Cartagena: um dia frustrante nas Islas del Rosario (relato da Miriam)

Viaje na Viagem
por Viaje na Viagem

Vista-da-praia-de-hospedes-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

Texto e fotos | Miriam K.

E o passeio da Miriam pela Colômbia continua. Depois de 4 noites em Bogotá, hospedada no Centro Histórico, ela pretendia passar duas noites nas Islas del Rosario. A intenção era aproveitar mais o local, já que o passeio com ida e volta no mesmo dia parecia um pouco corrido. Mas a Miriam não previa as dificuldades de chegar à Isla Grande no período da tarde e, no fim das contas, o que iria ser o primeiro dia no arquipélago acabou se transformando em um dia a mais em Cartagena. Com o microfone, a Miriam:

Islas del Rosario: o relato da Miriam

A segunda parte da viagem à Colômbia foi dedicada a uma estada nas Islas del Rosario, que ficam a cerca de uma hora de barco de Cartagena.

Inicialmente iríamos direto do aeroporto de Cartagena para a Isla Grande (a maior das Islas del Rosario) para passar duas noites no Hotel San Pedro de Majagua, mas ao tentarmos acertar o horário do barco, recebemos a notícia de que eles só fornecem trânsfers (pagos à parte, COP 220.000 o casal, ida e volta) em horário determinado, que é em direção à ilha às 9h e de volta a Cartagena às 14h30. Como nosso voo chegava às 14h, pedimos uma sugestão de alguém que pudesse nos levar até a ilha e eles disseram que teríamos que procurar por conta, mas que seria por volta de COP 500.000 o casal e também que eles não recomendavam o trânsfer nesse horário, por causa dos ventos. Assim sendo, resolvemos ficar esse primeiro dia em Cartagena para partir no dia seguinte com o trânsfer regular.

Islas del Rosario: Marina-Santa-Cruz-colombia-islas-del-rosario-relato-miriam

Marina Santa Cruz

A ida é tranquila e dura cerca de 40 minutos em mar protegido e mais uns 20 minutos em águas mais agitadas. O barco sai da Marina Santa Cruz, que fica a uns 10 minutos da cidade murada (ou COP 6.000) e tem capacidade para 41 pessoas. No nosso barco, mais da metade das pessoas iriam somente passar o dia na ilha. O serviço é um pouco confuso: deixamos a bagagem num canto e eles vão levando sem dar nenhum ticket e parte dela pode ir separada dos passageiros em outros barcos. Vi pessoas aflitas vendo que a bagagem estava indo para um barco diferente, mas no fim dá tudo certo. Navegamos ao longo da costa na parte protegida pela Isla de Tierra Bomba com visualização de terra todo o tempo. Depois de passarmos por Bocachica, onde há o Forte de San Fernando, o mar é aberto e fica um pouco mais agitado.

Islas del Rosario: caminho-da-ilha-del-rosario-colombia-relato-miriam

Islas del Rosario: Forte-San-Fernando-em-Boca-Chica-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

Forte San Fernando

Chegando-na-Isla-Grande-colombia-relato-miriam

Pier-do-Hotel-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

Píer do hotel em Isla Grande

Chegando ao píer do Hotel San Pedro de Majagua, eles indicam uma praia para as pessoas que foram somente passar o dia e a recepção para os que vão ficar um ou mais dias. O atendimento é muito confuso novamente, porque o barco chega lá pelas 10h, mas o check-in é somente depois das 13h. Na hora de ir embora, o check-out é às 12h, mas o barco só sai depois das 14h30. Então há um fluxo constante de pessoas que vão embora e não têm mais o quarto e de pessoas que chegaram e ainda não têm quarto. Havia uma saída para mergulho às 11h, mas nesse horário não havia a menor possibilidade de abrirmos as malas no meio da recepção para pegar roupa de banho e os materiais de mergulho e largar passaportes, dinheiro e cartões fora do cofre. Perguntei se havia mergulhos à tarde e disseram que não havia, por causa dos ventos fortes. No dia seguinte, que já seria o dia do nosso retorno, também não daria, pois o passeio acaba por volta das 13h e nesse horário já não haveria mais o quarto para banho e troca de roupas para voltar ao continente. Assim carregamos nosso material de mergulho à toa...

