entender.

E queremos estar nas ruas em segurança, queremos beber cerveja nos balcões dos bares, queremos sair para dançar, conhecer pessoas e viver amores. Queremos andar de transporte público à noite. Queremos alugar um carro e viajar entre amigas. Ousamos até querer pedir carona.

Nenhuma decisão que uma mulher tome durante uma viagem sobre onde ir, com quem conversar ou o quanto beber justifica qualquer violência contra ela.

E que às garotas que saem de casa para conhecer o mundo se deseje menos "juízo", e mais "divirta-se", e "boa viagem".

Leia mais:

88 comentários

Adri Lima
Adri LimaPermalinkResponder

Querid@s do VNV, vcs não decepcionam... muito obrigada, estava mesmo esperando um texto desses, de vcs, no dia de hoje. Beijos a tod@s.

Marcie
MarciePermalinkResponder

Disse tudo, Mariana! Sensacional artigo, parabéns. <3

Ana claudia
Ana claudiaPermalinkResponder

Bravo!!!

Raíssa
RaíssaPermalinkResponder

Tô sem palavras aqui! Obrigada pelo texto incrível, Mariana!

Sarah
SarahPermalinkResponder

Artigo maravilhoso! Amei!

Dani S.
Dani S.PermalinkResponder

Até que enfim algo gostoso de ler nesse Dia Internacional da Mulher (não suporto mais receber rosas virtuais).
Muito boas viagens para todas nós! wink

Marcelo Jesus
Marcelo JesusPermalinkResponder

Excelente o texto!

Dentre algumas atividades que exerço também sou professor e costumo dizer aos alunos que um belo termômetro para se avaliar o grau de "desenvolvimento humano" de um local (ou cidade, ou país, ou planeta...) é simplesmente perceber como as mulheres são tratadas! E, fazendo essa reflexão, tomar consciência de como nós mesmos, no nosso local de vida, as tratamos.

A frase da Mariana no texto: "Nenhuma decisão que uma mulher tome durante uma viagem sobre onde ir, com quem conversar ou o quanto beber justifica qualquer violência contra ela" é magistral, e isso vale para toda e qualquer decisão que a mulher venha a tomar durante a vida, em viagem ou não!

Não deixem de viajar! Mais importante ainda, não deixem de viver!

val
valPermalinkResponder

como mãe de duas viajantes apenas digo: ao infinito e além!!!

Rafaela Carvalho

Excelente artigo! Parabéns! Fico muito feliz em ler algo tão empoderador para as mulheres neste dia. Ainda por cima se tratando de assunto tão delicado.

Carla Boechat
Carla BoechatPermalinkResponder

Clap, clap, clap!

Carol (TurisLife)

Excelente texto! Esse assunto merece ser discutido e refletido. Pois somos livres e devemos nos sentir como tal!

Yara Xavier
Yara XavierPermalinkResponder

Muito bem!

Gabriel Britto

Lindo. =)

Maria Inês vargas

Excelente !! Parabéns !

Carla Marchesini Taques

Adorei o artigo, parabéns Mariana! Boa viagem, meninas!! Abs.

Maíra S.
Maíra S.PermalinkResponder

Obrigada, Vnv e Mariana! Estava precisando deste texto. Viajar sozinha é um dos meus maiores prazeres e já cansei de ter que me explicar e me justificar. Já cansei de ter que cuidar do que visto, de para onde vou ou com quem interajo durante as minhas viagens. Mas vou sim continuar viajando sozinha e recomendando essa experiência para minhas amigas!! Divirtam-se!!

Tiago dos Reis

Sem palavras aqui. Definitivamente, não é fácil ser mulher nesse mundo!
Parabéns, Mariana!

Gisele C.
Gisele C.PermalinkResponder

Falou tudo! Boa viagem para nós!

Elba Soberon
Elba SoberonPermalinkResponder

Parabéns! Excelente texto!

