Não é bolinho: Aconchego Carioca x Chico & Alaíde

Aconchego Carioca

O Rio vive uma época de ouro no departamento botecagem.

Por um lado, os botequins clássicos continuam valorizados — e com um ótimo guia anual, o Rio Botequim. Por outro, alastram-se pela cidade as redes de pé-limpos, como Belmonte e Conversa Fiada — que, mesmo vistos com desdém pelos puristas, preservam um certo jeito carioca de sair para tomar um chopinho.

(O curioso é que essas redes surgiram à imagem dos neobotequins paulistas, que importaram a São Paulo o espírito — ainda que fake — do botequim carioca, com enorme sucesso. Mas isso é assunto para outro texto.)

O fenômeno mais interessante do momento, no entanto, paira acima dessas questões de pé-limpo versus pé-sujo. Me refiro ao surgimento das primeiras chefs de boteco: cozinheiras que têm seus quitutes reconhecidos como, como diria?, alta baixa gastronomia.

Alaíde Carneiro, do Chico & Alaíde, e Kátia Barbosa, do Aconchego Carioca, são as autoras de bolinhos cultuados pela crítica e amados pelo público halterocopista. Quando o Michelin resolver estrelar botecos, é por elas que vai começar.

Chico & Alaíde

–> Chico & Alaíde, recheios à vista

Aberto em 2009, é um dissidência do honorável Bracarense, onde Chico era o garçom mais popular e Alaíde comandava a cozinha. Está instalado na esquina da Dias Ferreira com a Bartolomeu Mitre, mais ou ou menos na divisa do Leblon dos botequins (ande duas quadras e você chegará à Academia da Cachaça e aos botecos da Cobal do Leblon; o próprio Bracarense não está longe) com o Leblon dos restaurantes (na calçada oposta está instalado o CT Boucherie, e três quadras adiante você chega ao restaurantódromo da Dias Ferreira).

Se na fase do Bracarense a estrela do cardápio era o bolinho de aipim com camarão, na casa própria Alaíde oferece um cardápio que só indo em turma para destrinchar como se deve. A tônica aqui é a valorização dos recheios; não há lugar para massas excessivas ou salgadinhos embatumados.

Chico & AlaídeChico & AlaídeChico & Alaíde

Além dos bolinhos — de tutu, de baião de dois, de abóbora com carne seca — é preciso experimentar os tôtivendos, que nada mais são que escondidinhos com tudo à mostra. O de bacalhau é dos que têm mais saída.

Muito delicados também são os petiscos que vêm enformados, mas sem cobertura de massa — como a maravilhosa de camarão (o nome é esse, não engoli nenhuma palavra, não).

Vale a pena esperar na fila por uma mesa. (Se a espera estiver muito crítica, atravesse a rua e siga pela Conde de Bernadote até a Academia da Cachaça, que tem ótimos escondidinhos.)

Chico & Alaíde: R. Dias Ferreira, 679, esquina Bartolomeu Mitre. Tel.: (21) 2512-0028. Fecha de 2ª a 5ª às 23h30, 6ª e sábado à 1h e domingo às 22h. Site oficial: clique aqui. Leia mais: Prazer em conhecer, C&A, no Rio de Janeiro a Dezembro

Aconchego Carioca

–> Aconchego Carioca, bolinhos Cordon Bleu

Há alguns anos leio maravilhas sobre os bolinhos do Aconchego Carioca. Mas ainda não tinha conseguido arranjar um tempinho para ir até a Praça da Bandeira, na Zona Norte, conferir o que eu estava perdendo.

Nesta última passada pelo Rio, fui duas vezes — mas ainda não compensei o atraso 😀

Aconchego CariocaAconchego Cariocaaconcheco-i-3

Instalado num charmoso casarão (com direito a um jardim no pátio), o Aconchego Carioca é um restaurante completo. Mas mesmo que eu não tivesse lido as recomendações da Constance Escobar, eu não conseguiria passar da seção dos petiscos.

Os bolinhos de Kátia Barbosa são jóias que vão à frigideira. O que os acepipes de Alaíde têm de intuitivos e espontâneos, os de Kátia têm de elaborados, cerebrais. Dá para ver que ela gastou muita, mas muita mufa até chegar a formulação e modo de preparo.

O cardápio explora todas as possibilidades de massa. Tem bolinho de feijoada, de feijão fradinho, de aipim (com um bobozinho de camarão, de grão de bico (com recheio de bacalhau), de tapioca.