Vista-do-Hotel-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

O hotel fica à beira do mar de cor turquesa de cair o queixo. São chalés que podem estar voltados para a praia ou para a mata que têm nomes como “cavalo marinho”, “caranguejo”, “tubarão” e ficam a uma curta distância do restaurante, que está acoplado à recepção. O serviço, entretanto, é decepcionante porque a logística do entra e sai é ruim. Fomos conseguir nosso quarto lá pelas 15h.

Areas-comuns-perto-do-restaurante-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

Os moradores da vila que fica a uns 10 minutos do hotel trabalham como vendedores credenciados e podem circular livremente pelas dependências do hotel. O assédio deles para comprarmos passeios a pé ou de bicicleta pela ilha e para comprar colares de 'corais' (miçangas de primeira) e de pérolas (azuis, púrpuras) é insistente e irritante.

vista-Praia-dos-visitantes-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

Área da praia dos visitantes

A praia dos visitantes do dia tem cerca de 70 metros de extensão e a largura da areia pode ser nenhuma quando a maré bate no muro artificial, ou até uns dois metros na maré baixa. As águas são turquesa, pois são protegidas por uma barreira de recifes. A areia é fina, mas o fundo é pedregoso e com fragmentos de corais que se despregam, além de ser cheia de algas tipo sargaço. Há um bar de apoio que fornece toalhas aos visitantes.

Praia-dos-hospedes-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

vista-Praia-dos-hospedes-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

Vistas da praia dos hóspedes

A praia dos hóspedes é ainda menor em extensão e com as mesmas características em relação à largura da areia antes de chegar à água. As espreguiçadeiras ficam num nível acima, uma do lado da outra num muro artificial de pedras.

Areas-comuns-com-redes-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

Área comum com redes nas árvores

O restaurante do hotel parece ser a única opção para comer na ilha, a menos que tentássemos ir comer nas outras pousadas. Os pratos de peixes que pedimos eram bons, mas o café da manhã incluído na diária era o chamado de continental e como pedi uma omelete, disseram que seria cobrado à parte porque não fazia parte do tal café da manhã continental...

A volta para Cartagena é por volta das 14h30 e como o check-out é às 12h, ficamos meio jogados até o momento do retorno. Entrando no barco eles começaram a distribuir ponchos de plástico e informaram que 'seria melhor' que entregássemos tudo o que fosse importante para eles guardarem porque poderia 'molhar um pouco'. Assim, entregamos máquinas fotográficas, passaportes, dinheiro e tudo o mais para eles guardarem num lugar que ficaria mais seco. Molhar 'um pouco' foi um eufemismo total porque em mais da metade da viagem entra tanta água no barco que ficamos molhados dos cabelos aos fundilhos a ponto do motorista de táxi se recusar a nos levar para o hotel.

barco-SPMajagua-colombia-isla-del-rosario-relato-miriam

Todos-com-poncho-de-plastico-isla-del-rosario-colombia-relato-miriam

Ponchos necessários na volta da Isla Grande

Resumindo, as águas da Isla Grande são impressionantemente turquesa, mas a logística deles é muito ruim e achei que não compensou muito. No fim, uma diária, que foi COP 459.000 se juntou ao transporte e às refeições no hotel e resultou em COP 1049.000, mais que dobrando o valor. Por mais incrível que pareça o hotel está na lista do Condé Nast Johansens de hotéis de luxo, apesar de todo o perrengue que se passa por lá.

Ficamos compadecidos com a sua experiência, mas muito obrigado por relatar!

E você?

Também fez o passeio às Islas del Rosario? Ficou frustrado como a Miriam ou deu mais sorte? Conta pra gente!

Leia mais

37 comentários

Fernando Silva

Oi,

estive em Cartagena em Julho de 2015,escolhi o passeio para a Praia Blanca, fomos 2 vezes.

Na primeira, escolhemos uma das empresas que além da praia e do Oceanário, que é padrão, ela nos levaria para uma parada com almoço no forte de San Fernando. Essa experiência foi péssima, alguns homens aguardam o barco e dividem os turistas e servem como guia, depois do almoço, ele nos levou para um passeio pelo Forte, que esta abandonado e muito sujo, depois de contar algumas histórias sobre a ilha eles exigem um pagamento.

Na segunda vez fomos direto para a praia e pudemos aproveitar melhor, sentando no bar de um dos albergues.

O Oceanário é nota 5, ele é diferente por estar no meio do mar.

Em resumo fuja do Forte San Fernando.

Marcelo Zeni
Marcelo ZeniPermalinkResponder

Voltei hoje de Cartagena; de fato, o assedio dos ambulantes é INSUPORTÁVEL; gostei mais de San Andrés e Bogotá, que foram excelentes e sem nenhum problema

Mari LMM
Mari LMMPermalinkResponder

Fomos a Playa Blanca, nas Islãs del Rosario em julho de 2014, de táxi. Naquele ano foi inaugurado uma ponte para acessar o local. Assim, pudemos ir bem cedo, que é quando a água é melhor e não ficamos sujeitos aos horários e desconfortos para subir e descer dos barcos.

Renata
RenataPermalinkResponder

Oi, então para ir à Playa Blanca o trajeto é só de ónibus??

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Renata! Dá para ir das duas maneiras, de ônibus ou de barco.

WALKIRIA DE ALENCAR MELO

Boa noite. Vale a pena alugar um carro para ir à Playa Branca?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Walkiria! Sinceramente, estamos ainda à procura de um relato de alguém que tenha ido à Playa Blanca e gostado. Provavelmente alugar carro apenas aumentará a lista de perrengues que você vai enfrentar no dia.

teresa
teresaPermalinkResponder

Tudo que a Miriam falou é verdade, mas sabendo dos perrengues, nos programamos melhor! A logística do hotel pode ser confusa, mas o que manda é a natureza, só dá para ir de barco pela manhã e só dá para voltar no início da tarde, depois disso o vento muda e fica inseguro, difícil conciliar com a limpeza e entrega dos quartos entre os que saem e que entram. Na volta, não recusem o poncho oferecido e guardem seus pertences no compartimento estanque, molha mesmo!! Já na ilha, o ideal é ficar ao menos 2 noites o que dá um dia inteiro lá. Negocie com os barqueiros locais um passeio para mergulho de acordo com seu nível, sempre pela manhã e à tarde vá a pé ou de bicicleta dar a volta na ilha e conhecer o pueblo local, há uma trilha pelo meio da ilha que liga diversas pousadas, casas particulares e o pueblo, não há automóveis. Á noite, na lagoa atrás do hotel, pode-se ver planctons fosforescentes conforme agita-se a água perto das algas. para mim valeu super a pena!!!

Juliana
JulianaPermalinkResponder

Amei Cartagena, a cidade historica murada ... Mas tambem me decepcionei com a visita as praias. Fiz o tour de dia todo até Ilha Rosário e Playa Blanca, mas honestamente gostaria de poder bancar uma lancha particular. O barco era enorme, estava lotado e tocando regueton (equivalente ao axé do Caribe) o tempo todo. O tempo na praia em si foi curto, almoco ja incluido com uma comida bem meia-boca ... Voltaria certamente pelo charme da cidade, mas so faria as praias em algum esquema alternativo/particular.
Meu relato aqui - http://world-surpriseme.blogspot.com/2015/08/cartagena-colombia.html

Aline
AlinePermalinkResponder

Fui em maio do ano passado para Colômbia. Resolvemos ir por conta própria até Playa Blanca: pegamos um ônibus até parte do trajeto e depois um 'taxi" na parada final do ônibus, que era na verdade um carro clandestino rsrsrs... Pra voltar, combinamos com o "taxista" e pegamos o ônibus novamente (detalhe que era fim de tarde e o ônibus veio lotado, pois passa por uma área industrial, muitas pessoas saindo do trabalho) Saímos cedo, o trajeto passa por lugares bem feinhos e em termos $$, não me lembro ao certo, mas não fez gde diferença do passeio comprado. Pra gte o que valeu foi a liberdade de fazermos o nosso horário e aproveitarmos mais o lugar sem ter tanta gte.

Ronny Alves
Ronny AlvesPermalinkResponder

Passei duas noites no hotel San Pedro de Majagua no último ano e gostei tanto que ao retornar ao Brasil, fiz um curso de mergulho.
Achei a estrutura do hotel muito boa e a recepção foi também tranquila, apesar desta situação inicial relatada pela Miriam. Já sabia que poderia não entrar no quarto na chegada e por isso levei a roupa de banho separada; mas o quarto foi liberado bem rápido e pude deixar a mala no quarto (mas, estava preparada para deixá-la na recepção). Fiz o passeio de barco para fazer snorkeling e foi muito legal. O mar é de um azul fantástico, águas calmas, morna e muita vida marinha. No dia seguinte, novamente fiz o passeio para novo snorkeling, o que também foi bem legal, embora o mar estivesse um pouco mais agitado. Estas duas primeiras saídas foram feitas com a equipe de mergulho..
No último dia, agendei um passeio de barco com um morador da ilha para retornar antes das 12 (saímos às 9h e retornamos às 11h30). Este passeio foi o melhor porque o barqueiro deu uma volta pelas ilhas, contou histórias, parou em dois pontos maravilhosos para o snorkeling (melhores que os da equipe de mergulho) e a negociação do preço ficou boa. Após um rápido banho, almocei e voltei para Cartagena.
No período da tarde, há muito vento por isso não tem saída de passeio e aproveitei para descansar, ler... no fim da tarde, fiz passeio de barco nos mangues que são bem bonitos e um passeio na pequena comunidade para conhecer.
Depois que a excursão vai embora fica bastante silencioso e dá pra curtir mais a tranquilidade da ilha...
Fiz bastante pesquisa antes de ir, por isso acho que aproveitei muito bem minha permanência no local. Adorei e voltaria novamente. Passar ao menos uma noite permite aproveitar melhor o lugar... os dias acabaram sempre com um deslumbrante pôr do sol.
A comida no hotel é "ok"... alguns pratos estavam mais saborosos e à época o preço foi muito razoável.
Realmente, o café da manhã era simples e pede melhora, inclusive esta "pegadinha" sobre que está incluído no tal do café continental...
Observei que há muita precariedade na ilha, inclusive falta de água potável. A energia elétrica também é produzida por um pequeno gerador do hotel. Estas constatações fizeram com que valorizasse mais a boa estrutura...
O retorno da ilha é realmente bem difícil, com mar agitado e muita água na cara (no caso do grupo com quem voltei, os banhos geraram muitas risadas e muitos gritinhos)... chegamos à costa molhados também... tive dificuldade para descolar um táxi para a cidade porque o local fica afastado e até fiquei um pouco preocupada com segurança, mas deu tudo certo.

Gustavo
GustavoPermalinkResponder

Fomos duas vezes às Ilhas do Rosário. Na primeira vez fomos à Playa Blanca de barco, ficamos esperando de uma a duas horas no pier pelo nosso barco. Uns amigos foram e voltaram de ônibus pela tal ponte nova e curtiram, chegaram antes e voltaram depois da leva de turistas. Pagamos 90.000 COPs pela ida e volta com almoço incluso, (bem mais ou menos). Na segunda vez fomos pra Isla del Sol, que pertence a um hotel. Pagamos 120.000 COPs pela ida e volta, café e almoço à vontade, (esse sim uma delicia). Não tinha muita praia pra curtir, mas é mais tranquilo e podíamos pegar o caiaque do hotel e sair remando pela costa.

Conclusão: se puder emendar San Andrés, economize e deixe pra ir nas praias de lá, elas deixam as Ilhas do Rosário no chinelo, e aproveite para conhecer Bocagrande e a parte histórica. Se não, vá de ônibus pra Playa Blanca ou feche o passeio um pouco mais caro para as ilhas privadas.

Paula Brum
Paula BrumPermalinkResponder

Chego a imaginar o desenrolar de tudo o que Mirian viveu. Estivemos em Cartagena no réveillon e por dez dias escolhemos apenas fazer passeios de dia, retornando para pernoitar em Cartagena. Foi acertado, pois aproveitamos o melhor do dia em cada uma das ilhas visitadas, enquanto víamos os hospedes dos hotéis vestidos e com suas malas, desde a hora do almoço, aguardando as lanchas partirem. Esse relato é muito importante para quem está planejando a viagem e seus deslocamentos.

VAL
VALPermalinkResponder

Fui a Playa Blanca em janeiro deste ano. Comprei passagem numa agência de turismo e fui confortavelmente numa van. O trajeto leva cerca de 40 minutos. A chegada ao estacionamento assusta um pouco devido à sujeira e monte de barracas de ambulantes, mas basta caminhar para o lado direito de quem sai do estacionamento para ter a praia bem tranquila e sem assédio dos vendedores. A praia é linda e vale passar a noite numa das cabanas porque depois que os barcos de passeio e os turistas de day tour vão embora, a praia fica ainda mais gostosa. Mas tenha em mente que o lugar é rústico, sem luz elétrica e sem rede de esgoto e saneamento. Se você, assim como eu, passar primeiro por San Andrés, vai ficar um pouco menos encantado com essa parte do Mar do Caribe, mas ainda assim vale muito a pena para quem está em Cartagena.

Eldren Coutinho

Estive em Cartagena há uns 2 anos e fui a uma das Islas del Rosario de barco. Como já relatados por muitos aqui, a viagem de barco é mais tranquila na ida. Na volta o mar está agitado e é impossível não se molhar todo. A ilha que visitamos (não me lembro mais o nome) não tinha grandes atrativos: a praia era pequena e com areia feia, quase sem sobras; o hotel não era lá grande coisas; a comida era bem fraquinha (buffet incluído no pacote). Mas o mergulho de snorkel é fantástico!!! A água é extremamente transparente, há muitos peixes diferentes e corais e é uma zona de maré bem segura. Fiz o passeio de ida e volta no mesmo dia e acho que valeu muito a pena pelo mergulho. Outra coisa que gostei bastante, pois achei bem divertido (apesar de um pouco assustador), foi a volta de barco, em que o banho que se leva é, no mínimo, inusitado!

Rodrigo da Costa Soares

Fiz uma viagem de 20 dias a Colômbia entre fevereiro e março deste ano e as Islas del Rosario (fiz o bate-volta de Cartagena) foi uma das piores partes, justamente pela questão da infraestrutura e do serviço. O mar de fato é caribenho e belíssimo. Por isso tenho uma opinião parecida com a de Miriam. A opção de ficar em uma das ilhas não fiz porque achei muito caro. Meu passeio de bate-volta incluiu uma rápida visita de lancha às ilhas, mas senti, na parada em uma delas, que o esquema ali é muito pega-turista. Se alguém for à Colômbia e incluir na viagem San Andrés e Providencia, como eu fiz, Islas del Rosario é perfeitamente dispensável.

Rosi Toledo
Rosi ToledoPermalinkResponder

Estive em Cartagena com meu marido no começo de fevereiro desse ano e realmente ir para os passeios nas ilhas é uma furada. Não passamos por tanto perrengue como a Miriam mas a tal Isla Del Encanto é uma decepção. Extremamente pequena, muitos vendedores enchendo a paciência, poucos lugares para sentar, bar caríssimo, comida incluída no passeio horrível. Além da companhia do meu amor, só valeu a pena pelos golfinhos que vimos na ida e o passeio ao aquário onde tem show de golfinhos e tubarões. Pelo pouco tempo que tínhamos, poderíamos conhecer melhor a cidade. Fica para próxima.

Silvia Andrade

Estive 2 vezes em Cartagena e na primeira vez em 2013, resolvi ir a Isla Baru para experimentar as praias de ateias branquinhas de lá. Vou repetir o que escrevi à época:
“Para experimentar o Caribe colombiano marquei 3 noites no hotel. Animada por ser no sistema all inclusive e achando o preço muito bom (cerca de R$ 760,00 por dia por casal), fomos para lá sacudindo 1 hora e meia de ônibus e ferry (pequeno trecho) desde Cartagena. A espaço do hotel é amplo (escadas e rampas desde o quarto) e muito bem montado, mas, se você não se informar sobre tudo que ali ocorre, vai comer e beber mal. Preste atenção nos horários para pegar os jantares a la carte (só as 7 da manhã no lobby), num dos três restaurantes para esse fim. Italiano, Asiático e “Pesca Del Dia” (este foi o que mais usei – fica na praia). Durante o dia, ou se encara o “buffezão” (em qualquer hora que for, chegue cedo) ou snacks (eu vi hamburgueres e hot dogs com fritas) e frutas já cortadinhas para lanchar (praia). As bebidas ilimitadas são “nacionais colombianas” e fracas. Os drinks acabam meio aguados (botam mesmo água mineral e/ou sodas limonadas), isso tudo em copinhos de 200 ml de plástico. Alguns turistas escolados levam seu próprio “copão” (tipo aquele térmico de café americano – leia-se – 400 ou 500 ml) que acrescidos de uns trocados (levem notas pequenas) na “caixinha” dos bartenders, vão fazer mágica (caipirinhas colombianas, mojitos e outros feitos no seu próprio copo) e isso no final representa economia de calcanhar, já que não existem atendentes para buscar bebida para você (e nem serviço de quarto - atentos). Na praia ou na piscina chegue cedo ou “marque” sua espreguiçadeira. Na hora do café da manhã eu vi toalhas, cangas e sacolas plásticas ocupando as “cadeironas” mais bem localizadas nas 3 enormes e bem cuidadas piscinas. Sobre os quartos posso dizer que são novos e grandes. Atividades com recreadores são variadas (aqueles jogos de pólo ou vôlei na piscina, entremeados com aeróbica e concurso de dança), mas o melhor pedaço do hotel (só descobri na última tarde, e por isso vá logo), é a Playa Puntilla (distante 10 metros de balsa à partir da “náutica”), onde você vai beber sem se acotovelar, descansar sob os coqueirais, e dizer - cheguei no Caribe. Nota: a comida (não provei) pode ter custo adicional (mas os snacks não). Resumo – se eu fosse agora para lá, sabendo o que agora sei, a minha estadia seria ainda melhor."

Resumo - você deve ir experimentar, mas sem grandes expectativas. Passeios de barco e mergulho sempre estarão sujeitos as condições de clima.

MARIANE LOBO
MARIANE LOBOPermalinkResponder

Meu marido e eu fomos para Cartagena em Maio 2016 e super me identifico com o relato acima. Não me hospedei na ilha, cheguei a pesquisar e até a reservar esse mesmo hotel, mas no fim percebemos que ia ficar bem mais caro do que queríamos. E é bem o que ela falou mesmo: tudo muito confuso. Compramos o passei para passar o dia entre Islas Rosário e Playa Blanca. Compramos no mesmo dia pela manhã e o barco estava agendado para sair as 9h. Saiu perto as 11h. No barco gonna tanto gente do passeio quanto pessoas que iam se hospedar nas ilhas. Outra dica que dou - e leve essa muito a sério: não vá para essas praias de fim de semana pois são lindíssimas e o povo é bem porco, maior farofa na praia, lixo, um horror, bem decepcionante. Eu voltei num dia de semana na Playa Blanca e aí sim pude ver o paraíso que é lá.

Flávio
FlávioPermalinkResponder

Eu também fiz e fiquei bastante decepcionado pois primeiramente o assédio dos vendedores ambulantes é demais. Nem no Egito encontrei vendedores como encontrei lá.
Depois optamos ir até Praia Blanca de van, o que não recomendo pois é 1hora com diversos comandos onde devemos ser revistados. Vá de barco que o percurso é mais interessante, mais rápido e barato.
Chegando na Praia Blanca fomos embarcar no barco que nos levaria as ilhas de Rosario porém um grupo de comerciantes locais juntamente com um guarda marinho corrupto nos impediram de embarcar alegando que era ilegal. Tudo foi resolvido 1 hora depois com a vinda de outra lancha a qual nos levou em direção às ilhas. Para coroar o dia, na volta quando estávamos nos dirigindo a van para o retorno, um casal vindo de moto correndo se espatifou na nossa frente. O rapaz que estava na moto saiu correndo em direção a praia sendo perseguido por outro com uma peixeira e nós no meio da cena. Optem pelo barco se forem a Praia Blanca.

Nilton
NiltonPermalinkResponder

Estou em Cartagena agora e ontem fiz uma saída de mergulho que, coincidentemente, nos levou ao mesmo hotel da Mirian (San Pedro de Majagua). Os relatos quanto a ida de barco e a "volta molhada", com os ponchos são a realidade. Em nosso caso, começou a chover pouco antes de sairmos da ilha, e antes de distribuírem os ponchos, então todo mundo ficou molhado "na largada". No meu caso nenhum grande problema, já que não tinha tirado minha roupa de mergulho (bermuda e camiseta). Todos os anos eu e uns amigos do trabalho tiramos 1-2 semanas para uma viagem de mergulhos. Por infelicidade, creio que não viemos em uma época propícia para a Colombia. Ficamos em San Andrés de 12-17.nov e estamos aqui em Cartagena, de 17-20. No dia 14 houve uma tempestade em San Andrés (a pior dos últimos 5 anos, segundo os locais) e, as notícias da TV mostravam que os estragos em Cartagena, na mesma data, foram maiores. Creio que essa temporada de chuva tenha sido a causa da nossa frustração quanto aos mergulhos, pois a água nas Islas del Rosário estavam esverdeadas e escuras (pena não poder linkar uma foto no comentário) e em nada pareciam com as fotos da Miriam (mar do Caribe). A visibilidade era péssima próxima à superfície (quem fez snorkel, se lascou mais ainda) e não passava de uns 5-6 metros depois dos 7-8m de profundidade. Havia muito sedimento e, nos 2 mergulhos, apesar da infinidade de corais (bastante frequente no Caribe), achamos que tinha pouca variedade de vida marinha. Enfim, abortamos os mergulhos que faríamos hoje e, por isso, estou aqui pesquisando o VnV para saber o que fazer em Cartagena... ?. Fica a dica para os mergulhadores: após uma semana de chuvas, não vale a pena mergulhar nas Ilhas del Rosário. Se puder, deixe os mergulhos p San Andrés.

Paula Mangia
Paula MangiaPermalinkResponder

Estou pensando em ir no carnaval de 2017, mas quero ficar em cartagena 5 dias e san andres e mais 4 dias em san andress, alguém já foi no carnaval? gostaria de saber se é muito cheio nessa época?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Paula! O carnaval só é feriado na cidade de Barranquilla. Mas ambos os destinos devem estar cheios, já que é alta temporada (tempo seco).

Ana Paula
Ana PaulaPermalinkResponder

Amei Cartagena, estivémos lá em maio desse ano e já estou louca para voltar. Nas Islas del Rosário indico o Gente de Mar Resort. É o meu preferido para passar o dia e um dos poucos que possui uma ampla faixa de areia na praia. O almoço servido é bastante saboroso ainda que não tenha luxo. De fato, o retorno para Cartagena envolve sempre um pouco de emoção, mas nada que impeça um belo passeio.

Julia Ribeiro de andrade

Eu estive em Cartagena das indias Colômbia e amei muito tudo lá é muito bom.minha vontade era de nem voltar mais para o Brasil. Fiquei 7 dias em Cartagena das indias. 2 dias em Bogotá.

Danielle Carneiro

Passei 2 dias em Cartagena, pois embarquei em um cruzeiro lá. Fomos na Playa Blanca, péssimo!! Não percam o tempo e dinheiro, praia suja, ambulantes insuportáveis, mulheres vem fazer massagem na gente sem nossa permissão, depois cobram mais de 30 dólares. QUE ARREPENDIMENTO! Praia lotada, tem que disputar uma cadeira e guarda-sol, mar com muitas algas.

NÃO RECOMENDO PLAYA BLANCA!

Eunice grotkowswky

Gente, não contem com qualquer infra. Fomos a Islã Del sol. Caro, banheiro com descarga quebrada, não tinha nenhuma água doce para jogar no corpo. Pegamos uma caneca onde havíamos tomado um drink, fomos ao banheiro e pegamos água da torneira. Nos chamaram atenção Que Não poderíamos ocupar a água do lavatório para jogar no corpo. A praia como já foi falado azul, mas se não tiver levado sapatilha, não consegue ficar em pé. Machucam demais. Comida péssima

Purificación M. Roríguez Flores

Fuimos a la Isla el Sol la semana pasada, nos gustó muchisimo el paseo, el guía muy profesional, el viaje se hace de mañana en la lancha, con salvavidas para protección, y el regreso es en la tarde sobre las 3 horas, pues el mar después se pone agitado, fuimos ese día al acuario, maravilloso, pequeño pero muy bien organizado, nos gustó mucho la Isla, y todo lo que hay en ella, amo Cartagena

Marilucy
MarilucyPermalinkResponder

Estive em Cartagena no período de 26 de fevereiro à 03 de março de 2018 e amei essa cidade incrível, colorida e emuralhada. Td inspira alegria. Conhecí excelentes restaurantes, casas de salsa, enfim...cidade mto aprazível. Estive tb no passeio às ilhas del Rosário. A praia do Baru, ñ é lá esses balaios td, mta gente, ambulantes o tempo td pressionando para comprar o artesanato deles, massagistas a td custo oferecendo os serviços, embora delicados. Estive tb na praia do Oceanario e gostei mto. A volta de lancha é q é uma verdadeira aventura, ventos fortíssimos, lancha subia com as ondas e qdo batia, parecia q o barco ia se partir. Mta adrenalina! Tds ficamos molhados dos pés a cabeça, mas foi ótimo, pois a lancha a meu ver, é segura. Resumindo, voltarei à Cartagena com fé em Deus.