Nádia
NádiaPermalinkResponder

É isso aí! Fico chocada com a posição da maioria das pessoas de tentar achar os motivos que as vítimas "deram", ao invés de focar no fato de que QUALQUER violência contra QUALQUER ser humano nunca pode ser justificada.

Vamos continuar caminhando, voando, navegando e curtindo esse mundo que é nosso também.

Rogéria
RogériaPermalinkResponder

Perfeito, assino embaixo. Parabéns pelo texto.

Lívia
LíviaPermalinkResponder

Texto excelente!

Hugo
HugoPermalinkResponder

Lindo o texto. Difícil acreditar no mundo em que vivemos. Penalizar a vítima e inocentar o agressor é algo tão absurdo que não dá nem para acreditar.

Rejane
RejanePermalinkResponder

Parabéns Mariana!
Você falou em nome de todas as mulheres e dos homens inteligentes.
Texto impecável!
Ótimas viagens pra todas nós!!!!

Manuella
ManuellaPermalinkResponder

Adorei o artigo!! Parabéns!!

Guta | Blog Vambora!

É isso ai! Respeito, respeito e mais respeito! E que a única coisa que sintamos ao ir viajar seja aquele frio na barriga de conhecer um lugar novo, pegar o avião, etc, como qualquer pessoa...E não medo, insegurança ou qualquer tipo de restrição por sermos mulheres.

Carolmay
CarolmayPermalinkResponder

Muito bom! Disse tudo!

Amaro - Recife

Como pai de duas garotas loucas para conhecer o mundo, mas ainda sem idade para viagens independentes, assino embaixo!!!

Anna Francisca

Parabéns à Mariana e a todas nós, mulheres. Que continuemos viajando sempre.

Samira B
Samira BPermalinkResponder

Maravilhoso!!
Quando li a chamada da triste notícia das turistas Argentinas achei que fossem dois casos separados, afinal duas turistas que “viajavam sozinhas”. Mas li a notícia e vi que elas viajavam juntas, e fiquei me perguntando: porque diziam que estavam sozinhas?
Aí me lembrei de uma experiência pessoal que nunca tinha chamado minha atenção antes. Eu e mais quatro amigas de colégio costumamos viajar todo ano no feriado de 15 de novembro: só nós, juntas, celebrando esta amizade de mais de 15 anos. Não é incomum alguém perguntar: Mas vocês estão viajando sozinhas? Seus maridos/namorados deixam? E, se esta pergunta veio de um homem ou grupo de homens, geralmente é acompanhada de algum assédio, mais ou menos sutil.
Ainda temos um longo caminho pela frente, mas vejo que pelo menos hoje, diante deste tipo de notícia de jornal e deste tipo de comentário, muitas vozes se levantam para destacar o machismo disto tudo. E cada vez mais mulheres se recusam a intimidar por estes comentários e viajam, saem, bebem, vão ao cinema, enfim, levam a vida que querem, sozinhas ou acompanhadas de quem elas escolheram.

Marcia Palhares

Viajar sempre, não desistir nunca!! Não viajo sozinha, mas sinto uma admiração enorme por essas mulheres maravilhosas que estão sempre viajando apesar de tudo!! Um dia ainda chego lá!! Parabéns mais uma vez ao VnV, sempre especial. Obrigada!!

Denise Mustafa

mari <3 <3

Oscar | Viajoteca.com

Muito bom!!! Vivemos no século XXI, mas para muitas coisas parece que as vezes ainda estamos na idade média
Parabéns a todas as Mulheres.. O dia de vocês não é só hoje é sim todos os dias

Lilian Paryse
Lilian ParysePermalinkResponder

Até que enfim, algo menos piegas! Excelente texto!