O bolinho que fez a fama da casa é o de feijoada. E é realmente uma perfeição. Sequinho por fora (como, aliás, todos os bolinhos que provei ali), consegue a proeza de trazer uma couve perfeitamente crocante em meio à saborosíssima massa. Não é à toa que é o prato mais citado pela crítica gastronômica carioca desde a mousseline de batata-baroa com caviar de Laurent Suadeau (já faz 30 anos, você ainda estava na mamadeira).

Aconchego CariocaAconchego Carioca

Fiquei apaixonado também pelas almofadinhas de tapioca salgada (que, segundo a Constance me contou, parecem que contaram com um pitaco do Rodrigo Santos do Mocotó).

Experimentei também o “jiló do Claude”, que Kátia inventou para Claude Troisgros. Leva balsâmico e queijo de cabra, e tem o mérito de deixar o jiló palatável para quem não gosta. (Achei divertido, mas prefiro a versão hardcore lá de Minas…)

O cardápio anuncia para breve novos petiscos. E sabe-se que São Paulo ganhará uma filial nas próximas semanas, nos Jardins. Mas a peregrinação até as cercanias da Tijuca deve continuar valendo a pena.

Aconchego Carioca: R. Barão de Iguatemi, 379, Praça da Bandeira (R$ 25 de táxi da Zona Sul ou R$ 12 do Centro). Tel.: (21) 2273-1035. Abre de 3a. a sábado das 12h às 23h; domingo das 12h às 17h; segunda das 12h às 16h. Leia também: Aconchego Carioca, história boa de contar, no Pra quem quiser me visitar.

Leia mais:

Rio Zona Norte: Pedra do Sal e Samba do Trabalhador no Andaraí

Guia do Rio de Janeiro no Viaje na Viagem

Siga o Viaje na Viagem no Twitter@viajenaviagem

Siga o Ricardo Freire no Twitter@riqfreire

Visite o VnV no FacebookViaje na Viagem

Assine o Viaje na Viagem por emailVnV por email


23 comentários

Nunca consegui ir ao Chico e Alaíde por viver lotado, mais o Aconchego vale cada centavo. A comida é muito bem feita e o ambiente, muito aconchegante!

Riq,

Este tal de Michelin então vai ter que prestigiar os baianos tbm, puxando a fritadeira para nossos bolinhos, ops, a brasa para nossa sardinha!!!

O bolinho de peixe do Souza (Praia do Forte) é, digamos, internacional de tão bom!!! E o de feijoada do Caminho de Casa (Salvador) não fica atrás dos cariocas não…

Ana Luisa – a bairrista

Aproveito e recomendo um bar bem em frente ao Aconchego Carioca, que chama-se Bar da Frente (“marketing de carona”).
Peça lá um Bolinho de Arroz de Puta. O nome é esse mesmo, não fique acanhado. É uma delícia!
Para acompanhar, vale uma das diversas cervas deliciosas que eles têm (50 marcas de cervejas nacionais). Por falar nisso, o Aconchego Carioca também é uma autoridade em cervas. Na minha opinião uma das melhores casas do Rio pra se tomar uma boa importada.

Abraços!

Aff, morri. Isso não se faz 😛 Adoro o Chico e Alaide e quero muitooo conhecer o Aconchego Carioca. Estou aguada por botecos cariocas :/

Pra quem ainda não conhece tem o Nordestino Carioca, que ganhou a edição 2012 da comida di buteco com o trio nordestino, que são 3 pastéis de massa caseira, cada um com um recheio diferente: cabrito, carne de sol e queijo coalho com cebola rocha, acompanhados de geléia de pimenta e uma outra pastinha deliciosa.
Vale conferir!!!
Endereço: Avenida Sargento Carlos Argemiro Camargo – 49 Anil – Jacarepaguá – RJ
Funcionamento: terça a quinta – 12 às 22 horas;
sexta e sábado – 12 às 24 horas;
domingos e feriados – 12 às 18 horas.
Tel: 21 3412-3353.

Ai, o chokinho de camarão (o da foto do camarão com “batata palha” me deu água na boca só de lembrar… Pelo menos não está na hora do almoço!

Deu água na boca!
Que saudades da Cidade Maravilhosa!!!

    Ai que saudade de tudo isso!! Que delícia né?!! Temos que voltar para experimentarmos todos os bolinhos novamente!!!