LUIZ DIAS NETO

Afinal Bóia, tenho lido comentários que vão do Céu ao inferno acerca do passeio de 1 dia as tais Ilhas Rosário. Afinal, vale a pena ou não? Estou indo sábado 24.03 com crianças. Qual Ilha é melhor?

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Luiz! Ir à praia em Cartagena é o momento baixo da viagem. O Ricardo Freire foi a esse beach bar privado e achou bacaninha, mas a praia não é nada demais:

https://www.blueapplebeach.com/

Daniela.winck@gmail.com

Estamos saindo hoje de Cartagena e a situação continua como a Mirian relatou. Os ambulantes são simplesmente insuportáveis, não te deixam nem um minuto em paz. Os locais tem pouca estrutura nas ilhas. A cor do mar lindissima é a lembrança boa que vamos levar, com a lastima de ver muito lixo, principalmente plástico, anlculado na praia.

Alice
AlicePermalinkResponder

Acabei de voltar de playa blanca...na isla de Baru...e foi MARAVILHOSO!
Mas sei que minha experiência não foi a mais turística. Explico-me.
Vou sozinha. De Cartagena, peguei o ônibus.. que leva 30min mais e custa menos, pois por ônibus não é necessário pagar a taxa de estadia na 'ilha' ( que não é uma ilha...sim uma península). Voltei de barco, e me custou 20 mil COPS). Mas eu bati papo com uma dupla de irmãos que levam de barco os turistas no primeiro dia.
Pesquisando bem,cheguei a conclusão que o melhor era dormir lá. Justamente pela atucanação do passeio de uma dia. E foi a melhor coisa que fiz. Então cheguei com calma pra ver o que fazer. E tive sorte de conversar com a dupla de irmãos.
Fui com eles passar o dia na isla de Rosário. Mergulhamos nos corais. Foi a experiência mais incrível que tive até agora na Colômbia (ainda estou aqui...em palomino). Mar paradisíaco. Fomos eu e mais 3 mexicanas. Foi o melhor dia!
Na volta...a noite...fiz com eles TB o passeio para ver os planctons fluorescente. A gente entra na água e quando mexe braços e pernas...a espuma brilha! Mágico TB. O passeio das 9h às 15h até isla de Rosario saiu 50mil COPS e o dos planctons 20mil COPS
Então...eu recomendo!
Dormir ao menos uma noite (eu dormi duas e dormiria mais, mesmo com 10 litros de água pra banho por dia!) Em playa blanca!

Dulcineia lima

Bem fomos as isla blanca barú como e conhecida ...pensa numa pessoas com dificuldade para entar no barco no pier...agora imagine chegando na isla ...sem pier sem escada sem o minimo de unfrainstrutura (nao deviam vender este passeio para pessoas idosas..com problemas de joelho ou coluna) e os "marinheiro" mandando descer pois não podia ficar no barco...resumo...o passeio tem almoço incluso mas por Deus a cozinha e uma lixo pessoas sujas sem higiene nenhuma ate a praia e feia de tanta gente que te cerca para vender....as aguas sao lindas mas nao volto nem pagando eciste praias mais bonitas sem tanto sofrimento

Vinicius
ViniciusPermalinkResponder

Olá! Estarei em Cartagena em janeiro e vou seguir a dica de passar um dia no Blue Apple. Recomenda fechar com antecedência ainda aqui no Brasil ou tem como acertar o passeio lá? Nesse caso como é feito? Obrigado!

A Bóia
A BóiaPermalinkResponder

Olá, Vinicius! Reserve pelo site.

Mayara Graziele Zilio

Olá, irei em Março/2020, me animo quando vejo fotos dos lugares e ao ver comentário fico confusa e com medo de me decepcionar, espero poder vir aqui e dizer que foi tudo maravilhoso! rs

Atenção: Os comentários são moderados. Relatos e opiniões serão publicados. Perguntas serão selecionadas para publicação e resposta. Entenda os critérios clicando aqui.
Bóia de férias. Só voltaremos a responder perguntas que forem postadas a partir de 3 de junho. Relatos e opinões continuarão sendo publicados.
Cancelar