Cecilia
CeciliaPermalinkResponder

ISSO SIM é comentário que se faça no Dia da Mulher. Assunto amadurecido, relevante, sem frescuragem e sem pregar subserviência ou dependência ! Procurem por favor saber se uma tal de LAURA DEKKER , uma neozelandesa que vivia na Holanda (linda, linda !!!) que aos 14 anos de idade DEU A VOLTA AO MUNDO num veleiro de 12 metros de comprimento SOZINHAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

Mirella Matthiesen

Que texto brilhante ... explicou tudo o que eu penso sobre o assunto!

Tânia Barreira

é triste ainda vivermos num mundo assim, e sinceramente não sei se algum dia isto vai totalmente mudar!
e o que é pior é que não é só em viagem, mesmo no nosso dia a dia, quantas e quantas mulheres violadas não são acusadas de ser elas as culpadas, por usarem saia, ou por terem sido simpáticas e tentar ajudar um desconhecido, ou sei lá mais o quê..
Mais do que os comentários machistas de homens, o que me magoa enquanto mulher é os comentários machistas de mulheres! é triste viver num mundo em que a nossa própria espécie em vez de ajudar, ataca ainda mais!

Geisa Fabia
Geisa FabiaPermalinkResponder

Costumo viajar sozinha e acho um dos maiores exercícios de auto conhecimento que conheço. É um momento único onde decido tudo, tudo, pensando apenas em mim mesma.
Não podemos deixar os episódios negativos nos tolher de viver esses momentos só nosso.

Patrícia Barros Maia

Curti 1000 vezes! Ótimo texto!

Lucia Malla
Lucia MallaPermalinkResponder

Aeeeee!!!! Um viva às viajantes deste mundo!!!! smile

Rita Bonizzi
Rita BonizziPermalinkResponder

Parabéns Mariana e equipe do Viaje na Viagem!!!
Viajo sempre sozinha, seguindo as dicas da Bóia e os conselhos da Mari, da Flávia e de muitas outras...Viajando sempre sem desistir de nossas opções, desejos e sonhos

Paula*
Paula*PermalinkResponder

Lindo texto! Mais uma vez me sinto representada pelo VNV. Só queremos continuar viajando, sendo livres e vivendo em paz. <3

Ana Paula Pereira

E existe comentário mais machista do que este: ela está pedindo para ser estuprada! Nenhum comportamento feminino pode ser interpretado desta forma! Nenhum homem pode, violentamente, avançar a intimidade de qualquer mulher, mesmo que esta tenha bebido ou aceitado sua carona, ou sei lá o que mais... O fato é que a mulher tem direito de chegar até aonde ela sinta-se segura! A partir de tal ponto, se ela dá para trás, é porque ela tem suas razões! É melhor o homem entender...

Alexandre
AlexandrePermalinkResponder

Ótimo texto, Mariana. E pensar que em pleno século XXI, precisamos conviver com pensamentos tão obtusos.

Claudia Matoso

Excelente texto! Adoro viajar sozinha e incentivo outras a ter esta experiência. Que não sejamos culpadas por "estar sozinha" (nem que o sozinha sejam 2 ou mais) nem por "reagir" (como o famigerado "a vítima reagiu" da mídia brasileira)!

Sabrina
SabrinaPermalinkResponder

Bravíssimo Mari, o VNV realmente só me trás alegrias!!!

Erika
ErikaPermalinkResponder

Vocês estão fazendo melhor jornalismo que a mídia tradicional. Fato! Não mudem por favor !

CarlaZ
CarlaZPermalinkResponder

Aeee! Muito bom!
E vamos continuar viajando sozinhas!

Tania
TaniaPermalinkResponder

Fui às lágrimas, não de tristeza, mas de orgulho. Parabéns por tão lúcidas palavras. Vamos, sim, continuar viajando sozinhas e ocupar o espaço que nos é de direito no mundo, seja no metrô, no bar, à noite ou de dia, e com a roupa que quisermos.

Nanci Lima
Nanci LimaPermalinkResponder

É isso aí.Basta de violência física e mental contra as mulheres.

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar